Skip to main content

Full text of "Corografia brazilica, ou relação historico-geografica do reino do Brazil : composta e dedicada a Sua Magestade fidelissima"

See other formats


jL^íÊn 


m/^M 


\-r- 


1 








?»' 



Eir 



í:*- 



V. 




4 










Bi 



^' 



b 



COROGllAFIA BRAZILICA, 

OU 

RELAÇÃO HISTORICO-GEOGRAFICA 
REINO DO BRAZIL 

COMPOSTA E DEDICADA 
A 

SUA MAOESTABE 

FIBEJLISSIMA 

POR 

HUM presbítero SECULAR 

DO 

GRAM PRIORADO DO CRATO, 

TOM. L 




RIO BE JANEIRO, 

NA IMPRESSÃO REGIA. 

M. DCCC, XVII. ) 

Com Licença e Privilegio jReaL 



i 



SENHOR 



^ 



Descripção geográfica do vasto Rehio que 
« Frovidencia confiou a K R. MAGESTADE 
na America , he o assumpto da Obra que res^ 
peitozamente offereço a V. R^ MAGESTADE 
como Sua, por muitos títulos. Neíla se acha L 
Uístoria do Descobrimento do Brazil em 1500 
^te o anuo de 1532 tm que este Paiz foi re^ 
partido em Capitanias: mostra-se a Época o 
Methodo da Colonização, € o actual estado das 
povoações, e ProducçÕes da Agricultura , e In- 
dustria de cada kuma delias: indica-se o qut 
ha mais notável em a Matureza ; corno são 
Rios, Lagos, Montez, Cabos , Portos , Ilhas' 
Anmiaes, Mineraes , e regetaes : accrescende 
emjim hum Appefidice das duas Provindas ci- 
vilmente mmexas á do Grani Pará, Persuado^ 
me que huma tal obra merecerá o acolhimento 
que V, R. MAGESTADE costuma prestar a 
tudo que pode ser útil a seus rassallos , a cujo 
proveito sacrifiquei os melhores annos da minha 
mda, emprehefidendo esta obra original, e tão 

* ii 



,< 



superior ás minhas f orçai, e cadedaes, que por 
vezes , descorçoado d vista d' hum tropel de 
difficnldades, determinei abrir mão da emprezat 
Assim aconteceria , se não me dominasse huma 
sympathia por esta ciência encantadora , e cun- 
juuetamente me alentassem amigos intelligentes , 
e patriotas, rcceozos de que os meus trabalhos ^ 
€ fadigas descessem cmnigo á sepultura. Digne- 
se K. R. MAGESTjIDE aceitar huma offerta 
aindàque pequena para o meu dezeja , comtudo 
devida a V. R, MAGESTADE. 

Deos Guarde a Sagrada Pessoa ne P . li. 
MAGESTADE por mui dilatadas e felizes annos. 

De r. R. MAGESTADE 

Q mais reverente vassallo^ 



O Padre Manoel Ayres de Cazal 



TiU EL-REY Faço saber aos qne este Alvará 
virem: qne em Consulta da Mísa do Meu De- 
sen.bargo do Paço Me foi presente o leqiierimen- 
to do Padre Manoel Ayres de Ca7al , em que 
Me expôz ter dado ao prelo hrir.a sua obr,a in- 
titulada „ Corografa Brazilica „ fructo de 
niuitos annos de trabalho , em que fizera consi- 
deraveis despezas , e da qual pertendra publicar 
luima edição mais perfeita: pedindo-Me por isso 
lhe Fizesse a Graça de Privilegiar a dita obra 
a beneficio seu , ou das pessoas , aquém elle a 
deixar por sua morte , na forma praticada em 
similhantes Concessões. Ao que Attendendo , e 
ao mais que se Me expôz na mencionada Con- 
sulta , em que foi ouvido o Desembargador Pro- 
curador de Minha Coroa e Fazenda , e com o 
Parecer do qual Fui Servido Conformar-Me por 
Minha Im.mediata Resolução de oito do mez pro- 
3cimo passado : Hei por bem Conceder ao Supph« 
cante Privilegio exclusivo por tempo de quatcrze 
annos consecutivos , contados da data deste » 
para que nenhum Livreiro, Impressor, ou outra 
qualquer pessoa possa vender , imprimir ou man- 
dar vir de fora dos Meus Reinos e Dominios a 
dita obra intitulada „ Corografia Brazilica „ 
debaixo da pena de perderem todos os exempla- 
res delia , que lhes forem achados , metade para 
o denunciante , e outra metade para os captivos. 
E Hei outrosim por bem , que o mesmo Privile- 
gio possa por morte do suppticante passar aos 
seus herdeiros, on aquém elle o deixar, com 
tanto que não exceda o espaço dos ditos quator- 
ze annos concedidos. E este se cumprirá como 
nelle se contém, e valerá posto que o seu eítei- 
to haja de durar mais de hum anno sem embargo 
da Ordenação do Livro negiuido , Titulo qwaren- 



ta em contrario , e depois de registado em todos 
os Lugares , aonde se costiimão registar similhan. 
tes Alvarás, se imprimirá no principio, ou no 
fim de cada hum dos Exemplares da referida 
obra. Pagou de Novos Direitos quinhentos e 
quarenta réis , que se carregarão ao Ihesoureiro 
delles a folhas cem do Livro quinto de sua re- 
ceita , como se vio do respectivo conhecimento 
em forma registado a folhas cenco oitenta e cin- 
co verso do Livro undécimo do Registo GeraL 
Dado no Rio de Janeiro aos vinte hum de Agos* 
to de mil oitocentos e dezesete. 

REY . : . 

ux Lvará , porque Vossa M age st adi Ha por 
tem Fai^er Mercê ao Padre Manoel Ayres de 
CaT^al de lhe Conceder Privilegio exclusivo por 
tempo^ de quator^e annos y para que nenhara 
Livreiro , Impressor, ca outra qualquer pessoa 
possa vender ^ imprimir , ou introduzir nestes 
Reinos e seus Domínios a obra intitulada „ 
Corografia Bra^ilica. ,, E Ha outrosim por 
bem , que o mesmo Privilegio possa por morte 
do dito Padre passar aos seus herdeiros , ou 
aquém elle o deixar dentro do pra^o dos ditos 
yuaior:^e ánnos , na forma acima expressa. 

Para Vossa Magestade Ver. 

Por Immediata Resolução de Sua Magestade 
de oito de lulho de mil oitocentos e dezesete 
tomada era Consulta da Mesa do Desembargo do 
Paço, e Despachos da mesma Mesa de vinte 
quatro de Julho , e onze de Agosto do dito anno. 

Monsenhor Miranda. Monsenhor Almeida. 



A margem do registo da ResoInçSo pela qnal 
se pas5ou este Alvará fica posta a verba neces- 
sária. Secretaria de Estado dos Negócios do Rei- 
no cm 1 6 de Setembro de iHij, 

José BalbiriQ de Barboy^a e Araújo, 

^ Nesta Secretaria do Registo Geral das Mer- 
cês fica registado este Alvará. Rio de Taneiro a 
4e Setembro de 1817. 

Pagou 3:200 réis^ 
Vístonde de Magé, 

Bernardo José deSou^a Lobato o fez escrever.. 
Monsenhor Miranda, 

r^m ?^S^^^ quinhentos e quarenta réis; e aos 
Officiaes três mil quinhentos e vinte.. Rio 4 de 
oetembro de 18^7. ^ 

[osé Maria Rap 07,0 de Andrade e Sou7^a^- 

Registado na Chancellaria M'5r do Reino do 
|rasa a f. ,2 do Liv.ç.^ dos Officio^ e Mercês. 
Kio de Janeii-o 11 de SVteuibro de i8r7, 

Manoel Piacído da Cunha ValU. 
l-ugar do Sello. 

n^u^^^^T ^"^^7 "^'^ ""^^^ ^^ Sello. Rio de Ta. 
aeiro 4 de Setembro 1 81 7 . . 

Drummond, 
Joaquim José da Silveira o fez. 
Oeste três mil c duzentos réis. 



% 



índice. 



Do Conteúdo neste Tomo. 



Eaginas. 



V-} Descobrimento d* America. 

A sua Grandeza. „ ., 

O Descobrimento do Brazil. 

A sua Grandeza. 

Os Quadrúpedes Indigenas. 

As Aves mais notáveis. 

Os Vesetaes mais úteis. , „. j 

A Provincia de S. Pedro , ou do Rio grande 

do Sul. 
A Provincia do Paraná. 
A Provincia do Uruguay. 
A Provincia de S. Catharina. 
A Provincia de S. Paulo. 
A Provincia de Matogrosso. 
A provincia de Goyaz. 
A Provincia de Minas Geraes. 



No Tom. I. pag 
ahentos trinta e dois. 



Advertência.' 

lin. as. 



5». 



7 

12 
IG 
6í 

71 
94 

171 
180 

aoo 
ft47 

314 
356 



lêa-se: qui- 



LISTA 

DOS 

SENHORES SUBSCRITORES 



O 



Exemplares 



Excellentissimo e Reverendíssimo Bispo Ca- 
pe liam Mór, 8 
Ós KR. N. e N. MM. Benedictincs. 
^maro Velho da Siiva, 
ililnacieto Luiz tíarboza. 
p. Aiina Cíciiia d' Araújo, 
P R. António d' Abreu. 
Vlntoiúo Carlos Ribeiro d' Andraáe« 
António Corrêa Vascoucellos. 
António Estevam de Mendonça, 
Anton o Joaquina d' Azevedo, 
António íoiá Campos. 
António Jozé Lopes. 
António Joié Pinto. 
António Luiz ISiicoláu. 
António Pedro de Sales. 
António de Pina. 
António Rabello d' Andra.de. 
O K, António Riheyro. 
Boaventura da Cos^a Dourado. 
Braz Ribeyro de Majaibaes. 
Cândido Lazaro de Moraes. 
Carlos Tannerberg. 
Domingos Alves d' Azevedo.- 
Domingos Alves Loureiío. 
Filippe Contucci. 
Fmikísco António Alves. 
Francisco António Mirques, 
Francisco Cláudio Alvares. 
Francisco Jozé Gonçalves. 

Francisco de Lemos de Faria Pereifa Coutinho. 
Francisco Saraiva da Costa. 
Jerónimo Gonçalves Moreira. 
|oão António Ayroza. 
|oâo Borges. 

João Caetano d' Almeyda e Sylva. 
O R, João Francisco Braga. 



2. 
I 
1 
t 
I 
1 
I 
t 
I 
I 
1 
t 
IO 
1 
I 
I 
X 

1 

1 
1 
I 

% 
I 

I 

I 
t 

£ 

t 

I 

i 

I 

I 



!Í 



João Fernandes Lopea. i 

João Jorge Langsdorff. i 

João Jozé Vareifo. t 

João Maria Bercó. í^ ^ 

João Pedro Carvalho de Moraes. i ^ 

loão Pereira i 

João Valentim de Faria Lobato. i 

Joaquim Jòzé. i 

Io iquim jozé d^ Oliva. t 

Joaquim Luiz Braga. 1 

Jozé Agosiinlio Barboza. i 

íozé Albino Fragozo. i 

Jozé António de Freitas Araarale i 

Jozé António de Jeziis. i 

Jozé d* Aquino. 1 

Jozé Custodio Ribeiro. i 

Jozé Duarthe Negrão» 1 

O R. Jozé Fraga i 

Jozé Joaquim de Gouveia. I 

Jozé Lourenço Soares. i 

Jozé Luiz Brusco. i 

Jozé Manuel. x 

Jozé Maria líebsllo. i 

Jozé Maria Rapozo. t 

Jozé Marianno d' Azeredo Cõiitinho. « 

Jozé Moreira Lirio. i 

O R. Jozé Pinto da Sylva. i 

Luiz Alves d' Azevedo. i 

R. Luiz Gonçalves. i 
Luiz Jozé de Carvalho. ^ i 
Luiz Joaquim Duque Estrada Furtado de Mendonça, i 
Luiz Minuel de Carvalho. 1 
Luiz Pedreira do Couto Ferraz. i 

1 uiz Pdreira da Sylva Manuel. i 
Manuel Alves. i 
Manuel Carvalho. i 
Manuel Carvalho Rapozo. i 
Manuel Francisco de Barros. t 
Manuel Jacinto Nogueira da Gama^ i 
Minuel Jozé Pina. i 
Manuel Jozé da Sylva. i 
Manuel Mandillo. d 
Minuel Pereira de Mesquita. f 
Manuel Vaz de Barros. I 
MarcelUno António de Sckaz;!. i 
©. Maria Dtíht Daqnt Estrada, i 



Miguel loao Mayçr. 

O n. Pancracio Frederico. 

Paulo Fernandes Viana. 

Paulo Jozé Miguel. 

Paulo de Menezes. 

Paulo Priidercio Duque Estrada. 

Quintiliano Ribeiro. 

Reynaldo Jozé da Silva. 

Rodrigo António de Lamára. 

Simão Loureiro. 

Thomáz Pedro MoUer* 



wm 



COROGRAFIA BRAZILICA. 



í i O f" 



I N T R o D U C Ç Ã o. 



A 



AMERICA , segunda das quatro parles da 
Terra em grandeza , e que per si só forma um 
hemisfério , ou ametade do Globo Terrestre , di- 
riva o nome d' Américo Vespucio , piloto Floren- 
tino , que fez a este Paiz duas viagens no Ser- 
viço de Castella i e outras, duas , se houvermos de 
lhe dar credito , por mandado d'ElRey Dom Ema-, 
nueh Cí2). 

A sua vasta^ extensão , e o ter sido descuber- 
ta nos últimos Séculos fazem dar-lhe também o 
nome de Novo Mundo. Também lhe chamam , ain- 
daque impropriamente, índias Occidentaes. 

Quizeram alguns depois do seu descubrimento , 
que os Antigos tivessem noticia d' America , conheci- 
da então pelo nome de Ilha Atlântida ; ao mesmo tem- 
po que muitos Sábios per tendem que a Atlântida 
fora uma Ilha fabulo za , imaginada por Platão pa- 
rareprezentar allegoricamence o Governo de Athé-^ 
nas. Parece não dever-se duvidar dâ antiga exis- 

A 



M 



Ç?) Seçjimdo os melhores cálculos a A7Já tem três 
milhões , quatrocentas e dezanovPmil , ceuto e se^ísenta e duas 
lesiURs quadradas ; e a America três milhões vcincoeina e 
umamil , duzentas cincoenta e quatro ; havendo de diffe- 
rença trezentas sessenta e setemil , novecentas e oito a fa- 
vor da primeira. Guthrie edic. XIV. 



4 Introãucção. 

tenda desta Ilha no Mar Atlântico aò Occidente , 
e defronte das Coliimnas d'Hercules ; e que, se- 
gundo contam, desappareceu , ficando submergida 
aiaoccazião d' lium terremoto , seguido d' huma es- 
pancoza chuva , ou tempestade d'agua , què du- 
rou um dia , e uma noite inteiros. (/^) 

Os mais Modernos , tendo por verosímil que 
íts Ilhas dos Açores , a da Madeira , e as Caná- 
rias sejam fragmentos , e as porções mais altas da 
Atlântida , querem que de quanto os Antigos dis- 
seram desta Ilha, nada se deva entender dá Ame- 
rica. 

Com o descubrimento deste Hemisfério nas- 
ceram dois Problemas: I. se era porção da Azia ; 
il. como fora povoado. Quanto ao primeiro cons- 
Vd ja de largos annos com toda a certeza que á 
America he uma Ilha ; porém quanto ao tempo, 
ao modo , e por quem fora povoada, nada se sa- 
be , nem pela Historia , nem pela Tradição ; sen- 
do precizo recorrer a conjecturas ; e a mais obvia , 
e expedita he que a America noutro tempo era 
unida còm o continente da Azia. íqoiqnu ^ 

O descubrimentô deste Hemisfério' he' àttri- 
Í3uido ao piloto Genovêz Christovam Colombo. 
Diz-se que a sua felicidade principiara em elle se 
achar na Ilha da Madeira , quando , pelos annos 
de mil quatrocentos e oitenta , alli aportou o mes- 
tre Francisco Sanches 'com a sua caravella des- 
troçada , e três ou quatro marinheiros , todos mais 
mortos que vivos , pelas calamidades que soffreram 
com um temporal, que os levara a uma remotis-^ 



fTT 



'>(&) Post háec ins;enti terraemotn , Jiigique diei iinuis, 
et hôGtis alluvione facttim esí , iit terra dehiscens vestros 
illos imíá omnes bellicosos homínes absorveret , et A ti anti s 
insula sub Víistò gtjrgite mergeretur. Plato Lib. XXXII. 
Timeus pag. 704 e 5. Basii. Froben. 



íntroducfão. 3 

sima longitude Occidental, onde avistaram terra, 
que provavelmente era alguma das Ilhas Carahy- 

bas. CO 

Como de largos Séculos se sustentava que a 
Terra era redonda , e que podia haver Antípo- 
das ; (í/) e também ja se julgava que o grande 
Oceano Atlântico devia estar entre duas costas , 
como o Mediterrâneo entre Africa e Europa ; e se 
conjecturava que a Costa Oriental da Azia era a 
barreira Occidental do Mar Atlântico , persua- 
diu-se Colombo que a terra avistada por Sanchez 
era a Ilha do Japam ou Cypango de Marco Pau- 
lo , seu Aqtiilles" ; e que navegando sempre ao 
Poente , passada esta Ilha , necessariamente che- 
garia em pouco tempo ao Reyno do Cathayo , asr 
sim chamava Marco Paulo o paiz dos Sinas , ho- 
je Càina , sempre considerada como a parte mais 
Oriental da índia (ao menos contigua a esta Pro- 
víncia) onde os Portuguezes forcejavam por che- 
gar , rodeando a Africa. 

Entliuziasmado da gloria de abrir para a ín- 
dia um caminho mais curto que o projectado pe- 
los Portuguezes á roda d'Aírica , dizem que fora á 
Génova propor o seu plano , e que este lhe fora con- 
siderado como quimérico. O certo he 5 que fazendo 
a mesma proposta a ElRey Dom Joam o Segundo , 

A ii 



^ I 



(c) ,, Navegando una caravella por niiestro mar Oceano, 
tuvo tan forçozo viento de Levante, y tau continuo que fue 
a parar en ferra nb sabida, ni puesta en el mappa , ò Carta de 
marear. „ Gomara. Historia de las índias cap 13. 

(<i) Orbem certe dicimus terrae , globnnique verticihus 
includi fatemur. Neque enim absoluti orbis eát forma . in tanta 
montium exeelsitate, tanta camporum planitie . . . Circunií^nndi 
terrae undique honaines, conversisque inter se pedibus sta- 
re, et cunctis similera esse coeli verticeni , ac similí modo 
ex quacuiique parte caicari. Plin, H. Nat. Liv. II. c, 64. e 65» 






!( 



^ Introdacção. 

de quem então era vassallo , não foi attendido, 
por votos dos Geógrafos escolhidos para o ouvir. 

CO 

Ce) " Ccmo Christovam Coiom era curiozo em as coii- 
5> sas de Geograíia , e lia por Marco Paulo , que fallava mo- 
5> deradamenle das coisas Órientaes do Reyno Carhayo, e assi 
5, da grande Ilíia Cypango , veio a fanteziar que por este mar 
5> Oceano Occidental se podia navegar tanto , té que fos-^em 
í, dar nesta Ilha Cypango , e em outras terras incógnitas. Cora 
>, esre projecto veio requerer a EIRey D. João que lhe desse 
iy alguns navios pêra ir descobrir a Ilha Cypango per este mar 
íj Occidental ; porém RlRey, porque via ser este Christovão Co- 
5, lom homem failador , e gloriozo em mostrar suas habilida- 
„ des ; e mais fantástico, e de imaginações com sua Ilha 
„ Cypango , que certo no que dizia , dava-lhe pouco credito. 
,, Com tu do, á força de suas importunações, mandou que es- 
5, tivesse com Dom Diogo Ortis , Bispo de Cepta , e com Mes- 
5, tre Rodrigo, e Mestre Josepe , a quem elle commettia es- 
„ tas cousas da Comosgrafia , e seus descubrimentos ; e todos 
„ houveram pqr vaidade as palavras de Christovão Colom , por 
ji, tudo ser fundado em imaginações , e cousas da Ilha de Cy- 
„ pango de Marco Paulo. E com este desengano espedido 
j, elle delRey , se foi pêra Castella , onde também andou la- 
„ drando este requerimento em a Corre delRey Dom Fernan- 
3, do, sem o querer ouvir, té que per meio do Arcebispo 
j, de Toledo Dom Pedro, Gonçalves de Mendoça, EIRey o 
„ ouvio. J. de Barroz. „ 

N. B. Cláudio Ptolomeu, que ainda era o Oráculo em 
Geografia naquelle tempo , punha a foz do Rio Indo , li- 
mite Occidental da índia, em cento e qnatorze graus a Les- 
te do meridiano das Cannarias , e estendia esta provincia 
athé o golfo de Sião, então sinns magnas^ posto por el- 
le sessenta e um graus mais a Leste , ""isto he, na lonoini- 
de de cento settenta e eiiico graus ao Oriente do meridia- 
no das Cannarias. Ora constando, que a Terra tinha trezen- 
tos e sessenta de circumferencia , ficavam cento oitenta e 
cinco , que tantos tinha de navegar quem quizesse hir á 
índia pelo Poente. Mais: 

Como a Historia dizia Que Hannon na florencia de Car- 
tbago sahira pelo Estreito Herculano , e entrara pelo Mar 
Roxo; e que Eudoxo fizera a mesma viagem em contrario, 
Gonsiderava-se á empreza não só vencível , mas athé mais 
segura navegando em torno, e á vista d'Africa. 



Vi 



Introducção. 5 

Esta recuza o fez passar com o mesmo pro- 
jecto a Castella , onde por voto do Prior do Pra- 
do , e d'oucros Sábios , cujos sentimentos eram os 
mesmos dos Cosmógrafos Lisbonenses , liia a siic- 
ceder-lhe o mesmo , apezar de adiar fautores. A 
espontânea offerta , que Luiz deSantangel fez do 
empréstimo de todo o dinheiro necessário para a 
expedição , com a que o Cardial Dom Pedro de 
Mendonça fazia da oitava parte das despezas , 
venceram as dificuldades : e Colombo , sahindo de 
Paios de Muger com três caravellas a três d' Agos- 
to de mil quatrocentos noventa e dois em deman^ 
da das Cannarias , navegou ao Poente athé que a 
onze d'Outubro encontrou a Ilha Guanahy , que 
be uma das Lucayas , á qual pôz o nome de S. Sal- 
vador ; havendo soffrido muito á sua equipagem , 
que dedesesperada quizera por vezes voltar atrás; 
mas elle animozo a socegava , dizendo-lhe que não 
podiam ver terra antes de estarem setecentas e cin- 
coenta léguas arredados das Cannarias para oPoen- 
te. C/) 

Continuando a viagem descubriu allha da Cu- 
ba , e a Hespanholla , hoje S. Domingos , a qual os 

Cf) Colombo miichas vezes les avia dicho qne no pen- 
sava bailaria hast.i aver navegado setecientas y cincuenta lé- 
guas desde Cannaria à Ponieme, en el qual termino tam- 
bien avia dicho , que hallaria Ia Islã KespãnoUa , que en- 
tonces nombrava Cipango. Herrera Dec. I. L. I. C. XI. 

Como podia Coloinbo saber que hav*a terra setecentas e 
cnicoenra léguas ao Poente das Cannarias) como na verda- 
de estam as Carahybas) senão tivesse fallado com quem a 
vira ? Esta assersâo, o pedir elle tão extraordinárias recom- 
pensas , como eram o titulo de vicerey perpetuo , e here- 
ditário de todos os mares, e terras , que descubrisse, com 
os diziíTios dos Kicros provenientes de perpetuidade para el- 
le , e seus descendentes, déz ou doze annos d'instancias con- 
tra recuzas bem favorecem aos que affirmam ter-se avsrado 
terra accessivel em pouco tempo, Veja-se Herrera , e Ro. 
oertson. 



6 Introducfão. 

indígenas chamavam Hayté , onde deixou trinta e 
oito homens num Forte de madeira , e fazendo-se 
na volta da Europa com déz ou doze Insulanos , 
aportou em Lisboa aseis de Março do anno seguin- 
te , blazonando de ter descuberto a Ilha Cypango , 
que lhe ficava ainda cento e cincoenta graus mais 
longe , e uma barreira invencível de permeio. 

Colombo fêz mais três viagens ao Novo Mun- 
do , todas debaixo dos auspícios de Dom Fernanda 
Quinto. Na segunda sahin de Cadiz a vintecinco 
de Setembro de mil quatrocentos noventa e três : 
vizitou a Ilha Hespanholla , descubriu a Jamayca , 
ê um grande numero de Ihotes ao Sul da Cuba , 
ãs quaes áGnominou Jardin de la Rei/ na. Na tercei- 
ra em mil quatrocentos noventa e oito avistou , 
junto aboca do rio Orenoco , a Ilha da Trinda- 
de no primeiro d' Agosto : desembarcou em varias 
partes da Costa de Faria , voltou á Hespanholla , 
e de lá á Europa. Na quarta sahiu de Cadiz a no- 
ve de Mayo de mil quinhentos e dois , aportou na 
Hespanholla , e continuando a navegar , descubrui 
a Ilha Guanaya , vizinha do cabo d^Hunduras , e 
toda a costa do continente desde cabo Gracias a 
Dios athê Porto Bello. 

Querem alguns que o Novo Mundo devesse 
toQiar de Colombo o nome Colômbia , e não o que 
se lhe dírivou d' Américo: Cg^ quando muitos de^ 

Cí/> A' cerca das duas viagens, que Américo Vespucjo 
fêz ao Golfo México no serviço d' ElRey Dom Fernando 
Quinto, dizem António Herrera , e Robe rtson , que elle ti- 
vera não só a ouz^dia de falsificar as datas d ambas, con- 
fundindo uma com a outra na relação , que de suas exa- 
geradas aventuras respectivas enviara a um seu compatrio- 
ta , logo depois da sua chegada á Hespanlia , mas também 
a habilidade de compor a sua narrativa de sorte , que pa- 
recia dcver-se-lhe a floria de primeiro descubndor oo ino- 
vo Mundo. Nós diremos adiante alguma coiza niais a res- 
ide ito deste façanhozo homem» 



Introducfâo. 7 

clamam ser uma grande injustiça dar áqnelle na- 
vegante a honra de descubridor deste Hemisfério. 
O certo lie, que os Syberios orientaes , chamados 
Choakchis y costumam passar o Estreito de Berhing 
para a America no verão desde tempos immemoraT 
veis. O Dinamarquez Gumbiorn descubriu a Grin- 
landta nos fins do Século decimo , e os Noruegue- 
zes estabeleceram nella colónias no Século seguin- 
te , e vizitaram-nas por mais de trezentos annos. 
Se esta terra não he porção do continente , ao me- 
nos he ilha , que lhe pertence. Os Inglezes mos- 
trão que ]oão Caboto descubrira a Terra Nova , e 
o continente vizinho em quatrocentos noventa e 
quatro. C) 

A America está entre o Mar Atlântico , que 
a separa da Africa , e Europa pelo oriente , e o 
Mar Pacifico , que a separa da Azia pelo occidente. 

A menor distancia entre a America e a Afri- 
ca be do cabo de S. Roque no Brazil a Cabo Ro- 
xo na Guiné, onde ha quinhentas léguas. A maior 
proximidade com a Europa he de duzentas com 
pouca differença , da Costa da Noruega á da Grin- 
landia , se esta não he Ilha ; ou seiscentas da mes- 
ma Noruega á Terra do Labrador. 

O mais curto intervallo d'America para a Azia 
he de quinze léguas , que tantas ter de largura o 
Estreito de Berhing ao Nordeste d'Azia. 

Tem o Novo Continente duasmil quinhentas e 
sessenta léguas , de vinte em grau , Norte-Sul. Pa- 
ra o pólo austral estende-se athé cincoenta e qua- 
tro graus ; em tantos está cabo ForPí/ard dentro 
do Estreito Magalhanico. Para o Septentrional con- 
tamos só athé a entrada de Lancasíer*s Soiind ^ 
que se acha em setenta e quatro graus na Bahia 
de Baffin , e se presume ser um cannal p^ra o Mar- 

<*) William Mavor. 



u 



8 



Introducção. 



Glacial , cuja costa , segundo as relações de Hearti , 
e Mackeiizie , não fica em distancia maionnentc 
grande. (A) 

Entre as innumeraveis Nações , de que todo 
o Novo Mundo se achou povoado , apenas se no- 
ta alguma diíferença física. Sam os Americanos qua- 
si geralmente baixos , refeitos , e proporcionados , 
de semblante redondo , nariz grosso , e um pouco 
esmagado , olhos pequenos , cor baça tirando a 
avermelhada , sem barba , nem cabêilo em parte 
alguma do corpo mais do que na cabeça , sendo 
este mui preto , grosso , e corredio. Assemelham- 
se muito aos Malayos da Azia, Eis-aqui como um 
viajante os retrata moralmente: *' Os Americanos 
sam glutões em extremo , quando tem com que se 
saciar ; sóbrios em a necessidade , athé nem ainda 
dezejar o necessário ; puzilanimes , e poltrões em 
quanto a bebida os não faz enfurecer ; inimigos 
do trabalho ; indiíferentes a qualquer motivo de 
honra , gloria , ou reconhecimento ; unicamente oc- 
cupados do prezente; sem cuidado do futuro; in- 
capazes de reflexão ; passam a vida , e envelhecem , 
sem sahirem da infância , da qual conservam todos 
os defeitos. He para admirar que com taes qualí^ 



QK) Postoque as viagens de Mr. Hearn, e Mackenzie 
tenham provado não haver passagem da bahia cfHudson pa- 
ra o Mar Pacifico, nem Glacial, como se conjecturava, não 
se íiegue que ella não possa existir do lado occidenral da 
Bahia de Baffln para o derradeiro. Nada parece tão provável. 
A porção mais septentríonal da costa do contiiienle obser- 
vado pelos navegantes, que subiram pelo Estreito de Ber- 
hing 5 corrii a Lesre nn latitude dç setenta e dois^ graus. 
Na mesma altura viu Hearii o mar, quando em mil sete- 
centos setenta e um desceu pelo rio Coppermine athé a sua 
embocadura , que fica obra de duzentas leguaS mais a Les- 
te : e Mackanzie avistou o no meio deste intervallo em me- 
nos de setenta graus em mil setecentos e oitenta. 






Introd acção. 



9 



dades 5eja preciso tanto trabalho para fazellos bons 
Christãos. ,, 

Osboys , cavallos , jumentos , cabras , e ove- 
lhas eram absolutamente desconhecidos neste He- 
misfério , cujos povus não tinham domesticado es- 
pécie alguma dos quadrapedes indígenas para seu 
iizo , e commodidade. -CO 

A America he dividida pelo Isthmo de Darien 
ou Panamá em duas Partes pouco desiguaes , (na 
suppozição de que a Grinlandia he uma Ilha ,) 
Septentrional com sessenta e seis graus , e um 
ter^o de comprimento Norte-Sul , e Meridional 
com sessenta e seis e meio. Cabo -Falso na entra- 
da da Bahia Venezuella , em doze graus e meio 
do Norte , he a terra mais Septentrional da re- 
gião do Sul ; e Ponta d'Higuera na entrada da 
Bahia de Panamá em sete e quarenta minutos da 
mesma latitude a mais meridional da do Norte. 
Tom. I. B 



C i ) Montepalau diz que os Tigres , e Leões foram 
transportados da Africa para a America, assim como os ca- 
vallos , e boys da Euiropa ! ! A necessidade e utilidade obri- 
garam os Europeus a transportar as duas derradeiras esps- 
cies com outras ; mas que motivo podia haver para levar 
aquelloutras tão damninhas, e ferozes que não respeiíam ao 
mesmo homem ? Os Castelhanos d'Am8r]ca , como também os 
Portuguezes da província de S. Pedro chamam ledirs ás on- 
ças siiçuaránnas originarias do Paiz : os Portuguezes em 
todo o Brazil , e os Castelhanos nas províncias coiivizinhas 
denominam tigres ás onças negras , também originarias do 
Continente. O verdadeiro tigre só o ha no antigo-mundo : 
os maiores tem cinco pés de altura, e doze de comprimen- 
to : suas malhas são em forma de cintas compridas , e tra- 
versaes do 6o do espinhaço para as ilhargas : he do mesmo ge- 
neto que a onça, e a primeira íéra carnívora depois do leão , 
(que também só o ha no antigo continente,) e insaciável 
de sangue : abandona os animaes , depois de lho beber/ 
ataca o elefante , e o renoceróte ^ também desconhecidos no 
Novo iVluado. 



Ir0 



Infroducçâol 



I i : I 



ií 



i 



Na Meridional está o BRAZTL , a mais oriental 
r'as seis Províncias , em que os Geógrafos a divi- 
clem ; efica entre o Equador , e oParalello de trin- 
td e cinco graus de iat tude austral, na mais van- 
tajoza situação para o commercio , não só com o 
restante d'America , mas ainda com as três Partes 
do Antigo Mundo. Tem seiscentas noventa e qua- 
tro léguas , de vinte em grau , no maior compri- 
mento de Norte-Sul , da Ponta Maguary na en- 
trada do Rio Pará ou Tucantins , em quinze mi- 
íiutos austraes , athé a Ponta de Maldonado na 
golfo do Rio da Prata , em trinta e quatro graus , 
€ cincoenta e sete minutos ; e seiscentas , com pou- 
ca differença , na maior largura do Cabo de Santa 
Agostinho athé a Ponta Abuná na margem do Ria 
cia Madeira ; Jazendo entre os vinteseis e cincoen- 
ta e oito minutos, e os cincoenta e sete e dezase- 
te de longitude oceideníai do meridiano do Obser- 
vatório de Coimbra. 

Falíamos na accepçao geográfica e natural ; 
porque na politica estende-se actualmente da foz 
do Rio Marony em seis graus do Norte athé o pa- 
raleflo de trinta e três escassos de latitude austral. 
Também nesta accepçao a sua largura he muita 
maior , e conta-se de Cabo-Branco atlié a margem, 
do Rio Hyabary. 

Esta vasta Regiãa tem ao Norte o Oceano At- 
lântico , e o Rio^^das Amazonas ou Maranham , 
que a separa da Provincia de Terra-Firme ; aa 
meiodia o" golfo , que recolhe o Rio da Prata; aa 
oriente o mencionado Oceano ; ao poente o Ria 
Paraguay , que corre cio norte paia o suí , e a 
Madeira , que corre em contrario ; vinda a ser 
uma Península , cujo isthmo , que tem mui poucos- 
•covados de largura , íica entre as origens dos Rios 
Aguapehy , e Alegre , que sam ramos secundários- 
dauueiloutros. Abrange peito de cinco elimtis. O 



Introducfão: 



II 



tnalor cita, que he em Dezembro, tem qnazi qna- 
torze horas e meia na extremidade nieridionai. O 
inverno não he a um mesmo tempo por toda a par- 
te , como mostraremos. 

HISTORIA, Tendo chegado a Portugal Dom 
Vasco da Gama em mil quatrocentos noventa e 
nove com a certeza de ter descuberto a Navega^ 
ção da índia , determinou El-Rey o Senhor Dom 
Emmanuel mandar lá no seguinte anno uma Arma- 
da a estabelecer amizade, e tratado de commercio 
•com o Rey de Callecut , e uma Feitoria na mesma 
cidade , onde o Feitor tivesse as mercancias euro- 
pêas de melhor gasto no paiz , e com o seu pro- 
ducto carregasse de especiarias as Naus , que as 
levassem. Para Gommandante desta Armada , que 
constava de dez Caravellas , e três Navios redon- 
dos , foi escolhido um Fidalgo chamado Pedralvez 
Cabral. O numero da gente , que a guarnecia , an- 
dava por mil e duzentas pessoas : tudo gente es- 
colhida , limpa , e bem armada, 

Prompta a Frota defronte de Rastêllo , hoje 
Beíem , e determinado o dia nove de Março para 
a sahida , na véspera , que era Domingo , foi El- 
Rey com toda a Corte ouvir Missa na Hermida 
de Nossa Senhora de Belém; sita onde hoje está 
o magnifico Mosteiro dos PP. ]eronymos , defron- 
te da qual estava a Armada. Piegou Dom Diogo 
Ortiz , Bispo de Ceuta, dissertando sobre o objecto 
da empreza : e em quanto se officiou , esteve ar- 
vorada sobre o Altar uma Bandeira com a Cruz 
da Ordem de Christo , a qual o mesmo Bispo ben- 
zeu por fim , e ElRey com sua própria mão en- 
tregou a Pedralvez Cabral , ao qual havia tido 
junto de Sua Real Pessoa dentro na Tribuna, em 
quanto durou a Festividade. Acabado este acto , 
assim desenrolada v como estivera no Altar , foi 
a^uella Bandeira levada , como em procissão , e 

B ií 



\ » 



^^ 



n 



Introduccão, 



acompanhada por EI-Rey athé o cáes , onde Pe- 
dralvez Cabral , e os mais capitães lhe beijaram 
a mão com respeitozaurbanidade , salvando entre- 
tanto com grande arriiido toda a artilheria d'Armada. 
Foi esta despedida geralmente a todos de gran- 
de contemplação ; por ser aqnella Armada a mais 
poderoza , e brilhante , que atké aquelle trmpo 
sahia do Reino para Terras remotas, Os outros 
capitães eram Sancho de Thoar com subcessão ao 
Almirante Cabral , Nicolau Coelho que tinha hi- 
do com Dom Vasco da Gama , Simam de Miran- 
da d'Azevedo , Ayres Gomes da Sylva , Vasco 
d'Athayde , Simam de Pina , Nuno Leytão , Pedro 
d*Athayde , Luiz Pirez , Gaspar de Lemos mo Na- 
vio dos mantimentos de sobreselente , o celebre 
Eartholomeu Diaz , descubridor do Cabo da Boa 
Esperança , e Diogo Diaz , seu irmão , os quaes 
í\níbos haviam de ficar em Çofala com uma Feito- 
ria , que allí se devia fazer. Hiam mais sete Fra- 
des Franciscanos subordinados a hum Guardião por 
nome Frey Henrique , que depois foi Bispo de 
•Ceuta , oito Capellães , e um Vigário para admi- 
nistrar os Sacramentos na Feitoria de Callecut > 
para cujo Feitor hia nomeado o Almoxarife d' Ar- 
mada Ayres Corrêa, do qual deviam ser escrivães 
Gonçalo Gil Barboza , e Pedro Vaz de Cami- 
nha. O ^ 

(*) Havendo relatado o descubr-mccto do Brazíl com 
Barroz , Góes, e Ozorio á viáia , coiniiusnicando-se-me de- 
pois no Arquivo da Real Marinha úo Rio de Janeiro a co- 
pia dMiiima carta escrira em Porto Seguro pelo mencona- 
do Pedro Vaz de Caminha. , companheiro de^Pedralvez , que 
refere o cazo em contrario daqueiloutros , não s6 com miu- 
deza , mas athtí com veracidade palpável., me vi obrigado a 
dar-lhe preferencia : e estimei tanro este encontro , que es- 
crupulizo hnn injustiça aos meus leitores não lhes danda 
aqui delia a copia seguinte : 

,^ Senhor: Postoque ho Capitam mcor desta vosa iro- 



Introducfão] 



13 



saliiii toda a Frota a bom 
salvamento : a quatorze passou á vista das Can- 



No dia seguinte 



tra , e asy hos outros capitães escrepvam a V. A. ha r.cva 
do achamento desta vosa terra nova, que se ora r^testa na- 
vegaçom achou , nem leixarey tambeem de dar disto minha 
comta a V. A. asy ccmo eu melhor poder , aimda que pêra ho 
beem comtar, e falar , ho sayba peor que todos fazer ; pêro teme 
V.A. minha inorancia per booa vomtade , ha quaal Lêem certo 
crea ,que pêra has romesentar, (^i) nem afear aja aquy de poeer 
mais ca aquilo, quevy,e me [jareceo: da n:arenhajcm;,e samgra- 
duras do caminho nom darey aquy comta a V.A. perque honom 
saberey fazer^ebos pilotos devem teer ese cuidado ; e por tamto 
Senhor do que ey de falar , começo , e digo , qua ha partida de 
Belém, como V. A, sabe , foy segunda íeira nove de Março ; e 
sábado quatorze do dito mes amtre has oito e nove cias nos 
achamos amtre has Canareas mais perto da Grím Caiiarca ; e 
aly amdames todo aqueele dia em calma sa vista delas obra 
de três ou quatro legoas : e Domingo vintedous do dito ncs 
aas des oras pouco mais ou menos ouvem.os v!sía das Ilhas 
de Cabo Verde; a saber da Ilha de Sam Nicolaao, segundo 
dito de Pêro Escolar piloto ; e ha noute stauinte aa se- 
^umda feyra lhe amanheceo se perdeo da frcia Vaasco Da- 
tayde com hasuanaao, sem by aver tempo forte, rem con- 
trair© pêra poder seer. Fes ho Capitam moor suas diligen- 
cias pêra ho achar a huumas e a outras partes, e nompa- 
receo mais: e asy seguimos noso caminho per ese mar de 
lomgo ataa terça feyra Doitavas de Pascca que foram vimte 
buum dias da Abril , que topamos alguuns synaaes de ter- 
ra , seemdo da dita Ilha , segumdo hos pilotos deziam , obra 
de seiscentas e sessenta ou setenta legoas : hos quaaes he- 
rani muyta camt idade dervas compridas a que hos marean- 
tes chamam botelho ; e asy outras a que tambeem chamam 
Rabo Dasno : e aa quarta feyra seguimte poía nianhaa to- 
pamos aves , a que chamam fura-buchos : e neste dia a oras 
de vespora ouvemos vista de terra , a saber : priír.eir^mente 
de huum gramde m.onte , muy alto e redondo, e doutras 
serras mais baixas ah o Sui dele , e de terra chàa com gram- 
des arvoredos ; aho quaal monte íilto ho Capitam pos nome 
bo Monte Pascoal , e aa terra ha Terra da Vera Cri:z. (£) 

O) Rome.<?eiitaf : enfeilar, adornar. 
(2) Se o Novo Hemisfério não tivesse ainda appnrcci- 
do , era uecessariamente agora Pedraivez o seu descobridor. 



ri 



Int redacção. 



Hl 



narias ; e na noite de vintedois para vintetres ; 
depois d'Iiaverem avistado a Ilha de S. Nicolau , 

Mandou laínçar ho prun\o , e acharam vinteeinco brasas, e 
aho sol posto, obra de seis legoas de terra surgimos amco 
ras em desanove brasas amcorajem limpa. Aiy j ou vemos to- 
da aqueela nonte , e aa quinta feyra pola manhãa fezemos 
vela , e seguimos direitos aa rerra ; e hos navios pequenos 
diante hymdo por dezasete , dezaseis , quinze, quatorze , 
treze, doze, des, e nove hrasas ataa mea legoa de terra, 
omde todos lamçamos amcotas em direito da bocca de huura 
rio : e chegaríamos a esta amcorajem aas des oras pouca 
mais ou menos : e daly ouvemos vista de homeens que am- 
davam pola praya obra de sete ou oito , segundo hos navios pe- 
quenos diseram por chegarem primeiro aly. Lamçamos hos 
batees, e esquifes fóra , e vieram logo todolos Capitaaos 
das naaos a esta naao do Capitam moer, e aiy falaram : e 
ho Capitam mandou no bateel em terra NicoJaao Coelho 
pêra veer aquele Rio : e tamto que ele começou pêra ia de 
liyr, acodiram pola praya homeens quando dous j quando três ; 
de maneira que quando ho bateel chegou aa beca do Rio , 
herauT aly dezoito , ou virate homeens pardos todos nuus sem 
nhuuma coussa , que lhes cobrise suas vergonhas. Traziam 
arcos nas maaos , e suas seetas : vynham todos rijos pêra aho 
bateel ; e Nicolaao Coelho lhes fes synaal que posesem hos 
arcos , e eles hos poserom aly : norn pode delos aveer fala 
nem emtemdi mento que aproveitase polo mar quebrar na 
costa : soomente deo lhes huuni barete vermelho , e huuma 
carapuça de linho que levava na cabeça, e huum Sombrey- 
to preto : e huum deles lhe deo huum sombreyro de pehas 
daves compridas com huuma copezinha pequena de penas 
vermelhas , e pardas coma de papagayo : e outro lhe deo 
huum Ramal (3) gramde de comtinhas brâmcas , meudas, 
que querem parecer d'aljaveira : has quaaes peças creo que 
ho Capitam manda a V. A. E com isto se voltou aas naaos 
por seer tarde, e nom poder delles aver mais fala por aazo 
do mar. (4) 

A noute seguimte ventou tamto sueste com chuvacei- 
ros que fez casar has naaos , e especialmente ha capitana : 
e aa sesta pola manhãa aas oito oras pouco mais ou menos 

Ç 3 ) P.amal : enfiada. 

C4) Aa:^a ou aa^o : motivo , cduza. 



Introdiicçãol 



H 



lima das de Caboverde , desgarrou d'Arinada o 
navio de Vasco d'Athayde , que arribou a Lisboa 



per consellio dos Pilotos nnndoii lo Capitam levantar am* 
coras , e fazer vela ; e foiíios de iongo da ccsra com l;os 
batees , e esquifes amarados };er popa cOintia ho^orre, pê- 
ra veer se achávamos alguiiiiia abripada , e boo pouso , omde 
joiívesemos pêra tomar agoa e lenha ; nom per ros ja /iiin- 
£uar , mas pêra nos acenarmos aquy. E quando íezémos 
vela, seriam ja na praya asentados junto com ho Rio cbia 
de sesenta ou setenta horceens, que se juntavam aly pciscos 
e poucos. Fomos de lomgo t e mandou ho Capitam moor 
ahos navios pequenos qne fosem mais chegados aa lerra ; e 
que se achasem pouso seguro pêra as naaos ^ que amaynasem» 
E seendo nos pola costa obra de des legoas, domde nos le- 
-varatamos, acharam hos ditos navios pequenos huum aRe- 
ciíe com huura porro dentio muyto too , e iKuyío seguro 
com huuma muy larga entrada , e meteramse dentro", e 
amaynaram ; e has naaos ariharam sobielcs ; e huLm pouco 
ante sol posto amaynaram obra de huuma legoa do arecife , 
e amcoraram se em onze brasas. E seendo Afonso Lopes , 
noso piioro em huura daqueles navios pequenos per man- 
dado do Capitam moor , per seer hcmem vyvo e deestro 
jiera iso, meteo se logo no esquife a somdar ho porto den- 
tro ; c tomou em huuma almaadia dous daqueles homeens 
da terra mancebos, e de boos cor]3CS : e huum deles trazia 
huum arco , e seis ou sete seetas : e na praya amdavanu 
muytos com seus arcos e seetas , e nom lhe aproveitaram 
Troveos logo^ ja denoute , aho Capham , omde foram re- 
cebudos com muyto prazer e fesla. ,> 

„ A feiçam deles hee seerem pardos, maneira de ver- 
líielhados , de boos rostros , e bocs narizes, beem feyíos, 
Aradam nuus sem nhuun a cobertura : nem estimam nhuu- 
ma cousa cobrir, nem mostrar suas vergonhas: e estam aa 
cerqua diso com tamia inocemcia como teem em mostrar 
ho rostro. Traziam ambos hos beiços debaixo furados, e me- 
tudos per eles senhos ( 5) onos doso bvamcos de com.pridam 
de huuma maao travesa , e de gtosura de huum fuzo dal- 
godam , e agudo na ponta , coma furador. Metem nos pola 
parte cie dentro do beiço, e ho que lhe fica antre ho beiço , 



\ I 



(/;) Senhos vem cio l.atino singuii : senhos onos do- 
so , i. e. cadaum seu ono grosso. 



16 



Jntroducfão, 



■'itiii 



maltratado. Pedralvez fez diligencias por descu- 
biilio ; e vendo que não appareçia , Jcontinuou a 



e lios dentes , hee feyto coma roque denxadres : e em tal 
maneira ho trazem aly emcaxado , que lhes nom dápayxam, 
nem lhes torva a falar, nem comer, nem beber. Hos cabe- 
los seus sam coredios ; e amdavam trosquyadcs de trosquya 
alta mais que de sobre pemtem, de booa gramdura , e ra- 
pados ataa per s ma das orelhas: e huum \leles trazia per 
bayxo da solapa de fonte a fonte pêra detrás huuma maneira 
de cabeleyra de penas dave amarela, que seria de compri- 
dam de huum couto, muy basta, e muy çarada , C^) ^"^ 
lhe cobria bo toutiço , e has orelhas : ha quaal amdava pe- 
oada nos cabelos pena e pena com huuma comfeiçam bram- 
da coma cera , e nora no heera ; de maneyra que amdava 
ha cabeleyra muy redomda , e muy basta , e muy igual , que 
nom tazia nningoa mais lavajem pêra ha levantar. „ 

„ Ho Capitam, quando eles vieram , estava asentado 
em huuma cadeyra , e huuma alcatifa ahos pees por estra- 
do, e beem vestido com huum colar douro muy gramde aho 
pescoço: e Sancho de Toar, e Simam de Mirarada, e Ni- 
colaao Coelho, e Ayres Corea , e nós outros que aquy na 
naao com ele himos asentados no chaao per esa alcatifa. 
Acemderam tochas , e emtraram , e nom fezeram nhuuma 
mençam de cortesia , nem de falar aho Capitam , nem a 
ninguém : pêro huum deles pos ho olho no colar do Capi- 
tam , e começou dacenar com ha maao pêra aa terra ; e des- 
pois pêra aho colar , coma que dezía que avia era terra ou- 
ro : e também vio huum castiçal de prata , e asy meesmo 
acenava pêra aa terra, e emtara pêra aho castiçal, coma que 
avia tambeem prata. „ 

„ Mostraram lhes huum papagayo p^rdo , que aquy ho 
Capitam trás ; tomaram no logo na maao , e acenaram pê- 
ra aa terra , coma que hos avia hy : mostraram lhes huum 
carneyro , nom fezeram dele mençam : mostraram lhes huuma 
galinha, c asy aviam medo dela, e nom lhe queriam poeer 
ha maao í e depois ha tomaram coma espantados. Deram 
lhes aly de comer pam , e pescado cozido , confeytos, far- 
tes, mel, e íigos passados : nom queserem comer daquilo 
casy nada ; e alguuma coussa se a provavam lançavam na 
logo fora. Trouveram lhes vinho per huuma taça, poseram 



Có) C, arada: eoisa que circula, redonda. 



; r! . 



IntrodUGfão^ i 



M- 



¥iagem 



Com o intuito de evitar as calmarias da 
cosfa d'Africa , e por ser-lhe ponteiro o vento , 
segundo s« crê , empégou-se para Oeste do meri- 
diano da mencionada Illia tantK) , que no dia via- 
' Tom. J . C ; J i :,. ; 



lhe asy ha boca tam malaves , e nom gostaram dele nada, 
nem ho queseram mais. Trouveram lhes agoa per huuma 
albarada: (7) tomaram dela senhos bocados , e nom bebe- 
ram; soomente lavavam has bocas, e lançavam na fora. Vio 
huum deles hniimas comtas de rosairo bramsas, acenou qut 
lhas desem , e folgou muyto com elas , e lamçou haá aho 
'pescoço, e despois tirou has, e embrulhou has no braço , e 
acenava pêra aa terra , e emtam pêra aas comtas , e pêra 
.aho coíar do Capitam , coma que dariam ouro per aquylo s 
isto toraavamonos asy polo desejarmos ; mas se ele queria 
dezei que levaria has comtas , ç mais ho colar , isto nom 
queriamonos emtemder ; perque Jho uom aviamos de dar s e 
despois tornou I\as comtas a quem Wias deo ; e emtam es- 
tiraram se asy decos tas na alcatifa a dormir, sem teer nhuu- 
xna maneyra de cobrirem suas vergonhas , has quaaes nom 
heeram fanadas. Ho Capitam lhes mandou poeer aas cabeças 
senhos coxys ; e ho da cabelejrra procurava asas pola nom 
quebrar : e lamçaram lhes huum manto emcima , e ^les co- 
sen tiram , je joveram,, e dormiram. .,, 

,, Aho Sábado pola manhaa mandpu ho Capitam fa?:er 
vela : e fomos demandar ha emtrada , ha quaal heera miiy 
largua , e alta de seis a sete brasas , e enuraram todalas 
naaos demtro,e amcorarara se em simco > seis brasas.: ha 
quaal amcorajem demtro he tam gramde , e tam fremosa , 
e tam segura,, que podem jaser demtro neela mais de du« 
Izentos navios , e naaos^ E tamto que has naaos foram pou- 
sadas, e amcoradas , vieram lios Capitaaos todos aa esta 
Irn^Q do Capitam moor ; e daquy mandou ho. Capitam Ni- 
*colaao Coelho , e Bertolaraeo Dyas que fosem em terra , 
e levasem aqueles dous homeens , e hos leyxasem hyr com 
seu arco e seetas : ahos quaaes mandou dar senhas cami- 
sas novas , e senhas garapuças vermelhas , e dous rosairos 
d,e comtas bramcas doso , que eles levavam nos braços, e 



s I 



(7) Aí barrada i vazo de duas azas 9 hoje quazi só 
coRhecldo pelo nome. de infa^cu 



18 



Introducçãiál 



I 



te e um d'Abril , derradeira Oitava da Pascôa , en^ 
contraram sinaes de terra , (que eram certas her* 
vas^ e no seguinte peia tarde, na latitude de de- 
zasete graus do Sul avistaram uma grande Mon* 
tanlia redonda com outras serras mais baixas , que 

senlios cáscavee« , e senhas campainhais ; e mandou coia etes 
pêra íkar la huuin mancebo degradado , criado de Dom loliarn 
Teela, aquém chamam Afonso Ribeyro, pêra amdar la com 
eles, e saber de seu viver, e maneyra : e a my mandou 
i^uQ fose com Nicolaao Coelho. Fomos asy de frecha direi- 
tos aa praya. Âly acodiram ioguo obra de duzentos homeens, 
todos nuus^ e com arcos, e seetas nas maaos. Aqueles que 
"nos levávamos , acenaram lhes que se afastasem, e posé- 
sem hos arcos ; e eles os poseram , e nom se afastaram mwy- 
to ; abasta que poseram seus arcos ; e emtam sayram hos 
que nos levávamos , e ho maneeebo degradado com eles^; 
3bo3 quaaes asy como sayram , nom pararíím mais, nem es- 
peravam buum per outro , se nom aquém mais coreria ; ie 
pasmaram hunm rio , que per hy core dagoa doce, de muy- 
m agoa , que Ihe^ dava pola braga , e outros muytos com. 
«les : e foram asy corendo •aalen% do rio amtre kuumas 
'moutas ds palmas , omite estavam outros, e aly pararam. E 
"naquylo foy ho degradado com huum homeem , que loguò 
aho sayr do bateel ho agasalhoa, ^ levou »taa ía ; e lo^- 
guo ho tornaram a nós ; e conv ele vieram hos outros-que 
hôs levavRiíios , hos quaaes vynham ja nuus, e sem carapu- 
ças. E en\tam se começaram de chegar muytos , e emtra- 
vam pola heyra domar pêra ahos batees ntaa que mi» is nom 
podiam; e traziam cabaaços dagoa, e tomavam alguuns bs(- 
rys que nos levávamos , e emchianos. dagoa , e trazianos 
ah os batees : nom que eles de todo chegasem a bordo do 
biteel, mas jurato com ele lamçavam nos da maao , e nos 
tomavamoios ; e pediam que lhes deseni alguma coussa. Le- 
vava Nicolaao Coelho cascavees , e manilhas; aa huuns daVa 
huum cascavel , e a outros huuma manilha ; de maneyra 
que com aquela e mear va (8) casy nas queriam dar ha maao. 
*'Êavam nos daqueles arcas, e seetas per sombreyros , e ca- 
rapuças de Unho , e per qualquer coussa que lhes homeem 
quejia dar. Paly se partiram hos outrqs clous manceeb<^A. 
que nom hos vimos mi is „ 



C 8 ) Emcarva : obz.eqiiio , engodo. 



Intro^ucfão. i§- 

ejram as porções mais altas da Serra dosAymoréSi 
e terra clian ciiberta d'arvoredo. Fazendo Pedral- 
vez sinal aos^ outr<)s navios que aproassem á terra , 
foram surgir ao Sol posto em àezanove braças * 

C ii 



^, Aipdavam aly muytos deleii;, ou casy ha mayor parte 
que todos traziam aq«€ eles bicesdoso nos beiços ; ealguuwSj^ 
que amdavam ser» eles , traziam hos beiços furados ^ e nos 
buracos traziam liuuns espelhos de paao , que pareciam espe» 
ihos de boracha ; c algunns traziam três daqueles bicos , a 
saber huum na rnetadc ^ e hos dous nos cabos. E amdavani 
hy outros qnartejados de eores : a saber, deles ametade de 
sua própria cor , e ametade de timtura negra , maneyra dc- 
zulada ; c outros quartfijados descaques. Cp) Ály an^davana 
^mtreles três ou quatro moças , e beem jemtys con> cabe- 
los muy pretos , compridos polas espáduas. Aly per emtati? 
i?pm ouve mais fala, neni emtemdimento com eles per hJi 
jerberiadeJes 3eef tamanha , que se nom emtemdia, nem ou- 
via ninguém. Aç.enam(>ihes que se fosem , e asy ho fezeram ? 
e pairaram se aalem do rio: e sayrara três, ou quatro ho- 
meens nosos dosb^tees, e emcheram nom sey quamtos ba* 
rys dagoa , que nós levávamos , e tornavamonos aas naaos ; 
e em nos asy vymdo acenaram nos que nos tornasemos s 
tornamos , e eles mandaram ho degradado , e nom queseram 
^ue ficase la com eles ; ho quaal levava huiima bacia peque- 
na, e duas ou três carapuças vermelhas pêra dar la aho se- 
nhor, se ho hy ouyese. Nom curaram de lhe tomar nada, 
€ asy ho mandaram com tudo : e emtam Bertolameo Dyas 
lio fes outra ves tornar,^ que lhes dese aquilo, e se tor- 
Hou > e deo aquilo em vista de nós aaquele que da primei- 
ra ho agasalhou: e emtam veo se , e trovemolo. Este que 
ho agasalhou, heera ja de dias, e amdava todo per louçai- 
nha , (i^) e cheo de penas pegadas polo corpo , que parer 
cia aseetado, coma Sam Sebastiam, Outros traziam cara* 
puças de penas amarelas , e outros de verdes ; e huuma 
daquelas mosas heera toda timta de fundo asyma daquela 



r 



Cq") Quartejados t divididos em quadrados. Escaques § 
quadrados como 03 do taboleiro do xadrês s então se dizia 
eiTxadrês, 

(10) Per lõuçái nha : enMtã.âo, 



âO 



Jntroducfão, 



obra de seis léguas arredados dellá , e em respeito 
ao Oita vario deu o Capitam á Montanha o nome 
de Monte Pascoal, que ainda conserva, e á Ter- 
ra o de VERA-CRUZ. 

No dia seguinte navegaram contra a mesma 



íí!.. 



( A 



timtúrá. Nhiúim deles heera fanado ; mas todos asy coma 
nós í é cora isto nos tornamos, e eles foram se. „ 

„ Aa tarde sayo lio Capiram moor em seu bateel com 
todos nós outros , e cora hos outros capiraaos das naaos 
em seus barees a folgar pob baya a caram da praya; mag 
nimguem sayo em terra polo Capitam nora querer, sem 
embargo de nimguem neela estar : soomente sayo ele com 
todoí em huum Ilheeo gramde , que na baya está, que de- 
bayxamar fica muyvasio ; pêro hee de todas partes cercado 
dagoa, que nom pode nimguem hyr a ele sem barca , ou 
anado. Aly folgou ele, e todos nós outros becm huuma ora, 
t mea,: e pescaram hy amdamdo marinheyros com huum 
chunçhoro, e mataram pescado meudo , nom rauyto ; e em* 
tam volvemonõs aaíS naaos ja beem noute, „ ; 

,, Aho I>omingo da Pascoeía pola manhaa determinou 
ho Capitam de hyr ouvir Misa , e preegaçam naquele Ilheeo : e 
mandou a todolos capitaaos que se corcjesem noa batees , 
e fosem com ele ; e asy foy feyto. Mandou naquele Ilheeo 
armar huum esperável, e deratro neele alevantar altar m«y 
beem corejido: e aly com todos nós outros fes dezer Misa, 
ha quaal dise ho padre frey Amrique era vos emtoada , e 
oficiada com aquela meesma \ros poios outros padres, e Sa- 
cerdotes, quealy todos heera m. (i O Aquaal Misa, segumdo 
meu parecer , fby ouvida per todos com muyto praser, e de- 
vàçam. Aly heera com íio Capitara ha Bamdeyra de Christus 
cóm que sayo de Belém: ha quaal esteve sempre aa parte 
do A vanielho. Acabada ha Misa, desve&tio se ho padre , e 
pose se em huuma cadeyra alta , e nós^ todos lamçados per 
esa área : e preegou huuma solene, e proveytosa preegaç^am 
da estoria do Avanjelho ; e emfim dela trautou da nosa 
vymda , e do achamento desta terra, conformandose cora 
ho synaal da Crus ^ sob cuja obediência vymos ; ha quaal 
veo muyto aa propósito, e fes muyta devaçam, „ 



(ii) Coroa vermelha, he hoie o nome deste Ilhco 3^. 
onde se celebrou Missa» 



Introdacfãõí 



ai 



Terra em direitura á foz d' hum rio , denominado 
iaoje Riu do Frade , e aíFerraram meia légua afas- 
tados , onde passaram a noite com algum incom- 
modo por ventar rijo do Sueste. 

Como o rio , que naquelle mesmo dia foi exa» 

„ Em quamto estivemos aa Misa > e aa prcegaçjim , se- 
ria na praya outra tamta jerate , pouco mais ou menos, co- 
raa hos clomtem com seus arcos , e seetas ; hos quaaes am- 
davam folgando, e olhandoiios , e asemtaram se ; e despois 
dacabada ha Misa asemtados nós aa preegaç»m ,^ alevamta- 
ramse muytos deles , e tamjeram corno , ou vozina ; e co- 
meçaram a saltar , e damçaram huum pedaço ; e alguuns 
deles se meterem em alm^adias duas ou três que hy ti- 
nham; has quaaes nom sanv feytas coma has que eu ja vi ; 
soomente sam três traves atadas jumtas ; e aly se metiam 
quatro ou simquo, ou eses que queriam, nom se afastando 
casy nada da terra , senom quamfo podiam tomar pee. E 
acabada ha preegaçam , move o ho Capitam , e todos pêra 
ahos batees com nosa bamdeyra alta , e embarcamos , e fo- 
mos as y todos comtra terra pêra pasarmos aho lomgo per 
omdeles estavam, hymdo Bertolameo Dyas em seu esquife 
per mandado do Capitam d ia ii te com huum paao de nuu- 
ma almaadia , que lhes ho mar levara, pêra lho dar; e nos 
todos obra die tiro de pedra trás ele. Como cies viram ho 
esquife de Bertolameo Dyas, chegaram loguo todos aaagoa> 
metendo se neela ataa pmde mais podiam. Acenaram lhes 
que posesem hos arcos ; e muytos deles hos hyam Joguo 
poeer em terra , e outros hos nom punham. Andava hy 
huum , que íalava muyto ahós outros que se afastasem i 
mas nom ja que mamy parecese , que lhe tinham acatamen- 
to ^ nem medo. ,, 

„ Este que lios asy andava afastando, trazia seu arco, 
fi seetas : e andava timto de timtura vermelha poios peitos, 
e espadoas, € poios quadrys , coxas , e pernas ataa bayxo i 
e hos vasios com ha bariga , e estamego heeram de sua prp- 
pria cor; e ha timtura hera asy vermelha que ha agoa lha 
nom comia , nem desfazia ; amte quamdo saya da aeoa , 
heera mais vermelho. Sayo huum homeem do esquife de Ber« 
lolameo Dyas , e aradava amtreles, sem eles emtemdererB 
nada iieelc, quamta pêra lhe fazerem mal , senom quamíQ 
lhe davam cabaços dagoa ; e acenavam ahos do esquife que 
saysem em terra. Com isto se volveo Bertolameo Pyas aho 



í^t 



é 



Jntroducfãô, 



í 


1^ 


è*'- 


m 


li. '' 


1 


Y 



M. 



minado pelo Capitam Nicolau Coelho , nâo tinh^ 
capacidade para recolher , nem ainda os menores 
navios d'Armada , e o vento não era favoraviel 
para costear a terra do Sul em busca d'algum^ surgi? 
doiro, onde seguros podessem fazer as indagações res- 

, : , . • . ■ - - " ^— — — — 

Capitam; e viemoiios aas iiaaos a coiner , lamjemcfo tron- 
betas , e gaytas , sem lhes dar apresam : e eles tornaram sç 
'^asemtar na praya ; e asy per emtam ficaarani. Neese lihecpj 
tjmde fomos ouvir Misa, e preegaçam , espraya muyto ha 
ao^oâ, « ckscobre fiiuyta arca, e muyto eascalhaao. Foram 
aíguanS em nós hy estando buscar marisco , nom no acha* 
mm í e acharam algiiuns camarooens groses e curtos, amtre 
fiòs quaaes vinha tíiimn muyto gtamde , que em nhuijm tem? 
po ho vy tamanho. Tambeem acharam cascas de bcrgooens, 
e danxeyjoas ; mas nom toparam com nbuuma peça mteyra. ,* 
„ E taíito qtie oomemos , vieram todolos capitaaos aaes^ 
ta naao per mandado dó Capitam moor , com hos quaaes se 
ete apartou , e eu na companhia ; e preguntou asy a todos , 
se nos parecia seer beem mandar ha nova do aehatncnto 
desta Terra a V. A. polo navio dos mantimentos , pcra mi^ 
Ihor mandar descobrir, e saber dela mais do qne agora nos 
podíamos saber, per hirnaos de nosa viajem. E antre mu^ 
tas falas , que no caso se fezeram , foy per todos , ou ia 
mavof parte dito , que seria muyto beem; e nisto concrudu 
ram - e tanto que ha eoncrusaon foy tomada , preguntou 
mais se seria boo tomar aquy pér força huum par destes 
homeens pêra hos mandar a V. A. e leyxar aquy per eles 
outros dous destes degradados. A isto acordaram que nom 
heera necesario tOmar per força homeens ; perque jeral cos- 
turae hwa dos que asy levavam .per forsa pêra alguuma 
Darte, dezerem que haa hy todo ho que lhe preguntam 3 e 
bue milhor , c muyto milhor emformaçam da Terra danam 
dous homeens destes degradados, que aquy leyxasem do que 
eles dariam , se hos levasem , por seer jemte , que mnguem 
cmtende ; nem eles tam cedo aprenderiam a falar, pêra ho 
Lberem também dizer, que muyto milhor ho estoutros nom 
ai"am, quamdo ca V. A. mandar : e que per tanto nom cu. 
rasem aqay de per forsa tomar ninguém, nem fazer escan. 
dalo pêra hos de todo mais amansar , e apacificar , senom 
foo^en^te leyxar aquy hos dous ^legradados , quando d^^^^^^^^^ 
partisemos. E asy, per melhor parecer a todos, ficou de- 
terminado. >, 



*iP"i 



Introducção. 



és 



pecrivas ao descubrimento , mandou o Commaariaiip 
te navegar contra o Norte , faz^endo passar Af- 
fonso Lopez , seu piloto , a uma das caravdlas me- 

„ Aeabado isto , dise ho Capitam que fosemos nos ba- 
tees em terra, e veer sya beem ho rio, que jando hera, 
e tambeem pêra folgarmos. Fomos todos nos batecs em ter- 
ra armados, e ha Bandeyra comnosco. Eles aadavam aiy nia 
praya aa boca do rio , omde nós hyamos : e tamto que che- 
gasemos , do ensino que dantes tinham > poseram todos hos 
arcos , e acenavam que saysemos. E tanto que hos batees 
poseram has proas em terra, pasaram se loguo todos aalem 
do rio, ho quaal nom hee iv\ais ancho que huum jogo de 
tnangual : e tamto que desembarcamos , alguuns dos nosos 
pasaram loguo ho rio , e foram antreles ; e alguuns aguarda- 
vam , e outros se afastavam ; pero]heera ha coussa de ma- 
neyra , que todos andavam mesturados. Eies davam de ses 
arcos com suas seetas per sombreyros , c carapuças tle linho , 
e per qualquer coussa que lhes davam : pasaram aalem tam= 
tos dos noíos , e amdavam asy mesturados com eles , que 
eles se esquivavam, c afastavam se , e hyam se deles pêra 
asima, onde outros estavam; e emtam ho Capitam feze se 
tomar aho colo de dous horaeens , e pasou ho rio , e fez 
tornar todos. A jente, que aly hera, nom seria mais caa-- 
qiiela cjue soya. E tamto que ho Capitam fes tornar ío« 
dps , vieram alguuns deles a ele 5 nom polo conhecerem per 
senhor: ca me pareceo que nom entendem, nem tomavam 
disto conhecimento ; mas perque ha jente nosa pasava ja pê- 
ra aaquem do rio, aly falavam, e traziam muytos arcos, e 
comtinhas daqueelas ja ditas , e resgatavam per quaalquer 
coussa em tal maneyra , que trouveram daly pêra aas naaos 
muytos arcos , e seetas , e comtas ; e emtam torRou-se ho 
Capitara aaquem do rio , e acodiram muytos aa beyra dele. Aly 
verices galantes pintados de preto, e vermelho , e quarte*» 
jados asy poios corpos, coma poias pernas, que certo pare- 
ciam asy beem. Tambeem amdavam antreles quatro ou sin» 
quo mulheres mosas . e asy nuiias que noni pareciam mais 
amtre has quaaes amdava huuma com huiima coxa do jio- 
Iho ati?a ho quadryl, e ha nádega toda timta daqueela tim- 
tura. preta, e ho ai (i-) todo da sua própria cor : outra 



Çià) E ko ai ", e o mais. 



%4 



Introdacfâá, 



aores para havegar mais próximo á praia, e exa^ 
minar o primeiro porto, que enconlrasse. 

Tendo a Armada navegado obra de déz le- 
.mias em ala , encontraram a enseada da Coroa 
Vermellia, alias Bailia Cabraíia , onde pela tarde 



trazia ambolos jiolhos com has curvas asy timtas , e tam- 
•heein hos colos dos pees : tambeem amdava hy outra mulher 
Aiosa com menino ou menina no colo, atado com huum pa- 
no nom sey de que ahos peytos, que nom lhe parecia se- 
nom has perninhas; mas has pernas da may, e ho ai nona 
trazia nhuum pano. Despois moveo ho Capitam pêra a^yraa 
aho lomgo do rio , que anda sempre a caram da praya ; e 
aly esperou huum velho , que trazia na maao huuma paa 
dalmaadia : falou estando ho Capitam com ele perante nos 
todos, sem ho nunca ninguém entender , nem ele a nós 
quanta coussas], que Ihomeem preguntava douro , que iios 
dezejavamos saber se hoavia na terra. Trazia este velho ho bei- 
ço tam furado , que lhe caberia polo furado huum gram 
dedo polegar ; e trazia metudo no furado huuma pedra 
;verde roim , que çarava per fora aqueele buraco ; e ho La- 
pitam Jhafes tirar, e ele nom sey. que falava, e hya cpm 
íla pêra aa boca do Capitam , pêra lha meter : estevemos 
sobrtso huum pouco ryndo : e emtam emfadouse ho Capi- 
tam e leyxou % e huum dos nosos deo lhe pola pedra 
huum somhreyro velho ; nom per ela valer alguma coussa, 
mas per mostra ; e aho despois ha ouve ho Capitam; creo 
pêra com has outras coussas mandar a V.A. Amdamos per 
hv veendo ha rjbeyra , ha quaal hee de muyta agoa, e muy- 
to booa. Aho lomgo dela haa muytas palmas, nom muyto 
altas, em que haa muyto boos palmytos t colhemos, e eo- 
memos deles muy tos. Entam tornouse ho Capitam pêra aa 
boca do rio , omde desembarcamos ; e aalem do no an- 
davam deles dansando, e folgando huuns ante outros , sem 
se tomarem polas maaos , e faziam no beem. „ 

,Pasouse emtam aalem do rio Diego Dyas , almoxari- 
fe nue fov de Sacavém, que hee homeem gracioso, e tte 
:nràser; e levou comsi^o huum gayteyro npso com sua gay- 
ía e meteo se com eles a dansar, tomandoos polas maaos ; 
l eles folgavam, riam, e andavam com ele muy aho soo m 
da aavta. Despois de dansarem , fes lhes aly , andando no 
cWm, muytas voltas lijeiras , e salto real , de que se eles 
e paptavam, e riam, e folgavam muyto: e com quanto hos 



Introducfao, 



^^ 



entraram as caravellao , que liiam mais^ perto ' d; 
praia ; e Aíibiiso Lopez , hindo sondar o porto 



Tom. 1, 



D 



com aquilo segurou, e afagou, tomavam loguo huuma es- 
quiveza coma montezes ; e foram se pêra cima ; e emtjím 
ho Capitam pasou lio rio com todos nós outros, e fomos 
pola píaya de lomgo , hindo hos batees asy a <:aram da ter- 
ra; e fomos ataa huuma iagoa grande, doce, que está jum- 
to tom ha praya ; porque toda aquela ribeyra do maar hee 
apaulada porciraa , e saay ha agoa per muyíos lugares. E 
despois de pasaruios ho rio , foram huuns sete ou oito de- 
les andar aotre hos marinheyros , que se fecolhiam ahos ba« 
toes, e levnvam daly huum tubaram , que Bertolam^o Dyas 
matou; e levavalho, e lançou na praya abasta que. Ataa quy 
como quer qne se eles era aiguuma parte amansasem , lo- 
guo de huuma maao pêra ha outra se esquivavam , coma 
pardaaes de cevadouro ; e boEiíeem nom lhes ousa de falar 
rijo , per se mais nom esquivarem : e todo se pasa como 
eles querem, poios beem amansar. „ 

„ Abo velho, cora quem ho Capitara raoor falou, deo 
huuma carapuça vermelha ; e com toda ha fala , que com ele 
pasou , e com ha carapuça , que lhe deo , tauio que se es- 
pedio , que começou de pasar ho rio, foy se loguo recatan* 
do , e nom quis mais tornar áo rio pêra aaquem : hos oíí« 
tros dous , que ho Capitam teve nas naaos , a que deo ho 
que ja dito hee , nuraca aquy mays pareceram ; de que 
tiro seer jemte bestial , e de pouco saber : e per yso sara 
asy esquivos : eles porem comtudo andam muyto beem cu- 
rados, e muyto limpos ; e naquilo me parece aymda mays 
que sam coma aves ou alimareas montezes, que lhe fas ho 
aar milhor pena , e milhor cabelo , que aas mansas ; per que 
hos corpos seus sam tara limpos , e tam gordos , e tam 
fremosos , que nom pode mais seer: isto me fas presumir 
que nom teem casas , nem moradas , em que se colham , 
e ho aar, a que se criara, hos fas taaes : nem nós aimda 
ataa gora nom vimos nhuumas casas , nem maneyra de- 
las. „ 

„ Mandou ho Capitam aaqueele degradado Afonso Ri- 
beyro, que se fose outra ves com eles; ho quaal se foy , e 
andou Ia huuai boo pedaço ; e aatarde tornouse , que ho 
fezeram eles vir, e nom ho queseram la consentir: e de- 
ram lhe arcos, e seetas, enom lhe tomaram nhuuma coiis-» 



■'•I, 



s6 



Introducfâoi 



recolheu no batel dois moços Indígenas , que aii-^ 
davam numa almadia , e levou-as aa Almirante , 
-CjLie anccfára com os navios grandes obra d'huma 



sa (lo seu ;'ante dise ele lhe tomara a huam deles Iiuu* 
ijias continhas amarelas , q^e ele levava, e tbgira com elas, 
e ele se queyxou, e hos outros íoram loguo após ele , e 
llias tonaram, e tornaram lhas a dar : e emtam n^ndara- 
mno vir. Dise ele que nom vira la antre eles »enom huii- 
jTííS cboiipuninhas de rama verde, e de feeytos muilo gram- 
íhs , CO na dantre Doiro e Minho r e asy nos tornamos aa* 
naaoa ja casy iioute a dormir. „ 

Aa seguiidí feira saymos todos em terra a tomar 
íi<^m; e aly vieram entani muytos; mas iion tantos coma 
hTs o\{triS vezes : e traziam ja poucos arcos : e estevcram 
íisy huam pouco afastadas de nos t e despois poucos a pou- 
cos mestaravam secomnosco, e abraçaraoQ nos , e folgaram -r 
e al^uuns deles se esquivavam losíuo. Aly davam aiguuns 
aréor per folhas de papel , e per alguuma carapucinha velha, 
epcr quaalquer coussa. EJ em tal maneira se pasou ha cous- 
sa que beem vinte ou trinta pesoas do« iiosos se foram 
com eles , omde outros muytos deles estavam com moças 
e mulheres ; e traveram de ia muytos arcos e baretes de 
^^êpas daves, delas verdes, delas amarelas; do que creo que 
íio Capitam haa de mandar a V. A. e segmnlo deziani eses > 
que Ia forauT, folgaram com eles. „ 

Neeste dia hos vimos de mais perto, e mais aa no- 
sa vontade , per and.irmos todos casy mesturados t e aly 
deles andavam daqueelas tinturas quartejados , outros de 
metades ^ outros de tanta feiçam coma em paiio§ darmar í 
e tolos com beiços furados; e muytos cont hos osos nee- 
1-5 e deles se-m osos. Traziam aiguuns deles hunos ouri. 
SOS verdes darvores, que na cor queriam j^arecer de casti. 
rheiros , senom quanto heeram mais e mais j^.fuenos , e 
anueeles heerans cheos d^iauns graaos vermelhos pequenos, 
que €SQ>^-ando-os amre hos dedos, faziam tintura miiyío ver- 
melha l ''de q'4e eles andavam tintos ; e quanto se mais 
molhavam , tanto mais vermelhos íicavam. Todos andam ra- 
pados ataa cima das orelhas ; e asy h^s sobrancelhas , e 
nestanas. Trazem todos has testas de fonte a fonte tinta» 
i!^ tintura preta , que parece huuma fita .-.ncha de dous- 
dedos • e ho Capitam mandou aaquele degradado AtGnso 
Bibeyroj e a outíos íIgus degradados, que tosem aodar i» 



Introdacfão. 



27 



íegua afastado dos recifes , que estará á entrada 
da enseada ; e allí se eiitretiveram grande parte 

D íí 

anrreles ; e asy a Diego Dysí per seer homeem ledo > com 
que eles folgavam : e ahos degradados mandou que ficírsem 
la esta noute. „ 

^, Foram se ia todos , e andaram antreles : e segundo 
eles dez iam , foram beeiíi hiiuma legoa e mea a huuma pc- 
voaçam , em que averia nove ou des casas : as quaaes de- 
ziam que eram tam compridas cada huuma coma esta naao 
Çapitana : e heeram de madeira; e das ilhargss deíiavoas, 
€ cobertas de palha , de razoada altura ; e todas em kint- 
ma soo casa sem nhuiim repartimento. Tinham dentro miiy- 
tos esteos , e de.sreo a esteo huiíma rede atada pelos calcos 
a cada esteo, altas, em que dormiam; e debaixo pêra se 
aquentarem , faziam seus fogos. E tinha cada casa duas por- 
Tas pequenas j huuma em huum cabo, outra no outro : e 
deziam que em cada casa se recolliiam trinta e qnorenta 
pesoas ; e que aiy has achavam ; e que lhes davam de cq- 
rner daqueela vianda, que eles tinham, a saber, muyto in- 
hame , e outras sementes que na terra haa , e eles comem.. 
E como foy tarde, fezeram nos loguo todos torn^ir ; e nom 
quezeram que la íicase nhuum ; e ainda segundo deziam , 
queriam se vir com eles. Resgataram la per cascavees , e ou- 
tras cousinhns de pouco valor, que levavam, papagayos ver- 
íiielhos muyto grandes , e fremosos , e dous verdes pecfue- 
mi nos ; e carapuças de penas verdes , e huum pano de pe- 
nas de muitas cores , maneyra de tecido asas fremoso , se- 
cundo V. A. todas estas coussas verá , perque ho Capitam 
vohs haa de mandar, segundo elle dise : e com isto vieram,, 
■e nós tornamonos aas naaos. ^, 

„ Aa terça feira despois de comer fomos em terra da-r 
-guarda de lenha, e lavar roupa. Estavam na praya , quan- 
do chegamos, obra de sesenia ou setenta sem arco, e sem 
-nada. Tanto que chegamos , vieram se loguo pêra nós , sem 
«e €S(}uivareni : e despois acodiram muytos , que seriam beem 
4uzentos , todos sem arcos , e mesturaram se rodos tanto 
-comnoíco, qne nos ajudavam deles aacaretar lenha , e me- 
ttr nos batees ; e luitavam com hos nosos , e tomavam muy- 
to prazer. Em quanto nós fazíamos ha lenha, faziam dous 
■carpinteiros huuma gramde Cruz de huum paao , que se 
omtem pêra iso cortou. Muytos deles vinham aiy estar 
-com h€-3 cfirp-inteiros j e creo que ho faziam mais pei" ve- 




'q£ 



Introdacçâú. 



da noite com qs hospedes não esperados: os qiiaef 
na maiilian seguinte , logo que a Capitania affer- 
roíi no porto, foram postos na praia vestidos de 



['v,.. 



rem ha ferramenta de ferro, com que ha faziam, que per 
vetem ha crus ; perque eles nom tem coussa , que de feriao 
Seja; e cortam sua madeyra ^ e paaos com pedras, feitas 
coiíia cunhas , metudas em huum paao antre duas talas , 
heem atadas, e per tal maneyra , que amdam fortes, se- 
guindo hos homeens , que onítem a suas casas foram , de- 
ziaiTi , perque lhas viram la. Era ja ha conversaçam deles 
comnosco tanta, que casy nos torvavam aho que aviamos 
de fazer. Ha Capitam mandou a doas degradados, e a Die- 
£»o Dyas que fosem ia aaldea, e a outras, se ouvesem de- 
las novas ; e que em toda maneira nom se viesem a dor- 
mir aas naaos , ainda que hos eles mandasem ; e asy se fo- 
ram. Em quanto andávamos nesta mata a cortar lenha, 
atravesaram alguuns papagayos per esas arvores deles veir- 
des, e outros pardos, grandes, e pequenos ; de maneira 
que me parece que averá nesta terra muytos ; pêro eu noi"a 
veria mais que ataa nove ou des: outras aves emtam nom 
vimos , soomente alguumas pombas seyxas, e pareceram me 
jnaiorei , em booa cantidade , caas de Portugal. Alguuus 
éleziam que viram rolas ; mas eu nom has vy ; mas segun- 
do hos arvoredos sam muy muytos, e grandes, e diíiífim- 
das maneiras , nom duvido que per ese sertaao ajam muy- 
tas avcs ; e aacerqua da noute nos volvemos pêra aas naaos 
com nosa lenha. Eu creo senhor que nom dey ainda aquy 
comta a V. A. da feiçara de seus arcos , e seetas : hos ar- 
cos sara pretos, e compridos, e has seetas compridas, e 
hos ferros delas decanas aparadas, segundo V. A. verá per 
alguuns, que creo qiie ho Capitam a ela haa demviar. „ 

,, Aa quarta feyra nom fomos era terra , perque ho 
Capitam moor andou todo ho dia no navio dos mantimen- 
tos a despejalo, e fazer levar aas naaos iso , que cada huu- 
tBTi podia levar. Eles acodiram aa praya muytos , segundo 
das naaos vimos, que seryam obra de trezentos, e segun- 
do Sancho de Toar, que la foy , dise. Diego Dyas , e Afon- 
so Ribeyro, ho degradado, a que ho Capitan\ omtem man- 
dou, e que em toda maneira Ia dormisem , volveram se ja 
denoute , per eles nom quererem que Ia dormisem : e tro- 
veram prr^agayos verdes , e outras aves pretas casy coma 
pegs» j sei^om quanto tynham ho bico branco, e hoá ffabos 



Int. roei acção. 



29 



tamizas , e com barretes ;hindo em sua? compa- 
nhia um degradado para observar o modo de vida 
daqiielle Povo. 



curtos. E quando ss Snncho de Toar recolheu aa naao, que- 
riam se vir eoin ele algunns ; mas ele nom quis senom dous 
manceebos despostos , e homeens de prol. Mandou hos esa 
noute muy beem pensar, e curar: e comeram toda ha vian- 
da , que lhes deram: e mandou lhes fazer cama de lençooes, 
segundo ele dise ; e dormiram, e folgaram aqiieela noute: 
e asy nom foy mais este dia , que pêra escrepever seja. „ 

„ Aa quinta feyra deradeiro da Abril comemos loguo 
casy pola raanhaa , e fomos a terra per mais lenha, e agoa : 
e em querendo ho Capitam sayr , chegou Sancho de Toar 
cos seus dous ospedes ; e per ele nom teer ainda comido, 
pozeram lhe toalhas , e veo lhe vianda , e comeo : hos os- 
pedes asentaram nos cm senhas cadeiras ; e de todo ho que 
lhes deram, comeram muy beem, e especialmente caçam co- 
zido frio, e arroz: nom lhes deram vinho, per Sancho de 
Toar dizer que nom bebiam beem. Acabado ho comer me- 
temonos todos na bateel, e eles comnosco. Deu buum gro- 
mete a huum deles huuma armadura grande de porco mon- 
tes beem revolta ? e tanto que ha tomou, meteo ha loguo 
no beiço; e perque se lhe nom queria teer, deram lhe huu- 
ma pequena de cera vermelha, e ele coreseo lhe detrás seu 
aderemço pêra se teer, e meteo-ha no beiço, e visy revolta, 
pêra syma ; e vinha tam contente com ela, coma se tevera 
huuma grande jeya : e tanto que saymos em terra, foy se 
loguo com ela , que nom pareceo hy mais. Andariam na 
prava , quando saymos, oito ou des deles; e dhy a pouco 
começaram de vyr ; e pareceo me que vyriam quatrocentos 
ou quatrocentos e cincoenta. Traziam alguuns deles arcos, e 
seetas, e todolos deram per carapuças , e per quaalquer cous- 
sa , que lhes davam. Comiam comnosco do que lhes dáva- 
mos, e bebiam alguuns deles vinho, e outros ho rom po- 
ám-íi beber ; mas pareceme que se lho avezasem , que ho bebe- 
riam de booa vomtade. Amdavam todos tam despostos, e tam 
beem feytos , e galantes com suas tinturas , que pareciam 
beem. Acaretavam desa lenha quamta podiam cem muy booas 
vomtades , e levavamna ahos batees ; e amdav?m ja mais 
mancos e seguros amtre nós, do que nós amdavamos antre- 
les. Foy ho Capitam com alguuns de nós huum pedaço per 
eçte arvoredo at;ia huuma ribeyra grande, e de ínuyta agoa. 



I© 



Intrúducção, 



ii ' 



Oito dias se demorou aqui a Armada ; e o 
que neste tempo houve de mais iiotaveí , foi a 
resolução de cada navi® tomar os mantimentos , 



:) 



f:"^' '\n 



que a noso parecer era esta meesma, que vem teer aa prayay 
em que nós tomamos agoa. Aly jouvemos huum pedalo, be- 
bendo, e folgando aho lomgo dela antre ese arvoredo, que 
ísee tanto, e tamanho, e tam basto, e de tantas pruma- 
geens, que lhe nom pode homeem dar comto. Haa antreies 
muytas palmas, de que colhemos muytos , e boos palmjtos. 
Quando saymos do bateel , disè ho Capitam que seria boo 
himios direitos aa Crus, quê estava encostada a huuma ar- 
vore jumto com ho rio , pêra se poeer de manhaan , que 
liee sesta feyra , e que nos pozesemos todos em jiolhos , @ 
ha beijasemos, pêra eles verem ho acatamento, que lhe tí- 
nhamos ; e asy ho fezemos : e eses dei ou doze , que hy es- 
tavam, acenaram lhes que fezèsem aSy ; e foram loguo to- 
dos beijala. Parecemé jenite de tal inocência, que se hos ho- 
fí^eem emtendese, e eles anos, que seriam ioguo Ghristaaos ; 
perque eles nom teem , nem emtèndèm em iihutima crêem- 
çá > segundo parece : e per tamto sé hos degradados , que 
^(|uy amde ticar , aprenderem beem ha sua faia , e hos era- 
t^iiderem , nom duvido , segundo ha Santa tençam deV. A.i 
fazerem se Ghrisraaos , e crerem na nosa Santa Fee ; aaquaal 
ptíaza ho noso Senhor que hos traga : perque certo esta jem- 
te li«e boca , e de booa synprezidade , e enipremar se haa 
ligeiramente neeles quaalquer crunho , que lhes quezerem 
âàv ; e loguo noso Senhor lhes deu boós corpos , e boos rostros 
coma a boos homeens : è ele que nos per aquy trouve, creo 
^iie nom foy sem causSa : e per tanto Vosa Alteza , pois 
taiito dezeja acrescentar na Santa Fee catholica , deve emen- 
éer em sua salvaçam ; e prazerá a Deos que com pouco tra- 
balho será asy. Eles nom lavram, nem criarti, nem haa quy. 
bòy, nera vaca , nem cabra , nem ovelha , nem gahiYha , nem 
ótítra nhuuma alimarea , que costumada seja -aho viver dos 
liòóieens : nem comem senom dese inhame , què aquy haa * 
nlHiytò , e ííésa semente, e friiitos , que hà lérría , è has 
àVvores de sy bnçam : e com isto andam íaaes , e ^am ri- 
jos y e taiíi nedeoã , que ho nom somonòs tanto com c|uah- 
tò tVigo , e legumes comemos. Em quanto aly este dia an- 
daram Vempre aho soom de huuín tambòry noso , dança- 
ra lii , e bailharam com hos nosds , em maneira que 'sam 
Biuytb 'mnis iiòsos amigos, que hos seus : se fhe« %omeèínv 



Jntroducfãó, 



3? 



que pudesse recolher , para mandar o que os le^ 
vava de avizo a ElRey com a noticia do desciiT 
brimeiíLo , e do que se havia obrado; e celebraç 



acenava;, ãe queriam vir aas naao» , faziatn se ioguo prestes 
pêra iso , em tal maneira que se lios homeem todos quisera 
comvidar , todos vieram ; porem nem trouvemos esta ncute 
aas naaos senom quatro ou cinquo ; a saber, íio Capitam 
moor dous , e Simam de Miranda huum, que trazia ja per 
page, e Ayres Gomes outro, asy page: hos cjiie lio Capi^ 
tain trouve, beera huum deles Jiuum dos seus ospedes , que 
aa primeira , quando aquy chegamos , Jhe trouverain : ho 
quaal veo oje aquy vestido na sua camisa, e com ele huum 
seu irmaao ; hos quaaes foram esta noute muy beem aga- 
salhados , asy de viamda , coma de catiia de colçhooes ,^ e 
lençooes poios mais amansar. „ 

,, Hoje que hee sesta feyra , primeiro dia de Mayo , 
saymos pola manhãa em terra com nosa Bandeyta , e fomos 
desembarcar acima do rio comtra ho Sul, omde nos pareceo 
que seria milhor chantar ha Cruz , pêra secr miihor vista ^ 
e aly asyriou ho Capitam omde fezesem ha cova, pêra ha 
ehantar: e em quanto a ficaram fazendo, ele com todos nó^ 
outros fomos pola Crus , abaixo da rio , omde estava. Trou* 
vemola daly com eses Religiosos , e Sacerclotes diante can* 
tando , maneira de prociçam. Heeram ja hy alguuns deles, 
€jbra de setenta ou oitenta : e quando nos asy viram yyr, 
sjlguuns deles se foram meteer debayxo dela ajudamos. Pfi*. 
samolo rio abo lomgo da praya, e fomola poeer pmde avia 
de seer, que será do rio obra de dous tiros de beesra. Al¥ 
andando nysto , vyriam beem cento e cincoenta ou mais. „ 

„ Chantada ha Cruz com has Armas e Devisa de V0S4 
Alteza, que lhe primeiro pregaram, anrjaram Aliar aho pee 
dela , e aly dise Misa h(» padre frey Amrique , ha quaal íoy 
cantada, e oficiada per eses ja ditos. Aly estiveram comnos- 
GO a ela obra de cincoenta ou sesenta deles asentados to- 
dos em jiolhos, asy coma nós: e quando veo abo Avanj^- 
lho, que nos erguemos todos cm pee com has rnSaos [e* 
vantadas , eles se levantaram comnosco , e alçaram has 
mãaos , estando asv ataa seer acab^ida ; e emtajii tornaram 
se aasentar coma nós : e quando levantaram a Deos , qui^ 
WS posemos em jiolhos, eles se poseram todos , asy coma 
nós estávamos com has maaos levantadas ; e epi tal fiianeira 
a^$*e^3ilo5., qu|í «íerXeSpp ? V. A. que mos fts muyt» de?a- 



\ I 



3a 



Introdacçàú, 



si •': 



Missa cantada duas vezes o guardião Frey Henri. 
^ue: primeira no Domingo da Pascoela emamliheo, 
que está dentro da enseada, á vista d'iuim gran- 



çam: e esteveram asy camnosco ataa acabada ha Comunham; 
e- tlespois da Comunham comungaram eses Religiosos, e Sa- 
cerdotes , e ho Capitam com alguuns de nós outros. Alguuns 
deles, per ho Sol seer sjrande , em nós estando comungan- 
do^ alevantaram se , e outros esteveram, e ficaram. Humn 
deles, honieem de cincoenta ou cincoenta e cuico anos ncou 
aly com aqueles, que ficaram : aquele , em nós asy estando, 
ajuntava aqueles, que aly ficaram; e ainda chamava outros. 
Este, andando asy antreles , falando. lhes , acenou com ho 
dedo pêra aho Altar, e despois mostrou ho dedo pêra aho 
Geeo-, coma quem lhes tiezia alguuma coussa de beem ; e 
nós asy ho tomamos. Acabada ha Misa , tirou ho padre ha 
vestimenta de cima , e ficou na alva , e asy se sobio junto 
4^om ho Altar em huuma cadeira, e aly nos preegou cio 
Avanjelho, e dos Apóstolos, cujo dia oje hee : trautando 
«mfim da preegaçam deste voso proseguimento tam banro,, 
e-vertuoso , que nos causou mais tlevaçam. Eses , que aa 
preeaaçam sempre esteveram, estavam asy coma nos olhan- 
do pêra ele ; e aqiieele, que digo, chamava alguuns , que 
viesem pera aly. Alguuns vynham, e outros hyam se. AcaJ^ada 
ha preeaaçam , trazia Nicolaao Coelho muytas cruzes desta- 
nho , que Ih-e ficaram ainda da outra vynda ; e ouveram 
per ho be^m, que lançasem a cada huum sua aho pescoço: 
pola quaal coussa se asentou ho padre frey Amrique aho pee 
da Cruz, e aly a huum e huum lançava sua atada em huum 
fio aho pescoço , fazendo lha primeiro beijar , e alevantar. 
has maaos. Vynham a iso muytos ; e lançaram nas todas , 
que seriam obra de quorenta ou cinquoenta : e isto acaba- 
do heera ia beem huuma ora despois de meodia. Vyemos aas 
naaos comer, omde ho Capitam trouve comsigo aqneele mees- 
II30 , que fes ahos outros aqueela mostrança pera aho Al- 
tar e pera aho Ceeo ; e huum seu irraam com ele, aiio 
quaal fes muyta honrra, e deu lhe huuma camisa mouris- 
ca e aho outro huuma camisa destoutras. E segundo^ ho 
biiè amy , e a todos pareceo , esta jemte nora lhe íalect 
outra coussa pera scer toda christaan ca etntenderem nos; 
nerque asy tomavam aquilo , que nos vyam fazer, coma nos 
meesmo : per omde pareceo a todos que nhuuma idola- 
tria , nemadoraçam teem : e beem creo, que se Y. A. aquy. 



fntroduc^^ão. 



3Í 



de numero dTiidigenas , que estavam na praia fir-* 
me ; outra no primeiro de Mayo ao pé d'luima 
grande Cruz. , que na mesma manlian tinha sido 



mandar quem mais antreles devagar ande , que tcdos^ se- 
rorn tornado^ aho clezejo de V. Ã. E pêra iso se alguém 
vier , nom Jeyxe loguo de vyr clérigo pêra hos bautizar ; 
perque ja emtam teerom mais GOíihceimento da nosa Fee 
poios dous degradados^ que aquy antreles ficam : hos quaíi es 
ambos oje tambeem comungaram. Antre lodos estes , que oje 
vyeram, nom veo mais que iiuuma mulher moça, ha quaal 
esteve sempre aa Misa : aaquaal deram iruum pano com que 
se cobrise , e poseram lho daredor de sy ; pêro aho sentar 
nom fazia memorea de ho muyto estender pêra se cobrir ; 
9sy , Senhor, que lia inocência desta jem*te hee taí , que 
ha daDam nom seria mais quanta em vergonha. Ora veja 
V. A. quem em tal inocência vive ^ ensinando lhe ho qve 
pêra ha sua salvaçan^ pertence , se se conveiteraoni ou nom. 
Acabado isto, fomos asy perante eles beijar ha Cruz, e es- 
ipiedimonos, e vyemos comer. ,, 

,, Creo , Senhor , qn,e com estes dotis degradados , qu0 
aquy ficam., ficam mais dous grumetes, que esta noute se 
sayram desta naao no esquife fugidos , hos quaaes nom 
líyeram mais , e creemos que ficarem aquy , perque de ma- 
nhãa;, prasendo a Deos , fazemos daquy nosa partida. ,, 

„ Esta Terra, Senhor ^ me parece, que da ponta, que 
mais estaa contra ho Sul , vymos ataa outra ponta , que 
contra ho norte vem , de que deste porto ouvenios vista , 
será tamanha , que averá neela beem vinte ou vintecinqno 
Jegoas per costa : trás aho iomgo do mar em alguu- 
mas partes gramdes bareiras , delas vermelhas , e delas 
bramcas ; e ha terra percyma toda chaa , e muyto chea de 
gramdes arvoredos de pomta a pomta : hee toda praya p ar- 
ma muyto çbaan , e muyto fremosa : polo saríaao nos pa- 
receo domar muyto gramde ; perque a estender olhos, nom* 
podíamos veer senom terra, e arvoredos, que nos |7arecia 
JTiuy lomga terra. Neela ataa gora nom pod€mos saber se 
aja ouro, nem prata;, nem nhuuma coussa de metal, nem 
de ferro , nem lho vymos : pêro ha terra em sy hee de 
muyto boos aares^asy frios, e temperados coma hos dan- 
tre Doiro , e Minho ; perqae neste tempo dagcra asy hos- 
achavamos coma hos dela ; agoas sam muytas , imfímdas ^ 
em, tal maneira hee graciosa ^ que querendoa aproveitar ^ 



^ I 



I 



34. 



Introduçção^ 



kw 



colIoca4a junco á praia com as Armas , ,e Piviza 
d'El-Rey o Senhor DomÈmmaiiiiel , em testema- 
nho da solemiie posse , que, em Seu Real. Nome 
se havia tooiado da Nova Terra da VERA CRUZ. 

(Iirseháa iieela tudo per beem das agoas , que teem ; pêro. ho. 
miihor fruyto 5 que neela se pock fazer, me parece , que será 
salvar esta jemte ; e esta deve seer a principal semente , que 
V. A. em ela deve laniçar s e que íiy iiom ouvese mais ca 
teer aquy esta pousada pêra esta navegaçarn de Calecule, 
gbasíarla , quanto mais despoziçam pêra neela comprir , é 
fazer ho que V. A. tanto dezeja ; a saber , acrescentamento 
da nosa Santa Fee. E nesta maneira ^ Senhor, dou aquy a 
Vosa Alteza do que neesla vossa terra vy : e «e alguum pouca- 
alomguey, ela me perdoe, ca ho dezejo > que tyhha de vos. 
iVíão dizer, mo fes asy poeer polo meodo. E pois que , Se- 
nhor, hee certo que asy neeste careguo , que levo, coma; 
em outra qunalquer coussa ., que de voso serviço for, V. A* 
haade seer t!e myni muyto beem s«?rvido , a ela peço qué 
per me fazer simgular mercee , mande vyr da Ilha de Sanr 
Tomé Jorje do Soyro, meu Jcmrro ,. ho que delaa receheiey 
em muyta mercee. Beijo has maaos de V.Á. Deste Perto Seguro 
da vosa Ilha da Vera Crus. Hoje sesta feira , primeiro dia* 
de Mayo de mil e quinhentos. Pêro Vaz de Caminha, „ 

O Original conserva-se no Arquivo Real da Torre íXcf 
Tombo GnVeta 8. Maç. 2.*' N.^ 8.° 

Os Escritores Castelhanos , instigados de emulação, pre- 
tendem que o seu compatriota Vicente Yanez Pinzon ap- 
portara no Gabo de Santo Agostinho ^ ao qual dera o no- 
me de Cabo de la Consolaclon , treg mezes antes que Pe» 
dralvez Cabral surgisse em Porto Seguro. E- para provar 
que Cabo f/e la- Cõiisolacion be o de Santo Agostinho, di- 
zem que Pinzon avistara terra de muito longe , qne a agua 
do mar era turva , e esbranquiçada , e athé mesmo doce 
como de rio; e que lançando o prumo , achara fundo em 
dezaseis braças. . . . Todos estes sinaes depõem , e provam 
contra producentes que o Cabo de la Consolaclon he o 
Cabo do Norte , que &a na latitude úq dois graus Septen- 
trionfjes. A terra do Cabo de Santo Agostinho ,, e suas vi- 
zinhanças be baixa , e só apparece aos Navegantes, quando 
cstam perro delia: a» aguas sam alli cristalinas ^e a sonda- 
reça só mostra dezaseis braças perta de terra.. Em nenhu- 
ma parte desta Costa se acha agua^ doce senão dentro |dos 
tios, onde não chega a maré'. Os mesmos Escritores con- 



Introducfão, 



35 



A dois de Mayo sahiu a Armada deste Por- 
to , deixando nelle dois degradados , segundo a 
relação desta viagem escrita por um Piloto da mes- 
ma Frota , e conservada por Ramuzio ; onde se 
menciona que aquelles ficar a m_ clioranclo , e os ho- 
mens do Paiz os confortavam , mostrando-se del« 
les compadecidos. ( /< ) Hum delles , que aprendeu 

E ii 



fessam que tendo Pinzon navegado quarenta léguas ao lon»' 
go da Cosia, se certificara que aqueila agua doce, e mu que 
navegava, sabia do Rio Maranham , aiiàs Amazona ^ cuja- bo- 
ca fica mais de quatrocentas léguas distante do Cabo de 
"Santo Agostinho. A 26 de Henero descubriò tierra bien le« 
xos, y esto fu^ el cabo , que aora llaman de San Agustin , 
ai qual llamò Vicente Yánez Pinzon Cabo de la Consola- 
eion, y los Portuguezes dizen la tierra de Santa Cruz, y ao» 
ra dei Brasil; halíaron la mar tuibia, y brancaza , como de 
rio: hecharon la sonda, y hallaronse en diez y seis braças... 
Se fu^ron por la costa abaxo quarenta léguas ai Poniente , 
y por la mucha abundância de agua dulce , que halíaron 
cn la mar, hincheron sus basijas ; y segun que Vicente Vãnez 
lo afirmo , llegava el agua dulce quarenta léguas dentro en 
la mar ; y querendo saber este segredo, se acercaron a tier- 
ia , y ballaron mnchas isla^. ... Salia esra agua de aquel 
muy nonibrado Rio Maranòn , que tiene treinta legtias de 
boca, e algunos dizen mas. Ant. Herrera. 

Berredo, e António Galvam deviam reOectir nas expres- 
sões referidas , como fèz Robertson : „ Vincent Fanez Pin- 
zon , one of íhe admíraTs companions , in his first voyage , 
sailed from Paios with four ships. He stood boldly towards 
the South, and was tbe first Spaniard who ventured to cross 
íhe Equinocrial Line ; but he seems to have landed on no 
part of the Coast beyond the mouth of the Maragnon, or 
ílver of the Amazons. „ Hist. d'America Liv. II. Vicente 
Yanez Pinçon, um dos companheiros do almirante Colombo 
na sua primeira viagem, sahiu de Paios com quatro Navios. 
Navegou aniniozamente para o Sul, e foi o »)rimeíro Caste- 
lhano, que se aventurou a crnzar a Linha Equinoxial ; mas 
parece que não desembarcou em parte alguma da Costa além 
da boca do IMaranham, ou rio das Ama7.onas. 



(k.) L'alííO giorno -che fu alli ám di Maggio dei detto 



3$ 



Introdncçãõ. 






^:i!i 



■ 



log(* o Idioma dis Indígenas v chamados Tupinhi-^ 
qiiins , e sei via d'interprete aos primeiros Ponu^^ 
giiezes , que allí aportaram., tornou depois aa 
Reyno, 

Como a Costa corre ao mesmo ruma , a que 
o nosso correio (^Gaspar \ de Lemos) . necessárias 
mente devia nayegar , eejle tinha, interesse (e 
provavehnente recommendaçóes de Pedralvez Ca- 
qral) em saber athé que altura a Terra se esten-. 
dia para o Norte , nada he tão verosimii e natu-* 
lal , como avistalla ella muitas vezes athé Cabo 
de S. Roque , se he que não a levòii sempre a 
vista athç esta paragem,; porque- as aguas nesta 
monsão empurram para terra. Òs dois Indigenas; 
com que chegou a Portugal , segundo Barroz , pro*. 
vam que elle aportou em alguma parte depois que 
sahiu de Portoseguro , visto não serem, deste lugar. 

G prazer , qiie EjRey D. Ejiumanuel recebeii 
na chegada" do CapitãQ Gaspar de Lemos com asi 
iioticias do> des-cubrim^nto da extensa , amena , e 
.povoada Terra Vera-Cru^ , fêz conceber a este; 
inagnanimo Monarca o projecto de mandar expio- 
ralia mais largamente ^ e suas particularidades. (/) 

Posto que os nossos, Escritores aão coaduneni 
sobre o anno em que ElRey mandou continuar 
o. descubriraento desta Nova Terra ,, he foja de to- 
da a duvida que a primeira Esquadra expedida a 
este exame constava de trçs Carayellas , que sa^ 
liiram do Tejo em May o do anno de mil quinhen- 
tos e um , ( parece que ao çommando de Gonsalo. 



gnno (M. PO Tarmata fece vela pel Gamiao per andare alia 
voita çkl Capo ài Biioiia Speranza ^,... „ Li quaii comin- 
çiorono a, piangere , et gli ImotnLni di quella terra gii con^ 
fortavanOi; et nrostravano havere di loro pifítà. „ Ramuzio. 
( / ) O qual Navio (dq Leinos) com sua chegada deu 
muito prazer a ElRey , e a todo o Reyuo , assi por sabe? 
^ía ho'\ vhgem , que a^fiQVd levava, conio poia Terra j, quç 
(íescubíira. ^^ Barroz,, 



■i 



Introducçáó. 



d7 



Goellio)e 'foram encontradas no porto de Beze- 
negue C^^O por Pedralvez Cabral f quando volta- 
va da índia. 

He igualmente certo que o mesma Monarca 
(por -motivos que apenas nos declaram , mas que 



Cm) Bezenegiie ou Bezegiiiche crê-se ser o porto da 
Ilha Goréa ^ situada em quatorze graus , quarenta minutos , 
eclez segundos de latitude Septentrional , junto a Cabo- Verde. 

Annerico Vespucio, Antoíiio Galvam , e ó mencienado 
Piloto d'Armada de Pedralvez Cahr.il, testemunha ccular , 
concordam que em quinhentos e um sahira do Tejo uma 
Ksquadra de ires Garavelias' para continuar a dtrsciibería do 
mesmo Cabral. 

3, Chegámos aó Cabo da Boa Esperança dia de Pás- 
coa, e encontrando alli bom tempo , continuámos a via-, 
-gem^ e aportámos junto a Cabo- Verde êm Bezenegue ^ Gn« 
de encontrámos três Caravelias , que EIRey de Portugai 
iiiandára para áescubrir a Terra iiova , que tínhamos acha- 
do hindo para Calecute.^> Relação da viagem de Pedralve:^ 
Cabral em Ramuzio. 

,, Neste mesmo anno de quinhentos è um, e mez de 
Mayo partiram três navios de Lisboa por mandado d'EÍRcy 
Dom Emmanuel a descubrir a Costa do Brazil ; e forani 
a ver vista das Canárias , e dahi a Cabo-Verde. Tomaram 
refresco em Bezeguiche , e passada ã Linha da ]>arté dú 
Sul, foram tomar terra no Brazil em cinco graus de altu- 
ra ; e foram por ei]a athé trinta e dois pouco mais oti 
menos , seguado sua: coiíía ; donde se tornaram no mèz de 
Abril poT haver ia la frio, e tormenta. Puzeram neste des^ 
cubtimento , e viagem quinze mezes ; por tornarem m en- 
trada de Setembro» „ António Galvam Bescubrimentos An-^ 
íig. e Moíiernos. 

Não parece seguro que a Esquadra chegasse a tão 
grande altura. Como este escritor deixou em silencio d no- 
i«e do Almirante contra o Costume que praticava , poiS' 
nao ommiíte o de nenhum outro entre tantos ( por ejíe 
nomeados) que passaram, ao Novo Mundo, ou ás regiões/ 
mais remotas do Antigo , não só dos Ponuguezes , mas 
ainda, dos das outras nações marítimas , Casteiha-na , Fraa; 
eeza , e Iiígleza , parece dever-se inferir, que elk nao teve 
©iitro documento mais (\ue o d^Americo Veijpiicio , íest2»: 
munha. suspeita e infiel, que diz fdra uin dos Capitães 






3^ 



Introducção^ 



se percebem bem) expediu outra Esquadra com 
duplicado numero de caravelías ao mesmo exame, 
logo depois da chegada da primeira. Também não 

subalternos, e também não o nomêa. ^13) O que mais nos 
persuade este sentinnento he concordar identicamente a re- 
ferid:i descripçáo de Galvaiii coni o substancial da narrati- 
va , que Américo Vespucio fêz desta viagem ; pois diz que 
tendo sabido de Bezeiiegue , e navegado ao Sudoeste quar- 
ta do Sul por espaço de sessenta e sete dias , fôra descu- 
brir terra nova em cinco graus do Sul : Ç14) e que conti- 



'■Jíj: 



% 



(13) Sendo tão necessário o conhecimento do Almi- 
rante desta Esquadia , nenhum dos mencionados escritores 
O nomèa : o Piloro de Cabral por não o julgar precizo ; 
*GaIvam por não sabêllo ; e Américo Vespucio, ao que pa* 
arece , peia mesma razão de nâo ter feiro estas viagens , 
e só d^ouvido escrever o que , e como bem lhe pareceu ; 
pois não falta quem afhrme , que e He estava occupado em 
outros negócios nos tempos em que diz navegara ao Brazil „ 
Les ralations d^Americ Vespuce contienent íe recit de deax 
voíages , qu' il íit sur la même cAte (du Brésil) au nom 
.d'Kmmanuel Roi de Portugal. IVIais les dates en sont faus- 
ses , et c'est en quoi consiste V imposture ; car il est prou*- 
■yé , par tous les temoignages contemporains , que dans le 
tems quMl iiomme , il étoit emploíé à d'autres expèdirions. „ 
Hist. Geral das Viagens Tomo XIV. Liv. VI. C IX. Pariz 
1757, 

(^14) He tão natural que a Armada procurasse terra 
na paragem, onde desapparecêra a Gaspar de Lemos , isto 
he, na vizinhança áo Gabo de S. Roque , em pouco mais 
de cinco graus austraes , onde a costa muda de rumo ; co- 
mo impossível tornar acosta oriental um Navio , que , de- 
SaíFerraiido de Caboverde, navega sempre ao Sudoeste quar- 
ta do Sul, destinidatnente a encontralla naqiiella altura, em 
quanto o Sol anda ao N)rre da Equinocial ; porque nestes 
tempos as a^ar»s do Ocaano correm com violência para o 
|>Joroc3te V e levtim fí5s navios C ^'^^ '""^^ ®^ seguram para 
Leste) á Costa do iSíorte. Isto mesno he o que sem du- 
vida ihe aconteceu ; ss he que viram a primeira terra cen- 
to e cincoenta bguas longe do cabo de Santo Agostinho; 
porque doutra sorte nâo se pode verificar o tê-la avistada? 
«aqueila distancia ; e só sendo assim he que a Costa VnQ 



Introduofão, 



n 



se concorda sobre o sen Commandante , que pare^ 
ce ser Ciiristovam Jacquez. 

Costeou o Continente o mais próximo delle ,. 

Kuára a navegar obra de novecentas léguas , sempre â vis- 
ta , e junto da terra , fazendo continiíadas escalas , ora fal- 
kfulo, ora tratando com gente infinita; já pacificando a não 
sem trabalho , já observando seus costumes , e jerarquias ? 
como também as produções da Natureza athé trinta e dois 
graus de latitiuie austral , onde despedindc-se da cesta por 
lima vez, mudara de riimO para o Sueste :, e fora descubrir 
outra terra em cincoenta e dois graus. 

Partimmo di Lisbona tre navi di conserva à di x dl 
Maggio 1501... diritti ali' isole delia gran Canária. . . et fum- 
mo nella costa d^Ethiopia, à un porto che se dice Besene- 
gbe. . . Sopra la quale alzà el polo dei settentrione 14 gradi et 
mezzo.. . Partimmo di questo porto,., et navigando per 
libeccio , pigliando una qiiarte di mezzodi tanto che in 67 
giorni. . . piacque à Dio mosirrirci terra nova ;, che fii ii 
17 d'Agosto.. . Stava oltra delia linea equincttiale verso 
ostro /; gradi. .. Partimmo di questo luogo, et commiiiciam- 
mo nostra navigatione tra levante, et siroco, che cosi corre 



èorria a Lessueste a maior parte da distancia ; masí falta- 
liíe então a veracidade da latitude ; porque apparecendo-lhes 
terra na mencionada distancia , devia ser na 'Costa do Ciará 
no s-itio delvlandahú, que está em três gárus, e um terço , 
e sendo em distancia de trezentas léguas, só podia ser a 
Oeste da Ilha de S. ]oao na Costa do Pará em i:m grau, 
e um terço. 

Se concedermos que a Esquadra tomou terra em Cabo 
de S. Roque, impeliida da corrente das aguas por ter na« 
Vegado C ttão ao Sudoeste quarta do Sul, como diz na Car- 
tíí , mas sim porque navegou ) tempse ao Sul , e um pou- 
co ao poente por ser-lhe escaco o vento, como diz no Sum- 
mario : drizzando il nostro viaggio verso il polo Anlartico, 
nondimeno tenevamo alquanto verso ponente ,. percioche era 
vento di levante :^ objecta-se com a- experiência tao sabida 
que nesta costa nao se navega á vista de terra para o Sui 
sem findar o mez de Setembro; e Vespucio , como vimos, 
diz que continuara logo a navegar para o Sul avista, c mui 
perto de terra. Mais : se a Esquadra aportou na Costa do 
Norte , ainda lhe era mais dificnltozo navegar para Leste 
a dobrar o Caba de S. Roque. 



% 



li*!'!;' ■ ■i'íii' 



m 



Introducfãoí 



que lhe foi possível , GbservmidOf ciiidadozamente 
tudo ,0 notável acerca de rios ;, portos , cabos ^ e 
po.nta3 ' de terra com os perigos, ,6 ilhas adjacen- 
tes , aspectos, e gizamento da Costa athé cabo das 

-,-^-_._ ^ ^ V/'-;. . r -• > " ^ . i -^ ^^:; 

igi terra, e facenimo molte scale. . . et cosi na vigam mo tan- 
to che trovamo che la terra fapeva la volta per libeccio , 
et çommo voltammo un ravo , aíqiiale njettejiio nome di S, 
Agostino, cominçiammo a navigare per libeccio. E' discosto 
questo cavo delia predetta terrg. ... i^-p leghe verso Levante, 
Çi/;) et stà 8 gracli fuori de la liiiea eqiiinottiaie vers' os- 
tro, .. navigando sempre per libeccio à vista di terra , di 
continuo faccendo di molte scale.. . tanto andamp verso 1'os- 
tro , che già stavamo fuori dei trópico di capricorno , donde 
el polo antartico s^alzava sopra Torizonte 32 gradi. (16).. 
Gorremmo di questa nostra costa appresso di 750 leghe : le 
150 dal cavo di S. Agostino verso el ponente, et le 600 veíf- 
§0 i.l libeccip. . • Visto che in questa terta non trovavamp cpr' 
sa di minera alçuna , accordammo di espedirci di essa, etan- 
dárci à coramettere ai rnar per altra parte,., di questa terra 
çojiiinciammo nostra iiayigatione per el vento sirocco. . . et 

( i/; ) No Sumniafio he computada esta distancia era 
trezentas léguas. „ Questo capo dal luogo , dove prima ver; 
demmo terra , \ lontano forse trecente leghe. „ Na suppo^ 
ziçâo que a frota tomou terra na costa oriental , como se 
presume , ambas estas asserções sani falsas ; ainda no cazo 
que os cabos de S. Roque , e Santo Agostinho estivessem 
nas latitudes que Vespucio pertende ; porque não passando 
de dezaseis minutos a difíferença da longitude entre os me*- 
ridianos deites cabos , só podia haver sessenta léguas de 
vinte em grau. E com effeito parece não ha^er mais de 
sessenta e duas léguas geográficas neste intervallo ; porque , 
supposto Pimentel ponha o primeiro em cinco graus e seis 
minutos , e o segundo era oito c yintesete , segundo boas 
observações se tem achado um em cinco e quinze, outro 
era oito e vinte. ^ _ 

(16) No Summario assevera Vespucio que navegara á 
vista de terra athé dezasete graus e meio para lá do tror 
pico de capricórnio, que vem, a serathe quarenta e um do 
Sul „ Tanto navigammo presso di aetta cosía > che trjipas- 
^nimo il trópico hiemale verso el polo Antartico per 17 §ra- 
di et mezzo. ,, , : 



Intrôdii 



Cf ao. 



41 



Virgens na entrada do Estreito Magaíhanico : ha- 
vendo ancorado em muitas paragens , para fazer 
os exames necessários , segando as insinuações que 
levava , e se pratica em cazos taes. 
Tom. I . F 



tanto navigammo per questo vento , che ci trovammo tanto 
alri , ch'il polo Antarrico ci stava alto fora (iel nostro orizon- 
te h^n 52 gradi; et di già stavammo discoti dei porto di do- 
ve partimmo ben 500 leghe per sirocco. ,, (17) 

Sendo assim, parece não podia íicar hahiu , nem rio cau« 
dalozo ;, cabo, sinuozidade , ilha, nem montanha adjacente 
á praia , que não fosse ao menos reconhecido , como tam- 
bém os difterentes aspectos da Terra em suas diversas pa- 
ragens : e isto he o que elle nos dá a entender que con- 
seguira ; e que por ter feito tão completa , e cabalmente 
as averiguações, que El-Rey pertendia , este, dando por es- 
cuzada segunda indagação y O incinTibira d'ourra empreza 
igualmente árdua , qual era a descuberta da cidade de Ma- 
laca na índia ^ para a qual lhe fizera aprestar outra es- 
quadra de seis caravellas. Porém > o geral silencio^ em que, 
á excepção do cabo de Santo Agostinho , deixou todas 
aquellas coizas , que os descubridores notam por principaes, 
e os extraordinários enganos nos cálculos das distancias, 
e ainda acerca^ das direcções da Costa , fazem suspeitar, 
que eíle não foi ao Brazil. O certo hC;, que as explorações^ 
íio cazo de principiadas , fôram tao escassas , que occazio- 
nárarn a expedição cPoutra Esquadra ao mesmo exame, 

O Jezuita P. Possino diz que Vespucio era o comman- 
dante da Armada ; mas que ElPvey D. Eoimanuel não fi- 



C 17 3 Hum navio , que desaferra da Costa do Brazil 
na latitude de trinta e dois graus , e navega quinhentas lé- 
guas sempre ao Sueste athé eincoenta e dois , não encontra 
ilha alguma. Mr. Bougainville , e os que com elle pretendem, 
que as Ilhas Maluinas sejam a Terra, que Américo diz des- 
eubrira naquelia latitude, deviam advertir , que estas Ilhas 
estam muito a Oeste do meridiano do lugar, donde elle diz 
desaferrara, e de que constantemente se de\ ia afastar de c.i- 
davêz mais para Leste. „ Les Isles Malouines se trouvent pla- 
cées entre cinquante-un et çinquante-deux degrés et demi de 
latitude méridion^le. . . elles sont éloignées de la cote de FA- 
ii\érique ou des Patagons et de Tentrée áu détroit de Ivíagellan, 
á^enviroa quatre-viogt à qu^^tr^-vingt-dix lieues. ,í Bougainvíl» 



\>M. 




4a 



Introducfão, 



kl; j 



'%\ I 



% 



r ''^:[ 



V', 



Consta que assentou vários Padrões com as 
Quinas de Portugal nos sítios mais azados para se- 
rem vistos ; que perdeu quatro caravellas ; e dei- 
xou em Porto Seguro uma colónia , ou parte dos 

cara satisfeito com as suas observações. Rediice Ulyssiponera 
Américo Emmanuel per otium audito, haud contentus. , . 
Gonsalvum Coélium. . . misit , attributa classe sex navium. 
Vida do P. Ignac. de Azevedo. 

Pedro de Magalhães Gandavo , primeiro escritor do Bra- 
zil , onde esteve alguns annos , nao falia uma palavra so- 
fcre estas duas expedições. Nos outros escritores achaiu-se 
confundidos os successos d'huma Esquadra com os da outra. 

„ No mesmo anno Cáe M.D.III.) mandou Gonçalio 
Coelho com seis naus á Terra de Sancta Cruz, com que 
partiu de Lisboa ahgs dez dias tio mêz de Junho ; das quaes 
por ainda terem pouca noticia da Terra , perdeu quatro , e 
has outras duas trouxe aho ílegno cora mercadorias da Ter- 
ra , que enlam nam eram outras , que páu vermelho , a 
que chamam Brasil , bogios , e papagaios. „ Góes Chron. 

Ciassem Gundissalvo Coelio commisit , qua regionem 
à Caprale explora tam , quam Brasiliam vocant , perlustra- 
rer. Sed navigandi in regionem parúm cognitam imperitiâ 
factum est, ut Coélius ex sex navibus quatuor vadis allisas 
amiserit , atque duas tantúm simiis in patriam reduxerit. 
Osor. De Reb. Emmanuelis. 

Aqui começa a fazer-se sensível a perda d'America Por- 
íugueza de Manuel de Faria , da Terra Santa Cruz de J. 
tle Barros, e, mais que tudo , do Diário dos primeiros inda- 
gadores ; perdas que reparara , ao menos em parte , quem 
publicar o MS. de Diogo de Castro, (i^) 

Francisco da Cunha , ou quemquer que he o Author 
do MS. intitulado : Descripção Geográfica d'America Por- 
tugueza , escrita em quinhentos oitenta e sete , diz que 
Gonçalo Coelho fora o primeiro explorador da Costa Brazi- 
lica ( depois de Cabral , e Lemos ) ; mas não nos declara 
em que anno ; e inadvertidamente o restitue ao reino a 
tempo , que já ElRey D. Joam o Terceiro estava no Thro« 



'^■•-1' 



(i8) Deste MS. faz menção o A. da Justificação do 
titulo, com que se fundou a Colónia do Sacramento. Lisboa 
cm 1681. „ Diogo de Castro hem conhecido , e célebre pe- 
lo seu Roteiro , que fêz de toda a Costa do Brazil , que 
§t guarda origiiialmeBte nos A^^^hivos deste Keino. ,> 



Introduofão. 



43 



que escaparam dos naufrágios , com dois Missioná- 
rios Franciscanos , tornando ao Reino com duas ca- 
ravelias carregadas do páu , que ao depois fêz 
perder á região o nome dado por Cabral. 

No mesmo anno de mil e quinlientos e três , 
antes que o explorador chegasse a esta Terra da 
Vera Cruz , aportou no meio da sua Costa Dom 
AíFonso d* Albuquerque , que saliíra de Lisboa a 
seis d' Abril , commandando uma Esquadra para a 
índia. Não se nos diz em que latitude , declara- 
se só que havia arvores de canaíistula , e verniz 
naquella paragem. C'0 

Pouco tempo depois foi aquella mercancia posta 
por contrato , começando a Colónia a ser frequente^ 
mente vizitada pelas caravellas dos contratadores. 

Em mil quinhentos e cinco navegou a Frota d^ 
F ii 

no ; engano que seguiram vários escritores. ^, Teve S. A. no- 
tic a deste Descubrimento , e dezejozo de a ter mais for- 
mal, e maior, determinou que Gonçallo Coelho, distinto 
por sua qualidade, intrépida rezolução , vabr , e prudên- 
cia, fosse examinar aquelle sitio, e corresse a Costa. „ 

„ Para executar este dezignio , o fez embarcar numa es- 
quadra de três caravellas, que lhe mandou aprestar com tu- 
do o necessário. Nesta expedição supportou G.C. e os que 
o acompanhavam , inexplicáveis trabalhos athé que perdeu 
dois navios : (19) e receando acontecesse o mesmo ao em 
que andava... voltou pára Portugal , por contar o (]ue acha- 
ra... E na prezença d'EiRey D. Joam o Terceiro, a quena 
achou reinando, expôz as noticias, que trazia, e os snc- 
cessos que tivera. „ (20) 

Qn^ Buona somma di cássia et di vernizo. Altro di 
momento non abbiamo compreso. Ranuizio. 

C 19) Postoque Vespucio assevere que nenhuma das ca- 
ravellas da primeira Armada experimentara naufrágio , pa- 
rece dever prevalecer o testemunho de Cunha, que affirma 
ter escapado só uma. A prompta expedição d'onrra Arma- 
da com duplicado numero de caravellas parece comprovallo. 

( 20 ' A razão, porque cuido ser o mencionado MS. 
de Francisco da Cunha , he por dizer o Autlior da ]u$tific-a« 



44 



Introducfão, 



índia Ccommaiidada por Dom Fían cisco d'AlHieyda) 
mui próxima â Costa do Brazil , ou Terra de Santa 
Cruz ; mas não se sabe , que fosse ao menos avis- 
tada por algum dos navios, que a formavam. 

No anno de mil quinhentos eseis costeou Tris- 
tam da Cunha (^hindo para a índia) a terra de 
Pernambuco , tão próximo a ella , que descubriu , 
ou reconheceu o rio de S. Sebastiam ; o qual , por 



\ -I i 



'li!'; 



ri 



!lk-4? 



Sendo Gonçallo Coelho o Almirante da primeira esqua- 
dra expedida a continuar o Descubrimento de Pedralvez; e 
indubitável que a primeira Armada , que sahiu de Lisboa 
com este intuito, foi a de três caravelias em quinhentos e 
um , sejj^ue-se ter elie sido o seu Commandante , e não 
o das seis , que sahiram em quinhentos e três. 

O mesmo Francisco da Cunha , conductor de todos os 
escritores nesta parte , diz que Christovam Jaquez fora o 
Almirante da segunda Esquadra a adiantar a descuberta de 
Cabral : se bem que inadvertidamente suppõe este aconte- 
cimento no reinado d^ElRey D, Joam o III. 

„ Mandou logo preparar outra Armada de caravellas , 
que entregou a Christovam Jaquez, Fidalgo de sua Caza : 
e com o tirulo de Capitam-Mór o mandou continuar nesta 
empreza , descubrindo aquella Costa. „ 

„ Sahiu a Armada , e seguindo viagem , chegou á cos- 
ia , e proseguiu na sua averiguação; sondando baixos, e 
jios ; pondo Padrões d'Armas Portuguezas C-i) por onde 



ção referida , que aquelle fizera um Roteiro da Costa Bra- 
sílica por ordem de Dom Christovam de IVfoura : e uma 
das duas copias, que vi, e que nSo passa da primeira par- 
te , Ce não me lembro se tod^) traz uma Dedicatória aquel- 
le Fidalgo, datada em a Corte de Madrid, no principio de 
Março de quinhentos oitenta e sete. Esta Dedicatória falta na 
copia do que existe na Real Biblioteca , e que he muito maior. 
(^21) Não sei se o numero destes Padrões excedeu 
o dos cinco ? de que fazem menção os Escritores do meu 
alcance , scilicet : i. 



na 



enseada dos Marcos entre a Bahia 
Formoza , e a da Trahição : 2.^ na entrada da Bahia de 
To-dos os Santos : ^^^ sobre a barra áa Cannannéa : 4.** na 
Ilha de Maldonado : r;.^ entre a ponta meridional da Bahia 
de S. Mathias^, e a Ponta do Padrão , mais chegado á pri» 





Introducçâo. 



45 



não se lhe derermiaar a latitude , nem conservar 
o nome, lie hoje desconhecido. CO 

hia passaiulo, que para isso os levava em quantidade. An- 
dando nesta diligencia em continuo perigo , e com inses- 
sante trabalho pela mesma falta de pratica, foi dar a hu- 
ma bahía , a que pôz o nome de Todos os Santos. Fez 
mappa da altura das terras , que correu ; e depois d'outras 
muitas averiguações, e diligencias se recolheu a Portugal, j, 

ElRey D. Joam o Terceiro subiu ao Throno em mil 
quinhentos vinte e hum. Não he crivei que G. Coelho Ça 
ser elle o Commandante da primeira Esquadra) se demoras- 
se vinte annos nestas averiguações. Cunha seguramente es- 
tava equivocado acerca do anno , em que fallecêra ElRey 
D. Emmanuel. Pensava que D. J. o III. ja estava no Thro- 
no em quinhentos e dois , quando G. Coelho chegou a Lisboa. 

Se Christovam Jaquez foi o segundo indagador envia- 
do á Terra Santa Cruz , sendo indubitável , e constante que 
a segunda Esquadra sahiu em quinhentos e três , segue-se 
te^^ elle sido o Chefe d'estoutra , e hido a este Pafz por 
mandado d^ElRey D. Emmanuel no anno oitavo do seu rei- 
nado. Se Christovam Jaquez , como dizem , foi o descubri- 
dor da Bahia de Todos os Santos , era elle sem duvida 
o Almirante d'Armada de quinhentos e três ; porque neste 
anno foi elia vizitada por Portuguezes , que lhe puzeram o 
nome , que desde então a designa. 

Asseveram muitos AA. estrangeiros , e alguns Portugue- 
zes C 22 ) ^-^'^ Américo Vespucio Csó porque elle o conta) 

neira , segundo Francisco íla Cunha , que o vizitou obra 
de sessenta annos depois. 

IVâo ha conjectura tão desvairada, como a de Laeth , 
quando cuida que o primeiro Padrão servira noutro tempo 
lie limite entre as possessões Portuguezas , e Cíis^^elhanas, 
3, A sinu Petitinouae pergit ora versus corum. . ad Omarco. .. 
h\c quondím hmes fuisse videtur inter Lusitanos et Castel- 
lanos. ,, Lib. XVL C. õ, 

C 22 ) Não encontrei ainda Escritor Portuguez do Sé- 
culo dezaseis , que falle d'Araerico V. empregado no servi- 
ço da Coroa Portuí^ueza, O Jezuita Simão de Vasconcellos 
he (entre os do meu alcance) o primeiro , que o divul- 
gou cento e sessenta annos depois; e tem servido de guia 
aos posteriores. 

Co) Castanheda L. II, c. 32, 



M. 



46 



Introducfâo, 






António Herrera diz que Joam Dias Solis cos- 
teara o Brazii athé o Rio da Prata em mil qui- 



fizera claas viagens no serviço d'EiFley D. Emmanuel , am- 
bas a explorar a Terra Santa Cruz : a primeira cosn três 
caraveilas em pouco menos de dezaseis mezes , como se dis- 
se ; a segunda com seis navios em pouco mais de treze 
íTiezes. Accrescenfando que elle fôra sempre de Comnian- 
tlaiite. „ Américo Vespocio , partindo de Lisboa a treze de 
Miyo de mil quinhentos e um , navegou ao longo da costa 
d'Afnca , ainda para lá da Serra Leoa athé o reino d'An- 
golla ; donde passou á costa do Brazil , que descubnu , e 
costeou toda arlié a Terra dos Patagões» para lá do rio da 
Prata: e chegou a Lisboa a sete de Setembro de mil qui- 
nhentos e dois. Rl-Key D. Emmaiiuel extremamente afiei- 
Çoado a Vespució í deu lhe o commando de seis navios^ coia 
os qu les sahiu a áéz de Mayo de mil quinhentos e tres ; 
e pvissou ao longo das costas d'Africa , e do Brazil com o 
intuito de descubrir uma passagem pelo Occidenre ])ara as 
Ilhas Malluccas , como ao depois se descubriu. Depois d'ap- 
po tar na Bahia de Todos os Santos, navegou athé os Abró^ 
lhos, e rio Curababo ; porém, como nao tinha mantimentr^s 
senão para vinte mezes , tomou a resolução de voltar a 
Portugal, onde chegou a dezoito de Junho de mil quinhen- 
tos e quatro. „ Murery Dicc. Grand. Pariz lóijç, 

O referido , á excepção das datas , e do numero dos 
navios , he tão diverso do que se acha nas relações áo mes- 
mo Américo Vespucio , quanto as suas próprias narrativas 
se affastam da verdade no mais essencial. 

Os documentos , q^'^ nos deixou , mostram não ter vis- 
to terra d'Africa da Serra Leoa para o Sul ; nem empren- 
dido a descuberta das Malluccas , e muito menos pelo Oc- 
cidente ; nem sido commandante , ou capttam-mór de nenhu- 
ina das esquadras , enii que diz fizera duas viagens : sobre 
as quaes deixou á posteridade tres relações em duas car- 
tas , e um sumíTiario , que substancialmente não passam d'ou- 
tras tantas niéras invenções dirigidas a exaltar-se , e ser 
reconhecido entre seus compatriotas por descubridor do He- 
fiii.riferio Austral do Novo iVíundo. Contando-lhes que EI- 
Rey D. Emmanuel (depois de ter mandado dois mensaaei* 
Sros , cidinm por sua vêz f 2O í» Sevilha em busca delie) 

Çz^^ Não parece crivei » ^U^ El-Aey jciiandasse buscar 




Introducfâo. 



47 



nhentos e nove ; Gomara diz que fora em qui- 
nhentos e doze ; António Galvam que fora em 
quinhentos e treze. Neniiuma destas authoridades 
parece segura. 



o fizera embarcar numa esquadra, mandada á tôa em busca 
de terras absolutamente incógnitas , com pilotos tão igno- 
rantes , que não havia entrelles um único , que soubesse 
marear um navio cincoenta léguas. Sendo de notar , que ja- 
mais nomêa uu^ só individuo de quantos hiam nas Armadas. 

Na primeira , e summario , que respeitam a Esquadra , 
e viagem de quinhentos e um, única, segundo elle preten- 
de , destinada a descubrir terras incógnitas no novo mun- 
do , notam-se incoherencias , contradições , erros intoleráveis 
de Geogratia , e de facto , e um geral silencio, ou falta das 
coizas principaes , que os outros navegantes jamais ommit- 
tem , e que elle não podia deixar de observar , se fosse ao 
Brazil , e navegasse , como conta. 

A relação , que A. Vespucio , na segunda carta, faz 
tVArmada de quinhentos e três , he diametralmente oppos- 
ta ao que os nossos escritores delia disseram ; he uma cor- 
rente de falsidades manifestas , e calumniozas ; pois além 
de lhe falsificar o destino, faisihcou-lhe também os succes- 
sos ; inventando acontecimentos conhecidamente fabulo2os , 
e que circunstancia com sobrada difuzão ; e ommittindo qua- 
zi todos os verdadeiros. 

fora do reino um náutico, para hir em uma esquadra sua 
a um paÍ2, onde ia tinham hido , e voltado nsvios seus 
governados por pilotos vassallos , sem lhe dar delia o com- 
utando , ou a precedência de primeiro piloto , contra os 
quaes Vespucio azedamente se queixa. Assim parece se de- 
ve inferir , depois de sabermos que os pilotos da esouadra 
de Vasco da Gama , de Pedralvez para reí?iao tão remota ; 
de Gaspar Correreal á Terra do Labrador todos eram Portu- 
guezes , como também os de G. de Lemos. Gaspar Cortere- 
galis ciim esset egregie fortis , et E;loriae cupiditate vebe- 
menter incensus . . . suis sumptibus navem instruxit, et com- 
mearu , er armis , et nautis , et militibus egrégia munitaro. 
Anno aurem M.D. Olysippone profectus est ^ cursum in sep- 
íentrionalem plagam direxir. Ad Terramque tandem perve- 
siit, quam propter singularem amaenitatem, Viridem appeL 
^vit, Hieron, Osor. De Rebus Emoian* L. II 



*M 



il' 



í. 




\ ' ' 




ri:' 


■; 



48 



IntroJucfão] 



't 



!\ 1^^':* 



li '■' ^ 



Wú 



il' I 



Em mil quinhentos e déz naufragou um na- 
vio Portuguez na entrada da Bahia de Todos os 
Santos, escapando toda a gente, 011 a maior par- 
te delia, segundo se crê ; porque vintecinco anãos 
depois ainda alli viviam nove marinheiros com os 
Indigenas. Não se sabe com que dezignio empren- 
dêra a viagem. 

Por testemunho do Historiador Damiam de 
Góes sabemos , que em quinlientos e treze Jorge 
Looes Bixorda aprezentára a El-Rey D. Erama- 
nuel três índios Brazilienses , que tinham vindo 
110 seu- navio do Contrato, vestidos de pennas á 
moda do paiz , aos quaes servia de interprete um 
Portuguez versado no seu idioma. 

No anno de mil quinhentos e quinze , nave- 
gou o Castelhano Joam Dias Solis do cabo de 
Santo Agostinho athé o Rio da Prata , que tomou 
delie o nome por algum tempo , havendo aporta- 
do na bahia do Rio de Janeiro. Depois da sua 
morte , que foi nas mãos dos Indigenas com vá- 
rios homens da sua tripulação, na margem do Pa- 
raguay , os dois navios > que elle commandava, 
foram carregar páu brar^il a Pernambuco , com 
que voltaram a Castella. 

Em mil quinhentos e dezanove avistaram o 
cabo de Santo Agostinho , e entraram na Bahia 

Esta Esquadra , que Américo Vespucio desça rada me n- 
te diz sahíra de Lisboa com o destino dMiir descubrir a Cida- 
de de Malláccí no Oriente , he a mesaiissima , que foi des- 
tina ti nente remediar os infortúnios^ e máu êxito da que 
sahíra em quinhentos e um, para continuar o Descubnmen- 
to de Pedralvez Ç Ozorio , Góes , Barros, Faria, Casta- 
nheda , e Barbuda concordam , que em mú quinJientos e 
três somente se aprestiraoi , e sahiram para a índia Orien- 
tal nove Níáus em três divizôes, çoni iafual numero de ve- 
las , ao commando d\4fíbnso d^Albuquerque , Francisco d*Al- 
jiuquerque, seu primo , e António de Saldanha ; sem quQ 
haja al^um outro escritor, que augmente o numero dos híi- 
yjo§, ou dos Conimaudautes, 



íntroducfãó. 



49 



do Rio de Janeiro Fernando de Magalhães , e 
RuyFalleyro, Portuguezes no serviço de Carlos J. 
hindo fazer o primeiro giro do globo , e deram- 
lhe o nome de Bahia de Santa Lu7ja , por en- 
trarem nella a treze de Dezembro, e demorarem- 
■se alli athé vintesete do mesmo mêz. 

Da carta de doação a Pedro Lopes de Sau- 
za , e pela que El-Rey D. Joam o Terceiro fez 
escrever a Martim Affonso de Souza , sabemos , 
que Chriscóvam Jaques estabelecera uma Feitoria 
sobre o Canal , que separa a Ilha Itamaracá do 
Continence , destinada a facilitar a exportação do 
páu bray^il , e impedir este commercio ás outras 
ilações , que o hiam lá fazer. Não sabemos porém 
em que anno. (/;) ^ . 

Consta de vários escritares que Diogo Garcia , 
piloto Portuguez no serviço de Castella , aporta- 
ra no anno de quinhentos e vintesete um pouco 
afastado da embocadura do rio Uruguay ; C^) ^ 
Tom. I^ G 



(;p) A viagem, que Francisco tia Cunha > e alguns 
de seus leitores ííttribuem a Pedro Lopes de Souza no prin- 
cipio do reinado d'ElRey Dom Joam o Terceiro , he sein 
duvida a mesma , que clle fez em companhia de seu Irmam 
Martim Afíbnso no anno de quinhentos trinta e um. 

Cç) Anno M.D.XXVII. ad fluraen âe la Fiara fellct- 
ter appulit Bldacus Garcia Lusitanus , qui superato Artoo 
hujus fíuminis promontório , quod vulgo Cabo de S, Ma- 
ria appeilatur. . . adverso flumine ascendit ad insulas de tas 
Piedras , sexaginta circiíer leucas^ à promontório S, Ma* 
riae versus ocei dentem : híc libumicam molitus, quam na- 
vi sua advexerat , eadem fiumen a^cendit , et statim vesti- 
giis Giiristianorum deprehen^is , paulo post duas Gahoti na- 
ves invenit ^ et mox ad castelium 5. Spiritiis pcrvenit. 
Hinc magnum Parminae alveum sequenít , yiginti íjiiatuor 
diebus tantura iíineris absolvit , quanium Cabotas vix alir 
quot mensibus ; et ad Paracjnay in Parannam confluen- 
tem promovit , aíque i?Lnàem^Gahotum in Castello S.An- 
nae invenit, à quo çonjunctim ad naves Gaboci redierunt. 



^.^.. 



p> 



íntroducção. 






ff:*- 



':': 'M,,' 



que adiando alli os navios eooi que Sebástiam Ca> 
bota saliira de Cadrz para passar ás Malhicas pe- 
lo^Estreito de Todos os Santos , hoje de Maga- 
lhães ; e sabendo que o capitão tinha subido pe- 
lo Paraguay , então rio de Soliz ^ navegara com 
suas Idíichas athé muito acima da confluência da 
Paranná , onde o encontrara acabando de cons- 
triiir o Fortim de Santa Anna , conde ambos de- 
ram ao Rio de Soliz o nome de Eia da Prata ^ 
por verem alguns pedaços deste metal nas mãos 
dos indígenas. António Herrera , confirmador des* 
ta mesma Historia, accrescenta que Diogo Gar- 
cia havia estado no fim do anno precedente sobre 
&: baixo dos Abrolhos ; e aportado na bahia de 
S. Vicente, (^ então rio dos Innocentes) onde um 
Bacharel' Portuguez o provera de refrescos , e 
lhe dera um genro seu para lhe servir de lingua 
310 rio de Soliz , ou Paraguay : que Garcia fun-* 
deára na ilha dos Patos ,Í\0]q át SantaCatharU 
na 5 onde os índigenas lhe deram algum manti- 
irnento ; e se íhe queixaram de Caboto lhes ter 
furtado seus filhos em gratificação do bom agaza- 
liio , que entreíles achara. Segunda este aiithor 4, 
Garcia levou sessenta homens, em dois Irargantins, 
athé o Forte de Santa Anna ; e autes de começar 
esta viagem , mandou o maior navio da sua esqua- 
dra ao Rio dos Innocenteá tomar a carregação , ^112 
tinha ajustado com o Bacharel mencionado de lhe 
levar a Portugal. He natural que Diogo Garcia , 
Ba volta , aportasse em S* Vicente para entre- 
gar ® interprete ;. e provaveí que o Bacharel fos^ 
5e ou }oam Ramalho , ou António Rodrigues, que 
Martim Affonso^ de Souza alii encontrou cinco an'- 
íios depois. A certeza de se acharam alli Portu* 
guezes estabelecidos:, de alguns annos , e: o teste- 

Quia ssutcm hic nonnihii argeíili à Larbííris aeceperant. •» 
fiumini huic nomen AtQmttii impGSuerimt. Laetk. 



Introducção, 



5^ 



ínnníio de Herrera de se embarcarem áíll Indige* 
nas para Portugal em quinhentos e vintesete , pa- 
rece provar assaz que havia alll Feitoria , ante^ 
da chegada de Martim Aífonso , que concedeu a 
Pedro de Góes o poder mandar certo numer© 
d'Aborigenes para o reino ,, forros de todos os 
direitos , que costumavam pagar. „ Não se eaba 
guando, nem por qu^m foi estabelecida esta Feitoria ; 
íiem também se estava sobre a barra de Bertióga na 
iíha de Santo Amaro, se na de ^^. Vicente sobre 
a barra deste nome. 

Com a noticia , que o navio de Diogo Gar* 
cia trouxe a Portugal em quinhentos e vint'oito » 
ou vintenove de estarem os Castelhanos estabe- 
lecidos no Rio da Prata , e receando- se de que se 
assentassem para Leste do Rio Uruguay , por on- 
de então se cuidava que corria a Linha Divizo-, 
ria , expediu El-Rey D. ]oam oTerceiro uma Ar- 
mada a este Paiz , em o anno de mil quinhentos 
trinta e um , debaixo do commando de Martim Af- 
fonso de Souza , com ordem para fazer for tifi ca- 
ções , e distribuir terrenos aos que no paiz qui-» 
cessem estabelecer-se. 

A Armada , depois de ter reconhecido o Cabo 
de Santo Agostinho , e navegado ao longo da 
costa , aportou na Bahia de Todos os Santos , 
miáç encontrando dois navios Francezes , fez prê* 
Ya nelles : do que Martim Affonso deu logo noti- 
cia ao Soberano por Joam de Souza , capitam ci'hum 
dos navios d'Armada , com a qual ficou alli athé 
chegar a mt)nsão de poder continuar a viagem pa- 
ra o Sul. Depois de ter refrescado em Porto Se- 
guro , foi entrar na bahia de Santa Luzia , á qual 
trocou o nome pelo àe Rio de Janeiro ,çor ser no 
primeiro dia do anno de mil quinhentos trinta e 

Continuando a viagem , sempre o mais perto 

G ii 



'H 






'^^. 



Introdiicfãâ. 



! ■ !'" 



'+: 



de terra qiie lhe era possível, e dando aos íiig-a-' 
res rpais notáveis o nome do Santo , em cujo dia 
os encontrava j havendo passado pela Ilha de iíSo- 
Seòastlam no dia vinte do mesmo mêz , parece 
maturai , que fosse em direitura surgir no-porto da 
Feitoria, de cuja paragem naturalmente devia ter 
noticia. 

Constande que Maxtim Affon^o depois de va- 
j*ias operações na barra SeptentrionaL para estabe- 
lecer alli os Colonos , que quizessem ficar no paiz „ 
mudara de rezolução , e fora estabelecelJos na me-^ 
ridlonal ; ignorámos porém se o^ primeiro proje-cto 
foi por estar alli a Feitoria ^ se por lhe parecer 
o sitio mais azado para a povoação , do que o da 
fcarra meridional ,... para- onde finalmente ,. por mo- 
tivos que se; ignoram , mudou o estabelecimento^ 
a,ssentando-o mui perto da paragem, onde está a 
^villa de S. Vicente. 

Onze mezes gastou M. Aífonso por estas pa^ 
yagens em diversas operações ^ e em. acabar de cor- 
rer a Costa athé. o Rio da Prata, onde se achava,, 
quando o Sol chegou ao trópico de capricórnio em. 
quinhentos trinta e três , segundo a duvida que. 
p^opôz ao Douthor Pedr.o Nunes , quando voltou 
ao reino, (^r). 

Não encontrando estabelecimento algum Cás- 
calhano em toda a Costa , tornou á colónia esta- 
belecida sobre a entrada meridional da bahia de. 
Santos, e auíuentou-a. consideravelmente , dan- 
do terrenos a todos os que quizeram estabelecer-- 
se, segundo a ordem que levava. C,5) 

Não sabemos, se foi antes de hir ao Rio da. 
Prata , se depois da. chegada , quando os Carijós lhe 
assassinaram oitenta Portuguezes, que expedira a. 
descubrir , ou conquistar as minas de Cannanéa^ 

(r) P. N. Tratado da Esiera», 
(í^ Memor. do P, Gaspan. 




íntrodacçâo. 



S3 



Como he constante, que na primavera de qiii- 
mlientos trinta e quatro , embarcara para a índia 
com o emprego d' Almirante ou Capiíam Mór do 
Mar Indico, segue-se que partiu do Brazil para 
o Reino na monsão do anno precedente. 

Na mesma Primavera , em que Martim Affon- 
so sahira do Té}o , foi aprezacio pela Esquadra 
do Estreita , e conduzido a Lisboa um navio de 
Marcelha , que tinha liido carregar de páu bra- 
sil a Pernambuco , onde demolira a Feitoria d'I- 
tamaracá , e deixara sessenta Francezes para o 
mesmo fim , que Christóvam Jaqties fundara aque- 
le estabelecimento/ 

Com esta noticia expediu immedíatamente Ei- 
Rey a Duarthe Coelho Pereyra a expulsallos. 

Duarthe Coelho baten osintruzos » desfez-lhes 
as operações , que estavam a crescer, e f oi assen- 
tar a Feitoria sobre o rio Hyguaraçú poucas mi» 
lhas arredada do primeiro assento. 

Este novo estabelecimento foi o principio da 
Villa d'Hyguaraçd ,.a cuja Matriz o mesmo Duarthe 
Coelho P. , sendo já Donatário da Capitania de Per- 
nambuco , deu por Padroeiros os Santos Cosme , e 
Damiam , em reconhecimento de ter derrotado os 
intruzos na seu dia em mil quinhentos trinta e 
hum. (r> 



rt) Alsuns Escritores antecipam gratuitameote esta 
Viagem de Duarthe Coelho Pereyra um anno ; e confim- 
<lem-na também com a de trinta e cinco, quando elle foi 
povoar a sua Capitania de Pernambuco ; cuidando qus elle 
passara a colonizalla em quinhentos e trinta. 

Não sabemos em que Porto do Brazil Sebastiani Ca- 
boto recolheu o Portuguez Gí)/2$?fl//o da Costa j que depois 
de ter vivido muitos annos no Paiz. , vohou cora elle, e 
ésrabeieceu-se em Sevilha ; nem em que parte do mes- 
mo l^iiz estivera Henriqae Montes ? que foi n'Armada de 
r Martim Affõnso em> trinta e um, segundo nos iiiíorma 
A. Herrera. 



i ■ 



n 



Introducfãa. 




Vendo Eí-Rey Dom Joam o Terceiro qite ds 
Castelhanos se achavam estabelecidos sobre o rio 
Paragtiay , e que os Francezes pertendiam esta-i 
belecer-se em Pernambuco , e na Bahia de Todosf- 
os Santos, rezolveu povoar o Continente; e para- 
facilitar a colonização , determinou repàrtillo em 
porções extraordinárias de cincoenta léguas dé 
Costa , com regalias lizonjeiras , e nome de Ca- 
pitanias , que deu de juro, e herdade a vassallos 
beneméritos pelos serviços , que tinham feito á 
Coroa ; os quaes deviam hir , ou mandar povoallas 
com gente, e navios á sua custa , dentro de certo 
tempo 5 antes que as outras nações alll se assen- 
tassemv 

O Historiador ]oam de Barros , que foi lím^ 
dos Donatários , attesta que o Paiz fora repartido 
eiv âoze Capinúnias '^ mas não nomêa os píoprie- 
tarios , por tratar desta matéria em outra Obra, 
que não se deu á estampa. Este Escritor contava 
sem duvida por outras tantas capitanias os cinco 
pedaços , de que constavam as duas dos dois irmao-s 
Souzas ; porque a Historia só menciona nove pro- 
prietários , cujos nomes são os seguintes: Joam de 
Barros, Duarthe Coelho Pereyra , Francisco Pe** 
reyra Coutinho , Jorge de Figueyiedo Corrêa , Pe- 
dro do Campo Tourinho , Vasco Fernandes Cou- 
tinho , Pedro de Coes , Martim Aífonso de Sou- 
za , e seu irmam Pedro Lopes de Souza, (v) 

He certo , que sendo duplicado o numero daâ 
Capitanias , não tendo cadauma mais de vinte lé- 
guas de costa , ainda os Donatários oam podiam 



Cv^ Pedro de Magalhães Ga ndavo numera só oito ca- 
pitanias , mettendo graíiiitamenie neste numero a do Rio de 
Janeiro , e omitíindo a de Pedro de Goe^ ; não sei se 
por inadveríencia , se por estar já abanitonada , quando cUe 
escrevia. 



imniP 



Introducfãh. 



S5 



«Dccorrer-se miuiiamente nos apertos , em que t<3i- 
dos se viram. 

Todas tornaram para a Coroa por diversos 
•modos em diíFerenres tempos , como mostraremos 
na Topografia de cada Província. 

Com. ò paiz mây passou o Brazil para o domí- 
nio da Coroa de Castella em mil quinhentos e oi- 
tenta , por fallecimento crEí Rey Dom Henrique.; 

Restaurado o Reino depois de sessenta annos , 
se lhe reuniu este Paiz ^ menos o grande terreno , 
que vai do rio de S. Franeisco atké o Maranham ; 
poique os Hollandezes , Jia vendo -se subtrahido da 
obediência do cetro Catholico ^ então dominante 
em Portugal , com o pretexto de que as Conquis- 
tas Portuguezas eram Castelhanas ^ deter.mmáranit 
apoderar-se delias em três partes do Mundo. '& 
deplorável estado , ^ que os Filippes- as linliam 
reduzido , contribuhiu grandemente para <jue em 
toda a parte fossem ft^lizes. Esta porção da Coló- 
nia lhes cahiu nas mãos pouco a pouco , desde o 
piincipio de mil seiscentos e trinta , e foi-Hies ti- 
irada depois de vintequatro annos. Três homens .s^€ 
distinguiram nesta prolongada guerra athé a res- 
tauração do Paiz ; Joam Fernandes Vieyra Braa- 
CO , Henrique Dias Preto , e o ladlo C amaram. 

Poucos mezes antes da glorio za Acclamaçam^ 
do Senhor Dom Joam o Quarto, havia o derradeí- ' 
ro Filippe condecorado o governador da Ealiia , 
que era o Marquez de Montalvam , Dom Jorge 
Mascarenhas,, com o titulo de Vicerey , que se 
conservou a muitos dos seus Successores , athé que 
©Senhor D. Jozé L o transferiu em setecentQ)s 
sessenta e Eres aos do Rio de Janeiro , cuja serie 
Jndom com a feliz chegada da Real Família Fi-. 
ideli^sima nos princípios de Março d'oitocentos e 

■oito. ;' ', ; J 

No quinto anno do seu feliz reinado illustrí^i 



;1" 




5« 



Introclucfao, 



'liii 






i,' 




1 '' 









■■f 



o Sonhor D. Joam o Quarto o Brazil com oTitii- 
lo àQ Principado nd. Real Pessoa do seu Primoge* 
iiito , o Príncipe Dom Theodozio. Este Titulo pas- 
sou a todos os Sereníssimos Príncipes Herdeiros do 
Reyno athé o dia dezaseis de Dezembro de mil 
oitocentos e quinze, quando S. A. R. o Príncipe^ 
Regente , Nosso Senhor , sublimou o mesmo Prin? 
cipado com a dignidade de Reyno. .-yf 

Serranias. A face do Paiz , quazi geralmente 
desigual , tem muito mais de baixa , que de montuo-^ 
za. As principaes Serranias sam a de Borhoréma 
ou Caijrirys na parte Septentrional ; a á-âiMantí^ 
queira na provincia de Minas Geraes ; a dos Ór- 
gãos ou Ayniorés que começa na da Bahia , -fé 
prolonga-se com a praia ora em maior , ora em- 
menor distancia athé a de SantaCatharínav a da' 
Mangaheira , oiiParanan no centro da região de 
Norte a Sul. Todas variam de nome , como mos^' 
craiemos. * 

Cabos. Cabo de Santa Maria na entrada do 
Rio da Prata; Cabo-Frio na provincia do Rio de 
Janeiro ; Cabo áQ Santo Agostinho na de Per - 
nambuco; e Cabo de S. Roque que he o angulo 
ao Nordeste da Região, ' 

Bahias ou Portos principaes. Bahia da Traição 
na provincia da Parahyba ; Tamandaré na de 
Pernambuco; Bahia de Todos os Santos na do 
mesmo nome ; a de Cammamâ na mesma; a do 
Rio de Janeiro na deste nome ; Angra dos Reys 
na mesma; a át Santos n-di provincia de S; Paulo ; 
a de Santa Catharina na do mesmo nome \ Mal- 
donado , e Monte Vidio na provincia de S. Pedro. 

Ilhas. A' excepção da pequena ilha de Fer- 
nando de Noronha , e ádi Trindade , todas as ou^^ 
ítras estam juntas da Costa. As principaes sani a 
'de Santa Catharina , e a do Maranham nas pro- 
víncias que lhes tomam os nomes. 



íntrodacfão. 



57 



■Rios. O Away^ona ou Maranham\ e o Para» 
^uay , entre os qiiat-s se nota uma grandíssima 
desproporção , não tem outros que ^e lhes compa- 
rem. O Rio da Madeira , o Tucantins y o de São 
Francisco , o Paranná de trezentas a quatrocen- 
tas léguas de curso desprezadas as tortuozidades. 
O T apojo 7^ , o Xinga \ o Uraguay formam uma 
terceira ordem , e nenhum tem menos de duzentas 
léguas. O I tapicuru do Maranham , o Paranahi/' 
ha , o Para/liba do Sul , o de S. Pedro , ou Ja- 
€uhy , compõem a quarta , tendo para cima de 
cem léguas d'extens;ão: o Mearim , ç> J aguari- 
be , o Parahyba do Norte, o Paraguaçú ^ o Rio 
de Contas , o de Belmonte ., o Dor^ com os cen- 
traes Tietê , Parannapanema , Hyguaçá , ou 
Curityba ^ Pardo ^ Cuyabá fazem a quinta: o 
Capibaribe , o das Piranhas , o Tajahy , o de 
6'. Mattheus , o Patype , o Itapicurú da Bahia 
podem formar a sexta. De cadaum delies fallare- 
irios na província , a que pertencem , como tam- 
bém doutros muitos , e ronsideravjeis , que jpordra 
omit timos. 

Mineralogia. Oiro, piata, platina, ctíbre , 
estanho , chumbo , ferro , diamantes , rubins , to- 
pázios , esmeraldas , safiras , crizolitas , ágatas , 
cristaes , aguas-marinhas , pingos d'agua ; jaspe, 
granito , pederneiras , loizas , pedra-sai)ão , ma- 
gnete , pedra calcaria , pedra-hum-e , pedras d'amo- 
lar , talco , pedras d'afiar, amiantho , molybedno , 
enxofre , salitre, sal-gemma , argilas de varias 
cores. 

Zoologia. Todo o Brazil se achou povoado , 
ainda que muito mal , por um vastíssimo numero 
de Nações, mais ou menos numerozas ; e commu- 
mente repartidas em tribus ou hordas, das quaes 
as mais multiplicadas apenas excedem uma cente- 
na de famílias, d*ordinario errantes a maior par- 
Tom. /. H 



58 



Introducfâo, 




te do tempo em busca da caça , do mel , h das 
friictas. Todas andam mias ; sam raríssimas as que 
fazem uzo do sal. Admittem a immortalidade d^at-^ 
ma , e um Creador de tudo , ao qual commumen;- 
t e d e n omi n am T up an , e u m e sp h \z o m ai ia c e j o » 
a que chamam anhangá : pretendem ter entre si 
feiticeiros, (x) Não tem religião , nem letras, oii 
coi'Za que as supra. Ainda não se achou uma pe-- 
dra posta por elles sobre outra com algum desí- 
gnio. Não tem caminhos : marcham em. fileira, 
pondo todos o pê nas pegadas do dianteira , para 
não se lhes saber o numero. Ainda não se encon- 
trou ura estado monárquica , nem republicano : 
eada tribu tem seu capitão eleitivo * que sd tem 
mando nas occazióes de dirigir os assaltos :,. ou 
emboscadas contra o inimigo. C^) . ; ' 



(x) Em Outubro de mil oitocentos os índios cia vil- 
la d.1 Pedra- branca , districto da de Marago^ipe, quaimajam. 
viva uma mulher da sua nação j por suspeitas de que ti- 
nha eiifeiriçado um doente , cuja moléstia não poderá re- 
mediar-se ; e riáo íizeram o mesmo a uma parenta da des- 
graçada , por se refugiar na caza d' hum senhor ífengenho 
áo Sururu, 

( 1/ ) Nullas litteras norunt : nullam religionem colunt í 
nullis legibus alligantur : nullis pondenbus , aut mer,suri& 
lituntur : nuiiíus regis império subjiciuntur. Cum autem beí- 
liim inter eos oritur , cum ducem ehgunt , quem omniuni 
fortissimura , et in bellis gerend s acerrimum lore credunt. yy 
Hieron. Osorius L. 11. De Rebus Emraanuellis» 

Cada nação tem seu idioma : entre estes ha um deno- 
minado Lingua-gerai , que era a dos Tupinambás, Dizena 
os intelligenres que el!a he pobre ; rrias abundante de vo- 
gaes com poucos monosyllabos , e apropriada para o metfo. I\ió 
temF. L.S. Z., nem V. Tem dois UU. vogaes, um de som 
semelhante ao Francez , ou Y Grego, com o qual os Jezui- 
Tas o substituíam nos vocábulos , ontle elle entra. Os no- 
mes tanto substantivos , como adjectivos sam indeclináveis , 
e sem difíerença de singular para plural ; e os verbos ab- 
solutamente invariísveis em todos os modos , e tem) os , e 
ainda pessoas. Com os pronomes- A ou Ay Ku ; Ere^ou Erei 



Int redacção'. 



59 



; Os aborígenes ou povos Brazllienses sam ge- 
ralmente bemiíeitos ,, em qn^into, pequenos ; ma§ 
perdem a gentileza mui cedo ir inconstantes , des- 
confiados /e apaixonados de todo o género de li- 
quoí íorte , qiie bebera sem medida , e com que 
d'ordinario sam, furiozos , e temiveis em quanto 
não lhes passa a embriaguez. Diz-se que não es- 
pancam as mulheres , nem os íilhos ; também a 
economia não lhes dá occazijes de desavenças: 
conservam a vista athé a ultima idade , porque 
não a cançam cora applicaçoes: ferem fogo , ro- 
çando forttraente um p^ u cora outro. Tauibem se 
diz que: não respeitam os graus de parentesco pa- 
ra os cazamentos ; a polygamia , ou pluralidade 
de mulheres so . he admittida entre mui raros in- 
divíduos de bem poucas nações ; e os divór- 
cios sam raríssimos , ao menos entre muitas trí- 
bus. 

Os Ghristianizados vestem-se ; sam communi- 
caveis, e menos andejos. As Leys defendem-Ihes 
a liberdade i e liabilitam-nos para quaesquer em- 
pregos do Estado (^com preferencia nos Ecclesias- 
ticos,) a que elles quizerem destihar-se ; mas 
nada ainda pôde mudar-lhes a indolência natu- 
ral , nem inspirar-lhes sentimentos nobres de glo- 
ria , honra , nem interesse. Não se encontram nas 
aulas maiores: sam raros os que aprendem algii- 
ma arte liberal: commumente em tendo uma eami- 
za , e umas calças d'algodão grosseiro , e um cha- 
fêo de paiiird , estam satisfeitos , quazi nada mais 
íippetecem : ^as. mulheres não sam totalmente des- 

H ii 



\ I 



Tu; Q ou Oi Elle ou Ella , e também Elles e Elias; Ya 
ou Yay , Nós e Vós juntamente ; Oro ou Oroi Nós sem 
Vós ; Pé oíf Pei Vós se diíierençam as pessoas i e com 
{>áriiculas os EcHipos. 



6o 



Introducção. 



pejadas da vaidade natnral ao sexo. ;. gostam de 
se assear; raas com pouco se conteniiarn. 

Q numero dos Negros lie superior ao dos 
Brancos , incluindo ainda entr'estes os Indígenas. 
Com a íizica conservam codas as manlias pátrias , 
e refinam , quiçá porque os seus crimes acham 
aqui menos rigor do que na Nigricia. Convém-se 
que esta gente lie um mal moral , um obstáculo 
ao aumento da população branca, e que em quan- 
to escravos, não podem ser bons Christãos,, nem 
vassailos fíei5. 

A Religião Catholica , que entrou no Paiz 
com desembarque do Descubridor , lie a única r 
que se professa. Actualmente ha um Arcebispado , 
seis Bispados , e duas Prelazias , eujos Prelados- 
sam Bispos ín partibus ; entende-^e nos Domínios 
da Coroa Fidelíssima,- onde nem os Bispos, nem 
seus Vigários percebem Dízimos , que sam da Co- 
roa ; todos cem côngruas pagas no Real Erário. 
As dos derradeiros não sam< iguaes por. Doda- a par- 
te , sendo, ainda ténues, nas pi:o¥ÍnGÍas septentrio*^ 
naes. 

Quazi só 05 Benedictinos , os Carmelitas Cal- 
ç-ardos , e os Franciscanos tem. aqui conventos. Os 
Carinelitíjs Descalças tem dois ; os Mercenários 
igual número;, os Agostinhos Descalços um ^ comoí 
cambem os Capuchos, os. Franciscanos da Refor* 
ma da Conceição , e- os Padres, da Congr>egação 
do] Oratório. 

Na porção da- Coroa Catholica , onde os Di- 
zimes perteíicem quazi exchizi vãmente aos Bispos-iy, 
e seus Cabidos , ha. um Bispado , e parte d'butro ;, 
e tambcm Religiozos Dominicanos , e Recolêtos.. 

Todas as espécies d*animaes domésticos da nos- 
sa Península se tornaram aqui mais fecundas:: as 
cabras por toda a parte sam pequenas , e de pêllo 
curto ; os boys quanto mais para © SiU mais vo- 



Introducfão, 



6í 



liimozos ; o gado cavallar , e muar he hem feito ,, 
e manso:, os jumento? pequenos, e poucos. 

Contam-se trinta e sete castas de quadrúpe- 
des indígenas. 



Anta. 

Arerânlia. 

CacIiorro-d'agoa. 

Cão-silvestre. 

Capibára. 

Cdxinglê.. 

Coeliio. 

Cotia, 

Cuíca. 

Cuim. 

Furão. 

GatQ-montêz. 

Guará, 



Guará cão. 

Guaraxaim. 

Guaxinim. 

Hyrára. 

Jaguannè. 

Jaraticáca.. 

Lontra. 

Macác®. 

IVíóccò.. 

Onça. 

Ouriço-cacheiro, 

Porco-espim. 



Porco-montêz. 

Preguiça. 

Preliá. 

Quaty. 

Rapoza. 

Rato. 

Rajto-d'espinho, 

Sarôliê. 

Saviá. 

Tamanduá. 

Tatií. 

Veado.. 



A anta ^ á qual quazi todas as nações indí- 
genas chamam Tapira , lie o mais corpulento dos 
quadrúpedes Brazilicos ; e não entra na classe de 
espécie alguma dos conhecidos , fazendo um gé- 
nero á parte na historia dos. animaes., He do ta- 
manho de hum bezerro pequeno, e mui semelhan- 
te ao porco na figura do corpo; do qual animal 
tem também as orelhas , que são proporcionadas 
á sua grandeza. O pêllo he curto , cochado , e 
e nédio. Encontram-se de todas as. cores ; mas as 
escuras, e as aloiradas sam as mais communs. As 
pernas sam mui grossas,, e curtas: os pés tem três 
unhas, quazi como de porco , as mãos quatro con> 
pouca diíferença daquelloutras., A caudahe de fòrma^ 
pyramidal com pouco mais de três polegadas de 
comprido I a cabeça grande, e comprida ; os olhos 
pequenos ; o beiço superior he um appendice mus- 
culozo , ^ue o animal estende , coiza de quatr 




6a 



Introdacfão, 



polegadas mais que o inferior , e encoMie a igua- 
lar com estouLTo. A boca he Tj^iarnecida de oiro 
dentes incizivos em cada queijo, déz molares 
no inferior , e qiiatorze no superior. Pasta co- 
mo cavallo : postoqiie pezado , he velozissimo na 
carreira; tímido , e innocente , não fazendo mal 
ainda ao cão que o persegue , senão quando já de 
cançado não pode fugir mais , e o inimii]^o se lhe 
chega. Não sendo anfiÍ3 o , nada , e mergulha mui- 
to , caminhando pelo -fundo dos pegos lar^o espa- 
ço de lugar , e de tempo sem respirar. Sua carne 
só se differença da do boy no sabor , e cheiro , e 
todo o mundo a com^ : a pelle lie mui grossa , e 
curte-se melhor, quando o animal estava magro. 

O cachorro d' agua , que he pequeno , tem 
os dedos pegados como os patos , cauda compri- 
da , e espalmada , e o pêllo summamente macio , 
e fino. He anfíbio ; anda quazi sempre n agua , 
onde dizem ser tão valente, que mata as onças, 
quando estas atravessam os rios a nado. Apanha- 
do domestica-se ; mas não cessa de gritar. Só se 
encontra nos rios centraes. 

O cão silvestre , ou cachorro do matto , lie 
pequeno, rasteiro , e refeito , ou escuro „ ou cin- 
zento , com muito faro, e perseguidor de veados. 
Dizem que sd se encontra do rio de Concas para o 

'a capibára , tem a figura , e grandeza de hum 
porco, orelhas curtas , focinho, e dentes^ de le- 
bre , cabello raro , e áspero , pés como os daquel- 
le animal com grandes membranas çaiu^ as unhas. 
Este animal sd anda perto d'agua , e he grande 
nadador , e também damninho : pouca gente' liie 
Gome a cerne. 

O rí7Xr/2^^/^\ he uma espécie de (?5{7«í/o , í^"i- 
to maior que^a dininhá , de cauda pouco felpu- 
da , e cor parda : quazi que nunca põe os pes nê 



IntrodUGfão, 



63 



cliSo ; saltando d' hum ramo para outro , atraves- 
sa um bosque immenso: lie innocente , e susten- 
ta-se de fructas. 

O c et Lho , só se diíferença do europeu em ter 
ainda menor cauda: não sam assaz multiplicados^ 
ape7ar de não terem os inimigos , que tanto os 
desbastam na Europa; porque além de não haver 
podengos no paiz , poilcos pegam em espingarda 
para os caçar. 

A cotia , tem dois palmos de comprimento , 
pernasaltas , orelhas pequenas , focinho de coe- 
lho , cabello avermelhado, e rijo, e apenas sinal 
cie cauda : depois de domesticadas vam ao campo , 
e tornam: sua carne he nm pouco sêcca , e chira. 

A cuica , he espécie de rato anfíbio, malha- 
do de branco, e negro, com a cauda pellada ; co«- 
me peixe , e as aves que pode caçar. 

,, O cuim , he bicho do tamanho de laparo ; 
tem pés curtos , cauda comprida , íocmho de do* 
Tiiiiha ; todo cuberto de pêllo , e de espinhos co- 
mo alfínetes , que o defendem de qualquer outro: 
corre pouco , vive no chão. ,, 

Ha três castas de gatos monteT^es : pardos 
denominados mariscos \ avermelhados; e pintados 
chamados maracayas. Os derradeiros sam mui 
grandes , e nem sempre tímidos. Dizem que os 
avermelhados sí bem arremedar as zabellêz , e que 
pondo-se de emboscada -, as fazem vir junto de 
si, e as surprendem. 

A hyrára , por outro nome em algumas pro^ 
vincias papameL , tem semelhanças de m.açaco , 
vista de longe , três palmos de comprimento, fo- 
cinho agudo , pernas curtas , cauda comprida , 
cor anegreada , cabeça cinzenta, mas não conser- 
vam estas cores em todas as províncias. 

O guará , tem a figura do lobo com a diífe- 
rença de uma pequena clina das espáduas atlié o* 








Introducfâo* 

coruto inclinada para diante-, só se encontram nas 
províncias céntraes , onde não sam niimerozos, 
rrem tão damainhos como a sua espécie na Euro- 
pa ; sendo comcèdo ronbadores de bezerrinhos : em 
algumas pasces n^o duvidam cliamar-llie iobo: es- 
tima-se-llie à^pelle , e os dentes. 

O gi^iaracão , he uma espécie de cão grande» 
e bravio , que não se confunde com alguma outra 
deste género. 

O gaaraxaiin , he uma espécie de cão do ta- 
manho de gato : habita em tocas subterrâneas, que 
elie mesmo faz: tudo o que encontra no campo, 
aluda que não seja comestível , como um chapéo , 
ou lenço , o conduz para a porta da habitação. 

O guaxinim , he uma casta de rapoza com ô 
focinho curto, e grosso ; dedos um pouco compri- 
dos , e abertos ; e o peito largo : sam mais nume- 
rozos nas vizinhanças do mar , a cujas praias des- 
cem a caçar os caranguejos. 

A jaraticàca , ou cangambá ^ como lhe cha- 
mam em algumas provin^clas , e que alguns repu- 
tam por uma espécie de foinha , he bem notável 
tanto pela sua linda figura , sendo branca , ma- 
lhada de negro com cauda felpuda , como pela 
singular , e invencível arma , com que facilmente 
se defende de qualquer Inimigo , que ouze atacai- 
la. Este animal sendo accommettldo , e ás vezes 
antes de o ser , solta uma porção de ourina de fé- 
tido tão forte , e enjoativo , que o aggressor não 
cuida mais que no modo de se livrar delle : os 
cães ferem o focinho de o esfregar pelo chão ; e 
o homem só dezeja mudar de vestido. Comtudo 
matam-se alguns antes que uzem da sua arma fa- 
tal , ou d' improvlzo antes que elles vejam a gen- 
te , ou de longe quando não temem o caçador. 
Algumas pessoas dizem ter observado uma peque- 
na fumaça averdeada na parte posterior do ca- 



íntroducfão. 



65 



ílhoneíro , quando elle dispara a peça. Hum Na» 
turalista , que anatomizou alguns , achando-lhes 
iunto do vazo da urina um pequeno receptácu- 
lo d'afijua , totalmente distincta da da bexiga » 
persuadui-se ser ella a donde procede o fedor, A 
Lanha deste animal , sendo externamente applica- 
da , he um poderozo emoliente; e sua carne gos- 
toza , quando não foi inficionada com a agua fe- 
dorenta : também então se lhe aproveita a pelle 
para bolças: passa pelo gato de a'galia. 

Ha numerozas espécies de macacos simente 
distinguidos pelo volume , e còr do pêllo: note- 
mos as guaribas , que d*ordinario andam em ma- 
gotes , e o mais do tempo porcima das arvores, on» 
de juntas fazem coqueadas , que se ouvem de meia 
légua: s ah ui/is , dos qmcs <ilgiins sam do tamanho 
de ratos , lindos , alegres , e estimados com penna- 
chos brancos sabidos de dentro das orelhas : dos cha- 
mados barbados o macho tem uma cuya óssea na 
garganta , onde firma uma zoada rouca , e extensa. 
Entre outras particularidades nota se a de não terem 
apozento , e a de não metterem pé em agua: pas- 
sam os rios fazendo cadêas agarrddos uns aos ou- 
tros; mas se succede caliirem em agua, sabem sd- 
hir nadando , como qualquer outro quadrúpede. 
Quando vam furtar milho ás searas , sempre fica 
um de sentinella em lugar próprio para os avizar 
da chegada do caçador. De cada vez parem um 
so filho , que trazem por alguns dias ao exílio , 
depois cavalgados sobre as costas com as mãos por 
bdixo do pescoço. Jamais deixam de ser maleiícos , 
nem tomam ensino a respeito de asseio. 

O rnócó somente se diífcrença do coelho era 
não ter orelhas , nem cauda : fambem sr) se encoa- 
tra , onde ha pedras , cujas lapas sam suas mora- 
das. Domestica se com a maior facilidade; e do- 
fíiesticacia torna-se coaliado , e atrevido : apezar 
Tom. /. I 




i66 



Jntrodacfõb. 



1' i': ■ 



I*4Tí,í 



•da sua Deqiienêz investe, malfiata , e faz fwgir 
os caens : lie um inimigo incitai dos ratos, ain- 
da mais destruidor que o gato; mas de natural ex- 
tremamente inquieto , e infiel, sem sagacidade pa- 
.ra executar suas maleficencias , o que faz que sua 
vida não seja prolongada. 

A onça h-í um gato grandissimo , de aspeto 
terrível, e vociferação pavoroza : as maiores ape- 
nas excedem a doze pés de comprimento. Nume- 
ram cinco castas: negras de uma mesma cor ,. ou 
t:om malhas miúdas d' hum negro azevichado , e 
tirilhante denominadas tr/gres ; outras pintadas de 
tiegío , e branco , ou amarello com symmetria , 
xiTie sam as propriamente chamadas onças , ou pan- 
^héras ; umas de malhas núudas , outras delias 
«grossas chamadas cangufâs C^^); outras aloiradas-, 
ou averm.elhadas , que sam as menores , e chama- 
^das sufuarannas: estas só apanham bezerros, »e 
''outros animaes pequenos: aquelioutras matam um 
cavallo , e um boy num momiento , e arrastam-no 
por uma ladeira acima com muita facilidade : <i 
toiro de quatro annos para cima lie o único quâ- 
^yupéde, que não se aterra com avista destas fó- 
•tas , e que lhe reziste. 

A caçada das onças lie menos laborioza , po- 
%êm mais perigoza que a das antas ; e nunca di- 
A^eítida em quanto a féia respira. Sendo muitos 
íes caçadores com espingardas , lanças , e forcados , 
cíiue sam as armas de que se uza , sempre com caens', 
4 quanto maior numero melhor , a campanha h^, 
.menos perigoza. A fera , posto que muito mais cor- 
pulentá, de forças incomparavelmen te superiores , 
%toiYko mais Hgeira-^ue o cão , a quem tem ódio 
inòrtal , avistando o , sempre se afasta, persentiii- 

(:?) Alguns apropiiaíii o nome de leo^rdo â pandié- 

iPâ «de mialbas miúdas.- 



Introducfâo, 



<57 



do gente, mas por poueõ espaço; porque ou tre- 
pa sobre alguma arvore , enconrrando-a , ou 
acua, urrando, e fazendo Ciiligeiícias por pegar al- 
gum sabujo , que por muitos , que sejam , jamais se 
ííie chegam: e ainda assim correm risco grande, 
se a besta lhes chega com as unhas , sua arma 
principal. Se o caçador não segura bem o tiro de 
sorte que a alimária fique logo no lugar , ella pare 
te direita aonde vê fiimo , e a soa desgraça heinf*- 
vitavel , senão tem ou companhehos ai macios , ou al- 
guma lant^a , com que a atravesse , ou forcado que 
llie metta no pescoço , quando ella se lhe lan- 
ça , que lie sempre em pé, pegando primeiro con^ 
fis' garras , que com os dentes. Alguns caçadores 
matam-nas por estr modo sem espingarda; e ain> 
da vam alanceallas em cima das arvores; porque 
quando o pau irão he m.uito grosso, ella não pode 
voltar-se , e salta em terra, 

A paca he um quadrúpede raste'ro , encor-* 
pado, com pouco mais de dois palmos de comprir 
mento , sem cauda , orelhas pequenas , focinho dô 
coelho , cabello rijo , e avermelhado com malhas 
brancas raiuaas pelas ilhargas^ e riscas da mesma 
côr pelo espinhctço: he a melhor caça do paiz , e 
pella-se como o leitão. 

O fujrcoesj im be do tamanho d' hum gato 
com cauda comprida, todo cheio de espinhos agHf-^ 
dos , e compridos ; mas no feitio asseoielha-se mais 
com um cão, Nos> rios centraes he oude sam mais 
numerosos. 

O jacfuanê he espécie de cão pequeno , re- 
feito com riscas. 

Ha três castas de porcos montezes: uns sam 
(le todo negros , outros tem a queix:ada inferior 
branca , outros de pequeno corpo , e russos dm- 
m^^f^s cai/ te tus : estes aomesticaiU-se athé o ponto 
de acompaaUar o dono por todds as ruas , sein ja- 

1 u 



'^ \ 




68 



Introducção^ 



% 



li 



mais o deixar. A carne destes animaes não lie sa- 
boroza como a dos javalis da Europa. 

A preguiça (^aa') he um quadrúpede curto , 
nmito rasteiro , apparentemenre encorpado , cuber- 
to de pêllo comprido , e grosso , de pernas gros- 
sas , armadas de grandes unhas, cabeça pequena , 
íizioaomia redonda com alc^uma semelhança de ma^ 
caco, sem orelhas, nem cauda: alimenta-se de fo- 
ilias ; trepa ás arvores : a extrema lentidão do 
seu passo lhe mereceu o nome. 

"O prehá , he do tamanho , e cor d' hum la- 
paro com o focinho mais redondo , orelhas muito 
pequenas, e membranozâs , e sem cauda. > 

O quaty he muito semelhante á rapoza na 
primeira vista , mormente na cabeça , porém as 
orelhas sam mais curtas , mais redondas , e me- 
^os pelludas : seu pêllo também he comprido , 
grosso , e molíe como o daquelle animal , do qual 
tem a íizionomia: as pernas sam curtas, e gros- 
sas ; os pés compridos com cinco dedos guarneci- 
dos de unhas com que sobe ás arvores, e dezen- 
terra os insectos : a cauda he comprida , redonda , 
adelgaçando em todo o comprimento athé á extre- 
midade , e variada de listas annulares: o focinho 
assaz comprido , e delgado para a extremidade 
com tromba de porco: a boca grande, e dentes 
de cão : o queixo inferior he quazi dois dedos 
mais curto que o superior : este animal domestica- 

Qiay Entfoutros bichos, de que o bosque abunda, 
Vê-se o espelho da gente, que he remissa. 
No animal torpe de figura inimuncía , 
A que o nome puxemos de Freguíça t 
> Mostra no aspecto a lentidão profunda ; 

E quando mais se bate, e mais se atiça, 
Conserva o tardo impulso por tal medo, 
Q.ue era poucos p?,ssos mette um dia todo. 

Car amura Cant. VlU Bst, 57* 



Introducção, 



69 



se de sorte , que acompaiiha seu dono ao campo , 
como hum cãozinho ; mas o seu natural inquieto 
faz que elle esteja sempre prezo. Ha duas castas 
deste quadrúpede sem outra differença mais que 
a do vohime: os pequenos andam sempre em re- 
banhos: qaaty^mondé he o seu nome, 

KrapoT^a he menor que a da Europa , igual- 
mente astuta , e ainda mais daninha pelos estra- 
gos , que faz nos canaviaes , e meloaes : s6 a 
pelle se lhe aproveita ordinariamente para chaireis. 

Entre varias raças de ratos, não devemos dei- 
xar em silencio o denominado rato de espinho^ 
que he grande , alvo pela barriga , cinzento por 
cima , com as ilhargas semeadas de espinhos , agra- 
dável á vista , sem cheiro , e de boa carne. 

O sarôhé y ou gambá , he do tamanho d'hum 
gato mediano , com forma de rato , de aspecto 
feio , e cheiro desagradável ; pernas curtas , pés , 
e orelhas de rato ; pêllo comprido , raro , e ma- 
cio ; cauda comprida , afuzada , e sem pêllo ; ca- 
beça , e focinho de porco ; boca grande com den- 
tes de cão. O que ha de mais notável neste ani- 
mal , he uma bolsa , ou segunda barriga por baixo 
da natural com uma boca para a parte de diante , 
dentro da qiial traz seus filhos athé elles chega- 
rem á idade de saber procurar a vida. Dizem uns 
que este quadrúpede gera , e pare os filhos , como 
©utro qualquer , o que parece natural ; e que de- 
pois de nascidos os mette naquelle sacco , onde 
com eífeito sé podem mamar , não tendo a mây 
tetas senão na barriga superior. Outros preten- 
dem que os filhos se organizam pegados ás tetas , 
donde cahem para 4? sacco. O certo he que os fi- 
lhos acham-se pegados ás tetas da mày ainda pel- 
lados , e muito pequenos. He um destruidor dos 
gaiíinheiros, e apaixonado por cachaça , com a 
quai se apaaha facilmente bêbado. 




1à 



íntrodutfclú. 



i'"' ■^'' 



O ,, Sâvía , segundo achámos , lie bioho como 
lanaro; tem cabdlo coiiiO Jebfe , cauda comprida: 
Cfiâ em covras; come fructas; e sua carne iie mui 
estimada. ,, Talvez seja este animal oque chamá- 
mos caxinglè. 

Ha dnas raças de tamanduhàs , pequenos , e 
grandes: o maior , chamado camauduhá bandeira , 
hè do tamanho d' um porco mediano, ao qual se 
assemelha no corpo em quanto cuberto de cab-L^o 
como de javali , ne^ro , e basto , com uma lista rus- 
sa em ca a lado : as orelhas sam redo'ndas , e extre- 
mamente pequenas ; focinho muito comprido , e 
assaz delgado terminando com semelhança do de 
cordeiro ; boca muito pequena ^ e sem dentes ; 
língua compridíssima , e estreita , com que apanha 
o cupim , casta de formiga , seu único alimento í 
a cauda he comprida, muito gadelhuda , e arquea- 
da para o pescoço, donde se lhe derivou o nome: 
tem as pernas curtas , e muito grossas com cinca? 
dedos nos pés , cadaum com sua unha curta e gros- 
sa , e deixa Uma pegada seirelhante á d'huma 
criança ; mas com o dedo polegar para a banda de 
fora: nas mãos tem quatro; os lateraes extrema- 
mente pequenos ; os do meio , que não sam gran-» 
des , tem cadaum sua unha negra de quatro po- 
legadas de comorido , e andam sempre dobrados ; 
pondo o animal os cotunhos no clião. Corre pou- 
co, e também quazi não faz ailigencta para esca- 
par ao aggressor : com tudo quando irritado avança 
ainda ao homem : basta dar -lhe uma pancada na 
focinho, paia ellc cahir morto. Quando se vê ac- 
commettido , deita-se de coitas , e espera o inimi- 
go ; se este se lhe chega, abraça o, sugiga-o , e 
jamais o larga, sem se llie jarrerarem as munhe- 
cas. Acham-se onças mortas juntamente com este 
animal agarrados um ao outro. Para caçar este 
aiiimai 5 cujci earíiíg lie kisápida- , aias medicinal 



Jntrçducfão. 



71 



para certos achaques , he precizG iim cão ; qne p 
fciisqne pelo rasto; mas para não cojrrerrirco , de- 
ve ser timído. 

O tatá , do qual ha varias castas , que quazi 
só se differençam no tamanho , he d' huma figura 
admirável: a cabeça ,e orelhas sam de porco; os 
olhos pequenos ; focinho comprido , e agudo ; boc^ 
pequena; cauda afuzada como de rato; pernas, e 
unhas grossas, com que em breve espaço faz uma 
toca no chão para se esconder: o corpo he vestido 
d' hum casco duro em conchas atravessadas como 
de lagosta , e forma de gualdrapa , que lhe esconde 
a barriga : todo pellado , e negro. O denominado 
tatuim he pequeno ; o verdadeiro maior , e de 
boa carne ; o péha tem a cabeça achatada ; o ca- 
nastra he do tamanho d' hum porco , e sua carne 
nociva ; o bóia , assim chamado , porque esconde 
todos os membros debaixo do casco , he esbran- 
quiçado , e sua carne gostoza. 

Ha cinco castas de veados ; galheiros , que sam 
grandes; suçuaparas \ do mato; catingueiros , e 
campeiros. 

A lontra he um animal aufibio, rauito maior 
que a da Europa, igualmente voraz, egolozo de 
peixe: o pêllo he avermelhado, curto, e fecha- 
•do , e a pelle estimada. 

O monstruozo anfíbio com figura de lagarto , 
chainado crocodilo na AíVica , e Azia , tem aqui 
c nome de jacaré , e encontra-se em todas as la- 
goas , e rios de corrente traaquilla. 

No campo cria-se quantidade de cágados , que 
nunca entram em agua , ecuja carne hc gostoza ^ 
.€ o fígado deliciozo. 

O homem tem menos que temer nas féj as , do 
qne nos reptis^ cujas espécies sam numerozas , al- 
gumas multiplicadissimas , e geralmente veneiiozas* 
A sueurâúbã'^ que ^ segundo coiitam , CA.e:sce a 



''I. 




72 



Inlroducfão. 



tnaís de quarenta pés , so anda nas íagòas , e pe- 
gos d'agiia morta. Atando a cauda a uma raiz , 
ou ponta de pedra nofunJo d'agua , agaira todb 
o vivente , que se aproxima á margem , g engo- 
le-o sem o despedaçar , como fazem as cobras nâ 
Europa aos coelhos : ronca debaixo d'rígiia ouviíi- 
do algum estrondo íóra : as lontras sam os s us 
maiores inimigos. O suraciicâ , que nunca tem 
iDais de quatorze pés de comprido , e grossura pra- 
porcionada , só se encontra em terrenos frescos, 
e sombrios : a sua pelle he alcatifada com syme- 
tria; a cauda armada com dois ferroes , e a mor- 
dedura apenas curavel. A gíboia , que apenas se 
distingue da precedente em quanto á grandeza, 
e matizado clã pelle, não tem ferroes, nem mor- 
de ; quando pega em algum vivente , sempre he 
para o comer '^r nunca lhe faz bote sem primeiro 
ter laçado a cauda a um tronco , afim de que a 
preza não possa arrastalla ; e depois de a ter bem 
íatigada , cinge-se-liie á roda do corpo tão aper- 
tadamente , que lhe quebra os ossos , e a mata. A 
cobra de cascavel, assim chamada pela razão de 
que sua cauda termina com alguma semelhança de 
vagem de tramoço secco , e que acliocalha como 
ella , apenas toma a grossura da perna d' hum 
homem , e comprimento proporcionado : nunca mor- 
de sem bater três vezes com o cascavel no chão , 
e sua mordedura he quazi sempre incurável. Di- 
zem que o numero dos partimentos he igual ao 
dos annos do bicho. A caninana , he muito com- 
prida , delgada , e negra pintada d'amarello. A 
jararaca , cuja casta he a mais multiplicada , e 
fatal : a denomiiada de cauda branca não tem 
mais d' hum palmo de comprimento , e seu veneno 
não tem ainda antídoto conhecido: o vivente, a 
quem elle picou , íicd logo em convulçoes , e suo- 
res de sangue , e espira em pouco tempo. O jcira^ 



Introducfãó» 



73 



raciiçâ lie verdenegro , assaz comprido , e pouco 
grosso ; mas sua picada d'ordinario lie mortifera. 
A cobra de corai he pequena , delgada , e ve- 
nenoza com listas annulares de varias cores. A 
chamada de duas cabeias , porque todo o seu 
comprimento he d' liuma mesma grossura , também 
he venenoza : e dizem «que o seu melhor antídoto 
he o fígado do mesmo bicho comido. A cobra ver- 
de he um pouco comprida, muito delgada. A pa- 
papintos he grande, parda , e innocente , segundo 
dizem : d'ordinario só se encontra nas margens, 
iOU vizinhança de lagoas , onde apanha rans , sa- 
pos , e ratos. Dizem que quazi todas estas espécies 
de cobras sam viviparas. C^^^O 

No Brazil ha varias espex:ies de aranhas , que 
^ib ministram excellente seda. A caranguejeira , 
assim denominada por ser do tamanho d'hum me - 
diano caranguejo , he cuberta de pêllo comprido, 
.e venenoza. A cigarra tem mais de escaravelho , 
que de gafanhoto. As espécies das borboletas sam 
numerozissimas , e as mais lindas achão-se na vi- 
zinhança do trópico , e zona temperada. Também 
aqui ha grande variedade de moscas , e insectos 
fosfóricos , que brilham de noite: e ainda diver- 
sas espécies de formigas ; as mais notáveis sam as 
de mandioca , as de correição ■, e o cupim. As 
primeiras sam avermelhadas , grandes , e um ílagello 
das lavoiras , e ainda das arvores fructiferas , como 
Tom. I. K 






Chb^ Na Fregiiezia ,da Murltiba se me mostrou «roa 
cobra , morta naqiiella hora , por admiração j^ porque era 
absolutamente desconhecida de todo o povo : rão tinha bem 
«m pé de comprido ; jnas era grossa, roliça, liza como en- 
guia, da qual tinha a cabeça : a cauda era curta, agUda com 
forma pyramidal : tinha quatro pés extremamente fequenos 
sem sinal de pernas. 



I 



n 



ínt^roduefãól 





laranj eiras", e oneras igualmente oiimais robirstaB. 
Todos os trabdhos admittem dias de descanço , me- 
nos o de preservar os mandiocaes deste daninho 
vivente : lie precizo deitar-lhe todos os dias d& 
comer , para que não devorem denoite as planta^ 
çóes , e desfolhem as arvores ; porque só denoite 
íkzem as depredações. Fazem espaçozas^ cavidades 
subterrâneas com muitas entradas ou sabidas lon- 
ge umas das outras , para se servirem d' humas , 
quando se lhes tapam as outras. Quando acontece- 
jficar esta cavidade debaixo da parede d'algum edi> 
ftcio , elle vem ás vezes abaixo r abatendo a terra 
eom o inverno. As de cor/-^/p5o sara pequenas , 
c mudam-se d* hum- districto para outro em innii* 
meraveis legiões , que cobrem muitas braças de 
terreno em sua marcha: nenhum vivente fica- nò 
Ingar , por on de passam : os pequenos ^ sam' ínor* 
tos , é os grandes obrigados a fugir. O cupim Êe 
uma formiga pequena, esbranquiçada, e gord^a; 
que sé semantêflado farello de lenho , como qual ,^ 
e lima espécie de grude , que sabe de seu mesmô^ 
corpo , cobrem de abobeda a estrada por onde ca^ 
líiinham , sem serem vistas dos autros insectos ,,(é 
Silves , que as comem. He um destruidor- dos^ mt^ 
deiramentos dos edificio^s ; e faz sua caza nos tt^ 
ctos com os mesmos materiaes em forma red^^ida 
cheia de celiulas : outras fazem-nas nos foreadéá 
cios ramos das arvores ; porém a^ maior parte edl-^ 
iicam-nas no chão coín terra abitumada cora c^raes- 
íTio grude, ficando todo o interior cheio de celiu- 
las ,"^salòes , e corredores : sua forma lie pyrami- 
^al: algumas com rauito-s pés- deaító ; e rezistem 
por muitos invernos ás- tempestades ; ra^s. n»em um^ 
sd momento ás garras dos tamanduliás , q.ue Ihasf 
4e§mancham., e comem todos os habitantes. 

Ha diversas: espécies: de abelhas ; sebera^ qiiiâ 
Bcnhiima delias se pode comparai; eom a uai<ísfe 



TntroducçSol 



75 



«itr^pea na utilidade do seu productor A cha- 
mada uruçú lie a mais numeroza , e de cor par- 
da : fazem-se-lhe cortiços de páu , que depen- 
duram debaixo dos beirados ao enxuto : o al- 
vado ou porta lie um orifício , por onde cabe 
commodamente uma por cadavez , e onde sempre 
está uma de vigia com a cabeça de fora , para im- 
pedir a entrada aos pequenos insectos. Esta senti- 
neila tem o incommodó de recuar cadavez que nl-* 
guma quer entrar ou saliir. A niumbúca \i& ane^ 
greada. A mandassáya negra e curta. Todas três 
sam do tamanho da europea. A tuínm he mais: 
pequena. A iheába he também pequena , e ama- 
rellada. A cupineira , assim denominada , porque 
occupa as cazas dezertadas do cupim , faz bom 
mel. 'A tataliijra^ a Saranhô. De todas estas es- 
pécies só as duas ultimas sam mordazes. A getahy 
he do tamanho de mosquito , e fabrica um mel 
muito liquido , c deliciozo ; e nõ aivado um tubo de 
cera em forma de buzina , pelo qual entram a itma ê 
lima. A cãruára he pouco maior que a preceden- 
te. A preguiço7^a he do tamanho da getahy , e 
fabrica um mel insípido. A denominada mosquiti' 
nhú he muito pequena, e negra ; e mOra no chão. 
Nenhuma destas espécies fabrica favos como as 
da Europa : rodos sam redondos , e as cellulas de- 
çiguaes com forma de bolhas sem regularidade , nem 
symetria ; e a cera mais ou menos glutinoza ; e 
nunca toma a alvura da do Mundo Antigo. Todas 
as colmeias , de qualquer espécie de abelhas que 
sejam , tem muito pouco gado ; e eu ignoro a cauza. 
Também ha varias castas de vespas , ou mo- 
rimbondos :, como lhes chamam no -psiiz. A ínxút/ 
he delicada , e faz sua habitação ordinariamente 
de forma redonda , liza , e de cor cinzenta' pega- 
da a um ramo , ou no chão preza a alguma plan- 
ta: seus favo^ gam covos, e encaixados uns no^s 

K ii 




j6 



''Vlif 




íntroducfâõ^ 



outros eo mo tigelas em pilha , muito estreitas com 
um pequeno intervallo cie permeio , lizos pela par- 
te concava , e regular , e finamente esburacados 
pela convexa sem difPerença dos favos das abelhas 
europeas : estes orifícios , ou eellulas sam cbeio^ 
d' hum mel amarellado , e saborozissimo , que por 
fim fica como assucar refinado. O inxú he gran- 
de; fabrica os favos pelo methodo daquelloutra , 
e enche-os d* hum mel óptimo. C^c^ 



Tío/i l ^°f^®"ÍOs dizer que toda a cera que se gasta no 
Brazii vem do Congo. As abeHias da Africa ardente sam da 
mesma casta que as da Europa temperada ou fria. Nenhuma 
curterenja se nota na forma dos favos , nem na qualidade 
lia ceia, ser^do tao differentes os vegeraes , e as flores de 
que a extrahem. Parece natural que sendo transportadas ao 
Brazd nao percam o talento de febricaíla com a mesma boii- 
dade , nem diminuam suas numerozissimas famílias. A ex- 
periencia he so quem o pôde mostrar. Não succedendo co- 
mo se dezeja, nada se perde na experiência. ;^ mas prospe- 
rando , qual deve ser o lucro deste importante ramo de 
Commercio? As abelhas transportadas da Florida para a 
Ilha de CuJia em setecentos sessenta e três prosperaram táo 
prodigiozamente, que em setecentos setenta e quatro pro- 
duziram, alem da cera necessária para o consumo do paiz, 
aciraa de dez mii artobas que çe exportaram. Não se nos 
íalla na casta destas, abe Uias., 

Ha unja diminuti^ísima purga,, no idioma do paiz Tun-^ 
ga , que se ititrodu>z 00 corpo de alguns animaes , princi^ 
palmente no do homem, i @ dentro de poucos dias tem de- 
posto um grande numero de ovas-, com que incommoda , 
e ás vezes produz consequências terríveis ; e uma casta de 
lagarta extremamente pequena ^ que he a destruição dos. 
iLivros. .1 

•^ Saí)€mos que antigamente houve neste Paiz uma alima. 
na de desmez^urada grandeza ; porém ignora-se o seu sene- 
ro, e^ figur^, como também a época, e a cauza de sua es- 
tincçao. Morse da a este quadrúpede o. nome de Mam-^ 
moth, e diz que os índios d'America Septentrional preten- 
dem que a sua espccie amda existe nos bosques, que ficam 
ao Norte dos Lagos grandes; mas nenhum homem corda- 
10 dc?e conceljeí a esperança de ver este animal f por- 



Introdacçãol 



77 



Se o Brazil não possue tão niimerozas espe* 
cies de quadrúpedes como algumas províncias do 
Continente , talvez nenhuma outra o iguale nas. 
das aves , geralmente mais notáveis pela pluma* 
gem que pelo canto. 

Alma de gato he do tamanho d' hiima pom- 
ba , cinzento pela parte inferior , aloirado pela 
superior , com cauda muito comprida , bico ctirto , 



que as relíquias, que mostram a sua antiga existenc'a, em 
toda a parte attestam unia antiguidade remotissitua. Talvez 
fosse este quadrujDede o Behemoth , de qii2 falia Job no 
Cap. XU V. IO. Quazi todos os Commenladores deste Sa- 
grado Livro, que se accingem á Letra, entendem por Be- 
kemoth o elefante y por ser o mais volumozô vivente co- 
nhecido entre os terrestres. As expressões do Sagrado Es- 
cripror designam um animal de extremoza corpulência ; e 
nenhuma, ao que parece, he exçluzivamtnte particular ao 
elefanre. Se este he hoje o chefe dos quadrudedes pela 
sua magnifica corpulência, não o era seguramente em quan- 
ta vivia aquellourro/, a cujo respeito era menos , do que 
iim carneiro a respeito do mesmo elefante. Se este )á era 
o maior dos quadrúpedes do Mundo Antigo em tempo de 
Plínio ^ o Behemoth vivia ainda nos dias do Escritor Sa- 
grado. 

A opinião dos que pertendem que a extincção destes 
quadrúpedes não deve ser mui remota , pela razão de que 
©s ossos não podem existir enterrados dilatada serie de lus- 
tros, desvanece-se com a certeza de que quando os Euro- 
peus se estabeleceram nesta parte do Munno , já entre og 
muitos Indígenas centenários, que encontraram, não havia 
um só , que tivesse lembrança do animal. 

Também não parece verosímil, que este animal fosse 
carnívoro, como alguém pensou nas províncias Sepíentrio-, 
naes. Todos os quadrúpedes volumozos como o elefante, 
o rhinocerote , o camelo , o boy, o cavalio sam herbívo- 
ros. Esta alimária devia ser naturalmente de marcha lenra , 
imprópria d' hum caçador ou carnívoro ; e de ventre tão 
capacíssimo , que somente vegetaes podiam fazer a sua man- 
tença. 

Entre as nauitas ossadas , que deste animal se ham eri- 
contrado em diversas províncias do N. M. talvez nenhuma 
ajude a formar delle melhor icléa do que a carcassa , que nos 



■'■ , I 




A 4 



1/ !l 



7« 



IntroducfÚe'. 



% |iii 



í 




e curvo ; e nlo tem canto. 

Ha 'Varias castas át andorinhas , so distingui- 
das ou pelo taínânlio^ ou pela côr mais om mêito^ 
negra/, - -^ - ".:■•:■:. •_ ,-. i - 

Aiium he do tamanho d' hum melro , mâ^ 
d* hum negro azeviehado , abrilhante, cauda com- 
prida , redonda , c sd com oito pennas , bico adiin^ 
CO , pontudo , assaz grosso na raiz , « aguçado 
pela parte ^up^rior : seu canto he um grito tri«te? 
seu voo curto : andam sempre em bandos pouc®) 
numerozos , e nunca se pouzam em arvore alta. 
Dizem que poejrn todos em um mesmo ninho com- 
lyium: o certo he que sejach^m ninhos deste pa^Sr 
sar^o com grande numero d'ovos , ou pára mel h^i?! 
dizer com varias ninhadas d'elles , separadas çoíii' 
camadas de feno. 'i 

Ha outra casta cVanúin do tamanho daquel--, 
toutro , de côr cinzenta , bico fino , e um pouco 
curvo , com um pennaeho , que levanta , e abaixa. 

Araponga , ou guiraponga he do tamanho^ 
d'huma pomba pequena , branca como neve ^ 
com o bico largo na raiz, um pedaço depennado'/. 
e de côr verde á roda dos olhos. Este pássaro 
p®uza-se no topo da mais alta arvore dos bos- 
ques , e alli passa a maior parte do dia em um- 



fins do século passado descubriram ( ^^ í^^o^o ^^ V 
Rio de Contas) os alimpadores d' hum caldeirão de pedra com 
o intuito de fazer delle tanque para o gado , como pro- 
vavelmente fora dos aniniaes selváticos na antiguidade an- 
tes de entupido. Esta ossada , consideravelmente damnifica- 
da , occupava ura espaço de mais de trinta passos de com» 
primento : as costellas tinham palmo e meio de largura ; 
as canelas eram do comprimento d' hum homem de me- 
diana estatura ; as prezas tinham quazi uma braça inchiin^ 
do a raiz : um dente molar já sem raiz pezou quatro li- 
bras s para tombar o queixo inferior , fbrara precizas todas 
»s forças de quatro homens. 



Introdaoçãâ. 



79 



cstfitõ rtiaviozo , que imita bem o ferrador atarra* 
canelo ferraduras na bigorna. 

A^uíão he iim3. espécie de pardal cor de an- 
lill, qiie depois de acostumado á gaiola arremeda 
Vários outros passarinhos. 

Bemtevi , assim chamado pelos» Europeos érri 
r<izão de articular perfeitartiente * e com valentia 
ais palavras , que compõem o seu nome , he dò 
tamanho d' huma cotovia , com um circitlo bran- 
co á roda da cabeça , bico grosso , e' pontudo, 
a!marelló pela barrigas e^ aloirado por cima. 

Bicudo ha uma; cíísta de pardal ,< ou azevi^ 
diado , oti doiíada , cantador , com o bico muita 
eiirto , e- grossa. 

Cabe fã de tubtjfi he líma casta de tiitinegrst 
aVerdéada com uma pequena barreítina de carme^ 
zim , que esconde , quando queír ^ com ás pea^ 
i^ás dôs lâdôsí a fêmea- teíá a barretiiia iiègra , e 
lí^aic^r. 

Cah ore h e o p éq nena mo cho^ dá H esp ali h a. 

Caifâ , que quer dizer cabeça grándè , lue à(3^ 
tamanho d' huma cotovia ^ de feíitío deságrâídavél^'^ 
€^ri1 as azás / e cauda cor de tabaco , s^^tó^rriga 
€iftzeh tá^ , uíMí maiha^ branca no peito , a ' pa-rté 
superior do corpo parda , sálpieada de branco > 
pescoço grosso, bico grosso» eiiegío , pontudo , e 
eirctilada de' barbas compridas , giossa^s ,> e-éiita^^s 
«e^it ' úkmiç> não lizonjea mais o ouvido * 

Camrior t^m <& fdrma ,- ç^ qx^^zx da mesma co^tr^ 
fí^^não a cantilena dos d'as^ Ilhas For tirnádás'^; po- 
rèM he estimado , mais pelo- valor , eòm? qiw s^ 
b^te , quando se mettem dois machos mTm'a gái<!fi 
Jà , àQ que pelo canto , com qiue^ag^ o* sustfeíiíiÈí^ 
Este pássaro^ he entre os pequenos o^ píiiMeiíéíl 
çueanníinci-à a chegada do' dia; - 

Canção he do íaManho" d^ hum melro ; b/WMê 
f «ta» bairr iga* , esciHo petóp^s^r te supierior , com^auda 



• 



Eo 



Introducfãõ^. 



fH 




assaz comprida , redonda , e branca na extremida- 
de. A parte anterior da cabeça, o pescoço, e ^ 
peito sam cor de azeviche. Tem uma mallia grande 
branca na parte posterior da cabeça ; nm pequeno 
pennaclio negro ; uma malha pequena , e redonda 
por cima dos olh05 , qtie começa azul , e acaba 
branca,; o iris amarello , que dilata , e comprir 
me ; bico grosso , e curto. Este pássaro anda sem- 
pre muito perto do chão , e em percebendo algum 
vivente , logo dá sinal. He dos mais coléricos do 
paiz ; e destruidor dos outros , comendo-lhe os 
©vos , e os filhos em quanto péllados. 

C ar dial he um pouco maior que o pintasil- 
go , com o qual tem parecenças. Huma barretina 
carmezim j que lhe cobre ainda parte do pescoço, 
he quem lhe faz dar nome: seu canto lie valen- 
te , e engraçado. 

Cãrrifã só se differença da europea em ser 
um quazi nada maior, e menos tímida. Faz o i^i- 
nho indifferentemente dentro das cazas habitadas , 
e no campo ; e não com a arte , nem pelo metho- 
do a cofíi que o fabrica a da Beira. 

^C ka ma- coei hn I1& pouco menor que o melro 
com a cabeça negra» a parte inferior amarellada , 
a superior cor de tabaco. 

. Cegonha . he da mesma casta com as que ap- 
parecem em Fevereiro na província Transtagana. 

Ca7^aca de coiro he do tamanho da cotovia < 
amarellado por cima , e pardo pela barriga. 

Colhereira y á qual com justiça dam a pree- 
minência de rei das aves paludaes , he do tama- 
nho d' hum. grande capão , derrabada , cor de ro- 
^a por cima , alvadia pela barriga , de pernas al- 
tas ,,. pescoço longo, e branco, bico comprido , as- 
saz grosso na raiz, quadrado no meio, largo ,íf 
chato na ponta em forma de espátula. 

Colibri , conhecido no paiz unicamente pelo 



Introd acção* 



8x 



nome àt beijà-flôr , he a mais pequena ave, que 
se conhece. Mr. Robert; diz , que elle não lie maior 
que uma moscci ; porém sua assersão não he ver- 
dadeira. Eu vi déz castas deste lindo passarinho 
de vartos tamanhos; os maiores não excediam no 
corpo o denominado chéiho em algumas Terras da 
Beira-Baixa. Todos tem as azas compridas para o 
corpo; e todos sam defurta-côr. Comecemos pelos 
maiores , que sam cor de anil com um'a maiíia 
branca no lombo. Os da segunda espécie só diíFe- 
rem daquelloutros em serem mais pequenos , e não 
terem a malha. Ambos tem a cauda comprida,' e 
muito forcada. 0^ da terceira casta , e grandeza 
sam pardos, e costumam fazer o niniio dentro das 
cazas habitadas com forma de bolsa , dependura- 
dos , eprezos aponta d' huma paliia. Os da quarta 
sam de todo esverdeados. Os que compõem a quinta 
casta, sam da mesma côr , e grandeza com uma 
malha branca no peito. Os da sexta sò se diffé- 
rençam dos precedentes em ter a cauda curtissi- 
ma. Os da setirna tem a mesma cor , e tamanho , 
e a cauda amarellada. Os da oitava tem a cor do 
rouxinol com o peito finamente salpicado debranco. 
Os da nona casta sam d' hum verde briihantissimb 
com as azas , e cauda assaz escuras , bico curto , 
delgado , e amarellado. Todas aquelloutras castas 
.0 tem comprido , pontudo , delicado e recto , á 
excepção dos pardos , e cor de rouxinol , que o 
tem um pouco curvo. Os da decima espécie sam 
escuros, ou quazi negros com a cauda curtissima, 
e côi de fogo , bico preto , e pouco comprido: 
quando virado para o observador , a garganta , e 
o peito tomam num instante varias cores , segun- 
do os movimentos do passarinho ; umas vezes a 
da Aurora , quando mais rutilante , ou de oiro 
derretido no cadinho , fugindo de repente umas 
Tezes para vçrde , outras para azul , outras para 
Tom. I, L 




'! .; Jii 



' I 




n 



lútrcéucfãó. 



feranco , sem nunca perder um brilhante tão in imitai' 
velcomoinexpressavel ; a cabeça v q;Ué íie negra :, e 
©rnada com um pennaçhinho da mesma cor, quan* 
do a ave está com as costas , ou de lado para a 
gente , parece cravejada de sintUantesrubíns quan- 
do lhe aprezenta a dianteira; ou toda d' hum es» 
carlate brilhante , que insensivelmente passa a 
um amarello refulgente. Todos geralmente tem a 
lingua ccmpridissima , pernas curtissimas , e olhos 
Jiegros. Pessoas fidedignas me certificaram que tam- 
bém os ha negros com a cauda branca ; e ainda 
cor d*oiro ^ e pouco maiores que. ura grande bi* 
zouro , do qual todos tem o voo , ou movimento 
das azas , náo deixando distinguir sesam membra* 
nas , se cubertas de pennas , que tão rápida he a 
sua vibração , ainda estando parados diante da flor. 
Seu alimento principal he o sueco , ou mel das 
flores, que tirara , não como as abelhas , mas da 
inesma sorte que o bizoiro. Senão sam todos , ao 
menos alguns tem a lingua fendida. 

Ordinariamente ouve-se primeiro o zunido, que 
ÊSta avezinha faz com as azas , do que elía seja vis- 
ta. Investe com todos os outros pássaros , e ne- 
nhum a persegue. Seu canto, longe de se parecei 
com o do rouxinol , como pretende Vosgien , he 
como o d' hum pinto de poucos dias. Nenhum pás- 
saro no Brazil faz seu ninho com tanta arte , e 
perfeiçãOv (cM3 Guúi/numby. lhe chamam algumas 
ilações Indígenas. 

Ha varias cè^sidiS àt corujas \ algiimas temuma 
fizionomia galharda. 

Ema, que he o abestrúz do Mundo Antigo, 
c o maior pássaro do paiz , tem o corpo redondo ^ 
c"tiberto de pennas pardas , compridas, e arripia. 



(í^tí ) O Cúíièrl y 011 hàja-flcr não entra na classe dos 
Crisálidas , nem morre mai§ de ua^a via. 



■í 



Introducçãal 



83 



dâs ; pernas grossas , e assaz compridas com três 
dedos curtos e grossos ; pescoço multo longo , bi- 
co grosso e curto ; dois ferroes nas juntas das 
azas , que não llie sam sufficientes para voar ; mas 
cm descampado corre mais que um cavalleiro: não 
tem cauda; e quando levanta a cabeça, he da al- 
tura d' hum homem. Suas pennas sam estima- 
das para pennachos ; ' e a pelle curtida para cal- 
ções. 

Encontro he do tamanho d' hum verdelhão , 
comprido, delicado , escuro com uma maíha ama- 
relíada na junia da aza. Ha mais duas castas aze- 
vichadas ; uma das quaes tem as malhas brancas; 
a outra encarnadas. 

Feiticeiro he do tamanho dMmma cotovia, 
e^t^è amarello , e vermelho por cima , cinzento 
|)èla^ barriga , com bico de melro, olhos como rii* 
bins , e um pequeno pennacho : he dos mais cú* 
iericos. 

Gcilleirão \w, do tamanho d' humapomba, es- 
verdeado pela parte superior / é roxO pela infe- 
rior , com a cauda curtíssima , pernas compridas, 
e amarellas , pescoço delicado , cabeça pequena , # 
anegreada com uma crista chata , liza , e branca ; 
bico curto , grosso , e cor de lacre com a extremi- 
dade amarella. Pasta nas margens das lagoas ; e 
sua carne he saborozissima. 

Ha outra casta de galLeirao , quazi do mes- 
mo tamanho , e vistozo : he redondo , e derraba- 
do ; com o oescoço coruprido , e delicado \ cabeça 
pequena, e ornada com uma crista; bico de mel^ 
10 ; pernas muito compridas , e dedos ainda mais 
compridos ; azas redondas com as pennas grandes 
amarellas ; a parte superior aloirada ; a inferior 
negra , como também o pescoço , e cabeça. Tem 
uma unha redonda , e pontuda na junta da aza. 

Gallo do bando he do tamanho d' hum pardal , 

L li 



^ 



Introdúcçãú. 




M. 



negro ~, com tima malha -alvadia no lombo ; e 
o coriito da cabeça verniellio ; a cauda comr 
pjrida. ■■■ , 

: G liará , uma das mais lindas; aves paludaes -^ 
4:601 o corpo d' huma perdiz , pernas compridas > 
pescoço longo , bico comprido , e um pouco cur- 
vo ; sem caiida. A primeira penna lie branca ; pas- 
sado algum tempo torna-se negra , e finalmente 
escarlate , conservando a segunda cor nas extre-^ 
midades das azas. 

G arfas pequenas > e grandes brancas ; e tamr 
bem grandes cinzentas. 

GraJide variedade de gaviões: o cauhan , ou 
macauhan lie pequen© , e o seu grito imita os 
brados. dMium homem sobresaltadò d'alguma des- 
graça ; e serve para algumas pessoas de pronosti-r 
CO a respeito da chuva , ou de tempo secco. O 
corocuturú lie pardo de quatro palmos de com- 
primento do alto da cabeça athé á extremidade 
da cauda , com dois chifres de pennas compridas 
aguçados a par um do outro; e unhas negras de 
polegada e meia de comprimento , e grossura pro^ 
çorcionada , com as quaes arrebata um micro , ou 
íiiacaco pequeno de cima das arvores , e o leva pe- 
lo ar com muita facilidade. Pouco ou nada diffe- 
re do Bufo. Alguns brigam , e matam as cobras , 
fazendo escudo das SEas , e lança das unhas. 

, Grunhatá fie do tamanho de pintarroxo , ama* 
rello pela parte inferior , e na anterior da cabe- 
ça ; o resto he escuro tirando a azulado : ^eu can- 
to he armoniozo : arremeda outros passarinhos de- 
p( is de acostumado á gaiola. Ha outras castas : 
uma delias he amarellada. com a cauda , e azas 
esverdeadas , e uma risca negra ao comprido de 
toda aparte inferior : seu canto differe pouco da- 
quelloutro. 

Jaburâ lie maior que o peruo derrabado , ai- 



Introducçãú» 



B5 



^® como neve, depernas compridas, pescoço mui- 
10 longo , bico comprido , e pontudo. 

Jaçanan lie pouco menor que o tordo , aver- 
melliada pelo peito , cor de tabaco por cima; com 
as azas curtas, e redondas; cauda curtíssima com 
©ito penninhas ; olhos encarnados , pernas da mes- 
ma cor , e assas compridas ; bico fino ; uma malha 
avermelhada na parte anterior da cabeça : anda 
sempre pelo chão ; e não he fugitiva. 

Jaca he do tamanho de hum grande capão , 
preto com figura de perita. 

Jacutinga he um pouco maior , com a mesma 
figura , e cor; pernas vermelhas , o meio das azas 
branco, bico verde, olhos grandes, e negros; as 
pennas da parte superior da cabeça compridas , e 
brancas; o peito salpicado de branco. Jacú-Femba 
he menor que o primeiro , e tem o peito cinzento.' 
Aracuan he ainda uma casta de Jacu , do ta- 
manho de pomba , com a cauda , e pescoço com- 
prido ; e d' hum preto aloirado: a guella do ven- 
to antes de entrar para o peito faz uma digres- 
são athé á extremidade do ventre. Todos estes 
quatro pássaros tem mamillos na garganta como 
as peritas. 

Japu he do tamanho de uma pomba , negro 
com a cauda amarella ; bico da mesma cor , gros- 
so , roliço, e finamente pontudo: quando canta, 
dependura-se pelos pés com o corpo para baixo , 
batendo com as azas uma na outra. Ò Japué he 
jnenor , e da mesma cor ; com uma grande malha ver- 
melha no lombo , olhos pequenos , ^e o iris azul. Am- 
bos fazem o ninho d' huma maneira , que he notá- 
vel , t^nto pela forma , como pelo artifício , com que 
e fabricam na extremidade dos mais altos ramos orí- 
zontaes em forma de bolsa de cinco , ou seis pal- 
mos de comprimento „. feitos de musgos , tecidos 
de sorte , que andam continuamente balançando 



u 



Intrõdiícfâo. 




% -W 



3í-:« 



m 



com o vento sem se despegarem. Tão grande he 
a cautela , de que uzam , a fim de precaver ^^ 
magna de ver sua descendência devorada pelo itn 
inimigo. Estragam as laranjas , para llies tirar as 
pevides. > 

ínhuma he do tamanho d' htim capão , escurU 
pelas costas , cinzenta pela barriga ; com azas de 
extraordinário comprimento , chegando a dez paN 
mos de abertura , e dois ferroes de desigual gran- 
deza em cadauma , e um chifre ósseo de meio pal- 
mo de compripo , e grossura do canudo d*humt 
grossa penna de peru, agudo, um pouco curvo 
na extremidade , com virtude magnética , e ainda 
contra-veneno t quando quer beber , mette-o pri- 
meiro n'agua , e os outros pássaros , que andam 
apôz delle , como os qnadrupedes atráz da abada , 
só então bebem. Sua carne he esponjoza , como bo- 
fes de qualquer outro vivente , e não se conie. 
Também as ha do tamanho de pombas. 

João-de-barros he uma casta de cotovia , ama- 
rellada com uma risca esbranquiçada por cima dos 
olhos ; e só notável pela formatura do seu ninho 
de barro , donde se lhe derivou o nome. He fei- 
to com muita arte , e perfeição no forcado d'hu- 
ma arvore ; e consta d' hum corredor : com pouco 
mais d' hum palmo de comprido , com uma satã 
quazi do mesmo co nprimentu a um lado , tudo de 
abobeda com uma janeVa de permeio no fim áo 
corredor , cuja entrada he pequena , e fica sempre 
para aquella pa te , donde o vento sopra menos. 
Este eaificio reziste ás invernadas por muitos an- 
nos. 

João-tôlo he do tamanho d'hum pis-co , ver> 
de aloirado de furta-côr por cima , amarello pela 
barriga com uma malha branca na garganta; pes- 
coço muito curto, bico assaz comprido, e pontu- 
do : he manso , e náo tem canto. 



Introducfão* ^7 

Lavandeira he pequena , e branca com as 
»7as negras. 

Entre varias castas de maçaricos , qne vivem 
nas margens dos rios, e lagoas , ha iim pouco me^ 
nor que o tordo ; cinzento por cima, branco pela 
parte inferior; de cauda curtíssima; pernas com- 
pridas , e vermellias ; cabeça grande , e chata , ro- 
deada com um circulo branco , e estreito , que 
descança sobre outro negro e largo; uma colleira 
da mesma cor ; pálpebras encarnadas ; unhas ne- 
gras; dois ferrões nas juntas das azas , que sam 
brancas com as extremidades negras. 

Ha diversas castas de marrecas; e de mermi- 
Ihões. ;^ 

Marido-he-dia não tem diíferença da femeà 
do tentilhão ; seu canto he o seu nome mal arti- 
culado. 

Morcegos sam multiplicadissimos por toda a 
parte, e alguns do tamanho de pombas , píejudi- 
í:iaes aos gados , a certas íruct^s , e ainda ás ca- 
zas , e templos , soltando burróes de tinta negra , 
que não se lava , em quanto comem a baj^a^ da 
êoirana. ^ 

Mutum he quazi do tamanho d' hum periU 
megro azevichado e brilhante ; airozo , cem um 
pennacho crespo , olhos espertos , bico amarello , 
pernas vermelhas , coxas brancas. Seu canto lu^ 
gubre ; sua carne delicioza. A fêmea tem o pen^ 
Kacho pintado. 

Também ha diversas castas áenoitiòós , ou 
coliangâs , como lhes chama o vulgo. Note-sè uma 
que anda de dia nas margens das lagOas , d'liuni 
lindíssimo , e inimitável pardo pela parte suPe- 
nor , e branca pela inferior , com huma malha 
branca no meio das azas, e as extremidades ne- 
gras ; cabeça grai%de , e chata ; olhos grandes é 
negros i apenas com um sinal de bico adunco, e 



.'í 




S8 



Introducfão,^ 



■''iií''' 




boca extjrema mente grande: o dedo maior , que 
não lie proporcionado á pequenez dos outros , tem 
lima serra ou pente para a banda de dentro. A 
earne deste pássaro, quando gordo, he saborozis- 
sima. 

Pahó he do tamanlio d'huma pomba, negra 
com o peito encarnado, bico proporcionado: sua 
carne he delicioza , quando elle está gordo. 

Papa arro7j he pequeno, e todo negro; anda 
em bandos. 

Ha vinte e tantas castas de papacjáyos , a 
contar do mais pequeno periquito atlié a Arárai 
todas tem boa carne , com especialidade o jurú : 
os que compõem a ultima classe sam de três cas- 
tas : ararúnas , que sam de todo azues ; Canin- 
dés , também azues por cima com a barriga doi' 
rada; e outras , que tem aparte inferior , e a ca- 
beça encarnada. 

Nas lagoas , que íicam longe dos povoados , 
lia patos grandes , uns pardos , outros brancos , 
outros de coral. 

O chamado /?ú:i;5o he do tamanho d' Iiuma 
cotovia depennada ; mas em quanto vestido he 
maior que o tordo. Tem poaca penna , e essa lie 
que lhe dá o volume ; porque he geralmente com- 
prida ; e d' hum bellisimo brilhante de furtacòr ; 
principiand© verde loiro nos encontros , acaba ver- 
de «azul no lombo : a da barriga he encarnada: 
as azas sam pequenas , e redondas , e d' hum lin- 
díssimo , e inimitável pardo: a parte inferior da 
coxa he vestida.de penna escura , que cobre as 
pernas, as quaes sam delicadissimas , e não tem 
mais de quatro linhas de comprimento ; os pés 
sam escansorios : a cauda tem seis polegadas de 
comprido : as duas pennas centraes sam escuras 
de furtacòr ; as quatro próximas azevichadas , e 
todas scisjguaes: as outas seis tem as extremida;- 



Introducfâo, 



89 



des brancas , e vam em diminuição , de sorte que 
íis dos lados tem mais de duas polegadas de me- 
nos que as do meio : a cabeça lie um pouco gran- 
de , cuberta de penna crescida , qu-í forma um 
pennachinho azul escuro; o bico muito curto , um 
pouco adunco, extremamente largo na raiz, ter- 
minando pontudo , e rodeado de cinco bigodes 011 
topetes de barbas grossas, e negras : os ollios sam 
grandes , e negros com a pálpebra amarella. 

Ha cinco espécies de perdizes , todas pardas, 
ederrabadas: as mais pequenas clmvadiáíis Na mim s 
tem o bico encarnado : as denominadas ^aòele^ç 
sam pouco maiores , que as da Europa, e tem as 
pernas amarellas : as enapupê?^ sam ainda maiores ^ 
e tem o bico comprido: as cliamadas niacãccs s-àva. 
muito mais corpulentas, e de cor escura com dois 
esporões nas juntas das azas , e uma serra C^^ 
menos os machos) na parte posterior das pernas : 
as denominadas Capueiras , que sam um pouco 
líiaiores que as Nambus andam em bandos. Toda» 
as outras se espalham, depois que as mãys as dei- 
xam. Todas pouzam somente no chão ; porém o 
Macaco pernoiía sempre emcima de arvore. 

A espécie dos pêto^i , ou pica-páiis he muito 
variada ; mas nenhuma gritadora , como o [etO' 
real das nossas provincias. 

Ferú do mato, impropriamente assim chama- 
do pelos Brancos , he do tamanho d'hum melro , 
negro-cinzento , muito íornecido de penna , que 
termina como pêllo ; cauda azevichada ; pés es- 
cansorios , bico grosso , pontudo , e cor de lacre: 
quando canta, levanta o bico a prumo para o Ceo. 

Çué roque ro , que quazi faz o volume d' hu- 
ma perdiz , he branco pela barriga com o peito, 
€ garganta negra ; de furtacõr por cima com uma 
maliia branca no encontro das azas , que sam ar- 
madas com dois esporões , e cujas pennas grandes 
Tom. /. M 





h- > ■ 1 



9é 



IntfX/durfáò^ 



r. 



ih.' 





!; ;;^ i.; 












^Hv 


; 



stHn Aègràs , e excedem iniiiro © cômpirlmiento da 
cauda » qiie lie curta com a excremidade brancas 
0^ olhos sam vermelhos , e lindos ; o bico de fom^ 
bá vermelho com h extremidade negra; a cabeça 
ornada com um pennachinho pontiido , e negfo ; 
?is pernas compridas , e as coxas ainda maiores 
éõm á porçãí) inferior nua , e vermelha : sua car* 
il*é ile gostoza : parece que não dorme ; porque si& 
ouve grasnar pelo ar a qualquer Uor^ da noites 
pastai iT^s margens das lagoas» 

A espécie das rôias também he muito varia** 
da : as chamadas juritis sam um pouco menores 
^ue aquellas que passam da Africa para a Eur©^ 
pa tia primavera , e não tem a sua formozura ; 
seu canto , que ilão tem mais que uma nota loii-« 
gfa , he tristonho : as denominadas rolas de cuscm^ 
i^H .t por cafuza d'huns estalos , que fazem com as 
azas , quan-do selevantam , são lindamente pinta- 
áas de branco , t pouco maioires que um pardal 5. 
ttimmnmeu te procuram o sus teu to e ai bandos ^ e 
batem-se com as azas : as da terceira casta clia-^ 
fíiadas cobóclas , pela razão da sua cor de tijolo ^ 
sam do tamanho das precedentes. As outras castas 
todas passam com o nome de jjomtas : as cardi" 
'^ueras sam pequenas: as chamadas cVaT^a òranca 
sam os pombos troqua^es da Europa ; as troqua^ 
^es do paiz sam gi'àv\á^s , e tem o bico vermelho; 
como também as chamadas p ar ar is. _ 

Sabiá lie o tordo , e o pássaro mais cantador 
do paiz : seu canta ixão differe 4o do melro , do 
qualalguns , mas raríssimas , tem também a peá* 
íia , e athé o bico amarelio, 

Ossahys sam uma espeçíe de passarinhps liii-' 
dos , ^e divididos em varias castas; o sahy da s^e-- 
cia \íQ do tamanho da carriça, da qual tem o bi^ 
cò ; roxo pelas costas , c pela barriga , com -a^ 
«.zas negras pQr cima , e amiVíeiias pela part^ i^tí^; 



Introduoçãôl Çí 

ferior ; canda negra ; pés côr de roza *, cabeça pra- 
teada , e olhos azues : osahy bicudo he do tama- 
nho do pintarroxo , de côr esverdeada , com a 
cauda, e azas negras, e bico pontudo: o sahy' 
roxo he do tamanho d' hum pardal com a caii* 
da , e azas negras , a cabeça , e o peito roxo , bi- 
co curto, e pontudo: o sahy de colleira tem a 
forma , e grandeza de pardal com a cabeça roxa» 
pescoço encarnado , barriga verde , costas , azas ^ 
t; cauda esverdeadas, bico curto: o sahy-xé tem 
a cabeça , azas , e cauda esverdeadas ; o peito en* 
tre azul , e verde ; a garganta , e as espáduas ne- 
gras; o lombo amarello ; bico curto: o sahy-pa- 
fagaio he do tdimaaho áo verdelhão , de furta-côr 
entre azul e verde , com a cauda negra , bico 
curto , muito largo na raiz , e finí> na extremi- 
dade. 

San// ãf o lie uma casta de verdelhão. 

Seriema he pouco maior que a perila : sen 
canto simples , e maviozo: anda sempre pelo chão , 
e voa pouco. 

Serrador lie um passarinho anegreado com 
bico oe pardal : so ?e pouza em paus seccos , @ 
desembaraçados , como o taialhão ; e incessante- 
mente se está levantando a prumo obra de dois , 
ou três palmos ; e pouzando no mesmo lugar , fa- 
zendo o compasso d' huma serra. Não tendo can- 
to , com que lizonjêe o ouvido do homem , nem 
plumagem com que lhe recrêe a vista , elle o faz 
parar , e admirar a singularidade de que o dotou 
o Creador. 

Sofrer , ao qual os Brancos puzeram este no- 
me , perreadeiido que elle o articula no seu can- 
to poaco hurmoniozo , he um pouco menor que o 
inelro , côr de oiro , com a cabeça , garganta , 
cauda, azas, e encontros negros com uma malha 
teaiiíca nò meio das azas : a cauda assaz compri- 

M ii 



9^ 



Introdacfâol 



s 







áa ; o bico roliço , ponriido , e negro com n ma 
malha branca em cada lado da mandibula inferior^; 
© ir is amareílo. 

Sácó lie um género de pássaro , que com- 
preliende varias castas: o branco be do tamanho 
d' linm grande capão , derrabado , com as pernas 
um pouco compridas , bico comprido , e azulado ; 
a parte anterior da cabeça negra ; a posterior 

fuarnecidacom nm pennacho comprido , ponritdo ^ 
cahido para o pescoço , que he um pouco longo, 
O cinzento sd se differença do precedente na cor. 
Nota-se outro pouco maior que o meho com doiâ 
palmos e meio de abertura , três da extremidade 
do bico ache á dos pés, esverdeado pela parte su-^ 
perior, e cinzento pela inferior ; bico comprido, 
e pontudo ; o íris amareílo ; pescoço com um paU 
mo de comprimento , pouco fornecido de perina , 
€ pintado pela parte inferior ; cauda com duas 
polegadas de comprimento; a cabeça negra orna* 
da com um pennacho. 

Tape rã he pouco maior que o melro : todo 
branco com a cabeça, cauda , e azas negras; bi- 
co grosso, e pontudo. 

Tyhé , ou tapirancfa he muito maior que o 
pardal: as pennas grandes, das azas, e da cauda 
sam negras: o resto tod€ carmezim : o bico gros?f 
so , e negro conv duas malhas brancas na mandi- 
bula inferior. O Tijhé negro he do mesmo tama* 
nlio com uma malha vermelha na cabeça. 

Tingará he do tamanho d'lium tentilhão, de 
cor verdemar com a ca^beça vermelha , cauda ctir»» 
ta , ornada com duas guias coinpridas ; bico mui 
çtirto , íino , e pontudo. 

Tucano lie do tamanho d' hum frango , ne»»- 

gro com o peito entre vermelho , e amareílo, e 

.t)ico um pouco adunco de grossura , ,e comprimen-f 

çq dçsçoaipassaiâmente grande para o corpo, Q 



Introducção. 



93 



Arassart/ he outra espécie cie Tucano com diíFe- 
íença nà cor cia peiína; o bico nm pouco menor, 
e recto: a sua cantiga he o nome , com que o de-» 
signamos. Os tucanos nidificam nas cavidades dos 
troncos annozos : , só põem dois ovos ; e sua primeira 
plumagem he branca: tem de cada lado na cabe? 
ça um pedaço nú ; e como envernizado > çôr 4^ 
lacre. 

Tuyuyú he muito maior que o peru, brançoi 
com as pernas negras , muito altas , pescoço açsá:^ 
compricio ; bico pontudo : he derrabado , e da al- 
tura d' hum homem : pasta naa margens das la- 
goas , e sustenta-se de pírixçs, r, 

Viuva he do tamanho d' hum pardal, negra 
com a cabeça branca, cauda proporcionada , e or-* 
nada com duas guias compridas. Ha outra espécie 
de viuva do tamanho de pintarroxo , também ne- 
gra com a cabeça branca , e um pouco grande 
para o corpo em razão da penna que he muito 
crescida na parte superior ; pescoço curto , e bico 
delicado como de taralhão. Sempre se pouza era 
paus seccosi ; e não canta.. 

Usrubú he uma espécie d'al^utre ,, do tamanho 
d' hum peru , negro com a cabeça pellada quazl 
como a deste , bico propoiqionado , e curvo na 
extremidade da mandibula superior. Ha mais duas 
castas (TlJruhiL , amban raras :. os d'huma sc) se 
difterençam daquelles em terem os encontros ver- 
melhos: os da outra, a que ú\2.m'àmUrubã-Rey ^ 
sam brancos cinzentos , çom a cauda , e azas ne- 
gras ; o pescoço absolutamente nú , e carnudo ; 
cabeça mal cuberta de huma lanugem ; papo pel- 
lado; as pálpebras vermelhas , o iris alvíssimo , a^ 
prunella negra ; e sobre o nariz uma caruncula 
composta de vários globolos de diversos tama- 
íihos , amarellos , eprezos por um delicado peduU'=* 
çuIq commum^ 



•m^íí 




i 



l-f 



1 



94 



fntrõdíitfâè. 



• OUrahÈ ht passam absolutafríente mudo > maô^- 
scr I innocente , carni\^oi-o ; mas não ericer ca animal 
por pequeno que seja , em quanta elle palpitai 
Nota-se que os negros não encertam um animal 
làiorto , em quanto o rei , ou branco lhe não come 
©s olhos , se he que elle está prezente , segun(to 

Hizeffl; 

Barbado he pouco menor que o melro , etam* 
Bêm negro com uma grande malha branca no lom- 
Bo , e outra amarelladâ no peito ; cauda , e perf- 
ilas curtíssimas ; cabeça gran le com sobrancelhas 
fniii fòriiecidás ; bico azevichàdo , um pouco aduil- 
co , e pontudo , ornado de bigodes. 

Nas lagoas mediterrâneas há uma gaivota do 
tamanho da andoruiha alvíssima pela parte infe- 
rior , cor de pérola p-la superior ; de cauda for- 
cada ; azas assaz compridas, e estreitiâsimas com 
às três guias negras, como também a parte ante*' 
fior da cabeça ; o bico comprido , e amarello. 

Patãtíva he menor que o pintarroxo , cinzen- 
to, ê cantador. 

A rendeira he do tamanho d' hum p'sco , bran*- 
®a , com a cabeça , cauda , eazas negras , bico , e 
cãúda curtos. 

O Ticotico tem a grandeza da carriça , e qtia*- 
zi a sua cor nas costas com a barriga amarélla , ô 
lirh semicircalo branco por cima dos olhos. 

Tacoára he maior que o melro, esverdeado, 
com a cauda mui comprida , a parte superior da 
cabeça loira , e uma grande malha negra á roda 
dos oíhos. 

Fitologia. Talvez não ha^a paiz , qiie possa 
competir com o Brazil na multipUcidade de vege- 
taes ; ao menos no préstimo. Abunda em diversi- 
dades de eKcellente madeira de construcção , dê 
paus de tinturaria , e plantas medicinaes. A Na- 
oirtíza tão fecunda neste objecto tinha entre as 



lnfrodti^'ã0A 



m 



iniinmeraveis espécies indígenas muito poniçíis das 
que produzira na Europa ; poréni os CoBq.^ii^ta- 
doi^es'^ i^m naturalizado grande nusaerp d^s des,t^, 
paiz ; posto -que não prosperaram, como no t€rr^-, 
no natural. As da AÈriea , e Azia n'ão rs;tran-l\á- 
ram o terreno , quando plantadas nos mesmos íCli- 
mas. A oliveira cresce pouco , envelhece cedo , e 
não fructifica na zona ítorrida. O castanheiro s^ 
he conhecido nas províncias do Su,l .> onde os pe?- 
cegueiros sam multiplicadissimos , e fecundos ; je 
onde fambcjfn as macieisas , as ameixieiras , as giti- 
jeiras , as cerejeiras fructifícara. As romeiras, e os 
marmeleiros também fruçtificam na zonna tórrida, 
A videira , e a figueira fructiíicam por tod^ a 
parte; mas com especialidade fora do trópico \ <P 
por toda a parte os pássaros , e sevandijas fazeig, 
cruel guerra ao seu fructo. As laranjeiras ,, de que ha 
varias castas , dam-se por toda a parte. A irregu- 
laridade do tempo não permitte cultivar os nossos 
Gereaes em todas as pro vindas á excepção do ar- 
roz , e milho. As melancias quazi por toda a par-, 
Ce sam excellentes , e ,os melões em poucas bons. 
As couves , os «pepolhos., e as alfaces sam cultiva- 
das juntamente com outras hortaliças indígenas 
desconhecidas na Europa. As hervilhas , fav^s.» 
grãos .de bico , e nabos acham aqui poucos culti-; 
Viadores. Com estes foram também naturalizados 0: 
alecrim, arruda, losna , alfazema, salsa , coen- 
tros , herva-doce , hortelã , craveiros , jasmineiro,?. 
As rozeiras acharam um grande inimigo nas for- 
migas : também a sua flor não he for moza. Eiitr^ 
outras arvores de boa niadeira para construcção , 
carpinteria , e marcineria tem lugar distinc to a 
Ajetahypéta , o Buranhé , o Cedro , o Condurd , 
o Coração-de-negro , Gonçalo- Alves , Jacarandá^ 
Jacarandatan , Jacarandá-mulato , Jequitibá , Jq« 
t-ahy., JUeuro^ lyíassarandúba ^ :Mocei;ahv;ba ,.,:Ma^ 



\ I 



.. I 



§6 



Introducfão, 



'?!- 



'1 ,' 



111 , 



ciihyba que he alta, de copa pequena, e seme- 
íiiaiite a um chapéo de sol , e dá uma pequena 
líoz com alguma senielhança de azeitona , de cas- 
ca delgada , liza por ambas as faces , e que en- 
cerra uma amêndoa oyal , de que se extrahe um 
óleo, que se applica com proveito a vários acha- 
ques. Braliúna , ou maria-prêta , Olandim , Páa- 
d'arco , Páu-d'oleo , Páu-roxo , Peguim , Putumu- 
]xL , Oyty , Oytycica , Ttapiciirú , Sapucaya , Se- 
bastião d'Arruda macho , e fêmea ; Sucupira , Su- 
cupirassá , Vinhatico , Sassafrás , e outros. o 

O Ambu7^eiro he arvore de pouco crescimen- 
to , que prospera nos terrenos agrestes , e não quer 
cultura: começa a ramificar ao sahir da terra : seus 
ramos sam extremamente entrelaçados uns com os 
outros , as folhas pequenas , elípticas , e invcrni- 
zadas por ambas as faces : a flor he em racimos pe- 
quenos como os da oliveira: o fructo muito seme- 
lhante ao abrunho, quanto á vista; de cor entre 
verde e branca , pelle grossa , e áspera ao pala- 
dar , com um caroço grande , e redondo , o qual 
nunca se despega da Dolpa , que se rezolve emum 
fluido crasso , e ordinariamente a^adavel , quan- 
do maduro. He fruc ta muito estimada nos sei toes, 
onde todos os quadrúpedes gostam delia. Come-se 
á maneira das sorvas , fazendo-se-Uie uma abertu- 
ra. A gente do campo faz com o seu íiuido , e lei- 
te coalhado , bem mechido , e adoçado com a su- 
ear , ou mel , uma beberagem , a que chamam arn- 
hu7ada , e pretendem que seja uma comida regia. 
Esta arvore cria na raiz uma grande batata , e ás 
vezes mais , e também pequenas d' huma snbbtan- 
cia transparente , esponjoza , que se torna em 
a^ua frigida , sendo comprimida: e he um grande 
recurso para os viandantes , que no campo não 
acham agua para refrigerar-se. 

O Joay^eíro , que ama terreno arenozo , lie dd 



Introduccâoí 



$7 



tamanho d' hum a oliveira mediana : sua copa rer 
douda , e espessa ; as folhas , de que apenas se des- 
pe , quazi redondas , e finamente serreadas : seu 
lenho hranco ; sua cinza boa para a saboaria : a 
flor em pequenos , e redondos racinios : o fructo 
do tamanho de cereja , esferoido , amareílado , ás- 
pero no tacto , e com um caroço sarabulhento , do 
qual não he facii despegar a polpa , em quanto 
o íructo não está meio secco. He pasto de alguns 
quadrúpedes , de jacus , e outras aves ; ainda que 
sam poucos os saborozos. 

O Articuw , ou Aratícã , de que ha varias 
espécies , he semelhante ao ambuzeiro na gran- 
deza, no enlaçamento de seus ramos, e ainda ncV 
côr da sua casca cinzenta ; as folhas de que an- 
nuaímente se despe, sam quazi redondas ,^ d' hum 
bellissimo verde , e envernizadas por ambos os 
lados. Sua flor he como um figo de cor amarellar 
da , que abre em três porções iguaes , como se 
fossem partidas com uma faca , grossíssimas com 
foVroa de concha, e avermelhadas; por baixo de 
cada corte está outra concha menor, menos gros- 
sa , branca na face exterior, cercando um botão 
cm forma de pinha , que com o tempo he uma 
fructa do tamanho , e forma dos maiores peros', 
cuja polpa he branca, ou amarellada ; molle , e 
semeada de pevides em grande quantidade: a pel- 
le , que a cobre , he esverdeada , e ligeiramente 
bordada de repartimentos regulares como em esca- 
mas : sam poucos os bons; mas todos se comem. ' 

A Jabaticabeira he arvore pequena , delga'- 
da , e de casca liza: as folhas , que sam enverni- 
zadas por ambas as bandas, mas não d' hum mes- 
mo verde , variam de forma num mesmo ramo": 
só florece^ no tronco , começando do chão athá on- 
^e os ramos tem boa grossura : a fructa tem ordi- 
nariamente a grandeza, e cor de jinja , e a fdr^ 

To/72. /. N 






w ■ ^ 






l: 



Id 



/■ 




s! ^ 




V , 



98 



Introducção. 



ma deperinlia com um pedículo curtíssimo: a pel- 
le he um pouco grossa , e a polpa sem_elliante á 
da uva ferral: como ordinariamente estam em pi. 
nlia , sam em "grande parte angulozas: lie fructa 
gostoza , e innocente ; delia se distilla um liquor 

6 Jambeiro, cuia grandeza he proporciona- 
da á qualidade do terreno , que o cria , tem folhas 
pontudas d' hum verde escuro pela face superior, 
€ claro pela inferior : a flor tem quatro petaíos 
pequenos em forma de concha com um vastíssimo 
numero de estames mui compridos , e rectos em 
forma de pincel , e um pistillo ainda mais longo , 
e pontudo : seu fructo assemelha-se ao damasco , 
com olho como pêra, gostozo , e com cheiro de 

A Mangaheira he arvore de mediana gran- 
deza , de folha miúda , e pontuda , flor como jas- 
mim: a fructa he redonda de vários tamanhos num 
jnesmo ramo , com a casca amarellada , e averme- 
lhada , a polpa branca, extremamente molte , com 
varias pevides cubertas de cotáo : o lenho, a to- 
lha , a flor , a mesma fruta , quando partidas* 
destillam um leite alvíssimo , e pegajozo. 

OJenipapeiro he arvore de boa altura , tron- 
CO direito , copa mediana , e redonda ; íolha se^ 
melhante á do castanheiro , muito grossa, e d hum 
Yerde escuro : nunca está sem fruto , que lie do 
tamanho de maçan , e pelie ténue , um pouco as- 
pêra , e cinzenta ; a polpa branca , e o interior 
lepleto de pevides. Ficam d' hum anno para o 
mftro nos ramos , que se despem totalmente da 
folha , e 8(5 amadurecem , quando a arvore esta 
de novo bem vestida de folhas , e ]á com bom 
descimento os novos fructos , que hão de ticar 
para o anno seguinte. A madeira he pretenda 
para varíics de seges* 



Introdacfão* 



99 



A Giiablrabeíra he uma das maiores arvores 
frnctiferas do paiz : sua folha he pouco, fíietior 
que a do pecegueiro , e quazi da mesma figíira: a 
flor branca : o fructo tem a grandeza , e a forma 
das peras Lambe^he-os-dedos , e corae-se á maneira 
das sorvas. 

A Mangueira , oriíinádi da Azia , e que si 
prospera na zona tórrida , he arvore corpulenta , 
de copa frondoza , folha comprida , um pouco 
estreita, e pontuda. O fructo he da grandeza das» 
maçans , um pouco chato , aromático , de casca 
coriacea , esverdeada , ou amarella , e encarnada ; e 
a polpa saboroza , succulenta , e cheia de fibras 
prezas ao caroço. 

O Maricy he um arbusto de folha grande , 
grossa , áspera , redondeada na extremidade , e 
pontuda na baze : a flor he em racímos como a 
do azereiro , começando amarella, e tornando-se 
encarnada: a fructa he miúda, e pouco saboroza. 
Ha outro chamado Muricy-bravo , diíferente na 
flor , que he branca ; e nas folhas , que sam muito 
menores ellipticas , e invernizadas por ambas as 
faces. 

A Pitangueira , que toma a grandeza d* hunia 
ameixieira , quando plantada em bom terreno, 
nos bosques ordinarianiente não passa d' hum me- 
diano arbusto : suas folhas assemelham-se ás da 
murta : a fior he branca , miúda , e com um gran- 
de numero' de estames ; o fructo da grandeza de 
jinja , canèllado , de cor escarlate , ou roxa , e 
agridoce : distilla-se delle um espirito agradá- 
vel. 

A Jaqueira , transplantada da Azia , e que 
SD prospera entre os trópicos, he arvore grande, 
de copa redonda , e frondoza ; tronco grosso , e 
baixo; folhas grossas, redondeadas na extremida- 
de , pontudas na baze , invernizadas por ambas 

N ii 



ÍÉMi 



s I 



P 




too 



íntroducfâo. 





asvfaces ; e 'd' hum. verde '.escuro na superior'. Seii 
frUiCM ,í que só nasce pelo tronco , e ramos gros^ 
soa iifhe grande , (alguns tem mais de quarenta 
libras) de forma oblonga ; casca assaz grossa * 
verde^ regularmente lavrada em bicos , com algu- 
ma firma de lixa ; a polpa branca , íibroza , im- 
pregnada d' hum' leite crasso , eviscozo, semeada 
de amêndoas envoltas noutra polpa menos fibro-* 
za , sem leite , e doce , que he o que se come. O 
centro he occupado por uma placenta longitudi- 
nal , que nutre aquelíoutras substancias. 

O cajueiro , que ama terreno arenozo , he ar- 
vore pequena _, de tronco tortuozo , copa redonda^ 
com ramos levantados , orizontaes , e inclinados : 
a primeira casca entra na compoziçao da tinta 
preta ; a chegada ao lenho na da amarella : as 
folhas quazi redondas , e ásperas: a flor em raci- 
^0 : sen fructo singular he do tamanho, e figura 
àQ pimentão roliço ,, de pelle fina , liza , averme- 
lhada , ou amarelíada , e ás vezes d'ambas estas 
cores y com uma substancia branca , esponjoza * 
íissáz succulenta , agridoce sem caroço, nem pe- 
vides ; e tem na extremidade um appendice dura 
com forma de rim de lebre , e casca cinzenta , 
cheia de óleo cáustico , e que cobre uma substan- 
cia alva, e oleoza : dam-lhe com propriedade o 
nome de castanha ; porque só se come assado , e 
seu sabor nada differe do da castanha Europea , 
quando assada. He fructa salutifera ; e faz-se 
delia excellente doce , e do seu sueco boa limona- 
da , e ainda vinho. Dá uma rezina ,. que faz as 
vezes da arábiga. 

A Sapucaya he arvore alta ,, de boa madei- 
ra com folha semelhante á do pecegueiro ; a cas- 
ca macerada dá estopa para calafetar embarcações.. 
O seu fructo he um coco esférico da grandeza de 
.í)t^as .. de. jogar , muito grosso 3 cuberto çqísí uma 



íntroducção* 

'tasca delgada í e áspera , e cheio de amêndoas 
coíTiDridas. 

Para as tirar , creou a Natureza na extremi- 
dade um orifício de quatro polegadas de diâmetro , 
rolhado com uma tarnpa da mesma grossura , e cu- 
btírta com a primeira casca , que he necessário 
tirar primeiro para a poder separar. Os macacos , 
por um instincto natural, derrubam estes côcos^ 
quando maduros , e dam com elles em uma pedra , 
ou páu duro athé lhe saltar fora a tampa , e co* 
mem-Ihe as amêndoas. 

OCajaTy híí um arbusto de casca muito gros- 
sa , e regoada como a cortiça viígem , e anegrea* 
da ; folha pouco differente da do loireiro ; e dá 
um fructo amarello , da granpeza do abrunho , 
irregularmente esférico , d' hum sabor , e perfume 
agradável , com uma pevide graúda como de la-» 
fanja , e prezo á extremidade do ramo por um 
pedunculo^comprtdo , e delicado. 

A Andiróba \\Q uma planta muito semelhante 
ão pepineiro , a qual dá um fructo redondo , sem 
cheiro , do tamanho d' huma grande maçan com 
onze ou doze grandes pevides , redondas , e cha- 
tas , dispostas em três cellulas , das quaes se ex-^ 
tiralie um azeite claro , medicinal , ebom para luzes. 

O Cacau^eiro , que d'ordinario não excede 
a grandeza d'huma arvore pequena , quazi sem- 
pre tem muitos troncos ; e á proporção que se ele- 
va , lança ramos orizontaes , e inclinados : as fo- 
lhas assemelham-se ás maiores do castanheiro : seu 
fructo , que só se cria no tronco, e ramos gros- 
sos , he uma grande capsula , oblonga em for- 
ma de melão com casca muito dura , que encer- 
ra quarenta athé cincoenta amêndoas de casc;i 
quebradiça , mettidas numa substancia esbranqui- 
çada , mucoza , e doce. Estas amêndoas sara aba- 
ze do chocolate* 



loa 



tntrodacfão'. 



I, ■h:'" 



' t: 



li 



II 



O Vrucú , que d' ordinário nâo passa d' hum 
grande arbusto com as folhas em forma de cora- 
ção , e as flores em ramalhetes com cinco petalos 
iim pouco purpúreos , \\m pistillo , e grande nu- 
mero de estames : o fructo he uma capsitla um 
pouco chata , e pontuda , do tamanho d'huma 
grande castanha ; de cor avermelhada , composta 
de duas válvulas semeadas de espinhos raros , e 
molles, e forradas d' huma membrana , que encer- 
ra grande quantidade de sementes miúdas , e cu- 
bertas d'huma substancia avermelhada , que di- 
luída em agua dá uma tinta precioza , e não 
ignorada dos salvageus , que se tingem com ella. 
A arvore da Cólia , oriunda da Africa , hc 
de mediana grandeza , com folhas um pouco com- 
pridas : pontudas , e luzidias por ambas as faces 
com um grande peciolo ; flor branca em racimo ; 
monopetala , ordinariamente com cinco lacinias 
pontudas: fructiíica em vagem. 

. O Argueiro he arvore grande como a Oli- 
veira: seií tronco , e os ramos sam semeados de 
picos curtos ; as folhas , das quaes se despe an- 
nualmente , sam quazi em forma de coração , e 
sempre três pegadas a um mesmo peciolo compri* 
do: as flores sam em racimos de um , ou dois pal- 
mos de comprimento na extremidade dos ramos , 
dispostas a três e três , e sem que as primeiras 
murchem , as immediatas não abrem : tem cinco 
petalos , dos quaes um só se desenvolve; este he 
d' huma bellissima cor encarnada com pouco menos 
de duas polegadas de comprido , e mais d' huma 
de largura. Da parte inferior do pistillo , que está 
entre dez estames , se fdrma uma vagem^ , onde 
se cria um indeterminado numero de feijões cor 
de lacre inteiramente , ou com malhas negras , 
durissimos , de que fazem braceletes. He uma das 
mais bellas arvores do paiz , quando está florida; 



Introducfâo. 



loa 



e dura muito tempo nesce estado , antes que se 
vista de folha. 

A Barriguda , assim chamada por ser o seu 
tronco mais grosso no meio do que junto ao chão , 
por outro nome arvore da lan , tem a casca cu- 
berta de espinhos redondos: as folhas sam quazi 
ellipticas de três , ou quatro polegadas de compri- 
mento, e em numero de cinco juntas na extremi- 
dade d' hum peciolo comprido , e commum. A flor 
começa com a figura d' hum íiguinho redondo , li- 
zo , sem olho com um pedículo curto^ , e grosso : 
este figo toma o C( mprlmento , e forma d'huma 
lande de carvalho , sempre com cor verde , e sem 
olho: depois abre na extremidade ern^ três partes , 
e dá sahida a um como capiUho d'algodão , roliço , e 
comprido coiza de duas pollegadas , que se desen- 
volve em cinco petalos de três polegadas de com- 
primento , e mais de uma de largura na 1-amina ; 
lizos príla face superior , encarnados do meio para 
a unha , brancos betados daquelloutra cor para a 
lamina, que he redondeada ; e cubertos pela face 
exterior d'huma pellucia branca : quazi se enrolam , 
e cobrem o cálice. Tem cinco estames á roda d'hum 
pistillo , que he muito mais delicado , e termina 
em huma bolinha encarnada ; e todos seis pega- 
dos a um receptáculo no fund© do cálice , onde 
se forma hum fructo com alguma semelhança de 
pepino , que abre , e deixa-se ver cheio de laa 
branca , e finissima , que o vento leva , se nãa 
a apanham logo: não se pode fiar ; mas serve pa- 
ra enchimentos. 

O S\ Caetano he uma planta delicada Qom 
muita semelhança de melancieira , cujo fructo he 
uma sorte de pepino pequeno , espinhozo , que de- 
pois de maduro abre em três porções , e deixa ver 
umas poucas de pevides semelhantes ás da roman , 
pasto de todos us pássaros , que a prapagaiatn poor 



|j|iS|- 



:t . 






1Ô| 



lêttoiíacfãQl 






Hl- :\ 



Wm 



l 



toda. a parte: esta píanta entra proTeitozamente 
em vários remédios cazeiros ; e aiigmenta o effei-r 
to do sabão no seu uzo ordinário : com este in- 
tuito foi transplantada da Costa de Guiné , onde^ 
tem o nome de nhe7^ikem , e sendo plantada jun^ 
to a uma Capelía de S. Caetano , tomou deile a 
denominação. 

As Caneleiras transportadas da Azia , e cul- 
tivadas com algum cuidado no principio da colo- 
nização foram pouco depois destruidas por ordem 
regia , a fim de conservar o commercio Oriental. 
G erro foi conhecido , passados tempos: hoje re- 
commenda-se a multiplicação das que nasceram das 
raízes : cumpre íazêr experiências acerca do ter- 
reno, em que devem ser cultivadas com preferen- 
cia ; pois que da qualidade delle depende a do ve- 
getal. A melhor canela do Oriente he a dos ter^ 
rennos seccos. 

A Caite7^eira he arvore pequena com os ra- 
mos orizontaes , e folhas um pouco compridas , li- 
zas , largas, e redondeadas na ponta, e pontudas 
na baze : dá um fructo grande , oval , de casca 
delgada, liza, e muito dura , da qual partida ao 
meio se fazem cayas , ou cuités . 

A Cajaz^eira he arvore alta , de copa redon*. 
da , folha miúda , e dá um fructo como lande y> 
amarello , insipido , com grande caroço. ■ '. 

A Goyabeyra he um arbusto de casca liza , 
folha quazi redonda , áspera , e serreada ; o fruct^^ 
como pêro , odorífero , amarello ; a polpa tirando 
a rubicunda com uma grande quantidade de pevi- 
des miúdas , e redondas no centro. Faz-se delle do- 
ce muito estiinado. 

O Arafá-mirim he arvore de bomcrescimeií^i 
CO , e folha miúda : a casca he tão liza na epider- 
jne 5 como no alburno. 
'í^M^ AGarneUeirá hQ arvore corpulenta , de folha 



Introâucção, 



105 



grossa , e redonda , e lançn raízes dos ramos para 
o chão.' procura-se-liie a sombra. 

Ha trcs t-spccies de páu Brazjl: Bra^ií-mir 
rim , que lie o melhor ; Bra:^il-ãssú , 011 Eoz^ado; 
e BrayJ/eto, O Braz^U-assú , 011 Rodado , assim 
chamado por ser o seu tronco o mais alto , e tam-, 
bem o mais direito, he o menos grosso; e a tia-r 
ta , que delle se extrahe , de menor consistência > 
e mais rezada , donde lhe provém o segundo no-? 
ine. O BrãT^ilêto , que differe pouco do assú , ou 
RoT^ado na grandeza , e forma do tronco , e copa , 
dá pouca tinta , e essa esmaiada. O Bray^U-miriíti 
tem o tronco mais grosso , acasca mais vermelha ^ 
e mais delgada; os espinhos mais miúdos, e mai§ 
bastos ; a folha mais miúda , e o cerne mais arro- 
xado. Em todas três a folha he pinnulada ; a cas- 
ca liza ; e os espinhos começam no principio do^ 
galhos athé a ponta dos ramos. A flor do mirim 
lie branca, e muito miúda ; e o cerne sendo che- 
gado á lingua , logo depois de cortado , tem un:^ 
amargo sensível , que perdedepois desecco , tornau^ 
do-se em um adocicado agradável. Estas arvores, que 
se dam tanto em morros , como em várzeas, tor- 
nam a rebentar da porção do tronco , que ficou 
pegada á terra. Nota-se que nos matos, onde ha 
abundância úg páa-Bray^il , não se encontram Tar 
pinhuans, nem Paróbas, He páu. pezado , excel- 
lente para construcção de edificios ; metcido eni 
agua dura eternamente ; no fogo estala imiito , c 
não faz fumaça. Certo observador notou que q 
tempo do corte desta madeira mais próprio para, 
o rendimento da tinta , era o período da Lua-No- 
Va no Inverno , e o do Quarto-Crescente no Ve- 
rão ; porque fora destas occazioes sempre he sen-? 
^ivel uma porção de lymfa , que se extravaza pe- 
los poros para as incizóes dos golpes do machado : 
^ que esta porção dç,^ag.ua era outra tanta quaur-' 
Tom. L O ' 



1 



ií- 



t^s 



Tntroãiicf&ê, 



'^■f% 



||..| 



Uk 



^■:i 






\% 



tidadé de tltita , que se perde ; o que rfo sticc^ 
de , cortando-se ^ madeira nas conjunções referi> 
das , quando as arvores não lançam de si liquido 
algum , sustendo toda a sua tinta. Huaia por> 
ção de caparroza , e decai, ou de cinza lan> 
çadas na áQcocq^oáo pá a-Bray^U fazem uma tin^ 

ta preta. 

: A Çuinaqnlna descuberta ha perto de três 
séculos no Peru , e ha muito poucos annos nas 
cabeceiras do Rio Cuyabá , he arvore alta com 
grossura ordinária de nove polegadas no diâmetro. 
As folhas sam redondas na baze , e pontudas no 
apicê ; luzidias , e d' hum bello verde por cima , 
betadas d' hum vermelho escuro , e brilhante na 
ametade vizinha ao peciolo ; com os nervos alter# 
nos, e parallelos. As flores , que estam em raci- 
tnos nas extremidades dos ramos , sam afuniladas 
com a orla partida em cinco lacinias ou divizoes , 
anais curtas que o tubo, felpudas, vermelhas no 
meio , listadas de branco , e franjadas nas bordas. 
O pistillo he branco , e alongado com o estigma 
verde ; e rodeado de cinco estames , recolhidos 
dentro do tubo da flor, e com as anthéras de cor 
amarella desmaiada. Cahida a flor, o cálice incha 
no meio ; e toma o corpo d' huma azeitona , con- 
vertendo-sé emumfructo, cujas sementes , que sam 
muitas , compridas , avermelhadas , grossas nq 
meio , e chatas nas margens , estam em <ioisjiloja. 
mentos, divididos por uma membrana dobrada: 
com ellas se propaga o género da planta tao utU 
á humanidade. '^^^^ 

O Algodoeiro he um arbusto , que começa a 
ramificar logo que nasce: suas folhas , com seme- 
Ihança de parra , tem cinco lobas: a corolla com- 
póe-se de dois cálices de diferente grandeza , e 
forma ; cinco grandes petalos , àmarellos , rodean. 
do uns aos outros ; iioi v^sto numero de estame* 



' IntròdúcçKo. 



ÍGJ 



radiinados em uma colnmna , por cnjo centro sobe 
com maior comprimento um pistillo , cie cujo ger- 
me se forma uma capsula com mais cie duas po- 
:legadas de comprimento, triangular, triíida , en- 
cerrando em três alojamentos um grande numero de 
pevides como de pêra , contíguas em duas ordens^» 
=e envoltas em uma lan branca , e comprimida, 
que lie o algodão , prodigiozo ramo do commercÍ3 

do paiz. 

: O Mo7^és , arvore de mediana altura , pouca 
grossura , e pequena copa , lie notável pela suik 
folhagem , que nada diíFere do feto: a sua flor ha 
branca com' forma de pincel ; e sua cinza boa 
para a lixívia do sabão. 

O Cafeeiro , ou cafez^eiro , oriundo da Ara* 
bia , e que tem admiravelmente prosperado no§ 
terrenos fortes , e frescos deste paiz, he um ar^ 
busto ramozo , com as folhas oppostas , íizás s 
pontudas em ambas as extremidad*es , e maiores 
que as do lotireiro. Â flor lie branca , inteiriça, 
tubuloza na parte inferior , e fendida em clncé 
lacinias pontudas na superior, outros tantos esta* 
mes pegados ao angulo das divizòes , e um pistil- 
lo De^ga^do ao receptáculo. O fructo he uma baga 
com forma de cereja preza por um pedículo gros- 
so , e curtíssimo. He fecundissímiO ; entorna muito 
maior crescimento quando plantado á sombra á& 
árvores grandes ; mas o fructo dos que estam ex- 
postos ao sol , he de melhor qualidade. 

O Tingay he arvore pequena com os ramos , 
é folhas alternos ;.. estas sam pequenas, e lanceo- 
ladas : a casca , e as folhas bem machucadas ,' e 
deitadas nos lagos , onde ha peixes, estes morrem^^ 
bêbados em breve espaço. 

c A Gerêmma he uma arvore pequena espi- 
nhoza , de foliia pinnulada , e miudissima ,^ qtie- 
ftícjia diariamente ao pôr do sol : - a flor imka a 

O ii 



r : 



108 



Intròducfãol 





H 



cio castanheiro ; o fructo he uma vagem : do seu 
lenho se faz carvão para as forjas. 

A Tahabui/a he arvore notável pela leveza 
do seu lenho , do qual apenas se faz mais do que 
rolhas , e hoyas : elle reziste a todos os instiu- 
?nentos menos aos que trabalham a cortiça. 

O Calumby he arvore pequena, de pouca co- 
pa ; folha mhidissima , pinnulada , que fecha ao 
sol posto , e abre pela manhan. Ha macho , e 
fêmea , ambos armados de espinhos como de sylva : 
o macho dá uma florzinha com forma de pincel; 
« o seu lenho he vermelho , durissimo , compacto, 
ie muito pezado,; e so serve para obras de raarcenei- 
raria ; porque apenas se acha um , ainda entre os 
mais delgados ^ que não seja ôcco. A fêmea tem 
flor semelhante á do castanheiro ; e a sua madei- 
ra , massiça , menos pezada , e veiada de verme- 
lho > e branco. Ambos fructiíicam em vagens cha- 
tas. .,:,,,: 

o Àngeíim he arvore de mediana altura » e 
inuito ramoza ; de folha miúda , e pinnulada ; a 
flor de cinco petalos , em espiga , de cor entre 
roxa, e encarnada; um pistillo , e nove estames : 
O fructo he uma capsula bivalve , cinzenta, ovalj 
onde se cria uma amêndoa oval , cuberta com uma 
membrana grossa , c que tem gasto na farmá- 
cia. 

A Çandéa he um arbusto tortuozo , que cria 
uma grande cepa : a folha he ordiiiariamente lan- 
ceolada , esbranquiçada pela face inferior: o páu 
secco dá uma boa luz sem fumaça, e poupa míiito 
azeite á pobreza do certão , que mette um tição 
accezo na parede, onde dura largo espaço dando 
chamma como um archote , ou como se fosse olea- 
do , donde lhe provém a denominação : e mettido 
no chão dura largos annos. 

O J^h^Cí lie ixflj sipó ddiçadissimo , que ape- 



latroducfãòl 



lOÇl 



nas excede à grossura dMiiima penna de galHnha ; 
íTias de extraordinário crescimento , sempre enros- 
cado com outro vegetal mais forte : sua folha lie 
miudissima , e semelhante á da giesta na forma , e 
tamanho: a raiz, que excede pouco mais a gros- 
sura do caule, e apenas com m.enos d'huma bra- 
ça de comprimento , tem um cheiro forte, e en- 
joativo ; e he um remédio approvado contra o ve- 
neno de cobra. 

A Herva de cobra he uma planta pequena , 
um pouco semelhante ao feto na follieatura : a 
ílor he pequena , amarella com cinco petalos ; e 
seu fructo uma vagemzinha. O nome , pelo qual 
lie conhecida , vem4he da grande virtude , qua 
tem para curar picadas de cobras , pondo-se as fo-, 
lhas machucadas em cima da ferida , e dando-se 
o sueco a beber ao paciente. 

O Alecrim bray^ilicu he um arbusto unica- 
mente semelhante ao do seu nome na cor da flor , 
na casca, e no lenho : a folha he muito semelhan- 
te á da hortelan ; mas miúda com o cheiro de se'^ 
gurelha. Ha outra casta áe alecrim , que só de dif- 
ferença daquella na flor , que he branca com a for- 
ma da de segurelha. Ambos gostam de terreno are-^ 
nozo , e secco. 

O Mangue he uma arvore pequena, de casca 
íiza , folhas grossas , e envernizadas ; dos seus ra- 
mos descem muitos rebentões nús , que se arrei-' 
gam na terra , e rebrotam ; de sorte que um for- 
ma uma balsa. Sd prosperam nas praias do mar y 
€ margeas de rios salobres. ,i 

Entre as multiplicadas espécies de palmeiras,' 
nota-se com particularidade a denominada Tucúm ,, 
ou Tycúni , cujo tronco he delgado , espinhozo , 
e de altura proporcionada : as folhas diferem um 
pouco da commum parecença , que se nota entre 
^iiazi todas as outras palmeiras; e de suas fibras^ 



I 



mi^ 



IntroãucfãK 





se faz íinhò , um pouco áspero , mas^histrozo cortiô 
seda , sem sinal de arestas ; e que pela sua rijeza 
todo se consome em instrumenros de pescaria. A 
experiência ha mostrado quanto elle he aproprian- 
do para certas rendas. .r 

Os viandantes observam frequentemente dií- 
versidades d'arvores ou plantas paraziticas arrei* 
gadas na casca d'outras , e nutridas só da sua subs- 
tancia : em outras partes plantas trepadoras de di^? 
cversas espécies , que se elevam ao topo das mais 
altas arvores , umas vezes desacompanhadas , ou* 
trás vezes enroscadas espiralmente com outra da 
mesma, ou de diversa espécie: muitas vezes se 
encontram estas compridissimas cordas de quatro • 
seis , e mais pernas. 

e Entre as arvores rezinentas notam-se o angí' 
CO , a que produz a gomma copal , a da alméce-^ 
ga , a do beijoim , a do estoraque: e entre âs que 
destillam bálsamo , nomeam-se em primeiro lugar 
a do Cabareigba , mais conhecido pelo nome de 
bálsamo do Espirito Santo ^ a do Capahyba , a 
do Cumaru, 

Entre as plantas medicinaes conta-se a salsa*^ 
parrillia , a epicuenha , a jalapa , a bútua , a ca-; 
nafistula , a quassia , a aristoloquia , a cahinana ^ 
a quina da terra , gengibre , cape ha por contrac- 
ção de caá-péba , á qual o vulgo denomina her-^ 
và de Santa Lu^ia^ pela grande virtude, que se 
lhe tem achado , quando he applicada a certas mo- 
l^stias dos olhos. O Palladio Portuguez relata a 
maravilhoza cura , e o methodo , com, quje uni> 
Cirurgião no Rio de Janeiro em setecentos oiten- 
ta e quatro , no decurso de três mezes , uzanda^ 
sá do sueco desta planta , restituiu ao seu antigo^ 
estado o olho d' hum soldado , que da picada d'hu-. 
ma baioneta tinha vazado „ todo o humor aqueo ,: 
cristalino 9 e yiçrep > ficando as túnicas , que com-) 



Introdu€çãõ, 



fii 



etnoêm o globo do olho , tão recolhidas para o ceri^ 
tro da orbita , que formava uma profunda cavi- 
dade em figura cónica. ,, " Maravilhozos effeitos 
se contam deste vegetal , que dizem ser regene- 
rativo da vista ; porque muitos de propozito picar 
ram os olhos dos gallos com instrumento perfuf 
rante , a fim de os vazar , e lançandolhes o sue- 
co , ou ainda o leite desta herva , adquiriram em 
breves horas estes animaes a regeneração do olho , 
e a restitiiição da vista. ,, 

O caruru , cujo sueco bebido com agua he 
nm remédio efíicacissimo para estancar o sangue» 
que relança pela boca; Betonica ; carqueja mm- 
to diversa da europea , com folha muito semelhan- 
te á do nosso alecrim , a flor branca, miúda, em 
alcachofra ; herva-ferro ; fedigozo ; filipodio ; her>- 
va de furucucú ; caròba ; malva; orelha cTonça 
<Í'ordinario com dois pés de altura , folha em fd^rr 
ma de coração , chata , felpuda por ambas as fa- 
ces , cor de peiola, etão flexível em quanto verr 
^e , como secca: enrola-se como papel, e soltaiiT 
£Ío-se torna ao seu natural , sem lezão das nerviir 
ras ; herva chumbo. ;^ 

Além das fructas , que acima mencionámos , 
ha ainda outras muitas , das quaes se devem no- 
tar a pinha , ou atta da grandeza do marmelo 
com a polpa molle , alvíssima, e saboroza ; fruçta 
do conde com a grandeza da precedente , polpa 
igualmente molle, e menos alva; mammão airida 
maior , de casca liza , amarella , e polpa da mes- 
ma cor ; pitomba-^ mocuge; a banana , cujo com- 
primento excede muitas vezes o diâmetro da giios- 
sura: ha três castas, todas em grandes cachos de 
muitas pencas : as plantas , que as produzem , 
fiam de bom crescimento , sem ramos , nem lenho 
no tronco , as folhas compridíssimas , delgadas, 
lizas com Jargiua proporcionada , e a nervura doi^ 




Intreducçãõl 

sal groâsissima ; sahem todas da rarj?: enroladas -» 
encapando umas ás outras , e formanda uma es* 
pecie de tronco direito, roliço, e inflexível; o 
ananás; com forma de pinha , e varias folhas no 
olho , saboro2.o , e de cheiro aromático : a plan- 
ta , de cujo centro eile sahe , asseraelha-se* miiitq 
á baboza. 

> Das fructas do paiz a mais louvada 

He o régio Ananá2; , fructa tão boa , > 

Qiift a mesma Natureza namorada 
Quiz como a Rey cingilla de Coroa. 

C ar amura C. VII. ^3» 

O maracujá he da grandeza de laranja, ob**; 
longo , regular , de casca grossa , dura , verde por 
fora , e branca por dentro , cheio d' hum liquido 
trasso i agridoce, semeado de pevides semelhantes 
■^s do mellão. A sua planta he trepadora com mui?» 
tos sarmentos compridíssimos , gavinhozos , quar 
drangulares ; folhas alternas, um pouco grandes > 
oblongas , grossas , lizas , redondeadas na bazç. 
Eis-aqui a descripção da sua flor ; . .1 

He na forma redonda , qual Diadema ■ 

De pontas , como espinhos , rodeada; ; 

A coinmna no meio , e tim claro emblema 
Das Chagas Santas, e da Cruz Sagrada; 
- Vem-se os três Cravos , e na parte extrema , 
Com arte a cruel lança figurada: 
A cor he branca ; mas d* hum roxo exangue 
Salpicada , recorda o pio Sangue. 

Caramurã C. VII.2Ç* 

As canas do assucar , a mandioca , a planta 
do tabaco , e a do matte , ou congonha , todas in- 
dígenas , e originarias do paiz > e hoje multiplica^ 



Tntrodacfcíol 



'tit 



dissimas Com o beneficio da cultura * subministram ou- 
tros tantos, e lucrozissimos ramos do Commercio. Çeey 

A planta do anil, e a opuncia encontram-se 
quazi por toda a parte: a primeira , que só pros- 
pera em terrenos fortes , lie cultivada ainda em 
poucas províncias; da derradeira , que ama terre- 
nos seccos , lie ainda desprezada a sua riquissima 
producção. Ha diversidades depimenta: a do Ma- 
labar , que só prospera em terrenos fortes , e fres- 
cos , começou a ser cultivada , ha poucos annos. 

A planta , a que o vulgo denomina maLicia dt 
mulher , lie rasteira, sarmentôza , espin-hoza , de 
folha miudissima , apinnulada , cujos folliiolos pro- 
curam os seus oppostos , e se lhes encostam imme- 
diatamente , que o sarmento foi tocado, conser- 
yando-se neste estado por bom espaço de tempo. 

Apindahyha lie arvore formoza , e de gran- 
deza proporcionada , e segundo a qualidade do 
terreno que a cria : sua madeira leve ; as folhas 
lanceoladas com uma polegada de largura , e tres' 
athé quatro de comprimento: fructifica em peque- 
ninos racimos , cujos poucos bagos fazem as vezes 
da pimenta do Malabar, 

Taruman he um arbusto com folhas lanceo- 
ladas de designai grandeza , e prezas tm numeroi 
de quatro ou cinco a um peciolo commum de com- 
primento assaz grande. O chá destas folhas dilue 
,5is pedras na bexiga. ^ 

Tom, /. p 

(eiO H£ verdade que as primeiras plantações das. ca- 
^as do assacar se iizeram com as transportadas da Ilha 
de S. Thomé , ou da Madeira; mas ellas foram achadas pe- 
los primeiros Certanisras no centro do paiz mais de duzen- 
tas léguas longe das povoações. Seja como quizerem : ellas 
sam nunto parecidas com as outras no exterior ; mas cont 
os nós muiio mais aproximados, e o interior cheio da mes- 
ma s-jbstancia que a da planta do milho , e muito suçcq* 
?a. Po seu sueco se faz também aguardente. 




Introdu cção, 

O jtqnítilá he arvore corpulenta , e dá tim 
çôeo com tampa, 

O jatuhá\ qiTe não tem este nome em to- 
das as proviucias , friictifica em vagens como o ta^ 

marinheiro. , - r 

O piqnihá lie arvore mediana , e da íriíctos 
como marmelos com casca grossa , e dura , e cheios 
d' hum liquor pardo , mui doce , e refrigerante com 
algumas pevides coma de maçan. ^ 

Macory he arvore grande, e de boa madei- 
ra: o seu fructo he do tamanho d' hum abrunho . 
amarello , odorífero , mui saborozo , e tem ua^ 
Sfrande caroço. 

Oytij he arvore mediana, e de boa madeiras 
seu fructo grande, saborozo , de cor , e figura cie 
pera-parda com um grande caroço , que moído ou 
raspado , e tomado em bebida ou cristel , he um 
efficaz remédio para curar diarrheas de sangue, 

O vínhatíco he alto, e direito , e fructiíica 
€m vagens com favas dentro. ^ 

As palmeiras ád^s tâmaras tão multiplicadas» 
e úteis em diversos districtos da Azia , e Africa „ 
cnde melhor prosperam, e naturalizadas, no Brazil 
pelos primeiros povoadores , não acharam ao de- 
pois aestimaçâo^Ie que gozam naquelloutros pai- 
zes Parece-me que só , e apenas sam conhecidas 
Ba provinda do Rio de Janeiro. Sabemos que fruc- 

tihcam. . . i . ^ . 

Ha variedade de raizes comestíveis : batatas 
de varias castas , inhames, mangarás , mangari- 
tos, carás , cujo caule sobe por um espeque ; a 
fíiencionada mandioca , da qual se faz o pão uzual 
do paiz: a sua planta, que admitte varias casias,,. 
be um arbustuío d' huma ou mais hasteas com ío- 
lhas dedáleas de grandes , e grossos peciolos , e^ 
que vam cahindo á proporção , que outras cres.-^ 
cem : a raiz dej)Ois de raspada: , e ralada he es- 



Introdacçciol 



its 



primida atlié ficar exhaiirida do seu abundante sue- 
co , que d'ordinario lie venenozo: epor fim terra- 
se nnm alguidar grande de barro ou de cobre, 
assentado sobre uma fornalha , athé ficar secca. 
Este vegetal s6 prospera em terrenos fortes , e em. 
quanto não estam cançados. Planta-se cavando a 
terra em pequenos montes , e mettendo em cada um 
ametade d' hum toro da hastea da mesma planta , 
que tenha um palmo de comprimento. O aypim 
lie uma casta de mandioca , cuja raiz se come co- 
zida , ou assada. O mindubim he uma planta de 
pouco crescimento com folha de feijoeiro ; e cria 
nas raizes umas como bolotas de casca parda , que 
encerram uma athé três sementes do tamanho , e 
forma dos grãos de bico, e comem-se cozidas ou 
Çe principalmente) torradas. A batata do ar he 
uma planta trepadeira , que , sem preceder flor , 
dá umfructo de forma irregular , sem caroço , nem 
pevides, cuberto d' huma pellicula ( verde) como 
.a da batata , da qual tem o sabor. 



P ii 



província 



D a 



RIO GRANDE DO SUL, 



U V 



BE SÂO FEnBO, 



:> l 



A 



S terras desta Provincia , que abrange a maior 
parte do terreno , que ficou ao Sul da Capitania, 
de Santo Amaro , ou não tiveram donatários ^ 
quando ElRey D. João o Terceiro repartiu a costa» 
Qu elles por alguma caiiza não effeituaram a co- 
lonização , assim como não a efFeituoi:i o Visconde. 
d'Assêca, nem seu Trmãojoão Corrêa nas grandes 
sesmaarias , que D. Pedro o Segundo llies dera nas 
Terras de S. Gabriel , que sam as adjacentes ao. 
golfão do Rio da Prata, (i) 

O Aome de Capitania d"ELRey , com que raras 



C I *) „ No felictssimo governa do Serenissimo Senhor prin-; 
Cipe D. Pedro com as doações , de que fez mercê ao Vis^ 
conde d'Assèca, e a seu irmão João Corrêa de Sá , de quan-, 
tidade de léguas no continente de S, Gabriel. „ Noticia díi 
justificação do titulo, e boa fé com que se obrou a Nova 
Colónia do Sacramento nas terras da capitania de S. Vicen-* 
te no sitio chamado de S. Gabriel nag margens do Rio. i1^, 
Prata. Lisboa ^m i68i. 




Província 

vezes tem sido designada , taU^ez lhe fosse da- 
do por ter fícado logo de principio annexa á Co- 
roa. 

Nos principios do século dezasete , ou fins do 
precedente mudaram alguns Vicendstas seus esta- 
belecimentos para as vizinhanças çla lagoa dos 
patos ; e seus descendentes foram -se estendendo 
para o Sul , e Poente , á proporção que os Indí- 
genas lhes largavam o terreno. 

Não devendo , nem podendo as capitanias dos 
irmãos Souzas alargar-se para fora dos limites 
prescriptos , como as te;rras estavam devolutas , 
estes povoadores foram sempre considerados como 
povos daquellas capitanias , € designados ora com 
o nome de Vieentistas^ ora de Paulistas ,ãth.é 
que com a creação da Provincia , tomaram o de 
Continentistas» ^ 

He a mais meridional , e uma das mais ex- 
tensas , e importantes. Jaz entre os vint'oito , ê 
os trinta e cinco graus de latitude austral ; çon^ 
^nando ao norte com as de S. Catharina , da qual 
he separada pelo rio Manbitába , e S. Paulo áé 
qnt he dividida pelo rio Pelldtas ; ao poente com 
o rio Uruguay , e provincia deste nome ; ao Sul 
com o golfo chamado Rio da Prata ; e ao oriente^ 
Com o oceano. Tem perto de cento € trinta lé- 
guas de Nordeste a Sudueste , e cem de lagur^í 
media. 

O clima he temperado , participando quazi 
igualmente do calor , e do frio ; o ar puro , e sa- 
dio : o Inverno começa em Mayo , e acaba era 
Outubro: o vento reina nesta estação do Sudoes-' 
te , e Oeste , e he frigido. O maior dia do anno; 
na parte mais meridional , em quanto o Sol anda 
próximo ao trópico de capricórnio ^ tem pouCQ^ 
inenos de quatorze horas e meia , como se dis^.e.' 
Á geada vê-se de Julho até Secembr^^. -'- 



do Rio Gran de do Sul de S.Pedro. 119 

He'paiz na maior parte baixo, e plano; re- 
gado de mimtrozas torrentes , e semeado de la- 
goas. Em nenhuma outra província ha tão abun- 
dantes pastos como na sua parte meridional.^ O 
terjeno he apropriado para diversidade de produc- 
çòes. Cultiva-se com grande proveito trigo , cen- 
teio , cevada, milho, arroz, arpista , legumes ; 
melancias , melões , cebolas com quazi todas^ aí 
hortaliças da Hespanha ; e ainda algum algodão , 
mandioca, e canas'd'assucar. O canamo , e o outro 
linho tomam grande crescimento. As arvores fruc- 
tiferas da Europa meridional prosperam aqui me- 
ihor , que as cõmmuns dVntre os trópicos: nen- 
humas sam tão fecundas , e tão prodigiozamente 
multiplicadas como os pecegueiros. A videira fruç- 
tiíica com abundância , e perfeição ; mas o vinha 
não merece ainda o nome de passageiro ; também 
ainda não se fizeram as diligencias para o me- 
lhorar. 

D. Pedro de Mendonça enviado por Carlos 
Quinto com oitocentos homens para estabelecer 
uma colónia no rio da Prata , em quinhentos trin- 
ta e cinco , assentou-a no lugar, cnde existe a 
cidade de Buenos Ayres , nas terras dos Maraco- 
íqs , em cujas mãos perdeu a vida , e a maior 
parte da suâ gente em quinhentos trinta e nove. 
O resto foi unir-se a um destacamento , que no 
anno precedente havia subido pelo Paraguay , e 
dado 'principio á cidade d* Assumpção. D. Pedro 
Ortiz de Zarate , governador desta cidade , res- 
tabeleceu a colónia do Mendonça , e fez nella 
sua rezidencia em quinhentos e oitenta; porque 
CS Vícenthtas não consentiam estabelecimentos 
Castelhanos na margem septentrional do golfo de- 
nominado Kio da Prata , do cabo de Santa Maria 
até a embocadura do Uruguay , donde fotam re- 
pdlidos cada vez que intentaram fazer alli assea- 



■í» 



íI20 



Província 



9 




l/iH|I 




„ ''fflMi 




í.,fr 1 







to , XpT) para servir de porto á cidade d*Assnmp- 
ção , onde não podiam chegar embarcações de por- 
re considerável, em quanto não se deu novo prin- 
cipio a B. A. razão porque alli se estabeleceram. 
-^ ^ Nos sessenta annos que Portugal esteve su- 
jeito a Castelia , se estabeleceram vários colonos 
^Castelhanos nas vizinhanças do rio Uruguay. Com 
© intuito de impedir a continuação destes estabe- 
lecimentos para o oriente , foi D. Manuel Lobo , 
governador do Rio de Janeiro , fundar a colónia 
do Sacramento por ordem do Infante D. Pedro 
#m seiscentos e oitenta. 

Passados sete mezes , a surprendeu D.- Jozé 
Garro, governador de B. A. com a barbaridade 
d' hum may^ulmano. Sendo restituída depois de 
três annos , e renovada por Duarthe Teixeira Clia- 
ves , Cs) tornou para o dominio de B. A. por aban- 
dono que delia fez o governador Sebastião da 
Veiga em setecentos e três , depois de larga , e 
valoroza rezistencia , retirando-se com toda a po- 
pulação , e preciozo em navios para o Rio de Ja- 
neiro , não tendo forças para rezistir por mais 
tempo ao sitio , que lhe pozera D. Alonso Valdez. 
*^Pelõ Tratado d^Utreck em setecentos e treze 
tornou a Colónia para a Coroa de Portugal ; e 
sendo de novo atacada em trinta e cinco por D. 
Miguel de Salcedo , governador de B. A. defen- 
deu-a valorozamente António Pedro athé receber 



(2) „ Os moradores de S. Paulo nos annos de trinU e 
seis, trinta e oiro, e quarenta expulsaram os Padres da Com, 
panhia das cazas de S. Cosme , S. Dimião, SfJnra Anna, e 
outras que tinh.im fundado nas terras de S. Gabriel, por ci-' 
ma do rio da Prata para a parte orjeníal ; e com efiíeito os 
deiííbiaram , e fizeram retirar para a provincia do Paraguay. „ 
O mesmo A. pag. 29. 

(3) Ass*m o MS. que tenho á vista : Rocha P. diz quç^ 
D.Fraacis-o Napsr de Laacastro fura o reediíicador ú,\ Co- 
lónia. 



do Rio Grande do SuV. 



Ill 



ttixilio ', a pezar da diutiirnidade do assedio ter 
reduzido a sua brava guarnição a comer cães , ga- 
t^s , e ratos. Com achegada do soccorro levantou 
Salcedo o sitio, tendodhe sido iiuitil um auxilio de 
muitos mil Tappes , que o Jezuita Tiiomaz Berley 
lhe trouxera. 

Em setecentos e cincoenta , com a subida do 
Senhor D. ]ozé ao Throno , celebraram as duas 
Coroas um Tratado de limites , que especificava cir- 
cunstanciadamente a Linha Divizoria , qiie devia 
servir de raia entre as respectivas possessões; ce- 
dendo uma da Colónia , outra das sete Missões , 
que ficavam ao oriente do Uruguay. 

A Linha Divizoria começava na boca do ria- 
cho ou arroio mais vizinho a Castilhos-Grandes ; 
continuava pelo mais alto do terreno , donde sa- 
hem os diversos rios que desaguam nas lagoas 
Mirim, e Patos até a origem do R. Ibicuí , e pe- 
lo seu alveo atlié entrar no Uruguay; aguas des- 
te acima athé a boca do Fiquirí , (4) que se lhe 
une pela margem direita acima do Sako-grande , 
€ pelo seu leito athé á origem: e dalli peio cume 
da serra mais vizinha a procurar a nascença do 
•rio mais próximo que desaguasse no R. Iguaçu; 
por este abaixo athé a sua embocadura no Paranná , 
que devia continualla athé a boca do Gatimim 011 
ígatimí ; aguas destt; acima athé o seu nascimento , 
onde devia procurar a origem do rio mais vizinho , 
qwQ fosse para o ParaguaV , em cuja confluência 
devia este 'coatinuaiia athé á foz do ]aurú: e da- 
qui por uma linha á xuargem esquerda do Guapo- 
ré : a^íias deste abaixo atié a paragem qae hca 
em ií/Udl distancia entre a sua embocadura i\o Ma- 
Tnm. I. Q 



y:^ 



(^4) 4 melhor dVizao era uma l nha recta da margem 
do Uruguay á do Paraimá no lugar, onde eiks mais se avÃ- 
xinham. 



m^ 



Pisoai nela 



m .Bi 



^■^ '.. 



Vi 



r^níiaili , e a coníliiêiicia do Mamoré: e daqneíl» 
paragem por uma linha L. O. a encontrar o ria 
¥abary i cujo leito devia servir de raia ^ílié m^ 
mencionado íMaranhão. ' -\ 

Os commissarios enviados por nma , e outra 
Coroa para demarcar a Raia em mil setecentos 
cincoenta e dois , chegando á nascença do Rio- 
Negro forem obrigados a voltar; porque os índios 
das mencionadas Missões , não consentindo na 
troca por sugestão dos jezuitas , se lhes oppuze- 
ram armados , e impediram a continuação da rnar^ 
cha.. A' vista do que determinaram os dois Sobe- 
ranos obrigar os Índios á^obecíiencia por meio das 
armas. Com este íim marchou Gomes Freyre d' A n-- 
drade , governador do R. de Janeiro com mil e 
tantos homens de tropa , e D. Jozé Andonaighi , 
Conde de Valdeiírios , governador de B. A. conl 
iropas dobradas.: 

Quando o exercito combinado marchava pelO 
terreno que medeia entre a origem do Caziquey 9 
^ a do VacCahy-guaçii , se lhe oppôz outro de 
láozemil Tappes determinados a írustrar-lhe o 
projecto. A dez de, Fevereiro de cincoenta e seis 
se deu alli uma batalha , em que foram denotados 
os Índios com perda de mil e quinhentos , deixando 
no campo algumas peças crartiiheria , e grande- 
numero d'ouiras armas. 0:S mais reCiraram-se ás 
Missões, onde pouco depois cb.egaram^ os vence«- 
dores. A pezar cia rezistencia todas íinaloiente se 
sujeitaram. 

Qs índios ,, segundo o Tratado , passaram á 
outra banda do Uruguay ; e Gomes Fieyre d'An- 
drade , tenda tomado posse do terreno , antes d'hir 
fazer entrega, da Colónia , teve avizo, de que sua 
prezença era indispensável no R. de Janeiro , para 
onde im mediata m^en te marchou. O exercito demo- 
rou-se alli imiitos mezes , desfrutando os trabaihaa 



do Rio Grande do Sul. 



m^' 



dos índios , donde finalmente se retirou ', e aquel- 
les tornaram para seus lares. (^5) 

Os commissarios , que em cincoenta e nove 
foram completar a demarcação , acharam no cam- 
po da batalha , na latitude de trinta graus treze 
minutos e onze segundos , uma cruz de páu arvo- 
rada com a seguinte inscripção em. língua Guarani: 

No biaço direito da face virada para o nor- 
te se lia : 



Omnium S 



to 



te 



rum 
tuo 



No esquerdo : O Ch."' Jesus. 

Pela hastea abaixo: Anno de 1756. 

A7 

de Febrero pipe 

omanò C. J, b. 
Tiarayu Guarani 
pipe sábado ramo. 
A 10. 



Pa, 



tie cr. 



oiço Gua 
e 



de Febrero p. 

rini guaçú Martes p." 
9 Taba Uruguay rebe 
gua 1500 soldados rebe 
liae beiaere Mburubicliarc 
ta omanô ônga ape. 
A 4 de 

Marzo p. oya pou ca 

angaco Cruz mtu D. 

IVl igu el IM o y ri s ol d . 
lepa upe. 

Q " 



(O Bon"ain\7ille em despique de não ter sido tragado 
no R\ de I. pei:> C. da Cunha c( mo dezejava , conta estíi ex- 
pedição mui diversa cia realidade. 






I 



IS4 Província 

Hum ponco ao Sul , nos campos áeTapógua- 
fã , tinham os mesmos commissarios encontrado 
um curral de madeira com capacidade para reco- 
lher quarentamil boys. 

Chegando a B. A. a certeza do rompimento, 
da guerra em sessenta e dois , d' improvizo man- 
dou o governador D. Pedro Cevalhos atacar fu- 
riozamente. a Colónia. Vicente da Fonseca , seu 
governador , depois d' liuma vigoroza rezistencia 
de vintecinco dias , á vista do Uorrivel estrago que 
lhe haviam cauzado quinzemil balas , e grande nu- 
mero de bombas , foi obrigado a capitular ; e sahiu 
com a sua guarnição a vintenove d'QuUibro. Dua^ 
iláiis com outras em!)arcaçoes menores enviadas do R . 
de ]. para reforçar a Praça , achando-a rendida ,per- 
tenderam restauralla ; mas sem eífeito , por se in- 
cendiar uma das naus no ardor do combate. Ce-- 
yalhos fez marchar as suas tropas contra os fortes 
de S. Miguel , S^nta Thereza v e Rio Grande dç 
S. Pedro. Todos se lhe renderam , por não haver 
sufficiencia de paizanos , que suprissem a falta de 
tropa: regular. Tão pouco se cuidava na povoação 
desie abençoado paiz. E tendo reduzido também a 
fortificação' da parte meridional da península , fez 
marchar' mil e seiscentos homens pelo poente da 
lagoa dos Patos contra o forte do rio Pardo. Este 
corpo foi fortiíicar-se com sete peças num campo, 
próximo a um bosque nas vizinhanças do passo, 
de ]acuhy, á espera de mais forças. Chegando dis-.. 
to noticia ao forte do R. Pardo, sahi.u uma com- 
panhia de dragões com os Paulistas , que puderam^ 
|untar-se , fâ^z^ndo todos o luimero de duzentos. 
e trinta homens , para lhes cortar a marcha. Ven- 
do que so podiam^ tirar partido atacando^os pela 
lado do bosque , e que este não dava tranzito á 
c^vallaria ,, gastaram alguns dias em abrir uma 
vereda através, delle sem jainais accender fogo,. 



do Rio Grande do SuL 



125 



com receio de qne o fumo frustrasse o seu projecto. 
Aberta a passagem , de noite favorecidos do luar 
cahiram dMmprovizo sobre o acampamento com 
uma descarga de espingardas , que o pôz em de- 
sordem , e retirada , deixando , muitas armas , 
mortos , e prizioneiros. 

A paz^de sessenta e três pôz fim á campanha. 
Cevaliios por ordem que teve , foi entregar a Co- 
lónia a Pedro de Sarmento , nomeado para íicar 
seu í;overnaclor. Ficando o R. Grande e outros 
prezidios injustamente debaixo do dominio da Co- 
roa C. athé o anno de setenta e seis , em que fo- 
íam restaurados pelo general Bohemi. 

Neste intervallo de tempo se estenderarn os 
Castelhanos pelo continente": então constrtiiram 
a Fone de Santa Tecla , demolido na restaura- 
ção; do R. Grande. Em setenta e quatro D. João 
]ozé Vertiz com capciozo pretexto aquartelando- 
&e com oitocentos homens de tropa na vargem 
próxima ao passo de Taguatingiiay , foi desalo- 
jado por duas companhias de Paulistas commanda- 
das pelos capitães Rafael Pinto Bandeira, e Jozé 
Carneiro. 

Na tranquillidade da paz uma armada ao com- 
utando de Cevalhos , havendo-se apoderado da Ilha, 
de Santa Catharina , foi ancorar defronte da Co- 
lónia , que se achava desprovida de viveres , por 
não terem chegado navios de commercio , e estai 
o povo sustentando-se dos armazéns reaes , que 
por uma averiguação exacta se viu chegavam ^ sd 
para cinco dias. O governador, prevendo a im- 
possibilidade de soccx)ro , diligenciou salvar esta 
porção de vassallos a seu Sobrrano por uma ca- 
pitulação , a qual sendo-lhe grosseiramente rejei- 
tada , entregou-se '0 discrição. A' excepção dos. 
QÍficiaes com suas famílias , e alguns paizanos ^ 
qiiç com com dinheiro conseguiram a liberdade da 



'í. 



\3 



i ', 



4J 




1^6 



Província 



rraiisportar-se ao R. de J. os mais foram condii- 
zidos á sua própria casca aos contornos de Men- 
donça , e Córdova para aiigmentar a população , 
e^agricuítura. Cevalhos portou-se com impiedade, 
não dispençando destas marchas a mulheres , cujos 
maridos se achavam gravemente enfermos no hos- 
pital de B. A. , outras carregando nos braços os 
iTioribundos filhinhos cubertos de bexigas: tão mau 
lie o homem ! 

A perda da Ilha de Santa Cathariíia , entã^ 
niais considerável pelas consequências , que pelo 
seu valor, fez celebrar um Tratado de paz entre 
as duas Coroas no mesmo anno eh setecentos se- 
tenta e sete ; e estabelecer nova Linha Divizoria 
na parte meridional somente , cedendo uma da 
Ilha mencionada , outra da Colónia já demolida » 
e da provincia do Uruguay , deixando mais para 
neutral o terreno , que medeya do arroio Chiiy , 
limite antigo , atlié Thahim. A tanto obriga a fra- 
queza ! 

A L. D. endireitava pela origem do rio Aricâ 
aoseptentrião , procurando a boca áo Pej eri-qua- 
fii , ou Pequerí tomado já na precedente demar- 
cação ; mas passada a correnteza das setequédas , 
devia subir pelo rio l Qiirey , da mesma sorte que 
athé então pelo Tgatimy , athé ao Paraguay. 

Chegando á Villa de S. Pe 'ro , em Uinho de 
oitocentos eum , a certeza de ter S. M. Catholica 
declarado guerra a Portugal , em ontinente man- 
chou o governador affixar no corpo da guarda um 
Edital para que se reconhecesse a nação Castelha- 
na por Inimicra ; a pezar de não lhe ter vindo or- 
dem da Caoital , para fazer a declaração , segundo 
a fonnaHdade do e-^tilo : perdoando por outio em 
nome de S A.R. o P. R. a todos os dezertores , que 
se aprezentas^e.7^ para pec^ar em armas. Neste come- 
nos lhe chefiou a Carta d'Oííicio do Exc.«io Vicerey. 



do Rio Grande do SiiL 



127 



A campanha principiou com a marcha da Tro- 
pa CíH dois corpos conjmandados pelos Coronéis 
Patrício Corrêa da Camará para a fronteira do R. 
Pardo, e Manoel Marques de Souza para a do R. 
Grande. Pelo estreito entre a lagoa Mirim , e o 
oceano marcharam Simão Soares , capitão de Mi- 
licias , e]o7é Antunes , Tenente de Dragões com 
cento e cincoenta homens contra o acampam.ento 
deChuy , que foi su^prendido , saqueado ^ e aban- 
donado sem perda , nem ferimento d' hum só ho- 
mem de parte a parte. O corpo , qtie passou á 
outra banda do Rio de S. Gonçalo , íez alto no 
posto q\q Herval , defronte dMuins avançados, 
que os Castelhanos tinham ao norte do Jaguaroii > 
e abandonaram iogo que viram aproximar' os nos- 
sos , os quaes avaiiçando lhos den-.oliram. O mes- 
mo aconteceu em todos os outros destacamentos ^ 
que se estendiam athé a vizinhança do Jacuhy ^ 
sem exceptuar o de Santa Tecla , que igiiahnente 
foi desmantelado.. 

Na retirada das guardas inimigas para o posta 
do Cerro-largo , que fica do'7e léguas ao Sul do 
Jaguaron , se encontrou a do Batuví com uma par^ 
tida nossa , que a pôz em fugida , tomandoThe 
seis carretas de munições , armas , ferramentas , 
vivereis , e alguns instruDiento:s mathematicos. 

Os nossos postaram- se sobre o lado septentrlo- 
Bal do jagiiaron , e os Castelhanos no m.-ridional , 
obk-ervancio-se de parte a parte , athé que dois- 
capitãts de Milicias com duzentos homens , e ura- 
Alferes com vinte legionários atravessarani o rio 
eiTi biisca dMiuma partida Castelhana que discorria 
pelo campo ao commando dVaitios dois capitães. 
Logo se encontraram, e bateram. : os nossos volta- 
ram, com cincoenta prizioneiros , havendo padkla 
dois homens. 

Pouco depois passou também á outra banda 



m 



i '. 



lèS 



Provin Clã 



U" 'ivi-l 



■!■ ' ,lí 



ii^^' ':■ 



' A- 




Jk 



do rio um coronel com mil e diizenros homens; e 
um tenente com três peças de campanha, e mar- 
charam para o cerro-targo , onde o inimigo se ti- 
nha fortificado , e onde^cliegaram depois de três 
dias. Fazendo alto quazi atiro de canhão defronte 
d':hum fortim, logo a guarnição se poz em defen- 
sa ; e os nossos antes de ter perdido muitos tiros , 
experimentaram o dezastre de se lhes incendiarem 
alguns cartuxos depolvora, ficando o ofiicial assaz 
maltratado, e uma desordem na cavallaria , por se 
espantar um cavallo , e fazer perder a forma aos 
©utros. 

O inimigo prezenciando o successo , e que- 
rendo utilizar-se delle , fez sahir um esquadrão 
de cavallaria, o qual achando a nossa já ordenada, 
foi obrigado a retroceder. Este pequeno successo, 
€, a pouca gente com que o commandante do íor- 
tim se achava para continuar a deiensa , o obri- 
l^aram a capitular , ficando -os nossos senhor^es da 
fortificação com quatro peças de pequeno calibre, 
e um bom provimento de barracas de campanha. 
Porém receando a chegada d'aígum reforço de Moa- 
tevidio , com o qual não tivessem partido , desman- 
telando o fortim, vierampostar-se no lugar donde 

haviam partido. , 

Pouco depois chegou a margem opposta o 
grande reforço , que sahira de Montevid o para 
toccorrer o passo de cerro^largo. Os nossos mos- 
traram-sedhe rezolutos a imoedir-líie a passagem. 
Neste estado estavam as coizas nesta paragem, 
quando chegou a certeza da paz. 

Montes Nesta Província nao ha serras, nem 
montes de altura considerável: os maiores ficariam 
em sdencio em outras provincias , âinda que nao 
fossem montanhoyas. A única serra notável he a 
cordilheira, que vem do norte se.upre a vista da 
Eiar , e no paraílelo de vuitenove graus e meiQ 



do Rio Grande do Sul. 



1^9 



vira para o occidente , e depois para o noroeste 
com algumas torliiozidades , quebrando em muitas 
partes para dar passagem a vários rios, como sam 
êntr'outros menores o Tacoary , o Jaculiy , o Uru- 
guay , o Yguaçú , e o Paranná , que nesta para- 
gem forma a correnteza das Seteqaédasi Serra-^ 
geral lie o seu nome. 

O monte de S, Martinho , aliás Monte- cjrande 
he uma porção daquelia serra quando divide a pro- 
vincia da do Uruguay, 

Monte Vidio , ou Vidéo , situado no lado oc-^ 
cidental da haiiia , a que dá o nome , he vistozo , 
e o único alto nas vizinhanças do mar. 

Castilhos-grandes he um outeiro (junto á 
ponta do seu nome) coroado de penedos ^ que pa* 
recém torreões. 

O Pão d'assucar está sobre a praia quatro 
léguas ao poente de Maldonado : e o Monte de 
Santa Luzia pouco a leste do rio deste nome. 

A chamada Serra dos Tappes , não passando 
d' hum terreno pouco levantado , corre parallela 
com a lagoa dos Patos em distancia de quatro atíié 
sete léguas com quinze de comprimento N, S. e 
em partes cinco de largura: a do Herval fica mais 
ao septentrião por detraz daquelia. 

Chamam-se Cochilhas as cadêas de collinasi 
de grande extensão com pastagens para os gados * 
e sem arvores. 

O mencionado Pão d'assucar , he a extremida-^ 
de meridional da chamada Cochilha-grande , que 
se estende para o norte athé a origem do rioAri- 
çá : he verdade que era muitas paragens a sua ele- 
vação he imperceptível , parecendo campo: delía 
partem outras muitas para um , e outro lado aU 
ternadamente com os rios , que também nella prin- 
cipiam. As do lado Occidental sam-nos desconheci- 
das : as maiores das orientaes sam: d^ ào Herval ,, a 
Tom. L R 



ÍS<5 



Província 



km 



do PíraXínim nas proximidades dos rios destes 
nomes: Babiraqtiá nas vizinhanças do Cí^m^JrwúfTi. 

Chamam-se serros as porções mais elevadas; 
das serras, e cochilhas de forma circular, pontu- 
das , e destiCLiidas de vegetaes , de cujas sumida- 
des se descobre grande extensão de terreno ; e por 
isso tem servido de atalaias muitos para fazer si- 
íiaes nas occazioes de guerra. Os principaes , co- 
meçando ao longo da Lagoa-Mirim , sam: sérro' 
largo entre os rios Cliuy , e Jaguaron ; o serro da 
Vigia nas vizinhanças do derradeiro rio; o serro 
Bahú na cochilha-grande ; o Irajassé próximo ás 
cabeceiras do Rio-Negro ; serro Peitado sobre a mar- 
gem septentrional do Piratinim ; o serro Bativi per- 
to da origem do Vaccahy ; SanM Maria numa 
ponta da serra geral próximo á nascença doVac- 
Cahy-mirim ; Maria-pinto em cima da cochilha 
Babiraquá ; serro Peílado da Encra7jlhada sito 
nas cabeceiras do rio Iroy ; Vigia da Encrueci" 
Ikada sito em cima da cochilha Babiraquá, deno- 
íninada naquelle sitio a EncruT^iíhada \ serro de 
Mattbeus Simões á margem do Capibary ; Bit- 
tucaray na margem do rio assim chamado '^Mon- 
talegre na margem septentrional do rio Pardo; 
Montenegro sobre o rio Cahy ; Capucoya em ci- 
ma d'ontra ponta da serra-geral , e junto da mar- 
gem m.eridional do rio do Sino ; oItacuLomy pou- 
co distante daquelíe na mesma ponta da serra ,^ e 
vertentes do arroio dos Ferreiros. D'alguns avis- 
tam-se outros em distancia de vinte léguas. 

Rios, e Lagoas. Quazi todas as torrentes des- 
ta Provinda sahem delia por dois canaes : o R. 
Grande de S, Pedro , qu€ desagua no meio da 
costa orientai , e o R. Umguay , que desemboca 
no Paraguay. A. cochilha-grande divide m con- 
toeates d' hum , e outro. 

OUruguay principia na falda da serra , que 



;í!^-.,.' ' V 



NP 



do Rio Grande do Sul, 



I3Í 



«e prolonga com o oceano : corre diíataclo espaço 
ao poente com o nome de Pellótas qiiazi sempre 
por entre ribanceiras de rocha a pique , recolhen- 
do os rios Caveiras , Canoas , Cachorros , e Cor- 
rentes , qne sahem ou da falda , ou da vizinhan- 
ça da mesma cordilheira , e regam a parte mais 
meridional da Provinda de S. Paulo , designa- 
da com o nome de Campos da vac caria , que 
abrangem também a porção desta , que fica de 
serra acima. Aqui toma o nome com que aca- 
ba ; e já caudalozo curva para o sudoeste , en- 
grossando ainda com outros que se lhe unem por 
lUTi , e outro lado , entre os quaes se nota o men- 
cionado Pepcry. Na latitude de vintenove graus 
e meio recolhe pela esquerda o considerável Ibi- 
cuí ; depois o Mirinay pela direita , quando já pro- 
cura o Sul ; e ultimamente o Rio-Negro pela mar- 
gem oriental. Descreve muitas tortuozidades ; for- 
ma grande numero de ilhas ; e dá navegação a 
grandes lanchas athe o primeiro salto grande , que 
fíca obra de dez legoas abaixo da confluência do 
Ibicuí : as canoas sobem athé o centro da Vacca- 
ria ; não sem grande trabalho por cauza das mui* 
tas cachoeiras , e correntezas. 

O Ibicuí nasce nos campos de lapóguassúz 
C6) depois de muitas léguas ao poente volta ao 
Septentrião por espaço de vintecinco , augmentan- 
do consideravelmente com os que se lhe encorpo- 
ram por um e outro lado , sendo hum delles o Ca- 
7jiquey : um pouco abaixo do qual se lhe une o To-^ 
ropy , que he maior , e vem dos campos da Vac- 
caria , procurando o Sudoeste , e traz comsigo o 

R ii 

(6) lapoguassu , que segundo dizem significa j)antano- 
grande , occupa um terreno de considerável área cortada 
^elo parallelo de trinta e um. 




::i: 



Í\''t 



.% 



n^ 



Província 



Ibíciíí-mirim , que se lhe junta peia esquerda um 
ponco acima. Nesta confluência , designada pelo 
nome de Forquilha , onde fica mui largo , volta 
para o occidente , alargando de cada vez mais, 
ide sorte que muito acima da sua embocadura jâ 
tem quatrocentas braças. Pouco abaixo da Forqui- 
íha se lhe junta pela direita o considerável }a- 
guarí , que vem dos mencionados campos da Vac- 
caria. Suas beiradas sam cubertas de matos , sta 
alveo tortuozo , e semeado d' ilhas , sua corrente 
quazi sempre tranquilla , e navegável athé perto 
das cabeceiras dos que o formam. 

O Rio Necjró tem stia origem muito próxima 
é do Ibicuí : corre sempre ao Sudoeste, engros- 
sando com um vasto numero de torrentes , e en- 
corpora-se cora o Uruguay cinco léguas antes dei^ 
le sahir no rio Paraguay , oti da Praia , depois de 
ter regado um terreno d'oitenta legras povoado 
em grande parte de gado vaccum. O seu maior 
confluente he o rio Hy , que se lhe une perto ae 
vinte léguas acima da sua embocadura , depois de 
trinta e seis de curso L. O. por um terreno ricD 
em criações de gado. 

O rio de Santa Lu^Ia , ao qual dam perto 
de quarenta léguas de ctirso através d' hum terre^ 
no fértil , e abundante de pastagens , e povoado 
de gado vaccum , e desagua quatro léguas ao poen- 
te de Montevidio , havendo recolhido um pouco 
acima o rio cie S. Jozé pela direita , com o qual 
fica largo , e profundo : he navegável, e forma 
«m bom porto na embocadura. 

O rio Jacuí Q\\o dos jacus) fórma-se na 
parte occidental dos campo? da Vaccaria com a 
união de varias ribeiras , que a regam, € donde 
sahe já considerável. Poucas léguas depois de ter 
atravessado a serra-geraí , viia para Lrste , des- 
creve aiiúuduaas revÍA^ voltas por espaço de trinta 



n 



do Rio Grande do Sul. 



133 



jegiias em linha recta; e de repente volta para o 
Siú , e vai entrar mui candalozo depois de quinze 
milhas no lado occidental da lagoa dos Patos, 
obra de quatro léguas abaixo da sua extremidade 
septentrional. 

Entre outros menores que o engrossam depois 
qn^e sahe da serra , nomeam-se o Vaccahy ,^ que 
nasce poucas léguas ao norte d© Ibicuí-guaçá ^ e 
traz comsigo o Vaccahy-miíim , cuja origem dista 
pouco da do Jacui-mirim. Estes nomes foram lhes 
postos depois que suas margens começaram a ser 
povoadas de gado vaccum. Corre manso ; não tem 
cachoeiras ; sua navegação he fácil. O Ira/ uan , 
que traz comsigo grande numero de ribeiras quazi 
todas d'aguas turvas , salobras , e mui frias. Nas 
suas margens em muitas partes acha se uma casta 
de pedra molle , e negra com porções brancas como 
de prata; arde como cepa, e então exhala cheiro 
cl'enxofre , ficando em carvão mui leve , que para 
nada mais presta. O Butucarai , que vem do nor- 
te , e tem uma ponte. Perto da sua foz está o 
passo do fandango. O Pzí/z^êt/ encorporado co^n 
irahy , ou Iroliy , que vem do morro partido. Q 
Tubatingahy , que se forma entre serro partido, 
€ a encruzilhada. O V^. Fardo , que vem de serra 
scima por entre matos , e nao dá navegaç&o por 
cauza da muita penedia do seu leito: passa-se ena 
ponte. O Capibarí , que vem do mencionado morr© 
partido. O rio das Antas formado de varias tor- 
rentes , que sahem da falda , ou vizinhança da serra 
do mar, depois de grande espaço contra opoente^ 
volta para o Sul , recolhe o Tibícoãrí ^ ou Tacoa^ 
ry , tomando-lhe o nome , e depois de dez léguas 
entra no Jacuhy , do qual lie o maior tributário^ 
Dá navegação a hyates athé :a confluência , onde 
perde o primeiro nome. As terras adjacentes saía 
íertilissimas : criam formosos pini^eirus ^ e oiUxja^ 
arvores de boa. xn^cleirii. 




1^4 



Província 



,',1:^1' 



, 'íli 



^% 



Vv 



o Jacnhy ^doze léguas abaixo do Tacoari) 
na paragem onde de repente vira para o Sul , 
toma boa meia légua de largura , formando uma 
bailia , onde recolhe o rio Cahy , que vem dos 
campos de cima da serra com mais de vintecinco 
léguas de curso quazi ao Sul , e dá navegação a 
hyates por espaço de déz ; o rio do Sino , pou- 
ÊO menor , que nasce em cima da mesma serra 
tnais ao Sul , e corre ao Sudoeste , navegável por 
largo espaço: o rio Gravatahy , que principia na 
ínesma serra mais ao Sul do precedente , corre ao 
mesmo rumo , e dá navegação por espaço de cinco 
léguas. Também lhe chamam rio d*aldea. 

Osrios Igarupay , Daymar , e Gualeguay sam 
os principaes , que entram no Uruguay pela es- 
querda entre a boca do Ibicuí , e a do R. Negro. 

Ode Maldonado , os dois deSoliz pequeno , e 
grande desaguam no golfão do Rio da Prata. 

Rio Grande de S\ Pedro he o nome do de- 
saguadoiro da lagoa dos Patos , e poderá ter três 
léguas de comprimento quazi N.S. e uma de lar- 
gura. Fica sessenta léguas ao Nordeste do cabo de 
Santa Maria. As terras lateraes sam muirazas sem 
arvores , ou edifícios , que o indiquem aos nave- 
gantes , os quaes sd em distancia de duas léguas 
com tempo claro distinguem a sua abertura , onde 
o fluxo , e refluxo raras vezes se move manso. O 
canal he variável: nenhum navio entra, sem que 
venha pratico de terra para guiallo com uma em- 
barcação de duas proas , em que vai diante athé 
o porto. 

A Lagoa dos Patos , que tomou o nome d' huma 
nação hoje desconhecida , como dissemos , he a maior 
do Estado , tendo quarenta e cinco léguas de com- 
primento do Nordeste ao Sudoeste parallelamente 
com a costa , e dez na maior largura com fundo 
para navios de íuedi^ao porte , e alguns baixos 



do Rio Grande do Sul. 



ns 



perigozos. Suas aguas sam salgadas na parte me- 
ridio^nal; as margens geralmente razas. He o re- 
ceptáculo de qua^zi todas as torrentes , que regam 
a parte septentrional , e oriental da Província , e 
cujos canaes principaes sam a boca do Jaculiy aa 
Norte, e a do Rio* de S. Gonsalo ao Sul. 

A Lagoa Mirim , que quer dizer pequena 
comparativamente áquelloutra , sendo de vinte seis 
léguas de comprimento com sete para oito na maior 
largura, está^ também prolongada com a costa, e 
desagua para a dos Patos por um Canal de qua- 
torze de comprido , largo , vistozo , e navegável , 
que lie o mencionado Rio de S. Gonsalo, 

O rio Saboyaty , depois de ter recolhido oii- 
tros muicos , desagua caudalozo perto da extremi- 
tlade meridional da lagoa Mirim , e dá navegação 
por muitas legoas, 

O rio Chaij , que não lie considerável, de- 
sem.boca qaazi no meio da mesma lagoa: e mais ao 
Norte o ] aguaron , que principia perto da lagoa- 
formo7,a: dam-lhe vintecinco legoas de curso, e 
cinco , ou seis de navegação. 

O rio Píratinim , que tem sua origem na vi- 
xinliança da lagoa-formoza , desemboca no meio 
do de S. Gonsalo dtpois de trinta legoas de cur- 
so , e dá navegação por espaço de dez milhas. 

O rio de Peilotas nasce na serra dos Tappes , 
iine-se ao de S. Gonsalo junto á sua embocadura , 
e dá naveí^ação a hyates por quatro athé cinco le- 
goas. Delie toma nome a forraoza enseada, onde 
desemboca o que o recolhe. 

,, Pdssando a boca do rio de S. Gonsalo , o 
primeiro que se encontra he o Contagem , que 
poderá ter qiiatorze legoas d'exten.são: o segundo 
lie o Correntes : o terceiro o Cangufú navegável 
por algumas léguas: o quarto corre com o nome 
de S.Louren^v : o quinto , denominado B-oqu^i^ 



13® 



Provtn cia 



' :'l 



M 



„ '\ 



rA4 



^\j 


i 


1 


■ 


1 


1 



rão , menor que de todos, vem como elíes da Serra 
dos Tappes. „ 

,, Acima do Boqueirão' , no meio da lagoa dos. 
Patos desagua o Camapadn por cinco bocas for-, 
madas por quatro ilhas , das quaes á maior tem 
meia légua de circuito. Vem da Cocliilha-grande 
com mais de trinta léguas de curso rápido por en- 
tie serrotes de penedia, e só dá navegação a hya- 
tes por distancia de quatro léguas , sendo para ci- 
ma cheio de caciíoeiras. Pelo lado meridional re- 
colhe quatorze torrentes , das quaes algumas tem 
rnais de dez léguas d'extensão , e pelo septentria- 
nal quinze sem que nenhuma passe de cinco. As 
meridionaes , começando na foz do que as recebe , 
sam. : a do Pereira , que principia na serra dos Tap^ 
pes ; a do Cardo:^o ; a do Evaristo ; a do Mei-. 
rélles ; o Sapata , aliás Carahy , que vem da 
mesma serra ; o Arroio das pedras ; que principia 
perto do sitio chamado Igatimt ; o do Almei' 
da ; o Arroio- grande ; o Velhaco , qiie principia 
na colhilha-graade junto do serro Bay , e corre 
por sítios fragozos : o do Fagundes , que corre 
cinco léguas por entre rochedos com muitos saltos : 
o áo Rodrigues , que foge despenhado, e espumo- 
zo por penedias; o Arroio áapalma , que he con* 
sideravel , sereno , piscozo , e navegado por em- 
barcações menores : as capibáras andam pelas suas 
margens em rebanhos de sessenta, e cem: o Ca- 
macuan-chico também vagarozo , e recolhe entr'-» 
outros um chamado Tigre, As terras adjacente^ 
sam campinas aprazíveis , e férteis em trigo. ,, 

Passando a foz do Camapuan para o norte , 
eneonrra-se a do Daro , ou Duro, que corre por 
campinas sem ribanceiras , nemm.atonas suas mar- 
gens , e forma algumas lagoas: depois o Velhaco ^ 
que corre apressado por entre matos : adiante o 
Passo-graadey vagarozo com matos celas, margens,^ 



do Rio Grande do Sul. 



137 



Subindo pelo Jaciihy acima atlié Portalegre 
encontram se á esquerda o . /Irafá , que principia 
na ponta da Seira do Herv^h; o d^Antonio Alves y 
que três léguas acima da sua foz recolhe o Doa-r 
darilho , e dá navegação a Iiyates. 

Na extremidade septentrional da Lagoa do 
Patos desagua o rio dos Palmares , que principia 
nos campos vizinhos ao Tramandahy, ^ 

' Três léguas ao poente corre o CajAbarí ^ que 
só he corrente no inverno, em quanto 2ilagoa da 
Serra, aliás dos barros recolhe as aguas de vários 
regatos, sendo delia o desaguadoiro. Esta lagoa» 
que poderá ter cinco léguas de comprimento , e 
uma athé doas de largura , íica paralleía com a 
cordilheira. As ruhTierozas capibaras , que povoaní 
snas margens, lhe deram o nome. O terreno atra- 
vessado por estes rios he plano , d'arêa fina , e era 
grande parte alagadiço ; mas cria herva , mato, e 
plantações. 

Ao longo da costa , que corre do Cabo de 
Santa Maria athé Castilhos-pequenos , ha varias 
lagoas na proximade do mar. 

A lagoa da Mangueira , que tem vintetres 
léguas de comprido , e qiiazi sempre uma de lar- 
go , está prolongada no incervalio , que medeya 
entre a costa , e a lagoa Mirim , para onde desar 
gua na extremidade septentrional por um esgota- 
doiro chamado arroio ThahL/n. Ao norte delle es- 
tá dilâgod. Cajubd com seis milhas de comprimento. 

Na peninsula , que medeya entre a costa , e 
a Lagoa dos Patos , e cuja largura lie de duas athé 
seis léguas , ha grande numero de lagoas ordina- 
riamente pequenas , das quaes umas desaguam pa- 
ra aquelloutra, as mais para o Oceano. Entre as 
que se escoam para o poente, nota-se (n^ parte 
meridional) a d^s ca/nòàras , na qual desagua um 
arroio d*agua pura , e limpa , que rehcuta. com 
Tom, L ' S 



.!. '. 




f3^ 



Provincia 



i:i^ 



yv\:^. 



'!;!' 



'' ú 



\m. 



i. 



X :> 



\\\ 



¥ 




força admirável , e he a melhor fonte da pèiiin- 
sitiai que todavia não he falta d'aguas potáveis^ 
No lado orientai nota- se a lagoa de Mostardas ^ 
rnais conhecida pelo nome de Lagoa do Peixe com 
nove léguas de comprimento , pouca largura , cin- 
co athé oito palmos de fundo , prolongada com o 
mar , para onde desagua por um sangradoiro , quê 
^ natureza aÍDre , e entupe annualmente , pelo qual 
éíitra iMunensidade de varias espécies de pescado , 
êendo a mais numeroza a denominada miracjo.yã 
com figura de bacalhau. Com esta mesma se com- 
punicam varias outras , que ficam ao norte enca- 
deadas por seus desaguadoiros. Perto da derradei- 
ra , que termina náo longe de Barros-vermelhos , 
começa outra cadeya semelhante , em pouca disi 
tancia da praia , ecom ella prolongada por espaço 
de vintecinco léguas ao menos. Em um dos Mss, 
que nos soccorrem, acha-se: ,, átEarros-verme^ 
lhos a pouca distancia para a banda do mar 'ha 
lima lagoa pequena , que tem seu desaguadoiro 
ém outra maior que acaba nos capões cio Retuvd^ 
do distante uma légua , e tem seu sangradoiro em 
outra que acaba d'ahi légua e meia. Adiante ha 
duas lagoas emparelhadas ; e mais adiante outra 
iiinto ao capão do Xavier em distancia de duas 
léguas , a qual desagua noutra maior chamada da 
€h arqueada por terminar no sitio deste nome; e 
tem seu sangradoiro em outra pequena , que des- 
agua para outra igual , e esta em outra maior, 
jque acaba no capão das tacoáras. A ultima des- 
agua na do Çuintão , que he grande , e sangra* 
se na ási Cidreira , que he dividida em três saccos 
€U lagos communicados por gargantas , ou sangra- 
doiros grandes , occupando uma extensão de qua* 
f ro léguas e meia. Esta da Cidreira tem um canal 
de duas milhas de comprimento para a dos campos 
^Eiòeuo , que termina junto ^o passo do Ar^. 



do Rio Grande do Sai. 



ofS9 



rcio , o qual he o seu sangradoiro para o rioTra^ 

mandahy. „ , t^. i i 

O R. Tramandahy , ao qual Pimentel cíia- 
ma Taramandabú , e que se acha na latitude de 
trinta graus , tem poucas ieguas de curso , nuo 
geado mais que o desaguadoiro d' hum grande nu- 
mero de lagoas em que se esgotam os extensos 
campos , que medeyam entre ^ praia , e a cordi^ 
Iheira. Nelie desagua também o mais meridionaj 
d'outra cadeia de lagos , que se estende ao lont 
go da mesma cordilheira para o septentrião atlié 
bem perto do rio Mombitúba , em cuja foz ha um 
destacamento para registar os que entram , ou sa- 
bem da Província. (7) 

A mencionada península, formada pela Lagoa 
dos Patos com. o Oceano , he de terreno razo com 
um pequeno albardão (8) pelo meio ; e sendo 
quazi em linha recta pelo oriente , forma varias 
pontas , e enseadas no lado contrario» Entre as 
primeiras notam-se (começando pelo Sul) a Ponta 
do Mandanlia , onde se ham achado vestígios d' \\\\¥ 
©ia povoaçtio , e cemitério d' Indígenas : depois^ 
f ont^ ra7^a. Entrellas desagua a mencfonada lagoa 
das capiharas, A do Estreito. Na enseada media 
chamada Barrancas , e que he o melhor abrigo 
desta lagoa para todas as embarcações , desaguara 
íilguns arroios em um dos quaes entram canoas , 
em outros lanchas. A de Bajarú seis léguas mais 
ao Norte. Na enseada media , e do mesmo appellido 
desemboca um arroio abundante , que forma uma 
ilhota na barra. A de Christovam Pereira seis le- 

S li 

(7) No espaço cFonze léguas, que medeya entre o 
Tramandahy , e o Mombitúba , sahem na praia quatorze aN 
rolos d'agua cristallina. 

(8)^ Com o nome d'alhardão designam aqui as peqi,ii- 
xm coe hi lhas, :.'' 



I X. 





Proaincla ' '- 

nas mais adiante. Na enseada qne lhe fica ao 
ul , ha dois voluniozos montes de cascas de ma- 
riscos , osqnaes provam quanto os Indígenas uza- 
Vam deste alimento. A poma, e enseada á'àCaei-^ 
ra estam mais ao Norte , e sam as derradeiras no- 
táveis. He terreno geralmente muito arenozo ; 
mas tem-se achado barro debaixo d'arêa em partes ; 
o que prova que a península não lie formada pelas 
srêas do mar , mas sim que estas ham cuberto o 
terreno antigo. 

Por entre a lagoa Mirim, e a da Mangueira 
desce com muitas léguas cie curso o Arroio C/iuy ^ 
que sabe ao Oceano defronte da extremidade me- 
ridional da primeira. 

Cabos , Portos , e Ilhas. Cabo de Santa Ma- 
iria he o n nico. Montevidio , Santa Luzia, Mal- 
donado sam o? melhores Portos. A ilha de Casti* 
lhos próxima á ponta do seu nome: Maldonado 
na entrada da 'enseada do seu appellido , ambas 
peqitenas : a dos Lobos com meia legua de circui- 
to , agua boa , quazi toda de penedia , quatro le-- 
guas ao Sueste da precedente , e outras tantas ao 
Sudoeste doC. de Santa Maria : a ádiS Flores com 
jneia legua de comprimento , pouca largura , e 
raza , seis milhas a Leste de Montevidio : a de 
Martim Garcia ao Oesnoroeste da enseada dã 
Colónia do Sacramento, defronte da boca do Rio 
de S, Francisco : a de S. Gabriel com quatrocentaâ 
e cincoeuta braças de compricio , largura propor- 
cionada em frente da Colónia com a ár. d' António 
Lopes , e a dos IngUy^es 'àmbàs pequenas ; e a 
dos Fornos com duzentas e quarenta braças , e 
mui próxima a praia. 

A Ilha dos Marinheiros com três ou quatro 
'léguas de circuito , razã , e povoada de mato , 
está perto da extremidade meridional da Lagoa 
€m Patos , e pouco ao Norte da Villa de S. Pe- 



do Bio Grande do SuL 



141 



dró , para cnjos habitantes he o recurso d'agiia , 
e lenha. 

Mineralogia. Terra-sombra , tabatinga , pe- 
dra calcaria , prata , oiro , mineraes d'enxofre. 

Fytologia. A madeira he mais notável pela 
boa qualidade , do que pela abundância. Do pa- 
rallelo de trinta para o Sul só nas beiradas do» 
rios principaes ha matos fortes. Fora destas para- 
gens as arvores sam raras , e pouco altas. Na 
parte meridional em alguns sítios qtieimam-se os 
ossos, € excremento do gado por falta de lenha: 
na septentrional ha formozos pinheiros , copados 
como os mansos da nossa península. 

Zoologia. Cinco nações dominavam esta Pro- 
víncia : os Patos na península , e ao Norte da 
lagoa, que lhes tomou o nome: os Charruas em 
torno da lagoa Mirim athé o golfão do R. da Pra- 
ta : os Minuânos ao Poente dos derradeiros : os 
Tappes da Lagoa dos Patos athé o Uruguay : os 
G uaycanans nos campos da Vaccaria , onde ainda 
apparecem ás vezes. Dos primeiros não ha noticia , 
como se disse : os Charruas retiraram-se para o cen^ 
tro do paiz : os Minuânos occupam as terras oc- 
cidentaes dos Tappes O9) do Ibicuhy para o Sul. 
Eatie os Minuânos , e Charruas ha sempre inimi- 
zade , e frequentes assaltos : ambas uzam de lança , 
frecha , e funda .; e montam a cavallo. Grapuetan 
se chama o sitio , onde os Minuânos rezidem con^ 
sideravel espaço do anno. 

Entr'outras espécies de quadrúpedes selváticos 
ha antas, veados, onças, macacos, pacas, coe- 
lhos , qiiatys , cutias , tatus ^ aliás armadilhos , 
jaraticácas , ás quaes os Castelhanos Q, t á sua 
imitação ,tambexn muitos Por tuguezes) cliamam ^or- 



> I 



Cp) Os Tappes vivem cie largos tempas christianiza- 
4os nas Missões do Uruguay. 



tlí; 



^i.r'> 



14^ 



Promncta 



fo'TH„*!| 



^ 1líí 



'(, ' I. 




rilhos ; porcos , rapozas com outras castas de cães 
como jaguaratiricas , guarás , guaraxains , ja* 
guanês. Os oriundos da Europa , sobremaneira 
multiplicados , vivem no campo , onde se susten* 
tam com as restos das charqueadas , sem procurar 
povoação. Chamam lhes cães chi marrões, Faltan4 
do-lhes o alimento , logo que cessa a matança do 
gado , ajuntamse em numerozas matilhas , procuram 
que pasta, e cercando uma rêz , perseguem-^ns^ 
teimozamente athé que o animal cahindo de fatir 
gado , he por elles devorado em poucas horas. 
Hum cavaJleiro corre risco no campo , quando elles 
andam famintos. 

Em nenhuma província se cria tão prodigioza 
quantidade de gado vaccum , cavallar , emuar: as 
cabras sam poucas ; e as ovelhas dam boa lan. A 
primeira espécie he a mais multiplicada. 

Nos principios do Século passado a maior parte 
da província era povoadissima de gado vaccum , a 
pezar dos estragos que nelíe faziam os Indígenas , 
(e as onças. Os conquistadores persuadidos que tanta 
gadaria jamais poderia ter fira , entraram a fazer 
nella destruições semelhantes ás dos tigres , e lobos 
famintos em curraes d'ovelhas. Toda a guerra era 
contra as vitellas ; e d'ordinario uma não chegava 
para o jantar de dois camaradas; porque aconte- 
cendo quererem ambos a lingua , tinham por mais 
acertado matar segunda, do que repartir a da pri- 
meira. Havia homem que matava uma rêz pela 
manhan para lhe comer um rim assado : e para 
não ter o incommodo de carregar uma posta de 
carne para jantar , onde qiier que pouzava , fazia o 
mesmo áquelia que melhor lhe enchia o olho. Não 
liavia banquete , onde não apparecesse um prato 
de vitellinha recemnascida. 

D. ]oaquim Vianna , governador de Monte- 
yidio, ouvindo fallar da considerável dioiiniUçãOií 



do Rio 'Grande do Sul, 



143 



qwe se observava no gado , informado das cauzas , 
ordenou com penas graves , no meio do Século , 
tque não se matassem mais vitelias , nem vaccas ; 
€ que em sen lugar se comessem os ternêros : e que 
tam.bem não se matassem toiros , nem boys para 
as coiramas senão de cinco annos para cima. 

No vicereinado do 111. mo Marquez de Lavradio 
deram-se algumas providencias na parte septen- 
trional ; mas não todas as que eram precizas em 
razão da distancia. 

Tiradas duas porções menores , uma consumida 
pela população do paiz , outra , que sobe pela pro- 
vincia de S. Paulopara os açougues da Metropo- 
ie , o mais lie eh arqueado C^sto lie salgado ., e 
«ecco sem ossos ao Sol ) e transportado aos pria- 
cipaes portos do Continente. 

Em oitocentos e dois ainda não liavia entre 
os vassallos de C. F. senão quinhentos trinta e 
nove proprietários de terrenos demarcados judi- 
cialmente , entre creadores de gado denominados 
Fazendeiros , e Lavradores , que só criam o ne- 
cessário para o seu serviço , e gasto. Huns , e ou- 
tros possuem ordinariamente duas léguas quadra- 
das ; mas os da primeira ordem tem oito, e déz., 
e alguns ainda mais. A maior parte do gado , co* 
cno se disse, lie vaccum. Num terreno plano , oií 
campo de três léguas criam-sc de quatro a cinco- 
mil cabeças; e á proporção os maiores , e meno- 
res com attenção á qualidade do terreno ; porque 
os pastos não sam geralmente bons. Para costear 
lima fazenda de cincomtl cabeças, bastara seis ho- 
mens com cem cavallos ao menos. Todos sam cas- 
trados , e conservam-se no campo em magotes 011 
tropêlhas de vinte cada uma com sua égua man- 
«a, de cuja companhia nenhum se arreda; a qua;l 
i^empre os acompanha nas occazióes de marcha^ 
aliai fo^e eadaum para. seu cabo., e sp xorn^gr^ia- 




Província 

de trabalho se apanham ; mas preza ella , nenhum 
se retira , quando os soltam. Nenhum gasto fazem 
aos donos em sustento , nem ferragem» Em cada 
Fazenda ha uma collina , ou terreno dos mais ele-^ 
Vados determinado com o nome de rodeio , plana 
ha sumidade , e com capacidade para receber todo 
6 gado , onde se ajunta as vezes que se julga ne- 
cessário. Para isto distribuídos os pastores a ca- 
vallo em torno do gado , começam a bradar-lhô 
rodeio , rodeio , a cujas vozes o gado marcha a tro-? 
te para o rodeio em fileira , e dividido em manadas 
de cincoenta athé cem cabeças , segundo o numero 
em que pastam. Esta manobra he indispensável a 
fim de pôr o sinal , e marca do dono no animal 
que ainda a nâo tem, para se castrarem, opera- 
ção , que se lhes faz em tendo dois annos , e pelo 
methodo praticado com os porcos , e oara tirar o 
que passa de quatro annos •. tanto para que o ga- 
do não exceda o numero das cabeças que a Fa^ 
zenda pode sustentar , faltando-lhe o pasto , como 
porque passando a viver mais tempo no campo , 
não quer obedecer ao rodeio , foge , e desordena 
o resto do gado. Numa Fazenda de três lesjuas 
çominumente marcam-se annualmeiíte mil novilhos 
entre machos , e fêmeas ; por estes se calcula o 
numero dos que se tiram. 

Os mesmos fazendeiros também criam gado 
manso. Commumente tem cem vaccas de leite o 
fazendeiro que possue quatromil cabeças de gado 
brabo. Pastam no campo como o outro gado. Quan^ 
do uma vacca pare , sempre he çm sitio azado pa^ 
ra esconder a cria , onde a conserva por espaço 
cl'oito dias , vizitando-a por vezes no dia para 
aleitalla , e de noite dorme com ella, He difficil 
aclialla durante este tempo. Mas descuberta que 
^eja , he logo conduzida ao curral , onde se con- 
sçrva oito, e nove mezçsa ou mais , sendo diária-? 



do Rio Grande do Sul, 



HS 



fnente vizitada pela máy , á qual se tira ^ o leite 
em todo este tempo para manteiga , queijos , ou 
qualquer mister , deixando ao prizioneiro o que a 
vacca náo quer dar. A familiaridade das crias 
com a gente as conserva em mansidão : e cresci- 
das , os machos puxam pelo carro , e arado; as 
fêmeas pastam no campo athé serem mãys , que 
continuem em dar ao íazendeiro o supérfluo á cria. 
i : - Posto que o gado manso não seja criado cojji 
tanta fartura como o brabo , que goza de todo (X 
leite da mãy , e pasta todo o dia sem trabalho, 
com tudo cresce ta^^nto como este, e engorda mais: 
o que se attribue a que o gado brabo anda con- 
tinuamente assustado fugindo a qualquer animal, 
que lhe apparece ; e o manso , posto que come 
menos , e só de dia , vive socegado , e sempre com 
o habito de procurar o curral , e chegar-se para 
a gente: e assim como piza menos o campo , es-» 
perdiça menos pasto ; de maneira , que o alimento 
que sustenta quatromtl cabeças de gado bravo , 
pode sustentar oitomil do manso , cuja carne he 
mais saboroza que a daquelle. 

Os mesmos fazendeiros criam tâmbem tgado 
cavallar , e muar; e porque este he mais lucrozo , 
valendo um macho ao menos o dobro d' hum ca- 
vallo , por isso he mais numerosa a sua espécie ; 
ainda que os maiores não passam dtr criar duzen- 
tas cabeças por anno ordinariamente^. As mullas 
de dois annos , ou se vendem , ou se separam da 
manada , a fim de evitar o damno , que cauzam 
á outra espécie ; porque vendo uma mulla a cria 
d* huma égua, chega-se para ella , e começa a ca^ 
ricialla como filha própria , de sorte que não con-. 
çt^nte que a may se lhe chegue para alimentalla ; 
donde reznlta perecer de fome. Os cavallos , e 
machos sam castrados na idade de dois annos pelq 
methodo praticado cpm os toiros. Nenhuma esp^-» 
Tom, /. T 




' : Provinctu '^- % 

de sahe dá Província inteira : a marca pôe-se-lhel 
lia idade d' hum anno. ; 

A criação do gado lanígero , que excederia 
èm dobro á do vaccum , pela razão de serem raras 
as ovelhas , que não parem dois filhos de cada 
Yez , não he numeroza : sam poucos os fazendeir 
íos que possuem mil cabeças ; e a maior parte 
delles nem uma ; , mas esta espécie deve crescer * 
quando as fabricas derem gasto á sua lan. Nada 
te tão fácil , e barato como a multiplicação deste 
gado. Para pastorar uma manada de mil cabeças, 
bastam dois rafeiros criados pelx) modo seguinte : 
Logo que nasce o cachorrinho , matam-se os cor^ 
deirinhos a uma ovelha, a qual he preza , e obri*» 
gada a alimentar o cachorro athé se habituar a 
íratallo como filho. Este em abrindo os olhos , não 
vendo outro bemfeitor , afí:eiçoa-se-lhe , e brinca 
com os cordeiros , como se fossem da sua espécie: 
jamais se lhe dá de comer: conseivam-no no curraj 
das ovelhas fechado , e em certa ; idade cas:tra-se»' 
Em tendo forças , e vigor para acompanhar o re4 
banho ^ solta-se , € deixa -se hir com elle para qí 
campo b€m pensado. Em pouco tempo , e sem mais 
ensino se familiariza com o rebanho de maneira , 
que jamais se aparta delle. Quando succede parir 
íiínâ ovelha no campo , e esta não pode acompanhar 
as ■outras por cauza de não ter o filho ainda o vi- 
gor de a seguir , um dos cães se conserva junto 
diellã ; e se o cordeirinho não pode andar , nem se- 
guir a mãy para o curral , ou para o rebanho , a 
cão o toma na boca sem o molestar , e o leva pa- 
xá o lugar , onde a ovelha deve estar. Nenhum 
oíitro animal , nem pessoa desconhecida pode che- 
gar-se ao rebanho , de que elks sam os guardas ^ 
áem risco de ser maltratada. Os outros caés do*-' 
ín-esticos , e os amontados , por outro nome cãési 
Chiim arrues s^^ ós ;maior es inimigos das ovelhas j 



MMi 



do Rio Grande do Sal. 



147 



contra elles he a vigilância dôs pastores , e tam- 
bém contra os urubus , que sam numerozissimos , 
e tiram os oHios aos cordeirinhòs recemnasciclos. 

Entr'outras espécies de pássaros conhecem-se 
macúcos , papagayos , carões , anhumas , socos , 
tayuyiis , jaburus , garças , jaciis * arapongas-, mu- 
tuns , tucanos,^ codornizes/ Nas^íagoas navegam 
numerozas Frotas de marrecos , e paios-arminhos 
gfandtfs, e brancos de todo como cysnes , òatros 
com o pescoço negro , cuja pelle depennada ficn 
cuberta d'huma laiiugem comprida, basta, e aU 
vissima imitando a do arminho , e serve para os 
mesmos uzos. Os patos-marinhos com bico de pe> 
rú , azas mui pequenas , esem pénna , e que an^^ 
dam o mars do ten^po pelo fundo do mar , appa- 
recém sobre a costa ; como também os lobos mari- 
nhos. Conta-se aqui que as emas póem muitas nudi 
mesmo n nho , ao qual não tornam , acabada a pos* 
tura ; e que um macho choca os ovos , dos quaeS 
quebra dois , logo que nascem os pintos, para que 
estes se sustentem com as moscas , que se juntam 
nos quebrados , athé poderem acompanhar o pai , 
que os guia por alguns dias , em qtianto não se 
trasmalham, - 

O povo não he apaixonado pela caça , qud 
por isso he multiplicada ; nem pela pescaria ; tànl- 
bem o peixe não he bom. 

Os camponezes sam insignes no uzo do laço , 
para prender o gado brabo. He uma corda de cor- 
rêas entrançadas preza por uma ponta á sela dò 
cavallo em que o laçador monta , com uma laçada 
corredia na outra ; e que se lança sobre a dian- 
teira do animal, que fica prezo pelas pontas , ou 
pescoço. Ha homens tão ha bituçidos que laçam on- 
ças. Não sam menos destros no manejo das bolas , 
jque sam duas pedras redondas seguras nas extre- 
midades d' huma corda curta , e também de çorrêas, 

T ii 





província 



qne sendo lançada ás pernas do animal , õ debnrra 
d' improvizo , embaraçando-llias sem que possa daí 
mais um passo. Destâs armas se servem também 
os homens contra os S€us semelhantes ! (lo^ 

I Portalegre, 
Viilas prmcipaes.< S. Pedro. 

í Monte Vidèo. 

^0 *"■ A medíocre , commerciante villa de S, Pedro 
Vantajozamente situada na ^xtiemidade d' huma 
lingua de terra ^ que se prolonga entre © sacco da 
Mangueira ^o Sul , e uma bahia ao Noroeste, 
íem uma Igreja Parroquial dedicada ao Apostolo * 
•que lhe dá o nome , e duas Ordens Terceiras , 
uma de S. Francisco , outra do Carmo. As cazas 
sam geralmente mesquinhas , e as ruas d'arêa fínissi-' 
ína , assim como o contorno, onde anda á vontade 
jdo vento , e chega a sepultar cazas pequenas. Na 
estação das ventanias nada se come sem uma por- 
ção deste sal. Não he , nem pode ser fortificada. 

Esta villa , que teve principio obra d'huma légua 
ao Sudoeste no sitio do Estreito , foi mudada por 
Gomes Freyre d' Andrade entre os an nos de sete- 
centos quarenta e sete , e cincoenta ; e Capital athc 
sessenta e três. O calor he aqui intenso. (?s gatos 
fogera , dos ratos , que sam multiplicadissimos j e 
grandes; mas tem um formidável inimigo nos cães, 

.Sobre a margem oriental do rio , em frente de 
S. Pedro , €stá o considerável , € florecente Ar- 
raial d€ S. ]ozé com uma Hermida desta Invocação^ 
He o porto daquella villa. Em oitocentos e qua* 
torze sahiram delle trezentas trinta e três embar- 

(lo) «Entre os Castelhanos os filhos dos índios com as 
-Ke^J"^» cha.mam-se Somholôros ; e os desres cora Mulatas de- 
rrminam-se Saccal águas. O iilbo d'ln»m Mestiço cr in uma 
itidiana íie Chôlo* Curibócas>, he o^nome dos primeiros eii- 

Ere iPortuguezes^ ,' . . ..> i 



ão Rio Grande do Suí. 



149 



caçoes carregadas de trigo , coirama , carne secca » 
sebo, queijos, e outros objetos. 

Obra de seis léguas ao Sul de S. Pedro está 
o Arraial át Povo-Novo ornado <:om uma Hermida 
de N. Senhora das Necessidades : seus moradores 
sam Açoritas , e lavradores. 

Portalegre , Alacriportus , Villa grande, 
populoza , commerciante , e florecente com boa 
cazaria , e ruas direitas , e calçadas as principaes 
sobre a margem meridional d' li uma enseada na 
oriental do rio Jacuhy , sete léguas acima da sua 
embocadura , quarenta e três ao Norte de S. Pedro : 
He a Capital da Província , e rezidencia do Gover- 
nador , do Ouvidor , e um Vigário Geral. Tem uma 
Igieja Parioqtiial dedicada a N. Senhora Madre 
de Deos , uma Capella com a Invocação das Do- 
res , um HosjjltaJ , uma Junta da Fazenda Real ^ 
e cadeira regia de Latim. O Senado he prezidido 
por um ]uiz de Fora , que também he o dos Órfãos, 

Com a perda da Villa de S. Pedro Qtm ses- 
senta e dois} passou a Aldêa de N. Senhora da 
Conceição a ser capital da Província,, e a Hermi- 
da , que a ornava , a ser a Parroquia por alguns 
annos , em quanto o Governador Jozé Marcellino, 
de Figueyredo não a mudou , delineando , come- 
çando , e fazendo crescer esta Villa , querendo ainda 
que tivesse o nome , que elle tão apropriadamente 
acabava de dar ao seu bom porto. ' Em oitocentos 
e oito se lhe deu íitulo de Villa. Grande parte das 
mercancias ,quesahem do Porto da Villa de S. Pe- 
dro , sam para alli exportadas do destoiura , onde 
chegam hyates. (ij} 






'k ^■ 



Cl O Porto dos Cazaes foi o primeiro nome , com xjue 
designaram a enseada de Portalegre , o qual foi substituído 
pelo de Viamcio , que se apropriou á mencionada capital 
interina , hoje pouca coiza em um sitio aprazível com uma 
Jnagniíica Igreja Matriz , duas léguas a Leste de Portalegi^e* 



Promncia 



h ij 



tj 



Os sens contornos sam de grande fertilidade, 
e regados pelos rios Cahy , Caravatahy , e outros* 

Obra de quatro léguas ao Nordeste de Porta- 
legre , e menos de milha afastada da margem di- 
reita do rio Caravatahy em sitio levantado , e vis- 
to zo está a Parroquia de A^ Senhora dos Anjo^' 
fu^ndada pelo mesmo governador Jozé Marcellino 
de Figueyredo para habitação de varias famílias 
Tappes fugitivas das Missões do UrUguay ; ás 
quaes estabeleceu uma grande fazenda de criar 
gado , para terem de. que se sustentar mais com- 
Hiodamente. O que não obstante , sendo de mais 
a mais livres de capitação , izentos de chegar á 
palmatória , e diciplinas com que foram criados , 
â maior parte tem-se retirado pouco a pouco para 
vários sitios da Província. O rio he muitortuozo» 
e faz que a distancia seja dobrada por agua. Abun- 
da de madeira , pedra, e bons barros para ola- 
yiás. 

Pouco mais de dez léguas ao poente de Por- 
talegre está o considerável , e aprazível Arrayal 
da Freguezia Nova com uma Igreja Paroquial do 
Senhor Bom Jey^us do Thriímfo junto á emboca- 
dura do Tacoary : seus habitantes recolhem trigo , 
e criam gado. 

Obra de cinco íeguas ao Norte está a Fregue- 
zia de S. Jo7^é com uma grande praça , sobre a 
qual fica a Matriz. He o berço da agricultura da 
Frovincia. Seus habitadores sam geralmente na- 
turaes ^ e oriundos das Ilhas dos Açores , donde 
o Senhor D. Jozé fez passar vários cazaes para' 
este sitio, onde começaram a cultivar trigo, e mi*^ 
iho segundo o methodo de sua pátria , e ainda hoje 
sua occupação , e riqueza. 

Pouco mais de três léguas ao Poente da Fre- 
guezia Nova está o aprazível Arrayal de Santa 
Amaro , tâmbem sobre a ínargem septentrional da 



wm 



m 



do Rio Grande do Sal, 



ifi 



Jàcuhy" , junto a uma ribeira , ornado com uma 
magnifica Igreja Parroquial. 

Oito léguas ao Poente de Santo Amaro está a 
considerável , e abastada Villa de Rio Pardo so- 
bre a embocadura do rio que lhe empresta o no* 
me , ornada com uma Igreja Parroquial de N. Se^ 
nhora do Rosário , e duas Capellas: occiípa qua- 
tro pequenas collinas contíguas. Teve principio 
com um Forte dedicado a S. Lourenço , o titulo 
de villa em oitocentos e doze , e o de Condado 
em oitocentos e quinze. 

Em distancia de duas milhas está aAldêa de 
aS". Nicolau com uma Hermida desta Invocação: 
o povo , que a habita , he d' Indígenas. 

Doze ou quatorze léguas ao Sul de R. Pardo 
está o Arrayal , e Capella de Santa Barbara da 
Encru7^ilhacla em sitio levantado , vistozo , e pla- 
no com excellentes aguas. 

Dez léguas , ou quatorze pelo rio , acima de 
R. Pardo , sobre a margem septentrional do mes- 
mo Jacuhy está o considerável Arrayal da Ca- 
choeira com uma Igreja Parroquial de N, Senho^ 
ra da Conceifão , ruas direitas , largas , e limpas ^ 
■e vantagens para duplicar muitas vezes. 

Doze léguas ao Sul da Cachoeira fica o con- 
■sideravel Arrayal de Cassapába sobre uma collina 
perto da nascença do rio de Santa Barbara , orna- 
do com uma Capeila úq N^ Senhora d' Assumpção^ 

Obra de quinze léguas ao Nordeste de Portale- 
gre está a pequena Villa de Santo António da 
Patrulha junto á estrada em um terreno levanta- 
do. Seus moradores cultivam mandioca , e canas 
d'assucar ; e recolhem bananas com outras frutas. 

Ao Norte da Patiulha numa extensa planície 
sobre a serra-geral está a Parroquia de N~ Senho* 
ra da Oliveira. Gado vaccum he a riqueza da 
íeu povo. 



"M 




Província 



Os habitadores da península formada pelo 
oceano e Lagoa dos Patos estam repartidos em três 
Fregiiezias : a de A^ Senhora da Conceiç-ão do 
Estreito para os meridionaes ; a de 5^. LuÍ2ç d^ 
Mostardas para os centraes ; a do N. Senhora 
da Conceição do Arroio para os Morteiros, 

Os que vtvem ao Poente da Lagoa dos Patos , 
e da Mirim , formam aFreguezia do Espirito San^ 
to junto á margem do Jaguarôn ; a de N. Senho- 
ra ádi Conceição de Piratinin pouco arredada deste 
rio; a de S. Francisco de Paula perto do rio de 
S.Gonçalo , e obra de quatro léguas acima da sua 
embocadura no sitio de Pellotas ; a de N. Senhora 
da Conceição de Canguçu na vizinhança do rio 
Camapuan ; e a áeS, Sebastiam doBaje peno da 
origem do mesmo Camapuan. 

Todas estas Freguezias sam do Bispado do 
Rio de Janeiro; as seguintes do de Buenos Ayres. 

Montevideo , Praça mediana com titulo de 
cidade , situada em plano aprazível na extremi- 
dade d'huma península, que forma o lado orien- 
tal d'huma bahia quazi de duas léguas de compri- 
do , euma de largo na entrada, he fortificada com 
varias baterias para o mar , e uaia cidadella no 
lado do continente. Tem uma Igreja Parroquial de 
três naves dedicada aos Apóstolos S. Filippe , e 
S. Tiago , um Convento* de Franciscanos , um 
tiospital , boa cazaria com tectos de teirasso , e 
ruas direitas. Respira-se ar salutifero ; padece-se 
falta de lenha ; e só se bebe agua de cisternas , 
que sam numerozas , ou de cacimba conduzida em 
carros d' hum quarto de légua. Fica trinta e oito 
léguas ao Poente do cabo de Santa Maria , e trinta 
e cinco a Leste de Buenos Ayres. O seu porto , 
em cuja extremidade ha uma ilhota fortificada » 
ijão tem fundo bastante por toda a parte para os 
navios grandes. Ospampêros , que sam tormentas. 



do Rio Grande do Sul. 



153 



furiozas do Sudoeste , caiizam ás vezes grandes 
prejuízos. A maré depende aqui miuito do venta. 
Foi tomada pelos Inglezes em Junho d*oitocentos 
e sete , ^ restituída depois d' alguns mezes. 

Os seus subúrbios sam mui povoados , e tem 
duas Parroquias ,. ambas dedicadas a N. Senhora 
do Carmo-, e mais ao largo outras, duas: Pinhe- 
rol , e Pedras sam os nomes , que as designam ; 
.ei.seus parroquianos criadores de gado. 

MatdonadQ , Villa pequena , e que com fa- 
cilidade pode vir a ser considerável pela sua si- 
tuação sobre a enseada do seu nome , e fertili- 
dade de seus arredores. A Igreja Parroquial , que 
a orna , he dedicada a S. Carlos ; o povo , que 
a habita, descende de Portuguezes em grande par- 
te. Fica quinze léguas ao Poente do cabo de Santa 
Maria, 

Pueòio-Novo , fundado para habitação de Por^* 
tuguezes prizioneiros da Colónia do Sacramento ,> 
íica duas léguas ao Norte de Maldonado , e tem 
uma Igreja Matriz da Invocação de S. Carlos. 

Perto de vintecinco léguas ao Norte de Pue-»' 
blo-Novo está a Freguezia de Nossa Senhora da 
Conceifão de Minas. 

S. Domingos S uri ano , Villa pequena , e bem 
situada junto á embocadura do Rio Negro , num 
terreno fértil em trigo , e fructas com abundantes 
pastos , em que se cria muito gado grosso. Taes 
sam os objectos d'exportação com cal de pedra. 

Oito léguas arredada de S. Domingos Suriana 
íica a Freguezia de N. Senhora das Mercês junto 
á margem do mesmo Rio Negro, 

Cinco léguas distante de S. Domingos Suria-^' 
no , sobre o rio de S. Salvador está a Parroquia de 
Espenilho ; e quatorze léguas longe de Espeni- 
Jho íica a Freguezia de Víboras, 

Obra de nove léguas ao Noroeste de Montf 
Tom. /. V 



'k ■ 




província do Rio Grande do Sul. 

Vidéo , ou Vidio está a Freguezia de N. Senhora 
de Guadalupe de Cannelóes. A Parroquia de Fe- 
rongos lie central; a àeHy está sobre o rio , que 
lhe empresta o nome; a áeS^Jo^e , e a de Santa 
Lu^ía estam junto aos rios dos seus nomes; a do 
Santissimo Sacramento existe onde os Portuguezes 
afundaram: a Freguezia do Pintado fica longe do 
mar; Serro-Largo , com titulo de villa , vistoza- 
mente situada perto do lugar do mesmo nome, he 
a mais próxima á nossa fronteira^ 



^^\ /_ ^__IlL-â. -^ 'Ct S/^T^TÍSj 



tSS 



N." II. 

província 



D o 



P A R A N N A. 

JL Em esra Provincia ao Norte a de Matogros- 
so ; ao Occidence, e Meiodia. o Rio Paragiiay ; ao 
Oriente o Uraguay e o Paranná , que lhe dá o no- 
me , e a divide em duas partes , pouco desigiiaes , 
Septentrional , e Meridional. 

Está toda na zona temperada entre os vinte- 
qnatro graus , e os trinta e três e meio , com cen-- 
to e noventa léguas, de comprimento N, S. e pa-» 
ra mais de oitenta na maior largura L. O. 

O Inverno , que começa em Mayo , e dnra 
até Outubro, he frigido: o vento reina nesta es- 
tação do Sudoeste. O clima he temperado , e sa^ 
úio , depois d'exceptuarmos os sitios pantanozos , 
e alagadiços , onde as febres reinam periodicamen- 
te em certos mezes. 

He Paiz quazi geralmente plano , e baixo com 
poucos montes , e serras ; e estas sem elevação 
considerável. O terreno , em grande porção subs» 
tanciozo , he apropriado para quazi todas as pro- 
ducçòes da zona tórrida , e da nossa Península, 
Yem-se searas de trigo e milho ; plantações de can- 
nas de assucar , d'algodoeiros , de mandioca : as 
mais lucrozas sam as áomatte. Também nenhuma 
destas producçoes prospera geralmente em todos 
gs districtos: o trigo quazi só se dá na parte mo- 

V ii 



h>-'\ 



'k '- 



Província 

ridional ; o matte na septentrionaí : os pecegnel- 
ros tão roultiplicadissimos nas derradeiras Ilhas do 
Paragiiay , e terrenos vizinhos , que se decotaai 
frequentemente , para aquentar os fornos com os 
«eus ramalhos , não se encontram de S. Fé para 
o Norte. 

Sebastiam Cahoto , e Diogo Garcia foram os 
descubridores deste paiz , subindo o Paraguay em 
quinhentos, e vinteseis , como dissemos. A Colónia 
d'Assumpçã0 , primeiro estabelecimento da Provin- 
da , depois do forte de Santa Anna , padeceu 
muito com a má vizinhança das diversas nações 
bad^baras convizinhas , principalmente dos Guaycii- 
xús y e Payagoâs tão numerozas , como ferozes , e 
audazes ; posto que por seti natural andejos lhe 
dessem tréguas de considerável espaço para se for- 
tificar com o augmiento dos novos colonos 9 que se 
lhe enviavam. 

A falta das minas do oiro , e da prata , que 
tanta gente attrahiam ao Peru, e México , fez que 
este bello paiz , e tão vantajozamente situado es- 
tivesse largos annos sem adquirir fama. 

A part€ media , e oriental foram conquistadas 
pelos Jezuitas com a Ghristianização dos Povos 
Guarannis , seus possuidores. Estes Padres , conhe- 
cendo a relaxação dos costumes da Europa , e 
quanto ella havia refinado nas colónias America- 
nas , rezolvera-m que só convinha eathequizar 
os índios longe dos Europeus, afim de que os Ca- 
tbecumenos , e Prozelitos não lhes vissem praticar 
o contrario do que se lhes ensinava. A cautela 
em não deixar praticar uns .com os outros , a per- 
feição .com que fallavam o idioma Guarannitico, 
€ ainda a docilidade dos Indígenas concorreram 
igualmente para o dezejado êxito da empreza. 

Em poucos lustros reduziram os Jezuitas as 
W-arias ixorda^ da nação a uma yid^ sedentária em 



do Paranná, 



157 



grandes aldeãs denominadas Redufões , cujo nu- 
•Hicro pelos annos de seiscentos e trinta subia a 
vinte com setentamil habitantes. Os que tinham 
subido ao Alto Paranná com o intuito de estender 
a conquista espiritual , foram obrigados por oito- 
centos Paulistas a recuar em seiscentos trinta e um 
para o Sul da Serra Maracajú, (12) Então reduzi- 
ram os Tappes orientaes ; e continuaram em polir 
as duas nações , (ensinando-lhes todas as artes 
lUeis , ) ^de que formaram o denominado Império 
Guaranito , que os menos escrupulozos nunca ele- 
vam a mais de duzentos mil habitantes , e que , 
dizem, podia pôr em campo um exercito de qua- 
rentamil homens, (rs) 

Dizem que Guorannis (^ ou Guarinnis com© 
alguns defendem 3 quer dizer guerreiros ; e que 



C12) O inexacto Jezisíra Montoya conta que elle , e 
seus coilegas retiiaram acima de dozemil índios para baixo 
das Set^ quedas ^ quando os Paulistas invadiram as provín- 
cias do Alío-Paranná : e que estes continuaram a vizitar 
hostilmente as Reduções do Eaixô-Paranná : e que em seis- 
centos ninta e sete cento e quarenta Paulistas com mil e 
quinlieníDs Índios accorumelteram as Reduções de Jezus Ma- 
ria , S. Clirisiovam , e Sania Anna, e se retiiaram com se- 
temil prizicneiros ! ! ! „ Cento y quarenta Casíellanos dei 
Brasil con mil y quinientos Tupis , todos muy J3ien armados 
con escoj^^etasj vestidos de escupilcs^ que san ai jT.odo de 
almaticas , esiofadas de algodon , con que vestido el soldado 
de pies à cabeça , pelea con seguridad de las saetas, a soa 
de caxa,vandera tendida^ y orden militar entraron por el 
puebio ... El numero de gente que llevaron , no se sabe ; 
algo se rastreará por el diezmo , que pagaron a la Iglesiaj 
quinientaá personas dieron ai Religioso por su parte., ai 
modo que el ganadero paga el diezmo deovejas, o de vac- 
cas. Cupieron ai Clérigo duzientas. „ ! ! ! Conquista Espirit. 
tlo-PHraguay Cap. ?/;. e' seg, 

C'3') í5 í^os sertões dos rios Uruguay , eParaguayse achou 
estabelecida uma poderoza Republica , a qual só nas mar- 
gens , e territórios daquelles dois rios tinha fundado na© 
smenos de trinta e uma grandes Povoações , habitadas xh 



i'j'l' 


• 


\^^' 


„ 




^ 


1i,, 


» 



*!' |. 




%ss 



Província 



este povo em oxitros tempos vagabundo levava a 
assolação por toda a parte onde abrangia, e don- 
de trazia muitos prizioneiros , com os quaes se fez 
mais numerozo , e menos andejo. A sua linguagem , 
e nome passaram a ser communs ás diversas tri- 
bus , que os cathequistas lhes aggregar^^m » trans- 
plantando-as de differentes partes, ecom que du- 
plicaram muitas vezes de numero. 

O Erário da Coroa Catliolica fornecia annual- 
mente de quarenta a cincoentamil Dueados aos 
Missionários empregados nesta conquista , em quan- 
to os índios não chegaram ao estado de fazer as 
despezas do paiz com o produclo d'agricuítura , e 
industria ; e de que aquelloutros eram os arrecadado^ 
YGS , e administradores. Logo que as Aldêas , e os 
Templos se completavam , cada homem de dezoito 
auQos ache ciacoenta pagava annual mente a ca-^ 
pitação de dois Pey^os Duros. Eram izentos deste 
tributo os caciques , os seus primogénitos , e doze 
homens mais em cada Redução destinados ao ser.» 
viço da Igreja. Em seiscentos trinta e quatro , quan- 
do já havia trinta Reduções com uns cento e vín- 
tecinco mil índios Christãos , o numero dos que 
pagavam tributo andava por dezanove mil cento e 
dezaseis. 

Em seiscentos quarenta e nove, a fim de os 
ter mais sujeitos , e evitar qualquer dezerção 
para as terras da Coroa Portugueza , onde não 
lia via capitação , foram os índios aliiviados da me- 
tade deste tributo; e novamente reconhecidos por 
vassalíos da Coroa Catholica. Quatro annos antes 
se lhes havia concedido por um Decreto a facul-» 



quazi cem mil almas. Deduc. Chronol. Prov. Monumenfo LXJ. 
Giniirie gratuitamente elevou a população destas IvlissÕes a 
340,000 famílias, devendo redundar em 1,3^0^00 habitantes. 
Êdic, XIV, 



do Paranná, 



^^9 



dade de poderem transportar francamente o mat* 
te , não sem algumas condições , a fim de lhes fi-» 
car menos ciisto^za a capitação. Esta liberdade foi 
lima porta, que se abriu á cubica dosjezuitas por 
mediação dos Curas das Reduções , servindo-liies 
de capa os índios para fazerem um altíssimo ne-* 
gocio com esta mercancia , em prejuízo dos nego-* 
ciantes d' Assumpção , cujas queixas , e reprezen- 
taçòes fizeram emanar dois Decretos , um adver- 
tindo o Provincial áo Paraguay da exorbitante 
quantidade de matte ^ em qtie seus Padres nego- 
ciavam , outro proliibindo aos índios levar áquel- 
la cidade mais de doze mil arrobas cada anno. 

Cada lima das Reduções , por oirtro nome Mis- 
soes , era uma considerável , ou grande Villa ; e 
todas por um mesmo risco com ruas direitas , e 
encruzadas em ângulos rectos: as cazas geralmen- 
te térreas , cubertas de telha , branqueadas , e com 



(14) ,, E coslando altresi per Decreto spedito irei 1545 
essere st?Jta datta loro facolià di poter liberaniente n€goziaré, 
e transportare altrove TErba sudetta, à condizione perb cti 
non tiafficarla a favore , e vantaggio de' loro Padri Missio- 
nar i. E che con altro Real Decreto fii avertito il Provin^ 
ciale dei Paraguay deli' esorbitanza, con che i Padri negozia- 
"vano qiiest' Erba, x:on lamento delia Città deirAssunzione , 
la quale represento il pregiiidizio ^ che riceveva da i Padri 
eol trasportare cola dalie loro Popolazioni tanta quaoíità di 
detta Erba ; per la quate abbondanza non vendevasi quella 
■delia città ai prezzo Gonveniente. Taíchè per rhriediare a 
questo disordine , con altro Régio Decreto dello stesso an- 
uo mando, che non potessero gF Indiani portame aí detta 
Città piíi di dodeci mila Arrobas per ciascim anno , a íiii 
di pagar' il Tributo > che -era il motivo addotto da Padri 
per giustiticare detto cornmercio; e a condizione che fosse- 
ro riconosciute , e registrate nelle Città di Santa Fé , e delh 
Correnti. Et che non portando la Fede d'un tal registro, la 
luedesima si sequestrasse, come si face v a con TEiba d'Par* 
liculari, „ Muratori. 




Provinda 



varandas pelos lados para prezervarem do eaíor ,, 
e da chuva ; de sorte que vendo-se uma , se for- 
ma idéa verdadeira das outras. Em cada uma só 
havia a Igreja Matriz ; todas geralmente de pedra , 
magnificas , eliegantes , de naves, e ricamente or- 
nadas; algumas inteiramente doiradas. Hum Vigá- 
rio , e um Cura , ambos Jezuitas , eram os únicos 
Eecleziasticos , e sufficlentes para exercer todas as 
funções parroquiaes : sendo ainda os inspectores 
em toda a economia civil , debaixo de cuja direc- 
ção havia corregedores eleitos annualmente , um 
cacique vitalicio , e outros officiaes , cada um çom 
sua inspecção , e alçada. A' excepção desces , todos 
os indivíduos d' hum , e outro sexo uzavam d' Iiu- 
ma camizola talar , ou quazi de algodão branco. 
Cultivavam matte , algodoeiros com os viveres^ 
que melhor prosperavam no território. Tudo era 
depozitado em armazéns ,, donde se distribuía dia- 
I lamente pela povoação. Cada familia recebia uma 
onça de matte , quatro livras de carne , e uma 
certa medida demiího ; e o mais que se lhe julgava 
necessário. Tudo passava á vista dos corregedores ,, 
ou d'outros subalternos. 

Os Parrocos viviam commodaraente junto da 
Igreja. Contíguas á sua morada ficavam duas es- 
paçozas cazas : uma destinada para as escolas de, 
ler , pintura , arquitectura , muzica , e outras lo- 
ges dedifferentes officios. A outra servia de Reco- 
lhimento a um grande numero de raparigas occu- 
padas em diversas obras debaixo de inspecção de 
mulheres ancians , e instruídas. As mulheres re- 
cebiam na Segunda feira uma certa porção d'algo-. 
dão , que deviam entregar fiado no Sabbado. O 
Cura sahia diariamente ás oito horas acompanha- 
do de certos officiaes , e mestres a vizitar as au- 
las , e loges. O sinal das derradeiras Ave Marias 
era também o do Ro7^ario ^ tílO quçil ^q os impossH 
l:^ilitados não assistiam» 






do Patanncl 



i6t 



Todo o supérfluo era exportado com uma gran- 
de quantidade de sebo , coiros , e mate', e com o 
sen prodiicto pagavam a capitação , e mandavam 
vir da Europa os objectos , que não podiam ser 
obrados no paiz , ou sabiam por um preço exor- 
bitante. Caículou-se que os índios possuiam perto 
de dois milliòes de cabeças de gado. 

Tal era o estado das ReducçÕes , que forma- 
vam o pretendido reino guaranitico , em mil sete- 
centos sessenta e oito, quando os "Jezuitas foram 
expulsos , e os Povos entregues á direcção dos Do- 
minicanos , Franciscanos , e Mercenários. 

O Marquez de Bucaíelli , Governador de Bue- 
nos-Ay-res , quiz bir pessoalmente acompanbado 
da melbor Tropa Européa , que se achava naquel- 
la Capital , executar a Ordem do Soberano nas 
Missões , onde só se receava alguma repugnância 
da parte dos índios. Antes de partir escreveu a 
todos os Vigários para que lhe mandassem o Caci- 
que , e um Regedor de cada Missão , para lhes com- 
municiír avizos de Sua Magestade ; e não marchou 
em quanto elles não chegaram a B. A. onde fi- 
caram como em reféns , para obviar qualquer re- 
nitência , que pudesse haver. 

Em Y apegú , que he a primeira Missão , se 
lhe prezentou o celebre cacique Nicolau , que na 
Europa passava por Soberano fantástico do reino 
guaranitico , e que não pudera h r na comitiva dos 
outros pelas suas moléstias aggravadas com setenta 
ánnos de idade. 

Os Européos , e seus descendentes começaram 
a frequentar as RedufÕes , e os índios a ter com 
clles correlações , e a aprender-lhes com muitos 
vocábulos dos mais familiares : também algumas 
liberdades , que os jezuitas não lhes deixavam prati- 
car. As povoações começaram a diminuir , assim como 
o asseio das çazas , e dos Templos , e continuam. ; 
Tom. I. X 



li' ■ U 




'província 



Montes. Na parte septentrional ha a serra de 
Maracajá , que he de pouca altura ; o Monte 
Lamhára na vizinhança da. Capitai também nãa 
he de notável elevação, ainda que excede a to- 
dos os que o rodêam. 

Mineralogia. Gesso , pedra de cal ^ pedreiras 
de granito , e mármore. 

Rios , e Lagos. Além dos três grandes rios , 
que a limitam , tem grande numero Q'Gutros» que 
regam o interior ; e alguns delies navegáveis por 
consideráveis distancias. 

O Gualegaay , ao qual dam mais de quaren- 
ta léguas de curso , desagua no Uruguay poucas 
léguas acima do Rio Negro, depois de ter regada 
iim terreno plano , e rico em criações de gado :, 
searas de trigo , e arvores fructiferas. 

O Mírínaij , que desagua também no' Uru- 
guay coiza de dezaseis léguas abaixo do Ybicuy , 
como se disse , lie abundante, e rega um terreno 
extenso, e povoado de gado grosso. 

O Taqaary , ao qual dam vinte léguas de 
extensão , desagua também no Uruguay coiza de 
vintecinco léguas abaixo do precedente. 

O Jaguaré salie da serra Maracajii , e ca- 
lae no Paranná doze léguas abaixo das Setequé» 

das. (15) ^ 

O Titiqaary , que he considerável, desem- 
boca no Paraguay vintecinco léguas acima da con- 
fluência do Paranná. 

O Cannabé , ao qual dam trinta léguas de 
curso , sahe ao Paraguay quinze ao Norte do Ti- 
biquary. 



Segundo uma Carta do paiz , que não parece des» 
prezivel", o Acarahy he o primeiro rio considerável , que 
entra no Paranná peia direita , vinte léguas abaixo das Se- 
tequédas. 



ào Parannâ, 



.i5a 



O Lago Ibera , alias Carãcares , he as-saz 
considerável , e fica muito próximo á margem es- 
querda do Parannâ. Tem algumas ilhas , e seus 
contornos sam pantanozos. (ló) 

O Lago Jacjapé , que he grande , e rodeado 
de matos, fica próximo á margem septentrional do 
Paraaná coiza de dez léguas acima d'Itaty. 

Fitologia. Cedro , hirard , pitribí , lapa- 
cho , que he o chamado por outro nome páu 
d'arco ; sassafrás com outros muitos géneros de 
boa madeira para construcção ; pinheiros, as arvo- 
res que dam a rezina denominada sangue do dra- 
gão , as do óleo de cupahuba ; epicuenha , jalapa , 
íuibarbo , e outras plantas medicinaes : a opuncia 
annanazes , laranjas , mamões , bananas. 

C vegetal do matte he um arbusto grande 
-com folha semelhante á da laranjeira , e gosto de 
malva ; esta he a qtic se aproveita. Dizem que a 
melhor he a da serra Maracajá, Não se espera 
que as folhas caiam : depois de colhidas sam tor- 
radas por algum dos methodos approvados , com- 
mumente sobre coiros entre duas fogueiras. To- 
ma-se quazi como chá ; e por certo que tem uti- 
lidades. O uzo desta bebida dominava de tempos 
immemoraveis entre os Indigenas da parte septen- 
trional desta província ; foram elles os que o in- 
troduziram entre os primeiros habitantes d'Assiimp- 
f)ção, 07) 

X ii 

(i6) As Cartas não concordam sobre a sua grandeza; 
^algumas dam-lhe qirarenta e quatro le^n^s de ccmprirrento, 
e porco menos de largura ; outras só vintecinco de com- 
prido com seis de largo. Convem-se que ccmn-unica corn o 
UruHu.ay pelo Mirííiay ; e com o pRraguay peio rio Tcr- 
rtnt^s , que desagua perto de dez iegiias abaixo de Santa 
Lu^^^' Também dizem que communica^em duas paites com 

*^" i7) Todas as classes de pessoas fazem grandissimp 







:il 



B 





Província 

Zoologia. He prodigioza a qnanridade de ga- 
do vacciím , cavallar , e muar : as ovelhas sain 
niimerozas , as cabras poucas , os porcos os neces- 
sários para o consumo da povoação. Entr'outras, 
espécies de quadrúpedes selváticos notam«se onças , 
veados , macacos , rapozas ,, gatos , tamanduás ^ 
quatys , zorrilhos , tatus aliás armadilhas , paças\ 
Gòtías , porcos. Emas» seriemas, jaburus, cego- 
nhas , garças , m.utuns , jacus , colhereiras , uru- 
tus , tucanos , papagaios , rolas , pombos-troqua- 
zes , perdizes , codornizes , o beija-ílor , a guira- 
ponga 5 diversidade de maçaricos , marrecos i, q 
patos. 

Ç Assumpção,. 

Povoações principaes.<^ Correntes. ; 

• ^ ^ \ Coruguaty. 

(^ Villa Rica. 



Assumpção , Cidade Episcopal , medíocre ^ 
Gommerciante , e abastada, Capital ,e rezidencia 
do Governador da Provincia , situada na margem 
òo lio Paraguay que diariamente desfaz o terre- 
no do seu assento, ornada com um Hospital, um 
Convento de Dominicanos , outro de Francisca- 
Bos , terceiro de Mercenários , outro de Recoletos ; 
iim Seminário , que foi Coilegio Jezuitico, Naa 
tem regularidade , nem edifícios magníficos.. O maior 
numero das cazas são térreas ; e muitos dos setis 
habitantes, que estam repartidos em três Parroquias , 
descendências Portuguezas. Exporta-se daqui taba- 

imhé , madeira , e prodigioza quantidade de 
matte para Buenos-Ayres , donde , depois de ensa- 
cado em sorroes de coiro , he repartido por varias 
comarcas Castelhanas. 



uzo do ma' te nesta Provinda, onde a carne, e o chi^p^ 
8.1111 o fone do aliiaeiuo humano. 



do Parannâ. 



165 



Nos seus contornos cria-se numerozissimo gado 
grosso; fazem-se plantações cralgodoeiros , e ca- 
nas d'assiicar ; e recolhe-se mel, e cera. Ciiltiva- 
se também , como em outras partes muito aipim , 
ou pompim , como alli lhe chamam , cuja raiz de- 
pois de raspada ou descascada , e rachada em quar- 
tos , e sêcca no forno he cozinhada com a carne, 
servindo de pão. 

O milho depois de fervido , e socado em pi- 
lões , he passado por uma sorte de joeira, amassa- 
do com leite , e cozido no forno. Chip pá he o 
nome que lhe fica. 

O Bispo hesuffraganeo de LaPíata , aliás Chu- 
quissaca. O Cabido , como nas outras Cathedraes 
Ultramarinas dos Estados da Coroa Catholica , 
compoe-se de doze Canonicatos , incluindo o Siip- 
primido da Inquiziçao , e as cinco dignidades de 
Deão , Arcediago , Chantre , Thezoureiro-I\'ídr , 
MestreEscola , com seis Racionêros para cantar 
o Evangelhos , e outros tantos Meios-Racionêros; 
para as^Epistolas , cujas vestes differem pouco das 
daquelloutros. Os Canonicatos deTheologal , Doc- 
loral , Magistral , e Penitenciário sò se dam a 
Graduados , e por oppoziçao. (ib*) 

Ha dois Tribunaes , um com o nome áej unta 
Decimai para airemataçao dos DÍ7^imos composta 
de dois Cónegos , um Fiscal-Real , um Ministro 
togado , um Contador , e um Escrivão ; outro de- 
nominado Me^a-Capituiar para arrecadação , e 
distribuição do proáucto dos mesmos Dízimos , for- 
mada pelo Provizor , um Cónego , fazendo as ve- 
zes d* num Fiscal , o Contador-Mor da Real Fa- 
zenda , e Quiro Comutador para fa^er os rateios. 



!•*■*. 



CiS') A renda áa ÇchQ7\^ Sii} fFCssa he destinada para 
ÃS. despezas do Iriivuaai do SaiUo ^-ílicio. 





Provinda 

N.B. Todo o prodacto dos Dizimes he dedi- 
cado á Igreja. 

Calculado este , he repartido pelo Contador- 
Mór da Real Fazenda em nove partes igiiaes ; 
lima e meia com o nome de noveno e médio per- 
tence á Coroa destinadamente para a Fabrica , e 
outras necessidades da igreja , a que o Soberano 
deve acudir como Patrono. 

Das outras sete e meia , ametade he para o 
Bispo , o qual deve soccorrer as necessidades dos 
diocezanos , especialmente os pobres recolhidos na 
Gaza erigida para sua habitação ; porque a nin- 
guém he permittido mendigar pelas portas. 

Do remanecente fazemse três qiiinhões iguaes , 
nm para o Deão , os outros subdividem*se de novo 
em três: dois se repartem entre as outras Digni- 
dades , e os Cónegos com proporção arithmetica. 
A parte , que fica , lie repartida igualmente entre 
os Racionêros , e Meios-Racionêros , ou Capellães , 
que fazem as suas vezes. 

Os Parrocos das Cidades denominam-se Rei/-^ 
tores , os das Villas Vigários : sd os dos índios 
tem Côngrua, tirada do Cofre , onde o preço das 
terras dos índios vendidas , e os foros das empra- 
zadas se guardam , e nada recebem dos Parro- 
quianos senão o funeral. Os das Igrejas dos Bran- 
cos só tem o pé d'Altar , e os productos dos pa- 
trimónios , com que foram fundadas. 

As Igrejas dam»se por oppozição feita perante 
o ^Bispo : os pertendentes sam convocados pelo 
mesmo, e Vice-Pacrono C^^"^^ ^^^ o Governador,^ 
sem CUJO consentimento aquelle nada pode neste 
cazo. Para pôr um serventuário , o Bispo propõe 
três , cuja escolha pertence ao Vice-Patrono , 
quando não rejeita todos , e pede nova proposta 1 

Correntes , Cidade pequena , vantajozamente 
situada no angulo meridional da coníiueuci.a do; 



do Paranná, 



167 



\ 



rio Paranná , ornada com um Convento de Do- 
minicanos , ontro de Franciscanos , terceiro de 
Mercenários , ruas direitas, muitas cazas de so- 
brado. A caza Jezuitica está em ruínas. Entre os 
seus habitantes ha alguns Portuguezes , muitos 
índios , poucos Negros. Nos seus contornos ha 
pântanos, e grandes matos: gado vaccum , e ca- 
va'lar sam a riqueza do Paiz : mandubins , milho , 
legumes, m.elancias , e algodão os objectos da agri- 
cultura ; o terreno não he apropriado para trigo , 
nem matte: as formigas, e os gafanhotos extre- 
mamente multiplicados não deixam fazer planta- 
ções de mandioca. As pitangueiras sam em grande 
quantidade; os pecegueiros nenhuns : imbagay , 
fruta semelhante á manga , pofém menor , acha- 
se daqui para o Norte. Os mosquitos incomm.odam 
muito agente. Coiro^i , e madeira sam os principaes 
objectos d'expoí tacão. 

A justiça he diariamente administrada por 
dois Alcaides assistidos d'outros tantos Assessores 
para os ensinar, todos quatro eleitos annualmente 
pelo Cahildo Judicial composto de vinte e quatro 
Regídores de perpetuidade , não delinquindo ; dos 
quaes ha quatro principaes , o Alferes*Keal , o 
Decano , o Aguazil-maior , o Alcaide provincial , 
e. de Mesta ou dos Campos; os outros ordineirios ; 
cada um com sua inspecção , prezidido por um 
Assessor-Geral doVicerey intitulado Tenente-As- 
stssor. Ha um Advogado nomeado pela Audiência 
da Província para deíender grátis as cauzas dos 
pobres , ou que não possuem um património dei 
cerco valor , e dos prezos , ainda que sejam ricos. 

Dez léguas ao Norte de Correntes está aPar- 
roquia de JSJehcmlnicâ na margem do Paraguay , 
onde se fazem embarcações. 

Trinta léguas ao Sul de Correntes fica a Al- 
deã , e Freguezia de Santa Liiyja , também sobre 



M 




Provin cia 

a margem do Paragiiay ; no seu districto ha ges- 
so , que faz um ramo de exportação. 

Neste intervallo estam as Freguezias d^ Algar" 
rohas , Esquina, e Goya , abastadas de carne, e 
pescado. 

Bagada de Santa-Fé , e vulgarmente Pút- 
ranná , vilíota situada sobre o Paraguay defronte 
de Santa-Fé , ás quaes tira a vista uma Ilha de 
considerável extensão. Exporta-se daqui muita cal 
de pedra. 

Corugaaty , villa mediocre , celebre , e fa- 
moza pela grandíssima quantidade de matte , que 
se recolhe no seu districto , e de que ella lie o 
depozito , fica obra de trinta léguas ao Nordeste 
da Assumpção , e três milhas arredada da margem 
esquerda do rio , que lhe empresta o nome. 

Obra de cinco léguas ao Norte está o Prezi- 
dio de S. Miguel para obstar ás invazoes dos 
Guay curtis. 

Villa Rica , onde também s€ ajunta {muito 
matte, fica vinte Jeguas ao Sueste d'Assumpção , 
e he ainda pequena. Ha outra do mesmo nome na 
margem do Paraguay ao Norte da Capital.J 

Arroio da China , Villa mediocre , assentada 
na margem do Uruguay , mais de trinta léguas 
acima da sua embocadura : seus habitantes , em 
grande parte Brancos , criam gado , recolhem tri- 
go , e frutos. 

Itaty , Villa pequena , mas regular , e bem 
situada sobre a maigem meridional do Paranná , 
obra de trnita léguas acima de Correntes : seus 
habitantes sam índios , e alguns Brancos : huns 
occupam-se em ollarias , outros fazem plantações 
de algodão. O território he apropriado para as la- 
ranjeiras , e melancias , das quaes ha abundância. 

No terreno das Missões notam-se : 

Candellaria , que tomou o nome doOrago.da. 



do Parnnnâ. 



ijíf 



sua magnifica Matriz , como qiiazi todas 3.s. Red Uf 
yôes do pretendido Reino Gimraniticp v. ou Míssoei 
do Parandiá, das quaes foi sempre considerada co- 
mo aCapital pela sua grandeza , e povoação , es^ 
tá situada sobre a margem esquerda do Riô Paran- 
àá ^ no lu^ar onde elle inclina para x) Poente 
junto á embocadura d' huma ribeira. /; ^..^ 

f)j ; Cor/?í/^:, tHínbem n,a margem.esquerda do^ mes- 
mo rio , obra de quinze léguas ao Norte da Can- 
dellaria , he a mais septentrional das situadas so- 
bm o Paranná ^ ,e uma das iuais formozas da Pro- 
vincia. ^ 

N^ interv^allo .das precedentes estam as de S. 
Cosme , de Santa Arina , de S. Cosme Veího,,, 4^ 
N. .Senhora do Loreto , e de S£^nto I gnacio Me- 
nor : esta fica três léguas acima da precedente, e 
quatro abaixo de Corpus^ 

O P. Xarque diz" que as Reduções de N. Se- 
íihoj-a do Loreto, € San ro Igns^cio Menor fõrani 
fundadas para estal)elecimentos dos dozemil la- 
dios , que os Jezuitas tiraram do Alto Paranná , 
quando os Paulistas invadiram o Paiz. 

Itú. na mesma margem do Paranná , obra de 
q^^inze léguas ao Poente da Gandellaria. 

Assiimpfâo fica quinze léguas com pouca dif- 
ferença ao Sudoeste de Cor/; ws junto á boca 
d'liuma ribeira, que se perde no Uruguay. 

Conceição está obra de dezaseis léguas ao Sul 
da precedente , e pouco mais de três arredada do 
mesmo Rio Uruguay. 

S. Tliorné íica quinze léguas ao Melodia da 
Conceição. 

Santa Maria Maior fica poucas léguas ao 
Norte da Conceição , também sobre a margem do 
Uruguay. 

Apóstolos está pouco mais de seis léguas ao 
Poente da Conceição na estrada , que guia para 
Tom. I. Y 



'"'^ 



>!'' \ 




íiò 



Prodinêíâ ê'ó 



nna\ 



i ■ fi 



Icú , e oMâ d*oirrras taittâs áD mèsmiD; »^ô taiíiii-» 
èem na estrada ifica S, Carim. ^'^Kf oh ?/y^^ 

S. Frànciscú Xavier ^ca porteas léguas a(y 
Norte' de Santa Maria , e a JLéste da Candcllâria- 
Neste intervalio está a das Martyres. 

itapuan está na margem direita do Paranná 
ao Norte da Candellaria. 

Trinfyée &a obra d'oito léguafs ^ Norte 
tf^ltápuan,., ' ■■■''■; ']■' ' ■ ■ 

Santo ͧfiàevò-Gumsu , o tt Maior está Jnnto 
á cabeceira d''lmm ramo do Tibi^nary. He a mait 
antiga de todas. 

Santa Fé fica %l>lr^ * éiíico lêgwas ao Nor- 
âieste de áanto tgnáclo Maior. \ 

A de Jez^us está qiiàtro legiias ao NomoreeSi^ 
fe da Trindade, 

A de Santa Ro^ a s&is léguas a Leste de Sar^* 
to Ignacio Guassú. 

A de S. Cosme qxmtto leguaâ a Sueste da dm 

Santa Rozá. 

AéQS.Tiago. fica o^ra d'oito léguas^ ao Noi^^ 

te d^Itil. 

■ Yapegú » que he a mats meridional »- e uma 
das maiores , está situada junto ao Ijruguay pou* 
èõ abaixio da confluenicia áo Hybicuhy , e meia 
legua ao Norte do rio Guavirada. Os jezuitas. ti- 
abam aqui um coílegiQ ricamente ornado. 



m 



N.° III. 

província 



D o 



U K U G TJ A T. 



N 



^ J Os priíicipios do Século dezasete passaTam os 
Jezuiras Castelhanos para o terreno , que fica aQ 
Nascente do rioUruguay , e fundaram nelle sete 
grandes Aldeãs chamadas Reduções para habitações 
áe varias hordas v ou tribus de Tappes possuido- 
res do paiz , a âm de melhor os civilizar , e tra- 
zer ao Christianismo , como^ ao mesmo te^mpo pra- 
ticavam com os do Paranná, 

Já mostrámos como pelo Tratado de limites 
de mil setecentos e cincoenta .con vieram Suas Ma- 
gestades Fidelíssima , e Cathoiica na troca destas 
Reduções, ou Missões pela Colónia do Sacramenr 
to , e como os Jezuitas fa:i:istraram a sua execução 
na primeira vez que ella foi emprehendida , e a 
retirada de Gomes Freyre d' Andrade em mil se- 
tecentos cincoenta e seis, ficando as coizas como 

d'antes. , , j 

Estas Reduções , que faziam parte do chamado 
:Reinc Espiritual Je^uitico^ floreceram athé a ex- 
pulsão dos fundadores ; com eila começaram a der 
cahir. Trinta e quatro annos de deterioridade •, 
ainda que por aegráus imperceptíveis , n.§o podiam 
deixar de tianstormar o todo mui consideravel- 
mente ; e assim estavam com effeito no principio 
€ieste Século ,-<iUuado a declaração da. gueua cn- 

Y li 




rfà^ 



Província 



tre as duas Coroas na Europa armou os habitan- 
tes da Provincia de S. Pedro , que desde a Paz 
de setecentos setenta e sete viviam em socego. 

Quazi ao mesmo tempo que as Tropas da 
Villa de S. Pedrp passayam o rio de S. Gonsali 
t^m oitocentos e *iiiTÍ contra os postos Castelhanoft 
Yízinjios da margem occidental da lagoa dos Pa* 
tos , se pôz em campanha na fronteira do Rio Par- 
do um corpo de- miÍkiaao§ , e. dezertare.s, attralii- 
dos pela amnistia. 

EnCíe os cbrradeiros appareceiT Jozé Borges- 
do Canto , natural do paiz , que havia aezcrcadè 
do regimenta d-e Dragões ; e logo se offereceu pa- 
ia hir fazer hostilidades nas terras do inimigo , dan^ 
do-se lhe alíTun SC amaradas , e as aimas necessa^ 
rias ; mas somente se lhe concedeu munição , e a 
liberdade de convocar osPaizanos^ que se liie qtii-» 
zessem aggregar. 

Havendo formado ura batalhão de quarenta 
homens armados cada qual á sua custa , marcLioir 
com eíles direito as Missões do Uruguay ; e en- 
contrando no caminho um Índio conhecido , que 
«e retirava mal contente dos Castelhanos , segua-, 
do dizia , e o certificou que os índios , ouvindo 
falia r na guerra , não hezitariam em sujeitar-se á 
Coroa cie Portugal ; poi'» que quazi todos os pOr 
vos vivícim queixo'i0s dos que os dominavam , per- 
5uadiu-o Canto que vol casse em sua companhia, e 
fosse expor aos seus campatrlotas a opportuna oc- 
cazião , em que se achavam de sacudir ojiigo Cas^ 
telhaíio, e passar nura momento para debaixo da 
protecção Finelissima , que elle llies daria todo o 
auxi'iO. Convindo nisto o Índio , os acompanhou 
gthé á vista de S. Miguel, onde estava um Te- 
nente- Coronel commaiidaailo uma trincheira , que 
se tinha feito com receio cios Poriuguezes. ; 

''-^■' Cúe;^4aclo Uv^ueUa paragem sobie a niadr.uga? 



dá Urngaay. 



tm 



da , envlon Can'o o índio por nm ataUio arentar- 
a einpi(r7a , com rt^conimenclaçSo de rrazer-lhe res- 
posta a certo sitio , para onde continuava a mar- 
cha. Como o higar Hcava próximo a trincjieira ,; 
foram persentidos da sen tin tila , que bradou logo: 
às armas. Nesta ctrcunsrancia viu -se Canto obri- 
gado a avançar sem ordem contra os iiilrincheiía- 
dos , que , ficando em maior desordem , apenas 
dispararam alguns tiros r e abando-naram a fonih^ 
cação retirando-se á ViHa , onde se achava o Com-^ 
mandante ; e deixando o intrépido esquadrão se- 
nhor da trincheira com dez peças de artilharia. 

Suppondo o Commandante ter sido atacada 
por maior numero ci'outra classe de combatentes » 
offereceu capitulação ao Ciiefe> dos vencedores , 
que não repugnou canceder-lha cora qnazi tudo o. 
que elle pertèndia , a íim de o fazer sahir do paiz ^ 
antes que lhe chegasse um reforço de que se faK 
lava , ou se so-ubesse q.ue o^ pé de exercito cons-^ 
tdva- unicamente de, quarenta aventureiros sem o. 
corpo de rezerva , que se lhes tinha íingido. 

Ao formalizar os artigos da capitulação íicott 
perplexo o Comnrdndante ^ qwaado Canto» ^ per-^ 
guntado pela graduação da sua. Patente, líie res- 
pondeu que eia o menor soldacio da Tr.opa Portu-. 
gueza., A este tempo já o^s Índios da Povoação se 
kaviam itniuo aos PoTiuguezes » eera indisp eia sável 
o ajuste. 

Retirando-se os câpiínlados- ,. experimen taram- 

infortúnio ae cahir nas mãos d'out]ra Pai tida. 
semelhante , que os prizionou com tudo o que se 
lues concedera ; por mais que o Commandante pro-< 
testasse peio cumprimento da capku-?ação. Sendo tudo" 
prezentado a Canto- » e recla-mando o Ofiiciai Caste* 

1 lano o ajuste, respondeu.hií' aqueHe que naí'apo-?- 
dia rezolver , por quanto, aquelia Partida não ihe.: 
estdva is.ub.oidin.adci; que ddva.part.e aO Go.veiaddQX 



: l k 



% r \i 









IMi»— i_j 


wf 


n 




. 




•j 




;.t 



rn 



Provin cia 



^ f:! 



«( ■ ,, íiil 



",l 



M 



do Rio-Grande , e executaria tndo o que se ordç^^ 
nasse , ficando eilè prizioneiro no em quanto. 

Recebendo o Governador a Parte , ordenou 
ao Canto que cUíTiprÍ5se a capitulação , menos o 
artigo que concedia a artilharia , a qual devia 
pertencer a Sua Aiteza Real , a quem dava conta 
do seu valor, e feitos, para ser premiados e no 
em quanto o fazia Capitão d' huma nova Compa- 
iihia de Milícias , nomeando -lhe por Tenente q 
que levara a Parte, e os Estandartes; e que Ihei 
dava a faculdade para elle nomear para Alferes 
a um dos seus bravos camaradas , ao qual já dava 
por approvado. 

Logo que os Povos das outras Missões viram 
O comportamento de Canto com o da primeira, 
que se lhe submetteu , correram quazi todos a tri^* 
butar vassallagem á Coroa Fidelissima, O feliz con- 
quistador alliviando-os d'al nimas pensões publicas , 
que lhes eram mais pezadas , e liberalizando-lhes 
0s frnctos de seus trabalhos , tiniia o nome dô 
libertador. 

Pouco depois enviou o Governador ao Major 
Joaquim Felis , para governar a Conquista com 
ordem para conferir com o restaurador na occur- 
rencia de ponderação. 

Entregue a nova Provincia ao Cammandante , 
^ recebido iim bom reforço de Tropas regularea 
com alguns Milicianos , e voluntários de serra 
acima , se impetrou daquelle a permissão de passar 
à outra banda do Uruguay ; para cujo effeito se 
fizeram algumas barcas de coiro , invenção uzual 
no paiz. 

Na noite do primeiro de Novembro passaram 
© rio oitenta homens escolhidos na Tropa , entre 
os quaes figuravam alguns garnadeiros do regi- 
mento d' Estremoz ; e cujo Chefe era um bravo 
Alferes assaz coiíjiecido jjeio sobrenome de Paí//^ 



r 



dú Uruguvyl 'ij$ 

lha. Parte deíles se ernbosfou ^ o$ outros subiram 
iTiTiponco pelo rio cozidos com a ribanceira , para 
dar mais piompto soccorro áqiielles logo que ou» 
vissem os priu eiros tiros do ataque , que começou 
pela manlian contra os primeiros , que saliiram aO 
campo. Aeodiram os da margem do rio aos que 
começaram a acção , e juntamente triíita Castellia» 
nos em auxilio dos seus , que foram postos em 
fugida ; mas voltaram immediatamente em n^aior 
tiumero com três peças na retaguarda ; para as 
fjnaes laborarem^ se abriram em duas alas; porém 
os nossos não lhes dando tempo para segunda des- 
carga , cahiram intrepidamente sobrelles , prizio- 
ti ar a m n o ve , t orna r a m - lhe a s p eç a s , e d eix ar am 
quinze mortos no^ campei $em a menor perda édé 
sua parte.. 

A vinte e três do mesmo , quazi á meia noitje 
se disparou um canh§o no Fosso dos Barres , que 
fica ti es léguas abaixo de Santo Borja , onde foi 
ouvido, e onde depois chegou um índio, morador 
aaqueiía ^nzinliança , com avizo que os Castelha- 
nos se achavam emboscados no mato do mesmíc^ 
Passo. Ficou-se o resto da noite sobre as armas. 

Peia manhan se pôz em marcha para aquelía 
parte o Capitão ]ozé Borges do Canto com a sua 
companhia , e alguns uvdis » que compuzeram o 
fiumero de cento e dez homens; e achando o inii- 
fnig© intrincheirado no mato com as costas para 
D rio , e não descuJ^rindo modo vaníajozo de o 
atacar, enviou o seu Tenente core truiLa homens 
ve>tidos de bianco á moda dos Judios ^ para qim- 
ti ar tilando em grande distanúa cio inixrdgo., e ten- 
1:0 ganhado a sua letaguaida , lhe lize^sení o maior 
ÍOt^o possível. Ospiimt:iros tiros foram o biíi'dl para 
© Cupiu-O ui vestir coiítra a iortiíicação , 41 e íoà 
Sita lAlo nada sem fazei a menor íc.i^tencm, íicait- 
co :>cienla e vuiaiio piiz-iOiieiíOi.. 




m-A 



Província 



Tal foi o snccesso da Campanha neste distric- 
to , e o modo como a Coroa Fidelíssima se apode- 
rou da Provinda das Sete Missões , que fez 
parte da de S. Pedro atlié que se lhe nomeou Go- 
vernador. 

Confina pelo Norte com a de S. Paulo , ao 
Poente com a do Paranná ; pelo Sul , e Oriente 
com a do Rio Grande de S. Pedro. 

Montes. .0 Monte de S. Martinho , que he 
a porção mais elevada da serra que lhe serve de 
limites orientaes ; o de S. Luiz na proximidade da 
Villa do seu nome s,am os mais notáveis. 

Rios. Além do Uruguay , e Ibicuí já descre- 
yidos , nota-se o Hyjuhy , que principia nas abas 
da serra de S. Martinho , atravessa a Provincia 
L. O. , e desagua no Uruguay defronte d'Assump- 
ção , e poucas léguas ao Norte de S. Nicolau , 
havendo passado junto de Santo Angelo , pouco 
abaixo da qual recolhe pela esquerda o Hyjuhy-^ 
mirim. 

O Toropy sahe da mesma cordilheira , e cahe 
lio Ibycuí , como se disse. 

O Jagaari rega uma porção considerável di* 
Provincia , e cahe no Ibycuí quatro ou cinco lé- 
guas abaixo da Forquilha, 

O Hybipita entra também no Ibycuí coiza de 
vinte léguas abaixo do precedente. 

O Paratinin ou Piratini forma-se na vizi- 
nhança da serra mencionada ; passa pouco arredado 
de S. Miguei , e une-se ao Uruguay pouco abaixo 
de.S. Nicolau. 

Fitologia. Os pinheiros hra^ilicos não sam 
desconhecidos , nem numerozos i assim como os ce- 
dros : cultivam-se os algodoeiros , as arvores do 
mãtte , e mandioca: recolhe-se milho , trigo , ba- 
tata/? com outras raizes comestíveis , abóboras, 
melancias , annanazes , e diversas iiorcaliças. En- 



do Uruguai/, 



i77 



tr'oiUras arvores friiciiferas ha laranjeiras , pitan- 
gueiras , e pecegiieiíos. 

Zoologia. Os anifíiaes tanto domésticos , co- 
mo selváticos sani os mesmos das Provincias limí- 
trofes. 

Se foram bem feitas- as averiguações dos es- 
critores , os Tappes sam uma horda de Guaran* 
nis , qne se lhes separou na antiguidade ; e domi- 
nou por largos tempos as margens do Alto Paran- 
ná , onde por vezes foi invadida por aquelles. 
Fosse como quer que fosse , contam por certo que 
-elles occupavam a parte meridional desta Provin- 
vincia , quando os Jezuitas começaram a ter co- 
nhecimento delles. E accrescentam que elles não 
só eram o povo menos viciozo de toda a America 
meridional, mas o mais bem disposto para receber 
a Ley do Evangelho , o mais constante depois de 
a ter abraçado , e o mais adaptando a honrar o 
Christiaaism.o. Vivia est-e Povo dividido em varias 
aldeãs , das qiiaes a mais populoza tinha o nome 
da Nação. Não sabemos qual fosse o numero destas 
aldeãs , que os jezuitas reduziram a sete, por isso 
denominadas RedufÔes , cujos nomes são os se- 
-guintes. 

S. Miguel com : ; 1U900 habitantes na época 

da Conquista. 
S. Joam com . ., . 1U600 ditos. 
S. Lourenço . . . U960 
Santo Angelo . . . 1U960 
S. Luiz ..... 2U350 
S. Nicolau .... 3U940 
S. Francisco de Borja 1U300 

S. Francisco de Borja , que he a mais me- 
ridional , fica obra át duas milhas arredada do 
Liruguay , e cinco léguas da confluência do Ibicuú 
Tom, I, Z 




i78 



Província 



V \wm 



Padeceu mnito com uma in vazão de Mínuanos. 
pouco antes de mudar de domiiiio ; e tem muitos 
Brancos. 

S, Miguel úm^á?L viiitecinco léguas longe d(» 
Uruguay , e trinta a Lesnordeste de S. Borja ^ lie a 
iiiais orienta! , e considerada como a Capital da Pro- 
vinda. Huina grande porção delia consuraiu-se 
com o fogo , que lliè puzeram seus habitantes em 
'^seteceiítos clnCoenta e seis , quando viram chegar 
o exercito comfeinado para entregar a Província á 
-Coroa Fidelissim.a. 

S.Joam íica três léguas ao Norte de S. Mi- 
guel : sua Matriz está no centro d' huma vasta 
praça. No tempo de sua florecencia tinha quar^emta 
'ínas. 

Santo Angelo , que lie a mais septentrional , 
tstá obra de seis léguas ao Norte de S. Joam. 

S, Nicolâa , noutro tempo Capital de varia^ 
'Reduções da margem direita do Uruguay , está 
'^erto deste rio ,^ %m^ toma ribeira , que calre no, 
Taratini. _ 

S. LoUren^^o está seis léguas ao Poente de S. 

Miguel. 

S. Lui7^ está na estrada , que vai de- S. Lou- 
renço para S. Nicolau , nove léguas a Leste da 
ultima , e dez ao Poente da primeira. Todas estas 
Reduções ,^\và.s Missões , e que devemos chamar 
Villas por terem Senado » tomaram o nome da 
Padroeiro da sua Matriz. Todas eram , e sam ain- 
da por um mesmo risco; de cazas térreas com ruas 
direitas cruzadas em ângulos rectos , e varandas 
pelos lados, que preservam da chuva , e do calor^ 
como as daParanná> com as quaes andaram sem- 
pre a passos iguaes no íiorecimento , e decadência.. 

Cada Povo falia seu dialecto Gimram*nVo mui 

pouco differente dos outros. Muijos entendem o 

'Castelhano , e também o Por tuguez .; e exprcssaca- 



do Urugaay, 



179::. 



se sofrivelmente em qualquer das linguas. Exer- 
cem quazi todos os officios necessários , e varias 
íirtes liberaescom intelligencia.; e fabricam tecidos 
de lan , e d'algodãc. O matte lie o único ramo 
de exportação. 

Em cada Redução (em quanto governadas pe- 
los ]ezuitas) havia^uma escola de ler, escrever, 
e fallar a lingua Casteliiana por ordem Regia : e 
eram muitos os- índios que satóam ler desembara- 
çadamente os livros Hespanhoes ; mas não os en- 
tendiam ; porque os mestres ou Curas jamais pro- 
feriam vocábulo , que não fosse Guaranitico : o 
que deu motivo a encarregar-se-lhes o cumpri- 
mento da Real determinação no Decreto de mil 
setecentos quarenta e três , que segundo affirniam 
riião teve effeito. C^p} 



iti.t ■' 



4 



Z ii 



Cip) Essenck) che in ognuna clelle Popolazioni vi siá sta- 
jiilita e aperta una sciiola\li leggere , e di scrivere in Jin- 
^ua Spagniiola , in virtíi delia qiiale v' ha un gran numero 
ir Indiani molto abili in leggeie , e scrivere Spagnuolo , ed 
âncbe Latino, senza capire^cio, che leggono , o scriyoro... 
Percib ho stimato bene incaricar in modo speziale i Padri 
delia Compagnia con mio Decreto, che oggi si spedisce^, di 
luantenere assolutameute in quelle Popolazioni le ^snddett^ 
scuole , e di procurar che quegl' Indiani parlino in lingua 
Castigliana , conforniandosi alia legge 18. Tit. 1. Lib. 6, Dç 
^ccopílazioa de índias etc. Muraton. 



i8o 



hi 



n 



IK 



província 



m-ã' 



SANTA C AT HA R IN A 



'^1>í)Q Ôfl Oi 






J2á Sta Província , que he um desmembramento da 
de S. Paulo , (20) compreliende a Ilha , que lhe dá 
o nome , e um cerreno de sessenta léguas N. S.. 
Bo continente vizuiho contadas do fio Sa/ii/ , que 
a separa daquelioutra ao Norte , athé o Mamj i"- 
tuba , onde' confina pelo Sul com a de S. Pedro. 
Ao Poente tem as mesmas Provindas , servindo- 
Ihes de limites os cabeços da cordilheira , que cor- 
re ao longo do mar. Sua maior largura não exce- 
de a vinte léguas. Gccupa o Beyríáuar da maior 
porção da Capitania de Santo Amaro;, e jaz en- 
tre os vintecinco graus e cincuenta muauios , e os 
vintenove e vinte de latitude austral. 

Sendo passados cento e vinte annos , sem que 
os donatários assentassem povoadores na liba de 
Santa Catharina , C q'-'^e por algum tempo teve o 
nome d' líha dos Patos^ ElRey D. ]oam o Quar- 
to a deu em seiscentos cincoenta e quatro a Fran- 



f2o) D^smeiTtbramenro íU de S. Paula : considerada 
depoU da unidj da de 6. Vicente com a de Sànio Aaiaío. 



de Santa Catharina 



i8i 



cisco Dias Velho, qne foi assassinado por nm cor- 
sário Tnglez a tempo que com^^çava o estabeleci- 
mento. Com este clezastre ficou alliia no seu pri- 
mitivo estado por largo tempo. A' custa da Coroa 
foram nella estabelecidas varias colónias Açoritas 
em diversos tempos. 

O clima he temperado ; o ar sadio, á excep- 
ção de certos sitios pantanozos ; a face do paiz 
montuoza , regada de numerozos rios , e cuberta 
de matos ; o terreno fecundo , e apropriado para 
a cultnra da mandioca , milho , arroz , canas 
d'assucar , café , linho , legumes ; e ainda trigo , 
e cevada era alguns districios. Todas as hortaliças 
de Portngal aqui prosperam , principahuente as 
tebollas. 

Montes. Camberella , que fica sobre a entrada 
meridional do porto da Capital , he a mais alta 
montanha , que se avista desde Santos athé as 
Torres: o m.onte BabuA he uma baliza dos nave- 
gantes. 

■ Mineralogia. Pedra calcaria, granito, pedras 
d'amjolãr ; indícios d'oiro , e outros metaes , segun- 
do dizem. 

Fitoíogia. Carvalho mui diverso do de Portu- 
gal , e excellente para construcção ; sassafrás. , 
cedro , loiro , páu d'''arco : gnarabâ , (i jrapecique 
sam arvores de precioza macieira veiada para mar- 
ceneiíaria ; como também o denominado aqui /vi /i 
d^oleo, que he ondeado, e compacto. Os pinheiros 
Brazilicos sam multiplicadissimos em vários distric- 
ios : ha diversidade de plantas medicinaes ; e tam- 
bém a que nutre a cochonilha . (21} 



(21) „ kCochonilha he um insecto, fjue se cria , nu- 
tre , e (jicpaga sempre pegado a folha (ia Oiuncia , que o 
vulsíf^ otdÍDai ! íiTiCiiTe tU nomin;i liginira do íiftrio , ou 
t^uçira cU Índia. Quaiulo nasce, hc tao pequeLç, que. loal 







iSa 



Província 






Zoologia. O gado grosso , e miiido he ainda 
em pouca quantidade , e jamais será numerozo 
em razão de ser montuozo o terreno. Entr'outros 
quadrúpedes selvaticoi sam bem conhecidos os vea? 



se percebe com a vista ; mas logo começa a andar > e a 
procurar jugar na pianta para se fixar , e chupar delia o 
seu aliniento , depois de se pegar : nem se separa jamais da- 
quelle liigat ; conisçando Jogo a cubrir-se d' hum pèlio bran^ 
CO, coiu que nasce, mui fino, e raro; de sorte que nao 
se lhe vè mais o corpo, que he vermelho. No fim de três 
mezes chega á sua ultima grandeza , que não excede a de 
Iiuma pequena hervilha. Então pare os filhos, e morre. Os 
íillios seguem a mesma serie successivamente. O Estio he 
o tempo da sua producção. Nos paizes quentes da zona tór- 
rida tem-se observado que a cochonilha produz em todo o 
tempo, ao menos em partes ; mas sempre em menor quan- 
tidade nos mezes do frio. „ 

„ O melhor modo de a separar da folha he com um 
pincelinho de cedas de porco, ou de boy , ou de coiza se- 
melhante, a fim de não a esmagar , nem se molestar nos 
espinhos a mão, que a derruba. „ 

„ Depois de apanhada, se deve logo matar, e seccar. 
O melhor methodo he mette-la em taboleiros , ou folhas de 
Fimdes dentro d' hum forno, cuio calor exceda pouco o do 
Sol, por espaço de vintequatro horas; mexendo-a para que 
o calor a apanhe por igual. Acaba-se de seccar ao Sol , e 
na falta deste no forno ; ou pondo a vazilha , em que elia 
está , sobre brazas mortas , a fim de não apanhar calor de 
mais , que a torre , e lhe faça perder a bcUeza da sua cor. „ 

„ Outro modo de matar a cochonilha he mettendo-a , 
ou affogalla em agua fria , ou quente ; e depois seccalla ao 
Sol , ou pelo methodo insinuado ; mas este não he bom ; 
porque perde parte da tinta, especialmente, sendo affogada 
em a«ua quente. Convém que depois de secca se ponha so- 
bre o calor do fogo em huma bacia de cobre , ou vazo de 
barro vidrado, no qual receba um grau de calor sufíiciente 
a tirar-lhe o pello , que facilmente se moe , e que se deve 
assoprar, para ella íicar formozi. Esta ultima operação deve ser 
mexida tòn a mão, a fim de se conhecer o grau do calor. „ 
Sibe-se que a Cochonilha he huma dai mais precio- 
sas prolações da Natureza para o Commercio ; e que a 
«ua cultura he a mais lucroza para os agricultores. A piau- 



de Santa Catharina, 



183 



dos, os tamanduás, os macacos, os porcos, ou- 
ças, antas, pacas, quatys. Entre niimerozas espé- 
cies' de pássaros , notam-se papagaios , macúcos , 
Yoh\s , guarás; varias castas do colibri , ou beija- 
íior As''lagoas sain povoadas de marrecos , e pa- 



ta em que se cria este insecto, mulriplíca-se instantanCd- 
mente , assim eomo taaibem o'mesmo vivente ; ir.as para a 
colheita ser abundante , e de melhor qualidade, he precrzo um 
pouco de cuidado , e trabalho destinatío a este particular. 
Seiri este lamo de .A riculTuri os Castelhanos d^Airierica 
não recolheriam a mesma quantidade , que annuaimente re- 
partem por todo o mundo. Não nos devemos contentar com 
a que se pode colher da opiincia silvestre : deve-se iinilti- 
plicar a quantidade dásta planta , para ííuc a quaníidade 
da mercancia sep também abundante. A planta cultivada 
produz maior íiuantidade de cochonilha ; e esta he sempre 
superior á silvestre. „ , . , 

Pôde mnltiphcar-se a quantuíade da opunaa , ou plan- 
tando as folhas , cu setoeando as sementes dos seus íigos 
maduros; mas de sorte que fiquem em linhas rectas, com 
ruas nos interyalíos de capacidade bastante }-ara por elias 
se anclar% nSo só na cccaziâo da colheita , mas quando for 
precizo alimpar a herva, e tirar as tèas das aranhas, e ex- 
tinguir outros insectos , que destroem ^ cochonilhci. He tam- 
bém de advertir,, que a cochonilha , qaaodo se cultiva a 
opunciãi náo se hade pbr nesta, em quanto for nova; por- 
que ou a destroe consideravelmente, ou áuniquilla de todos 
o que acontece especialmente á Qpuncia menor. ,^ 

„ De mais , quando na opnricía robusta se vè que al- 
«uma, ou algumas folhas começam a conírahir nódoas ama- 
reilas , ou que principia a amarellecer, on a murchar, de- 
vc-se tirar lo^o, aproveitando ao m.esrao tempo toda a co- 
chonilha , que nellas houver pequena , e grande. „ 

,, Deve-se sempre deixat em cada folha alguns destes 
insectos, para hirem propagando a espécie: o que natural- 
mente não acontecerá, tirando-se-íhe todos absolutamente; 
e deve ser amais pequena, para que acabe de crescer ao 
mesmo tempo. „ 

„ Nos terrenos frios costumam os lavradores desta co- 
lheita recolher, durante o Inverno, algumas plantas, em ça- 
za com cochonilha, para não se perder no campo ; a qual ^^ 
chegando a Primavera ,' tornam a por sobre a planta^ 



t!| ,1 



184 



Província 



\l 



,'f'i 'jf 







tos. Vem-se multiplicadas espécies de lindissimas 
borboletas. 

Rios , Lagos , e Portos. Os primeiros ordina- 
riamente sam de curta extensão. 

Obra de três milhas ao Nornordeste das Tor^ 
res C2^) está a boca do Mampituba com cem bra- 
ças de largura. Não tem mais de sete léguas de 
extensão , sendo formado de vários córregos , que 
descem da cordilheira. Sua corrente he viobnta ; 
porém as sumacas sobem com a maré doze milhas 
athé o porto ádis Forquilhas. (23) Na sua margem 
septentrional desagua, uma lagoa de cinco léguas 
de comprimento , e uma de largura , estendidg. 
paralielamente com a praia do Oceano athé os 
'^Campos das Lagoinhas ; delia sahe ao mar outro 
desaguadoiro com o nome cVarroyo grande. 

Segue se a paragem denominada os Conventos : 
lie um serro de penedia , e moderada altura , ter- 
n-inado em plataforma junto á praia , obra de seis 
léguas e meia adiante do IVÍampituba. 

Seis milhas mais adiante sahe o rio Araran- 
guá , navegável por espaço cie cinco léguas athé 
o sitio dos Três Portos , onde tem cem braças de 
largo, e maior fundo do que na barra: a sua cor- 
rente he rápida desde Junho athé Setembro. 

Três léguas mais adiante desemboca o rio 
Urussanga , mais extenso que os precedentes , e 
mui rápido em quanto cheio. Nenhuma embarca- 
ção pode entrar na sua embocadura de quarenta 
braças de largo , fpor cauza da grande rebentação 
do ii^ar sobre um banco , que o cruza. No interior 
da terra tem maior largura , e quatro braças de 



(22) Torres , sam dois morros próximos á praia na la- 
titude d.i vintenove graus , e um terço, 

(2)') O ^^lasnpituba chaíiíou-se por algum tempo Rio de 
Marcíin Affonso, 



BMvm 



de Santa Catharina, 

fundo em partes. Este rio communtca com uma 
grande , e profunda lagoa , onde se vem botos , e 
outros peixes grandes , que sobem do Oceano, 
Fica-lhe ella da^ banda do Norte. 

Cinco léguas adiante está o Morro de Santct 
Martha , onde a costa muda de direcção para o 
Norte. 

Três léguas ao Norte do morro de Santa Mar- 
tha está a espaçoza barra da Laguna , noutro 
tempo Rio da lagoa, que lie a foz do irio Tuba* 
vão , e juntamente o desaguadoiro de varias la- 
goas prolongadas em cadêa com o Oceano , e delle 
pouco afastadas. Este rio principia na serra ^, que 
limita a Província : a sua corrente lie rápida crAbriX 
atlié Setembro. As canoas sobem por elle oito ou 
nove léguas athé o Porto da Guarda \^s sumaca^ 
não passam da boca do Capibary , que se lhe une 
pelo lado esquerdo , e he navegável por espaço de 
oito léguas athé Poa?;o Alto, 

Na margem septentrional do Tubarão está o 
desaguadoiro do grande lago denominado Laguna •, 
que tem cinco léguas de Norte-Sul , e perto de 
duas na maior largura , e fundo bastante para sii- 
macas athé a extremidade septentrionaL 

Na margem meridional do Tubarão , defronte 
do desaguadoiro da Laguna está o da lagoa dè 
Santa Martha , que terá um quarto de legua em 
quadro. No seu lado meridional desagila a lagoa 
Garopába , que lhe íica uma legua arredada , e 
poderá ter a mesma grandeza. Nesta desemboca o 
sangradoiro da lagoa Jaguarúna , que lhe fica 
obra de duas léguas ao Sul , e he pouco maior. 
Todas três dam' passagem a grandes canoas para 
o rio das Congonhas , que não he considerável» 
e desagua no lado Occidental da derradeira ; e sarn 
comprehendidas debaixo do nome de Lagoí^s dâ 
'" Camacho, Todas sam piscozas. 
Tom, I. Aa 




wm 



m 



Província 



\n 





;.' Nôíadò Occidental da Laguna > ê perto dà 
#ua extremidade septenrrioaal desemboca o rio Una , 
^iie dá navegação a canoas por algiimas íeguas 
athé o morro cie S, Joam. Este rio estende um 
htàço para o Norte de legiia e meia de compri- 
mento , e profundo » que termina nuns pântanos. 
Defronte da embocadura da Laguna está a 
illiota dos -Lobos. 

■■ Quatro léguas ao Norte está aponta, e por»» 
to da Einbíiába ; e duas mais adiante a boca da 
rio Piraquéra , qiie he o de af:^ivadoiro da lagoa 
do mesmo nome , chamada também lãqoa encan* 
túda com uma legua de comprido, e' um quarto 
áe largo. Este rio só lie corrente durante o In- 
Terno , e tem defronte a pequena lUia do seu 
flora e. 

Pouco ítiais de três milhas ao Norte está o 
Ho Gúropàbã , que he o desagiiadoiro da lagoa 
deste nome, aliàs á'3L Forquilha , formada na con>- 
iliienèia de duas ribeiras , e terá uma milha em 
Quadro. 

Depois de três léguas encontra-se o rio Err* 
%ahà , qile não tendo na boca mais d'oito braças 
cie largo ^ no interior chega a ter mais d^oitenta^ 
°As eanòas sobem por elle um dia de viagem. 

' Pouco menos de meia legua ao Norte fica a 
porita ádi Pinheira , á qual se segue o sacco áíí 

'^jesíuò nome , que he a entrada meridional do 
eanál da lllra áe Scim^ Carharina ^ cuja extremi- 

*^liáde austrai fica uma legua ao Norce da meneio» 
iluda ponta. 

"^ Perto de seis milhas ao çeptentrião ria mesma 
jahe €f no Mas samba com trinta braças de largo, 
r bastante fundo ; mas de curta extensão. C^^y 



(íí^) í^à iie Dom Rorfrqo foi O noaae , tem c^ue a 
prineipio desigtvavam o MassambiW 



de Sarna Cathàrina. 



1S7 



Segue -se -lhe um pequeno sacco com o nome de 
enseada de Brito \ e iim pouco adiante a entrada- 
do xioCubatão com sessenta braças de largo , peio 
qual sobem canoas grandes dois dias de viagelii*; 
Na proximidade deste rio ha vartas fontes 
abundantes d'aguas thermaes de differentes grátis 
de calor. O da mais distante , que ficará ctncO' 
léguas pelo rio acima , he de cento e dois graus. 
Depois de varias ribeiras encontra-se o tioMaríi." 
htj , tão largo como o precedente , e navegável 
athé o lugar da Guarda. ]unto a este rio está a 
enseada de S. Jozé. Hum pouco ao Norte fica o 
Estreito , que reparte o Canal em duas porçées 
quazi iguaes ; e mais adiante a embocadura do rio 
Bígiiassú com cincoenta braças de largo: por c He 
sobem canoas muitas léguas. Rio dos Patos ^íhe 
chamaram os primeiros descubridores , porque serViâ • 
de limite entre os índios deste nome , que se es-; 
tendiam athê o de S. Pedro , e os Carijós para o 
Norte athé a Cannanéa. 

Segue-se a grande enseada de S. Mlgud^ 
depois a Ponta da Armação , e mais adiante a- 
dos Ganchos , que fica L. O. com a extremidade 
da Ilha , que dá nome á Provincia , e he a meri-. 
dional da espaçoza enseada das Tijúcas , em cujo 
fundo desagua orlo do seu nome , que tem acima 
de cincoenta braças de largo , e dá navegação por 
dois dias. (25) 

Ao Norte está a enseada das Guaroupas aberta^ 
ao Nordeste , de menor largura, mais abrigada ^ 
cOm capacidade para recolher uma Esquadra : nella 
desaguam o xio Bupéba , e os áois Pírequês , gran- 

Aa ii 



'A 



(^^O o terreno adjacente á enseada t?as Tijúcas. be 
uma planície pamanoza no Inverno por onde senáo tranSita 
sena grande trabalho, e incoinmodo. . . . ^ ^ . v 




i8S 



Província 



'■i: 



de , e pequeno. A terra , que medêa entre estasl 
enseadas , lie uma península , que se estende aa 
mar , e termina fazendo três pontas , cuja central 
fica entre outras duas pequenas enseadas. 

Andando para oseptentrião encontra-se o rio 
Cambonj-giiassú , que he rápido no baixamar , c 
terá vinte braças de largo. 

Perto de três léguas adiante está a embacadura 
áo grande Tajafiij , que tem pouco menos de ses- 
senta braças no lugar da passagem um pouco ar- 
redada da praia. He o único rio, que na estrada 
de Portalegre para S. Paulo se encontra fazendo 
caminho para o Nascente. Passa-se ainda a váu 
neste lugar. As sumacas sobem por elle três mi- 
lhas; as lanchas , e canoas grandes navegam li-* 
vremente largo espaço athé o primeiro salto. Obra 
de sessenta braças acima torna a ser navegável 
por espaço de três dias à eirga , e outros tantos 
ar remo athé outra cachoeira , donde senão passa. 
(26) Os principaes confluentes, que o engrossam^ 
sam o rio de LuÍ7^ Alves , que vem do Noroeste , 
e he navegável por canoas pequenas, e oTajahy" 
mirim , que vem do Sudoeste , e dá navegação 
a canoas por espaço de dez léguas. Todos regam 
terrenos de grande fertilidade. (27) 

Cinco milhas ao Norte sahe o rio Gravata , 
aliás Iriri-ffiiassú com trinta braças de largo , e 
navegável por canoas. Segue-se-lhe a espaçoza 
enseada de ítapacoroija , onde ha uma Armação 
de Balêas. Passando adiante encontra-se o Iríri» 
mirim , e o Camboriâ , pelos quaes sobem também 



(2.(y) O Tcijahij nasce entre o rio Negro, e o Corren- 
lè vam para o Poente. Nas suas adjacências ha muitaf 
serranas. 



teâ, què 



(127) O rio de Luiz Alves corre junto da serra do Ba- 
hul / c^xQ se avista do mar em grande dis-taucia» 



de Santa Catharina. 



189 



canoas com o soccorro da maré ; e logo o Tajiiba , 
que lie da mesma ordem. 

Três léguas ao Norte da mencionada Itapaco-^ 
roya desagua o rio Itaptcá , ao qual dam cincoenta 
braças de largo com muito fundo. Vem de muito 
longe , e dá navegação a pequenas canoas por es- 
paço de muitas léguas , sem encontrar mais que 
uma cachoeira , qne fica dez milhas acima da sua 
embocadura. 

A ressaca do mar não deixa entrar género 
algum de embarcação para este rio , que logo den- 
tro da barra forma nm lago denominado Lacjoa 
da Cru7^ com duas léguas de comprido N. S. pa- 
rallela com a praia, e muito estreita. Entre os rios 
que o engrossam , nota-se o Piranga , que se llie 
une pelo lado esquerdo , e dá navegação a canoas 
por espaço de cinco léguas ; o Upitancja , que se 
lhe ajunta pela direita, e lie navegável por espa- 
ço de seis milhas; o Itapicã-mirini , que vem do 
Noroeste , e pode ser navegado por distancia de 
quinze milhas; ojaraguá , que vem do Sudoeste , . 
e mostra poder levar" embarcações athé um sitio, 
que fica quatro léguas acima da sua foz ; o deno- 
minado Braço , que desce do Noroeste , e pode 
levar canoas por espaço de seis milhas. Todos cor- 
rem tortuozamente por entre montes , e grandes 
matos , que mostram bem qual seja a substancia 
do terreno. (^8) 

Obra de cinco milhas ao Norte do Itapicú , 
está a Ilha de S. Francisco com seis léguas de 
comprido N.S. e forma d'arco , cuja corda íica em 
linha recta com a costa. O canal , que a separa 
do continente , he impropriamente chamado rio de 
S. Francisco, 



''iir.i Iji 



'1', r 



(28) o Itapicá parece ser olVio dos Dragos , que os 
primeiros descubiidores puzeram ao Sul do de S. Francisco. 




tf^ 



Provinda 



í ' :^ ''^'' 



w 



A entrada meridional , denominada Ar acari/ j 
tem duzentas braças de largo , fundo só para lan- 
di a? , e um pouco fora as três Ilhas dos Remedias 
á direita ; e as duas dos Tamboretes á esquerda. 
A harra do Norte, denominada J5j/>/ío/z^íZ , tem 
mil e quinhentas braças de largo , e fundo para 
grandes sumacas. Çag') O canal , ou per tendido 
Rio de S. Francisco , cuja forma he semicircular , 
alarga consideravelmente d'ambas as bocas athé o, 
meio , onde tem mais de três milhas de largura ; 
e he um arquipélago d' ilhotas, cujo numero sobe: 
a m^ais de vinte. Maior numero de rios vem aqui 
desaguar. O mais próximo á barra Aracary he o 
rio Piraque , ao qual dam cmco léguas de curso, 
cinco braças de largo na foz , e três milhas de 
navegação de canoas. Segue-se o rio dos Pinhei- 
rcj^ ainda menor que o precedente. Depois o rio 
Parati/ , ao qual dam trinta braças de largura na 
barra , duas e meia de fundo no baixa mar , e três 
quartos de legua de navegação. O rio das Aréas 
pequeno, que he estreito., profundo, e navegável 
pos espaço de meia legua. O das Are as grande , 
pelo qual sobem canoas com a maré por pouca 
^distancia. O rio Parannagaá , cuja origem fica 
próxima á do Piranga , ramo cio Itapicii , como se 
disse : sumacas sobem por elle pequena distancia ,.. 
lanchas meia legua , canoas três milhas. O rio Sa^ 
guaçâ com um quarto de legua de largura na 
barra , e quatro braças de fundo : as canoas sobem 
por elle obra de dez milhas. Os dois Erírys pe-: 
queno , e grande , cada um com cinco braças de 
largo , duas de fundo na barra , e navegáveis por 

Ç2.9) Nos íins do Século dezasels ainda não se sabia 
Csegundo parece) que q terreno d^eiitre a barra Aracary,. 
e liabitonga era uma fiha : pensavíi-se ainda que ellas eram 
dois rios caudalózos : á meridional chamavam rio deS. Frfl/i- 
tisco y á^sepientriona/ rio Alagado, i 1 



ãe Santa Catíiarína. 



igi 



espaço de ditas léguas. O Cuhatao grande , qae 
tem vinte braças de larga, três de íimdo , e lie 
navegável por espaço de dez léguas athé o alto 
rnôrro da Tromba, C rio cV António Felis , que 
lie estreito , com pouco fundo , e só navegável por 
distancia de meia légua. O Rileijrân cem Cinco 
braças de largo, un/a e rreia de fundo, e nave- 
gado por canoas. O Blcjuaçú cem cinco biaças dé 
iàígo , mais d'huma de fundo , e navegado athé 
onde a maré leva as canoas. O Pyrcbi/réba , que 
tem considerável largura com tres braças de fim- 
do,, e dá navegação a canoas athé um morro , que 
íica pouco clist^ante do lugar, onde a maré acaba. 
O rio àos Cavaíi/i/ios ^ pelo qual sobem canoas por 
espaço de dez milhas. O rio das TresBarras , as- 
sim chamado , por ser a em.bocadtira commum 
d^outros tantos , que se unemx junto ao canal , Cjue 
recolhe suas aguas: Furta-enchente ^ S.Joam^ e 
TreS'B arras sam os seus nomes: o segundo he o 
único considerável : dam-lhe cincoenta braças,, de 
largo, quatro de fundo: sua origem fica próxima 
á d' hum ramo doGuaratuba: as canoas sobem por 
eile obra de três léguas. Os seus principaes con- 
fluentes sam o rio Maria-Bac/iaàra , e o das Fíz- 
rinhas , que vem da serra da Curytiba , e dá na- 
vegação a canoas. Segu^em-se o Barrancos , oBa* 
cuhij , o Lamem , o Batuby , o rio dos Fornos , 
o áos Fernandes , o do Barboza , os óo\sJ acju arú" 
nas grande , e pequeno , que he o mais vizinho ao 
ípóntal do Norte da Barra Babitoncja, Os nove der- 
radeiros sam pequenos , e só aparatozos duiantenE) 
preamar. Todos geralmente correm mansos por entre 
margens biiixas , e alagadiças , onde se cria , e 
pasta grande quantidade de purpúreos cjuarâ^ , 
que recream a vista dos navegantes. Em alr<nns 
'■' <le s te s rios ac h am - se /a l j of a re s de v á r ias c o re s , e 
grandezas, mas imperfeitos, semeados no lodo. ''^ 



igs 



Província 



: V 



t ; 






A ííha de S. Francisco he baixa, regada de 
varias ribeiras , e povoada. Na parte oriental ha 
lima lagoa estreita com três legiias de compri* 
do Norte Sul denominada Rio Acarahy : e 
pouco ao Norte delia outra de meia légua de com-' 
primeiíto , ecincoenta braças de largura com pou- 
co fundo. 

Duas léguas e meia ao Norte da Barra Babi- 
tonga desagua o rio S ahij' mirim ^ que não passa 
d' luima ribeira ; e outra tanta distancia adiante está 
o Sahy-fjrande , que também não he considerável* 
Pouco acima de suas embocaduras unemse ; porque 
sam duas fozes dVlium mesmo rio* 

A maior parte da população desta Província 
he oriunda das Ilhas dos Açores: os Negros não 
sam numerozos , e os Mestiços ainda menos. Dos 
Aborígenes os Patos entranharam se pelo conti- 
nente; os Carijós, por serem affaveis ^ foram os 
primeiros apprehendidos pelos Vicenti^tas : e daqiti 
procedeu fazeremlhes o nome commum a todos os 
domesticados de qualquer nação que fossem. 

Prezentemente ha nesta Província 



r 



N.S. do Desterro 



Três Villas, 



J Lag 
IS. í 



una 
Francisco 



na Ilha de S. Ca- 
tharina. 
no Continente, 
na Illia do tnes* 
mo nome. 



^S.Jozé. 
JS. Miguei. 
} N.S. do Rozario 
Sete Freguezias.< Santa Anna 

• N.S. da Conceição. 



na ílíia 
N.S. das Necessidades. > ^^ ^' ^: 
O numero das Ermidas iguala com o das Par 



I N.S. da Lapa, 
V 



s 



no cont» 



roquias, 



de Santa Catharina. 153 

Em setecentos noventa e seis havia 

Fogos, 011 vizinhos ....... 4U2i6 

Habitantes a-dultos , excluindo a Tropa 

paga . 23U85^ 

Engenhos d'assucar U003 

Engenhocas de moer canas para lambi- 

ques (30) JJig^ 

Engenhos de pilar arroz U004 

Moinhos , e Atafonas U297 

Bolandeiras de mandioca ... . . . U884 

Curtumes de coiro Uosa 

A população em oitocentos e doze su- 
bia a . . 31U530 

Ilhas. As únicas consideráveis sam a que dá 
nome á Provincia , e a de S. Francisco. 

A Ilha de Santa Catharina , que tem perto 
de nove léguas de comprido Norte Sul com uma 
athé duas emeia de largura , hemontuoza, abun- 
dante d'agua , ainda cuberta de matos em parte. 
Não he falta de pedra , nem de barro. Entre seus 
montes ha várzeas de maior , e menor largura ; e 
ainda sitios pantanozos. As praias formam muitas 
enseadas, e abundam de conchas. Na parte orien- 
tal ha uma lagoa de duas léguas de comprimento 
N. S.e mais de mil braças na maior largura , e 
To/72. /. Bb 



(^50) A carestia do vuiho C^ni razão da sua falta , a 
íífoiíndancia ) e baiateza da aguardente fazem que todo o 
ir.undo uze delia tão apaixonadamente , que muitos expe- 
rimentam cedo os seus funestos effeitos. Os homens sizudos 
dezejam que o Senado se apropriasse a venda deste objecto, 
e lhe taxasse ura preço tal , que os bebedores se vissem 
obrigados a uzar delie com a parcimonia de remédio medi- 
dnai. 



m 



Provi n cia 



<i > 



ff' : 



profunda em partes , â qital estreita muito em 
ceiíd paragem , de sorte que parecem duas assaz 
éesiguaes i unidas por uma- garganta de dncoenta 
braças de largo com uma grande ponte. Quando 
210 ínvern^o começa a inundar as adjacências mais 
hmxm , osmoradores da vizinhança abrem-ilie um 
desaguadoiro para uma enseada , que lhe fica pouco 
arredada para o Nordeste > o qual he logo entupido 
pela ressaca do mar , em cessando a corrente , du- 
rante a qual Ike entra do oceano grande quanti- 
dade de ta4nhas , robalos-, carapébas , acarás, lin- 
guados com outras castas de pescado , que a íã-zem 
piscoza em todo o tempo. Na extremJdade septen- 
rrional desagua -uma ribeira denominada rio Ver- 
me! /i o ^ em cujas adjacências se criam as melhores 
melancias de toda a Província. 

Mais para o Sul ha ainda três : a íagoinha 
grande com mil seiscentas braças de comprido , e 
quinhentas athé seiscentas de largo , seis de fun- 
do , e em partes áet , segundo dizem ; a do Pan" 
tano com quatrocentas de comprimento , c duzen- 
tas de largura , ^lagoinha de Leste , que tem tre- 
zentas e cincoenta de comprido , e cem de largo: 
cm todas ha os mesmos pescados daquelloutra. 

Mandioca , e linho sam os principaes objectas 
da agricultura , quazi geralmente exercitada pOr 
lioraens brancos , que também cultivam milho , ar- 
roz , café , legumes , canas d'assucar , e algum 
algodão , que não he de boa qualidade. Tem-se 
naturalizado algumas arvores fríLctiferas de Por- 
tugal. As melancias , os annanazes , e as bana- 
B^as sam em grande quantidade; as laranjas as mais 
ab ti n dantes. 

As principaes torrentes desta Tlha sam*^orio 
Vermelho já mencionado , o dos Ratones ., que 
desagua pouco mais de duas léguas ao Norte da 
Capital, "e o do Tavares , que sahe obra de três 



iip 



de Súnta Catharina, 



195 



ítiilhas ao Sueste da mesm^ Capital. O terreno re- 
gado pelo deriadeiro cria os melhores melões da 

Província. , . , 

O canal , que a separa do coatmente , iGiigc 
de ter sempre uma mesma largara , f6rma dois 
grandes Porcos , qnazi iguaes no comprimento , e 
deparados por um estreito de duzentas braças de 
larmira entre duas pontas. O do Norte, que tem 
três lee^uas de largo , e fundo para as maiores 
Naus, he um dos melhores d' America Meridional, 
e a chave do Oceano do Sul. 

O vento reina do Sul , durante o Inverno, 
que principia ordinariamente em Maio , e acaba 
em Outubro. As trovoadas sam frequentes no bs- 
tio ; mas todas as tardes desta Estação sam refres- 
cadas com virações do mar ordinariamente fortes. 

lunto á ponta meridional da Ilha de Santa 
Catharina estam seis ilhotas ; as três occidentaes 
denominam-se líhas dos Papagaios , e as Orieit- 
taes os Tres-lrmãos. A dos Moleques , 3. do Cam- 
peche , ^ do Xavier , a das Aranhas , a do Badejo 
íicam sobre a costa oriental em distancias com- 
passadas. Perto da ponta septentrional estam três 
com o appellido á(^' Moíeques. Légua e meia ao 
Norte da mesma ponta está a Ilha do Arvoredo 
com meia légua de diâmetro , e ao Noroeste delia 
a da Gaíle. Dentro do porto principal estam eiv 
troutras a Ilha Tomarim encostada ao continente , 
e a dos Ratones , quazi defronte do rio do mesmo 
nome , ambas fortificadas. No meridional estam a 
Illia dos Cardos , e a de Maruhij. 

A Capital da Província he a considerável , 
populoza , e abastada Villa de Nossa Senhora do 
Desterro, situada no lado occidentalda lUia de 
Santa Catharina sobre uma enseada um pouco a 
Les-Sueste do Estreito , em terreno desigual entre 
dois morros , atravessada por três ribeiros , que 

Bb ii 



t^6 



Província 



passam por baixo de varias pontes de pedra. As 
ruas sam quazi geralmente tortiiozas , as cazas ou 
de çedra ou de madeira. Além da Igreja Matriz 
tem as Capellas do Menino Deos , e de N. Senhora 
do Ro7^ario , uma Ordem Terceira de S. Francisco 
d'Assís, um Hospital da Caridade. Os quartéis da 
Tropa sam bons ; o' Senado lie prezidido por um 
Juiz de Fora ; a mocidade instruída por mestres 
régios de Primeiras letras , e Latim , para cujos 
honorários ha um tributo na aguardente. As ollarias 
fazem aqui um ramo de industria , e commercio. 
Fabricam-se tacidos de linho , e d'algodão ; e ainda 
d' hum com outro. 

Légua e meia ao Norte da Capital está a Fre- 
gliezia de N. Senhora das Necessidades , mais co- 
nhecida pelo nome de Santo António, He ainda 
povoação pequena com arredores vistozos , e apra- 
xiveis. O povo, que a habita , cultiva canas d'as- 
car , mandioca , milho , algum linho , e diversidade 
d' hortaliças. 

Pouco mais de três milhas para o Norte na 
enseada das canavieiras desembarcaram os Cas- 
telhanos em setecentos setenta e sete , e assenho- 
rearam-se da Ilha sem a menor rezistencia : tão 
valerozo era o seu governador. 

A Parroquia de N. Senhora da Conceição, 
que fica obra d' huma légua ao Oriente da Capital , 
sobre um tezo pouco arredado da lagoa grande 
com vista d' huma considerável extensão do ocea- 
no , he abastada de pescado. Os seus parroquianos 
cultivam linho , canas d'assucar , mandioca com 
os outros viveres do paiz. No seu districto ha uma 
armação de balêas. 

Obra de duas léguas ao Sul da Capital está 
a Parroquia de N. Senhora d-dLapa , situada junto 
á embocadura d' huma ribeira, no fundo d' huma 
pequena enseada semicircular, em frente d' huma 



■■ 



"cmm 



de Santa Catharina, 



197 



ilhota Fregiiezia do Ribeirão lie o nome , com 
que vulgarmente a designam. He abastada de pes- 
cado . e dos mantimentos do paiz.^ 

íaqana , Villa mediocre , e vantajozamente 
situada sobre a margem oriental da lagoa , que 
lhe empresta o nome , menos de meia légua dis- 
tante da barra, junto a uma collina , donde des- 
cem arruas excellentes. A sua forma he a d hum 
quadrilátero com três ruas parallelas encruzadas 
por outras, e uma praça a um lado, sobie aqual 
está a Caza da Camará. Sò tem a Igreja Matriz 
dedicada a Santo António dos Anjos. Grande par- 
te das Gazas sam de pedra , algumas de sobrado , 
e alveadas com cal de marisco. Seus jiabitantes 
cultivam mandioca, milho, arioz, feijão , favas , 
algum trigo, e linho. Alagoahepiscoza Nosme- 
zes de Novembro , e Dezembro entra nella prodi- 
moza quantidade áç bagres , cuja pesca fazumlu- 
crozo ramo de commercio. Fica dezoito léguas ao 
Sul da Capital. Do seu porto , onde entram suma- 
cas , sahe farinha , arroz , milho , madeira , e pei- 
xe salgado. 

Obra de quatro léguas ao Norte da Laguna , e 
quatorze ao Sul da Capital está a Freguezia de 
Santa Anna , vulgarmente só conhecida pelo no- 
me de Viilanova , povoação ainda pequena , vis- 
tozamente situada sobre um tezo , perto da extre- 
midade septentrional da mesma lagoa , junto ao 
morro de Tapírãva , que lhe fica ao Meiodia , e 
pouco distante da Hgo^àPanêma , que lhe demora 
ao Norte, com dois port05 , um em frente , outro 
por detrás no oceano , chamado Porto da Embi- 
taba. abrigado do Sul , e Levante pela ponta do 
mesmo nome, onde Jia uma meia armação de balt as 
sujeita á administração da de Garopába As cazas 
sam geralmente de madeira, havendo abundância 
de pedra. Seus habitantes , entre os quaes ha mui:. 



"I 



iç9 



Provinda 



^k^ 



ll>M: 



I 



»,kj 



tos macilentos , recolhem as mesmas produções que 
os da Laguna , e cultivam maior quantidade de 
Im 10 , o que faz haver aqui maior numero de te- 
cedeiras do que em nenhuma outra povoação. As 
cebollas sam de grandeza extraordinária , e as ou- 
tras hortaliças de boa qualidade. (31) 

^ A Freguezia de N. Senhora do Ro:çano , que 
esta sobre a enseada de Brito entre dois regatos , 
dez léguas ao Norte de Villanova , três e meia ao 
Sul da Capital , he ainda pequena , e seus Parro- 
quianos cultivadores de mandioca , milho , e ca- 
nas d'assucar ; e também sam pescadores. No seu 
4ístricto ha Caldas. 

Qud.tYO milhas ao Sudoeste da Capital , e me- 
nos de meia légua arredada da esquerda do rio Ma- 
•ruhy está a Parroquia de S. Jo7^e sobre a ensea- 
da do mesmo nome com uma ollaria de loiça vi- 
drada. Seus habitantes cultivam arroz , milho , 
canas d'assucar , mandioca , e pescam. 

Duas léguas e meia ao Noroeste da Capital 
está a aprazivel Freguezia de S. Miguel sobre a 
enseada do mesmo nome, que lhe forma lun bom 
surgidoiro. Os seus habitantes recolhem , e expor- 
tam grande quantidade d'arroz , e farinha com al- 
gum assucar. Perto delia fica a principal Armação 
das balêas. 

A Villa de S. Francisco , que he mediana , 
abastada de pescado , e dos viveres do paiz com 
cazaria geralmente chan , e uma bella Matriz de 
pedra dedicada a N. Senhora da Graç^a , está sobre 
a praia occidentaí da Ilha do mesmo nome , perto 
de três léguas dentro da barra Babitonga em ter- 
reno plano, e paragem vantajoza para o commer. 

Ca O A lagoa Panêma tem mil braças de comprimen- 
to com pouca largura; e só desagua para o Oceano, quan* 
do chove muito. 



de Santa Catharina, 



rçg- 



cio. Só duas ruas sam calçadas. Seus habitantes , 
geralmente brancos , sam descorados , e quazi to- 
dos lavradores de mandioca , para a qual o terre- 
no he mui apropriado. A colheita do milho , ar- 
roz , assucar , café , e tabaco , que pode ser con- 
siderável , he ainda de pouca monta. Não ha quem 
não possua ao menos uma canoa. Fazem-se aqui 
embarcações de bom porte. Madeira , e cordas 
d" imhê sam os objectos mais importantes, que sa- 
liem do seu bom porto depois da farinha. 

Esta Província , que faz parte do Bispado do 
Rio de Janeiro , he da coxreição do Ouvidor de 
Portalegre. 




N,^ r. 



província 



D E 



SÂ o F A U ]L o. 



Sta Provinda, formada com aiiniSo da Capi- 
tania de Santo Amaro, e metade da de S.Vicen- 
te, tomou o nome, que a designa em mil setecen- 
tos e dez , quando EI-Rey. D. João o Quinto en- 
corporando-as com os bens da Coroa por compra , 
lhe nomeou Governador com o titulo de Capitão 
General na pessoa de António de Albuquerque 
Coelho , e a este a Cidade de S. Paulo para sua 
rezidencia. Confina ao Norte com a de Minas Ge- 
raes , de que he separada pela Serra da Manti- 
queira , e com a de Goyaz , de que he dividida 
pelo Rio Grande ; ao Sul com a de S. Pedro , cia 
qual he separada pelo Rio Pellotas ; ao Occidente 
com o Rio Paranná , que a divide das Provindas 
de Goyaz , e Matto-Grosso ; ao Oriente tem o 
mar Oceano , e as Províncias do Rio de Janeiro 
na parte septentrional , e a de Santa Catharina 
na meridional. Jaz quazi toda na zona temperada 
entre os vinte e trinta minutos, e os vinte e oito 
graus de latitude Meridional , com, cento trinta e 
cinco léguas de comprimento Norte Sul , e cem de 



ãe S, Paulo. 



20f 



largura media L. O. , admittiiido variedade tanto 
a respeito do ar , como da qualidade , e aspecto 
do terreno. 

Sabe- se que determinando El-Rey D. João o 
III. repartir a Costa Brazilica em Capitanias , a. 
tempo que Martim Aflbnso de Souza se achava; 
nella , lhe dera uma de cem léguas , e a seu Irmão 
Pedro Lopes de Souza , que andava com elle , outra 
decincoenta ; do que os avizou por uma Carta da- 
tada a vhite eoito de Setembro de mil quinhentos- 
trinta e dous , na qual dizia se lhes remettiam as 
doações ; mas , como estas não apparecem , e sc> 
outras , que se lhes passaram em trinta e quatro , 
c trinta e cinco , depois que voltaram ao Reino , 
não sabemos , se as Capitanias que então se lhes 
deram , são as mesmas que primeiro se lhes offere-* 
ceram; parecendo evidente que no cazo de serem 
as mesmas , não foram repartidas a principio , co- 
mo effecti vãmente foram ao depois , ficando em 
parte enclavadas uma na outra. 

Fosse , como fosse , o certo he que a Carta; 
de doação a Martim Aífonso foi passada , ao menos- 
assignada na Cidade de Évora a vinte de Janeiro 
de quinhentos trinta e cinco , tempo em que elle 
já tinha partido para a Índia ; e especifica que 
esta Capitania (^a qual ao depois teve o nome de 
S. Vicente) se estendia do Rio Macahé até doze 
léguas ao Sul da Ilha Cannanéa , (onde está a barra 
de^Paranaguá) exceptuando um pedaço de dez lé- 
guas contadas do Pvio Ciirupacé , hoje jíqairi" 
quere\ athé o de S. Vicente. (32) 

A Capitania de Pedro Lopes de Souza , que 
Tom, 1. Ce 



^32) He de notar que , posto que a Capitania de Mar- 
tim Affonso de Souza tivesse cem léguas cie Costa , e as 
dos outros Donatários só cincoenta^ suceedsu ficar a deste 




Província 

era a de Santo -^/t? aro , comprehendia as dez te* 
giias mencionadas , e quarenta ao Sul tmmediata» 
mente áqiieiroutra. 

A de S. Vicente não tinha ainda quarenta 
annos , quando se lhe tirou quazi metade para a 
creação da do Rio de Janeiro. Com a mudança de 
possuidor desappareceram os limites mediterrâneos 
de ambas as Capitanias , e a jurisdicção dos Go- 
vernadores começou a ampliar-se pouco a pouco 
sobre os territórios , onde ao depois se crearam as 
Províncias de Minas Geraes , Goyaz , Matto Gros- 
so , Santa Catharina , e Rio Grande do Sni , á me^ 
dida que os Paulistas hiam nelles plantando co» 
lonias. 

A authoridade de Herrera , como se disse nou-* 
tra parte , parece sufficiente para não duvidarmos^ 
que em S. Vicente havia Feitoria para resgate 
dos Indígenas em quinhentos vinte e sete; mas a 
licença , que Martim Affonso concedeu á Pedr© 
Góes em três de Março de quinhentos trinta <| 
três para ,, podtr mandar dezasete escravos forros 
de todos os direitos , e fretes que costumavam pa* 
gar ,, prova exuberantemente que ella existia , ao- 
menos para este trato, tiuma vez que havia F^/V 
toria , devia haver navegação para eíla , e os Tn-r 
dios não podiam espantar-se dos navios da armada 
de IVlartim Affonso , como coiza nova, e nunca 
vista , como pretende o Author das Memorias pa- 
ra a Historia desta Província ; mas não «abemos ^ 
em que anno , nem por quem fora estabelecida esta 
Feitoria. O mesmo Escritor attesta-nos queMartin^í 
Afenso achara aqui dois Europeus , António Ro- 
drigues , e João Ramalho ; os^quaes elle imagina 



com rrcnoT área, ou nirinero áe léguas quadracks, pelo mij^i- 
TO qiie a costa tem íecolhido para Oeste , e por Gifa «â# 
correr f^orte Sul, eoaio ««s daqiwlloiitfos. 



de S, Pauto. 



aos 



tereiTi escapado de algum naufrágio lia costa ; quan* 
do partíce tão provável que elles ou fossem agen* 
tes da Feitoria , ou vivessem á sombra delia , co- 
mo inciivel que fossem os únicos Europeus aqui 
estabelecidos ; porque os estabelecimentos deste ge« 
nero entre bárbaros sempre tiveram muita gente. 

Montes. Este paiz. não lic montuozo , se ex* 
ceptuarmos a parte Oriental , onde em todo ò seit 
comprimento , ao longo do mar tem a cordilheira 
geral , a que ás vezes dam o nomt áQ Cuhatão, Es- 
ta serra não he em toda a parte de liuma mesmat 
altura , nem corre sempre em igual distancia da 
praia. Tem muitas quebradas , por algumas das 
quaes descem torrentes para o Oceano, e curvi^ 
dades para o interior , deixando alguns pedaços 
de terreno médio ; e he em toda a parte cuberta 
de mato. Sendo quazi geralmente alta para a ban- 
da do mar , tem pouco declivio para o Poente : 
e he o terreno mais alto'^da Provincia , depois de 
exceptuarmos alguns montes dispersos no interior í 
pois que os mais caudalozo5 rios , que a re- 
gam , tem nelia suas origens , e correm para o 
Poente :i^lí.JcnD: - 33 

A serra Araassoiava i por icorrupçio Guarás^ 
solava^ que úu,y^\^^2i c abertura do sol, alludinda 
á' grande extensão de terreno , que fíca debaixo 
da sua sombra muito tempo antes que o Planeta 
se aproxime ao Orizonte. Esta Montanha , que 
t-em *^tres« léguas de comprimento , e largura propor- 
cionada , toda he hum puro mineral de ferro ; e 
está no districto da Villa de Sorocaba. 

O Moatt Araquára y do qual se elevam fre- 
quentes exhalaçoes , e onde se diz haver oiro * 
fica sobre a margem direita do Rio Tietê , oito lé- 
guas abaixo da embocadura do Piracicaba. Nãò 
se deve confundir este monte com a serra do ijies* 
mo nome 5 que fica mais central. 

Ce ii 



S3L04 



Província 



Junto ã cabeceira do Jagiiariquatú está o alto 
Monte Pirafirajjuan , que se avista de muito Ion- 
izei e tem oiro. O Monte Thahó , sobranceiro aa 
Rio Tliajalii , também he alto , etem o mesmo me- 
tal. A Serrsi Dourada fica no campo de Guarapua- 
ba. ao Poente do Tibagí. 

A Serra da Apucarânna , também no campo 
de Guarapuaba he nomeada nos roteiros de alguns 
certanistas. 

Na vizinhança do mar nota-se o Monte Car^ 
do^o á esquerda da entrada para a bahia da Can- 
nanéa : o Monte Jitrea , por corrupção de Judéa^ 
âo qual deram este nome por parecer judiar com 
os caminhantes, que nunca o transitam sem tra- 
balho , ecançaço grande, passando a estrada pela 
sua summidade ; porque o mar sempre bate furio- 
zo na sua baze: he alto , e vistozo : deíie descem 
varias torrentes , entre as quaes se nomea o RiO' 
Verde , que forma algumas cascatas: íica poiícass 
léguas ao Norte do Rio de Iguápe. O Monte } a^ 
ffuary y que fica entre os Rios Itanhaen , e Una 
sobre a praia , he em grande parte de penedia 
com arvores corpulentas, cujas raizesincommodam 
os viandantes; porque p caminhavpassa por cima 
delle. 

Mineralogia. Ha minas de oiro , prata , co- 
bre , ferro , enxofre , pedra Imme ; magnete , pe* 
derneiras , pedra calcaria , granito , pedras de 
amolar, e afiar: tabatinga , rubins , diamantes, e 
diversidade de outras pedras preciozas. 

Rios , e Portos. Nenhuma das Províncias ma- 
rítimas , á excepção da do Pará , tem tão grande 
numero de rios navegáveis , posto que os maiores 
sejam geralmente incapazes para conduzir as pro- 
diicçóes do centro do paiz athé os portos do mar» 
do qvial todos fogem para o Occidente a perder-se 
no Paranná. Mas como as da parte Occidental 



de S\ Paulo, 



205 



Cqnando nelía ílorecer a Agricultura) não podem 
descer por este em raz'^0 das Settequedos , ellas 
poderão' ser conduzidas por aquelles acima athé. 
onde ellfrs começam a ser navegáveis, e dalli aos 
portos pelo methodo praticado com as daquelles 
districtos. Os principaes sam o Paranná , o Iguas- 
sú , o Parannapanêma , e o Tietê. 

O Paranná toma este nome na confluência do 
Paranaliyba , que vem do centro de Goyáz , e do 
Rio Grande, que salie do interior de Minas Ge- 
raes , ambos caudalozos.: ; , 

; • Depois de muitas léguas , e de ter recolhidQ 
vários outros por um e outro lado, fdrma.a gran-, 
de cachoeira de Urubu- Funga , que impedindo a 
subida a toda a casta de peixe, faz que elle ande 
alli em cardumes ; e será um ramo lucrozo de com- 
mercio aos futuros moradores da sua vizinhança: 
a sua zoada ouve-se de muitas léguas. Tmmediato. 
a ella desagua o Rio Cururuhy , que vem do in- 
terior de Goyáz atravessando as terras dos Caya- 
pos : e coiza de três léguas abaixo recebe pela 
margem Orientai o Rio Tietê , defronte de cuja 
feoçqi liaiduas ilhas pouco desiguaes com três milhas 
de comprimento , ou com pouca differença : e coiza 
de duas léguas adiante recolhe pelo lado Occiden« 
tal o Rio Sucurihú , abaixo de cuja boca está a 
perigoza correnteza áe Jajnà, 

Légua e meia mais adiante começa a Ilha 
Comprida , que tem mais de seis léguas de exten- 
são : e duas léguas e meia abaixo da sua extremi-- 
dade meridional desagua na margem esquerda o 
Rio Aguapehí por uma boca de quatro braças de; 
largura. Quatro léguas adiante desemíboca pelo 
lado Occidental o Rio Verde , defronte de cuja 
foz estam duas ilhas emparelhadas , e quazi iguaes , 
mas que não tem mais de uma légua de compri- 
mento. 



â 



aõ6 



Pf&viãela 



Dez legiias abaixo do pTêcedenre entra pek 
mésítia margem o peqiteiiD Rio da Onça ; e ccizát 
dê quinze miliias âdianttí entra também pela direi* 
ta ô Rio Pardo , pelo qual se sobe para Gamapiiaii* 

Légua e meia abaixo desta continência fica a 
do Rio de Santo Anastácio, que vem de Leste , è 
não he caudaíozo* e Colza de vinte e ciiico mais 
adiante entra o Parannâpanêmâ , em frente de cuja 
bocâ está uma illia com pouco menos de dxias lé- 
giias de comprimento t e pouco mais de íegua e 
meia adiante da sua ponta, meridional começa ou- 
t«rà dé três ; e iim ponco abaixo outra , que tem 
oit0 de con^primeíito. 

Pouco mais de tttií milhas abâlxò da extremU 
dadé meridional desta illia está a boca centrai do 
Rio Ivinheijma ^ qUe vem do Poente. 

O Paranná tem aqui pouco menos de duas 
legUâs de larguras e lie um arquipélago de gran* 
des illias. Oito léguas abáixo do Ivinlieyma salié 
o Ivãàí , que vem do Nascente ; e seis milhas mais 
adiante coíneça uma ilha , que tem pouco menos 
de quatro legúas de comprimento ; defronte de 
cújò meio desemboca o Rio Amambahy , que vem 
do Poente. Neste ponto comera á Uha Gran^ 
dè , que tem pouco menos de vinte legitas de com*^ 
priruento com muita largura , « acaba uma legua 
acima das Setteqiiédas, Pouco mais de duas le- 
l^uas acima da ponta meridional desta ilha entra 
Sela margem Occidental o Rio íguatimy por vinte 
ê quatro graus, e quarenta minutos; e em pouco 
ííiaior latitude entra pela Oriental o RíoPiquinj * 
c cõizã de três legUas e meia ao Sul do primeiro 
entra também pela direita o p^qiitno Rio Ign^rn 
immeámto i^ Settjequé das. - 

Na mencionada extremidade da Ilha Grandt 
já he mui despedida :a corrente do Paranná ; e vai 
em augmento á proporção ^ue suas mvixí^ms ^t 



de S, fetutç. 



mf^ 



aproximam; e denma legiia delargiiríi qne ^ind^. 
tem defronte do Igiiarei , se reduz vl Gineoentíi 
braças com grandíssima zoftda HiviHido em set§ 
Canacs, formados por seis ilhotes de rochedo cqií| 
furioza corrente atravc,?, da serra I)^fnroeãjú. ,5 
Além das ilhas mencionadas há neste rio ^ind^ 
um vasto numero de outras menores no grandí? 
espaço , que medêa entre Settequédas , e Urubâ', 
Punaá. Suas aguas sam turvas, e ruins para be-r 
ber: a margem Occidental he baixa , e em pprte^ 
de arêa branca , e grossa , com variedade de pedr^g 
estimáveis por espaço de muitas léguas sem inter» 
fupção ; a Oriental geralmente um pouco íevanr 
tada : ao longo d'huma , e outra ha grandes matas : 
áeu alveo nunca estreito , e sem tortuozidades cout 
sideráveis he entre o Sul, e Sudoeste: sua cor^ 
rente pouco apresáada, e magestoza ; mas, quançlgi 
o vento he forte, levanta ondas, conio o Oce-^t 
no. He abundantíssimo de pescado de varias es^ 
pecies; algumas sam excelientes , e de grandeza 
pasmoza. 

Doze léguas -abaixo dd.s Settequé das entra n§ 
Parannâ pela margem esquerda o Rio Jaguaré ; e 
dezoito mais adiante o candalozo Iguassú, Depois 
ele grande espaço muda de rumo para o Poente ^ 
iinir-se com o Paraguay na latitude de vinte # 
sete graus , eum terço. Da Missão de Corpus par^ 
cima só nações de Gentio safaro dominam o vastís- 
simo terreno , que este magestozo rio , e seit^ 
confluentes regam. 

O Rio Iguassú , que na língua Braziíica s|r 
gnifica agua grande , e cuja principal cabeceira 
lie a Ribeira de S. Jozé , quando atravessa a es- 
irada real das Lages para Sorocaba , j^ he de ç%- 
iioa , e corre com o nome de Cunjtiòa. Seu curs.o 
he sempre ao Poente , descrevendo poucas tortug- 
^idacbs, formando muitas PMhg^eJrgs , qiití jnter- 



im 



Pròélncia 



i%\ 



'i*?! 



4," 



rompem a navegação , engrossando sensivelmente 
com os que se lhe juntam por um e ourro lado , 
principalmente pelo meridional ; e limitando pelo' 
Sul os vastos campos de Guarapaába ^ habitador 
de Gentio. Suas margens sam povoadas de grandes 
matas. A primeira cachoeira grande , denominada 
Cayacanga , fica quatro ou cinco léguas abaixa 
da mencionada estrada, e a maior dez milhas aci* 
ma da sua embocadura , onde tem cento e treze 
braças de largo. Esta catadupa tem duzentos pés 
de altura perpendicular. As margens do rio nesta 
lugar sam de rocha a prumo ; e a», corrente fu^ 
rioza. 

Hom Certanista , que desceu por este rio., diz 
que elle he navegável sem embaraço desde Caya^ 
canga athé o salto da Victor ia ; mas não de- 
clara a extensão deste intervallo , nem os no-? 
mes , e situações de sete grandes cachoeiras , que 
encontrou athé a sua confluência com o Pa* 
ifanná. 

No angulo da sua confluência existiu por aU 
guns annos a Aldêa de Santa Maria de Iguassã. 
Huma fome a fez desapparecer. 

O que neste rio se encontra de mais notável 
além da derradeira catadupa , he o chamado Fw- 
nií no centro do paiz , onde corre rapidamente 
apertado por entre ribanceiras de rocha talhada 
a piqne com forma de uma rua de mediana lar* 
gura. Na sua vizinhança vive uma horda de ín- 
dios Purys , e outra de Guayanhás com alguns 
homens alvos, e espadaúdos. 

i Os principaes confluentes do Iguassú , que se 
lhe juntam pela esquerda , sam o Rio Negro , o 
da Varge ^ o Bannanai , g o de Ssinto A/iTonio ^ 
que sahe pouco mais de vinte léguas acima da ul- 
íima catadupa. 

Quinze léguas acima do Rio de Santo Anto^ 



ãe S. Paulo, 



209 



nio desagua o Jordão; e outras tantas acima deste 
sahe o de S. João , ambos pela direita. (^33) 

O Rio Parannapanêma tem principio na cor- 
dilheira do mar ao Poente de Itanliaen ; e quando 
atravessa a estrada real de Sorocaba já não dá 
vau. Seus primeiros tributários consideráveis sam 
o Itapitininga , que se lhe une pela direita , e o 
ApiaJuj pela esquerda , com cujas aguas fica cau- 
dalozo , e largo. Suas margens sam ordinariamente 
baixas , e povoadas de arvoredo corpulento ; em 
partes de campinas , onde se encontram , entre ou- 
tros viventes bravios , emas , e veados ; e sua 
Corrente €m grande porção apressada por catiza 
das muitas cachoeiras. índios malfazejos occupam 
as terras adjacentes. Junto da margem meridional 
na vizinhança da foz de Tibagy se achoti ha an- 
nos uma ruma de telha ; prova de que os anti* 
gos -Castelhanos da Provinda de Guayrá esten- 
deram suas povoações athé este rio. 

Obra de oito ou dez léguas acima da embo- 
cadura do Parannapanêma se lhe junta pela mar- 
gem austral o pequeno Rio Pirapô , jtinto de cu- 
ja foz existiu por alguns annos a Reducção de 
N. Senhora do Loreto , uma das treze, que for- 
naavam as chamadas Províncias de Taiaóha , e 
Taiaty , tão ineptamente descriptas pelo Jezuita 
Tom. /. D d 



: '''li 



C33) ^ Rio Negro, e o da Varge nascem perlo da Ser- 
ra do mar ao Poente da Ilha de S. Francisco , e attavessam 
a estrada real obra de seis léguas afastados um do outro. O 
derradeiro recolhe pela direita o Rio dos Tres-Irraãos , e de- 
semboca poucas léguas abaixo do outro. 

O Rio de Santo António tem sua origem perto da do 
Pepery , que desagua no Uruguay : he navegável por espaço 
de dez léguas athé uma cachoeira ? e obra de sete milhas 
-acima da sua foz recolhe outro do mesmo nome, quazi igual, 
3 .cosaoraiiiado Mirim* 




Próvinèia 

Montoya , um dos seus fundadores, ^ité sá nòii 
dá lugar a suspeitar que existiam no vastíssimo 
território , que se estende do mesmo Parannapa- 
fiêma para o Norte. 

O Rio Tietê , em outro tempo Anhemby , 
íiome que lhe deu uma tribu Indiana , tem suâ 
íiascença obra de vinte léguas a Leste da Cidade 
de S. Paulo , da qual passa não muito arredado ♦ 
é obra de quatro milhas abaixo recolhe pela mar* 
em esquerda o Rio dos Pinheiros , que vem do 
uèste com seis léguas de curso. Depois de treze 
recebe pela direita o Jundiahy , que passa pela 
Villa de seu nome. Janto desta confluência forma 
ò Tietê huma grande catadupa , que impede a su- 
bida aos peixes : e quinze léguas adiante se lliè 
junta o Capibáry por uma boca de seis braças de 
largura, depois de ter atravessado um extenso bos- 
qite de magestozo arvoredo. Duas léguas abaixo 
desagua na margem esquerda com oito, ou nove 
braças de largura o Rio Sorocaba , qiie nasce na 
serra do Cuba tão ao Poente de S. Vicente , e 
passa pela Villa , que lhe toma o nome. 

Obra de quinze léguas adiante do precedente 
s^ahe ria margem direita , e por uma boca de qua- 
torze braças o considerável Pirassicaba , qne hè 
formado pelo Tybaia , e ] aguar y , cujas cabeceiras 
£cam no Nordeste de S. Paulo , e atravessa uma 
vastissima mata de corpulentas arvores , de cujos 
troncos, assim corao das que se criam nas beiradaa 
cio mencionado Capibary , se fazem alli mesmo as, 
grandes canoas de oitenta palmos de comprimen- 
to * sete e meio de largura , e cinco de alto , era? 
que se navega para o Cuiabá , e carregam qua- 
trocentas arrobas,, afora o mantimento necessária 
para oito homens de tripulação ;. e ás vezes pas- 
sageiros. 

l^ouco abaixo desta coaílue«.cia > onde ^uazt 



de S. Pauto, 



aii 



ídsplka de volume , se lhe une pela esquaerda o 
Mio Lanfo^s , ao qual dam quatro braças de lar- 
gura : e depois de quatro ou cinco dias de via- 
gem se encontra á direita a embocadura do Rid 
f acare 'Pipir a com cinco braças de largo; e poai- 
xo mais adiante pelo mesmo lado a de outro c©ím 
Q segundo nome , quazi tio volumozo , como oqm 
JO recolhe , segundo diz um navegante. (34) 

Este Rio he formado pelas aguas de Mog^ ., 
ique principia na falda da Mantiqueira com as é» 
|aguary-Mirirr? , quesahe de Minas Geraes , e atra- 
vessando a estrada de S. Paulo para Goiaz , oit® 
léguas afastados um do outro , depois de dilatada 
«spaço contra o Poente , se unem no centro de un> 
^extenso bosque , atravéz do qual continua , reco^, 
ikendo outros menores por ambos os lados, que .0 
fozem tão considerável. (^35) 

Poucas léguas abaixo da passagem para Goyá^g 
Ji^ no Mugy uma catadupa , que impede a subida 
aos peixes ; razão , porque annualmente em certo 
tempo concorre alU grande numero de pescadores 
i}om cargas de sal a fazer copiozas pescarias , de 
que fornecem as povoações mais distantes. 

Os navegantes contam setenta léguas de Porto 
Feliz athé a foz do Pipira , e outras tantas desta 
paragem athé a confluência do Tietê com o Paran^» 
ná ; viagem, em que gastam vinte e cinco , oii 
vinte e seis dias. Seu alVeo he tortuozissimo : sete 
leraas que se contam de Porto Feliz em linha re- 
^ Dd ii 



C34) Entre os Rios Piracicaba , e Pipíra está a grande 
perra de Araquára-, e os extensos campos do mesmo nome, 
onde já se acham fazendas de criar gado grosso. 

(35) Ha quem aftirme , e talvez com razão, que os rios 
Muíífy , e J-agiiiry-mirim depois de nnidos vam directamente 
ieaiiar no Paraimá poucas legiuas acima d' Urubú-Pungá. 



SiS 



Província 



'- f 



cta â foz do Capibary , sendo por agna passam 
de dezaseis; e quatorze , que se contam da boca 
do Jacoáqiiatú atlié a do Pirassicaba , fazem seis 
cm linha recta. Seu leito pela maior parte he de 
pedra com grande numero de ilhas, e cachoeiras. 
Destas asprincipaes sam : Avaré-Manduava , Ita- 
guassava , Pirapdra , Bauru , Barery-Mirim , Ba- 
rery-Guassú , Escaramuça , Utupanêma , Funil- 
Grande , Guacurytuvussu , Aracanga-Mirim , Ara- 
cangavussú , Utupéva , Utupirú , em todas sam as 
canoas alliviadas de meia carga , e passadas com 
tripulação dobrada: Avanhandavussú que tem mais 
de trinta pés de alto : Itapura, que não he inferior, 
porém mais Íngreme : em ambas sam as canoas 
transportas por terra: a derradeira fica sete léguas 
acima da embocadura do rio. O numero das outras 
perigozas, mas que se passam sem alliviar as ca- 
noas , chegam a trinta e duas ; e as de menor 
consideração duplicam a somma de todas as outras. 
Suas beiradas ordinariamente sam povoadas de so- 
tierbo arvoredo. Entre outras frutas acham-se ja- 
buticabas , marmeladas , cipotás , jatahis , nhandi- 
papos , uvacuparys. Da casca de algumas arvores 
fazem os aborígenes , e os certanistas canoas para 
navegar ; e da resina , que se cria em, sua raiz , 
se utilizam aquelles para as suas luzes, e adornos 
cias orejhas , e beiços. Entre outras espécies de 
pescado ha doirados , saupés , pacús , piracan- 
juvas , surubins, piracarabuciís , jahús , c pira- 
quaxiáras. Alguns pezam duas arrobas. 

Não obstante o grande numero de obstaculoa 
que tanto demoram a navegação deste rio , ellã 
seria muito menos prolongada , se a névoa não 
impedisse diariamente sahir do pouzo antes das oi* 
to horas , que he quando levanta. 

O Rio Tibagy , que nasce ao Poente da Can- 
aanéa , corre sempre ao Noroeste ,^_ atravessando o& 



de S. Paulo* 



213 



Campos de Giiarapuaba , onde se faz caiidalozo 
com o tributo de outros muitos, que se lhe unem, 
principalmente pela direita , quaes sam entre ou- 
tros o Pitaiigay , o Y apó , o Jaguaryhiba , alias 
Jocuriahy , o Jagaaryqaatâ. O Cairussú lie o 
maior entre os poucos que se lhe juntam pela es- 
querda , e passa junto da serra Doirada. He na- 
vegável athé perto de suas cabeceiras , e une-se 
ao Parannapanêma , quando este ainda vai no 
meio do seu curso. 

No intervallo , que medêa do Rio Jaguariquatú 
athé o mencionado Apiahy , encontram os vian- 
dantes da Villa do Príncipe para Sorocaba entre 
outros menores o Te ré ré , o Verde^ e o Taquary , 
correndo também para o Poente a engrossar o 
Tibagy , ou o Parannapanêma. O primeiro e me- 
ridional , quando cruza a estrada , passa escondido 
por baixo de uma Ponte alta de rochedo , obra da 
natureza , e uma das raridades da Província. 

O Píquiry , cujas cabeceiras estam no centro 
dos campos de Guarapuába , para onde dá nave- 
gação por espaço assaz considerável , corre ao Poen- 
te , e desagua no Paranna dez milhas acima das 
Settequédas. No angulo septentrional da sua em- 
bocadura , sitio aprazível , e vantajozo para uma 
povoação , esteve Ciudad Real , aliás Guayrá , de- 
molida pelos Paulistas era mil seiscentos trinta e 
um. O destacamento do Forte Iguatimimpertendeu 
reedificalía em setecentos setenta e três ; empreza , 
que foi abandonada depois de três mezes ; porque 
toda a gente , que se lhe mandava , perecia em 
poucos dias de febres pestilentes , que reinam aqui 
em Janeiro , Fevereiro , e Março. 

O Ivahy , originalmente Uhahy , que também 
principia nos campos de Guarapuába , e perto dp 
Tibagy , donde huns certanistas passaram as canoas 
para elle , hecaudalozo, navegável athé perto de 



. ■!■;'« 



;i ' i 



fm 





sr4 



Pr min da 



sua origem , e tão piscozo , qtie também se ílíè 
deu o n orne de Rio do Peixe. Corre entre o Poen- 
te , e o Noroeste ^ atravessando um terreno exten- 
so ^ e povoado de índios sal vagens , e entra no 
Paranná por uma boca de sessenta braças. O Rio 
Tinto , o Bom. , o Soberbo , o Cãpibary , e o 
Thim sam os prindpaes ramos, que a formam. O 
primeiro he o septentrional , o derradeiro o me- 
Tidional. Oito dias de viagem acima da sua embo- 
cadura estam as ruinas deVilla Rica com o nome 
&tBan nanai , desmantelada pelos Paulistas na 
mesma occazião , em que demoliram Ciudad Real , 
que se communicava com ella por um caminho, 
do qual hoje apenas ha indicios. (36) 

O Rio Fardo sahe da Gommarca de S, Joio 
<l'El-Rey , onde rega o arraiai do seu nome * '€ 
depois de ter atravessado um extenso terreno desta 
Provincia, fazendo caminho do Poente , e recolhi- 
do entre outros o Rio Araquára , vai cahir mo 
Rio Grande muito abaixo da confluência áoSapa^ 
cahy , rio considerável , que os viandantes de 
<ijoyaz encontram , depois que entram nesta PrOí- 
vincia de S. Paulo. 

(36) „ Foi negligencia fatal nao estabelecer aqui ao me- 
nos cincoenta cazaes para disfrutar os trabalhos dos expnlsos, 
fe continuar a Agricultura , vista a fecundidade do território , 
e salubridade do clinja. He níitural que a população , cres- 
cendo como em outros lugares da Província , se teria espa- 
Ihado ao redor , e fundado arraíaes , que formassem hoje 
lima rommarca importante ao Estado. „ 

Laeth, citando a Martim dei Barco, diz que os Caste- 
lhanos possuíam uma Cidade (que não nomeia) perto de qua- 
renra léguas acima de Guayrá na margem do Paranná : mas 
não ha ^noticia dos seu3 vestígios, talvez houvesse engano a 
respeito do lugnr, e fosse Villy Rica a Cidade, que elle in- 
dicara, Quadraginta circiíer leucas supra Guayram ad ejusdem 
Farannae ripas oppidum alterum ah Hispanis habitari , canit 
Martinus dei Baico ; neqne tamea illius nonien prodit^ quod 
íJcque áUbi me iegisse memini» 



dâ S, Pauto. 



QXS 



O Parahyba , depois de descrever um vasta 
rodeio , regando muitas povoações na parte sep- 
tentrional desta Provinda , torna para a do Rio 
de Janeiro , onde tem sua origem , e a emboca- 
dura. 

Paliemos agora dos rios , que correm para o 
Oceano , e dos principaes Portos , qne sam o de 
Santos , o de Cannanéa , e o de Paranaguá. 

Cinco léguas ao Norte do Rio Sahy-Grande , 
lim.ite da Provincia , está a boca do caudalozo , e 
rápido Guaratúba encostada ao lado meridional 
do Morro Cayoába. Este rio formado de vários ou- 
tros , que descem da serra geral , tomou o nome 
da grande quantidade de guarás , que povoam 
suas margens , e criam seus filhos em uma Ilha 
raza , e cuberta de mangues , que fica duas léguas 
distante po mar ., onde por uma Ordenação nin- 
guém os pode matar ; aliás estaria extincta a casta 
destas lindas , e innocente aves. Lanchas sobem 
athé a Villa do mesmo nome. O seu maior tri- 
butário lie o Rio de S. João , que vem de lon- 
ge atravessando grandes pinheiraes , e iine-se*-lhe 
pela margem meridional. ~ 

Seis léguas ao Norte estam as três entradas 
para ^^dilim Paranaguá , formadas por duas ilhas 
de mui desigual grandeza. Ibupetuba ^ owBarra- 
Falsa he o nome da meridional , e Superagui o 
da septentrional ; a central , e maior tem quinhen- 
tas braças de largura. ílha do Mtl se chama a 
do Sul, e Ilha das Peças a do Norte, que he ^ 
maior. Esta Bahia tem seis léguas de comprimento 
Leste-Oeste, para mais de três na maior largura, 
forma mui irregular , e vários recantos. A porção 
mais septentrional chama-se Bahia dos Pinheiros , 
á qual a Ilha das Peças abre duas entradas. A 
Ilha da Cotinga , que tem seis milhas de comprido 
Leste- Oeste , epauca largura , he ^iXi^ior das que 



âi6 



Província 



cstam dentro desta Bahia , onde so entram siima- 
cas , e onde desemboca grande numero de ribeiras , 
e rios. O mais considerável he o Rio Cubatão , 
que desagua na extremidade occidental: o Guara^ 
quissava o maior , que desagua no lado septen- 
trional , onde também sahem o Rio da Serra Ne- 
gra , o da Caclioeira , e Qunto delle ) o Niiun- 
clyaquára. A Ribeira Gurgussú , e a dos Almey- 
das sam as maiores entre as que desembocara na 
margem austral. 

Sete léguas mais adiante desagua o Rio Ara- 
rcipira , que apenas tem fundo para canoas. 

Depois de doze milias ao Nordeste, que he a 
direcção da Costa , encontra-se a barra ádiCanna- 
néa ; junto de cuja ponta septentrional está a 
Ilha do mesmo nome , que he alta , e tem uma 
légua de comprimento. Defronte delia da banda 
do Sul está a da Figueira , que he redonda ; e 
mais fora ao mesmo lado a de Castilhos , que he 
um pouco alta com menos de milha de comprido. 

Dozeleguas ao mesmo rumo de Nordeste está a 
barra de I capara , que he a boca septentrional de 
um braço de mar , que faz ilha a terra deste interval- 
lo , e cuja boca meridional he a mencionada barra da 
Çannanéa. Esta ilha C^iinda anónima) he baixa, 
ç de largura menos de proporcionada ao seu gran- 
de comprimento ; e tem povoadores. O canal , que 
a separa do Continente , tem a largura de um 
formozo rio com muito fundo. A este canal , que 
he mais largo na parte meridional , dâ-se ás vezes 
o nome de bahia , e outras o de lagoa. Pela barra 
da Çannanéa entram sumacas ; a de I capara , tendo 
o mesmo fundo , he inútil pelas suas perigozas 
tortuozidades. 

Obra de quatro léguas adiante está a larga 
embocadura do cB-uádilozo Rio. de Iguápe , formado 
dí;' um grc^nde auniçro de ribei;:sLs consideráveis áç 



de S. Paulo. 



n 



curso geralmente assaz tortuozo ; e que regam^iim 
Terreno vasto , e montuozo , onde lia oiro. Ne- 
nhuma destas ribeiras atravessa a estrada da Cu* 
rytiba para Sorocaba. Este rio dá navegação a 
«umacas por muitas léguas ; e nas vizinhanças 
do mar , "^descrevendo amiudadas , e grandes re- 
viravoltas , forma muitas penínsulas, de cujos is- 
thmos alguns tem sido cortados para encurtar a 
navegação. Passa meia légua arredado da Villâ 
de Iguápe. 

Coiza de dez léguas adiante se encontram as 
duas bocas do Rio t/^/zúf , pelo qual sobem canoas 
mais de quinze athé o sitio do Prelado , que fica 
poucas arredado da foz do Rio de Iguápe. E coiza 
de doze ao Nordeste está a entrada da bahia/ííz* 
nhaen , que he vistoza , e toma o nome de uma 
ribeira que desagua na sua extremidade. 

Segue-se depois de dez léguas a bahia de San- 
tos, á qual a Ilha de S. Vicente, e a de Santo 
Amaro, originalmente Guahíbe , cada uma com 
quatro ou cinco léguas de comprimento , abreni 
Crés entradas: a meridional chamada Barra de S. 
^fic^ntc , a central denominada Barra-Larga , ou 
de Santos , e a septencrional Bertióga por cor- 
rupção de Bariquíóca , que significa caza , oii 
caverna de buríquís , casta de m/acacos. He o 
líinico Porto da Província com capacidade para re- 
colher Armadas , como já se disse. Varias ribeiras , 
só navegáveis com a maré , vem aqui deseguar por 
entre vistozos mangues. (37} 
To/72, /. Ee 



(37) Estas três Barras tbram no principio consideraitas , 
sonio outras tantas bocas d' hum mesmo rio, ao qual Martim 
AíFonso deiiominouRio de SA^icente ; e sem chivida he o Rio 
dQS laiioceiíte^ , onde João Dias de Solis^ aportara em qui- 
nhentos e quinze, Sam ociozos todos os esforços, com que o 






-ti 8 



Província 






!^ ' ' /» í 



v; 



Ilhas, As duas jnencionadaf sam aspriacípaes r 
ambas altas, abiindantes de agua , ipadeira , eboas 
pedreiras, A de Santo Amaro apenas tem alguns 
jnoradores , e está ainda quazi inteiramente inculta : 
o que não succederia , se tivesse sido repartida a 
principio em muitos pedaços entreguêrs a oiuros 
tantos Agricultores, 

Oito léguas a Lesnordeste da de Santo Amar^ 
fica a de S. Á'eba$tiõo com quatro de coíBprimea^ 
to, largura proporcionada , também alta , mais po*- 
voada ^ com surgidoiros , c separada do Conti- 
gente pelo profundo Canal de Toqae-Toque ^ qiiç 
tem uma légua de íarg-^o, 

Coiza de quatro léguas ao Nordeste está a per 
quena ilha dos Porcos , que he de forma triangular 
ipom bons surgidoiros , e povoada: e outras tantas 
ao mesmo rumo fica a das Couves com agua ^ le*- 
Ilha , e Um cómmodo surgidoiro da banda do Con- 
ti|.:^€nte , do qual dista uma légua. 

As IWms Çueimadas sam três ilhotas , que fi- 
cam Goiza de três léguas e meia a Leste da entra- 
da para a bahia de ítanhaen ? 

Fitologia. Tem bosques extensos , onde se 
acham diversidades de arvores de boa madeira para 
i;onstrucção , e carpinteria : algumas dam excellen*^ 
te cinza para íexivias , outra^s casca para calaíê^ 
to , ou cordas ,. ou curtumes. O cedro he eommum 
çm vários sítios. Os pinheiros Brazilicos sam as 
arvores mais multiplicadas em muitos , e exrensos^ 
districtos. Ha duas castas ; vermelhos, que sam os 
mais altos , e direitos ; e brancos , cujo lenho he 
jmenos pezado.. A folha he curta,, e grossas as pi- 

Colietor das alIesaiLlas Memorias pretende persuadir- noa que 
o nome de Rio de S. Vieente fora excluzivamente partieiílar 
ao canal sepTenírionnl ; pois que elle mesmo em outra parte 
cotwém :;/ que o nome de Rio de S. Vicente fyra commuro- 
ar todos os três canaes ?, pag. 18 , 26 , e i5?g^ 



d€ S. Paulo, 



2f9 



nhãs sam de úma grandeza excraordítiaria , e os 
pinhões do tamanho de bolotas , qiiazi triangula- 
res , com casca coriacia , delicada , da cor , e con- 
sistência da das castanhas ; mas sua madeira só he 
perdurável no enxuto. Entre outras plantas medl- 
cinaes nota-se a jarrinha , que tem sido reconhe- 
cida por um remédio efiicaCissimo contra a picada 
de qualquer cobra , sendo applicada sobre a feri- 
da: he uma planta rasteira. 

As ílores da nossa Peninsula degeneram aqui 
pouco ou nada. Os craveiros prosperam melhor que 
nenhum outro vegetal ; com^^as suas flores se jun- 
cam as Igrejas , e ainda as cazas em dias de fun- 
ções. Diversas arvores fructiferas da Europa pros- 
peram igualmente com grande parte das que sam 
communs ás Províncias centraes. Algumas ha qu6 
lhe sam particulares. As amoreiras, para as quaes 
o terreno he apropriado , segundo a experiência * 
sendo ainda poucas , e inúteis por falta de industria ♦ 
podem subministrar no futuro um lucrozissimo ra- 
xno de commercio , sendo animada a sua cultura. 
A produc^ão do algodoeiro » não he abundante, 
nem c4e melhor qualidade ; bem que os tecidos ^ 
qi\t com eila aqui se fabricam , fazem um consi- 
derável ramo de commercio: este arbusto prospera 
inclhor na parte Occidental. 

Asproducçóes da Agricultura sam trigo, mi- 
lho, centeio, arroz, mandioca , legumes , café, 
batatas , assucar , agua ardente , tabaco : taes sam 
os objectos mercantis , que daqui se exportam com 
grande quantidade de coirama , carne de porco , 
tecidos de algodão ; e ainda gado vaccum , caval- 
lar, e muar , gallinhas , cera , pedraria, e drogas. 

Zoologia. Entre outras espécies de quadrúpe- 
des selváticos ha capibaras , onças, antas ,taman- 
doás , guarás , preguiças , porcos , veados , pacas „ 
macacos^ coelhos , cães silvestres , areianhas: ahy-: 

Ec ii 



íjl . 



.■:.:f 





1 




^^n> 


1 'f ' i 


^1 


{1 - 


iíli 

i 


^■i 


''',«' 


li 


H 




'! 



S20 



Província 



Ij 



rara íie o papa-inel de outras Províncias. Osorinit- 
clos cia Europa sam assaz multiplicados á excepção 
das cabras , que em parte nenhuma passam de pou- 
cas. A todas as espécies, e quazi em toda a par- 
le se dá de vez em quando uma porção de sal. 

A parte Oriental desta Província era possuída 
por duas Nações aborígenes: Carijós, t Guaya-' 
nás eram os seus nomes; estes íicavam ao Norte 
daquelles. Toda a Occidental ainda está em poder 
de Gentio bárbaro. Og Paulistas dam o nome de 
Bugres aos que dominam o terreno , que se ex- 
rende do Rio Tietê até o Urugiiay. A Septentrio- 
nal he ainda ás vezes vizitada pelos Cayapds , 
cujos^ alojamentos estam da outra' banda do Pa- 
ranná. 

i')t,uQ$ Bitffres , entre os quaes ha alguns bran- 
cos , e com barba, como os Europeus , sara divi- 
didos em quatro nações : uma das quaes fura o. 

C.58) Seria importante que se estabelecessem Salinas de 
?;órte, qiie o saí peÍTi sua abundância ficasse barato, para" 
qne os criadores podessem dallo mais a ííiiiido aogado. As^ 
espécies se muUiplicaxiam ainela mais consicleravelmenlc ; os 
indivíduos s.eriam corpulentos , e mais gordos i e por conse^ 
giiinte alhé maior o interesse geraL 

Ainda mesmo se poderia criar um kicrozo ramo de 
commercio com a grande quantidade de pre^iaitos,. que entãa 
se podiam fozer. Como este ohiecto exige mnitO' sa-I ,. rrer- 
cadoria sempre cara , ninguém os faz.. Semeio de norar ,. que 
nenhuraa outra Provincia cria rão prodigioza quantidade de, 
porcos» qwe sanv volumozosj, e a carne delicíoza , por se* 
rem isianticlos ordinariamente com miíiio , e pinhão. 

O Colletor (las Memorias mencionadas auiado porVascon^* 
cellos pretende í]ue ?4. Aílbnsa no ciirjo esp^.ço de pouco mais 
de hum anno, que se demorou em S. Vicente , e em hir aa 
Rio da prata, introduzira iodas a^ espécies de animses do- 
mésticos ; e niandára vir dn Ilha da Matleira as cannas do, 
assucar : e que da Capitania de S.Vicente sahiram as ditas 
cannas para as outras Capiír.nias ; assim como taml)em as 
çgças ^ v^çcas , e o\^fihas, item? que .^ priuieira ra.i^//2eD 



de S, Paulo. 



aai 



beiço inferior ; outra rapa a cabeça em forma de 
coroa ; outra lisca as faces com certa tinta. Os 
homens andam mis de todo , e só tem o arco , e 
flecha por armas: as mulheres escondem do em.bi- 
go até junto aos joelhos com uma cinta larga de 
acroá tecido. Posto que tem alojamentos, e fazem 
rossas , onde cultivam batatas , mindubins , feijões , 
abóboras, três castas de milho, branco, roxo, e 
outro , a que os Paulistas chamam perurâca , an- 
dam grande parte do anno a traz da caça , e das 
frutas silvestres ; principalmente no tempo dos pi- 
nhões , dos quacs fazem grandes celeiros. Elles 
podem durar annos , sendo deitados de infuzão 
por espaço de cinco ou seis dias antes de os sec- 
car , segundo dizem. Guaidam-nos emgiráos^ que 
sam como os canniços de seccar as castanhas. Suas 
cazas sam compridas , formadas de duas ordens de 
igual numero de varapáos dobrados para o centro ». 
e amarrados cada um ao que lhe corresponde ^, 

Portiigiie:ça , que passara ao Brazil fora a mulher do mei- 
rinho joâo Gonçalves em cjuinhentos trinta e seis. „ A pri^ 
iTieira mulher branca que passou á Nova Luzitania, foi a de 
João Gonçalves. „ Em quinhentos trinta e oito allegou o 
Meirinho »a sua petição por estas formaes palavras : visto 
como era cazado, com mulher, e filhos em a dita terra, 
passa de hum anno. Quem diz : passa de hum enno , quer 
indicar menos de dous. j, Pag. 62 , e 61^. 

He para notar, que Iviartim Affonso fosse tão cuidado- 
so em povoar a Provincia de gado ^e não mandasse hir hum 
só ca:^(2l de gente ; pois que, segundo este A. nos attesta, 
a primeira mulher, que passou a S. Vicente, foi em trinta 
e seis , quando o Donatário ja estava na índia.... Duarte 
Coelho Pereira passou com sua consorte D. Brites de Albu- 
querque , e vários cazaes para povoar a sua Capitania de 
Pernambiicp em quinhentos trinta e cinco ; e he naíuraj que 
levasse também animaes , como os levava Ayres da Cunha 
para o Maranhão no mesiuo anno. Este A. conjectura bem 
que Martim AíFonso se recolhera ao Reino com a monsão , 
que começa em Março : e não achou documento que aítes» 
Tasse a sua estada em S. Vicente tm Abril.. 



Ill,: ' H 



V l 



Í2í2ã 



Provinda 



encruzados goííi ripas de varas delgadas , cobertas 
de gaaricanga , que lie uma casta de palmeira 
0naii , com uma pequena entrada em uma das ex- 
tremidades. Fazem muitas fogueiras na meio eal 
iiieira , e dormem no chão com os pés para ellas. 
Em cada caza vivem muitas farailias. Dizem que 
não aproveitam as pelles dos animaes que matam » 
as quaes líies podiam servir de colchão, de cober- 
tor , 6 de ponche ; visto não lerem maca ♦ nem 
tecido para diminuir o frio , que he rigorozo no* 
inverno. Os instrumentos da Agricultura sam de 
pau ; e os fabris , com que os fazem , de pedra* 
Fazem panellas para cozinhar o que não quercnfi 
assado; pratos para comer; algumas sortes de ta- 
lhas para fermentar certas bebidas embriagantes * 
e guardar comcstiveis. Domesticam alguns animaes 
indígenas, como quatys , e cotias. Dos Europeus 
só criam cães para a caça: diz-sc que preferem a 
í:arne de cavallo , e gado muar á do vaccum. De 
íquancp os Paulistas possuem, parece que nada en- 
tre estes bárbaros tem valor , e estimação , senão 
o ferro. Sua ferocidade tem impedido aquelles de 
se estenderem para o Poente, 

Entre outras numerozas espécies de aves no* 
Caveis pela sua grandeza , ou sabor , ou pluma-^ 
gem , ou raridade, nómeam*se as emas, colherei* 
ras , carões, tabuyayás , tayuyús , jacus ,mutuns , 
inacucos , tucanos, papagaios , arapongas , gura- 
putepdcas , pombos troquazes , rolas , garças ,anhu^ 
iiias , urubus brancos , socos , patos , maçaricos. 

Os Paulistas de hoje passam por uma boa gen*- 
te ; mas seus avoengos nãp o foram certamenae. 
Também nada ha tão opposto á verdade , como o 
que os Escriptores estrangeiros dizem da funda- 
ção da sua Capital ., e origem dos seus povoado» 
res. Vosgien o mais moderado de todos , diz què 
a Cidade de S. Paulo era huma espécie de Repu- 



de S, Paulo. 



as 3 



fcJica índependeiue dos Pornignezes , composta de 
bandoleiros de differentes Nações , todos destemi- 
<Ios , e grandes ladrões , que pagavam iim tributo 
de ouro a El-Rey de Portugal, em qnanto este os 
não siibjtigon. Tanto sofFre a verdade ! 

Todo o mundo sabe com que justiça Filippe 
Segtindo de Castella se apoderou de Portugal ; e 
quanto este , e suas Colónias padeceram atlié o 
dia da Acciamação d'EI-Rey D. João o Quarto. 
Os Paulistas , que não tinham motiva particular 
para serem affeiçoados aos tyraníios , vendo-os 
desprezar as fecundas terras , que íicam ao Meio- 
dia, e ao Poente do Rio Paraguay , e virem ap- 
proximando-se á sua Capital pelo centro do conti- 
nente , fundando uma colónia além de outra coló- 
nia , de commum , e particular acordo dispo^^erajB 
nma secreta campanha em mil s.eiscentos trinta ^ 
tim , para transtornar-lhes o progresso. Havendo 
atravessado os sertões, e Rios Parannapanêma , ^ 
Tybagy , de improvizo cahiram sobre ViUa Rica > 
e Ciudad Real , já mencionadas , e a sua sorte. O 
mesmo fado experimentaram a Villa de Xerez , 
«ituada perto das cabeceiras do Rio Mondego , e 
trinta e duas Aldêas , que formavam três pequenas 
provineias. (39) 

Os Paulistas , posto que não davam aos índios 
domesticados o nome de cativos , ou escravos , ma$ 
só o de administrados , com tudo dispunham delles 
como taes, dando-os em dotes de cazamentos , e 
a seus credores em pagamentos dedividas. Os ]e- 
zuitas que possuiam hum grande numero de In- 

(^39) He falso o te3temunho de KaynaJ^ , « de quem 
^iier que o s;uion , em qwt os Paulistas mo excediam o 
numero de duzentos setenta e cinco ^ e se recolheram coii^t 
Movecentos prizioneiros. Segundo dons Mss» que vi , 
eram citccentos , e só trouxeram um sino pof trofd© de 
3Uas viçtorias* 



i : ' ' ' H 



:« ' 



■{^.M 




■''. i^' 



' ■1:, 






'!«li 



Hl 



£24 



Província 



dios acareados por outros meios , e em cujo podeir 
só lhes quadrava o nome de administrados , de- 
clamavaiíi contra o abuzo daquelloutros , moscran- 
do'íhes , que uão podiam dispor da liberdade dos 
ludigerias. Os Paulistas , que eram opulentos , ede- 
viam toda a sua fortuna aos braços de seus nume- 
rozos administrados , julgaram por mais acertado 
expulsar os Jezuitas para não ouvir-lhes pregar 
verdades amargozas , do que annuir aos seus do- 
cumentos , escorados com as Leis dos Soberanos. 

A reciproca oppozição de duas familias , que- 
rendo cada huma occupsir excluzivamente todos os 
cargos da Republica , pôUas em campo de batalha , 
cada uma na frente de seu exercito de estúpidos 
partidistas , promptos , e determinados a debella- 
rem-se , se a prudência de alguns Eccleziasticos 
de senso os não desarmasse , persuadindo os che- 
fes ao compromettimento de entrarem na gover- 
nança dalli em diante sempre em igual numero de 
cada famiiia contendora. Este concerto feito em 
seiscentos eincoenta e quatro , durou athé meiado 
d© século seguinte, quando sendo eleito para Juiz 
Vereador hum cavalheiro não aparentado das fa* 
milias preteadidamente privilegiadas , estas lhe em- 
bargaram a posse para hum Juizo do Rio de Ja* 
neiro , onde com effeito se sentenciou a favor dos 
embargantes; mas a tempo que o embargado tinha 
findado o termo da sua jurisdicção. O seu bom 
governo fez entrar todos os Paulistas no conheci- 
mento de que o merecimento pessoal deve ser pre- 
ferido aos dos antepassados em semelhantes em* 
pregos. 

A antipatia , que reinou largos tempos entre 
os Thaubatênos , e Piratininganos , e cauzou tant s 
duellos , e desastres; a fatal campanha de mil sei:*' 
centos trinta e hum ; as revoluções cauzadas pela 
iOppozição das duas fajmilias contrarias ; a gu,err£t: 



de S. Paulo. 



225 



civil ^ qne se ateou entre os mesmos Paulis- 
tas, e Europeus no principio da mineração em 
Minas Gerae^s com outras animozidades estrondo- 
zas foram os motivos , que assistiram aos Escripto- 
res para qualificarem de Republicanos aos Paulis- 
tas , que desde a fundação da sua Capitania sem- 
pre obedeceram fielmente á Coroa de Portugal. 
He verdade que não havia Povo de tão má fa- 
ma ; nem por ventura tão infatuado de nobreza. 
** Por vezes supplicaram a sua Magestade que 
não lhes mandasse Governadores, senão da Pri- 
meira Grandeza do Reino ,, ! ! (40). A sua altivez 
provinha-lhes da sua opulência de oídinario pou- 
co honestamente adquirida , e da falta de melho- 
res governadores desde principio. 

Tem um traje provinciano , que os caracte- 
riza nos outros paizes , ©nde quer que apparecem 
com elle. He ura capote , a que elles denominam 
ponche , ou redondo , ou desfalcado mais ou me- 
nos pelos lados , com uma abertura no centro por 
onde metem o pescoço. 

O Monte Jaguary no beira-mar , e o Rio Té- 
réré de serra acima dividem esta Província em 
duas partes , Septentrional , e Meridional ; fazen- 
do cada huma sua Commarca ou Ouvidoria , de- 
signada pelo nome da cabeça , que era atégora 
Paranaguá na Meridional , e S. Paulo na Septen- 
trional. Aquelia acaba de tomar o nome de Cury- 
riba ; € estoutra de ser repartida em duas , fican- 
do a nova com o nome de Hytú. 

Na Septentrional , que he a mais povoada , 
ha muita gente com papo, posto que em muito 
menor numero do que em outro tempo : ignoram- 
se ombas as cauzas. 

Tom. /. Ff 

■' '■ -" '■ " "" • ■ '■■ ' ' ' . . ■~»^ — » 

(40) Memor. para a Hist. da C. de S.Vicente pag« 62. 






\, '' t» 




Trovinciâ 

O maior dia do anno , que lie em Dezembro , 
tem perto de qiiatorze horas na parte ma iis meri- 
dional ; tempo em que os habitantes dá margem 
do Rio Grande , raia septentrional , não tem treze 
horas e meia. 

Giiaratiiba 
Paranaguá 
Antonina 
Cannanéa 
Na Commarca de Paranaguá J Igiiápe 
ou Ciirytiba ha as Villas (41). • S. ]ozê 

Ciirityba 
Lages 
Castro 
tVilla do Príncipe 

Guãraiúba y cnjo verdadeiro nome he VUlã 
>Not^ã de S . LiíÍ7^ , situada junto a hum morro », 
sobre a margem direita do braço meridional do 
Ki0 Guaratnba , em frente da Ilha dos Guarazes , 
e ciiias legnas distante do mar , he ainda peque- 
na ; mas com eircunstancias vantajozas para ser 
tonsideraveL Embarcações menores exportam da* 
qiii vários comestiveís. 

Paraná cfuá ^ Villa considerável, e até oito* 
centos e onze Cabeça da Commarca , ornada com 
três hermidas , euma Igreja Matriz da Invocação 
de N. S. do Rõ7^ario está situada em terreno doen- 
tio , e pouco vistozo , três léguas longe do mar ,. 
sobre a margem meridional da bahia , que Iher 
deu o nome , e defronte da ponta occidental da. 
Ilha da Cotinga. Qiiazi todos os edifícios sam de 



(41) O Alvará de Fevereiro de oitocentos e doze , que 
nomeou a Villa da Curytiba pata rezidencia do Ouvidor, e 
Cabeça da Commarca , determina que esta se 6casse deno- 
minç^ndo Commarca de Paranaguá e Gurj^tiba.. 



de S, Paulo. 



pedra. Tem caza da fundição do oiro. Juiz de 
Fora , Professor da Grammatica Latina. Os Jeziii- 
ras tinham aqui um Collegio , que se conserva; 
havendo sido reparado á custa da Real Fazenda. 
Exporta-se daqui em sumacas farinha , arroz» 
caífé , e outras mercancias com trigo , qne desce 
da Curytiba. 

Três léguas com pouca differença ao Poente 
da Villa de Paranaguá , na extremidade da Ba- 
hia , numa peninsula , e defronte das embocadu** 
ras dos rios da Cachoeira , e do Nhundiaquàra , 
em terreno aprazivel , e sadio está Villa Anto/u^ 
na , creada em mil e oitocentos. A Matriz , qué 
a orna , he da Invocação de Nossa Senhora do 
Pilar. Seus habitantes- fazem grandes plantações 
de mandioca: do seu porto , que tem treiS braças de 
fundo , exporta-se farinha , cordoaria à^ímle ^ e 
madeira. 

No seu distrlcto está a Aldêa do Morrete 
junto a um rio , pelo qual sobem canoas a tomar 
os mantimentos , que descem da Curytiba em bes- 
tas^ e os que se cultivam no seu terreno. 

Cannaaéa , Villa pequena ,> e vistozamente 
situada em uma pequena Ilha , que fica três le^ 
guas dentro da barra do seu nome, encostada ao 
Continente , e delle separada por um canal estrei- 
to : tem uma Igreja Paroquial dedicada a S. João 
Baptista, Seus habitantes sam macilento^s , agricul- 
tores , e pescadores: arroz faz a sua riqueza Qa). 

Ff ii 



(42) Na entrada da barra da Cannaaéa da banda do 
Continente, sobre umas pedras está um padrão de marnioré 
Europeu, com quatro palmos de comprimento , dois de lar* 
go , um de grossura, e as Armas Reaes de Portugal sem 
castellos ; posto que mais deteriorado do que muitos o pen- 
sariam , bem se conliece que /foi coUocado em mH quinhen» 
tos e três. 





!Í!28 



Província 



m 



•ml 



■^^ Obra dé seis léguas para o Sudoeste fica a 
Aldêa Áraropira ^ em outro tempo villota de Ín- 
dios ChristSos , com sua IVÍatriz cledicada a S.]o^ 
7-^é da Marinha , situada sobre um braço ds lagoa 
ou bahia Cananéa , que se prolonga por entre a 
cordilheira geral , e outra que faz frente ao Ocea- 
no. Duas léguas , ou pouco mais adiante está o 
lugar denominado VaradoiroX onde finaliza a na- 
^vegação]) o qual he uma estiva de troncos atra- 
ve-ssados sobre um terreno alagadiço com pouco 
menos de uma légua de comprimento , e termina 
na margem de hum rio , que vai desaguar na ba- 
hia Paranaguá , havendo formado pouco antes um 
lago de grande diâmetro , onde sepesca diversida> 
de de peixes. Dizem ser facillima a abertura de 
um canal no Varadoiro., que communique as men- 
cionadas bahias. "sOO ^ % 

Oito léguas Q ou doze , seguindo as tortuosida- 
des da lagoa ) ao Nordeste da Villa Cannanéa 
astá a consideravelViliâde i^íi4/;é' » situada na 
extremidade da lagoas em sitio vistoso» e pouco 
afastada, da margem direita do Rio Assunguy , 
qué commumente toma o nome da Villa. Teve 
em outro tempo Caza de fundir oiro. Na Igreja 
Matriz dedicada a N. S. das Neves , venera-se 



Este MONUMENTO prova com roda a evicfeneií» qi'e 
a armada > que neste anuo sahio do Tcj-o para extiminar 3 
Terra Vera-Cruz , não retrocedeu do parallelo de dezoita 
«rilijss de latitude Austral , como pretende o fahulozo Amé- 
rico Vespncío; e mostra também não ter sido collocado em 
mil qviinheiítos trinta e uni ^ como quer o tnodernissimo 
Benedictí-no Fr. Gaspar, que não duvidou asseverar por con- 
jectura que fora posto por Martim Affonso : depondo final- 
mente a nosso favor contra A. Vespucio que a armada de 
quinhentos e hum ou não tomou a costa Oriental, ou naa 
chegou a estas paragens ; porque ella devia levar padrões 
para authenticar a posse ^ que da Terra se tomava*. 



âe S. Paulo, 



S29 



uma elevem Imagem do Redemptor no Passo de 
Ecce Homo , diariamente vizitada por romeiros de 
roda a Provinda. Exporta-se daqui grande qiian- 
tidade deanôz. Assumacas chegam ao cães depois, 
de terem navegado todo o comprimento da lagoa ; 
porque a barra"de Icapara , que llie íica em fren- 
te, lie perigozissima , como dissemos. 

Castro he Villa ainda pequena , e bem situa- 
da no lugar , onde o Rio Hyapò (do qual teve 
a principio o nome) atravessa a estrada real ; e* 
ornada com uma Igreja Matriz da Invocação de 
Santo Amaro. Nos arredores acham-se pedras das 
mais preciozas : e culiivam-se mantimentos. Ao de- 
pois de subjugados os Selvagens de Guarapuava , 
elia deve crescer ; e seus extensos contornos pas- 
sarão a ser semeados de grande numero de aldeãs , 
cujos moradores livres deste flagello poderão criar 
muito gado , e fazer florescer a Agricultura. 

Curitiba, Villa considerável , e famoza , Ca- 
beça da Commarca , e rezidencia ordinária do Ou- 
vidor , bem situada na miargem esquerda d' uma 
ribeira, que tem um.a ponte para commodidade 
do povo , ornada com uma magnifica Igreja Ma- 
triz da Invocação de N. S. da Luy^ , e as hermi- 
das de N. S. do Terço , do Ro7,ario , de S. Fran- 
cisco de Paula , e uma Ordem Terceira de S. Fran- 
cisco de Assis. Todos os edifícios sam de pedra, ou 
de tijolo alveadas com cal de pedra, e as ruas 
calçadas. 

Três léguas ao Sueste da Curytiba está a 
Villa de S.Jo7^é vistoza e aprazivelmente situada 
era um terreno pouco superior á campina, que 
a rodeia , e um quarto de legua arredada da mar- 
gem esquerda da ribeira do seu nome ^ que de- 
pois de duas léguas se incorpora com a da Cury- 
tiba. Cada uma delias faz moer muitos moinhos. 

Onze léguas ao Poente de$tas Vilias ha um 



;'lh 



■., \ã 



ajo 



Provinda 






0> 



Registo na. margein do Rio Curytiba , onde alguns 
annos passam triacamii bestas muares para Sorocaba. 

A Villa das Lages , aliás de N. S. dos Pra^ 
7^eres , Padroeira da sua Matriz , a mais Meridio- 
Eial da Província , não tendo já mais passado de 
pequena em razão da má vizinhança dos Selvagens , 
aciía-se hoje reduzida a pouca eoiza com as assol- 
íadoras invazòes dos mesmos bárbaros. Está situa- 
da na estrada real coiza de meia légua ao Norte 
do Rio das Caveiras , e um quarto afastada da 
Ribeira Carahá , que toma o nome de uma cas- 
ta decana oii bamba, que cresce em abundância 
lias suas beiradas , esam as melhores da Província: 
alguns tem o verniz atartarugado , que parece 
obra de hábil artífice. Na mesma torrente lia boas 
pedras de am<)larv 

Seus contornos sam de grande fertilidade, e 
regados por muitos rios ; e o clima temperado, e 
sadio. Cultivam-se legumes , linho , trigo ,e milho: 
cria-se gado grosso , e miúdo: quazi todas as ar-v 
yores frutíferas aqui prosperam; mas o povo além 
de diminuto he pobre por falta da extracção ás 
$u_as producçôes. 

A abertura de uma boa estrada ,. pela qual os 
lavradores- possam com facilidade transportar as 
-suas producçóes ao porto de Santa Catharina , e 
dar-lhes prompta sabida, ou talvez melhormen- 
m para a Villa da Laguna , terminando a estrada 
no porto da Guarda , ou em pou^o alto , donde 
lia navegação pelo Rio Tuburao , como se disse 
para esta Villa, fará hir um grande numero de 
colonos estabelecer-se neste abençoado território : 
0s malfazejos indígenas tornar-se-hão menos atre- 
vidos , e talvez se sujeitem ou retirem: o numero, 
dos creadores , e lavradores devem consideravel- 
ínente multiplicar-se em numerozas Aldeãs , e es** 
l^ncias derramadas pelos largos Campos da Vac* 



xi 



die~ S. Paulo. 



2:31 



caria: ÊtVilIa das Lages tomando o crescimento 
susceptivel virá , logo que as coizas cheguem á sna 
ordem com o tempo , a ser Cabeça de Inima Com- 
marca extensa , populoza , e rica. 

Vi'la do Príncipe , anteriormente Santo An- 
tónio da Lapa , íica três léguas ao Meiodia do 
mencionado Registo da Curytiba junto á estrada 
real : seus moradores criam gado grosso , e miúdo ; 
e recolhem trigo , centeio , milho , linho , e diver- 
sidade de frutas. 

Légua e meia ao Norte do mesmo Registo, e 
também na borda da estrada , perto d' uma ri- 
beira , que vai engrossar o Rio Iguassá , está o 
alegre Arraial de Thauhá ornado com uma lier- 
mida de N. S. da Concei^-ão. O povo, que a ha- 
bita , cria gado, c cultiva vários mantimentos do 

paiz. 

Deste sertão he a Freguezia de N. S. da £'s- 
peran^a , situada junto ao Morro-Capivarussú. 

N. B» O nome Curytiba em lingua Brazilica 
Cnrutiba formado de Curú pinhão, e tiba mui* 
to , comprehende quazi toda a commarca ou par- 
te meridional da Província da serra geral para o 
Poente. O inverno começa neste paiz em Maio, 
e dura ate Setembro com vento Austral ; o Su- 
doeste he a mais frio. ?^s arvores mais communs 
sam pinheiros Brazilicos : estes magestozos vege- 
taes formam extensas matas povoadas de porcos 
montezes , que andam em varas numerozas , ás 
vezes de cem y e muito mais. Ks frutíferas da Eu- 
ropa prosperam aqui melhor que as indigeuas da 
continente. Ha figos , peras, maçans , ameixas, 
pecegos , marmelos, ginjas , nozes, castanhas. As 
oliveiras carregam de flor , e apenas frutificam.. 
A mandioca , a bannaneira , o caífezeirg , o algo- 
doeiro , e as cannas do assucar só prosperam em 
alguns si tios. As arvor-es do mat€ criíim-se espoa- 



asa 



Província 



taiieamente ; e sam mui commiins, O grande iizo ^ 
que desta bebida se faz na Província , e nas de 
Santa Catharina , e Rio Grande , e já adoptado 
por muita gente na Metrópole , augura ao paiz 
ontro ramo ae commercio. Tem-se visto cachos de 
uva ferral com seis , sete , e mais libras : ainda 
não se fez vinho, que preste. No anno de oito- 
centos e doze chegou da Europa uma grandíssima 
quantidade de bacellos de diversas plantas no me- 
lhor estado que se podia dezejar , destinadamente 
para este paiz. Espera-se que muitas frutifiquem, 
quando não melhor, ao menos como no paiz na- 
tal ; e que ao depois de reiteradas experiências se 
consiga fazer-se vinho bom. 

Os Carytibanos passam pelos mais apessoa- 
dos , e robustos entre os Paulistas: recolhem abun- 
dância de trigo, e milho com algum arroz: criam 
gado cavallar , e muar com grande quantidade 
do vaccum , de cujo leite fazem alguma manteiga , 
e bons queijos ; e coalham- no ordinariamente com 
coalho de veado , cujo effeito he mais prompto , 
do que o de bezerrínho. As vaccas sam grandes , 
€ dam maior quantidade de leite no verão; porém 
o do inverno he muito melhor : a porção , que no 
Estio dá quatro queijos, no inverno dá oito. 

A maior parte dos creadores de gado dam-lhe 
sal: o animal , que está magro, recebe maior ra- 
ção para engordar ; o que anda gordo , tem-na 
menor, para que não desmedre. Ninguém cria ca- 
bras , cujas pelles fariam um ramo de commercio, 
Tem-se observado que as ovelhas começam a mor- 
rer depois de dez annos em qualquer sitio , onde 
pastem. Logo que se nota a moléstia , que começa 
çom a retirada dos animaes para a porta do dono , 
como pedindo-lhe remédio , he necessário mudallas 
para outra parte; ainda que não seja msiis que 
Rçníi légua distante, ^ cessa o contagio. 



de S. Paulo. 



1^33 



Fabricam-se corAo/2z*Mo5 , que samuma sorteie 
pellucia grosseiríssima com todo o comprimento da 
lan , a qual deve ser churra ; e servem de col- 
chão e de cobertura no inverno ; e commumente 
para cavalgaduras : e vendem-se caros ; lia-os de 
cores. 

Ha neste dístricto minas de oiro , pedras 
preciozas , mineraes de enxofre , de pedra-ume « 
pedra calcaria , e de amolar. 
rS. Paulo 

Santos 

S. Sebastião 

VilladaPrinceza 

Ubatuba 

S. Vicente 

Itanhaen 

Cunha 

Parahytinga 



01^ 



Na Parte 



-o : . U I^uidiahy 
Septentrio-^ Tybaya 

Bragança 



. Na Commarca 
^de S. Paulo, 



Villas 



Lorena 

Guaratinguetâ 

Mugi-Mirim 

Mugi das Cruzes 

Jacarehy 

S. }ozé 

Pindamonhangaba 

Thaubaté 
^Paranahiba 
fHytú 
I Sorocaba 
j S. Carlos 
< Itapéva 



V Na Commarca 



> 



Tom. /• 



Itapitininga 
Apyahy 
tPorto Feliz J 



de Hytit, 



Gg 





li 

, .'11 

.1 1 


■ m 


K:H ' 




;; !'■ í 








1 



«' . ) 



H4 



Provincid 



S. Paulo , Pãulopolis , Cidade medíocre , visto- 
zameiíte assentada em terreno pouco levantado no 
angulo da contluencia do Rio Tamandatahy com 
è Ribeiro Hynhangabahú , que a banham, este 
pelo lado Occidental , aquelle pelo Oriental , meia 
iegua arredada do Rio Tietê , que lhe passa aa 
Norte:; doze léguas ao Noroeste de Santos , que 
ke o seu porto , duas ao Sul do Trópico, e trezen- 
tas e cincoenta braças acima do nivel do Oceano * 
he ornada com Caza de Mizericordia , varias Her- 
midas e três Hospitaes , hum Convento de Bene- 
dictinos , outro de Franciscanos , outro de Carme- 
litas Calçados , dois Recolhimentos de mulheres» 
Caza de fundir o; oiro , varias praças , três magni- 
ficas pontes de pedra còm outras de madeira , e 
diversas fontes ; porém a melhor agua he a do 
rio. Muitas ruas sam bem calçadas ; os edifícios 
quazi geralmente de taipa, istóhe, de terra como 
greda acaícada entre ckias pianchas , e branquea- 
das com tabatinga. 

He a rezidencia dos Governadores da Provín- 
cia , e do Ouvidor da Commárca , que he Prove- 
dor dos defuntos , camélias , reziduos , e Juiz da 
Coroa. Tem Jniz de Fora , que támbem o he dos 
Órfãos, e Procurador da Coroa , Auditor da gente 
de guerra , e Deputado da Junta da Arrecadaçãa 
da Real Fazenda : Professores Régios das Primei- 
ras Letras , de Grammatica Latina , Rhetorica , 
Filozojfia , Theologia Dogmática; e outro de Mo- 
ral pago pela Mitra. O povo está repartido em 
duas Paroquias , sendo uma delias a Cathedral , 
cujo Cabido consta de quatorze canonicatos , in- 
cluídas as quatro Dignidades de Arcediago , Ar- 
cipreste , Chaptre , eí Thezoúrelro Mòr. A outra 
he da li\voz^(;^o át Santa Efgeniã. 

Os Jezuitas deram principio à esta Cidade no 
anno de mil quinUçatos ciiatociita e dais com d^ 



d» S. Paulo, 



23? 



fundação de hum Collegio , hoje Palácio dos Go- 
vernadores , onde celebraram a primeira Missa no 
dia da Conversão do Apostolo , que lhe deu o 
nome em quinhentos cincoenta e quatro. Ao de- 
pois de seis annos se lhe deu o foral de Villa. 
Seus primeiros povoadores foram uma horda de 
Guayanás com o seu Cacique Tebireçá , que vi- 
via na Aldêa de Piratinin junto á ribeira do mes- 
mo nome , pouco distante da nova colónia , que 
por esta cauza tomou o appellido de S. Paulo de 
Piratininga , e o conservou athé o anno de mil 
setecentos e doze , em que foi ennobrecida com 
o titulo de Cidade , ficando somente com o nome 
do Padroeiro. Em setecentos quarenta e seis teve 
a preeminência de Episcopal. 

Aos índios se agregou logo grande numero 
de Europeus , aos qiíaes aquelles denominaram 
Emboabas , por trazerem as pernas cubertas á 
semelhança de certas aves , que tem penna até 
os dedos , ás quaes elles davam aquelle nome. Das 
allianças dos hospedes com as Indianas accresceu 
logo terceira classe de gente , a que deram o nome 
de Mamelucos , com os quaes a povoação tomou 
considerável augmento. Consta hoje de launs qua- 
tro mil e vinte vizinhos com vinte e trez mil se- 
tecentos sessenta habitantes , dos quaes metade he 
gente branca C43)- 

Gg ii 



(43) He incomprehensivel o medo, que os Paulistas 
tem das bexigas : elle he que mata a maior parte dos que 
morrem, quando delias sam atacados. Em se dizendo a biun 
doente que o seu mal sam bexigas , ei-lo já abatido , e so- 
bre maneira descorçoado : muitos nem querem sujeitaj-se a 
remédios, nem tomar alimentos, persuadidos que não po- 
dem vencer a moléstia. Em setecentos cincoenta e dois te- 
ve fira uma postura do Senado , de largo tempo observada, 
pela qual eram obrigados a sahir da Cidade todos os infei- 



2^36 



Provi n cia 



;í; 



A salubridade , e tempéraínentò do clima , à 
abundância , e barateza dos viveres fazem julgar 
que se lhe dará preferencia para a premeditada 
fundação da Universidade , que llie dará cresci-* 
mento , lustre , commercio , e celebridade. Os cor- 
pos tem aqui mais vigor para a applicaçâo ; e os 
insectos damnifícam menos as Bibliotecas. 

Nos seus alegres subúrbios ha grande numero 
de quintas ou chácaras , entre cujas arvores fru- 
tíferas não sam desprezadas , nem raras as jabu- 
ticabeiras, cujo fruto he formozo , c excellente. 
As laranjas não sam boas, e as arvores, que as 
produzem , queimam-se nos annos de muita gea- 
da: o mesmo acontece ao caíFezeiro , á bannanei- 
ra , ás mandiocas , e cannas do assucar. As limas 
sam gabadas: as maçans , ginjas, pecegos , mar- 
melos, e ameixas não sam de boa qualidade ("4 4). 

Santos , Villa considerável , populoza , e com- 
merciante , vantajozamente situada no lado sep- 
tentrional da Ilha de S, Vicente , erecta em qui- 
alientos quarenta e cinco , ornada com Gaza de 
Mizericordia , que he amais antiga doBrazil , um 
Convento de Franciscanos, um Hospiclo de Ben- 
tos, outro de Carmelitas calçados^ varias Capel- 



tos da mencionada moléstia com gnndes penas dos doraes- 
íicos^ que não o executavam á risca. Nas mesmas ou seme- 
lhantes incorriam as vizitas , se voltavam para a Cidade, 
Côm o cazo seguinte findou o abuzo : Nao querendo um 
pay de familia obedecer á Ley , e implorando o Senado a 
autoridade do Ouvidor, deferiu este: "Como 03 doentes 
carecem de remédios espirituaes , e corporaes, com 09 quaes- 
se lhes não pode acudir tão promptamente j como na Ci- 
dade , julgo mais acertado que os que ainda não tiveram 
bexigas, se retirem para fora da Capital, quando nelia gras- 
sar esta moléstia. „ 

C44) Os moradores do seu termo formara doze Pregue»^ 



de^ S. Paulo. 



m 



Ias , e boa cazaria. O Collegio ex-]eznitico de S. 
.Miguel depois de derruído foi renovado para Hos- 
pital da tropa. Hum ]uiz de Fora prezide ao seu 
Senado. Todos os edifícios sam de pedra , e sóli- 
dos ; seus naturaes engenliozos ; as mulheres fazem 
excellentes rendas. He pátria de Alexandre de 
Gusmão , que seria mais conhecido , se o prelo ti- 
vesse vulgarizado as suas cartas. Foi saqueada 
pelos Olandezes , e em outra occazião pelos In* 
glezes. O seu porto , cuja entrada he defendida 
por vários fortes , tem capacidade para recolher 
grandes naus. He o entreposto de grande quanti- 
dade de assucar , agua ardente , tecidos de algo- 
dam , caffé ; coirama , toucinho , que se exporta. 
Os navios carregam por pranchÓes para o cães. 
Os Invernos sempre sam mui chuvozos ; e sd as 
colheitas do arroz, e caífé abundantes. 

Pouco mais de duas léguas ao Sudoeste na 
costa meridional da mesma ilha sobre a entrada 
da barra do seu nome está a Villa de S. Vicente , 
a mais antiga da Província , em outro tempo flo- 
rente , e famoza , hoje pouca coiza por cauza dâ 
de Santos mais bem situada para o commercio » 
que lhe roubou. Seus moradores sam infatuados 
de fidalguia , demandistas , e frequentam a pes- 
caria. 

Quatro léguas ao Poente de Santos está a 
pequeno Arraial de Cabatão na margem septen- 
trional do rio , que lhe dá o nome , ^e damnifica 
com suas grandes chêas. Aqui embarca tudo o que 
desce de serra acima destinadamente para a Villa. 

Projecta»se communicar a Ilha com a terra 
firme por meio de uma calçada a travez do canal 
de S. Vicente; a qual ao depois de completa será 
uma obra magnifica , e evitâdora de muitos nau- 
frágios. Na barra da Bertidga ha uma Armação^ 
de bale as. 



4\^ 



S38 



Província' 



Itanhaen , Villa pequena erecta em mil qui-^ 
nhentos sessenta e um, ornada com um Convento 
de Franciscanos , situada junto a um monte sobre 
a margem sepientrional da bahia , que lhe deu o 
nome , o qual muitas vezes troca pelo de N. S. 
da Conceição , Padroeira da Matriz. Expor ta-se 
daqui farinha , arroz , e madeira. 

A Villa de S. Sebastião , assim chamada do 
Padroeiro da sua Matriz , he ainda pequena , de 
cazaria mesquinha , e ruas de arêa. Está sobre o. 
Estreito de Toque-Toque em frente da ilha do seu 
nome, junto á embocadura d' um rio inconsidera- 
vel , no principio d' uma planicie fértil , onde pode 
ílorecer uma Agricultura assaz variada ; e que 
esteve largos annos quazi abandonada por cauza 
de não se permittir aos fazendeiros a liberdade de 
exportar as suas producções para onde melhor in- 
teresse lhes fizessem. 

Perto d' uma légua a Leste em um sitio vis- 
tozo ha um Convento de Franciscanos , e junto 
delle um Arraial denominado o Bairro: as mulhe- 
res occapam-se em oilarias ; os homens , uns na 
pescaria , outros na cultura de vários comestíveis. 

A VUl<i da Pr ince 2; a creada em oitocentos e 
nove está a crescer sobre a costa septentrional da 
Ilha d^ S,. Sebastião, junto á Capella de N. S. 
da Lu7^ ^ por ora sua Matriz, e que comprehende 
todos os habitantes da ilha , cujo território he 
apropriadíssimo para a cultura das cannas do as- 
sucar , e tabaco , que sam os melhores da Provín- 
cia , e considerável já a sua exportação. Na parte 
Orientai ha uma Armação de balêas. 

Ubatúha , Viila pequena com uma Igreja 
Matriz , e uma Capella de N. S. da Conceição , 
situada junto á foz d' uma ribeira , no principio 
de uma planicie fértil , e regada de varias torren- 
tes : seus habitantes sam pescadores, e cultivado» 



de S, Paulo, 



239 



res de mandioca , arroz , e cafPé. Fica pouco me- 
nos de oito legiias ao Nordeste da de S. Sebas- 
tião , e perto da raia da Provincia. 

Entre esta Villa, e o mencionado Arraial do 
Bairro está a Enceada dos Flamengos , e a de/w- 
quiriqaeré , em ambas as qiiaes podem surgir mui- 
tos navios abrigados. Na derradeira , que he a 
Occidental , desagua o rio do mesmo nome , qne 
dá navegação desembaraçada por espaço de uma 
légua. 

Parnahiba ^ Villa pequena, situada na mar-" 
gem esquerda do Rio Tietê em distancia de seis 
léguas ao Poente de S. Paulo , ornada com uma 
Igreja Matriz , e um Hospício de Frades Bentos. 
Os seus moradores , e os dos seus arredores culti- 
vam diversidade de víveres , e criam gado grosso» 
As recrutas atenuam-na. 

Mugidas Cruzes, Villa considerável, abas- 
tada , e bem situada obra de meia légua distante 
do Rio Tietê , dez a Lesnordeste de S. Paulo , e 
doze ao Norte de Santos, ornada com uma Igreja 
Matriz dedicada á Santa Anna , um Convento de 
Carmelitas calçados , e uma Hermida do Bom 

Íezus , uma Ordem Terceira do Carmo. Tem Pro- 
essor Régio de Latim. As cazas sam de taipa , & 
seus moradores cultivam viveres , criam gado^ & 
fazem grandes plantações de algodoeiros , cuja 
producçSo faz a sua riqueza. Também daqui sahe 
alguma agua-ardente. 

Oito léguas ao Nordeste de Mugi das Cruzes 
está a pequena Villa de Jacaréhy situada na 
margem direita do Rio Paraliiba, ornada com uma 
Igreja Matriz. O povo , que a habita, cultiva di- 
versidade de mantimentos. A passagem do rio he 
frequentadissims. 

- Três léguas ao Norte de Jacaréhy íica a pe-^ 
^uena Vilíít áe S. Jo7^é , q^ue toma o nome do Pa- 



2'40 



Provia cia 



droeiro da sua Matriz , situada junto ao Parahiba 
em urn terreno , que fez parte de Iiuma fazenda 
de Jezuitas , seus fundadores. O povo, que a habi- 
ta , he lavrador de viveres. 

Thaubaré he uma das Vi lias mais considerá- 
veis , e a mais bem situada da Província: está 
trinta léguas ao Nordeste de S. Paulo, vinte de 
Mugi das Cruzes , e doze de Jacaréhy , uma arre- 
dada da margem direita do Rio Parahiba junto a 
uma ribeira. Além da Matriz dedicada a S. Fran- 
cisco ^ t^m um Convento do mesmo Santo , uma 
Ordem Terceira , e as Capellas de N. S. áo Pilar \ 
e do RoT^ario, Quazi todas as cazas sam de taipa , 
e poucas de sobrado. Seus habitantes , cujos ante- 
passados foram antagonistas dos Pyratininganos 
ou Paulistas , cultivam viveres, e tabaco; criam 
porcos, e gallinhas em grande quantidade; e fa- 
zem pequenas plantações de cannas de assucar : 
€ conservani um ramo de industria com lindas es- 
teiras , e açafates , que se transportam para diver- 
sas partes. 

Perto da embocadura da ribeira , que a lava, 
€ junto á margem do Parahiba, que a recolhe , 
está o pequeno Arraial de Trememhé , ornado 
com uma Capella dedicada ao Senhor Bom Jey^us 
annualmente festejado. 

Em distancia de três para quatro léguas está 
a Freguezia de Cassapaha, novo desmembramen- 
to da Viila precedente. 

Pindamonhangába^ Villa medíocre , abasta- 
da , principalmente de peixe , e bem situada era 
uma planura sobre a margem direita do Parahiba , 
ornada com uma Igreja Paroquial, cujo Orago he 
N. Senhora do Bom Snccesso , e uma Hermida de 
S.Jo7^é\ íica pouco mais de três léguas ao Nornordeste 
de Thaubaté. Seus habitantes , que tenji farijia de 




d^ S, Paulo: 



2f;I 



liomens prudentes e comedidos , cultivam os co- 
mestiveis do paiz , e criam gado grosso. 

Guaratuiguetá ^ Villa considerável, situada 
perto da margem direita do Parabiba , que a abas- 
tece dt; peixe , pouco menos de oito léguas ao 
Nascente de Pindamonbangaba , ornada com uma 
grande Igreja Matriz dedicada a Santo António^ 
uma Capella de N. S. do Ro7,ario , outra a S. Gon- 
falo, A^s cazas sam de taipa ; e seus habitadores 
cultivam miantimentos com muito tabaco; criam 
porcos, e gado grosso: tecidos de algodão , ebom 
assucar (para cujos vegetaes o território lie apro- 
priado) sam os principaes ramos de commercio do 
paiz. 

Pouco mais de meia legua arredada íica a fa- 
moza e vizitada Capella de N. Senhora Afparecidã; 

Lorena, Villa medíocre, e bem situada na 
margem direita do Rio Parahiba , três léguas ao 
Nascente de Guáratinguetá , e duas acima das fo- 
zes do Rio Imbauhy , que vem da Mantiqueira , 
e do Bocaina que vem do Sul , Çg tem a nascença 
vizinha á do que o absorve , ) na passagem para 
Minas Geraes denominada Porto do Meyra , e or- 
nada cora a Igreja Matriz , cujo Orago he N. S. 
ád. Piedade, Guaypacaré foi o seu primeiro nome. 

No districto de Lorena, onde se recolhem le- 
gumes com muito milho , e criam em grande quan- 
tidade porcos, egalíinhas está a Paroquia de San- 
ta An na das Are as , da qual acaba de ser des- 
membrada a do Bannanal. 

Uma legna abaixo de Lorena está a outra 
Passagem chamada Porto da Cachoeira. Em ambas 
ha barcas , que no fím do século passado andavam 
arrendadas por doze mil cruzados. 

Canha, em outro tempo Facão, Villa ainda 
pequena , e que com facilidade pode ser conside- 
rável , situada na vii^inhança do Rio Jacuhy sobre. 
Tom, L tíh 




li ' ' ^ 



242. 



Pro^Bincía 



,♦ 1 



"' . "'3i 





a serra., oito léguas ao Norte de Paraty , ornada- 
com a Igreja Mairiz , de que hc Padroeira N. S.. 
da Conceição. O clima lie sadio , as noites de la- 
nho , e Jiilho frias, He o lugar da Zona Tojrricía » 
^ná^ atégora tem prosperado melhor as flores , e 
arvores frutíferas oriundas da Europa. Nos seus 
contornos ha extensos plnheiraes ; e seus habitan- 
tes cultivam mantimentos do paiz , recolhem abun- 
dância de milho, e criam em grande quantidade 
gallinhas , e porcos , sua riqueza. 

uO caminho, que communica esta Viíla com a 
doParat37 , he péssimo. Quando os recoveiros tran- 
sitarem por elle com a mesma facilidade, e segu- 
rança, que os do Cubatão entre S. Paulo, e San- 
tos, então uma terá florescimento , 'outra maior 
commercio. - ; 

Parahitincia , Villa mediocre , e bem situada 
sobre a margem esquerda do rio , que lhe dá a 
nome , duas léguas acima da embocadura do Para^ 
Iiibuna , e doze ao Norte de Ubatuba. S. LuÍ7^ 
lie o Padroeiro da sua Matriz ; e uma extensa 
ponte sobre o rio , que a banha , a coiza mais no- 
savel , que nella se encontra. Seus habitantes re* 
colhem sufficiencia de viveres , e criam em grande 
quantidade porcos , seu principal ramo de com-. 
ínercio. 

- Jundíahy, Villa mediocre, e florente uma 
Biilha distante da margem esquerda do rio , que 
lhe deu o nome, dez léguas ao Nornoroeste de S, 
Paulo, e outras tantas a Lesnordeste de Hytú , 
ornada com uma boa Matriz, de que he Padroeira 
N. Senhora do Desterro , \im Hospício de Benedicti- 
iios , uma ponte sobre o rio , que cria entre outros 
peixes os cliamados juncliás , de que se lhe deri-^ 
vou o nome. Seus moradores criam gado vaccum ^ 
JTiuar , e cavalíar ; fazem grandes plantações de 
c^annas de assucar , para cuja factura ha vários. 



de S. Paulo, 



24S 



«ngmihos ; e recolhem abuadancia de legumes , e 
milho , com que fornecem as tropas de Goyaz , 
que se preparam aqui, \ 

Tíhaija ou Atibaija, situada perto do rio des- 
te nome , ornada com uma Igreja Paroquial , que 
tem S. Joam por Padroeiro , he ainda pequena . 
€ fica dez léguas a Nornordeste de S. Paulo , igual 
distancia a Leste de Jundiahy , e outro tanto ao 
Poente de S. ]ozé. Os seus habitantes recolhem 
feijão , milho , e trigo ; e criam porcos. 

Bragança , que fica três léguas ao Nordeste 
de Tibaya he ainda pequena; mas seus moradores 
vivem abastados ; criam em grande quantidade 
porcos ; e recolhem abundância de trigo , milho > 
e legumes. 

Magy-Mirim situada na estrada de Goyaz 
sobre a margem esquerda do rio deste nome , que 
pouco abaixo se une ao Mugyguassú , que lhe 
passa obra de uma légua ao Norte , he villa me- 
diocre , e abastada de viveres , peixe , e carne : 
tem engenhos de assucar , e creaçoes de gado; e 
sd a Igreja Matriz, onde S.Jo7^é he o PadroeiroJ 

Na margem septentrional do Mugyguassú, 
onde este rio atravessa a estrada para a Villa de 
Mugy-Mirim , está o Arraial , e Paroquia > que 
lhe \oma o nome , com uma Igreja Paroquial de- 
dicada a N, S. da Conceição, Seus habitantes re- 
colhem farinha, feijão, e milho ; criam gado vac- 
cum , e porcos ; e sam regalados de pescado. 

A Freguezia da Franca he a mais septen- 
trional da Província; seus habitantes estendem-sc 
até a margem do Rio Grande ; criam gado vac- 
cum , e cultivam os comestíveis que melhor se dam 
no território. A sua Matriz he dedicada a N. S. 
da Conceição, 

Sorocaba, situada na paragem , onde o rio 
do seu nome atravessa a estrada real da Curytib* 

Hh ii 



,44 



Pro 



vincia 



:i. 'i 



- 1^ 

V. 



IwWj' 




'para a Capiraí , da qnal disra dezoito legua'^ par^ 
o Poente , lie Villa considerável-, e íloreíceiíte-, 
ornada com uma Igreja Paroquial da Invocação 
de N. Senhora á'à Ponte, um Recolhimento de mu* 
Iheres , um Hospício de Bentos , uma Hermida de 
Santo Anto/iio: os Pretos continuam na factura 
de outra para collocar N. S. do Roz^arlo. A sua 
actual população comp5e»se de mil setecentos se- 
tenta e sete vizinhos , dos quaes dois terços sam 
brancos: uns criam gado vaccum , e cavallar ; ou- 
tros cultivam algodoeiros , cannas de assucar , mi- 
lho com os mais viveres communs do paiz ; mas 
as suas riquezas provem dhes das nt:gociaçoes do 
^gado , que vem do Sul; e cujos direitos aqui s^ 
cobram. 

Nos seus contornos ha pedra calcaria , e boas 
pederneiras. O que ha-de fazer esta Vilia mui 
grande ,^ celebre e famoza he a Real Fabrica de 
Hypannêma , que em distancia de duas léguas ou 
pouco mais se está levantando junto á ribeira 
deste nome, para aproveitar as riquissimas minas 
de ferro da Serra Guarassoyava. 

No districto de Ei/rassoi/ava desciibníi-se ha 
largo tempo uma mina de prata , que foi aban- 
donada em razão da sua pobreza, e diííicii ex- 
tracção. 

Itapitininga , Villa ainda pequena, e bem 
•situada em uma planura vasta , e aprazível , jun- 
to áestrada real, meia légua arredada da margem 
xlireita do rio, que lhe deu o nome, ornada com 
uma igreja Paroquial da Invocação de N. S. das 
•Mercês , e bem provida de agua, com cazas de 
taipa. Fica doze léguas ao Sul de Sorocaba. O po- 
vo , que a habita , recolhe legumes , e rrigo com 
abundância de milho : os pecegueiros sam. assaa 
multiplicados ; e as uvas boas. Tem criações de 
gado. 



de S. Paulo. 



^45 



ií 



ha pé Vã situada junto á estrada real lia vi- 
zinhança do Rio Verde , he ainda Villa pequena: 
a sua Matriz dedicada a Santa Anna\ í^ado , e 
inantimentos a riqueza do povo , que a liabira. 

Appialuj , que he da mesina ordem conj a 
precedente, íica mui longe da estrada , perto da 
nasrença do rio , que lhe dá o nome , junto a um 
inorro , donde no seu principio se tirou muito oi- 
ro. Só tem a Tgreja Matriz. 

Hiiú , Villa grande , abastada , e florescente , 
Cabeça da Commarca do seu nome , ornada com 
uma igreja Paroquial da invocação de N. S. dá 
Candellaria , um Convento de Franciscanos , um 
Hospício de Carmelitas calçados , um Hospital dfe 
Lázaros com sua Hermida , outra do Senhor Bom 
Jey^us, outra de N. Senhora do Patrocínio , outra 
.de Santa Rita. Todos os edifícios sam de taipa: 
algumas ruas calçadas ; as cazas quazi geralmen- 
te térreas com quintaes. Tem Professor^Repío de 
Grammatica Latina; e fica sete léguas ao Nornor- 
deste de Sorocaba , dezoito a Oesnoroeste de S. 
Paulo, e obra de duas milhas arredada da mar- 
-gem esquerda do Tietê , o qual fdrma naquella 
paragem a grande catadupa , que dá nome á Vil- 
la. IN o verão experimenta-se mui grande calor. 
t.m nenhuma outra parte as romeiras frutificam 
com tanta formozura : as cebolas sam mui sran- 
xies; as laranjas passageiras: os cajueiros peque- 
nos; mas irutifícam com a belleza dos das pro- 
vincias septentrionaes. O território dos seus con- 
tornos he mui apropriado para a cultura das can- 
nas do assucar , de que ha grandes plantações , e 
íazem a riqueza de seus habitantes , que também 
criani gado, e recolhem áiv^rsiá?,át de viveres. 
\r'v A^^^^^' ' ^^^^"^''iomente Ararita qiiaha , 

ViLa mediana com cazas de madeira , 'situada so- 
i^re a margem esquerda do Tietê, tem uma Igreja 



k ; 



24^ 



provi ncia 



\ *t\ 



rl'>^'-í 



' *1. 



V'i 



Paroquial da Invocação de N. S. Mai/ dos Ho* 
mens ; e fica perto de cinco léguas ao Poente de 
Hytá , e sete ao Nornoroeste de Sorocaba. He o 
porto dos que navegam para Cayahá, Seus habi- 
tantes criam gado , e cul eivam cannas do assucar , 
feijão , e milho. 

A Villa de S. Carlos , á qual deu nome o 
Padroeiro da sua Matriz , originalmente Campi- 
nas , situada junto a uma ribeira pouco mais de 
légua arredada do Rio Tibaya , e seis ao Norte de 
Hytá , não passa ainda de medíocre ; mas abasta- 
da , e com conveniências para tomar crescimento 
considerável. O seu território abundante de aguas , 
e matas he mui apropriado para a cultura das 
cannas do assucar , de que ha ricas plantações ; 
como também para trigo , feijão , e milho. Está 
na estrada de Jundiahy para Mugy-Myrim , da 
qual ficará afastada oito léguas , quando ella se 
fizer em linha recta. Com o seu termo , ao Poen- 
te confina o da nova Freguezia de Percicaba , cu- 
ja Matriz está em uma amena planura , em que 
termina uma! collina sobre a margem meridional 
do rio , que lhe dá o nome; e junto a uma vis- 
toza cascata de muitos degraus, que elle alli for- 
ma , onde finda a navegação. O seu território , 
onde ha formozas matas , he de grande fertilida- 
de , apropriado para muitos ramos da Agricultu- 
ra , particularmente para cannas do assucar , de 
c^ue ha plantações , e engenhos. 




£47 



A^° VI. 

província 



D E 



M A T o G E osso. 

à Endo os Vicentistas reduzido as nações Gna- 
nhaná , e Carijó , começaram Íogo a passar á ou- 
tra banda do rio Paranná em busca d' outras igual- 
mente puzilanimes , e pouco numerozas. 

Aleyxo Garcia , e um irmão ou íillio , que 
acompanhados d' uma numeroza escolta crindios 
domésticos , havendo passado além do Paraguay , 
penetraram athé a proxmiídade dos Andes no 
melado do século dezeseis , foram os primeiros 
descubridores conhecidos da parte meridional des- 
ta vasta Província ; e Manuel Corrêa , Pau- 
lista como aquelloutros , (45) passando além do 
Araguaya , o da parte septentrional muito tempo 
depois, ignoramos os nomes dos outros certanistas 
ou commandantes de Bandeiras , (46) que vizitaram 



CaCí) ^^ Aleyxo Garcia emprebendeii a jornada por or- 
dem de Martim Affonso de Souza , como escreve Ch?5rle. 
voix, necessariamente devia ser era mil quinhenTos rriíita 
e dois, ou trinta e três, em noanío eile esteve no Brazil , 
e não em quinhentos e dezaseis , ou quinhentos e vinte* 
cinco corrío cuida aquelle escritor : e então devia o viajan- 
te ser Europeu, e não Paulista, como pretende o nioderro 
autbor do MS. intitulado: Noticia dos Títulos ;, e limiies do 
Estado, do Brazil. 

C46) Dá-se no Br^ziJ este non^,Q Bandeira a um inde- 






> 



^^h' - 


11 


m, 


■ 


K '/ 


flU 


^E 'i 


>mi 


i'" 





M 



'ijii! 



Ir i 



S4^ 



Província 



o paiz á busca dos Indígenas athé o anno de mil 
setecentos e dezoito , quando António Pires de 
Campos , também Paulista , subiu pelo rio Cayabá 
em procura dos índios Cachlpós , que tinham uma 
aldêa no sitio onde hoje está a Hermida de S. Gon- 
sailo. 

No anno seguinte Pascoal Moreira Cabral , 
seguindo-lhe os passos, subiu pelo rio Cuchipd- 
mirim , e a pouca distancia viu granêtes d' oiro ; 
e deixando alli parte da comitiva para os apro- 
veitar , continuou rio acima com os mais athé o 
sitio chamado hoje forquilha , onde apanhou al- 
guns índios pequenos enfeitados com folhetas de 
oiro , á vista das quaes se certificou que o terre- 
no era abundante deste metal; e procurando-o 
com cuidado , ajuntou uma porção considerável. 

Tornando aos companheiros , desceu com elles 
rio abaixo athé a aldêa , que António Pires havia 
vizitado no anno antecedente ; onde cada qual 
mostrou o que tinha juntado. Huns achàram»se 
com cem oitavas, outros com m.eia libra, outros 
com muito menor porção; mas geralmente conten- 
tes : sendo os mais aproveitados os que tinham 
acompanhado ao Capitão Moreira , que trazia á 
sua conta libra e meia de oiro. Todos lamentavam 
a falta d'instrumentos mineratorios ; porque todo 
havia sido cavado á mão na arêa. Começaram lo- 
go a edificar cabanas , e fazer sementeiras de 
mantimentos nas margens dos rios , rezolvidos a 
persistir alli em quanto cUirasse o lucro. 



termi"^ílo numero de muitos homens, que providos d'ar- 
mas , munições, e mantimentos necessários para sua subsis- 
lencia , e defeza entram nas terras possuídas peios Indíge- 
nas com algnm intuito, v. g. de descubrir minas, reconhe» 
cer o paiz , ou castigar as hostilidades dos barbares. Os in- 
divíduos , que formam estas campanhas, appeiiidam-se ban- 
deirarues , e os chefes cenaiLlstas» 



~m 



de Mato Grosso. 



249 



f 



Passadas algumas semanas , chegou ao nov© 
arraial outra baadeira , que tiiiha ficado nas mar- 
gens do rio de S. Lourenço ; e com a noticia do 
descubrimcnto determinou aumentar a povoação. 
Fazendo todos consulta sobre a actual circunstan- 
cia , determinaram enviar ]ozé Gabriel Antunes 
á Cidade de S. Paulo com as amostras do oiro a 
noticiar o descuberto , e trazer do Governador 
as ordens necessárias para o bem commum , e ser- 
viço de S. Magestade : do que se lavrou um. ter- 
mo , em qué se assinaram vinte e dois homens , 
que tantos eram os que figuravam em a nascente 
povoação. 

No mesmo dia da rezolução , que foi a oito 
d'Abril de mil setecentos e dezenove , elegeu o 
povo unanimemente ao capitão Pascoal Moreira 
Cabral por seu guarda-mòr regente até a chega- 
da da ordem do governador de S. Paulo , reves- 
tindo-o de muita authoridade , e prometendo-lhe 
obediência ; C47) do que se exarou outro termo , que 
servisse como d'ordenação athé a vinda de Jozé 
Gabriel , que gastou muitos mezes em chegar á 
Capital , onde divulgada a riqueza do descubri- 
mento, começou logo no anuo seguinte a partir 

Eara elle grande numero de gente em vários com- 
ois , dos quaes nenhum chegou a Cuyabá sem 
maior, ou menor perda: havendo morrido muita 
gente no caminho , uns de febres , outros de dif- 
fercntes dezastres : desgraças que continuaram a 
experimentar-se anniiaimente , e tanto mais lasti- 
Tom, I, li 



(■47) Rocha Pitta, Escritor coevo, diz que o Capitão 
Fernando Dias Falcão fora o eleito pelos Cuyabanos para 
regente (em qui^iito não chegava o noEÍieadO peio Gover* 
nador ') por teríiio de seis de Janeiro de setecentos vinte? 



]i':!':ít 



li 




Província 



mozas , quanto mais importantes , e nnmerozo$ 
eram os combois : tudo por falta de bons práti- 
cos , de não se guardar a ordem devida na^mar- 
cha , por desmazello em não se acondicionar bem 
o mantimento , por não levarem instrumentos de 
pescar, e armas de fogo para a caça, e defeza 
das feras , e dos salvagens. 

No mesmo anno se mudou o arraial para o 
lugar da forquilha^ onde Moreira tinha achada 
melhor pinta d* oiro : e no seguinte achando-se 
um Miguel Sutíl , Sorocábano , cm uma rossa » 
que estava principiando na margem do Cuyabá » 
dois Carijós ou índios domésticos, que tinha man^f 
dado ao mato em procura de mel , lhe trouxeram 
á noite vinte erres folhetas de oiro , que pezaram 
cento e vinte oitavas, dizendo que lhes parecia 
haver ainda mais no mato , onde tinham hido pro- 
curar colmêas. Na manhan seguinte se pôz a ca- 
minho o contente ^'wí// com um seu camarada Euro- 
peu , chamado Joam Francisco , e por alcunha o 
Barbado , e toda a sua comitiva domestica , guia- 
dos pelos dois Carijós para o sitio , onde tinham 
achado as folhetas , que era onde hoje está a Villa 
de Cuyabá. O lugar , onde se acha a Hermida 
de N. Senhora do Rozario , he onde os Caiijds ti- 
nham apanhado , as que levaram. Alli gastaram 
a maior parte do dia , apanhando com as mãos o 
que estava á vista , ou m.al cuberto : e recolhen*^ 
do-se á tarde a seus ranchos , Sutil achoxi-se com 
meia arroba d' oiro , e Barbado com quatrocentas 
c tantas oitavas. 

Esia aventura ,. noticiada ao outro dia no ar- 
raial da Forquilha , fez mudallo dVimprovizo pa* 
ira o lugar , onde os dois camaradas Sutil ^ t Bar* 
bado haviam achado a mancha , e onde se calcu- 
ípu , que se lirára acima de quatrocentas arroba^ 
tlaquelle metal dentro n' um mez , sem que os su- 




de Mato Grosso. 



251 



cavSes excedessem a quatro braças de profundi- 
dade. 

Neste m^smo anão chegou a S. Paulo o Go- 
i^ernador Rodrigo Cezar de Menezes , cujos pri- 
meiros cuidados foram a exacta arrecadação dos 
Quintos Reaes destas minerações. Com este in- 
tuito nomeou dois Paulistas irmãos , de distincto 
nascimento , e abastados , Lourenço Leme com o 
cargo de procurador dos Quintos , e ]oam Leme 
com o posto de Mestre de campo das mesmas mi- 
nas : os quaes em razão da liberdade com que 
sempre triunfaram das Leis á sombra de seus ca- 
foedaes , julgando-se agora mais authorizados para 
impunemente sd consultarem seus caprichos, che- 
gando aò arraial , começaram com violências absur- 
das , atlié querendo expulsar das minerações ttido 
o que não fosse Paulista : e porque o Capelíão 
declamou contra a injustiça , mandaram dar-lhe 
um tiro , que errando o alvo , matou um seu fa- 
miliar : e por ciúmes que tinham d'um Pedro Lei- 
te , mandaram insultallo deshumanamente a tempo 
que estava ouvindo Missa ! Estas , e outras atro- 
cidades fizeram reviver certos crimes , que esta- 
vam corno sepultados ; e obrigaram o General a 
iCXpedir ordem para serem remetidos prezos ; do que 
sendo avizados por um seu parente , se puzeram 
a salvo ; de sorte que quando chegou o Mestre 
de campo , Balthazar Ribeiro , para executar a 
ordem do governador , já os insulentes se acha- 
vam fortificados n'nm lugar remoto com seus fa- 
miliares , onde frustradamente foram atacados ; 
porque rompendo u cerco , depois de algumas mor- 
tes de parte a parte , fugiram para o sertão com 
grande numero dos seus : mas foram perseguidos 
athé que Lourenço Leme foi morto com um tiro 
como uma fera , e o irmão prezo , e remetido com 
4) sufíijmwirio dos seu$ crimes 4 Odade da Bahia 5 

li xi 















i 

1 




* 






1. ' 1 


1 



2s2 



Provin cia 



cuja Relação o fez degolar em setecentos e vinte- 
quatro C4§). 

A exorbitante quantidade dos Çuíntos, que 
em setecentos e vintelres chegou a S. Paulo jun- 
tamente com o prezo ]oam Leme, e certeza da 
morte do outro regulo irmão, deu um grande bra- 
do. Todos queriam ser mineiros do Cuyabá , ainda 
a troco das calamidades annexas á laborioza , e 
prolongadíssima viagem. De^mais de trezentas pes- 
soas , que em setecentos vinte e cinco sahiram de 
S. Paulo com vinte e tantas canoas , sd dois ho- 
mens brancos, e três Negros escaparam: todos os 
mais foram mortos , ou prizioneiròs n'um encon- 
tro , que tiveram com uma armada Indiana Qq 
que se cuidou por muito tempo sêr át Paijagoás ^ 
no rio Paraguay defronte da embocadura do Harêz. 

Os Paulistas , postoque conheciam, os Paijã" 
goás pelos maiores marinheiros , não tinham ain- 
da noticia de que esta nação possuísse tão nume- 
roza armada. 

N. B. Duas celebres nações encontraram os 
primeiros Paulistas, que arrostaram com o rio Pa- 
raguay. Payacjoá , e Guaycurú sam os seus no- 
mes : ambas numerozas , e qual delias mais formi- 
dável , e fatal , aquella pelas suas grandes arma- 
das , esta pela sua cavalleria , donde se lhe deri- 
vou a denominação de Cavalleiros. Os Payagoás 
de tempos immemoriaes foram sempre senhores da 
navegação do rio Paraguay , e dos seus confluen- 
tes atlié onde elles a offerecem desembaraçada. Os 
Guaycurú.s , possuíram, ao que parece, desde a 
mais remota antiguidade as adjacências do mesmo 
rio por espaço de cem léguas ao menos. 

Sendo certo que na America só começou a 



(48) Kocba P. 




de Mato Grosso^ 



253 



haver cavallos , depois que nella se estabeleceram 
as duas nações conquistadoras, não lie difficultozo 
adevinhar pouco mais ou menos a época em que 
os Guaycurús começaram a possuir estes animaes , 
de que ha tempo geralmente uzam , mesmo nas 
suas menores jornadas ou degressóes ; e com que 
se ham íeito tão formidáveis a todas as nações cir- 
cundantes , sem exceptuar as conquistadoras da 
região. Parece mais verosímil, que começassem 
a havellos dos colonistas d'Assumpção primeiro 
do que dos do Perii. Se n'outro tempo tiveram 
grande marinha , desprezáram-na depois que co- 
nheceram que a cavatleria lhes era mais útil , e 
vantajoza para hir fazer guerra ou depredações 
aos povos mais longínquos. Só tinham as canoas 
sufficien tes para passar d' um a outro lado do ria 
iias precízões. 

Tal era o estado destas nações pelos annos de 
mil setecentos e vinte , quando , depondo sua re- 
cíproca aversão , se alliaram , passando os Guay- 
curús a ser igualmente poderozos sobre ambos 
os elementos com uma marinha pouco inferior á 
dos Payagoás , para flagello da nascente Provín- 
cia , desde o anno de mil setecentos vintecinco 
athé o de setecentos sessenta e oito , em que se 
desuniram, descendo os Payagoás ao Baixo Para- 
guay , e alliando-se , ou para melhor dizer sujeitan- 
do-se aos Castelhanos da Provinda do Paranná , 
onde se aldearam , e vivem desde setenta e quatro 
pouco abaixo d'Assumpção C49}. 



('49) Dua« cauzas motivaram a separação dos Paya- 
goás : a notável diminuição, a que es havia reduzido a sua 
temerária ouzadia nos repetidos confíictos com rs Conífiiis- 
tadores , e o ciiime dos Guaycurús , nâo íSenoã poderozos 
jé %ohxt as aguas , do que cm campo. 



%} 



â54 



Província 



'^■^- i 



Os- Guayciirús continuaram as rflesmas hostil 
lidades , postoque mais raras , e menos ruiaozas 
(como SC verá) atlié o anno de noventa c um, 
quando os dois principaes capitães da nação , a 
saber: Emavidi Channé , que quiz chamar-^se 
Paulo Joaquim Ferreira , c Çaeyma que tomou o 
nome de ]oam Queyma d*Aíbuquerque acompa^- 
iihados de dezasete soldados seus com uma Negra 
Creoila Brazilica , sua cativa ou prizioneira por 
interprete ,• espontaneamente foram oíferecer , e 
pedir paz a Viila Bella de Mato Grosso , onde no 
palácio do Governador , e prezença do Senado fi- 
zeram um tratado de perpetua amizade, ealliança 
com termo de vassalagem á Coroa Fidelíssima: 
passando-se-lhes uma Carta Patente , que guardara 
com o maior recato, e cujo theor transcreveremos 
mais adiante, quando acabarmos de faliar desta 
nação. 

No anno de setecentos e vinte sete chegoti ao 
novo arraial o Governador Rodrigo Cezar , e deu^ 
lhe titulo com o nome de Villa-Real de Cuyábá. 
Retirou-se no seguinte , subindo pelo Tacoary , 
para o qual mudaram ( em vinte enove) a nave- 
gação do Embotatiii com o intuito de evitar , ao 
menos em parte , os encontros dos inimigos ; no 
que nada melhoram, em razão da pouca distancia, 
que medêa entre as fozes destes rios. 

A primeira divizão , que sahiu de Cuyabá no 
anno de setecentos e trinta , em que hiam para mais 
de íiessenta arrobas de oiro , e o doutor António 
Alves Peixoto , que acabara de ser Ouvidor , foi 
accommettida nos P anta naes por uma armada d'oi- 
tenta canoas guarnecidas por mais de oitocentos 
índios, segundo se avaliou. A peleja durou muito 
tempo ; e segi^ado dizem só escaparam dezasete 
Christãos a nado para terra, Cakulou-se que os 
inimigos perderam loais de quatroc^íatos çombatca^ 




ãe Mato Grosso.. 



255 



tes. Algnm oiro qne qiiizeram levar com muitos 
prizioneiros , o deram os Payagoás na cidade d'As- 
siimpção por tão baixo preço , que com uma Da- 
na Quitéria de Banhos trocou um índio seis libras 
por um prato de estanho C5^)- 

Em mil setecentos e trinta mandou o briga- 
deiro António de Almeida vários familiares seus 
em duas canoas de guerra procurar cannas d'assu- 
car , que uns certanistas haviam encontrado dois 
annos antes nas beiradas do rio de S. Lourenço : 
os quaes voltaram , passados dois ^mezes , com as 
que puderam conduzir ; e com ellas fez uma plan- 
tação , que prosperou á medida do seu dezefo , e 
da necessidade publica. No anno seguinte foram 
muitos os plantadores deste abençoado vegetal , 
cujo sueco era geralmente destillado em agua- 
ardente , da qual se vendia o frasco por dez oi- 
tavas d' oiro a principio. Com o uzo deste liquor 
começaram os homens a ter boas cores , sendo athé 
então pálidos ; e as febres a hir em diminuição > 
como também a mortandade da escravatura. 

Neste mesmo anno sahiu uma armada de 



'4 


\'M 



(/;(>) Por estes tempos floreeia aqui um novo ramo de 
commcrciq, melhor dissera ridículo modo de ganhar dinhei-. 
ro ou d'ajiiiitar oiro , não menos rjotavel pelo seu objecto 
qwe eram as gãto-í y comO pela ganância, que dava tanto 
ao ve:.d€dor, como ao comprador. O primeiro cazal. destas 
animvíes , qne aqui appareceu , comprou-se por lima livra 
d'oiro : a sua descendência vendeu se a trinta oitavas do 
mesmo metal ; depois a vinte ; donde foi diipinuindo em 
pre^o proporcionadamente com o aumento da sua muíripli- 
caçâo athé chegar ao com,mum dos lugares , onde abundam. 
As razds, as colheitas do milho, e \fouiros alimentos fi- 
zeram nuiitiplicar^ tão extraordinarií^mente os ratos que da- 
vam que fazer á gente para obviar os estragos deste íia- 
pello dcmeitíco , e rural. Foram elles os que davam lâ® 
grande vaior aos seus inimigos. 



'.t. 



%^6 Província ' 

trinta canoas de guerra , cincoenta de transporta í 
perto de seiscentos homens > duas peças , grande 
numero de espingardas , no alcance d' uma esqua- 
dra inimiga , que tinha subido athé á foz do 
Cuyabá , onde prizionára alguns dos pescadores 
que alli andavam pescando. Chegando á emboca- 
dura do Emboratiá , avistaram uma divizão inimi- 
ga , que fazendo-lhe algazarras de longe , desap- 
pareceu num momento. Depois de muitos dias de 
viagem, tendo jápassado o estreito, onde o Para- 
guay se comprime por entre dois morros , um dia # 
ao amanhecer encontraram repentinamente com 
uma armada inimiga. Os índios dando sinal crac- 
commetter com o alarido do costume , foram obri- 

fados a retroceder d'iraprovizo com o trovão da 
uzilaria , e peças que se lhes descarregaram ao 
mesmo tempo. A nossa armada acossou a inimiga 
athé a aldêa Tavatim , donde voltou , depois de 
ter despedaçado grande numero de canoas , que 
estavam no porto. 

Em setecentos trinta e dois todas as canoas 
passaram a salvamento ; mas no anno seguinte foi 
destroçada a frota que constava de cincoenta ca- 
noas , escapando pouca gente , com cuja chegada 
a Cuyabá se aprestou outra armada de trinta ca- 
noas de guerra , e setenta de transporte , duas 
balsas ou barracas armadas sobre duas canoas , 
bom armamento ao commando do Tenente Gene- 
ral Manuel Rodrigues de Carvalho. Pelo meiado 
d'Agosto de trinta c quatro cahiu esta vistoza ar- 
mada no Paraguay; e tendo navegado quazi^um 
mez sem encontrar os inimigos; em uma madru- 
ffáda avistaram varias fogueiras mal accezas no 
fundo d' uma bahia , para onde se encaminharam 
com^ grande silencio. Conseguirão os nossos che- 
par quazi a tiro de musquête em boa ordem an- 
tes d,Q serem persentidos dos índios , os quaes co. 




de Mato Grosso^, 

nhecendo-sè bloqueados , levantaram iim horrível 
grito , ao qual corresponderam os nossos com uma 
descarga de quatrocentos , e tantos musquetes , que 
lhes cauzaram grande estrago. Ficaram prizionei- 
ros (entre feridos , e pequenos que não puderam 
seguir os fugitivos para o mato) duzentos noven- 
ta e dois. Todos foram baptizados. 

Em setecentos trinta e cinco depois da che- 
gada da armada do Paraguay , e da frota de S. Paulo , 
que constava de cento , e doze canoas ^ foram repar- 
tidas as minas, que Fernando de Barroz , Soroca- 
b'ano , havia descuberto três annos antes em pou- 
ca distancia do lugar , onde hoje está Villa-Bella 
de Matiogrosso ; e onde dos novos colonos mor- 
reram muitíssimos de febres malignas cauzadas pe- 
la corrupção d' huns charcos vizinhos. 

No anno seguinte foi a numeroza frota de S. 
Paulo accommettida por outra inimiga considera- 
velmente superior no sitio de Carandá em dia de 
S. ]ozé. O conflicto durou horas: nelle morrerá 
entr' outros o seu bravo commandante Pedro de 
Moraes , c um Frey António Nascentes , frade 
Franciscano, a quem suas extraordinárias forças, 
€ intrepidez haviam dado a alcunha áetícjre. Ou- 
tros muitos se distinguiram mais felizmente nesta 
fatal refrega , donde sahiram vencedores , haven- 
do cauzado horrível estrago nos bárbaros : Poréiit 
ninguém tanto como um mulato Pindamonhanga- 
bàno , chamado Manuel Rodriguez , e vulgarmente 
Manda assa , Manuel grande , em razão da sua 
grande estatura , e corpolencia , donde tirava for- 
ças extraordinárias , e dotado d' huma rezolução 
íligna de ser cubicada. Este gigantesco homem ,- 
que governava uma canoa própria , em que leva- 
va sua mulher da mesma côr , e magnanimidade 
com vários escravos , sendo atacado por duas ini- 
migas , defendeu se com tanto valor, e destreza ^ 
Tom. /. Kk 



'í; 



, ,.■■»! 





t: 



asá 



Provi n cia 



qne nenhuma pode dar-lhe abordagem : ora desDíí- 
rancio uma espingarda que a mulher lhe carrega- 
va , ora manejando uma vara, cujos golpes eram 
fataes , quando o inimigo lhe cahia debaixo do al- 
cance. C [legando a Cuyabá foi premiado com pa- 
tente de capitão. 

No mesmo anno se abriu a estrada para Goyaz , 
donde p^^ssaram acima de mil , e quinhentas pes- 
soas com cavallerias , e numerozas boyadas , aíòra 
os*\[ue desceram embarcados pelo rio deS. Louren* 
ço , convidados pela fama do oiro , que se tirava 
em Matogrosso ; do4ide com effeito sahiram naquel- 
le anno oitenta arrobas deste metal para S. P. 
em oito canoas de guerra , guarnecidas por deza- 
seis homens escolhidos cadauma ,. e commandadas 
pelo Tenente-general Manuel Rodrigues de Car- 
valho , que as levou a salvamento , e p3z em fu- 
ga uma divizão inimiga , que ouzoii acacallo na 
entrada dos Pântanos, Com esta noticia quasi se 
despovoou a Villa de Cuyaba. Os Negros paga- 
vam-se a quinhentas oitavas ; e eram baratos para 
o lucro que davam. 

Em setecentos e quarenta foram os inimigos 
rechaçados na embocadura do Tacoary pela Frota 
de S. P. commaiidada pelo esforçado Jerónimo Gon- 
salves, Hytuano , que chegou a Matogrosso com 
grandissima quantidade de lanças dos que tinhaiu 
perecido no combate , havendo perdido quatro ca- 
noas carregadas de fazendas com alguns escravos. 

Depois da sua chegada vieram uns índios Bd^ 
rdrós domésticos noticiar , que os Jezuitas Caste- 
lhanos se achavam, estabelecidos nas cabeceiras do. 
Paraguay , aldeando os índios Guarapare^, Co-, 
3iheçendo-se que não era por falta de Pagãos na^ 
vizinhanças das suas Missões , mandou-se-lhes acon- 
selhar uma retirada politica , e honesta , ao que 
^ãQ^anAUirã, segmido. dizeiíi, apezar de àir o re- 



De Mato Grosso. 



259 



cado com alguma comminação. Porém a inconstância 
dos catliecumenos obrigou os catliequistas a voltar 
para as aldeãs da província de S. Cruz de la Sierra * 
donde tinham vindo , antes que se tomassem as me- 
didas para os fazer retirar. 

Em quarenta e dois desceu Manuel de Lima 
com cinco índios , três Mulatos , e um Negro em 
uma canoa pelos rios Guaporé , Madeira , e Ma- 
ranhão athé a cidade do Pará. 

No comenos que Manuel de Lima desceu pelo 
Madeira, subiu um Joaquim Ferreira com outros 
negociantes pelo Mamoré até a Missão da Exal- 
tação. Tornando os mesmos , ou outros com o mes- 
mo intuito no anno seguinte , acharam já a Mis- 
são de S. Reza novamente erecta na margem orien* 
tal do- Guaporé , quazi defronte do sangradoiro , 
por onde tinham entrado para S. Miguel no anno 
precedente , e o Cura J^zuita determinado a impe- 
dir-lhes a navegação do rio. Gonjecturou-se que 
para mejihor eifeituar o prpjecto , he que mudaram 
pouco depois também a de S. Miguel para ô mes- 
mo lado , e foram fundar a de S. Simão mais ao 
norte: o que não obstante, jamais os de Mato- 
grosso deixaram de navegar por este rio. CsO 

Em quarenta e três observando o inimigo nas 
Kk ii 



C^i) Pelo Tratado cie limites se dava a estes índios a 
libeidade de ficar nopaiz, ou passar á outra banda do Gua* 
poré j o que escolheram por persuazÕes dos curas. A de^ S. 
Roza, que constava de quatrocentos índios, e se mudoií 
em setecentos cincoenta e quatro, esteve junto a uma ca* 
choeira , onde D. António RoHn mandou construir una totio t 
a de S. Miguei > que estava num campo pouco afastada da 
i-io, e tinha seiscentos índios , mudou-se em cincoenta « 
três; e a de S. Simão, que constava de mais de dois mi] 
habitantes, e se mudou em cincoenta e dois, existia pot 
úni rio dentro pouco abaixo do sitio das pedra.<:. „ História 
das jornadas do lil. e Exc. I. Ganeí^l de M. G, M S. 



r 



•■U 



a6o 



Província 



bocas do Tacoary sinaes certos de qiie a. Frota tt- 
nlia passado a diante , suIdíu ern seu alcance athé 
p reducto do Sappé nas vizinhanças da Villa de 
Cuyabá , onde matou alguns pescadores. 

A' vista de tamanha ouzadia, e das calami- 
dades atrazadas rezolveu o Ouvidor Joam Gonsal- 
.ves numa junta com o Senado , e melhores da Viila 
obviar ás hostilidades por meio d'huma boa amiza- 
de com os índios Guaycurús , reputados innocen- 
tes a nosso respeito , e amigos dos Payagoás , so- 
bre os quaes cabiam todas as maldições , por. s«; 
lhes imputarem unicamente todas as maleficencias 
recebidas. 

Com este intuito sahiu uma esquadra de seis 
canoas de guerra, e outras tantas áe transporte ,, 
commandada pelo capitão António de Medeiros , 
com boa quantidade daquelles objectos , que os In* 
dios ir^ais estimam ; tanto para prezenteallos , como 
para negociar com elles a trôcode cavalleria. Apor- 
tando numa ilha fronteira a um alojamento dos^ 
Guaycurús, expediu o commandante a um índio 
versado no idioma com dois soldados brancos ao 
capitão do alojamento , pedindo-lhe que viesse fal- 
lar-lhe , porque queria prezenteallo , e fazer ne* 
gocio. 

No dia seguinte aprezentou-se o capitão In^ 
dio com uma numeroza comitiva d' homens , e mu- 
lheres na praia mais próxima á ilha , ecom-ostres 
da embaixada mandou dois dos seus ao Medeiros , e 
recado que fosse fallar-lhe em terra , ficando os dois 
^m reféns na ilha. Saltou Medeiros á outra banda 
com grande parte da sua comitiva , eum bom sor*^ 
timento de vários objectos , com que obzequiou o 
capitão, e a vados parentes seus. Depois propôz. 
o negocio projectado , que era fazer cessar as hos* 
tilidades dos PayagQás , e trocar, cavaljos por mer- 
cancias europêas. A tudo o índio projO^iptamentô 
annuiu,- 




Be Mato Grosso. 



25í 



' Sàliindo no dia seguinte grande parte dos nos- 
sos a negociar com os índios , sem género algum 
d' armas , imprudentemente fiados nas apparentes 
demonstrações de sinceridade , que notaram nos 
bárbaros, quando eram nove horas , viram os que 
tinham ficado com Medeiros na esquadra um re- 
boliço , que não os deixou duvidar um momento , 
de que os camaradas estavam perdidos. Desparou- 
se uma peça que estava prompta , com cujo tro- 
vão fugiram de repente os traidores , fícando mortos 
110 campo cincoeúta Christãos. Neste dezastre pa- 
rou toda a negociação da amizade , e do interesse. 
. . Em quarenta e quatro foram derrotados os 
inimigos pela Frota Paulista , sem que dos^ Chris- 
tãos perecesse mais do que um Negro d' liuma 
lançada. Não obstante esta perda , ainda aquelle 
insulente flagello se atreveu a subir no mesmo annó 
pelo Paraguay athé a passagem de Guyabá para 
Matogrosso ; e desembarcando á hora da maxlôrna 
junto ao sitio d' hum Joam d' Oliveira , pôz-lhe 
fogo á caza , e matou parte da gente. 

A vinte e quatro de Septembro ao meiodia , 
e tempo claro , se ouviu um trovão subterrâneo ^ 
e imm'ediatamente tremeu a Terra , dando vários 
balanços compassados , que cauzaram grande susto 
em todos os lugares de Matogrosso , e Cuyabá. 
Já neste tempo dominava a secca , que durou athé 
quarenta e nove. Todos os matos arderam: na 
athm©sféra só se viam nuvens de fumo. ToHos os 
viventes padeceram fome , e outras calamidades , 
de que morreu uma grande parte. O Terramoto , 
que em Outubro de quarenta e seis abalou o rei- 
ao do Peru , e arrazou a cidade de Lima , sua 
capital , foi aqui bem sensível ; e só cauzou algum 
susto aos viventes. 

f Antes de findar este mesmo íinno , desceii O 
capitão João de Souza pelo rio Arinos> Tapajóx , 







ô^fe 



Promncia 



1 



'I , 



e Maranhão atlié o Pará , e voltou no seguinte 
pelo Madeira com canoas carregadas de fazendas 
europêas : e depois da sua chegada partiram outros 
negociantes pelo mesmo caminho , que tem sido 
frequentado athé hoje apezar dos grandes incora- 
modos , que se soíFrem nesta prolongadissima via* 
gem. 

Havia já quazi dois annos que as chuvas ti* 
nham feito reverdecer a face do paiz , renovado 
¥arias fontes , atalhado as moléstias, e facilitado 
as viagens de terra , quando nos princípios de |a- 
neiro de cincoenta e um chegou a Cuiabá uma 
numeroza Frota , em que hia D. António Roliii 
de Moura por Governador da nova Província , 
iim Juiz de Fora, Theotonio da Sylva Gusmão, 
dois Jezuitas, e uma companhia de Dragões. 

No fim deste anno passou o Governador ás 
minas de Matogrosso. Com o intuito de melhor se 
frequentar a navegação descuherta por Manuel 
de Lima para o GíamPará, e fazer retroceder os 
Jezuitas estabelecidos , como dissemos , na margem 
direita do Guaporé , levava D. António Kolin 
ordem para fundar uma Villa na paragem mais 
azada para effeituar aquelles projectos. Escolhido 
para seu assento o sitio chamado pvuy^o alegre ^ 
se lhe deu principio , e nome com a inauguração 
do piloirinho a dezanove de Março de mil sete- 
centos cincoenta e dois: e a vintecinco de No- 
vembro, por ordem do Bispo do Rio de Janeiro 
.ise mudou para ella a Matriz , que athé então era 
,a Hermida de S. Anua, 

Com a abertura das estradas para a Bahia ^ 
« Rio de Janeiro , e com a nova navegação d® 
jGram Pará, começou a ser menos frequentada a 
de Camapuan. Os mineiros , que tinham interesse 
de 'hira S. Paulo por tsiQ fatal carainh® , nunca 
deií^ar^ana de executaíio ; mas sempre cóm bom qa- 




De Mato Grosso. 



263 



mero de canoas esquipadas de gente escolhida , e 
armada dos melhores instrumentos de deteza : e ás 
vezes acompanhados de canoas de guerra athé certa 
paragem do rio Tacoary , onde esperavam a Frota 
Paulista , para protegêlla na passagem dos Pa ri" 
tonacs. 

Depois da separação das duas nações , uma das 
mais dam.nozas hostilidades , que se receberam doç 
GuaycuMÍs , foi em Maio de setenta e cinco, 
quando subiram pelo Paraguay em vinte canoas> 
athé junto de Villa Maria, onde assassinaram de* 
zaseis pessoas , e levaram outras prizioneiras. C52) 

A fundação do prezidio da Nova Coimbra ,. 
no mesmo anno , além de tardio, sobre a margem 
Occidental do Paraguay , devendo ser na oriental,, 
e quarenta léguas mais ao Sul na paragem chama- 
da o Fecho dos Morros , segundo a ordem do in- 
teligente General Luiz d' Albuquerque , não dei- 
xou de contribuir para o salvamento dos nave- 
gantes de S. Paulo. (53) 






í '% 



(^(^2) No arquivo do Senado de Cuyabá existe um M S, 
onde extensamente se referem os acontecinaentos históricos 
íla conquista , e colonização da província ; porém a parcia- 
lidade , e paixão do escritor , que ommitte successos es- 
trondozos , e públicos , circunstanciando outros , que nao 
prezenciou , nem delles podia ter cabaes informações, tao 
níiudanaente como se fosse o commandante d' ambos os 
partidos, nos impedem extrahir mais das copias. 

(^3^ O Author da Historia do» Guaycurús C escrita ntsím 
jnesmo prexidio por um seu governador) diz que elle pou- 
co pode embaraçar a passagem dos inimigos , e nada a fuga 
dos nossos dezertores. Podia accre^centar , que o fundador 
commettera um erro\, donde rezultou entrarem os Castelha- 
nos nos dominios da Coroa Fideiissima , onde fundaram 
ViUa ReaK S. Carlos, e S. Jozé, 

O Prezidio da Nova Coiiiibía foi expugnado no primeiro 









::i 



i' . ií 



^64 



Província 



À derradeira hostilidade , que os nossos rece- 
beram dos Guayciirús , foi o assassiiiio de cincoenta: 
soldados atraiçoadamente num campo defronte de 



Í'\J \r'í:. 



Setembro^ deste Século pelos Castelhanos , que subiram da 
Cidade d' Assumpção com quatro EscúnaS/, e vinte canoas. 
Foi a primeira vez que no centro d* America meridional 
se ouviu trovejar bravamente a Artillieria , e que os guer- 
reiros Guaycurús , o Payagoás formaram idea clara de como 
os Eyropêús se atacam , e defendem. Eis-aqui os cumpri-i^ 
mentos prévios á acção : 

/' Honrem â tarde tive a honra de contestar o fogo, 
que V. S, fez desse Forte ; e havendo reconhecido que áS 
forças , com que imraediatamente vou atacalio , sam muito 
superiores ás de V. S. não posso deixar de vaticinar-lhe q 
ultimo infortúnio; mas como os vassallos de S. M. Catho-' 
liça sabem respeitar as leis da Humanidade , ainda no meio 
da mesma guerra, por tanto requeiro a V. S. se renda â$ 
armas d' El Rei meu Amo ; pois do contrario a canhão , e 
á espada decidirei da sorte de Coimbra , soffrendo sua des^ 
graçada guarnição todas as extremidades da guerra ; de cu- 
jos estragos se verá livre, se V. S. convier . com a minha 
proposta; contestando. me esta cathegoricamente no termo 
d' huma hora. A bordo da Escuna N. Senhara do Carmo.. 
17 de Sepíerabro de 1801. „ 

D, La:^aro da Ribéraé 



" Tenho a honra de responder a V. Exc. cathegorica- 
mente , que a desigualdade de forças foi sempre um esti- 
mulo , que animou muito os Portuguezes a não desamparar 
os seus postos, e a defendellos athe ás duas extremidades ; 
ou de repelhr o inimigo , ou de se sepultarem debaixo das 
ruinas dos Fortes, que se lhes confiaram. Nesta rezolução 
estam todos os indivíduos deste Prezidio , que tem a dis- 
tinta honra de ver em frente a excelsa Pessoa de V. Exc 
a quem Deos guarde. Coimbra 17 de Septembro de 1801. „ 

Ricardo Franco d' Almeida. 

Os sltiadoies retiraram-se com alguma perda depois d« 
nove dias de diligencias frustradas. 



.t 1^1 




De Mato Crosso, 



263 



Coimbra , em janeiro de setecentos oitenta e um , 
a tempo que estavam permuraado algnns objectos 
com os Bárbaros , que tinham vindo já duas ve- 
zes com demonstrações d' amizade. 

Esta Provincia , que jaz entre o paralíelo de 
sete graus de latitude austral, onde divide com a 
do Pará , e o de vintequatro e meio , onde confi- 
na com a do Paranná , occupa um terreno de tre- 
zentas e quinze léguas Portuguezas de Norte Sul 
com duzentas e trinta na maior largura; vindo a 
ser muito maior que a antiga Germânia tomada 
na sua mais lata accepção. Ao occidente tem as 
possessões Catiiolieas T das quaes lie separada pe- 
los rios Guaporé , Jaurá , e Paraguay ; e ao orien- 
ta o Paraná, que a separa da província de S. Pau- 
Io , e o Arâguaya , que lhe serve de limites com 
a deGoyaz. Abrange perto de; quatro climas, en- 
trando perto de vinte feguas pela zona temperada. 
Hum paiz tão extenso necessariamente deve ad- 
mittir variedades consideráveis em todos os senti- 
dos. A Natureza no-lo prezenta repartido em três 
grandes Districtos ou comarcas, cios quaes dois 
estam subdivididos em seis outros menores , cujos 
limites também naturaes serão talvez algum dia 
os preferidos pela Politica , quando a povoação , 
com a ordem das coizas , chegar ao ponto <ie se 
cjiarem outras tantas Ouvidorias. 

pjuruênna occidental. 
Septentrional.<; Arinos médio. 

(_ Tappiraquia oriental. 
.Districtos. <( Meridional , ou Camapuania. 

f Matogrosso occident, 
Médio. -^ Cuyabá médio. 

L Bòrdrónia oriental. 

Os rios Tacoary , Cochim , Camapuan , e Pax-^, 
Tom, l. LI 



%r. 



■'■:.'ii. 



ri 




a56 



Província 



do , cujas Origens sam vizinhas , e as correnres 
opposras , separam o Districto meridional ou Ca- 
mapiiania do Médio, cujo limite septentrional lie 
uma cadêa de montes , que na latitude de treze 
graus , ou com alguma diferença , se estende L. O. 
e donde emanam o Paraguay , e seus primeiros 
ramos , para o Sul , e os que formam os Tagají5z 3, 
e o Xingu para o scptentriâo.. 

Camapuanía:. 

Esta provihcia , que deriva o nome dorib Cú^v 
mapuan , tem ao poente o R. Paraguay ; ao Sx\3 
© Chjchuhi , e Xgurey ;; ao nascente o Paranná ; e^ 
obra de cem léguas em quadro. He paiz quazi ge- 
ralmente baixo: e commumente s(5 tem. matas nas 
vizinhanças dos rios , sendo quazi tudo o mais ou 
catingas , ou campinas; e regado por grande nu- 
mero de rios ; dos quaes os mais consideráveis tem. 
principio na chamada Seiv^ Arnambuhy , que não 
passa^ ordinariamente d' hum terreno pouco levan- 
tado' de Norte a Sul , dividindo o Cantão em- 
oriental^ » e Occidental. Huma vasta porção da^ 
parte- Occidental he annualmente subm.ergida com^ 
as inundações- do Paraguay, que em partes co- 
larem mais de vinte léguas de campina. 

Mineralogia. Oiro , pedra calcaria , granito ,,, 
variedade d' argillas , diamantes com outras pedras 
preciozasv, 

Fytològia. O^ vegetal, em que se cria a co- 
chonilha , e o arbusto do matte sam mui communs 
em varias paragens: diversidade de palmeiras ; ca- 
jueiros rasteiros ; quatro castas de excellentes gua- 
birobas ; três d' uvaspirlticas , roxas , amarelías , e 
rajadas , côm setoelhança de bago d'uva , criadas 
numa planta semelhante á dos morangos ,,das quaes 
©s Paraguayanos fazem varias bebidas ; jaracatiás,. 
tspecie de mamão.. ; . . 



n 



De Mato Grosso. 



12-57 



Rios. O Tacoary, o Pardo, o Mondego , ó 
Tgatimy , o Correntes , o Ippanné-gnaçii , o Mia- 
maya , o Iviíiheima , o Rio Negro sam os princi- 
paes. 

O Rio Pardo , assim chamado da cor de suas 
aguas, lie formado pelo Sanguexnga , e Vermes 
lho. Este , cuja agua he avermelliada , e da cor 
cio terreno por onde cavou o seu alveo , não pas- 
sa d' hum ribeiro com pouco njais d' huma braça 
de largura , e pouco fundo ; e vera do norte. O 
Sangaexuga y assim chamado por passar junta 
d' huma lagoa , onde as ha excellentes , principia 
poucas milhas ao sudoeste do varadoiro de Cama- 
puan , e dá navegação por espaço de quatro^ oii 
cinco léguas. Suas aguas sam summamente crista- 
linas , e excellentes athé a confluência daquellou- 
tro , onde toma o nome , com quc entra no Paran- 
ná por uma boca de dois tiros de espingarda de 
largura, -He caudalozo , e tão despedido que só se 
sobe ás varas com muito custo: sendo de mais a 
mais cheio de cachoeiras , e correntezas do meio 
para cima*, que fazem a navegação mais laborio- 
sa , do que em nenhum outro , por onde navegam 
os Cuyabanos , que gastam quazi dois mezes em 
subir por elie athé a paragem , onde finda a na- 
vegação de quazi oitenta léguas contadas por agua. 
Seu curso he tortuozo , procurando o Sueste com 
curtas voltas , por campinas aprazíveis a princi- 
pio ., onde passeam veados brancos , antas , taman- 
duás^ porcos, lobos, rapozas , emas, seriemas, 
perdizes , codornizes , quéroquéros ,, que convidam 
©s viajantes a hirem divertir-se á caça. 

Estas planices continuam athé as cachoeiras 
de Car/urú-guãfá , e Cayurâ-mirim , que estam 
no meio da extensão deste rio', e três milhas 
d' intervallo uma da outra. Desta paragem para 
baixo por ambos os lados ha bosques mais abun» 

LI ii 









-r 






±6^ 



Província 



dantes cie mel , que de fnictas: e também só seen* 
contra uma pequena cachoeira ou correnteza coni 
o nome de capoeiras cinco léguas abaixo átcaijU'- 
r a mi rim. 

As principaes cachoeiras deste rio sam: a 
mencionada Cayuriiguaçii , Tijuco , Tacoaral , Ta- 
manduá , Curão que he a maior de todas com qua- 
renta a cincoenta palmos d' altura , Bailo , Lage- 
grande í Lagepequena , Banco-grande , Banco- 
pequeno : em rodas sam as canoas varadas por 
terra : Cayurumirim , Banquinho , Cirga-comprida , 
Embiruçú , Mangaval , Cirga*do-cam.po , Manuel- 
Rodrigues , Sucuryi, Emhiruçú-mirim , outra Em- 
biruçií , Paredão , Furado , Formigueiro , Pedras- 
cl'amoíar , Vermelho , Tacoarápa^a : em todas es- 
tas sam as canoas puxadas á cirga com meia car- 
ga , e gente dobrada. Ha outras, em que sobem 
com toda a carga puxadas por maior, ou menor 
numero de homens, ou aleviadas de todo.. 

Ha nas m.argens do rio Pardo duas castas de 
palmeiras, que, «segundo dizem, não se encon- 
tram nas dos outros rios da mencionada navega- 
ção Cuyabana ; uma chamada guacuman , delga- 
da com seis oii sete pés d* altura , da qual se fa- 
brica uma boa isca.; outra denominada /^r^i/-/;^ , que 
he alta , e grossa com foHias de mais de sete pés 
de comprido: do sen fructo fazem os índios , e 
í^inda os antigos certanistas um vinho , que se ase- 
melha ao da videira na cor , e gosto. 

Os principaes rios , que engrossam o Pardo » 
sam o Anhanduhy-guaçú , Anhanduhy -mirim , e 
Suciiriy. Todos três se lhe unem pela margem di- 
reita. O derradeiro , que he o menor , desemboca 
quinze léguas abaixo do rio Vermelho. O primei- 
ro , cuja origem fica no centro daprovnncia , de- 
sagua vinte léguas acima da embocadura do que o 
recolhe. O Anhanduhy-mirim sahe doze léguas 
abaixo do Sucuriy. 



n 



Ve Mato Grosso. 



269 



N.B. Doze, ou quinze milhas, como se^disse, 
acima da embocacliiríj do mencionado rio Vermelho 
está o porro da Saiigiiexucja na margem esquer- 
da do rio deste nome , onde as canoas , que subi- 
ram o rio Pardo , sam descarregadas , e conduzi- 
das em carreias de quatro rodas , puxadas por 
seis, cu sete juntas de bois atravéz criiiim istlimo 
de duas léguas e m.eia de largura por campos , ou 
matos athé o porto de Camapuan na margem es- 
querda do pequeno rio deste nomie , cuja origem 
fica próxima á do primeiro na faldra do serro dó 
Sacco, (54) Aqui sam postas em nado com meia 



C54) Desde que ha navegação por Camapuan , exige esta 
paragem inr.a VilJa populoza. Não ba sitio tao azac^o , e 
vantajozo para ella. Seus habitantes possuindo riaturaiír.ente 
roaior numero cie bestas de carga, de carrerj^s , e de ca- 
noas pequenas, do que se pode esperar d' hum sò colono, 
os nei^ociantes que cotnmumente gastam vinte dias no 
transporte de sias canoas , e fazendas do pono Sangucxu" 
cja para o de Cnmapuan , veriam neste tudo a safvo em 
um dia : e gssraudo igual tempo em se acharem promp- 
tos no Cochim, em razão d' as cancaS não poderem nadar 
nn Camapuan senão com meia carga , o que os obriga a 
fazer três viaiíens , em poucos dias se achariam n;\vegando 
por el!e , havendo evitado duas, adianrado a derrota, uti- 
lizado a muitas famílias, e com dispêndios muito inferio- 
res aos í[ne experimentam. Consistindo a princij^tJr conve- 
niência do proprietário na demora dos passageiros , ha par- 
ticular cuidado em prolongar-Iba com a faita dos carios , e 
bestas de esrga necessárias ; a fm de que gastando largo 
tempo em desembarsçar-se , lhe dem maior gasto aos man- 
timentos , sempre vendidos pelas horas da morte. Ás enor- 
mes despezas nesta paragem, a barateza do gado muar, 
com que se podem transpoííar as mercancias dos portos 
para qu.:>Iquer das Capitães, os ^grandes tial-alhcs , com 
qv.e se faz esta extensiva navegação, concorrem para o seu 
êsqíjf cimento. 

■q^endo sido a primeira navegação |>elos rios Anhcuidu» 
hn.}'q::a!isa e Bmhotatiii alias Aranhahij , nHo encontránios 
derrota ou' diário 3 que nos dissesse o numero das i^uas 



% 



mif. 



Província 

carga somente , e levadas com trabalho Insano Q por 
caiiza dos baixos , e penedia de que este rio lie 
cheio) athé o profundo e piscozo rio Cochim, on- 
de a depõem em ranchos acondicionada , e com 
fcons guardadores, e voltam a buscar o resto. Con- 
íam idoze léguas do porto até a embocadura deste 
rio ., que corre por entre matos faltos de friictas , 
e de caça, 

O rio Co chim , ctija origem iica vizinha á do 
Sanguexaga , corre violento por entre altíssimos 
muros de rochedos alcantilados, e medonhos redu- 
zido a quatro ou cinco braças de largura em par- 
tes ; noutras atravessa bosques faltos de fructas , 
más abundantes de caça .; onde se encontram em 
grandíssima quantidade duas castas de palmeiras , 
chamadas umas guacurí^ç ^ outras kocayâvas. 

As prinçipaes das vinte € duas ^cachoeiras que 



cachoeiras , e a largura do varadoiro iiiterraedio. Parece 
verosimil , visto darem-lhe os prinieiros navegantes prete- 
rencia sobre a cie Carnapuan ; .qne eila tenha alguma van" 
Tageni sobre estoutra. Ha quem diga, que se tornará á 

Í)rimeira , quando np seu varadoiro houver algum estabe- 
ecimento , que facilite os transportes , como naquellouiro. 
E parece ser um meio de dar importância ao prezidio de 
Miranda , de dímiimir as despezas , que a Coroa faz com 
€ÍIe , e^inda de facilitar a colonização da provincia , e es- 
tabelecer um ramo de commercio çom o matte. As extensas 
campinas facilitsm a marcha dos gados para a margem do 
Paranná , que em muitas partes corre repartido em vários 
.canaes de pouca largura; e os rios dam navegação para do 
centro descerem as produções , que a experiência mostrar 
podem chegar aos portos com lucro. 

No diário íV hum navegante acha-se calculada em oi- 
íenta e cinco léguas por agua a distancia da boca do Carna- 
puan athé a do Cochim a rumo de noroeste , que he o 
mesmo a que corre o primeiro, e também o que procura 
o Tacoary por largo espaço , antes que incHne para o su* 
iloeste , segundo a carta da viagem do liiust, D. A. R» 4(^ 



n 



De Mato Grosso» 



271 



forma este rio, sam: mancjavai , que fica cineo^ 
fegnas abaixo da boca do Cama]3iian ; pedra-bran- 
ca y oito léguas abaixo da precedente; ambas re- 
querem tripulação dobrada : vare , onde se faz a 
mesma manobra: culapdda, onde as canoas s-am^ 
aleviadas de meia carga : furnas , onde sam ale- 
viadas de todo : eannellas d" André Alve?^ , que 
lie descarregadora de meia carga , e exige gente- 
dobrada; Àvanhandavussu , Avanhandavurnirím 
nleia légua distantes uma da outra , ambas descar- 
regadoras de toda a carga ;. a do P. Luiv^ António , 
que he mui perigoza ; Jiquitaya' descarregadora 
de meia carga : cachoeira da Ilha descarregadora 
de toda a carga , ^ fica uma legua acima da sua 
confluência com o Tacoary» 

As principaes torrentes', que engrossam o 
Cocbim, cuja maior largura anda por doze a quin- 
ze braças , sam/ o Ribeirão do Inferno , o da Sei- 
lada , o |aurú que se lhe unem pela direita :. o do 
Furado , o da Orelha d' anta , o de Joam Bicudo , 
e o TacoarymJrim , que se lhe juntam pela esquer- 
da. O derradeiro desagua junto á embocadura do- 
que o recolhe. 

O Tacoary tem suas cabeceiras na raia da 
Cayaponia muito ao norte de Camapuan. Quando 
recebe o Cochim , já he caudalozo , e largo. Logo 
junto desta confuiencia tem agrando cachoeira do 
seu nome, onde as canoas sarn aleviadas de m.eia 
carga , para a passar sem perigo ; e pouco mais 
abaixo outra pequena , denominada Belliago ^ ul- 
tima deste rio (^ cuja largura ordinária he já de 
sessenta braças) e também a derradeira á^^s cento 
€ trcT^e y que os navegantes encontram de Porto- 
Feliz athé Cuyabá. A miaior parte do seu curso 
lie por campinas de pouco mato , ou planices , 
descrevendo continuadas e pequenas voltas, o que 
faz parecer aos navegantes que estam sempre eai> 



^1^ 



Provi n cia 




lagos fecliaJos : em nenhum outro a navegação he 
tão deieitaveL Abunda de pescado ; mas suas aguas 
sam impregaad'ds d' arêa finíssima. Entr'outras 
ilhas , que forma , nora-se a dos Pássaros , assim 
chamada por cauza dos infinitos , que nella se 
criam, e de que as arvores, que a povoam, es- 
tam sempre carregadas. Desagua no Paraguay por 
muitos canaes ,. que formam grande numero de 
ilhas apauladas /geralmente submergidas , em quan- 
to dtiram as cheias d' hum , e outro rio , que sam 
em um mesmo tempo. Pantanaes he o nome com 
que designam estas ilhas , onde se encontram , en- 
tre oucros pássaros raros , os chamados anhupó- 
ças , que sam do tamanho das anhumas ; porém 
lindos , tendo também na cabeça um chifre ,e 
esporões nas azas como aquelloutras. Seu canto 
lie da meia noite para o dia. Os patos sam aqui 
infinitos: para seu sustento excluzivamente cria a 
Natureza aqui mesmo prodigioza quantidade de 
arroz bravo com um tão grande bico, que nenhum 
outro pássaro o pode engulir. 

Entr' outras arvores notáveis das margens des- 
te rio tem preferencia uma casta de palmeira 
própria de certa paragem : a grossura do seu tron- 
co enche a braçada d' hum homem , o qual deve 
ser robusto para poder carregar o cacho dos seus 
cocos , que sam do tamanho d' ovos d' ema , e ser- 
vem d' alimento aos índios. 

O rio Mondego , allàs Embotateú , original- 
mente Aranhahy ,, ou Aranianhy he caudaíozo , 
e navegável aiíié perto da sua origem pouco dis- 
tante da do Anhanduhy-guaçú , e desagua no Pa- 
raguay €inco léguas abaixe do Tacoary. O maior 
dos que se lhe unem pela margem direita , he o 
chamado hoje rio Verde, 

O derradeiro confluente do Mondego pelg^ 
iiaargem meridional hç uma ribeira deaominadíi 



De Mato Grosso. 



27S 



Hò Zêzere, que principia junto da pequena s^rra 
de Santa Barbara. 

O rio Ivinheyma , que entra no Paranná por 
três bocas igualmente abundantes , vem do inte- 
rior da província , para onde dá navegação ^ ç 
recolhe pela esquerda o Jaguar^, que llie he pou- 
co inferior. 

O rio Negro , que he considerável , e parece 
ser o Sambambaya dos primeiros certanistas , de- 
semboca no Paranná seis léguas acima da boca 
septentrional do Ivinheyma, 

O Miamaya ou Mlamai/ , que parece ser ò 
que aliás dcnominsim Amam Imhy t também cousi- 
deravel , sahe doze léguas abaixo do braço meri* 
dional do mencionado Ivinheyma, 

O rio Igatimy , ao qual dam quarenta e cin- 
co léguas d^extensão , he navegável athé per^(í 
da sua origem na chamada serra Amambuhy , que 
ás vezes toma o nome de Maracajá , em razão 
da sua vizinhança com a deste appellido , donde 
sahe. Vinte seis léguas em linha recta acima da 
sua embocadura está a chamada passagem dos 
Guoycurús , onde o rio lhes iaz bom váu. 

Perto de seis léguas abaixo recolhe pelo lado 
esquerdo o pequeno rio das Bogas ; CSS) ^ P'^^* 
Tom. I. Mm 



C/Í.O Q«azi meia légua acima da foz do mencionado 
fio Ciii bogas esteve a pequena praça dos Vra-^^tres^ tílias 
do Igatimy num tezo sobre a margem septentrional do rio, 
ífjjaê Jbe -deu o nome , demolida pelos Castelhanos em sete 
centos setenta e sete , dez annos depois da sua fundação. 
]^b abrímento dos seus alicerces, que tinham ^doze pez da 
aitura , se acharam panelias , carvões > e tições. Detroíite 
tiveram os Castelhanos um Forte , que abandonaram na 
mesma occazião. As febres malignas reinaram aqui a prin- 
cipio desde Fevereiro athé Abrif , e levavam annualmente 
grande numero de pessoas ; mas notou-se qne alguns colo- 
Bos estabelecidos cm maior distancia do rio nunca foram 



J 



t^u 



Provi neta 



CD mais de dez adiante se lhe nne pelo mesmo lâ- 
€lo o no Esccpil , qtie lhe he xniii ponço inferior y 
e vem da mesnia serra. Forçiiii/ia lie o nome com 
que designam esta vistoza confluência: Ingar aza-? 
do, e vantajozo para uma povoação. Gontam-se 
onze legnas desta paragem at4iá o Paranná , e sá 
dnas cachoeiras. Três léguas e meia acima está a 
primeira das vinte e uma ^ qne se encontram no 
espaço de dez milhas :e não ha mais até um pou- 
co acima do mencfonado váu dos Cuaycurús. Seti 
alveo he tortuozo: as terras lateraes baixas, eco-^ 
t)ertas de bosques. 

O rio Correntes , que parece ser o mesmo a 
q^ue os Castelhanos chamam Rio Branco , he con* 
sidera vel , e sahe ao Paraguay quatorze leguas^ 
abaixo do Fecho dos morros, 

O rio Ipponné-guacLL depois de ter regada 
Hm terreno agreste cahe no Paraguay trinta le-^ 
guas abaixo do Correntes, 

Nas contravertentes dolgatimy ^ pouca distan-* 
cia para o Poente, se encontram as cabeceiras de 
dois pequenos rios , chamados o septentrional Icjua* 
ray-assã , o- meridional I guaroy-mirim , os quaes 
]á unidos vam engrossar o Chichuhy y que sahe 
âo Paraguay por víntequatro graus y e doze mi- 
nutos. (56) 



atacados deste fíageUo. Ó território he feitiirssimo t o arroa 
produzia acima de duzentos por um ; o nviibo a cento e 
€JnÊoenta : experimentou-se ser de boa qiialitfade » produ^ 
çâo dos algodoeiros. 

(■56) He vercTade qne nem o Tratado de limites de 
setecentos eincoenra e um , nem o de setenta e sete men- 
ciona este rio para Liníia Divizoria ; míis como do Artiga 
IX. do defiadeiro se colhe que o intento dos dois Contra- 
tantes he que » raia commnm tirada pelo rio Igiirey arhé 
ã '$tia cfigem pi liiei|^l , ceiíiitHie poí '^ uma linha recta pel# 



IP 



-% 



úe Mato Grasso. 



27f 



•r- Perto cie quatro léguas ao sul do Igatitny sa» 
he o rio Igurey , limite entre as duas Coroas des- 
de setenta e sete. 

Zoologia. Antas de todas as cores , lobos,;, 
veados brancos , coelhos com todas as outras es- 
pécies de quadrúpedes conhecidos nas outras prd» 
vincias. 

O centro da parte septentrional desta provin* 
cia he designado nos roteiros dos certa n is tas , e 
cartas com o nome de Vavcaria ^ por cauza dó 
gado vaccum , que alli íicou disperso, quando of 
Paulistas fizeram desalojar os moradores da cidade 
Xerê?^ , e das cinco aldeotas convizinhas , que 
formavam a pequena província, de que aquella 
era cabeça. O resto daquelles aniraaes , quazi ex-- 
tinctos pelas feras , e caçadores , foi aumentado 
em setecentos noventa e sete com os que fugiram 
aos Guaycurds , quando foram roubar as estancias 
castellianas da villa de Coruguaty :, t tambeni 
com os que escaparam aos Coraguatynos , que em 
áumero de quinhentos e tantos perseguiram os rou- 
èadores , até lhes tomar o furto. 

Varias nações barbaras dominam este paiz s 
a dos Guaycurãs lie a mais nomeada, e famoza. 
Estam hoje repartidos em três corpos: uns sem al- 
iiança alguma com outra nação, vivem ao long© 
das margens occidentaes do Paraguay , subdivi- 

Mm ii 



-mais atto do terreno até achar ^ cabeceira , e vertente priíi»» 
cipal lio rio mais vizinho á dita I.inha , que desague no 
pptraguay ,, e o r/i'cÃa/zi/ , segundo o MS. que nos guia he 
Q que miis se ajusta com os Reaes intentos de SS. MM. por 
ISSO o nomeámos. 

Segundo outro documento este rio, que entra no Par?i*» 
guav em viníequatro graus, e doze minutos , chama-se Je • 
ftky^ e he formado cooj o grande, e pequeno do mesmo 
Bome f sendo qua^i if^jiiaes ) aos quaes já miuíos se juina 
peia estjuerda o Corjguàtyi 



I 



ísyS 



Província 



didos cm A^-arias liordas: os iTiais meridionaes^ í^r» 
clidiímdos Línguas pelos Castelhanos convizinhos ; 
c quando vam infestar as aldeãs , e estancias da.., 
província de S. Cruz de la Siefra , sam alli conhe- 
cidos por Xiriquânosi outros sam designados pe- 
lo nome de Çamháy^, 

Os que possuem as adjacências oríentaes da 
mesmo rio, fazem os outros dois CQrpos : o ineri* 
dional alliado dos Castelhanos , o septeatrional áo%, 
Portuguezes. O fecho dos morros , ou umii para- 
gem vizinha he a raia. Não se nota difFerenfra d'o- 
rigem , idioma , e uzanças entre estas três divi^des*,, 
âliàs inimigas declaradas eadauma das outras. 

Os nossos alliados > que ficam do rio^ Monde- 
go para © Sul , estam repartidos em sete hordas ,. 
ou aldêas grandes , geralmente stmigas umas das 
outras sem a menor differença em, coiza alguma. 
Chagctéo , Paca eh ode o , Adioéo » Atiadéo , 01 én „ 
Laudea ,, CçidioéQ sam os. nomes ,, que as desi- 
gnam.. 

Em nenhuma destas aldêas ("a cada uma das^ 
qiiaes melhor quadra o nome de villa vasta) ha. 
$uperioF , a quem se tribute vassallagem. Cada hor- 
da çompoe-se de três classes de gente ; a primei- 
ira he de nobres , ou dMiomens mui infatuad.os de 
nobreza 5 intitulados cajAtães <, e, cujas mulheres y 
e fílhas tem ©tratamento de í/0/2^5 t a segunda he 
de soldados^ ou homens ,. que obedecem de pais 
a filhos: a terceira át cativos: assim sam chama- 
dos os prizioneiros de guerra, e seus descenden- 
tes. Os primeiros nam sam muitos em cada povoa- 
ção ; os segundos sam muinumerozos; os terceiros: 
excedem muitas vezes onumero daquelloutros to-* 
mades juntamente^ 

Os capitães, e soldados tem liuma mesmissima 
origem; c seu nome gentílico \\q Joage, Os cati- 
vas saní de Varias nações , geralsnente ad(^ui*idar 




de Mato Grassei 

na guerra , minea emprendida com outro intuito » 
que não seja o de fazer prizioneiros para aumen- 
tar lhes o numero , no qual consiste o grau de 
nobreza dos capitães. Estas irrupções sam exter- 
niinadoras , não deixando adultos com vida , nem* 
pequenos com liberdade de quantos poderam asse- 
nhorear se. Estes esquecem-se logo dos seus idio- 
mas , e costumes adoptando sem custo os Guaycu- 
rús ; e jamais fogem , porque os senhores não os^ 
occupam era coiza alguma. Reputasse por baixeza 
cazar um senhor com sua escrava: afilho despre- 
za a mãe , que o houve de escravo^. 

Sam os Guaycurús de mediana estatura , bem 
feitos , sadios, nutridos, e ao parecer adaptados a 
qualquer trabalho penivel ; mas poltrões. Comem 
muitas vezes no dia , e mui devagar: seus man-. 
jares sam muito cuzinhados ,. e sem asseio.. Jamais^ 
padecem indigestões. He notável a dieta de que 
uzam nas suas raras moléstias. ]amai.^ appareceii 
um escurbutado entrelles, nem memoria de mortes 
repentinas. Sam raros os defeituozos^ denaembrost, 
vem-se cegos , mas nenhum calvo. Quazi todos teni 
os dentes mal postos , prr falta de tirarem os pri- 
meiros aos filhos , quando os mudam „ pelí> dema- 
?>iado mimo , com que os tratam; mas conservam- 
nos athé a morte; postoque assas denegridos, por 
cauza do demaziado cachimbo, de que uzam. As 
mulheres sempre trazem masca entre o beiço infe- 
rior , e a gengiva. 

Pintam o corpo com tinta d' urucú y e jenípa- 
po , no que guardam assas de stmitria. No cabêlla 
os moços não tem uzo certo: os velhos trazem a 
cabeça rapada em roda á semelhança dos leigos 
Franciscanos. As mulheres também rapam a cabe- 
ça em redonda, e despontam a cabêllo , deixan- 
do-lhe três polegadas de comrrimento no coruta. Tem 
a fizlonomia larga , e nada agradável , em í^:^ã% 



ajB 



Província 



ri 



das tintas qne iiitroduzeni com espinhos na epider- 
ma , formando linhas , que principiam na raiz do 
cabêilo , e acabara nas pálpebras, ou nas faces, 
011 ainda na barba, onde fazem um xadrez, com 
o que íicam de cor cinzenta por toda a vida. An* 
dam embrulhadas dos pés athé^o pescoço num gran- 
de panno d* algodão listado de varias cores : as 
mais vaidozas ornam-nos com rodinhas de conchas 
seguras com Jinhas , ficando a madrepérola para 
fora: algnmas trazem nelle a marca do seu cavaU 
lo bem debuxada. Por baixo deste panno trazem 
uma cinta mui larga , a que dam o nome d* ayu^ 
iate; sem a qual jamais se verá uma menina desr 
de seu nascimento. Os adornos sam canudos de 
prata enfiados em cordões ao pescoço ; contas nos 
braços, e nas pernas; e uma chapa do mesmo me- 
tal ao peito ; para cuja factura lhes serve uma 
pedra de çafra , outra de martéllo. Na antiguida- 
de eram de páu estes ornatos , como ainda se vê 
em algumas pobres. Perdem mui cedo as carnes: 
e tanto ellas como os homens ficam na idade avan- 
çada com a pelle mui enrugada. Os homens não 
tem mais vestuário que uma cinta d' algodão tinto ,- 
de largura d' hum palmo, com que occultam o 
íneio do corpo : e depois que tiveram coramunica- 
ção cora os Europeus , cobrém-nos de contas c^e 
diversas cores , com as quaes fazem diíferentes la- 
vores. Ornam a cabeça , braços, e pernas cora 
pennachos de varias cores. Tem o beiço inferior 
furado , e nelle mettido um cilindro de páu quazi 
da grossura d' huma penna de escrever, e três 
polegadas de comprimento ; os mais ricos trazem- 
nos de prata; e nas orelhas meias luas do mesmo 
rnetal. 

Os homens cuidam na caça , pesca . em tirar 
iTiei , frutas silvestres , palmitos; nos cavallos , 
íuetura das armas , e canoas , a que <;hamani noattk % 




ãe Mato Grosso: 



m 



85 mulheres fiam., tecem pannos , e cintas d' algo* 
dâo ; fazem cordas, loiça , e esteiras. Ambos as 
sexos seocciípam igtialmente no mister da cozinhai 

Criam todas as espécies d' aves , e qiiadrupe*' 
d es domésticos oriundos da Europa , e alguns áo 
Continente com excessivo cuidado ; razão porque 
todos sam muito mansos. Como desprezam absolu- 
tamente a agricultura , e o forte do seu alimento 
he carne nenhuma espécie he assas ntimeroza , á 
excepção dos cavallos , porque não os comem. Os 
porcos sam os menos , e muito poucos por não te- 
rem com que os manter. Todos os animaes sam cas- 
trados. Mudam a cor d' hum papagaia verde em 
amarello , depennando-o por vezes aos pedaços , e 
esfregando-íiie a porção depennada com tinta d'u- 
rueú. 

Posto que todo o mundo anda acavallo , cora 
G qual costume todos tem as pernas tortas , sam 
maus cavaíleiros: só sabem correr. Não uzam dâ 
seHa , nem estribos , nem de coiza ^ que os valha: 
as rédeas sam dois cordéis de linho d' a croata pre* 
ÍZ.OS na boca do cavallo como barbicacho. Aman- 
sam 03 cavallos dentro d' agua , que lhes chegue 
á barriga , ou perto , a fím de não poderem expul- 
sar o cavalleiro , ou de lhe ser menos sensível a 
queda* O cavallo da guerra não serve para outra 
jornada, nem se vende. As mulheres montam en- 
tre dois feixes de feno, sobre um panno. , que 
serve ao mesmo tempo de chairel. 

Sam tam suberbos que a todas as nações de 
gentios confinantes tratam com desprezo; a todas 
fazem crua guerra; sendo delias de alguma sorte 
respeitados, e temidos pela vantagem, que tem 
na cavalíaria , e armas de que uzam , a saber: 
íp.assa , que he um bordãa de quatro athé cinco 
palmos de comprimento , e uma polegada de dia^ 
metro V a lança? que tem jouca maior gr Qs&ura , e 



:% 



ij 



i 



^Sp 



'Província 



i ' 



í: \ 



doze pés de comprido , iiicluida a choupa ; o tiras- 
sado , 011 facão: as duas ultimas sam havidas dos 
conquistadores a titulo de furto , ou de compra ; 
o arco , e as flechas. De todas €stas armas se ser- 
vem , quando andam aeavallo pela maneira sq^ 
guinte: cingem-se com uma c^rda , com que -se 
vam apertando cada vez mais á proporção que 
lhes falta o. alimento ; e entre ella , e o corpo met- 
tem a massa no lado direito , o trassado , ou facão 
no esquerdo ; com a mão esquerda governam o. 
cavallo , e com a direita maaêam a lança ; da qual 
íião fazem uzo , quando levam arco , le flechas^ 
Também^ uzam de laço nas caçadas. 

Todos os annos fazem campanhas , uns con» 
tf a esta, outros contra aquella nação: donde vem 
terem cativos Guatós ^ Cayapós , Bororós y Xi* 
quitas , Chamocòcos , ([estas duas sam da pro vin* 
cia de S. Cruz de laSlerra) Guaxis , que vivem 
nas cabeceiras do Aranianhy^ Coroas, Cayavâ^ 
bas , Guannás y e outros: os derradeiros sam os 
mais numerozos , e os únicos , que .cultivam ai*- 
gumas hortaliças .e algodoeiros. 

C.oníentam-se .com uma mulher; mas fíca o 
alvedrio Jivre o. ambos os consortes para se Repa- 
rar , e conlrahir nova aliança , quando um se cíes^ 
gosta cjo outro; porém sam raras e3tas separações, 
A cerimonia do cazamento consiste num laiito ban- 
iquete acompanhado de folias. Tem um cemitério 
geral , que he uma grande alpendrada cuberta de. 
esteiras , onde cada familia tem dividida com es- 
tacas a parte , que serve de jazigo aos seus. Aos 
homens deitam-lhe em cima da sepultura o arco . 
as flechas com as mais armas, e trastes, de que 
iizava: e se foi bon) guerreiro, enfeitam-lhas. A$ 
moças ricas vam enfeitadas, como se ornariam 
para o próprio noivado. 

Como não te>m religião , também não tçm sgt? 



de Mato Grosso, 



i8i 



cerdotes ; e em lugar de médicos, e cirurgiões ha 
entre elles uns denominados unicjenitos , que não 
passam de pretendidos adevinhadores , e supersti- 
ciozos charlatães, absolutamente destituidos da- 
quelles escaços conhecimentos de curativo , que 
se notam em outros salvages menos famigerados. 
Curam os doentes chupando a parte dolorida, e 
lançando a saliva numa cova. Diz-se que não fa- 
zem uzo de heberagens. 

Crêm que ha um Ente Creador de tudo , ao 
qual não tributam género algum de culto ou ho- 
menagem , nem recorrem ainda nas occazioes dos 
maiores apertos da vida , ou calamidades publicas ; 
e um espirito inferior dotado de inteliigencia sum- 
ma , ainda do futuro, ao qual denominam nani^ 
^ogigo : admittem a immortalidade da alma ; mas , 
ao que parece, não tem idéas de recompensas 
futuras proporcionadas á conduct.a da vida ; cui-» 
dando que as almas dos capitães , e dos iini^ 
genitos se divertem depois da mort^ , e que 
as do povo vaguêam em torno do cemite-^^ 
rio, 

O que mais acredita os uni genitos ^ he a pre- 
tendida familiaridade com o nanigogigo , de que' 
o povo os considera privilegiados , e por cujo mi- 
nistério cuidam alcançar o que pertendem saber. 
O macauhan he um pássaro tão agoureiro entre" 
os Guaycunis , quanto seus gritos lhes sam ininte-^ 
ligiveis. Em elle gritando , a noite seguinte he de 
grande incommodo , e trabalho ao unigénito ^ que 
a passa inteira, ora cantando desabridamente, ou 
imitando o canto de diversos pássaros , sacudindo 
ao mesmo tempo uma cabíiça com bastantes seixi- 
nhos dentro , ora chamando o nanigogigo ^ para 
que lhe interprete o an núncio do pássaro. O mes- 
mo praticam , quando pertendem saber se um- 
doente ha de morrer, ou escapara e se hão dç 
Tom. If^ Nn " 




âgã 



Província 



ser bem, ou mal súccedidos na giierrt , que de-» 
terminam emp render* 

Costumando divertir-se por diíferentes manei- 
ras , quando bem lhes parece , só tem uma festi* 
Tidade periódica no appar ecimento do Sete estrel- 
lô , como precursor do tempo de sazonarem osco'* 
cos das bocayuvas ^ que lhes servem d' alimento ç 
e duram muitos dias estes brinquedos. Nos dueU 
los batem-se a punho secco , ainda mais geito2.a«* 
mente que os Aíbides. 

He béHe2:a entre estes povos não fer cabeíloâ^ 
tos sobrancelhas , nem nas pastanas ; tendo par^ 
ticular cuidado em arrancar os que nascem. Seu 
Miomà , segundo dizem , àe abundante de voca* 
fouios , e ainda de frazes , doce , de facíl pronun* 
cia. As mulheres explicam-se ás vezes diferente^ 
fiient^ dos homens: estes quando querem despe- 
'dir-se , e dizer: adeus voa-me embora , dizem: 
sara gigo oipilo: as mulheres t sara gigo ioy^ 
Além das palavras , expressam-se também por as^ 
sobios; 

Nada ha entre os Guaycurús tão notável co* 
mo a deshiimanidade , que as mãys praticam com 
ôfeto logo qxie se sentem gravidas, não odcixan* 
do vir ao mundo , em quanto não passam de trin* 
ta annós de idade. As que concebem depois desta 
idade , e tem feliz parto , criam os filhos. A razãa 
dfesra atrocidade h-e unicamente para se livrarem 
Éos incommodos annexos á criação ! 

As ruas das povoações sam direitas , e largas i 
as cazas cnbertâscle esteiras de junco postas ori- 
íiontalmenEe, ou com mui pouco deciivlo , em 
quânto nao chove : chovendo , dam4hes a forma 
èo^ nossos telhados : se a chuva he abundante > 
fe a esteira começa a vazar , €sfregam-na por den- 
tro com penachos , Ou vassoiras , e assim vedam 
à^gua. Muit^as t^m duas^^ ir-^s ^esteiras um^^ 



de Mato Grosso: 

por cima das outras com mais , ou meãos inter*» 
vallo ; tanto para vedar melhor a agua , quando 
chove, como para diminuir o calor. Dormem no 
chão sobre coiros , e cobrem-se com os pannos 
das mulheres , servindo-lhes de travesseiros os pe- 
quenos feixes de feno entre os quaes ellas andam 
s cavallo. Náo tem adoptado o ivio das macas 
para dormir. l 

Nenhuma das suas povoações he permanente: 
a sua existência he sempre junto d* algum rio;, 
ou grande lago , e dura em quanto naquella pa^» 
ragem ha caça , peixe , frutas , e pastagem para 
os gados. Em se experimentando mingua , num 
momento tíesapparece a cidade , e as campinas 
povoadas de milhares de animaes , se tornam êri" 
mas. Sam vistozas as marchas destas caravanas. 
Em outro momento apparece outra cidade , on 
não havia uma palhoça ; e os campos em circuito , 
onde apenas pastavam alguns veados , de repente 
se cobrem de numerozas manadas de cavallos , e 
boys, e rebanhos d'ovelhas. 

Fazem uma bebida embriagante chamada chi^ 
eh a com mel , e agua. A' nossa aguardente cha- 
mam nodak. 

Alguns e-xprimem-se softivelm.ente na lingiiá 
Portugueza , e transitam pelas povoações das pro- 
vindas , depois que procuraram a protecção -•, è 
vassallagem da Coroa Fidelíssima; em virtude de 
CUJO termo se lhes passou a seguinte Patente: 
*' ]oam d'Albuquerque de Mello Pereyra e Cáce- 
res do Conselho de S. M. Cavalieiro da Ordeni 
de S. Joam de Malta , Governador e Capitão Ge- 
neral das Capitanias de Mato Grosso , e Cuyabá 
^c. Faço saber aos que esta minha Carta Paten- 
te virem , que tendo a Nação dos índios Guay- 
ciuús ou CayaUeiros solemnemente contraçtado 
perpetua paz, e amizade com os Portuguezes por 

Nn ii 




iim Termo jvidicialmenfe feito , no qnal os doíi 
Chefes Joam Queyma de Albuquerque^, e Paula 
|oaqiitm Jozé Ferreyra em nome da siia Nação se 
sujeitaram , e protestaram uma cega obediência ás 
Xeys de S. Magestade , para serernd'hoje era dian* 
te reconhecidos como vassallos da mesma Senho- 
ra. Mando, e ordeno a todos os Magistrados de 
justiça , e guerra:, Commandantes , e mais pessoas 
de todos os Domínios de S. M. F. os reconhe- 
çam» tratem, e auxiliem com todas as demons- 
trações de ami-gos. Epara firmeza do referido lhes 
39iandei passar aprezente Carta Patente por mim 
assinada , e scllada com o Sinete de minhas Ar- 
ínas. Nesta Capital de Villa Bella aos trinta de 
Julho de mii setecentos noventa e um.. „ 

Dos seguintes vocábulos se vê quanto, o idio* 
laa Guaycurú differe da Língua geraL 



Vocafculo 


3 da L. geral 


Guaycurúsv 


Sol 


Araci 


A'liga. 


Lua 


1;^ 


rPannay. (5?) 
lEpannay. Cs^) 


Branca c. 


Ti4iga 


Lapáqa. 


Ne^ra c. 


Una 


Nabidré, 


Grande 


Guasstl 


Elòdo.. 


Irmão 


Endúva 


Nixo. 


Sal 


luki 


Juki. 


Crocodilo 


Jacaré 


Nidxe. 


Cava 11 o 


Cavaril 


Ápolicano. 


Anta 


Tapyra 


Apoíícano-yuá. 


Porcor 


Tayçu 


Nigdá. 


Cão 


}aguárar 


Niknik. 


Lobo. 


Guará 


TigUcon. 



C^) CtS) Bo primeiro vocábulo uzam SomcRte os hç* 
meus ; dô WsaíicIo a& íDuilierts.. 



^^ 



de Mato Grosso» 



2% 



í Emmaracayá 1 

cBracayá / 

Apuába 

rE'ina *! 

\GnaíipéJ 
Adevinhador Page 
Demónio Anhangu 

^'''''''X Cetá 

Militas / 



Gato 

Homem 

Abestíuz 



{ 



Perixene 

Hulegre. 

Apacanigo, 

Unigénito. 
Nanigogigo 
Oiihy. 
Oled. 



Não Aan , Eríma : aanireá , aaniri (59) Aycá. 

As terras, por onde correm o Igatimy , Es-^ 
copil , e Miammaya, sam habitadas pelos índios 
Caiwns, que quer dizer gente do matto , poí 
morarem somente dentro dos bosques com medo 
dos Guaycurds , que só andam por campinas, on- 
de se lhes facilita a marcha dos cavallos , segun> 
do o seu costume depois que os possuem. Avivem 
em aldeãs de maior , ou menor numero de cazas , 
e famílias: (60) pintam-se d'urucú: furam o bei- 
ço inferior, e mettem-lhe um cilindro de certa re- 
zina. transparente como cristal , seguro com uma 
cavilhina na extremidade superior. Arco , e fler 
cha sam as suas armas feitas com instrumentos 
de pederneira, e dentes de porco afiados. Culti- 
vam entr' outros mantimentos uma excellente cas- 
ta de mindabim assaz graúdo. Fazem plantações 
d' algodoeiros , cuja lan sabem fiar , e tecer por 
um methodo particular. Seu vestuário consiste nu^ 
ma sorte á^ ponche qiiazi talar., com forma de 



k 



(/jp) Dos dois vocííbuloç primerros uz: m indifferente* 
mente ambos os sexos : o terceiro he ^articulai aos homens j, 
o clerraíleiro privativo das mulheres. 

(_6o) Os Cnhars, que |)arecem ser os r» esmcs a (fnem 
os. Guaycur lis chamam Cayabàv is 3 titib»m, ha pouco màia 
4e trmta aniios, quinze aiueias. 



I 



aS6 



Provincíct 



sacco , feito ú\\m^ peça d' algodão de boa íargiie 
ra , dobrada igualmente , com as orellas cozidas 
em parte, um grande buraco no fundo, por oa* 
de mettem o pescoço, e duas aberturas por onde 
enfiam os braços, terminando em duas abas ou 
aventaes , que levantam, e segur^im com um cor- 
dão ároda da cintura, quando llies convém. Cor- 
tam o cabelío á donata. Pela manhan cantam 
hymnos ao Creador com extravagantes movimen- 
tos ; sendo um delles girar com as mãos feciíadds 
uma á roda da outra por bom espaço de tempo 
com o corpo curvado. Ha entr' elles homens, que 
sam , ou pretendem ser a um mesmo tempo cirur- 
giões , médicos , adevinhadores , e ainda sacerdo- 
tes , e como taes trazem na mão uma cruz ; cos- 
tume , que sem duvida adoptaram dos priajeiros 
Missionários Jezuitas , que entraram no paiz , os 
jquaes uzavam d' um bordão em forma de^cruz. 

Nas suas terras ha bosques de laranjeiras 
bravas, e prodigioza quantidade d' abelhas , cujo 
mel nada tem de bom ; mas a cera he melhor do 
que a das províncias septentrionaes. 

No meio do século passado , quando os Ple- 
nipotenciários foram collccar o marco do Jaurú , 
vivia nas vizinhanças do /d-cAo í/o5 morros uma 
nação d' índios chamados Bai/ás , dos qaaes não 
ha hoje noticia. Uzavam d' uma maça curta cha* 
mada wacânna. 

Povoações. A Fazenda de Camapuan com 
uma Hermida em dezanove graus, e trinta eseis 
minutos de latitude austral. 

Miranda , prezidio fundado em setecentos 
noventa e sete , obra de meio quarto de légua ar- 
redado da margem direita do rio Aranhahy , per- 
to d' uma serra, em terreno abundante de ca- 
ça. No caminho para Camapuan ha uma grande 
lagoa. 




de Moto Grosso. 



S87 



Com a fundação da Nova Coimbra reziiltoii 
fundarem os Castelhanos nesta província Villa 
Real, indiana deste nome, junto ao trópico; o 
prezidio de" S. Carlos na margem do no Appa , 
e o de S, for^e , qne foi demolido pelos Portugtie- 
zes no primeiro deste século. 

Não muito longe das cabeceiras do Aranliahy 
ainda apparecem vestígios da mencionada ciudad 

Xerez, 

Mato Grosso. 

Esta província , á qual dam sessenta léguas 
de Norte-Sul, e oitenta de Leste-Oeste na patte 
septentrional , tem ao Norte a Juruenna , ao Poen- 
te o rio Guaporé , ao Sul as possessões da Coroa 
Catholica , ao Oriente o rio Paraguay. Jaz entre 
os treze graus , e os dezaseis e um terço de lati^ 
tude austral. A face cio paiz he variada de colli- 
nas , de serras sem altura , que attraha a vista 
por muito tempo, de planuras mais, ou menos 
extensas , bosques , e charnecas segundo a boa , 
ou má qualidade do terreno ; e regada por gran- 
de numero de rios tributários dos dois maiores 
d' America meridional. 

Montes. Os maiores estam na parte septen- 
trional; e sam ramos da serra dos Parleis. 

Mineralogia. Oiro , diamantes , cristaes , gra* 
nito , mineraes de ferro , tabatinga , pedra cal* 

caria. 

Fytologia. A opuncia lie commum em varias 
paragens; em outras cria-se a epicuenha: o anil 
iiasce espontaneamente nos terrenos húmidos: a 
jalapa he bem conhecida , como também a bahu- 
nilha : as arvores do cupahiva . da almecega , do 
manná , do sangue de drago , os barbatimóes : 
diversidade d€ b"oas madeiras de construção. Ha, 
abundância de laranjas , goyabas , araçâs , maa-^ 



B 



í 



USS Província . 

..gabas i annanazes , melancias , bannanas geral- 
jnente de boa qualidade , como também as ovas. 
Çultlva-se milho , mandioca com oiuras raizes co^ 
mestiveis , arroz , legumes , tabaco , algodão , can* 
■nas d' a<?siicar quanto basta para o consumo da 
população. 

As mercancias europêas , e aziatícas como vi- 
iilio , azeite, ferragens, tecidos, e alguns comes- 
tiveis , chegam aqui por um preço exorbitante , 
^e unicamente a troco de oiro procurado por tnui- 
ta gente. 

Zoologia. Todas as espécies de quadrúpedes 
selváticos , que se encontram nas províncias ma^ 
ritimas , sam aqui communs: das domesticas só a 
do gado vaccum he numeroza ; as cabras sam ra- 
ras : ainda não ha criadores de gado muar. Não 
ha quem não conheça as emas , seriemas, mutuns, 
íacús , tucanos , papagayos , perdizes, guirapon- 
gas , garças, jaburus. 

A industria reduz-se ainda pprora a tecidos 
clValgodão para os trabalhadores; e a curtumes de 
coiros , que excedem a precízão. 

Rios. O Guaporé , que principia vint' oito 
léguas ao Nordeste de Villabella , depois de vin* 
tequatro a rUmo do Sul , e quazi outras tantas 
ao do Poente recurva para o Noroeste , e depois 
para Oesnoroeste, Meia légua acima daquella ca- 
pital recolhe pela esquerda o Rio Alegre , que 
vem de Leste , da chamada serra Aguapehy , e 
recebe o rio dos Barbados três léguas arriba da 
sua foz , também pela , esquerda (ói). Txes léguas 
abaixo da mesma villa se lhe une pela direita o 



• C<5p O Barreiro , e o Plndahiba sam duas considera- 
veis nbeyras, que entram no Guaporé pela marâem di« 
seita jnuitas leguag primeiro que o no^ Alegre. 




De Mato Grosso: 



a 89 



rio Sareré , que nasce obra de oito léguas ao 
Poente do mesmo Guaporé ; eqiiatorze mais abai- 
xo , e pelo mesmo lado o rio Galera , que se for- 
ma ao Noroeste do Sareré. Vintequatro millias 
adiante se lhe encorpora o considerável Río-Verde ; 
-c obra de trinta léguas abaixo o rio Paragàu , c 
depois de sessenta o Baurús ou Baaré ; e três 
para quatro mais adiante o Tunâma, todos qua- 
tro pela margem esquerda, depois deterem rega- 
do uma grande porção da província dos Moghos. 
Obra de dezaseis léguas abaixo se lhe une também 
pela esquerda o volumozo rio Ubay ou Ubahy , 
ao qual os Castelhanos a principio denominaram 
rio dos Chiquitos , por atravessar as terras dos 
índios assim chamados ; e posteriormente rio da 
Magdalena , aliás de S. Miguel , depois qiie nas 
siias adjacências fundaram as Parroquias destas 
Invocações. A este rio dam os Povos de Mato 
Grosso o nome de M amare , e Cp^^ ^^^ mais cau- 
dalozo) conseryam-iho athé confluir com outro 
maior , a que chamam Rio-Madeira , e os Caste- 
lhanos Mamoré ^ cuja confluência fica trinca e 
três léguas mais abaixo , e quarenta e quatro 
por agua. 

Os Castelhanos commumente dam ao Gua- 
poré o nome cV Itene^ ^ e conservam-lho athé á 
sua con fluência com o verdadeiro Mamoré , on- 
de ambos perdem o nome , e formam o magestozO' 
Rio-Madeira y que continua ao Septentrião a en- 
croporar-se com o Amazona. 

As margens do Guaporé ou Itenez , na maior 
parte , sam pautanozas , e doentias para as cons- 
tituições eurcpêas , como também, as dos rios que 
o engrossam. Os que se lhe unem pelo lado direi- 
to , não excedem a trinta léguas de curso osmaio- 
res ; e sabem da falda occiciental diurna continua- 
ção da serra dos Paricys , que se prolonga com o 
Tom. /. Oo 



f 



ngò 



Província 



mesnio rio. O Cahixy , o áo^ Piolho , o Corum^ 
hijára ^ o Mequen , o de S. Simam , o Cautorío 
sam es que se seguem depois do mencionado Gaíéra. 

Cinco Cachoeiras ha no Itenez desde a foz 
do Uhahy athé onde perde o nome : Guajunl- 
mirira , Guajuní-grande , Bannaneira , Paugran- 
de , e Lages sam os nomes com que as designam ,. 
descendo, 

O rio J aurú , que se forma nos chamados 
campos dos Paricys , obra d' oito Jeguas a Leste 
do Guaporé , depois de largo espaço ao Sul reco^ 
lhe pela direita o Bahia , e o Aguapehy ; (O2) 
inclina para Les-sueste , e une-se com o Paraguay 
na latitude de dezaseis graus e vinteqiiatro minu« 
tos. He navegável por distancia considerável; e 
sen cuiso em grande parte por terrenos planos , 
e eubertos de bosques. Pouco arredado da sua 
margem ha um lago salitrozo ,. que fornece muita 
^al. 

Na confluência do ]aurtí , qu.e fica cincoenta 
léguas ao Sueste de Villabella , se colíocou , em 
tail setecentos cincoenta e quatro,, um magnifico 
Padrão de mármore europeu com os Escudos Fi- 
delíssimo r e Catholico virados para as Possessões 
respectivas. Tem sido , e será sempre olhado pelos 
índios com admiração. Lên>se nelle as seguinreS' 
Jnscrjpçòcs. 



(^62) O rio Aguapehy nasce poucos cevados arreddado da 
fonte do mencionado Alegre na pequena serra do seu nome ^ 
e forma uma cachoeira obra dt dez léguas acima da soa fóz , 
que fica vinte arriba da do que o recolhe. Estes dois rios 
correm espaço coií&ideravei emparelhados contra o Nordes- 
te, primeiro que toin^m direcções oppostas. No governo de 
Luiz Pinto passou uma canoa por eiles do Guaporé p.íira 
o laurú. Contam trinta e sete léguas em linha recta da 
boca do rio Alegre aihé a do Aguapehy. 



de Mato Grosso: ^9^ 

Sub ]oanne Quinto Liisitaiioriim. 

Rege Fidelíssimo. 
Sub Ferdinando Sexto Hispaniae. 

Rege Catholico. 
Justitia et Pax osculatse sunt. 
Ex Pactis Finium Regundoriim 
Conventis. Madrid Idib. Januar. 
M, DCC.L. 

O rio Sepetiva ou Sipolúba , que nasce obra 
de quinze léguas ao Nordeste do Jaurii , corre 
largo espaço ao longo da serra Tapiropuan , t 
une-se ao Paraguay depois de ter recolhido pela 
direita os pequenos rios. Java , e ] araubahyha, 

O rio C abafai , mui inferior ao precedente, 
entra também no Paraguay poucas léguas abaixo 
€Ío Sipotuba. 

O rio Preto, que he o primeiro considerável, 
que engrossa o Paraguay , he formado pelos rios 
de Santa Anna , e S. Francisco Xavier , que sa- 
hem do lado oriental da serra Tapirapuan , e 
.iinem-se na baze d'um monte , formando cada um 
sua grande catadupa , da parte debaixo das quaes 
.andam os peixes em cardume. 

O rio do Barbados y que he extenso, sahe 
da Serra Tapirapuan , e desagua também no Pa- 
raguay em distancia considerável abaixo do rio 

Preto. 

O rio Pary , que tomou o nome d Ivuma na- 
ção já extincta , ou mudada , principia na mencio- 
nada serra Tapirapuan, e salve ao Paraguay entre 
o dos Barbados , e" Sipotuba. 

Todos os rios desta comarca sam d' aguas sum- 
mamente cristalinas , e frias. 

VilLa Bell a , medioçre , famoza ,e abastada de 
carne e peixe , e bem arruada em terreno plano jun- 
to á margem do Guaporé , cujas gr aades cheias lhe 

Oo ii 



aga 



Provinda 



íi; 



clamnifícãmpartcornacia com iirria Igreja Parroqnial 
da Invocação da Santíssima Trindade jUmaHeririida 
de Nossa Senhora do Carmo , outra de Santo Anto- 
nio , e caza de fundição do oiro lie a Capital da Pro- 
víncia , e rezidencia do Governador , e do Ouvidor » 
que he também Provedor dos Auzentes , e Juiz da 
Coroa com predicam.ento de primeiro Banco, beca , 
e posse na Relação da Bahia. O Senado he pre- 
zidido por Juiz de Fora , que também he dos "Ór- 
fãos , Procurador da Coroa, inspector da Ftindí» 
çâo , e Deputado da^; Juntas da Administração &à. 
Fazenda Real , e da Justiça. (63) Todas as eazas 
sam chans, e aíveadas com tabatinga. 

' Não tem outra fonte mais que o rio, cuja agua 
he excellente. He a única Parroquia da comajca.. 
No seu vasto termo ha asCapelks de Santa Anna , 
de S. Francisco Xavier , de Nossa Senhora do 
Pilar , de S. Vicente' Fcrreyra , a do Oirofino ge- 
ralmente providas de Capellães considerados co-mo 
Curas- 

Desta comarca he Arrayal Diamantino , van« 
tajozamente situado no angulo da confluência do 
rio deste nome com o do Oiro, três léguas acima 
da sua embocadura noParagiiay , ornado com uma 
Hermida cie Nossa Senhora da Conceição , filial 
da Matriz do Cuyabá , da qual dista trinta léguas 
para o noroeste. O oiro , e os diamantes deram- 
Ihe principio ha poucos annos : seus habitantes san> 
mineiros , criadores de gado vacciím , e agricul- 
tores. 

Em distancia de três léguas está a serra da^ 



(63) A Junta da Justiça , composta cio Governador^ do 
Ouyiiíor, e do Juiz de Fora, he para expediçào d'aiguiis ne- 
gócios jicrtencentes á Meza do DiZírti4|argo ao Pa^o a bein 
tioi habitantíííi Ua Pioyincia. 



De Mato Grosso: 



193 



Mángábelra , onde ha varias lavradores demilho^ 
mandioca, e legumes. . f 

A porção mais septentrional desta comarca he 
ainda possuída por varias nações indígenas , tàes 
como os Cabyxys, os Cautáros , que deram nome 
a dois confluentes do Guaporé , os Ababás , os Lam- 
tys, e os Urucurunys com outros encostados á 
serra dos Parícys, 

Cuyabâ\ 

Esta província , á qual deu nome o rio , que 
a atra\^essa de Norte a Sul, tem ao Septentrião 
a dos Arinos , ao Poente a de Matogrosso , ao 
Nascente a Bororonia , da qual he separada pelo 
rio de S. Lourenço que também a limita pelo Sul ^ 
©nde termina em angulo formado com a confluên- 
cia do mesmo rio , e do Paraguay. Tem para mais 
de cem léguas Norte Sul , e pouco menos de se- 
tenta na maior largura de Leste Oeste. He paiz 
d' aspecto agradável, variado com dilatadas pla- 
nuras , bosques soberbos, charnecas extensas, 
collinas , e montanhas ; regado de muitos rios. 
' As trovoadas, que fazem o Inverno , come- 
çam em Setembro , e acabam em Abril. 

Mineralogia. Encontram-se os mesmos mine^' 
laes , que se acham na província de Matogrosso. 
Fytologia. Diversidade d' arvores de excelleni^ 
te madeira de carpintaria. Entr' outras plantas me- 
dicinaes achase a espígelia , a herva de cobra , a 
jarrinha , e varias qualidades da verdadeira í/w/azí?. 
Entre as arvores, frutift?ras dos matos sam bem- 
conhecidas as marmclad eiras- , as jabuticabeiras ,' 
os ambuzeíros , os araticumzeiros , as giiabirabc*.!-. 
lias , as goyabeiras. Algodão , assucar , milho , man«' 
choca, arroz , legiimies sam os objectos da agrrcul- 
tiua pioparciOiííida á povoação. Para nenhuma 






.^ 




Provinda 

parte se pode exportar o supérfluo C^^^^ podia ha- 
ver^ com lucro por caiiza das grandes longitudes. 
Zoologia. Cria-segado vaccnm jCavallar , e ai- 
giim muar; porcos , ovelhas , e mui poucas ca- 
bras , na verdade ainda absolutamente inúteis. 

Rios. O mais celebrado he o Pataguaij. Nas- 
ce numa grande chapada sobre a serra do Panj , 
aliàs da Lage ^ porção da dos Paricys , no sitio 
chamado as Sete Lagoas , por haver alli outras 
tantas , geralmente pequenas em pouca distancia 
umas das outras, e communicadas por desaguadoi- 
ros. Pouco abaixo da derradeira corre por terreno 
pantanozo , procurando o Septentrião por curto 
espaço , e volta pelo Poente para o Sul, O pri- 
meiro , que se lhe une, he o rio Diamantino ^ 
que vem de mais longe , e traz comsigo o Corre" 
gO'Rico , aliàs Rie do Oiro. O primeiro rio cauda- 
lozo , que se lhe encorpora , he o mencionado Jau* 
rú. Ao longo da margem oriental , em quazi toda 
esta grande extensão , corre uma serrania , que con- 
tinua ainda por espaço de sete léguas a terminar 
na ponta Escalvada , onde ambas as margens co* 
meçam a ser razas , e alagadiças. 

Vinte léguas abaixo da ponta Escalvada co- 
meça a margem occidental a ser bordada por umat 
serra d' outras tantas , ou mais léguas de comprido , 
mas estreita , e cortada em varias paragens para 
dar sabida ás aguas de três lagos , que ficam por 
detráz delia : e cujos desaguadoiros parecem rios^ 
c^udalozos , quando o Paraguai/ nas suas enchen- 
tes vai fazer delles parte do seu larguíssimo alveo. 
A porção septentrional desta serra he designada^ 
com o nome á* Insua , a meridional com o de Chay^* 
nê'/^ , e a central com o de Serra dos Doirados, 
Oberába ^ Gahyba , e Mandioré sam os nomes* 
dos mencionados lagos. O primeiro , que he o sep- 
teatrional , tem três léguas de diâmetro , e o sgul 




Be Mato Grosso. 



^95 



desa^iiadoiío fica contíguo á extremidade da serra 
Jnsua , por detráz da qual se communica com o 
Gchiiha , que he um pouco maior , e arredado tres 
léguas para o Sul ; e o seu desaguadoiro , outras 
tantas abaixo daquelloutro , divide a serra cl Iri- 
sua da dos Doirados. O Mandioré tem qunize mi- 
lhas de comprimento, e mais d' hum sangradoiro ; 
o septentrional separa a seria dos Doirados da do 
Chaynêz, e fica seis léguas ao meio dia do Gua- 
hylra , em frente do qual desagua no lado orien- 
tal o rio de S. Lourenço , na latitude de dezoito 
eráus e quarenta e cinco minutos. 

A' serra de Chaynez , habitada ás vezes d ín- 
dios Guanans , se segue a d' Albuquerque , que 
he um auadrado com dez para onze léguas por 
lado. No meridional está o prezidio , que lhe deu 
o nome. Defronte desta serra desemboca na mar- 
gem oriental o braço principal do rio Tacoary em de^ 
zanove graus e um qucirto. 

Cinco léguas ao meiodia estam as bocas do na 
Mondego. O Paraguay corre nestas paragens di- 
vidido em dois canaes , formados por uma ilha 
estreita , apaulada , e perto de vinte léguas de 
comprimento: o oriental denomina-se Paraguay^ 

mirim. ^' '^ , . 

Onze léguas ao Sul do Mondego estam dois 
montes altos um defronte do outro nas margens 
do Paraguay , que he aqui assaz largo. Na falda 
meridional do occidental está o mencionado Forte 
de Coimbra. 

Onze léguas abaixo de Coimbrã , na mesma 
margem está a boca do desaguadoiro da Bahia- 
Negra, que fica seis por terra dentro; e tem cin^ 
CO de comprido Norte Sul ; sendo o receptáculo 
dás aguas dos lagos , e campinas alagadiças , que 
ficam ao Poente , e Sul das serras d' Albuquerque^ 

Dt;z.asete léguas adiante salie no lado oiien* 



í 



^•gS 



Província 



tal'^ rio Çneyma , que parece ser o Terery doí 

primeiros certanistas. 

OitQ milhas adiante na latitude de vinte e 
tim graus sobre a margem occidental está o morro , 
ao qual os antigos Paulistas chamaram Monte dç 
Miguel Jozé , em cuja falda seaciía o Forte ^owr- 
bon. :' 

V Oito léguas ao Sul do Monte de Miguel Jozé ^ 
fea latitude de vinte e um graus , e um terço ^ 
cruza com o Paraguay uma cadeia de pequenos 
montes, onde se estreita , e passa dividido em dois 
c-anaes por uma ilha de rochedo de bom cornpri*^, 
kiento. 

Nesta paragem , denominada o Fecho dos 
Morros , e que he o limite entre o Alto , e Baixo 
Paraguay, terminam as alagadiças , e pantanozaá 
margens deste riiagestozo Rio , que principiam, na 
mencionada Ponta Escalvada , como se disse , per* 
to de cem legiias ao Norte. A largura do Rio neste 
espaço, durantes as cheias , que sam de Abril atlié 
Setembro, he de vinte a quarenta léguas , e for4 
ma um mar, ao qual os antigos Vicentistas de- 
nominaram Lago y^arays d' huma nação , que tinha 
este nome, e já não existe. Neste tempo, grande 
parte do alveo do rio de S. Lourenço , do Tacoary , 
do Mondego , e d' outros; do lado oriental , como 
também os mencionados lagos do occidental ,'Q 
palies adjacentes ficam sendo porções deste Caspio 
periódico , onde os terrenos levantados em tempo 
de secca ficam sendo ilhas povoadas d' aves , e 
animaes bravos. 

No mencionado F(fr^ o começam ambas as 
margens do Paraguay a ser de terreno firme , prin^ 
cipalmente a oriental. Nella desaguam o pequeno 
Wipoty , o Correntes , o Rio Branco que parece 
ser o mesmo Correntes ; o Appa , que talvez seja 
o Pirahy áos antigos Paulistas; o Cuidava, o«: 




D<f Mato Grossa. 



^97 



Ippannês guassâ , e mirim ; e o Chlchnhij , onde 
começa a escabroza margem Hagi^rucjuíta , que sç 
prolonga por espaço de dez léguas athé a fóz do 
pequeno Siiobogo , onde principia a costa de Pa- 
taque de curta extensão , e termina na emboca- 
dura do Tahixú , que sabe como aquelle também 
na margem esquerda. . . 

Na latitude de vintecinco graus , e vinte dois 
minutos está a Cidade á* AssurnpçÕo\ e dezoito 
milbas ao Sul desemboca o primeiro braço do cau- 
dalozo Pilco-Mayo, que principia na cordilheira 
dos Andes, no districto áoPoto7,ij , para onde da 
navegação.: Doze léguas abaixo está a boca do se- 
cundo; e depois de quatro encontrasse a nniais me- 
ridional. Dam a este rio duzentas léguas^ de curso. 
Na margem oriental entram oPirajày oCan* 
nabé , c G fibicoary. 

Na latitude de vinteseis graus, e cincoenta 
minutos sabe o Rio- Verde , ou Parsa , alias Colo- 
rado , que vem das vizinhanças dos Andes com 
mais de duzentas léguas de curso,. 

Obra de doze léguas ao Sul está a magesto* 
z^ confluência do Paranná pouco inferior ao Para- 
£uay ; e obra de trinta abaixo está o braço sep- 
tentrional do rio S alado , e mais de cincoenta ao 
Sul o meridional, mais conhecido pelo nome de 
Xalupov, No angulo meridional desta confluên- 
cia está'' a cidade de Santa Fé , na latitude de 
trinta e um graus , e trinta e cinco minutos. 

Poucas léguas aciiante recolhe também pela 
.direita o lio Terceiro ou Carcapal^ que traz 
mais de cem léguas cie curso. 

O Paraguay , que do parallelo de vinte graus 
vem inclinando um pouco para o Susudoeste , mu- 
da aqui de rumo para Les-sueste por espaço de 
quarenta léguas, recolhendo por uma , e outra 
margem vários rios geralmente pouco considera- 
Tom. I. Pp 



ú9^ 



Província 




veis , atíié a latitude de trinta e quatro graus » 
onde se lhe une pela esquerda o rio Uriíguay , 
Seu derradeiro tributário caudalozo. 

Este Rio , ao qual os Castelhanos comrnumente 
chamam Rio da Píata, depois que recolhe o Pil- 
comayo , fica de muitas léguas de largura; e he 
um arquipélago de ilhas de todas as grandezas , c 
geralmente razas , denominadas os Parannás. \ 
margem esquerda corre agora a Leste athé o Cabo 
de Santa Maria ; e a direita ao Sueste por mais 
de trinta léguas athé a Ponta das Carretas , onde 
tem perto de quinze de largura. (64) 

O Paraguay não tem mais cachoeiras depois 
que recolhe o Sipotúba , e sempre conserva muita 
fundo. 

O Rio Cuyahá tem sua origem na mesma la- 
titude que o Paraguay. A primeira lorrente, que^ 
se lhe une pela margem occidental , he o Cuyabá- 
inirim ; e pela oriental o rio ádi Cascai a estes se 
seguem outros muitos pequenos , que o fazem na- 
vegável por mais de vinte léguas para cima da 
Capital; posto que com muito trabalho por cau-za 
das cachoeiras , que não apparecem mais clalli para 
baixo ; onde he largo , sua corrente apressada , 
quazi sempre por planuras , que ficam submergi» 
das durantes as cheias, tie piscozo , e de boas 
aguas ; e une-se com o de S. Lourenço na latitu- 
de de dezasete graus , e luu terço^ Nas proximida* 
des de suas margens criam-se muitas daquellas ar- 
vores , a cujo lenho chamam pau d' alho. Em 
quanto duram as cheias , navega-se por cima dos? 
campos ^ onde a corrente he menos rápida , atra» 



C^jÍ) Paliando com pror»rÍ€dade , devemos dizer, que o 
rio Paragnay termina na confluência do UiVí^uay coiíi seif 

léguas de boca. ,4. 



De Mato Grosso.- 



299 



vessando vastíssimas searas d' arroz , aiiniialmente 
ieproduzido pela Natureza sem adjiuorio algum 
alheio , e sem que as cheias lhe façam damuo ; 
porque lanto sobem as a^uas , como cresce o ve- 
getai; coiíservando.semure cinco ou seis palmos 
fora d' agua. Recolhe-se^ metiendo-lhe as canoas 
pelo m.eio, e sacudindo-o com um pau, depois de 
dobrada a espiga para dentro delias. As piranhas, 
chamadas commumente tizoiras , e ainda lanceias, 
e as arrayas sam igualmente terríveis; as priníei- 
ras em razão dos dentes , as outras por cauza a'um 
ferrão que tem na cauda. 

Do porto da Capital para baixo as mais nota- 
íveis Torrentes que se lhe juntam , sam o Tuter^ 
pela direita; o C ar and a , o grande, e pequeno 
Guãxú pela esquerda. 

Villa-ReaL de Cuvabá, Capital da comarca , 
considerável , populozâ , ílorecente e abastada de 
xarae, peixe e írutas , oriíada com iinia Igreja 
Parroquial da Iivvocaçâo do benhor BOM JbbUb ; 
ires Capcllas dedicadas duas ao mesmo Redemptor 
com os Títulos do Bom Despacho , € dos Passos , 
uma a Nossa Senhora do Ro7^ario. He rezldencia 
do Prelado , Bispo infãrtibus; Tem Juiz de Fora , 
e professores régios de Filozoíia , e Latim, hstá 
situada junto d' Imm ribeiro,, obia d' huma milha 
arredada da margem oriental do rio , qu« lhe da o 
liome. Todos osWiíicios sam de taipa como em b. 
Paulo: as cazas i:hans , e as ruas priucipaes cal- 
cadas: C65) ,^ ,. 

Pp 11 



(6'-') Os Negociantes de Cuyabá vam trocar as barras á 
B^wà nela estrada cie Gayazes , ou á Metro]^ole pelo tr. es mo 
caminho, ou por Gan-Rpuan. Está averu^iado qne podem 
commerciar pelo rio Tapajóz com os do^Grao Para. Varias 
tsrradas lhes restam aimU por abrir; «uas para o uHnno 
Porto , uma i^elo Xiuâú, outra peio no aas Mortes, e Ara* 



SCO 



Província 



As laranjeiras sam aqui multipJícadissimas , é 
irutiíicam excelienternente rodo o^anno: as me- 
lancias , osn]elócs, e os annanazes sam bons. Cul- 
riva-se maiidioca , milho , feijão , algiim algodão , 
e cannas d' assiicar , de cujo sueco a maior parte 
lie desiillada em aguardente, por ter mais prom- 
pto jRasto. 

Obra de déz íegiias a Leste de Cuyabá fica o 
pequeno Arrayal , e Freguezia de Santa Anua 
numa chapada sobre a seira de S. Jerónimo, pro- 
inettendo crescimento. Por qualquer parte que se 
queira hir a tW^ , he precizo subir huma ladeira 
assaz comprida. Seus habitantes criam gado , cul- 
tivam mandioca, milho, legumes, cannas d' assu- 
car , algum algodão , cujo arbusto he ás vezes 
queimado pelo írio , que se faz muito sensivel na» 
noites de Julho. Tem-se experimentado que o ter- 
reno he apropriado para a cultura do trigo. 

Quinze léguas ao Sudoeste da Gapital está 
pequeno e alegre Arrayal de S. Pedro d^El-Rei, 
noutro tempo Poconné , assentado sobre uma vas-. 
tlssima lage , ornado com uma Hermida , uma l^ 
gua arredado do extenso pântano Pírannêma , que 
sécca no verão, e fica s^ndo pasto de gado. Todas 
as cazas sam át taipa , ou de adobe (66^ alvea- 
cias com tabatinga , ou cal de pedra. O terreno 
de seus arredores he vermelho, e aurífero. O Po- 



guaya ; e outras tantas para S. Paulo ^ e Metrópole ; primeira 
pelos rios de S. Lourenço, Piquiry , Sucuriú, e 7'ieiè ; se- 
gunda sempre por terra a travéz da Bororonia / e Cayaponia 
a passar o Paranná entre a confluência do Parannahyba e a 
Caratiuprj d' Urubupungá. A derradeira terá seguramente oi- 
tenta Jeguas de níenos que a actualmente piatícada por Vii-^ 
iaboa. 

.jQ5d5 Adobe he um tijolo mui grsnde, ccíido ao Sol. 




de Mato Grosso, 



301 



Vo , qiie o habita , e fornia um Julgado , bebe de 
cacinba, por falta de fonte; minera cultiva vi- 
veres e cria muito gado. Também íaz sal , tiU 
tranclo agua por uma porção de terra embangues 
fque sam còclios d e coiro) e fervida depois. 

Villa Maria situada sobre a margem orien- 
tal do Paraguay , sete léguas arriba da confluên- 
cia do Taurú , em terreno plano , e fértil , he or. 
nada com uma Igreja Parroquial da Invocação de 
S. Lui7^ , e abastada de carne, e peixe. Muitas 
circunstancias lhe promettem para o futuro \im 
crescimento , e esplendor talvez não igualado por 
alo-uma outra Povoação mediterrânea d' America 
meridional. Seus habitantes , na maior parte ín- 
dios de varias nações , cultivam mdlho , mandioca , 
legumes, arroz , algodão , e criam gado. ]á ha um 
engenho d' assucar. Todos se alumiam com azeite 
de mamona, e de jjíquir a ,GSpeciQ de peixe miú- 
do, que he multiplicadissimo , e facílimo cie apa. 
nhar. Paraputanga ^tpacã sam os melhores pesca- 
dos do Paraguay , c seus primeiros confluentes. 

Defronte está a Real Fazenda da Cahijssára , 
onde se cria numerozo gado vaccum , e também 
eavallar; e oucie se tem morto grande numero de 

tygres. 

As Hermidas de Nossa Senhora áo Livramento 
na estrada de Matogrosso ; a de Nossa Senhora 
dos Pray^êres perto das cabeceiras do Cuyabá ; a 
á^S^nto António abaixo da Capital junto ao mes- 
mo rio, e outras sam como Parroquias dos povos, 
que habitam aquelles districtos. Junto ao porto da 
Capital na margem oriental do Cuyabá está uma 
Hermida de S. Gonsalo d' Amarante, 

Junto á margem esquerda do rio Jatubá , ramo 
do de S. Lourenço, na estrada de Goyazes está a 
aldeia da Boavista , assim cha.nada da sua vistoza 
Situação 5>obie um alto ; e cujos habitantes ciiiti^i 



?.Hi 




m. 



Z02 



Província 



' m 



vam viveres , è bebem do rio , qtie se passa numa 
ponte. 

Ainda existem varias hordas d' Indígenas (to- 
das da nação Bororó , segundo dizem) dispersas 
dentro dos limites desta comarca , e da precedente: 
uma lie designada peio nome de Coroados ; outra 
de Barbados por fingirem bigodes com certa tinta. 

Das nações Indígenas, que os conquistadores 
adiaram , a única digna de memoria foi a dos Pã' 
rycis , que eiam alvos , bem figurados , aífaveis , 
c ainda mesmo affeiçoados aos m.esmos Christáos, 
Deiles com os Brancos , e Africanos descende boa 
parte dos Mamalucos , e Curibdcas que fazem o 
grosso da povoação: sendo rarissimos , e esses bem 
annozos , os que ainda se encontram sem diescla: 
todos de bous costumes , e mui respeitados, 

Bororonia. 

Esta comarca , á qual deram nome os índios 
Bororós, que ainda a dominam na maior parte, 
tem ao Norte a Tápiraquia ; ao Poente a do Cuya- 
bá ; ao Sul a Camapuania ; e ao Nascente a pro- 
víncia de Goyazes , de que lie separada pelo ria 
Araguaya , como se disse. Tem cento e vinte le^- 
guas dê comprimento Norte-Sul , e largura propor- 
cionada; ainda que muito irregular. 

Os povos que llie deram o nome , os Gaatós , 
c os Baccahirys sam os seus actua es possuidores. 
Os primeiros , que sam os mais numerozos , posto 
que assaz diminutos em comparação do que eram 
no principio da conquista , estain repartidos em va- 
lias hordas ou tribus designadas entre si com di^ 
versos appeliidos. 

Os Quatés ^ que possuêra aparte meridional, 
sam nossos amigos , grandes nadadores , pescam à 
fiecka , e tem grande iiuuicro de canoas em que 



p^ 



De Mato Grosso, 



303 



sobem athé as nossas povoações. Arco, flecha, e 
um chiísso ou grande lança sam as suas armas: 
nma cinta larica d' hum tecido de tucum he o ves- 
tuario commtim a ambos os sexos: as mulheres 
prendem-lhe um avental , que lhes cobre meia co- 
xa : uma pelle , commumente d' onça he a sua ca- 
ma. He gente mui preguiçoza: mel, e caça fazem 
parte da sua subsistência. ^ , . 

Os Baccahirys , que occupam as terras vizi- 
nhas ao rio das Mortes , fazem lium.a continuada 
guerra a todo o género de quadrúpede, e d ave, 
feu principal alimento. Athé hoje não tem este po- 
vo feito hostilidades aos Christãos. Diz-se que sain 
alves , e affaveis : razão porque os suppoem ser 
vima horda de Paricys. ^ 

Rios , e Lagos. O rio de S. Lourenço , que 
principia na latitude de quinze graus ou com al- 
guma differença , he já considerável , quando 
atravessa a estrada de Goiazes. Depois recolhe 
pela esquerda o Parannahyba , que traz comsigo 
o Sucunj , cujas origens ficam também muito ao 
Norte da mesma estrada. Pouco abaixo desta con- 
fluência , onde fica caudalozo , forma uma ca- 
choeira , que he a ultima , e continua ao Sudoes- 
te por terrenos razos , aumentando considera- 
velmente athé se encorporar por duas bocas 
com o Paraguay, que não lhe he superior. O- ca- 
nal oriental he designado com o nome de Rio- 
Chayney^. . 

Obra de dez para doze léguas acima da toz 
do Cuyabá se lhe une pela esquerda o rio Piqui- 
ry , que he maior , e tem suas cabeceiras na raia 
da Cayapóna perco das do Sucuriú ; o Piquiry 
recolhe pela direita o lio Piaughuhy ou Hyjnau» 
ghuhy y qae principia nas mesmas paragens ; e 
j;ela es4Uerda recebe o Itiquka aliás Itaguira^ 
;4;uj'd oii^cm íica j^roxima á do Jaury-guassú ^ 




áô4 



Província 




que Tie um ramo do Tacoary ; já menciona- 
do C67). 

O derradeiro tributário notável do Rio de 
S. Lourenço he o Rio- Cl aro , que se lhe junta 
pela esquerda quatro leguas abaixo do Cuyabá, 
O Paranapetínga . Tlquinitó sam ainda ramcs 
do mesmo , e unera-se-Iíie entre as embocaduras 
do Paranahyba , e Piquiry. 

O rio das Mortes , que tomou este nome 
por cauza da muita gente da primeira bandeira y 
que na sua margem morreu de febres , tem suas 
numerozas cabeceiras ao Sul da estrada Ciiyabana. 
Corre ao Nordeste a desaguar caudalozo no bra- 
ço occidental do Araguaya , quando forma a ilha 
de Santa Anua. Dá navegação extensa para o 
interior da provincia. O Roncador , os dois San- 
gradares grande , e pequeno sam as mais remo- 
tas origens deste rio. O primeiro, que he o mais 
occidental , dista pouco d' um ramo do mencionado 
Sucury. Entre os Sangradores ha um lago espa* 
cozo , designado com o nome de iagoã grande, 

O Rio do Peixe formado pelo Rai7^â/na , e 
TacoaraL , que também atravessam a estrada 
Cuyabana ainda pequenos , corre ao Septentriào , 
e vai engrossar o mencionado rio das Mortes ; se 
he que não desemboca no Araguaya , segundo al- 
gumas cartas. 

Sete leguas arredada do Araguaya, junto 
d*uma ribeyra , e da mencionada estrada está a 
Aldêa da Insua com um registo. Na sua vizinhan- 
ça ha Caldas. 



Ç67) Ha poucos annos navegou um exploratlor pelo 
Piquiri acima sete dias , e não encontrou cachoeira alguma;. 

Certanistas antigos disseram que pode fazer-^se pelo 
Sucuriá, e Piquiry a navegação áe Pcrtofeli^ para Cuya^ 
há. O certo he que a viagem da fóz do Tieté á do Cuja^ 
M h« mais d'uin ter^o menos extenía que a de CamapuaiJ^ 



úe Mato Grosso, 



305 



Na margem esquerda do Rio das Mortes cxis^ 
tíu lima aldêa com o nome d" Amaro Leite , seu 
fundador : Desappareceu depois que se endireitou 
a estrada mais pelo Sul. 

Juruenna. 

Tem esta comarca at) Norte a Mundrucania ; 
ao Occidente os rios Guaporé , e Madeira; ao 
Sul a de Mato Grosso; ao Oriente o rio que lhe 
dá o nome: cento e dez léguas com pouca diffe- 
rença de Norte-Sul , e muito mais de Leste-Oes- 
te. (6^') He paiz muito pouco conhecido dos Chris- 
tãos ; e dominado por varias nações d' índios 
bárbaros. Os Pammas , que possuem uma consi- 
derável porção sobre o Madeira , sam brancos ; 
osT amares dominam as adjacências áoxio] uij na ^ 
primeiro ramo notável dos que engrossam o Ju- 
ruenna pela margem occidental ; os Paccahás 
vivem ao Norte dos derradeiros ; os 6'trr um. ^/lá^ 
mais ao Septentrião encostados ao mesmo Juruenna ; 
e mais abaixo os Uhayhás, 

O rio Juruenna C^^^^ dizem tomara o nome 
d' uma nação) tem sua origem pouco ao Norte da 
do Jaurú ; dirige-se ao Septentrião , e encorpora-se 
por duas bocas com o Arinos entre os parallelos 
de nove , e dez graus austraes. O seu grande 
volume, maior que o daquelle , mostra ser grande 
o numero dos que se lhe juntam. Ainda não na- 
vegaram por elle Christãos. Os que o observaram 
Tom. 1. Qq 



ir 



m 



(68) Entre a cachoeira das Pederneiras, e a das Ara- 
ras na latitude de nove graus e três quartos , onde o rio 
Madeira curva pelo Poente , ha uma ponta na margem 
oriental defronte d« boca do rio Abanai do qual toma o 
nome, e he a terra oiais occidental do BraziU 



tàè 



Província 



na sna embocadura , dizem ser d'agnas mais cla- 
ras , e formar varias ilhas no alveo da porção ; 
que avistaram. Salie por enire dois serrotes de 
pouca elevação. A ilha, que medêa entre as suas 
duas embocaduras , he de me'diana grandeza , e 
altura razonavel. 

O rio Jamary , e o Giparanná sam os maio- 
res , qne sahem desta comarca para o Madeira. 
O primeiro principia nas faldas septentrionaes da 
serra dos Paricys , no território dos índios G//í2- 
Títeres , onde tem o nome de Rio das Candéas : 
rega as terras dos Camararés , que dam nome a 
um dos seus principaes ramos , e desagua obra 
de qiiatorze léguas abaixo da Cachoeira de Santo 
António. Dizem ter uma catadupa dois dias de 
viagem acima da sua foz , e passar por terrenos 
auríferos. 

O Giparanná y por outro nome Rio do Ma* 
chado y principia a Leste do Jamary, segundo 
dizem , também na falda d' um ramo da mesma 
serra ; e começa logo a engrossar com varias ri- 
beiras , que regam os territórios de diversas na- 
ções selváticas ; e sahe também ao Madeira obra 
d' oito léguas abaixo daquelloutro. Nas suas adja- 
cências ha salsaparrilha , e cacauzeiros. 

Duas léguas abaixo da foz do Jamary está o 
desaguadoiro do lago Tucunaré , pouco arredado 
da margem do Madeira. 

O rio Soterio , e o Pacanova sahem do lado 
austral da mencionada serra dos Paricys , e desa- 
guam no Itenez , o primeiro onze léguas abaixo 
do Ubahy , o outro vinte e uma mais adiante. 

Ao longo do Madeira , e do Itenez , onde s6 
he bem conhecido , abunda de todo o género de 
taça 

Entr' outras arvores notáveis , que se encon- 
tram nos grandes iaatos adjacentes aos últimos 



i^i^p 



de Mato Grosso. 



307 



rios , ha nma espécie de palmeira chamada Uhus" 
sú , de cuja ílor se tira um cazulo fibrozo , elás- 
tico , e entretecido de sorte que parece obra de 
trama ; e serve de carapuça aos índios : o cura" 
qirú dá nma boa tinta encarnada : os cedros sam 
communs , corpolentos , e inúteis como as outras 
muitas , e excellentes madeiras , por falta de po- 
voação. 

Nesta comarca está o Forte do Príncipe d^ 
Beira , revestido de cantaria com quatro balluar- 
tcs , principiado no anno de mil setecentos seten- 
ta e seis , sobre a margem direita do Itenez oii 
Guaporé , uma légua abaixo da foz do Tunâma , 
em doze graus , e um terço de latitude austral , 
e uma milha acima do sitio , onde o primeiro 
Governador da Província edificara o da Concei- 
ção. O terreno jamais he innundado pelo rio , a 
pezar de suas grandes cheias subirem aqui a trin- 
ta pés , e alagarem grande porção do terreno 
fronteiro , o que faz que a sua guarnição expe- 
rimente febres. Contam cento e dez léguas desta 
Forte athé a Capital , e pelo rio cento e noven- 
ta ; tão consideráveis sam as suas tortuozidades. 

Junto deste Forte ha uma populoza Aldêa 
d' índios Christãos : e em pouca distancia para 
cima outra chamada Leonil com os mesmos habi- 
tadores , que fabricam excellente loiça de cuzi- 
nha. Todos cultivam diversidade de viveres , pes- 
cam , e caçam. 

Obra de cinco milhas abaixo da Confluência 
do Guaporé com o Mamoré , sobre a margem ^do 
Rio iMadeira , junto á Cachoeira do Ribeirão , 
está a nova Parroquia de S. Jo2,e\ O povo , que 
a habita compoe-se d' índios de varias nações 
com alguns Brancos ; e vive abastado de peixe > 
caça, e viveres do paiz. Podem-se ajuntar aqtii 
algumas produções das ^ue giram no commeicio. 

Qq ii 



CHJ 



80S 



Provia cia 
Ari nos. 



Esta comarca , á qnal deu nome o rio que a 
rega, e divide em duas partes mui designaes , 
confina ao Norte com a Tapajonia ; ao Poente 
com a Juruênna ; ao Meiodla com a do Cuyabá ; 
e ao Oriente com a Tappiraquia. O seu compri- 
mento de Norte^Sul he igual ao da Juruênna ; a 
largura de Leste-Oeste anda d' oitenta a noventa 
léguas. O vulgo designa uma porção da parte mais 
ineridional com o nome de Varges ou V ar geria ^ 
onde , ha largos annos , se estabeleceu uma colo- 
iiia d' aventureiros , que pouco depois abandona- 
ram seus lares , obrigados da má vizinhança dos 
Indígenas , e pouco producto das minerações. 

He paiz mui pouco conhecido ; porém sabe-se 
que he aurífero ; regado de grande numero de rios, 
segundo observaram os que tem navegado pelo 
Arinos , e Tapajòz , que os recolhe quazi todos : 
sabe-se também que tem montes , e soberbas 
mattas. 

Das nações , que o dominam , sam bem conhe- 
cidas a dos Baccurys , que possuem o primeiro 
território regado pelo rio Arinos ; e a dos Man- 
bares , que vagueam pelas terras atravessadas pe- 
lo rio Taburuhyna , primeiro confluente notável 
do Juruênna pela margem oriental. Os Ap pia cãs 
occupam o centro da comarca , e tem uma aldeia 
com cazas altas sobre a margem direita do rio Ari- 
nos. He gente bravia ; vive da caça , e da pesca- 
ria. Com machados de pedra preparam a madeira 
para a factura das cazas , e das canoas que tam- 
bém possuem. Ao norte dos derradeiros vivem os 
Cabahybas , que faliam o mesmo idioma. Espera- 
se , que estes povos, em começando a experimen- 
tar as vantagens dos instrumentos de ferro , e do 
vestuário , e que só os podem haver dos navegaa- 



De Mato Grosso. 



'309 



tes deste rio , aquietando-se , e commiin içando de 
boa fé com elles , náo só lhes facilitem a nova na- 
vegação ; mas concorram para o seu florecnnento ; 
athé mesmo abrindo commercio com algumas pro- 
duções do paiz em cambio daquelloutros objectos. 
O rio dos Arinos , que tomou o nome d uma 
nação hoje desconhecida , principia perto das ori- 
gens do Paraguay , e desagua no Amazona com o 
nome de Tapajó?^. Em mil oitocentos e cinco fêz 
por elle Joam Viegas quazi a mesma viagem do 
descubridor o capitão Joam de Souza e Azevedo ; 
e em oitocentos cdoze desceu também por elle An- 
tónio Thomé de França , o qual subiu no anno se- 
guinte pelo mesmo rio com a sua frota carregada 
na cidade do Pará ; sendo o primeiro , que fêz 
esta viagem, sem duvida menos laborioza , e mui- 
to mais curta , e breve que pelo rio Madeira. 

O primeiro rio considerável , que se une ao 
Arinos pela margem direita, he o Rio-Preto , que 
nasce entre o Paraguay , e o Cuyabá ; e pela es- 
querda o chamado Sumidor , cuja nascença fica 
pouco ao Norte, da do Sipotúba. Deram lhe este 
nome , porque depois de muitas léguas esconde-se 
por baixo d' hum rochedo , e torna a apparecer a 
pouco espaço. Huma canoa, que se soltou da ban- 
da de cima , saliiu ileza na outra. O capitão joam 
de Souza desceu pelo Sumidor , e os outros pelo 
Riopreto ; embarcando nelle cm uma paragem , que 
fica obra de três léguas distante ^do Arrayal Dia- 
mantino. Não sabemos a cauza porque nenhum 
destes navegantes desceu pelo Arinos , que , quan- 
do recolhe o Riopreto , he maior que este.^ Todas 
as canoas , em que navegaram , foram feiras de 
troncos d' arvores criadas nas margens desces mes- 
mos rios ; por onde se pode julgar quanto o terre- 
no he substançioz.0 , e apropriado para a agricul- 
tura. 



,«11, ¥ ri 






I 



3T0 



Província 



Em vint'oito horas de navegação , feita em 
quatro dias , da barra do Riopreto ache a do Sa- 
midor encontrou o Viegas dezanove Torrentes ain- 
da anónimas, e quazi todas á direita ; a maior das 
quaes tem déz braças de largura, e fica poucas lé- 
guas acima da embocadura do Samidor , que he 
pouco inferior ao Arinos. 

Depois de largo espaço , perde o nome encor- 
porando-se com o Juruênna , e formando ambos o 
Tajjãjó:^ , verdadeiramente Tapayó , d' uma na- 
ção deste nome , que habitava suas margens mais 
para o Norte. 

O primeiro rio considerável , que se lhe une 
pela direita , depois que tomou o nome de Tapajóz , 
he 0^ rio AT^evedo , assim denominado do seu des- 
cubridor , e tem dezaseis braças de largura. 

Em distancia considerável abaixo encontra-se, 
também á direita , a embocadura d' outro com trin- 
ta braças de largo. A pouco espaço dois morros 
fronteiros , e pouco distantes o estreitam , e uma 
ilha alta o reparte em dois canaes d' oito a déz 
braças de largura, e igualmente rápidos. Com três 
horas de viagem encontre-se uma cachoeira de con- 
siderável altura, cuja zoada, e evaporação a an- 
nunçiam a quem delia está ainda longe. Segue-se 
a embpí:adura d' outro , ao menos apparentemen- 
te , igual ao mesmo Tapajóz, que fica mui largo; 
porém jmmed latamente he reduzido por dois mor- 
ros lateraes a pouco mais de cem braças de largu- 
ra , que também logo perde , alargando para mais 
do ordinário ; e recolhe também pela direita outro 
com trinta braças de largo , profundo , apressado , 
e d' aguas anegreadas. He rTavegação de três ho- 
ras de barra a barra. Nas praias destas paragens 
acham-se em grande quantidade dvos de cágados 
hr a cajás. Ç6g) 

' ^6^ Hum 4o5 primeiros Cçrumstas^ que andaram par 



De Mato Crasso. 



fit 



Na margem do Rio Preto, no lugar onde as 
canoas aportam , está principiando uma povoaçãa 
para commodidade dos navegantes do Tapajoz. 

Tapfiraquia, 

Esta comarca, á qnal se derivou o nome diu- 
rna das nações , que a occupam , tem ao Norte a 
Xingutania ; ao Poente o rio Xingu , que a separa 
da dos Arinos ; ao Sul a Bdrórónia ; e ao Oriente 
o rio Araguaya , que a divide da Nova Beyra. 
Tem o mesmo comprimento que a dos Arinos de 
Norte a Sul , e sessenta a setenta léguas de Leste- 

Oeste. 

Â' excepção da raia oriental , ao longo do Ara- 
guaya , o resto do paiz. Iiíí incógnito , por falta 
das relações dos que nelíe entraram em outro tem- 
po. Entr' outras nações , que o dominam , nomêam^- 
se os Guapindayas , os Tappiraques ou Tappi^ 
rapes que llie deram o nome , os Ximbiaás , o§ 
Aracis ou Araés, 

Aparte meridional he regada por vários rios: 
os mais nomeados sam o dos Boys , o Barahú , o 
das Trahijras , e o Xanacy ; todos ramos do gran- 
de XingÍL ; mas não se sabe qual seja a sua prin- 
cipal cabeceira. Os que principiam mais a Leste > 
formam o rio de S. João , que desagua no Ara- 
guaya , obra de dezaseis léguas áo Norte do no 



iir^ 



:4i 






^ este palz em busca de oiro, entroutros muitos nos encon- 
trou um que denominou Rio Freio , o qual paiece ser diverso 
^o em que Viegas , e França embarcaram; e outro , ao qual 
por desaguar por três bocas chamou Hio das Ires barras» 
Quereiíi als^uns que estes três derradeiros confluentes do Ta- 
paióz sejani os braços do das Três Barras ; mas o Viép,a» 
nota que o Septentrional he dVaguaS preras , o que pareça 
provar não ser elie meaibro dos outros. 



312 



Provinda 



das Mortes. Ao Sul da sua embocadura ha uma 
grande íagôa que communica com elle , e com o 
que o recolhe em quanto cheios. Não loage das suas 
cabeceiras , segundo cpntam , está o celebre , e 
encantado descuberto dos Martyrios , attribuido ao 
famozo BardioIomeuBuenno quancjo pela primeira 
vêz entrou nas terras dos índios Aracys ; e que, 
segundo dizem , tomou o nome d' alguns instru- 
mentos , que tiveram uzo na Payxão do Redemp- 
tor , toscamente figurados num rochedo tantas ve- 
zes procurado depois, e sempre debalde. (70) 

Pouco mais de vinte léguas abaixo do rio de 
S. João sahe o das Vertentes , que vem de longe , 
e passa junto d' hum monte em grande parte es- 
calvado. 

Hum pouco ao Norte da reunião dos dois bra- 
ços do Araguaya , que formam a grande Tlha de 
Santa Anna , está a embocadura do rio d^i Ponta, 
que dizem não ser considerável : e pouco mais abai- 
xo a do rio dos Tappiraques , assim chamado por 
se formar no território dos índios do seu nome. - 

Ao Norte do rio dos Tappiraques , sobre a 
margem do Araguaya no espaço de vintequatro 
léguas se fundaram as três Aldeias Lappa , Almei- 
da , e Sernancelhe para habitação de varias fami- 
iias do Gentio X//72Z)zí/(i , reduzidas ápáz no anno 
de mil setecentos setenta e cinco: as quaes , pas- 
,sado pouco tempo , tornaram ao seu natural modo 
de. viver. He gente apaixonada pela caça, e pes- 
caria , donde tiram o forte da sua subsistência. 



\ 



C70). K quem nos certifica a nós , que este celebrado cer- 
tanejo não quiz iliudir 03 seus patrícios , assim como fizera 
com os ignorantes índios, capacitando»os que tinha artes para 
seccar ainda os maiores rios , incendiando á vista delles uma 
porção d' agua ardente num prato, por cuja cauza o denomi- 
^ayaiji d^aíli por diaate mhm^mra^ isto Jje ãaho vdho. 





Ve Mato Grosso, 



313 



Os primeiros certanístas , qiie entraram nestes 
territórios , matando algumas perdizes , acbaram- 
Ihes granêtes d* oiro nos papos; prova de qne o 
lia em mais , ou menos conta; e encontraram vea- 
dos brancos, e abundância de Ccíça d' outras dK- 
fcrentes espécies. 

A' primeira vista parece que só copiozas mi- 
nas de oiro , ou prata , das quaes ainda náo ha 
certeza , poderíío fixar colónias nesta , e nas duas 
derradeiras comarcas , que alíàs pelas suas longi- 
tudes deverão continuar séculos no mesmo estada 
tm que se acliam. Porém a fertilidade dos territó- 
rios ^ a facilidade do transporie das produções pe- 
los grandes -rios que as fertilizam; ^2. quinna ha 
poucos annos descuberta nas cabeceiras do rio 
Cuyabá , e que não pode deixar de apparecer nas 
dos gue correm contra o septentrião ; os cacauzei- 
ros , as Pucheris ou arvores do cravo, as do/;<- 
churim ^ que fazem a riqueza das provincias li- 
mitrofes do Norte , e devem prosperar ao menos 
nas partes septentrionaes d' estoutras , não fallaa- 
do na procligioza colheita que se pode fazer do 
algodão, sam conveniências para attrahir colonos , 
^ íaz^r Um povo abastado. * 



Tom. l. 



Ri 




VII. 



província 



]> í 



G- o Y A Z. 



Eve principio esta Província no anno de mil 

setecentos quarenta e nove , sendo athé esse tem- 
po limá comarca ou Ouvidoria de S.Paulo, crea- 
da em setecentos trinta e sete; e colonizada poí 
itiineiros. 

A primeira noticia de haver oii-o neste terrí^- 
torio foi dada por Manuel Corrêa, natural da 
viila de S. Pauio de Piratininga ; o qual entra- 
iihando se pelos sertões na diligencia , que o abu- 
zo então suggeria , além da preza , trouxe dez 
oitavas deste metal , qne deu para adju tório d'uín- 
Diadema , com que ^ devoção dos Fieis coroou % 
Sagrada Imagem de Mossa Senhora da Penha M 
villa de Sorocaba: constando cl' um roteiro, que^ 
se lhe achou por sua morte, que aquelk oiro ha- 
via sido tirado com um prato de estanho no no 
dos Ar a eis ; e que para chegar a elle , passara^ 
outro assaz caudalozo. Ignorámos a época deste. 

successo. 

Saccedeu-llie, pelos aiinos de seiscentos c se- 
tenta , na mesma diligencia Bartholomeu Bucnno , 
que levou em sua companhia um filho do mesma 
nome com doze anãos de idade; e demorando-se 
aliíiim tempo na vizinhança do sitio , onde hoje 
€stà a GapitaK observou que asmulheres tíoGen- 
ÚQ Goyá , scnhox da^^uelle districto . se, oraa^am 



^^ 





P. De Goyàr;. 



i^$ 



com folhetas do mencionado metal . taes quaes 
appareciam nas torrentes. u- ^m 

^^ O desciibrimenco das minas do Ciiyaba em 
n^il setecentos e dezanove fez recordar a i^arUio- 
lomeu Bueno filho (porqne o pay era ja ia^l^*^;?^;^^ 
o oiro das terras do Gentio Got/a: e dando disto 
parte ao Governador Rodrigo Cezar de Menezes, 
este o enviou no anno de setecentos e vintedois 
com uma numeroza comitiva , e cem espingardas. 
Buenno , perdendo a memoria dos smaes , 
cjue deviam í^uiallo ao districto de Goyá.^, , mar- 
chou mais ao Sul , e foi ter a um rio , em cuja 
margem se demorou com a comitiva por alguns 
dias : e porque alli fizeram uns pilões para pre- 
parar âl.nim mantimento , lhe deram o nome cie 
KÍG dos Pilões, E averiguando se alli havia oiro, 
o acharam em boa quantidade. Com este acoute- 
cimento houve uma grande deshav^nça entre os 
companheiros; porque considerando-se extravia- 
dos , eram alguns de parecer, que, visto haver 
Oiro no sitio , se demorassem mais tempo , para 
aproveitallo. Instou porém Buenno em procurar o 
districto do Gentio Goyá ; e cuidando lhe ficasse 
ainda ao Poente , marchou por alguns dias a este 
rumo athé encontrar um rio , ao qual denominaram 
Bio da Perdigão, por se consideíarem já de to- 
4o fora do rumo de Goyà^. Continuando , sem 
embargo disto, a mesma marcha, encontraram 
outro maior ; e depois deste ainda terceiro , ao 
qual puzeram o nome de Rio das Áreas , em ra- 
zão de correr por um alveo d'arêa naquella pa- 
ragem ; e adiantando mais a jornada contra o Poen- 
m , acharam outro , que denominaram Rio Rico ^ por 
cauza do oiro que também nelle descubriram C7V- 

Rr ii 



(IS. h ri 



I 



m 






(yi^^ssina a MS. Historia Goyanaa. 



3.1 6 



.'-Prodíntta :\ 



>^ Perdidas de todo as esperanças de encGncràí 
o dezejado districto de Goijáy^, retrocedeu Biieii* 
Bo; e depois: duma prolongada, e enfadonha 
jornada foi ter ao no Parannan , onde se consi-. 
^derau ainda mais, perdido , por encontrar nauuelíe 
>sertao smaes etrtos de gado vaccum , que ao de- 
pois se conheceu ter vindo da margem do rio de 
.6. i^rancisco , buscando melhores pastos. 

Depois de três annos de diligencias frustra^ 
.das em busca do encantado arranchamento do de- 
liinto Buenno pay , chegou o nosso Certanista a 
^. Paulo com uma parte da sua comitiva ; haven^ 
,do sepultado a outra , mortos uns. de doenças . 
-outros de dezastres. 

A pouca idade de Buenno quando acompa* 
iiiiara seu pay ao mencionado districto , e cin- 
.Goenta aiuios de intervallo desculparam-lhe o máii 



Homens antigos, qne pelos annos cie mil setecentos e 

setenta conversaram alguns companheiros de Buenno / ne- 

gam que o no que de largos tempos tem o nome de P/^ 

loes,, e hQ um ramo do tártara, seja o mesmo a onent 

aquelle Çertamsta dera esta denominação , mas sim Qmro 

mm diverso, e que he um dos primeiros ramos do r /q 

Haro, o qual fica grande distancia ao Sueste d'estouíro; 

afirmando que^ Buenno, quando se perdeu, passara ao Sul 

í\^ seixTi Escalvada , ao longo de cuja falda septentrional 

marcharam outros, cert^nistas no anno de setecentos trin. 

ta e um ; os quaeS por observarem que este rio corria pof 

\im terreno aurikro ^ se persuadiram ser eile o mesmo a 

^ae Buenno chamara Rio dos Viroçs i ^xmtnáo ainda que 

o K/o da Ferdjç^to fique ao Nascente daquelle , e nao ao 

•loente como ensina o me!'cionado MS. O certo he quê 

tanto a. Carta. Topográfica da Provincia , como a das destes> 

súQs d Urbano do Couto , e Francisco de Bulhões põem q 

no da Ferãição muito a Leste das cabeceiras do f?ío C/a- 

ro , procurando o Sueste ; e nenhuma das outras , que eu 

VI > o poe ao occidente do actual rio de Filões, rama cto 

tártara^ 



Be Goija^\ 

«*iTCcesso ; e coido era homem de probidade ecnlie* 
cida , o mesmo Governador o tornou a enviar ao 
mesmo descubrimento com todo o soccorro neces- 
sário , no que foi m.ais bem succedido ; porque de- 
pois de alguns mezes de marcha por sertões sem 
caminhos , encontrando a cada passo torrentes 
(quando não eram outros obstáculos peiores) que 
lha demoravam, chegou a uma bocaina, duas lé- 
guas e meia dtstanie do lugar onde hoje está a 
Capital ; e achando indicios de que naquelle si- 
tio já haviam estado Portuguezes em outro tem-, 
'P o , fez ai li rancharia. 

Apanhados dois índios anciões Cqne logo se 
tõnheceu serem de nação Goyà^ e inquiridos se 
•sabiam do lugar , onde noutro tempo estiverain 
'homens Brancos arranchados , responderam que 
•tião estava longe : e levantando o alojamenta 
'guiados pelos dois Indigenas , foram ter ao lu* 
gar , onde hoje está o arrayal do Ferreiro , que 
Buenno logo conheceu ser o sitio , onde estive-? 
ra com seu pay ; ainda que eram passados tantos 
annos ; e logo nelle se estabeleceram para fazer 
as averiguações respectivas ao projecto da jornada. 
Tornou o afortunado Buenno á Pátria comi 
a noticia de ter achado o lugar, que procurava ^ 
e nèlle cinco torrentes , todas com bastante oiro , 
do qual aprezentou uma porção assaz considerá- 
vel : em consequência do que voltou logo á sua 
colónia com o emprego de capitão mor regente 
Bo anno de mil setecentos , e vinteseis. 

Chegado ao seu novo arrayal cuidou logo 
no modo de viver em paz , e boa armonia com o 
nnencionado Gentio , único naquelle districto , e 
d© qual vem o nome áProvincia. Porém temendo 
.este que se lhes armasse alguma traição , como ha- 
viam praticado os outros, que alli apparecerard 
'largos aunos antes , foi postar-se armado no lu- 



St8 



Provineim 



gar , ande hoje se vê o arrayál da Barra, Porém 
uzando Biienno da máxima de lhe prender algur 
mas mulheres , logo pediram paz , oí¥erecendo-se- 
ihe para hirem mostrar os sítios onde havia maior 
quantidade de oiro , que eram onde agora cha- 
mam Ponte do Meio, E com effeito > logo nas pri- 
meiras bateadas se tirou uma, que apurada. deu 
meia livra d' oiro. Todos trabalhavam contentes 
$em inveja aos de Cuyabá. 

Esta noticia , e a dos perigos , a que se ex- 
punham os que passavam ao Cuyabá , fez acudir 
tanta gente no decurso de dois annos , que ©s 
mantimentos, com que diariamente ciiegavam car- 
regados numerozos comboyos de S, Paulo , par^ 
onde só havia estrada , não eram bastantes para 
a sua subsistência. Tudo se vendia por um preço 
exorbitantíssimo. Hum alqueire de íniliio custavai 
seis , e sete oitavas de oiro ; o de farinha de 
mandioca dez : uma vacca de leite , que alli 
^ppareceu , comprou-se por duas libras do mesmo 
metal: eum porco por vint'oito. Quem não que- 
ria dar duas oitavas d' oiro por uma livra d'as- 
sucar , ficava sem ella : e tudo o mais á propor- 
ção. Os recoveiros enriqueceram: para tanto , c 
muito mais rendiam as minerações. 
■"' Muitos fizeram boiças e lavoiras para suprir 
com as produções a falta , que padeciam de vi? 
*Veres ; e" para não se desaperceberem tão sen- 
sivelmente do rendimento do seu insano , e con- 
tinuado trabalho. Os que se rezolveram a este 
nobre , solido , e innoçente modo de vida , ajun- 
tavam com menos dispêndio tanta quantidade d' 
oiro , (então única moeda corrente no paiz) co- 
mP os pjoprios mineiros. 

Esta Província , que lie a central , e uma 
das maiores do Estado , confina ao Norte com as 
dg Pará,, e M^ranhaín , ao Poente com a , de 



De Goyaf. 

Cnvabá, da qual he separada pelo rio Aragua- 
ia ; ao Meiociia com a Camapiiania , e com a Pro- 
lincia de S Paulo; ao Nascente com a de M.nas 
Geracs . e Pernambuco ; das quaes he separada 
por uma cordilheira lançada Norie-Sul . pedrego- 
la , escalvada , e que só dá passagem nas maio- 
fés quebradas, denominadas loqueiroes: tomando 
cada porção seu nome particular ; sendo as sep- 
tentrionaes as mais elevadas. Seu comprimento 
he duzentas léguas com pouca differença contadas 
11 influenciando Aragu^ay com oTuçantins atl)^ 
a do Rio Pardo com oParanna; e a largura pro- 
porcicnada. ]az entre os seis . e os vinte e ura 
I áus de latiiude Austral. S6 chove . em quanto 
duram as trovoadas, que principiam em Outubro , 

e findam rm Abril. j^.s„„„t - 

A face do paix quazi geralmente desigual, 
e em poucas cartes ir.ontanhoza he quaxi por 
toda a parte cuberta de matto carrasquento ,^ 
que chamam canngas. O teireno f h.itcnnco 

ende ha bosques, dos q"^" "«V >. MeiV 
se exceptuarmos os distnctos da Capital . Meia- 
Snte . Vilar . e Santa l.u.ia pelas /"«f "^^^^"^ 
fio Ccrumhá. Admira-se o chamado ^^^^-^^l' 
so de nove léguas de largura na estrada deMm- 
ponte para a Capital no centro deste intervaHo. 
1 cujo comprimento esiende-se do no das Almas 
athéio centro da Cayaponia. 

Mineralogia. Oiro , diamantes , cristaes , gra- 
aito . pedra calcaria , mineraes de ferro , loizas , 
sal-gernma , diversidade d' argilas (7i?.> 



fni) o maior Quinto foi de cento sessent» e revê 
„;i ,e oitenta oitavas de oiro eii mil se.ec.mo. c.rc<^n- 
1 etres; c o n.encr d'on7e mil p.tocentcs ncvt. ta e 
"ove U oitocentos « sste. Alguns nuneircs tiéteníltm t,ua 



310; 



■Prov 



inciãx 



^s 



J ^^ 



Zoologia. Abunda de gado vacciím': as cabras 
sam poucas , e quazi inúteis ; as ovelhas pouca 
mais nuijitírozas , e ureis ; porque ainda não se 
Mies aproveita bem a lan , com a qual podia já 
haver alguns ramos de iJidustria: dos porcos pou* 
CO mais se criam do que os necessários para a 
consumo no paiz : criam-se também cavallos , en- 
tre os quaes os do Parannan sara os melhores,. 
Os veados por toda a parte numerozos fornecem 
com suas pelies um ramo de commercio. As on-. 
ças , antas , porcos do matto , lobos , ou guarás i 
macacos , tamanduás, rapozas , .cotyas , quatys ,. 
pacas com outras muitas espécies de quadrúpedes, 
communs ás provincias con vizinhas sam aqui mui, 
conhecidas, e geralmente perseguidas : d' umas 
aproveita-se-lhes a carne, d' outras a pelle , e d' 
algumas uma, e outra. As perdizes , e emas en- 
^c^ntrara-se frequentemente nos descampados; os 
mutuus habitam nos bosques , e com seu lúgubre 
canto chamam o caçador, que nao lhes perdoa: 
conhecem-se htin os tucanos , os pombos torqua- 
Z€s , as aracuans , as arapongas , os jacus. Gran- 
de parte destes viventes morrem frechados pelos 
salvagens , que os comem sem sal , nem algum 
outro tempero. 

Phy tologia. Ha variedade de plantas mediei- 
naes ; diversidade de palmeiras ; arvores quc dará 



Á 



este metal está quazl exhauriclo ; e por certo qne a dirni* 
nuiçdo he vizivel ; porém homens inrellígentes assentam 
que aquelles athigora não tem feito roais que arranhar a 
terra, e que as vercUdeiras minas estam ainda intactas no 
centro dos montes , que sam as verdadeiras mâvs dos me- 
taes : e que o oiro , que se tem achado nos rios, e cam- 
pos, foi o que na anriguida le estiva á superíicie dos nioiTi- 
te^ dou le desceu com as aguas das chuvas, que diaria- 
iBisate os diminuem. 




De Gofjar^: 



321 



casca para airtiimes ; boa cinza para decoadas : 
conbecem-se os grandes jatubás , que suam agom- 
ina coppal ; os angicos que dam outra alambrea-f 
da : o pau bray^ií , e o estimado Sebastião d' ar-^ 
ruda sam quazi inúteis por cauza da grande dis- 
tancia , em que ficam dos portos. A planta do ta* 
baço recompensa bem o trabalho , quando culti- 
vada em terreno substauciozo , ou bem estercado: 
do frticto das mamoneiras se cxtrahe azeite para 
luzes : o algodoeiro prospera em muitas partes , 
e a sua lan fomenta um ramo de Industria , que 
começa a variar a beneficio do povo : as cannas 
do assucar sam cultivadas em vários dlstrictos , e 
entretém muitos engenhos ; do ^seu sueco a maior 
parte he reduzida a agua-ardente , e rapaduras. 
Farinha de mandioca, milho, e legumes sam as 
mais abundantes produções da agricultura. Por 
toda a parte he conhecido o fruto áo araçazei- 
ro , e annanazeiro; da mangabeira, goyabeira, 
e bannaneira: as jabuticabas sam graúdas , e os 
ambús de varias qualidades ; as laranjas , e me- 
lancias sam boas: as w.armeladeiras multiplica-, 
das em alguns sitios meridionaes , seú fruto do 
tamanho, c forma de laranja, e athé com cascci 
grossa , mas anegreada quando maduro , tem uma 
polpa agridoce , .e desenfastienta , que faz lem- 
brar a marmelada, com cujo nome he conhecido. 
As maçans não lizonjeam a vista , nem o pala- 
dar: os marmelos sara pequenos , e mui insípidos ; 
porém faz-.se delles boa quantidade de doce. As 
videiras tomam um <:rescimento , e grossura notá- 
vel em muitos districtos , e frutificam abundante- 
mente duas vezes no anno : com as uvas da es- 
tação secca se faz vinho , que ainda não he pas'-- 
sageiro : as do inverno sd servem para vinagre,' 
que supre bem o europeu. A planta da cochoni- 
lha he conhecida, e inútil po7 toda aparte; e 
Tom. I. Ss 



3^2^ 



Provtnciú, 



o terreno miii apropriado para o anil em vários, 
sitios ; mas ainda não começou a sua cultura. As.» 
produções desies dois vegetaes, em razão da sua. 
preciosidade , sam as únicas , que os agricultores, 
podiam conduzir aos portos maritimos com inte- 
resse considerável, e seguro. Dizem haver tam- 
bém as arvores do incenso., séne , e manná ; cam- 
peche , e uma espécie de ruybarbo (73). 

Oiro, e gado sam os únicos objectos d' expor- 
tação , que introduzem no paiz o que o luxo, e 
as necessidades da vida requerem de fora. Se um 
pouco de algodão em lan , ou tecido com alguma 
courama se conduz aos portos orientaes , he unica- 
mente por não levar de voluco os animaes , que 
vam buscar as indispensáveis fazendas sêccas , mo- 
lhados , sai , e ferro.; aliás não pagariam metade 
das dispezas da condução. 

Os criadores de gado, e os Senhores d' enge- 
nhos sam prezentemente os únicos , que podem 
viver independentes , querendo proporcionar as 



C73) Em Setembro cr oitocentos e doze. approvou S. A. 
K. o Príncipe. Regente N. S. o plano posto para o estabe- 
lecimento cf lima" Sociedade de commercio entre esta Pro- 
víncia e a do Pará. O fundo não deve ser menor de cera 
mil cruzados. O estabelecimento d' Armazéns, e Prezidios nos 
Sitios mais apropriados com outras providencias , qne vam 
lomarse para facilitar a navegação do. Matanham , € Tucan- 
tíns desde Arroyos athé Porto- Real , onde quazl terminam 
os obstacnlos , que a dificultavam dalli para cima , não pc- 
tíem deixar de effeiruar os vantajozos projectos. Aos Sócios, 
que entrarem com dez mil cruzados, còncede-se, além d'ou- 
iras graças, uma sesmaria de meia legua de terreno em fren- 
IC", e légua e meia de fundo na margem do Maranham , Tu- 
çantins, e Araguaya : e aos que forem estabelecer-se quer 
2ias margens , quer nos sertões daquelles rios , concede-se a 
ízenção dos Dízimos de saas culturas , e dos Direitos d' en- 
^ trada no8 géneros de commercio jiavegados pelos jiiesmos rio8. 



p^ 



Dê GpyãT^^ 



3^5 



dispezas com os lucros : o mesmo se p 6 de dizer dos 
mineiros , e negociantes , quando sam favorecidos 
da fortuna. Ninguém aqui experimenta fome. A 
agricultura lie proporcionada á população: só a in- 
dustria pode fazer crescer uma , e outra. 

Rios. O Tucantins , oAraguaya, o Corumbá . 
o Paranná , o Paranaliyba , sam os principaes , e 
os que recolhem todos os outros , que em grande 
numero regam a Provincia. 

A principal cabeceira do Tucantins he o rio 
Uruhú , que principia na falua meridional da serra 
Doirada pouco distante da Capital para o Sul ; e 
depois de vinte léguas , ou pouco mais de curso 
contra o Nordeste perde o nome confundindo-se 
com o rio das Almas , que não lhe he inferior, 
e desde sua origem na falda dos Montes Pyren- 
néos vem procurando o Noroeste com igual nume- 
ro de léguas. Este depois de vintecinco , ou com 
pouca diíferença , contra o Nordeste perde também 
o nome unindo- se ao rio Maranham , que lhe he 
pouco inferior no volume , e extensão; e cuja ca- 
beceira principal está na lagoa Forrno7^a, á qual 
dam. quatro léguas de comprimento , e meia de 
largura. Seu curso he ao Noroeste ; e coiza de três 
milhas ames de se juntar com aquelle , na passa- 
gem para o Arrayal d' Aguaquente , tem cento e 
Sessenta braças de largura ; e um pouco acim^ 
corre por um alveo de rocha tão apertado que sd 
tem ciiicoenta pés de largo. Nesta conflneucia ^ 
onde fica assaz caudalozo , endireita para <) Norte, 
descrevendo pequenas tortuozidades , e engrossan- 
do sensivelmente com os muitos, que se lhe unem 
especialmente pelo lado oriental. (74) 
" Ss ii 

("74. ^ Pouco abaixo da confluência do rio das Almas com 
o Marnuham , quando este arravessa uma cadein t!e colimas ; 
está a grande catadupa 4o Facão ^ que nem deixa descer as 

canoas. 



Província' 

Quarenta legiias abaixo daqiielí-i confluência 
se lhe junta pela margem direita o grande Para- 
ti at ingá , que toma este nome oito léguas acima 
da sua embocadura na confluência do rio Para^ 
nan com o da Palma , que ven] da raya ; o der-* 
radeiro procurando o Poente , o outro , que hc 
limito maior , o Noroeste desde sua origem na ser-* 
ia do General atravessando um terreno doentio , 
e abiindante de pastos , onde se cria grande quan-i 
tídade de gado vacciím , e cavallar. 

Na confluência do Paranatinga , que se crê 
estar na latitude de doze graus , e um terço , to- 
ma o Maranham o nome de Tucancins , e o con- 
serva atile se perder no Ocean® abaixo da cidade 
do Pará. Peito de vinte léguas ao Norte daquella 
confluência desagua na margem esquerda o consi- 
derável Cannabrava ', eum pouco abaixo pela di- 
reita o considerável rio de Manuel A/ve^ , que sahe 
da serra do Duro , porção da cordilheira que limi- 
ta a provincia , e traz com sigo as aguas de mui- 
tas ribeiras , que se lhe unem por um e outro la- 
do no espaço de quarenta léguas que lhe dam de 
curso. Hum pouco ao Norte sahe na esquerda o 
abundante lio das Tabocas , que tem. suas cabe- 
ceiras junto da serra do Estrondo. 

Obra de quarenta léguas ao Norte do men- 
cionado Manuel Alvez entra também na margem^ 
oriental o rio do Somno assaz volumozo ; e depois 
de pouco maior distancia sahe outro de Manuel 
Alvez , maior que o primeiro do mesmo nome , e 
serviu athégora de limite septencrional á parte' 
oriental da Provincia. C75) Ambos estes rios vem 



(7.^) Motivos plauziveis tern uliinviniente ítito esten? 
«ler a provincia para o Norte do rio de Manuel Âlvex , a fim 
de se effeituar a emj)re2.a dos estabelec meiítos para o me- 
Ihoranaento da agricuUura , e povcajao nas ad;a;$nçias &ricn-' 



Dâ Coya^^ 



r^s 



da raya atravessando terrenos povoados de Gen- 
tio malfazejo. Pelo penúltimo subiu no principio 
lima companhia de curiozos com o intuito de ejc- 
piorar em tão má hora , que nunca mais houve 
noticia delles ; o que fêz dar ao rio o nome que 

O designa. ^ . i • 

Poucas milhas abaixo da confluência do no 
de Manuel Alves ( o Septentrional ) descreve o 
Tucantiiis uma considerável reviravolta quazi cir- 
cular pelo oiiente, tornando m.ui perto do lugar, 
onde de repente mudou de rumo , e immediata^ 
mente descreve outra em contrario pelo poente , 
formando duas peninsulas , a primeira de íigura 
circular , a outra em forma de adarga oii^ oval. 

Perto de trinta léguas abaixo na latitude de 
seis graus se lhe encorpora pela esquerda o Ara- 
guaya , ainda mais volumozo , com o qual fica 
assaz largo , e aprazível ; e continua ao Septen- 
trião , descrevendo menores tortuozidades , e alar- 
gando. Quando passa pela villa de Cametá , tem 
ja três léguas de largura. A maré sobe mais cie 
sessenta léguas athé não muito longe da paragem' 
denominada Itabóca, que quer ávi^r pedra furada , 



taes do Tiicantins debaixo dos -anspicios dos Govenií^dores da 
mesm-J província. Se a empreza prosperar , segiiiido %t deze- 
ia , e aiíoura , os habitantes do accrescentaoienio , passados 
tempos^ naruralmenle hão de esquecer se da Capital, íjue- 
rendo fazer corpo com o povo ^ que lhes consome as suas 
produções, e os fornece do necessário, que nao lhes pede, 
vir de Villaboa s hâo de querer ser dioceziros do Bispo , a 
cuja prezença podem fazer chegar seus requevirnenros em pou- 
cos dias; hão de jíreferir para dccizâo de seus litigies a Re- 
lação do Maranhão, onde podem prezentallos em [cucas se-^ 
man^iS , e com pouco dispêndio. O lovo deste rcvo canT^o 
ha de fazer ver j^ara o futuro ao Soberano as vanta cns ^ 
que lhe rezulta de pertencer á PioviKia do Grau; Pará , a 
qu-a! tornando ao antigo, e natufàí iimUe j terá a lar^ua 
piopoiconada aoseu coiíiptimento. ' 



$^^ 



.província- 







onde o rio forma , em curto espaço , três cachoei-, 
ras , que obrigam a descarregar as canoas tanto 
na snbida como na descida. O roteiro de Manuel 
d' Oliveira Bastos conta vintenove léguas da con» 
fluência do Araguaya atlié Itabdca , e desta para- 
gem athé Cametá trinta e quatro. O Paratinga ^ 
que chega a oito pés de comprimento com grossura 
proporcionada ; e o Jahâ sam os maiores pescados 
do Alto Tucantins , que , segundo dizem , não he 
piscozo. 

O Aragnay ou Araguaya he quazi tão ex^ 
tenso como a mesma Província , á qual serve de 
limite Occidental, como se disse, desde a emboca- 
dura athé a origem da sua principal cabeceira , que 
fica nas vizinhanças da do Hypiaughuhy , e diz- 
se ser o rio Bonito , o qual depois de recolher pelo 
lado Occidental o rio dos Barreiros , e pelo orien* 
tal o Cayapó , toma o nome de Riogrande com 
que he designado quando atravessa a estrada do 
Cuyabá. 

O primeiro rio considerável, que se lhe junta 
pela direita depois de ter atravessado a menciona- 
da estrada , he o Riocloro , que vem do Sueste , e 
traz comsigo o rio da Fartura , cuja origem íica 
píoxima á do Uruhú. 

Obra de quarenta léguas ao Norte recolhe pela 
mesma margem o Rio vermelho , que atravessa a 
Capital ainda pequeno ; e poucas léguas abaixo 
recebe o das TÍ7^oiras de pouco menor volume, e 
extensão que o precedente; e obra de oito adiante 
se lhe une o rio Cri xá pouco maior que os outros. 
Todos três vem do Sueste, e neniium com menos 
de sessenta léguas de curso. Pelo central he que 
se tem navegado athé hoje da Capital para a ci- 
dade do Pará. 

Oito ou dez leguias ao Norte da foz do Çri- 
xá, que também he navegável 3 e tem salina^ n^,; 



""^^ 




Ve Goya^. 



3^7 



sua vizinliança , se divide o Aragiiaya , na lati- 
tude de doze graus e meio , em dois Braços pouco 
desiguaes , que se reúnem no parallelo de nove e 
meio , havendo formado a Ilha de S.Anna , aliás 
do BannanaL de sessenta léguas de comprimento , 
e boa largura : na qual contam haver uma lagoa 
vasta com desaguadoiro , mas não nos declaram para 
qual dos Braços. O occidental, conserva o nome 
de Araguaya , o oriental toma o de Furo , e por 
elle se íaz coramumente a mencionada navegação. 
Em ambos se encontram cachoeiras, e grande nu- 
mero de ilhas geralmente pequenas , baixas , t; pela 
maior parte inundadas durante as grandes cheias. 
As margens do Furo sam mais baixas que as do 
oiitro Braço , por ctijo lado occidental desaguam 
vários rios , que o engrossam consideravelmente : 
o principal he o rio á^s Mortes , que vem do cen- 
tro da Bórórónia com oitenta léguas de curso , e 
desagua dez ou doze ao Norte : da ponta meridio- 
nal da Ilha deS. Anna , em cuja extremidade sep- 
tentrional as margens do Araguaya se elevam um 
pouco athé a confluência com o Tucantins , onde 

perde o nome. (7^) 

Q rio Corumbá tem sua origem próxima a, 
do rio das Almas na vizinhança dos Montes Py- 
renêos , corre vasto espaço descrevendo um gran- 
de semicírculo pelo oriente ( onde recolhe entr'ou- 
tros o rio de S, Barthoiomeu^ athé chegar ao me- 



" (76) Nâo sei se a latitude desta coní-Uiencia tem sido 
astronomicamemc observada. Os Geógrafos do Pará poem-na 
(.cuido que por informação dos canoeiros ) em cinco graus : 
as primeiras cartas desta provinda , ás quaes me encosto , 
sem com tudo aííiançar a sua certeza, irazem-na em seis 
^ráus : a modernissima do curso do Tucantins ira-la em três 
èráus e meio, isto he, dezasete léguas Portuguezas ao Sul 
da villa de Cametá , que segundo as observ?.ções d' li abe is 
Pilotos está e^ dois graus , e trinta e çjuatro jninutos i 1 



B^S 



Prúvtncitt 






ridiano da siia própria nascença, onde recolhe pé-v 
la direita o rio do P^íxí*. Obra d* oito léguas abai-, 
xo se llie une pela esquerda o rio do Veríssimo ^ 
qtie vem de longe, e traz as aguas dVontro clia-; 
juado Braço do Verissimo, Depois de largp espa- 
ço perde o nome encorporando-se com o caiidalo- 
zo Pamahyba , que serve de raia á provincia de 
Minas Geraes por algumas milhas athé a foz da 
rio de S. Marcos , sua cabeceira septentrional ,: 
qtie vem fazendo a mesma divizão em contrario» 

Abaixo da embocadura do Corumbá se une 
com o Paranahyba o considerável rio das Velhas , 
cuja principal cabeceira lie vizinha da doAnday- 
liá na raia de Minas Geraes. 

Muitas léguas abaixo da confluência do rio 
das Velhas está a do mesmo Paranahyba com o; 
Riogrande , limite da Provincia , como se disse. 

Nas vizinhanças da confluência do rio das, 
Velhas recolhe o Paranahyba pela direita o rio dos- 
Annícans , que he o mais considerável entre os 
que se lhe unem por este lado , e tem sua origem 
no mencionado bosque de Matogrosso. 

Quazi todas as Povoações desta provincia exis-^ 
tiam ja quando ella foi creada , e entregue ao go- 
verno do Illustrissimo Conde d' Arcos , D. Marcos 
de Noronha; e nenhuma (excepto as do Meio- 
dia) deve sua fundação senão ao oiro. A jurisdi- 
ção do Ouvidor abrangia toda a provincia athé. 
que S.A. R. com o Decreto de dezoito de Março 
de mil oitocentos e nove a dividiu em duas co- * 
marcas, tomando a nova o nome de S. /o5o das 
Duas Barras 'y-à. outra conservando o da Capital. 
Cadauma delias comprende oito Julgados , incluin- 
do - o districto da Capital, uuica Povoação çom ti- 
tulo de villa athegora. 



De Goi/a^, 



329 



Comarca de Villaboa. Com. dâ S,J, das D. B, 



I. 


Villaboa. 


I. 


Perro Real. 


ir. 


Crixá. 


II. 


Natividade. 


III. 


Pilar. 


III. 


Lpncei.<,So. 


IV. 


Meia ponte. 


IV. 


Arrayas. 


V. 


S. Luzia. 


V. 


S. Félis, 


VI. 


S. Cruz. 


VI. 


Cavalcante 


VII. 


Desemboque. 


vn. 


Flores. 



VIU. Araxa 



Vllí. Traliyras. 



Como e^ta divizão , unicamente dirijida a in- 
dicar os limites da jurisdição decaclaum, não aju- 
da nem jntdiariarcente aioimar idéa do Paiz , sen- 
do extrema a desigualdade , <77) que entrVlles se 
nora, em razão da sua íi.aior ou menor população, 
pareceu-me acertado seguir a Natureza , que o 
repartiu em seis Cantões ou Districtos , sem maior 
desigualdade , e sepa-iados por limites viziveis. 

Huma Linlia tirada da foz do Par an ali yba pe- 
lo seu alveo arlié a confiu-encia do rio Annícuns i 
aguas deste aciíra subindo pelo rio dos Ecys atiié 
a sua nascença , cortando á do rio das Pedras , e 
por elle abaixo atlié o rio das Almas que a con- 
tiniía com o Maranham , e Tucantins , divide a 
Província em duas partes oriental , e cccidental 
que iití a maior. Cadauma das quaes he subdivi- 
Gicía em três grandes Discricios , ou províncias 
menores. 

Tc 



mh. Tl 



'lit' 



C77) O julgado da Capital fcou cem cento e scsseria 
lee^iias de compriíiiento Kcne Sul , e l^itiií^ picj cr ioníu a ; 
O à7k Conceiçcio estende- se I.este Oeste íPhin^a ?, ciitra iaia ; 
o do pilar r^o niY\ tiinta de c npiin tr.to ; o do beceh.bo- 
fa^, e do /írajtcí^sam iViíiiío^n.eLUies. 



'l; :. 



Z^o. 



Cayaponia. 

Goyaz. 

iNovaBeyra, 

Rio dasVellias. 

Paraanan. 

lucaiitins. 






!> Na Parte OccidentaL 

j ^ 

> Na Parte Oriental. 

j- . 

Cayopcma. 

A Coyoponia deriva o nome da Nação Catjúpn ; 
que de tempos immemoraveis ainda a occiípa. Tt-nií 
ao Norte o Districto de Goyaz; ao Poente a BcW 
fdrdnia , da giiai iie )íepaiada pelo rio Aragiiaya ;, 
ao Melodia a Camapiiania , de qrie he dividida 
pelo rio Pardo ; ao Nascente os rios Parannà , Pa- 
ranaliyba , e Anniciins , qae a separam o pruueirofe 
da provinda de S. Paulo , os outros do Districto do. 
rio. das, Velhas; A raia septencnonal corre pelos, 
montes, que se adiam no mesmo paraUelo da ia- 
^oa dos Pasmados y. situada jnnto ao rio do seu 
íiome na latitude de dezasete graus e um terço,, 
segundo as informações d' Urbano do Couio,, ©^ 
Francisco de Bulhões. Dam-lhe para mais d' oíten-i 
ta léguas Norte 'Sul , e cincoenta de largura mediai 

He a menos conhecida , não havendo ainda^ 
iiella estabelecimento algum de Ghristãos. Os Caya- 
pos , que a dominam (repartidos ainda,, segundo^- 
dizem , em varias tribus }' tem- sido íataes por ve--. 
zes aos comboyos Cuyabaaos , e invadido a pane 
gepteíitrional ciaprovincia de S. Paulo, onde cau- 
zaram a deserção de auitos estabeiecimenlos. An- 
elam nils cubriadx) so o que o pejo ensina a occul-. 
tar. Além dQ^>arcor,. e* í^eclia , armas communs a 
todas as ouXras. Baçóes Indígenas , uzam tambei% 




De GoiãT^. 



3St 



^de maça eom um covado de comprimento, de pau 
€SCoUiido , roliça na parte por onde se maneja, e 
espalmada com forma de remo na outra , toda bem 
vestida com cascas d' arbustos de varias cores , e 
tecidas á imitação d' esteira ; e cujo golpe iie fatal. 
Mel, peixe, frutas sylvestres, e caça sam o seu 
alimento. Os seus alojamentos principaes esram 
nas vizinhanças do rio Cururuhy , e pouco arre- 
dados da cachoeira d' Uruhú Pungá , onde vam fa- 
zer abundantes pescarias. (78) 

Os antigos Certanistas encontraram no inte- 
rior deste cantão varies rios procurando o Melo- 
dia. Seus roteiros fallam-nos d'um rio da Perdigão , 
que he ornais vizinho ao dos Annicuas ; mas não 
se sab- se se Hie junta ; faliam cio rio Tarvo\ 
do rio dos Doirados , do rio da Gaílera , ao rio 
dos Pasmados que he o mais occidental , e reco- 
lhe alguns dos mencionados , e sabe ao Paranná 
junto a cachoeira d' Urubupungá com o nome de 
Cururuhy: Faliam também" do rio Apj ary , que 
desagua no mes no Paranná muitas léguas acima 
daqueiia cachoeira; e de dois Cayapós tributários 
çouio o precedtate , e deile pouco distantes um 
so Sul, outro ao Norte , segundo as Caiias le- 
vantadas á vista dds j elações. 

1 1 ii 



C«8'> Ha tempos ffiie os Christãos não tem recebido 
hosMhdades desffs índios: he de prezun ir que elles li^rn 
cnin|>re-id do as vantí).'ícns ti' amizade , ccmo es Guavciirús. 
í-fin-lr> o R. Dí. |oam Fefeyra Thezouieiro-Ivlor da Catbe- 
dral de S. Paulo, em oitoceiírcs e dez, por cin iczi-iade j)ro- 
pria do emprebeudedor génio Paulista , obscivar ?,í]ueila h- 
inoza Caradupa , diegou lá em occazião qye fsn bcm^^ellcs 
aili aop^re eri-n ; e p.oríarann-se como conhrcií-es cu alliad.cs 
anr'íí^s : receberam agiTsdacidjimeníe as daíiivas cim que^a 
liberalidade do .generozo viajante os brindou > e deixaram 
iiir eiir sua companhia víiriai pessoas d'amijcs es sexcs, e 
differentcá idades, - 



SF' sih 



âSa 



Prcvuicíd 



.'i i.i 



á 



h . « 



O considerável rio Sucnríá , que desemboca 
pouco abaixo do Tietê , cojh^ se dis.>e , lie nave- 
ga v^el aclié peno da sua nascença, que íica ao 
Norce de Camapuaa , na raia da B irdrdn ia. DeU 
Je rolaram uns Ccrtaiiistas as suas canoas para o 
Piqiiery, que as levcu ao rio de S. Lourenço. 

O rio Verde, que também lie considerável, 
e d'agiias mui cristalinas., e excellentes , da na- 
vegação para o interior d' uma peiíinsula formada 
pelo precedente , e pelo rio Pardo , (limite meri- 
dional da província , como dissemos,) com o Fa- 
raó ná que os recolhe. A agua deste rio antes de 
tirada do seu leito parece tinta verde. "Nas suas 
margeas lia niattos mui íormozos , e de boa oia.-^ 
clçira,. 

Qoya7^es^ 

Este Dlstricto , ainda maior que o preccden* 
te , com o qual coníina pelo Melodia , tem ao 
Poente o mesmo limite da província ; ao Nascen- 
te os Districtos do Rio das VelJias, e o do Pa- 
rauan ; ao Septearrião a Nova Beyra , da qual 
lie separada em parte pela serra do Estrondo , 
e rio das Tabocas. A Nação , de quem se deri- 
vou o nome á província , aao^ era a única , que 
o dominava: ao Norte delia vivia o Gentio Cri" 
^á , cio qual os consquistadores deram o nome ao 
rio , que atravessava o seu território. 

Entr' outras serras , geralmeJite de mediana- 
elevação, nom^ea-se a serra Doirada na vizinhan- 
ça da Capital para. o Sul, esteadendo^se muito 
para o Poente : a serra Escalvada , que íica mais 
ao Sul com a mesma direção , e grande compri^ 
mento; a de Santa Mart/ia ao Sudoeste da pre- 
cedente; a da Seiítinilla , que se prolonga em. 
boa distancia com o rio Claro. Este rio , o Ver» 
mellio , o das Ti^^ouras, e o Crixá ja meaciona- 




De G^ictZ^ 



333 



^os sam os principaes deste Dlstricto?. O segun- 
do , que já dissemos ser aiivda pequeno quando 
airàvessd a Capital , começa logo a engrossar , e 
ía^er-se navegável com as aguas de muitos ounos- 
menores , que^se lhe junram^por um , e ouii o la- 
do ; como sam entr' outros o iibeirao dos Índios ^ 
o Tacoaral , o dos Tigres , e o rio da Cacheei- 
ra , que saliem da serra Doirada , e se lhe unem 
pela esquerda. O rio dos Bugres he a primeira 
torrente abundante, que se lhe junta pela direi- 
ta ; e o do Ferreiro a segunda. ^ ^ 
O rio do PeÍKC he um ramo do das 7 i7^ci- 



ras 



, e navegave 



Na parte septenírional nota- se o rio das CaU 
das, que he de curta extensão: sahe da lagoa 
do mesn o nome , e desagua no Maranham obra 
de quin-ze léguas acima do Paratininga. 

O rio át Santa Therev^a, e o Cannabráva , 
que saliem ao Tucanrins por uma mesma emboca- 
dura conHTíumente com o nome do primeiro , que 

lie o Hiais Yolumozo. 

[ Villaboa 
Povoações principaes { Pilar 

ICrixá 

Viiia Boa, a principio Arrayal de Santa An^ 
na , erecta no aimo cie mil setecentos trinta e 
nove , grande , populoza , e fíorecente he a re- 
zidencia do Governador , do Prelado , que he 
Bispo in partibus , e também do Ouvidor da com- 
marca , que serve de Provedor das Capellas , re- 
ziduos , e auzentes , e de juiz da Coroa. O Sena- 
do he prezidido por um Juiz de Fora , que tam- 
bém serve dos Órfãos, e de Procurador da Co- 
roa. Está situada em lugar baixo sobre as mar- 
gens do rio Verm.elho ,' que a divide em dois. 
Bairros pouco desiguaes , e coinmun içados por tre^ 




1 



834 



Província 




í . ê 



ii 



pontes. Fica no centro do Estado. Seus edííidos 
neai sam grandes , nem ellegantes , nem miiiio 
sólidos: Os notáveis sam a Igreja Matriz, dedi- 
cada a Santa Aaiia , cinco Capellas de Nossa Se- 
nliora com as Invocações de Boa-Morte , Roy^a^ 
rio , Carmo , Abbadia , e Lapa ; outra de S. Fran- 
cisco', o Pdlacio dos Governadores, a Caza da 
Camará , a da Contadoria , e a da Fundição do 
oiro. Tem um forcira com duas peças para salvar 
nas solemnidades , um chafariz , e um passeio pu- 
blico. O calor lie intenso durante a secca; porém 
ha virações de noite. Ha nella hum Tribunal de- 
nominado Junta da Real Fazenda com cinco De- 
putados , incluindo o Goveinador , que he o Pre- 
zidente: os outros sam o }uiz , o Procurador da 
Coroa , um Thezoureiro , e um Escrivão. Está 
em dezaseis graus , c vinte minutos de Latitude 
austral. 

A Gamara desta Villa , cujo rendimento anda 
por mil oitavas d*oiro , tem por sesmana um cir- 
culo em roia da mesuia Villa com cinco léguas 
de diâmetro , segundo dizem. 

Em distancia de meio quarto de légua ha uma 
Hermida de Santa Barbara. 

Cinco léguas ao Noroeste está o pequeno ar- 
rayal da Barra com uma Hermida de Nossa Se- 
nhora do Rosário na embocadura do rio cios Bu- 
gres. O seu território he aurifero. 

Oito léguas ao mesmo rumo do precedente 
está o Arrayal cia Anta , e Freguezia do Bom- 
Je7,us com duas Capellas ae Nossa Senhora do 
Ro7^arlo , e da Boa-Morte , situado entre duas 
ribeiras , que se unem para entrar no rio Verme- 
lho ; e fundado no anno de mil setecentos vinte- 
liove. O oiro , que líie deu principio , ainda não 
está exhaundo ; mas ninguém se occupa na sua 
extracção. 





Be QoyctT;.. 



335 



Três legtias ao Norte do precedente junto ao 
fio do Peixe numa planura , está o Arrayal de 
Cantar Kit a ornado com uma Hermida desta In- 
vocação. He actualmtnte o porto da navegaçãa 
da Capital para a Cidade do Pará. O rio desagua^ 
ra margem esquerda do das TÍ7 0Íras , e so lie 
naveí^avel durante as cheias. (79) 

Vim' oito léguas ao Norte da Capital esta o 
considerável Arrayai , e Freguezia àt Cnxá , 
cabeça ce jiilrado , fundado no anno de mil se-. 
trcentos trinta e quatro , junto a uma nbena, e 
perto de dez milhas afastado da margem esquerda 
do rio rue lhe dtii o nome , ornado com uma 
Ji^reja Matriz , que tem por Orago Nossa ^enlio- 
ra d;* Conceíyõo . uma Gapella de Santa /^/^J- 
jiia , duas de \'ossa Senhora com os luulos do 
Ro7,ario, e Ahlacíla, Asna população íerma qua- 
tro 'companhias , sendo uma de Cavalleiia, outra 

de Pretos forros. ^ . . j> 

. Dez léguas a Lesnordeste de Cnxa , perto cl . 
uma ribeira^, que vai desaguar no rio das Almas ,. 
ica oprandc, fiorecente , e bem situado Arrayal, 
e Freguezia do Filar , cabeça de julgado , fun- 
dado em setecentos quarenta e um com o nomae de 
Pajpuan , (80) ornado com a Igreja Parroquia! , 
CUJO Orago dá nome á Povoação , uma Capella 
de S, Gonsaío, duas de Nossa Senhora com as. 



(79^) Dez léguas ao Norte do arrayal de Santa Rita ,. 
Berto- lio rio (bsTizoiras foi fundado em setecentos cir.coen- 
ta e cinco o hnaval do n^esmo nome , cjiie foi Parroqii a c^e 
S. Miatie! , e i:]oreGeii em qiianto as lavras sendergm s com 
a fallencia do oira decahiti : a esterilidade do terrero , e fal- 
ta d^auua anniqniliaram-no. Koje eria-se g?.c'o por s^Hi. Un.% 
cvísra de pássaros, a fjne os deseubrideres tio [yí;z clr^maif^ii*. 
ii'40íras por terem a cai cU ecm a ícima desies iribiriinKií?^^ 
tc8. aberT©9 , fez que se lhes desse c rcii.e. 

iUç^^ Fappuan h© uma iierva aJjiUidante n© siSa©',... , 



3^36^ 



Br avia clã 



Invocações do Roy^ario , e Mercês , nm chafariz, 
eboas ruas. Seus arredores sam inoiíciíozos. C^r) 

Defronte está nm morro , que se calcula ter 
dado mais de cem arrobas de oiro ; e donde se te- 
ria excrahido rauilo mais, se se lhe introduzisse 
agua. 

Na sua vizinhança , junto á estrada do Car^ 
retão encontra-se uma fsorte de jerogliMcos , que 
reprezentam caras humanas, obra da Natureza,, 
c digna de reparo. 

Tíes léguas ao Sudoeste de Pilar, junto ao 
rio Moquem , ramo do Crixá , fica o atenuadissi- 
mo Arrayal dos Gorinos com uma Hermida , on- 
de concorria numerozo povo em quanto as suas 
minerações pagavam o trabalho. 

Huma legua a Leste de Vilíaboa fíca o arrayal 
do Ferreyro com uma Capella áeS.Joam Baptis' 
ia. He amais antiga Povoação da província. Deu- 
Ihe nome um ferreiro , que alli ficou exercendo 
o seu ofíicio depois que os mineiros o desertaram , 
para hir minerar em outros si tios. 

Perto de duas léguas a Leste do precedente, 
junto a uma ribeira , ramo do rio Uruhú , está o 
pequeno arrayal á' Oiro fino , que tomou o nome 
da superior qualidade do metal da sua faisqueira. 
Ha nelle uma Capella dedicada a Nossa Senhora 
do Pilar, 

Cinco léguas ao Sudoeste da Capital está o 
Arrayal, e Parroquia de S.Jo7^é de Mossamedes , 
fundado no anno de setecentos setenta e quatro 
para habitação d' uma numeroza colónia cie ín- 
dios de três nações diversas: Carajás ^ J avalies 
tirados da província da Nova Beira, t Accroás ^ 



r .11 



_ (^i) Seis legms a Leste de Pilar fica a akleii de La^ 
vri nhis t jun^O á ori«e n d' uma ribeyta, que depois de ti es 
k^ua$ entra iio Siu daá Almas, 



Á 




De Coyá^, 



43? 



qiie viviam ao Nascente da Serra do ParaniiMiv 
no territoiio, onde o rio Correntes tem suas ca- 
beceiras. 

Obra d'oiro léguas ao Sudoeste de S. ]ozé , e 
treze da Capital esVá Aldeia-Maria junto á mar- 
gem do rio Fartura, num terreno plano , e lava- 
do dos ventos , fundada em setecentos oitenta e 
nm para estabelecimento de quazi trezentos Ín- 
dios Cayapós ; aos quaes se aggregaram no anno 
seguinte mais duzentos da mesma Naçáo convida- 
dos pela fama do bom tratamento , e estimação de 
que gozavam os primeiros. Depois chegaram ainda 
varias maUócas ou ranchadas. Entrelies vinham 
alguns caciques , um dos quaes tinha o cabello 
encai apinhado como de mulato. Um coxo , e al- 
guns cegos , que vinham entre os mais , provam 
que esta Nação não he tirana com os desfavore- 
cidos da Natureza. No principio mostraram-se 
agradecidos aos benefícios , fieis às suas promessas , 
e sem notável inclinação ao furto. Alguns apren- 
deram os oííicios , de que mais se carecia na co- 
lónia: as mulheres dentro de pouco tempo fiavam, 
teciam , e coziam. Esta Povoação , que parece de- 
via ser hoje considerável , e íiorecente , acha -se 
assaz deteriorada em razão da repugnância , que 
os Brancos tem em alliar^se com os Indigenas. 

Deste Districto he o novo Arrayal dos Anni' 
cuns , situado junto á margem direita do rio dos 
Boys, que ainda não passa de ribeirão. Fica obra 
de doze léguas ao Sueste da Capital; e tem uma 
Igreja dedicada a S. Francisco d'Assís. Seus habi- 
tantes sam mineiros, e agricultores: os primeiros 
tem formado uma sociedade para a mineração. O 
terrena he apropriado para differences produções. 






\^ 



Tom. I. 



Vv 



Í3^ 



.Província 
Nova Beyra» 



.*o 



A província ou Districto da Nova Beyra ficà 
ao Norte da de Goyaz , e estende-se para o septen- 
tfião por entre os rios Aragiiaya , e Tiicaiitins á 
terminar no angulo da sua confluência , com cento 
e trinta léguas de comprimento Norte-Sul , e qua- 
renta de largura. A líha de Santa Anna pertetíJ- 
€elhe. Quazi toda está ainda no dominio de varias 
nações selvages. O Gentio Chavante, que parece 
ser a mais numeroza , possue a maior parte parat 
o Norte. Os seus convizinhos S2im os Po eh et i/s i 
os Norogaagés , os Appynagés , os Carajás , os 
Cortys , e os Xer entes, C^'2^ ' . - 

O rio Crixá (^o septentrional) odeS^nto An^ 

tonio , e o da Taboca sam os mais consideráveis 

entre os que desaguam no Tucantins : o conside-* 

ravel rio Chavante , íormado de grande numero d^ 

outros^ que regam o terreno do Gentio, que lh6 

dá o nome , entra no Araguaya pouco acima da^ 

reunião dos dois braços, que formam a lUia dé 

Santa Anna. • 

T> - /Pontal. 

Povoações. I ^^^^^ç^_ 

Cento e vinte léguas ao Norte de Villaboa ,: 
ç perto de quatro arredado da margem doTucaa-* 
tíns está o Arrayal , e Freguezia do Pontal , as- 
sim chamado em razão d' uma ponta oii cotovelí* 
lo , que o rio faz na sua vizinhança , fundado 



■^■' (82') Os Indioí Chavdntes 1 depois de estabelecidos > 
(45 baptizados rauitos ) na Aldeia de Pedro Terceiro (na 
«itio do Carrerão , districto do Pilar") para elles ed 6cada,i 
eín consequência da vàssallagem que haviam tiidb offerecer, 
desertaram por uma vez , tornando ao seu natural modo de 
vida ; e sam hoje os mais formidáveis inimigos dos Chiis* 
tãos. 




De Got/ã^\ 



^Í9 



em setecentos trinta e oito, e ornado com itnm 
Igreja Parroqiiial dedicada ao Senhor Bom Jey^ws 
da Boa Morte, Seus habitantes criam gado vac- 
cum , e cultivam mandioca , milho , legumes , e 
algum algodão. Todas as frutas sam aqui conliô*- 
cidas. 

A largura' ido Tucantins na passagem deste 
Arrayal para o do Carmo, que dista dez léguas 
para o Nascente , he de trezentas setenta e qua- 
tro braças no tempo da sua maior diminuição, e 
mais de quinhentas quando cheio. Porto Real h^ 
e nome desta passagem. 

Três léguas ao Norte do Pontal está a Aldeia 
à^ Matança junto a nascença d'uma ribeyra , qué 
depois de doze milhas entra no Tucantins. Hè 
ainda insignificante por cauza das invazóes dos 
índios , mas abastada de peixe , caça , e frutas. 
' A salubridade do clima , a fertilidade do ter*- 
feno , a abundância d' agua , as grandes mat tas 
Gon vizinhas , o oiro , que se sabe haver no dis* 
tricto , darão persistência a estas povoações ; ^^ 
quaes teriam dado crescimenco considerável, sê 
aquelle metal tivesse apparecido em inaior qitan-* 
tidade. Esta he também a cauza de não haver jâ 
tio Districto grande numero d' outras ; cujos habi- 
tantes teriam reduzido , ou afugentado os malf a* 
zejos Indígenas , e começado a commerciar gros- 
samente com os Negociantes do Gram Pará. Ne- 
nhum cantão da Província he de tão vantajoza 
situaçãa para o commercio. -^ ^ ' ' ' 

No angulo da Confluência do Araguaya côríí 
o Tucantins ha um Destacamento para registar as 
Canoas, que por um , e outro rio navegam para 
a cidade do Pará. Neste lugar he onde o mencio- 
nado Decreto d' oitocentos e nove manda fundar 
a villa de S. Joam das duas Barras para cabeça 
áâ qamâicâ deste uomei Dizem porém que não s^ 

Vv ii 



» 



I 



W 



S40 



* Província 



effeiciiarà este projecto bem concebido por caiizai 
dos recifes , de que g paragem he rodeada , e que 
impedem o accesso das Canoas: o que provável- 
mente dará lugar a íiindarem-se duas , uma em 
cada rio n:iais acima. 

No anno de setecentos e setenta e cinco fo- 
ram reduzidas á paz as duas nações selvagens 
Carajá , e Javahé , que possuiam a Ilha de Santa 
Anna ou Bannanal , e estabelecidas a primeira era 
seis Aldeias, e outra em três, quazi rodas com 
nomes de Povoações de Portugal , a saber: An' 
geja , Seabra , ambas de Carajás perto da extre- 
midade meridional da Ilha , a primeira vizinha 
ao braço oriental , a outra perto do occidenral; 
Canha de Javahés dez léguas ao Norte d'Aage- 
ja , e longe do rio ; Annadia de Carajás oito le- 
guas ao Norte de Seabra e perto do rio ; S. Pedro 
dos mesmos , e cinco léguas ao Nordeste de Cu- 
nha próxima á margem do rio; Ponte de Lima 
de Javahés no centro da Ilha ; Lavradio quinze 
léguas ao Norte d' Annadia ; Lamayaes treze pa- 
ra o Septentrião ambas de Carajás na vizinhança 
do rio; q Mello de Javahés longe do braço orien- 
tal. 

Por este mesmo tempo se deu ao Paiz vizinho 
o nome de Nova Beyra. 



Districte do Tucantins, 



n^^ 



He o mais septcntrional dos orientaes •, e toma 
o nome do. rio que o limita pe'o occidcute , sepa- 
rando-o da Nova Beyra. Ao Nascente cem a cor- 
dilheira , que serve de divizão entre a Província , 
e a de Pernambuco; os dois rios de Manuel Al- 
ves o limitavam um ao Norte, outro ao Sul: co- 
mo cresceu contra o septentrião , o limitr deste lado 
he invizivcl. D^fíi-lhe para cima d' oitenta léguas 




De Goyárj, 



â« 



..de comprimento Norte Sul, e quarenta de largura 

.media. , o 

Os dois rios de Manuel Alves, e o do bom- 
no já mencionados sam os principaes entre os que 
regam o Districto : o derradeiro , segundo dizem , 
nasce na seira das Ficharas , continuação da men^ 
cionada cordilheira , de cujas faldas sahem outros , 
que o engrossam logo a principio. Ignoramos o» 
seus primitivos nomes. Todos três sam navegáveis, 
€ criam os mesmos pescados do Tucantins. 

Fie paiz montuozo em grande parte ; e domi- 
nado ainda na septentrional por varias nações bar- 
baras , que perseguem a caça , danificam as fazendas 
dos criadores .le gado , e sobem ás vezes em es- 
quadras de canoas pelos rios próximos ás povoa- 
ções dos Christãos. Nomeam se os Xerentes , os 
.Chavantes , e os Tapacoás. 

Quazi só nas beiradas dos rios ha matas: a 
.maior parte lie áe Catingas , e charnecas em parte 
apropriadas para criar gados. 

TEm partes abunda de pedra calcaria: o oiro 
deu principio a quazi toc!as as suas povoações , e 
fez que muita gente fosse rica por algum tempo. 

fNatividade. 
Povoações principaes. <( Carmo. 

(^Chapada. 

Seis milhas arredado da margem direita do rio 
de Manuel Alvez o meridional , e pouco menos de 
dez léguas longe do Tucantins , na proximidade 
do moiro dos Olhos d' agua fassim chamado por 
cmanaiem deile vários regaços) , onde ha oiro, 
junto ao pequeno rio de Santo António esta o 
Arrayal ó?i Natividade , Cabeça de ]ulgac^o , e in- 
terinamente Villa , e rezidencia ordinária do Ou- 
,.YÍd.or da comarca cm quanto não se lunda a que 



í 






ii"if I 



S4^ 



Província 



deve ser delía a Cabeça. Foi fundado em mil sete 
centos trinta e nove ; e tem uma Igreja Parroqnial, 
onde se festeja com muita 'sólemnidade a Nativi- 
dade de Nossa Senhora , e duas Capellas dedicadas 
á mesma com as Invocações úo Roz^ario , e Terçoi 
e outra de S. Benedicto. A cultura das cannas do 
.assucar, dos algodoeiros , do tabaco, milho, man« 
dioca e legumes occilpa a maior parte do povo : 
,os minriíos sam poucos ; porque o producto da mi- 
neração não os anima. Também se cria gado. As 
laranjas , e limas sam excellentes. 

. Perto de duas legUas ao Norte da Natividade 
^ca o pequeno, e aprazível Arraial da C/zít/;^/^, 
ornado com uma Capeila de Santa /^^/z/i^. O povo>, 
que o habita , cultiva as mesmas orodiiçoes , que 
;jD daquelloutro ; e minera. " ■ 

Quinze léguas ao Nornoroeste do precedente, 
m seis longe doTucantins, no angulo da confluên- 
cia do ribeirão Sucuriú com o àdi Mata/ifã está 
o vistozo Arrayal do Carmo , fundado em setecen- 
tos quarenta eiim na proximidade dMiuma serra, 
ornado com uma Igreja Matriz dedicada a S. 
I^Ianuel , e uma Capella de Nossa Senhora db 
Ro7^ario. As cazas sam de adobe. Seus habitantes 
todos bebem do Sitcuriú , cuja agua hc excellente: 
alguns sam mineiros ; outros agricultores , Te reco- 
Ihem milho, tabaco, algodão , assucar , farinha, 
e legumes com varias hortaliças e frutas, 
r Vinte léguas a Leste do Arrayal da Nativi- 
dade fica o das Almas , um pouco arredado do rio 
ée Manuel Al vez , e junto á estrada do D uro^: 
seus habitantes criam gados ; e cultivam varieda- 
de de mantimentos , e algodão» 

Doze léguas a Leste do precedente está a AU 
deia do Duro , na raia da Provincia com um registo 
para impedir o extravio do oiro. A maior parte de 
se\is .moradores sam ladios Cliristãos , pobres, e 



iiÉ 



De Goyàr^. 



B43 



contentes com á sua sorte , cultivando ,erecolhen> 
do sómenLe o que lhes basta para conservar a 
-vida. 

Poucas léguas ao Norte da Aldeia do Duro 
está a da Formiga y também povoação d' índios 
Christianizados , igualmente indolentes , caçado*- 
xes , e mais amigos de clisfrutar as arvores silves- 
tres , que de plantar outras mais úteis na proximi- 
dade da habitação. 

Entre a íòz do rio de Manuel Alves o sep^ 
tentrional , e a primeira peninsula está o novo 
arr a yal de S. Pedro d' Alcântara sobre a margem 
«Io Tucantins. 

Districto do Paránnan. 

f Este cantão , ao qual deu nome o riô , que 
:0 atravessa diagonalmente , tem ao septentrião o 
do Tucantins; ao Poente o deGoyazes; ao Melo- 
dia o do Rio das Velhas ; e aõ Nascente os limi- 
tes da Província. ■ 
r ' He regado por grande- numero de rios , semeai- 
jdo de montes.; e ornais povoado; posto que ainda, 
infestado pelos bárbaros , que sobem pelos riosprin- 
ctpaes. Em alguns districtos ha muita gente acha- 
cada de papo desde sua infância. [ 
é Além do Parannan , e do Maranham seu B- 
ncite iOCGÍd:ental , e meridional , notam-^e òx\6 Trê^ 
tiras do Sul , o rio Preto ambos com pontes ; o 
Bagagem , ò Tucantins pequeno , o rio da Palma 
todos de canoa ; o rio de S. Fé lis tom huma gran- 
de ponte; o Trahiras do Norte ; o ribeirão do 
(zK^foí/Zd: ambos de difficultoza passagem ainda no 
tempo da sêcca : O Gamé-Z/^/A^íijUnfô de Ctija foz 
ha um- morro de notável forma , e altura; o Ba^ 
calhau assaz espraiado: todos desaguam de per si 
no Mafãnham , menos o derradeiro , que se un© 



í 



344 



Província 




ao Bagagem pela margem esquerda; e o da Palma 
que se junta ao Parannan , como se disse. 

O rio da Palma he formado pcloPaimeira^Mos- 
quito , e Sobrado, O derradeiro , que he o mais 
sepientrional , nasce numa chapada em cima da 
larga serra da Mangaheira , e mui poucas braças 
(^segundo dizem) distante da origem do rio das 
Ondas (que corre para o de S. Francisco) , è 
obra de duas léguas abaixo da sua nascença reco- 
lhe pela direita um.a caudaloza ribeyra denomina- 
da o Torno , que sabe por entre as raizes d'umâ 
gameileira , e não tem uma milha de curso ; nem 
dá vau em parte alguma, sendo tão volumoza no 
nascimento , como na embocadura. 

O rio Correntes , qiíe he um dos primeiros ra- 
mos do Parannan , sahe da serra de S. Domin'?os , 
-e depois de algumas léguas escondesse por espaço 
de ircs milhas a travéz d' um monte , onde suas 
aguas perdem a côr , e a bondade. 

O rio G alheiro , qne vem, da serra de S. Do- 
mingos para o Parannan , recolhe uma ribeira Ccha- 
-madario de S, Doimingos ) que corre largo espaço 
por baixo do chão , sem se deixar ver se não em 
algumas paragens por buracos, 
«i,; Entr' outras serras notasse a dos Viadeiros\ 
paralleJa com o rio Parannan em distancia de cin- 
xp léguas : he escalvada , e a mais elevada das 
Genírgesc; d^lla sabe o rio Tucantins , e o Preto. 

fS. Jozé. 
S. Félis. 
Trahiras. 
Cavalcante. 
Povoações prmcipaes. ^ Conceição. 

Agnaquente. 
Arrayas. 
■'mixi^u :,S. Domingos. ?-ít 
Flores, 



Be Gõijd^: 



S45: 



,c'- Meia legiiá arredado da confluência do rio 
das Almas com o Maranhão > vinte ao Nordeste 
do Pilar está o medíocre Arrayal d' Aguaqaente y 
f^ituado junto a Imm grande lago , profundo , 
á'agxia salobre , fétida, e quente, donde selhe de- 
rivou o nome; ornado com uma Igreja Matriz de 
S. iS^é-Zí^sr/^o j .e luna Capella de Nossa Senhora das 

^■i V Tfeve principio pelos annos de setecentos trint^ 
e dois nó sitio fronteiro, onde existem vestigios. 
Huma epidemia cauzada pela pntrefação dos char- 
cos , occazionados pelas cheias do Maranhão , fez rer 
tirar pára o lugar , onde está, aos que queriam es- 
capar com vida. Houve dia de cincoenta mortos, 
Huma numeroza boyada , vinda de S. Paulo para 
p açougu.e deste arrayal , onde se recolhia de noi- 
te., e em CUJOS arredores pastava de dia , fêz cessar 
paxá logo o contagio. O oiro era tão abundante 
no principio , que fez acudir alli dozemil pessoas. 
Entr' outras folhetas de grande pezo achou-se uma 
de quarenta e três arráteis , que foi remettida para 
a Corte com a mesma forma , que lhe dera a Na- 
tureza. Esta raridade existia no Muzeu Real > pre- 
za dos rapinantes gaviões Francezes. 

Nas margens deste lago , cujo desaguadoiro 
lie uma ribeira perenne sem diminuição no tempo 
ida .sêcca , ha cavernas medonhas. 

Quatro léguas a Lesnordeste d' Agiiaquente 
fica o Arrayal do Cocai (^assim chamado dos nu- 
merozos coqueiros que alli havia^ situado junto a 
lima ribeira que vai perder-se Jio Maranhão. Ten- 
do florecido em quanto as minerações produziam 
muito oiro, hoje he pouca coiza. Tem uma Hermi- 
da , onde S. Joaquim era mui festejado. 

Seis léguas ao Nordeste d' Aguaquente está o 
grande , e florecente Arrayal de Trahiras , cabe- 
ça de Julgado, fundado em setecentos trinta e ciiu 
Tom. L " X^ 



846 



PròVíkcíã 






n 




to , á esqiTcrda , e obra de seis léguas acíhia dm 
foz- do rio , qné lhe empresta o nome , ornado coi» 
uma Igreja Parroqiiial- de Nossa Senhora da Co/z - 
ceifão , u in a M ermida do Senhor Bom Je:^Hs , e 
oiura de N. Senhora do Roy^ario, He abastado de 
éarne, peixe , e das produções d' agricultura do- 
j)aiz. Seus habitantes 'formam quatro Companhias.. 

Légua e meia ao Nordeste de Trahiras está o> 
íÉnediocre , e abastado Arrayal de S, Jo^é áe Tu-^ 
cantins , postoque mais d' oito léguas arredado deste.^ 
ria, fundado em setecentos trinta e cinco, pertoi 
Ú2c margem esquerda do rio Bacalhau , ornado com^ 
duas Hermidas. de Nossa Senhora da Boa Morte ^ 
e do Ro7^arm y outra de S. Efigenia. Na Matriz ». 
que he o mais magnifico Templo da província, ha= 
lima Irmandade do Senhor áosF as sus privilegiada 
fçlo Papa Clemente XIIl: 

Três para quatro léguas a Leste do precedente- 
cstâ o pequeno Arrayal da Cachoeira , ao quat^ 
deu nome uma catadupa , que alli forma o rio ,.- 
cm cuja proximidade foi fundado em mil setecen-- 
tos trinta e seis. 

Perto de dez milhas ao Norte da Cachoeira^ 
está o pequeno Arrayal de Santa Ritta ^ fnnclado- 
Bo mesmo anno que o precedente , e ornado com^ 
lima Capella de Santa, que lhe dá o' nomê- 

Oito léguas a Leste cie S. Ritta fíca o pequeno^ 
Arrayal do Moqiiêm perto do rio do Peixe , que hc- 
um ramo do Bagagem , ornado com uma Hermida 
de Nossa Senhora d' Âhbodia , festejada solemne- 
ínente a quinze d' Agosto com trídwo. 

Obra de vinte léguas ao Norte de S. Jozé esta 
o médio cr e , e abastado Arrayal de S. Fé lis juntO' 
á margem direita da ribeira do mesmo nome , e 
menos de três milhas arredado doMaraiihão, fun- 
dado no anno de míl setecentos trinta e seis ^ e 
0ruado com uma Igreja Parroquial da invocação^ 



De GoT/ap 



347 



ôv Santo , qiie lhe dá o nome , nma Hermida de 
Nossa Senhora áo Roy^arío , outra de Santa yí/z/zí?. 
He cabeça de ]ulgado , e teve por largo tempo 
caza de fundição do oiro. O seu povo minera , cria 
gado grosso , e recolhe diversidade de mantimentos. 

Dez léguas ao Sul , e três afastadas da estra- 
da para o Nascente estam as Caldas de S, Félis ., 
por outro nome deFrey Rai/naldo , que sam qua- 
tro olhos d' agua gradualmente tépida , e outro del- 
ia mui quente , onde se tomam banhos profícuos. 

Duas léguas ao Norte do Arrayal de S. Félls 
junto á estrada ha uma tromba de penedia negra 
com uma caverna, cujo profundidade ainda o pa- 
vor não deixou averiguar. 

Três milhas mais para o Septentrião ha uma 
Aldeia com uma Hermida de Nossa Senhora dQ 
Carmo, que lhe dá o nome. 

Cavalcante , Arrayal medíocre , abastado , e 
ílorecente , fundado em mil setecentos e quarenta , 
cornado com uma Igreja Matriz dedicada a Santa 
Anna ^ e duas Hermidas de Nossa Senhora com as 
Invocações do Ro7^ario, e BoaMorte: Fica obra 
de vinte léguas a Leste de S. Félis , perto d' uma 
iribeira que corre para o Parannan com o nome 
4e rio das Almas. He cabeça de julgado , bem pro- 
vido d' aguas , e tem caza de fundição transferida 
de S. Félis. Seus habitadores formam cinco Com- 
panhias. A sua pedreira he rica ; mas profunda , e 
cl' hum trabalho insano : Está destinada para o bra- 
ço real , ou d' alguma sociedade oppulenta , e diri- 
gida por homeín intelligente. No seu termo cria se 
gado vaccum , cultiva-se mandioca , milho , algum 
trigo , e algodão. 

Vinte léguas ao Septentrião de S. Félis, e 
pouco distante da ídz do rio da Palma está o Ar- 
rayal da Conceição , ao qual deu nome o Orago 
da Matriz que o oxna. He cabeça d^ Julgado; e 

Xx ii 





^ptomnciâ 



o povo , qneó habita, líiineiro , criador de gado 
vacum , lavrador dos viveres que melhor prospe- 
ram no paiz , e forma quatro Companhias Miíiciár 
nas; mas experimenta falta de boas aguas potá- 
veis» . ^ 

No seu termo hã o pequeno Arrayal do Pria^ 
cipe com Uma Hermida. 

Arrayos he um Arrayal medíocre , e abasta* 
do, cabeça de Julgado , e ornado com uma Igreja 
Parroquial de Nossa Senhora áos^ Remédios, Foi 
fundado em setecentos e quarenta ; e fica obra de 
quinze léguas ao Nordeste de Cavalcante , vizinha 
á nascença do rio que lhe empresta o nome , e o 
toma do pescado de que abunda. Nos seus conto r* 
iios , em grande parte montuozos , criasse muita 
gado vaecum , riqueza de seus moradores ,. que 
formam quatro Companhias. 

Sete léguas ao Sueste das Arrayas , junto a 
lima ribeira que desagua no Parannan , está o pe- 
queno Arrayal áo Morro do Chapéo ^ ornado com 
nma Capelía , e fundado em setecentos sessenta e 
nove. Hum monte vizinho , que tem a forma d'um 
ehapéo desabado, e donde se tirou oiro, lhe deu- o 
nome. Gado vaecum he a riqueza de seus habita- 
dores. 

Doze léguas ao Nascente do Morro do Cha- 
pêo perto cio rio , e na falda da seira do seu nome 
está o Arrayal , e Freguezia de S. Domingos^ em 
cuja vizinhança ha um morro de notável aspecto-, 
e altura. Seus habitadores criam gados , e cultivam 
variedade de mantimentos. 

Pouco a Leste na raya da província ha um 
destacamento para impedir o extravio do oiro. 

Flores , Arrayal medíocre, e abastado , cabe- 
ça de Juígado , e ornado com uma Igreja Parro- 
quial Je Nossa Senhora da Conceição , e uma Her» 
mida do Ro7^arÍQ com Confraria de Pretos , fica 



De Goya^,\ 



349 



obra de vinte léguas ao Sueste de Cavalcante , 
perto da margem direita do rio Parannan em ter- 
reno fértil , mas sezonatico. Gado vacciím , e ca- 
vallar faz a principal riqueza do povo, que o 

habita. . 

No seu vasto termo lia a Aldeia cie Mato 
grosso com uma Hermida de Nossa Senhora da 
^piedade ; e o pequeno Arrayal de Santa Ro7^a com 
outra Hermida desta Santa , em cujo districto^ se 
nota uma grande caverna com muitos estalactites 
ou cristalizações de differentes formas. 

Vinteseis léguas , ou com alguma difPerença , 
ao Melodia das Flores , e obra de duas milhas arre- 
dado d' hum lago, a que chamam lagoa feia, fica 
,0 Arrayal dos Coiros , noutro tempo cabeça de 
Julgado , preeminência que em setecentos setenta 
,e quatro se transferiu para Cavalcante. Tem uma 
J^yrejaParroquial dedicada a Santa LLi7^ia , e uma 
Hermida , onde os Pretos festejam Nossa Senhora 
do Ro7ario, No seu extenso termo cria-se muito 
gado grosso. 

A vintecinco de Fevereiro de mil oitocentos e 
quatorze emanou um Alvará para a fundação d'u- 
ma Villa chamada S.Joa.m da Palma , do sitio 
que se determina para o seu assento sobre a em- 
bocadura do rio deste nome , para ser cabeça da 
comarca de S. ]oam das Duas Barras. E para dar- 
se-lhe logo principio , e acelerar o seu crescimen- 
to , se colicede izenção de Dizimos , e Decima por 
dez annos aos que nella edificarem caza para sua 
habitação , ou dentro do circulo , que se lhe deter- 
minar por termo. Pelo mesmo Alvará ha de ficar 
a futura Villa de S. Joam das Duas Barras sub- 
dita desi'outra. 

A maior parte da gadaria deste Districto vai 
.consumir-se no recôncavo da Bahia, e na comar- 
ca dos liheos, v 






m 



I5<^ Província 

Districto do Rio das Velhas. 

Esce Districto , ao qual empresta o nome nm 
dos nos que o atravessam , tem ao Norte o do 
Faraniian ; ao Sul a província de S. Paulo ; ao 
Nascente a de Minas Geraes ; ao Poente os Dis- 
rnctos de Goyaz , e Cayaponia: cem léguas, ou 
com pouca diíFerença , de Norte-Sul , e cincoenta 
de largura media. 

Além do rio, que lhe dá o nome, e dos que 
lhe servem de limites ao poente, e Sul, tem ain^ 
da grande numero d'outros. Na estrada da Meia- 
ponte para S. Paulo encontram-se entr* outros 
menores o Capivary , que custa a vadear ainda 
cm tempo de sêcca : o Pyracanjàba , o áo Peixe, 
ambos com pontes ; e todos .três desaguam na 
margem direita do Corumbá , que lie de canoa: 
o Braç'o do Veríssimo; o Veríssimo que recolhe 
aquelle pela direita , como se disse , e he de ca- 
noa , como também o Parannahyba que se segue : 
o ribeirão das Furnas , que correndo por planura, 
de repente se precipita de vinte braças a pique, 
e cahe num profundo pego , pouco acima da pas- 
sagem. Variedade de pássaros fazem seu ninho 
nas cavidades do rochedo ao enxuto , e criam os 
filhos á vista, e na zoada desta vistoza catadu^ 
pa: esta grande ribeira desagua pouco abaixo no 
rio das Velhas que se lhe segue , e he de canoa : 
os dois Ub^rávas , verdadeiro que desagua no 
precedente, e íalso que entra no Rio Grande. O 
ribeirão do Inferno que sahe da serra da Canas- 
tra , e desagua no rio das Velhas pela esquerda. 
O rio ÇLLebra'an7^oes , que principia na raia de 
Minas Geraes , e também se\ine ao rio das Ve- 
lhas pela margem direita; mas nenhum delles che- 
ga 3 estrada , junto da qual principia o rio da 
Prata f e O do Tijuco, que depois de unidos vam 



De Goíar,] 



35^ 



engrossar o rio Parannahyba largo espaço abaixo 
da confluência do rio das Velhas. 

No caminho de Paracatii encontram-se Cal^ni 
do mencionado Corumbá ) o rio Aréas , o átMon- 
tes 'Claros , o Pont" alta todos com pontes , e O" 
de S.Bartholvmeu , que lie de canoa. Todos criam 
diversidades de pescado , e procuram o Melodia. 

Na parte mais septentrional nota-se o rio das^ 
Almas , outro do Peixe que se lhe une pela mar- 
gem direita; e o dos Patos que corre ao longa ^ 
€ a Leste da Serra-Negra , e vai unir-se com a 
Maranhão poucas léguas acima do Arrayal d* 
Aguaquente. Estes rios criam os pescados do Tii- 
eantins. 

O terreno médio entre os dois Uberavas he 
lima planice de dez léguas de largura, sem a me- 
nor elevação acima do orizonte , e absolutamente 
destituida de mato , onde andam veados , e emas. 

No meio do século passado vivia entre o Pa- 
rannahyba , e Riogrande uma horda de Bororós^ 
€Ujo cacique era então um Paulista chamado An- 
tónio Pirez deCampos, moço de muita esperteza,, 
habilidade , e génio para fazer deste povo quan- 
to delle sepertendesse por sua entremediação. Es- 
te homem , a quem seus crimes fizeram procurar 
tal sociedade , morreu entre os annos de cin- 
eoenta e sessenta d' uma frechada num braço em 
iim encontro com os Cayapds. Seus camaradas lha 
medicaram por muitos dias com toucinho assado 
quente, athé oporem numa povoação de Christaos 
em Minas Geraes , para ver se o curavam. Chora» 
ram-no por espaço^ cl' um mez como a pay com- 
mum. 

Entr* outras serras nota-se, na parte septen* 
trional , a das Caldas , quadrada com quatro lé- 
guas por lado , e plana na sumidade , onde h^ 
alguns lagos , e se encontram veados.. 



35'^^ 



Província 




fMeia-Ponte. 
j Santa Luzia. 
Povoações prmcipaes.<j Santa Cruz, 

1 S. Domingos. 
V Desemboque. 

Meiaponte , a maior , a mais florecente , e 
commerciante Povoação da Província depois da 
Capital , da qual dista vinteseis léguas para Les*^ 
te , está junto ao rio das Almas , que ainda lie 
pequeno. Tem uma Igreja Parroquial da Invo- 
cação de Nossa Senhora do Ro7^aric , quatro Her- 
iiíidas , rres dedicadas também a Nossa Sonhora 
com os Títulos do Carmo , Lapa , e Roz^ario dos 
Pretos , outra do Senhor do Bom Fim ; úm Hos- 
pício d'Esmoleres da Terra Santa. Foi fundada em* 
mil setecentos trinta e um. He cabeça de Julga- 
do , abastada de carne , e peixe , e tem professor 
régio de Grammatica Latina. Seus habitantes, e os 
de seus arredores recolhem milho , trigo , farinha de 
niandioca , tabaco, algodão, assacar , algum café ; 
criam gado vaccum , e muitos porcos : fabricam 
tecidos de lan , e d'aígodão ; o que a faz conside- 
rar como o berço , e centro da agricultura , e 
Industria na província. .' 

Os comboios da Capital , e do Cuyabá , que 
vam para a Metrópole , ou S. Paulo , ou Bahia ^ 
aportam aqui , onde cada qual toma o caminho do 
seu destino. 

Nas suas vizinhanças ha loizas lizas , e elás- 
ticas , que curvam, e tornani ao seu natural sem 
deíFeito. 

Em distancia de cinco léguas para Lesnor- 
deste estam os Montes Pyreneos , de cujas faldas 
emanam torrentes para os quatro pontos cardi* 
naes. 

Treze léguas a Leste de Meiaponte , na yi- 



Dâ GoijaT;^ 



S5S 



zinhaiiça d'nns vistozos outeiros denominados Mon- 
tes Claros , ha uma Hermida dedicada a Santa 
Lu2çia , que ornou largo tempo o arruinado ar- 
rayal de Santo António. 

O medíocre , e abastado Arrayal de Santa 
Lu^ia , ao qual deu nome a Padroeira da Matriz, 
que o orna, duas léguas arredado da estrada de 
Paracatú , quazi em igual distancia do rio de Pont* 
alta , e S. Bartliolomeu , cinco léguas ou com pou- 
ca dlíferença de cada um , numa paragem amena, 
sadia , e abundante d' aguas , he cabeça de Julga- 
do , e tem uma Hermida de Nossa Senhora do Ro- 
sário. Fazem-se nelle bons queijos , e marmelada. 
Nos seus contornos cria-se muito gado vaccum , 
riqueza de seus habitantes. Fica obra de vinte lé- 
guas a Lessueste,de Meiaponte. 

O pequeno, e abastado Arrayal âe Santa 
Cru7^ , com uma Igreja Parroquial de Nossa Senho- 
ra da Conceifõo , he dos mais antigos da provincia , 
e cabeça de Julgado : fica obra de trinta léguas 
ao Susueste de Meiaponte, na estrada de S.Pau- 
lo, pouco afastado da margem esquerda do rio 
Pary , donde todo o povo behe , e obra d' uma 
milha do morro do Clemente , abundante d'oiro , 
em cuja extração ainda não se principiou por fal- 
ta d'agua ; porque segundo o axioma dos miinei- 
ros., '' um monte d'oiro não vai nada , se elle 
não tem agua. ,, Seus habitantes sam agriculto- 
res , e criadores de gado. 

No seu districto estam as Caldas óo mesmo 
nome; sam diversas fontes de diíier entes graus de 
calor , em pouca distancia umas das outras. Mui- 
tas pessoas tem experimentado melhoras com os 
seus banhos. Suas aguas juntas formam a ribeira 
das Caldas, 

Quazi no meio do intérvallo de Santa Crtiz 
para Meiaponte, e também na estrada fica o pe- 
Tom. I, Yy 



l'! 



á54 



Provinda 



h i 




queiio arrayal áo Bomfni com uma Hermicla des-: 
t'd Invocação. O povo , que o habita , tira oiro , 
cria gado , e recolhe os maatimeatos , que melhor 
se dam no lerrirorio. 

Quarenta léguas ao Mciodia de Santa Cruz 
está o Arrayal úq ■Santa Anua , obra de duas mi- 
lhas arredado da margem septentrional do rio xlas 
Velhas num sitio aprazível. He Parroquia de iodos 
os índios Ghristáos , que vivem na vizinhança 
da estrada de S. Paulo nestas paragens. Foi iun- 
-dado em setecentas quarenta e um para habitação 
de quinhentos índios Bdróros , vindos de Cuyabá 
em soccorro dos Christãos contra osCayapós., quq 
devastavam os novos estabelecimentos, e onde vi- 
veram athé oanno de setecentos, setenta e cinco ». 
em que foram mudados para o arrayal áeLanho' 
^0, ficando em seus lares uma horda d' índios 
Chacríabás , trazidos das margens do Rio Preto ,on^' 
de habitavam, (em terras de Pernambuco) e sara. 
iioje os seus moradores com alguns d'outras;na^ 
coes. Cultivam mandioca , mdlho , e legumes pro- 
porcionadamente á necessidade da povoação. 

Seis léguas ao Norte da Freguezia de Santa 
Anna , e também junto da- mesma estrada sobre a 
margem septentrional do pequeno rio ád.s Pedras , 
está a Aldeia deste nome , também povoação cie 
Bororós; mas quazi despovoada, havendo seus 
habitadores sido mudados em oitocentos e onze 
para os novo^prezidios da Nova Beira. 

O mencionado Lanhoso , fundado perto do 
liberava /í7/5 o, ji não existe: o seu povo tinha?.- 
se imido com o do rio das Pedras. 

O mediocre , e abastado Arrayal de S. Dornin^ 
aos do Araxà , modernamente erecto cabeça de Jul- 
gado , situado numa planura , atravessado por um 
rega'0, iica obra de nove léguas longe da raia,, 
e seis do lio Qiiebr'aa,zoes. Os poços dVagua saio- 



Dâ Goija7^. 



â?5 



bre, qtie poupam aos criadores o' dispêndio dosai 
para os animaes , e os grandes pedaços de terre- 
no fértil , onde podem ílor€cer vários ramos d'agri- 
cultura , liam convidado muitas centenas de famí- 
lias Geralistas a- mudar para alli seus estabeleci- 
inentos ; o que vai a fazer desta Freguezia em 
poucos annos uma das mais populozas da^ Provín- 
cia. Fabricam-se já bons tecidos d' algodão , e co- 
ineçam-se os delan. Cria-se grande quantidade de 
porcos , c gado vaccum. 

O Arrayal do Desemboque , cabeça de Julga- 
do , tem uma Igreja Parroquial de Nossa Senhora 
do Desterro , e fica sobre a margem esquerda do 
rio das Veihas , obra de déz léguas arredado da 
raia de Minas Geraes. O povo do seu districto cria 
gado vaccum , e recolhe abundância dos viveres 
do paiz. 

Em mil oitocentos edoze teve principio o Ar- 
rayal át Santo Anlonio ^t S, Sebastião , com urna 
Hermida dedicada a estes, Santos junto ao córrego, 
da Lage , fonte de seus habitadores , meia légua 
arredado da estrada de S.Paulo para Leste , e uma 
milha da margem esquerda do Uberava falso. O 
povo , que o habita , recolhe feijão , milho , arroz , 
e algodão com a^ frutas , e hortaliças do paiz , e 
cria gado. 



Yy ii 



VIII. 
PROVÍNCIA 

DE 

MINAS GERAES. 



E 




Sta Provincia, creacía no anno de mil setecen- 
tos e vinte , sendo athé esse tempo uma porção da 
déS. Paulo, confina ao Norte com a d^a Bahia ,. 
da qual he separada pelo rio Verde , e com a de 
Pernambuco , de que he dividida pelo rio Cary- 
nhêiíha : ao Sul tem a serra ádi Mantiqueira , que 
a separa áQ^S\ Paulo, e os rios Preto , Parahy^ 
huna , e Parahyba , que a dividem da- do Rio de 
Janeiro: ao Poente tem a de Goyaze-s ; e ao Nas- 
cente as do Espirito Santo , e Porto Seguro com 
uma parte da Bahia. Dam-lhe cento e doze léguas 
de comprimento Norte-Sul , e oitenta de largura 
inêdia LesterOeste. ]az entre os quinze e trinta., 
e os vinte e um e quarenta. 

• O clima passa por temperado respectivamente 
aos das outras provincias da zona tórrida , e sau- 
dável ; se bem que por toda a parte se encontra 
muita gente contaminada de morféa ou mal de S:. 
Lazaro, O Inverno começa em Outubro, e sem.»- 
pre com trovoadas. Na parte meridional sabe-se 
bem o que he frio , e geada nos mezes de Junho , 
e Julho: a agua congeila-se nos vazos , que ficam^ 
de noite ao sereno; mas não acontece isto todos 
os annos. 

O oiro , que em todos os dlstrictos desta Pro^^ 



P. De Minas Geraes, 



357 



^i 



vinc'a se achou em mais, ou menos quantidade , 
fêz dar-lhe o nome, que a designa, o qual lhe 
quadra melhor depois que nella se descubriram to- 
dos os outros metaes. 

O descubrimento deste Paiz be devido á in- 
trepidez de Sebastião Fernandez Tourinho , vizi- 
nho dePorío Seguro, que subindo pelo Rio Doce. 
no anno de mil quinhentos setenta e três através» 
sou athé o Jequitinhonha , por onde desceu. 

Poucos anuos; depois António Dias Adorno, 
com o intuito de rectificar as minas das esmeral- 
das , que aquelle descubrira , subiu [depois de ter 
apportado em Caraveilas ) com cento e cincoenta 
Brancos , e quatrocentos índios pelo. rio Cr/c^r^', 
e voltou por onde o seu precursor. Com o mesmo 
projecto entrou Marcos d* Azevedo neste paiz lar- 
gos annos depois, e penetrou athé a lagoa Viipa- 
bussú. 

Em seiscentos noventa e três entrou o Thaii- 
batêno António Rodriguez no sertão de Cuyaté 
acompanhado de cincoenta homens : Discorda-se 
sobre o projecto ; mas sabe-se que fora sahir na 
Capitania do Espirito Santo , onde aprezentára trcs 
oitavas de oiro , para prova de ter andado por ter- 
ias auriferas. Dalli passou ao Rio de Janeiro , e 
de lá a Thaubaté , onde falleceu pouco depois ate^ 
miado dos incommodos passados ; recomendando a 
seu cunhado Bartholomeu Bueno quizesse conti-i' 
nuar a empreza. 

Impellido do dezejo de remediar a pobreza , a 
que o haviam reduzido as suas tafularias , se pôz 
em marcha o illustre , necessitado , e magnânimo 
Bueno de companhia com o capitão Miguel d'Al- 
fneida , e outros, que se lhes aggregaíam; gover- 
nando-se pelos cabeços das serras indicadas no ro- 
teiro do defunto Rodriguez em seiscentos noventa 
e quatro. 



!\ 



sS^ 



Pr õv th cm 



Ô capitão Manuel Garcia , Cacõnipan liado do 
(Coronel vSalvador Fernandez , e outros aveniurei- 
ros) emprehendeu a mesma digressão no anno se- 
guinte : encontrou-se com Bueno na serra d' Ita- 
beráva , que lica oito léguas ao Sul de Villa Rica , 
e chegou primeiro á pátria com doze oitavas de 
oiro: o que foi cauza de se estabelecer caza de 
fundição na Villa cLe Tiiaubaté ; e animou grande 
numero de Paulistas a emprehender varias outras 
viagens , desprezando fadigas , dispêndios , e peri- 
gos ; não em busca de Selvagens como d' antes , 
mas só do oiro , que llies prometia uma rápida for* 
tuna: sendo muitos os que com este intuito se es- 
tabeleceram no-paiz. Então se declarou de todo a 
emulação entre Thaubatênos , e Piratininganos » 
não consentindo itns associar-se com os outros nas 
minerações. 

Com o mesmo projecto de achar oiro se entra- 
nhou Fernando Dias Paes nos sertões do Serro 
Frio; e chegando ao sitio d' anhonhecanhúva i 
que no idioma dos Indigenas significa agaa que. 
se esconde y hoje sumídoír o ^ se demoroti aqui mais 
de três annos , fazendo neste intervallo varias en- 
tradas a Sabará Bussií , onde na Serra Negra achou 
í^ariedade de pedras preciozas ; as quaes não satis- 
fazendo o seu deze|o , retrocedeu athé a Serra de 
íTucambíra , que dizem signifícar papo de tucano , 
« daqui ao rio Itamarlndíba , que quer dizer pe- 
dra pequenina e boliço7^a , onde, por ser piscozo , 
íse demorou algum tempo. Posto que sua comitiva 
se achava diminuta pela dezerção,que a major parte 
ázera na Serra Negra ,. impaciente da prolongada 
demora naquella paragem , elle determina vizitar 
o lago Vupaliussá; o qual toaliTiente-encontroii 
depois d' uma grande viagem , e muitas indaga- 
^o^s: chegando também a obsejvar os sucavoes , 
donde se haviam tirado as esmeraldas ,,,. pOíP 



rflHl 



JDe Minas Gerctes^, 



S5'9 



iiisiàiiação d' um índio, que aíli apanharam. (83) 

Na volta para S. Paulo morreu o nosso cer- 
tanisra junto ao rio das Velhas , onde felizmente 
encontrara , entr' outros patrícios , a Manuel de 
Borba Gato, seu genro ,, ao qual deixou toda a 
,e q u Ip ag e m da sua I a b o r i a ç ã ó . 

[ Entrou neste comenos no paiz D. Rodrigo 
de Castello Branco com o emprego de Superinten^ 
"dente das minerações , e querendo também parti- 
cipar da gloria do descubrimento d^s esmeraldas , 
quando se achava junto ao rio das Velhas , man- 
dou, piedir a Manuel de Borba Gato parte do pro- 
vimento , que lhe deixara o fallecido Paez , o 
qual recuzando consentir na repartição , com o 
pretexto de querer também emprehender a mesma 
yiagèm , deu motivo a escapar desgraçadamente 
áqnelle uma palavra ameaçadora , o que foi bas- 
tante para ser assassinado por um familiar do Bor- 
ba ; ao qual o General Artur de Sá em nome de 
S. Magestade ofereceu perdão , com a condição 
demostrar as copiozas minas do Sabará por elle 



(83) Se as aventuras de Fernando Dias Paez , e de Ma- 
nuel de Borba Gato sam verídicas em todas ss circnns tareias^ 
e se he verdade , que Artur de Sá foi cjuem perdoou ao derra- 
deiro ; e seu governo principiou em seiscentos noventa c sete , 
a digressão do primeiro deve ser adianisda doze arincs, de- 
vendo ter começado em seiscentos oitenta e quatro , cu oi- 
tenta e cinco : e por conseguinte f^evem ser rnais anteriores 
as viagens de Arzao , e António Soares , descnbridores (lo 
Serro do Frio, que na linguagem dos Indigenas se dencíiii^ 
nsv2í Hyvitujahij, 

C84) Viipabussn (vocábulo Brazilico que significa Jago 
^ra/2r/e ) lie 'designado de tempos a esta parte pelo nome de 
lagoa ãoiratlci /tíVús encanta >a ^ por nao appareter acs qre 
em nossos dias a tem procurado. Ciê-se .esiar na pnrie OGr 
ííidental de Porto Seguro. 



h 



s6o 



Província 



descubertas ; e por quanto as mostrou , foi ainda 
condecorado com patente de Tenente General! 

A abundância do oiro , que apparecia , fez 
concorrer grandíssimo numero de Paulistas , e Eu- 
ropeus a este Paiz , onde a gratuita entiqueta creou 
discórdias renhidas , e uma prolongada guerra civil. 

Manuel Nunes Vianna , natural da Vilía , 
que lhe deu o sobrenome, chefe do partido Europeu , 
que o n®meára governador das Novas Minas , 
mostrou que a Natureza o dotara de muitas da- 
quellas qualidades , que formam os grandes Gene- 
raes. António d' Albuquerque Goelho , primeiro 
General da provinda de S. Paulo , terminou as 
sanguinozas desavenças dos desarrazoados parti- 
distas com as armas da prudência em setecentos e 
dez. 

Esta Província em quanto comarca da de S. 
Paulo , e antes d* ella ter Gcneraes por Governa- 
dores , foi Varias vezes vizitada pelos do Rio de 
Jâheiro ; não sd no tempo das desordens entre Pau- 
listas , e Europeus , mas anteriormente a apazi- 
guar as coatendas dos Piratininganos , e Thauba- 
tênos. 

D. Lourenço d' Almeyda foi o primeiro Ge» 
neral desta Província , cuja posse lhe foi esplen- 
dida , e solemnemente dada na Matriz de N. Se- 
nhora do Pilar de Villa Rica a dezoito d' Agos- 
to de mil setecentos e vinte. Achou -a já mui po- 
voada , e repartida em quatro comarcas. 

Montes , e Serras. He o paiz mais montanho- 
zo do Brazil. A serra da Mantiqueira , que hã 
a mais celebrada da Provinda , tem principio na 
parte septentrional da de S. Paulo , donde vem 
correndo quazi ao Nordeste , não sem muitas tor- 
iuozidades athé a vizinhança da Villa de Barba- 
cena , onde inclina para o Septentriao athé a ex- 
tremidade da Província, variando de rumo , de 



De Minas Geraes, 



^6i 



altura , e de nome; e estendendo vários ramo^ 
para ambos os lados de mais ou menos comprimen- 
to , e altura. Todas as comarcas a tem por limite 
em maior, ou menor espaço, como se verá. 

Rios. Nenhuma outra Provincia he tão abun- 
dante d'aguas. Grande parte dos rios que a re^ 
gam , tem origem na serra da Mantiqueira : C; 
quazi geralmente sahem da Provincia por quatro^ 
canaes ; dois para o Nascente , a saber o Rio Do- 
ce e o Jequitinhonha: um para o Norte que he o 
Rio de S. Francisco ; outro para o Poente qual 
he o Rio Grande. O primeiro rega a comarca de 
Vilia Rica ; o segundo a do Serro Frio ; o tercei- 
ro a do Sabará ; o derradeiro a de S. João d'Ei-: 
Rey : De cada um delles fallaremos na comarca 
por onde correm. 

Mineralogia. Oiro , platina, píata , e cobre , 
ferro , estanho , chumbo , mercúrio , antimonio , 
bismuto , amianto , talco , pedra calcaria , granito 
de que se cortam portados, e mos; jaspe preto 
veiado de branco ; pedras de amolar , loizas coní 
que cobrem as cazas em partes ; carvão de pedra , 
?alitre , argilas brancas , vermelhas mais ou me- 
jios coloridas , am^arellas , roxas , e negras que tin- 
gem de preto : diamantes , rubins , esmeraldas i 
crizolitas , topázios , çafiras , agiias-marinhas , aga-» 
tíias , ametistas , pingos-d'agua , cristaes , peder- 
neiras , ledra-sahâo de cor de pérola , alguma 
veiada de escuro, compacta, pezadissima , facili-^ 
ma de tiabalhar, cedendo àunba: fazem-se della^ 
imagens , castiç-aes , escrivaniniias ; e ainda panel-^ 
ias ao torno ; dá excellentes gizes: o seu íinissi-^ 
mo pdhe procurado pelos viandantes. ^ 

Por toda a parte se observam proíiindas ca4 
vernas , e sticavóes , donde se ha tirado immensiv 
dade d* o/Vo , may áç> liixu-, que enfraqueceu ú 
Estado , enriquecendo as-Naçôes estrangeirais. Vêmi, 
Tom, 1. T^-L 



■I 



â«a 



Província 



1 



se morroá fiiradòs d' um a outro lado: houveram 
oiitros , que desappareceram de todo , para seapro' 
veitar a riqueza , que encerravam no seu todo. 
Muitas montanhas retumbam frequentemente, an* 
Bunciando conter mineraes. Vasto numero de tor*» 
rentes ham sido tiradas em maior ou menor espa-^ 
ço do sen alveo nativo para facilitar a extracção 
do oiro , e diamantes. 

Zoologia. Criam-se todas as espécies de ani^ 
3pfiaes domésticos da Hespanha : es boys , e porcos 
sam os mais multiplicados: as ovelhas não per- 
dem a lan , que fomenta alguns ramos de Indus- 
tria no paiz , como sejam chapeos , baetas , pan- 
nos. Todos os quadrúpedes selváticos , e aves que 
se encontram nas províncias limítrofes, sam nes- 
ta communs. 

Os Negros sam numerozissimos: grande par- 
te dos brancos Europeus : os naturaes habilidozos. 
Os Indígenas sò existem nã raia Oriental. 

Phytologia. As terras produzem com abun- 
dância no primeiro anno ; no segundo commumen- 
te pouco ; no terceiro cL'ordinario quazi nada. He 
precizo deixallas descançar alguns annos athé se 
cubrirem de mato forte , que se derruba , e queima , 
como se fez para lançar4hes a primeira semente, 
que viram. Cultiva-se mandioca , tabaco , cannás 
d'assucar , de cujo siico grande parte he destílla- 
da em agua-ardente , algodão , de que se fabricam 
diversos tecidos: trigo, centeio , muito milho bran* 
CO , cuja farinha secca lie o pão ordinário : o mesmo 
grão cozido , depois de tirada apellicula , e adoçado 
com assucar , hc um manjar , que entra em todos os 
Banquetes com o nome de cangíca : batatas, inha- 
mes , legumes sufficientes á população ; diversidade 
d'ortaIiças : café , anil : Entr'outras muitas plantas 
íGedlcinaes a epicuenha , calumba , alcaçuz, jala- 
pa a uQi^ cspçci^ de n^rdo íq^ serr^ cio Caraça j a 



De Minas Geraes, 



3^1 



bahonillia , oiirucú. Conhecem-se entre as arvores 
rezino2.as as da gomina copal , da almecegá , do 
bcijoim , do angico. Em alguns sítios criam-se as 
do estoraqiie ; as que dam o óleo de cupahyha ; 
eni outros sam multiplicadissimos os barbatimóes , 
em cujas folhas se criam cantáridas em quanti- 
dade de fazerem um lucrozo ramo de ganância. 
Algumas dam boa casca para curtumes ; outras 
cinza para saboarias. Também as ha venenozas # 
que matam os peixes ; e uma , cuja casca supre- 
a verdadeira quina. Ha variedade d' arvores de 
boa madeira para construcção ; diversidade de pal- 
meiras. O cedro he commum em alguns sitio$: os 
pinheiros brazilicos crescem na parte meridional , 
principalmente junto ás faldas das serras. Ha um 
arbusto diíxerente ádi myrica cerif^ra^ cujo tron- 
co , e ramos estam sempre cubertos d'uma espécie 
de cera ; e a arvore do verniz , com que os Indí- 
genas tingem suas cuyas. Tem-se naturalizado 
quazi todas as arvores frutíferas de Portugal ; mas 
nenhuma melhoron ; e só frutificam com abundan-, 
cia os pecegueiros , e os marmeleiros de cujo frti- 
Cto se faz grandíssima quantidade de doce; Os 
cajás, as jabuticabas, os araticuns , as mangábas ,. 
sam conhecidos por toda a parte , como também as 
laranjas , limões , bannanas , annanazes ^ e me- 
lancias. 

Exporta-,se desta Província, soía, coiros de 
veado, e d' outros animaes selváticos; algodão te- 
cido , e era lan ; tabaco , café , friítas , assucar , 
queijos , carne de porco , rapaduras , pedra sabãb^ 
pedraria, salitre , marmelada. Quazi tudo he con.-> 
duzido á Metrópole em bestas , das quaes se en-^ 
contram comboyos de cem , e maior numero , re*-; 
partidas em recuas de sete cadauma , e governada^ 
por um homem: levando cjei^^f^^^^^o sal, fazendas^ 
seccas , e molhados. , _,\^ , > , 

Zx ii _, 



h 



Comarcas, 
Villa Rica. 




Pn)vlnçi4 



í A Fazenda Real além dos diamantes , quintos- 
djO oiro , dízimos , direitos dos Negros , e fazendas , ^ 
q.iie sobem dos portos; de, gado cavallar , e muar i 
que entra de S.Paulo, pereebe ainda um consi-> 
4erazel rendimento nas passagens das pontes , e- 
barcas, que sam numerozas. • , 

^: De todas as compleições ^se- vê miiiita gentC) 
C;jentenaria. ,N,o anno de mil setecentos e quatorzç 
ípi esta Província repartida nas quatro comarcas 
seguintes : 



Rio das Mortes.^; 



Serro do Frio. 



Sabará. - 



Vil las. . ' 

Villa Rica. 

Marianna. 

S. Joam d' El-Rey, 

S. Jozé. 

Queluz. 
; S. Carlos de Jaculiy, 

S. Maria de Baependy, 

Campanha. 

Barbacêna. 
_ Tamanduá. 
C Villa do Príncipe. 
/ Fanado. 
Ç Sabará. 
J Cahyte. 
) Pitanguí. 
(^ Paracatú. :(S^^ 



No anno d' oitocentos eoito se prohibiu a cirr> 
<;ulação do oiro em p6 como moeda , em cujo luga^ 
correm desde então moedas dos trcs metaes. 

A comarca de Villa Rica , aliás do Oiro Preto , 
qiie he a menos extensa , e cuja maior parte está, 
^inda inculta, confina ao Norte com a do Serro do 

(2{f) As Villaà da Lo^ia , clõs Corvos, e da Conceição, 
mencionadas pelo Viajante Mawe , r.ao existejQá nem dentro j 
nem ÍQía tios iiniiies clestai^Pjíovancia. 



De Minas Géraes. 



i^S 



Fríó , da qual lie separaria pelo rio Doce ; aoPoeiítô 
com a do rio das Mortes ; ao Sul com a Provinda 
do Rio cie Janeiro; e ao Nascente com a do Es- 
pirito Santo'. Dam-lhe trinta e cinco léguas de Nor* 
te-Sul , e pouco mais de quarenta Leste-Oeste. 

Serras. A Serra do Oiro Preto , que he uma 
porção da Mantiqueira: o seu cabeço mais eleva- 
do , chamado Itaculumi , que quer dizer menina 
de pedra, passa pelo mais alto da Provincia. A 
serra do Oiro Branco ao Meio dia da precedentes 
a serra Negra com minas de ferro ; a da Lappa 
ambas ao Norte da Capital. 

'^ . Oito léguas ao Norte de Marianna está a ce- 
lebre serra do Caraça, assim chamada por ter uni 
lugar , que visto de certa paragem arremeda uma 
enorme fizionomia. He um desmembramento da cor^ 
dilheira grande com doze ou mais léguas de cir- 
cuito na sua baze , e escarpada em redondo. Nu-: 
ma planice de pouco menos de légua em quadro ; 
€m uma quebrada da sua sumidade ha uma espe^. 
cie de Mosteiro > onde vivem vários Heremitóes 
conduzidos uns pela devoção ,. outras pelas perse-: 
guiçóes : seu habito he uma sotana negra. Susten- 
tam-se de esmollas , e das producçóes do terreno 
adjacente , onde criam gado" , e cultivam centeio,! 
O edifício he de pedra; a Igreja de elegante ar-; 
quitectura , e dedicada a Nossa Senhora Mãe dos\ 
Homens. No jardim ha varias arvores íructiferas 
da Europa como macieiras , pereiras , ameixieiras ,': 
cerejeiras, marmeleiros, castanheiros , oliveiras ^ 
líogueiras , carvalhos ; athé giesta amarella , e to- 
jo. O terreno he regado por vários regatos , que.' 
depois de unidos vam engrossar o Percicába. 

Na sua vizinhança fica a serra da Itaubira, 
que termina em clois penhascos piramydaes. , / 

Por entre o rio Doce , e o Parahyba corre 
4m exteasQ l)xaço da iyiai>tiquçi|'a , dç q[ual fpm-" 



Provinda 

nam muitas torrentes , que os engrossam ; serra da' 
Fre cheira he o nome dMnima porção. 

Rios. O rio Doce , que he o maior da Cornar-» 
ca , tem sua origem na serra da Mantiqueira : de- 
pois de largo espaço contra o Nor nordeste com o 
nome de Chópétó recolhe o Piranga , que vem 
da serra do Oiro Branco , depois o Guallacho for* 
mado de dois do mesmo nome , e distinguidos pe- 
los nomes do Norte, e do Sul , que^sahem da. 
serra do Oiro Preto. Nesta confluência inclina para 
o Nascente , e recebe o Bombá^-a , e o Percicà* 
ha, que vem do Poente, como os outros, e tem. 
suas origens na serra da Lappa. Aqui toma o no- 
me , com que entra no Oceano. ^ 

Hum pouco abaixo se lhe une também pela 
esquerda o considerável rio S. António^ que vem 
do Noroeste atravessando um terreno extenso po- 
voado em grande parte de gado vaccum. Dos di-: 
versos ramos , que o íormam , uns sahem da serra: 
da Lappa, outros da do Serro Frio. 

Três léguas adiante se lhe junta pelo mesmo- 
lado © rio Corrente , que vem do m.encionado Seixa 
Frio, com mais de trinta d' extensão. 

Obra de oito léguas abaixo desemboca o con- 
siderável Sassuhy , cujas cabeceiras estam umas: 
na mesma serra do Serro Frio , outras na das Es-^ 
meraldas : suas adjacências estam ainda mal po- 
voadas. Segue-se o Ribeirão ádiS Laranjeiras ^ que 
traz a mesma direcção por entre matas povoadas 
cie feras , e Gentio bárbaro. 

O rio Cuyaté , que vem procurando o Nor-. 
deste , he o maior entre os que se lhe encorporam: 
pela margem direita. Sua embocadura fica pcuca^ 
abaixo do precedente. Dá nome a hum certão po- 
voado de Selvagens. (86^ 



(dó^ Entre a cachoeira dos Miigoarís , e a dos ibiturti* 



1^ 



De Minas Gerãe^, 



307 



^ O rio Manhaossá depois de atravessar gran- 
des bosques procurando também o Nordeste , e 
limitando o certão de Cuyaté, perde-se no Doce, 
pouco acima das Escadinhas. 

Quatro cachoeiras notáveis entr'outras meno- 
res tem o rio Doce : a Escara , que íica pouco 
abaixo da ídz do Percicaba ; a dos Magoaris pouco 
abaixo da do Corrente ; a dos Ibiturúnas pouco 
acima da do Sassuhy ; e a do Inferno^ que fica 
entre as coníluencias do Cuyaté , e do Manuassiu 
O território adjacente he de notável fertilidade , 
ao menos em grandes extensões : em alguns sitios 
a mandioca cria raiz de prodigioza grandeza. Ape- 
zar dos mencionados obstáculos , este rio dá nave- 
gação extensa , e útil. Suas aguas , para não cau- 
zarem febres , devem ser guardadas por mais de 
vinte e quatro lioras athé clarificar , depondo o 
lodo que trazem das lavras dos mineiros. (87) 

O rio Maqaipóo lie um dos primeiros que 
engrossam o Doce pela margem direita: sua em- 
bocadura fica pouco acima da do Bombáça. 

O rio Preto tem principio na serra Itítiaya^ 
ramo da Mantiqueira , que se estende athé a vizi- 
nhança do Parahyba , um pouco ao Poente da Villa 
de Rezende , e corre ao Nascente atravessando as 
terras dos Ararys , e limitando a Província athé 
se unir 2iO Parahybuna , que nasce perto do Chd- 
pótó , e vai engrossar o mencionado Parahyba. 

O rio da Pomba , que já se disse ser tributá- 
rio do Parahyba , rega um extenso terreno dd parte 
meridional desta comarca ; e passa junto da Parro- 



nas sahe o rio SasSuhy pequeno > que corre parallelamenie 
com o do mesmo nome, 

(87) Alguns certanistíiy dizem q^ue o Manlmassú he maior 
jq^ue o Cuyaté, 




Í68 



Provinciá:. 



^uia de S. Manuel , cujos fregiieze^" sam índios 
'Coroados , e Cr após , com alguns Brancos, todos 
pultivadoies de milho , legumes ', e alguma canna 
d'assucar, e eriam muitos porcos. A fertilidade dg 
■terreno , a navegação do rio prometem-lhe aug- 
fmento. C^'8) 

í ViLla Rica^ anteriormente Oiro Preto ^ crea- 
(da em setecentos e onze , grande , populoza , abas? 
jCada , e florecente he a Capital , e rezidencia do? 
Governadores da Província , e do Ouvidor da Co* 
marca, que he também Provedor dos defuntos , aii^ 
zentes , capellas , reziduos ; servindo ainda de Juiz 
da Coroa com jurisdicçao em toda aProvincia. Tenj 
Juiz de Fora do eivei , crime , e órfãos ; servindo 
também de Procurador da Coroa:, Vigário for a*? 
'iieo , Professores Régios de primeiras letras , La- 
tim, e Filozofía ; porém he mal situada nas abas 
meridionaes da serra do Oiro Preto , entre morros 
tristonhos , em terreno mui desigual , e frequen- 
temente cuberta de névoa , cauza de continuadas 
clefiuxóes. Ha nella Caza de Mizericordia funda- 
da por Gomes Freyre d' Andrade em virtude do 
Alvará de.dezaseis d'' Abril de mil setecentos trinta; 
e oito , econíirmada em setecentos e quarenta ; ca* 
za de fundição do oiro; uma Junta da Adminis- 
tração da Fazenda Real , composta de quatro De^ 
putados , que sam o Ouvidor da Comarca , o Pro-^ 
curador da Coroa , o Thezoureiro Geral e o Escri* 
vão contador , e prezidida pelo Governador. Or- 
'tiamaia dez Capellas: a do, Senhor do Bom-Fimi 
a das Almas , a de S. Anna , a de S, João , a de. 
S. Jozé , a de S. António , a de S. Sebastião , ires 
èlèdicadas a N. Senhora com as invocações do Ro-- 



4o rio. 



(88) Contara doze, léguas daí Matriz athé a embocadura 



De Minas Gerais. 



369 



7ario , Piedade , e Dores ; a fora as três das Cr- 
detis Terceiras de S. Francisco d' Assiz , Carmo', 
€ S. Francisco de Paula , que lie dos Pardos ; qua- 
2Í todas de pedra: quatro pontes de pedra. A. caza 
da Camera he grandioza , e commumente com quinze 
mil cruzados de rendimento annual ; o Palácio dos 
Governadores magnifico ; os Quartéis da Tropa 
asseiados. Tem um Fortim com algumas peiças para 
salvar nos dias de solemnidade ; e quatorze fontes 
de cristalinas , e boas aguas ; e um Hospital. Seus 
habitaptes , pela maior parte mineiros , e negocian- 
tes , estam repartidos em duas Parroquias : Nossa 
•Senhora he a Padroeira diambas, numa coni o 
Titulo cio PZ/úT , n'outra com o da Co/2rc^ /fel o. Fica 
sessenta e seis léguas ao Nornoroeste do Rio de 
Janeiro. 

Ha nesta Capital vinte e cinco Oí!icios Judi- 
ciaes : três Tabelliães , hum Escrivão da Ouvido- 
ria; outro dos Feitos da Fazenda Real; outro das 
■Execuções; outro da Provedoria dos Defuntos , 
Auzentes , e outro da Camera ; outro dos Órfãos ; 
dois Partidores dos Órfãos ; um Inquiridor da Ou- 
vidoria ; um Thezoureiro dos Auzentes ; um Inqui- 
ridor , Contador , e Distribuidor do ]uiz4 um Mei- 
rinho Geral do Ouvidor ; um Escrivão da Vara 
do mesmo Meirinho ; um Meirinho das Execuções , 
4;Uii Escrivão do mesmo ; um Meirinho do Campo , 
um Escrivão do mesmo ; um Meirinho dosAuzen> 
tes , um Escrivão do mesmo; um Alcayde , um 
Escrivão da Vara do mesmo ; e um Porteiro dos 
Auditórios. 

Na Caza cia Fundição ha dezaseis Officios : 
quatro Fiscaes , que servem por turno cada um 
três mezes : um Thezoureiro; um Abridor dos cu- 
nhos ; três Fundidores ; um Ensayador , um Aju- 
dante do mesmo ; um Escrivão da Receita , e 
Despeza; outro da Conferencia ; outro das Forjas 
Tom. I, Aaa 






Província 

e enti-ada clô oiro na fundição ; um Meirinho /iim 
Escrivão do mesmo. C^9) 

Na jiuita da Fazenda R. , além dos Deputa* 
dos diios , lia seis Escriturários ; dois Ajudantes 
da Contadoria ; um Fiel Ajudante do Thezoureir& 
Geral; um Tliezoureiro das despezas miúdas , e 
Almoxarife dos Armazéns ;' um Escrivão deste 
Thezourêiro ; um Solicitador da F. R. ; um Mei- 
rinho da mesma F. R. ; um Escrivão deste Mei- 
rinho; um Porteiro da junta; um Continuo da 
xiiesma. Qgoy 

Os habitantes desta Capital , e de seis Parro- 
Gliias do seu termo forma vã o dois Regimentos de 
Cavaíieria Auxiliar ; quatorze Companhias d'Or- 
denança de Brancos , sete de Pardos^, e quatro de 
Pretos livres ha vinte annos. 

Em distancia de duas léguas e meia ou com 
pouca differença ao Poente de V. R. está o Arra- 
yal, e Freguezia áeS. Bartholomeu , íamozo pela 
grande quantidade de marmeUada , que deile se, 
exporta. 

Três léguas ao Noroeste de V. R. está a Fre- 
guezia de N. Senhora áe Na^areth ádi Cachoeira ^^ 
onde Qs Governadores tem uma caza de recreio ,, 



(8p) O emprego de Intendente , qne rencUa annualmen- 
♦te cincomil duzentos e ciiicoenta cruzados, além das propi-- 
nas, acaba de ser extincro , assim como em todas as outras 
cazas de Fundiçae do Estado , por se conhecer que só ser<- 
viam de aumentar a despeza da Coroa. 

Çço") Destes Offieios o mai& pingue he o d'Escrivão 
Contador , que rende três mil cruzados ; e o mais ténue a 
de Continuo, que não passa de cemo e cincoenta mil reis. 

Em Villa Rica ha um Tribunal intitulado : Junta d» 
Conquista, e Civilização dos índios , e Navegação do Ria 
Doce, estabelecida em oitocentos e oito; cujo intuito prin- 
cipal he animar a Agricultura nas adjacências daquelle Mio. 



De Minas Geraes. 



371 



e onde vam passar alguns dias no exercício , e 
•recreio da caça dos veados , e perdizes. 

Seis léguas ao Sueste de V. R. está o conside- 
rável Arrayal , e Parroquia da Piranga situado 
iuiito ao rio do mesmo nome , ornado com uma 
Igreja Matriz , de que he Padroeira N. Senhora 
cia Conceição , e uma Capelia com o titulo do Ao- 
^ario. Seus habitadores cultivam viveres, egran- 
de quantidade de tabaco , para o qual he mui apro- 
priado o território. 

Na vizinhança do rio Piranga, no termo da 
Parrochia de Santo António á" Itaberáva ao Sul 
de V. R. está o considerável Arrayal de Caias- 
Altas da Noruega ornado com uma Capelia de 

S. Gonsalo, 

Marianna , Mariannojwlís , originalmente 
Arraial do Carmo athé o anno de mil setecentos 
e onze, quando El-Rey D. Joam o V. lhe deu 
foral, e o nome átVilla Leal do Carmo', creada 
Cidacie Episcopal em setecentos quarenta e cinco 
pelo mesmo Monarca , que lhe deu o nome de sua 
-amada Consorte , he pequena , e abastada , situada 
num terreno que nem he plano , iiem mui decli- 
viozo junto á margem direita do Ribeirão do Car- 
mo. ornada com as Capellas de N. Senhora do 
Rozario , de S. Pedro , Santa Anna , S. Gonsalo , 
S. Francisco que he dos Pardos , N. Senhora das 
Mercêz dos Pretos creoilos ; duas Ordens lercei- 
fas do Carmo , e S. Francisco , cuja Capelia he 
ellegante ; duas praças, sete chafarizes de boas 
aguas. As ruas sam calçadas, as cazas rnodeinâs 
de pedra.. (91) A -caza da Camaia he um dos me- 

Aaa ii 



(91) <^ Rihchúo do Carmo ícmiado í'e vnr-as P bei- 
ras que lavam Viiia Rica , corre manso per espaço tle cin- 
co iegu-as aihé o Arraiai cio forqaim, onde se ciespeiiha 






â?^. 



previne! a 






lliores e-fi^cios . e tem agua dentro r a Cathedraí , 
oe.icéida a N. Senhora ^^' Assumpsão , lie inciis el- 
legaaíe que solida , por ser de adobe; o Ralacio 
Episcopal jnagníííco ; o Scimnario c^spaçozo , o 
.CaJDidoj:o;)ipoe se dequatorze Cannnicaios , indu- 
zas as LMgiiidades d' Arcediago , Arcipreste , Ciiau- 
tre , TiiezGurtfirG Mor: cojn elles^omdam doze 
Capellaeas: quatro moços do Coro os servem. O 
Senado, que- tem onze mil cruzados de lendimento 
annual , lie prezidido por um Juiz de Fora , que 
:íambem a he dos Qrfãos ,. e serve de Provedor 
fios defuntos, aumentes, capellas , e reziduo^,, 
com vinte ofíiciaes debaixo da sua inspecção: dois 
Tabelliães ; um Escrivão das execuções ; outro áts 
Órfãos; outro cia Provedoria dos Auzentes ; oiuro 
da Camera; um Inquiridor ,. Contador , e Distri- 
buidor ; dois Partidores dos Órfãos ; um Thesou- 
leiro dos Auzentes : um Escrivão de Catas-Altas ; 
um Alcayde, um Escrivão do mesmo; um Meiri- 
nho do campo , um Escrivão ao mesmo ; um Meir 
rinlio das Execuções , um Escrivão do mesmo ; ura 
Meirinho dos Auzentes , um Escrivão do mesmo ; 
.um Porteiro dos Auditórios. 

Todos os habitantes cie Marianna samFretnie- 
zes da Caihedral ; e com os de doze Parroquias , 
que ha trinta e dois annos havia no seu termo , 
formavam dois Regimentos de Cavall-ria Auxiliar ; 
vinte Companhias de Ordenança todos Brancos ; 
dez Companhias de Pardos ; e cinco de Pietos livres. 
Esta Cidade fica duas léguas com pouca diíi-e- 
rença a Lesnordeste de V. R. A estrada do inter- 
valio he espaçoza , aprazível ,. calçada em partes, 
e bordada de grande numero de cazas. Contam-se 
nellc dois Arrayaes , e três pontes de pedra. 



por uma escack de rocha (íe mais cí' uma niillia de compri- 
mento , e vai caliir no Guailaclio do Sul. 




De Minas Gerais, 

Fm distancia de duas léguas ao Norde^íe de 
Marianna, junto ao Anayal de Antuino Pet eii a 
(^<eu fiíndador), num morro , que íica noíimd^uia 
valle ameno , esta uma gruta , obra da Natureza, 
converfida pela devoção em uma Capellinlia dedi- 
cada a N. Senhora da Lapa, onde todos os Sab- 
bados ha Missa cantada , e uma Festividade a 
quinze d' Agosto. No tecto , que he de pedra cal- 
caria , ha vários Còtalactitt^s , ou como pedaços 
de cristal formados pela filtração da agiia , quc se 
congella. 

Quatro léguas ao Norte da mesma Cidade está 
o Arrayal , e Freguezia do Inficionado , ao qual 
deu este nome a quebra do sen oiro , que sendo 
a principio mui subido, era ao depois inferior; de 
sorte que ficou chamando se oiro inficionado. He 
pátria do Poeta, que compôz o Poema do Cara- 
rnurã. A sua Matriz he dedicada a N.Senliora de 
Nazaré th : e seus habitantes cultivam os viveres 
do paiz , criam gado , e mineram. 

Catas Altas de Mato dentro , noutro tempa 
Arrayal grande , e ílorecente , ornado com uma 
Igreja Matriz dedicada a N. Senhora da Conceição , 
tem decahido com a falta do oiro. Os profundos 
succavoes , que se fizeram para o tirar do centro 
da terra , deram lhe o nome. SeUs habitantes sarn 
agricultores , mineiros , e criadores de gado. Fica 
ciuas léguas arredado do precedente. 

Pouco mais de duas léguas afastado de C. Al- 
tas fica o grande , commerciante , e ílorecente 
Arrayal de S. Barbara junto á Ribeira do mesmo 
nome, ornado com vários Templos , e promettendo 
considerável aumento. Seus moracioies criam ga- 
do , cultivam mantimentos , e tiram oiio. 

Três léguas distante de S. Barbara está o Ar- 
rayal dos Cocaes com ricas minas de oiro no dis- 
tricto daParroquia àe S. ]oào do JMorro ^ranã.é\. 



â74 



Província 
Rio das Mortes. 



A Comarca do Rio das Mortes , assim cha* 
mada do rio , que a rega , conhecida igualmente 
pelo nome da sua Cabeça que lie a Viíla de S. João 
ã' El-Rey , tem ao Oriente a de ViMa Rica ; a(j 
Norte a do Sabará , da qual lie separada pela Serra 
Nepra , e pelos rios Lambary , e Andayhá ; ao Oc* 
cidente as Províncias de Goyaz , e S. Paulo, que 
também a limita pelo Melodia , onde ainda confina 
com a do Rio de janeiro. Dam lhe cincoenta lé- 
guas em quadro médio. Tem muitos , e extensos 
pedaços de terreno apropriado para a cultura da 
mandioca , milho , e legumes ; como também para 
ã plantação das cannas do assucar , e tabaco , que 
sam dois lucrozos objectos de exportação ; outros 
onde os algodoeiros prosperam. Em alguns distric- 
ros da parte meridional recolhe-se considerável 
quantidade de centeio , e trigo. Por toda a parte 
se cria muito gado vaccum ; e também lannigero , 
e porcos ; cuja carne , e os queijos do primeiro ía- 
zem dois consideráveis ramos decommercio expor- 
tativo. Também tem terrenos auríferos , onde ss 
occupa muita gente. 

Montes, e Serras. A serra do Lenheiro na 
vizinhança da Villa de S, ]oão d*El-Rey ; a de 
S. Jo7^é na proximidade da Vilía do mesmo nome ; 
a do 'lôpo pouco arredada de Cabo Verde ; a d* 
Assumpção ■> que fica na parte occidental entre 
o rio Grande , e o Pardo ; a da Parida , que lhe 
serve de limite na mesma parte occidental do R. 
Grande para o Septentrião. 

Na parte meridional tem a extensa Manti- 
queira em partes escalvada e dcí pCxiedia , noutras 
povoada de matas. Nella vivem os Índios Cachi- 
'íieves , que sam poucos , de corpo acanhado , e 
timidos , reduziado toda a malehcencia ao roubo 




De Minas Gera es. 

d^algTimas cabeças de gado nas Freguezias con vi- 
zinhas. 

A serra Ó2i Jurnóca\ que he um ramo da 
precedente, e toma o nome d' um penedo assen- 
tado sobr'ella chamado pedra do papagaijo a^aya^ 
ríi papagaio, e oca penedo. Segundo dizem^ ; e 
onde iia uma cascata com cem covados de queda. 

A serra das Carrancas entre o R. Grande , 
e o Verde. 

A serra das Letras , qne he um ramo da pre- 
cedente: o nome que a dezigna , vem-lhe d' uma 
sorte de Jeroglificos , obra da Natureza , que se 
observam no interior d'uma vasta , ecitrioza gru- 
ta formada de diversas camadas de pedra arenoza; 
algumas de considerável elasticidade com. varias 
paizages formadas de plantas , que alli apodrece- 
ram. As pretendidas tetras , que não passam de 
toscos , e lUegiveis jerogliíicos , e que a ignorân- 
cia do povo attribue ámão do Apostolo S.lliomé» 
elevem seu principio a partículas ferruginozas , 
segundo parece. Junto delia ha uma Hermida de- 
dicada ao vSanto Apostolo nomeado. 

A serra da Vigia , assim chamada por teí 
servido largo tempo 'de atalaia ás sentinellas d'um 
quilombo de Negros, que se tinha formado na- 
quelle districto , fica seis léguas arredada de S. João 
d'El-Rey. A serra do Cacharnbú entre o rio Ja- 
caré e R. Grande. 

Rios. O R. Grande , que he o maior da Co- 
marca , e a divide em duas partes meridional , e 
septentrional , tem sua origem sobre a serra }u- 
ruóca ou do Papagaio , como também lhe chamam 
perto da nascença d' um ramo do rio Preto. De* 
"pois de ter recolhido muitas Ribeiras por um, e 
outro lado fazendo caminho de Norte a principio, 
depois ao Noroeste por largo espaço , se lhe en- 
coipõra o considerável R. ád.s Mortes y i^w^ iam 



375 



Província 



sua nascença na serra do Oiro Branco muito vizi- 
nha á do Piranga , donde vem procurando o Poen- 
te , e engrossando com os que se lhe unem por 
uma e outra margem. Desta confluência, que fica 
vinte léguas ou com pouca diíFereuça ao Poente 
da VilJa de S. J. d'El-Rey , o R. G. continua ao 
Occidente , engrossando consideravelmente athé a 
raia da Província, onde começa a servir delimite 
entre a de Goyaz , e a de S. Paulo , como se disse. 
Cria diversidade de pescado. 

O R. Sapucahy sahe da serra Mantiqueira 
descrevendo numerozas tortuozidades , e engros- 
sando com outros muitos que se lhe juntam; sen- 
do o maior delles o rio Verde , cuja origem íica 
próxima á do R. G. Depois de ter regado um ex- 
tenso terreno , onde pasta numeroza gadaria , fa- 
zendo caminho de Noroeste , atravessa outro ain- 
da maior da Provincia de S. Paulo , onde se une 
ao precedente , como se disse. 

Junto á margem , e pouco longe da origem 
do rio MoZjãmbo , ramo do wSapucahy , ha vários 
poços d'aguas sulfúreas , umas mais quentes que 
outras , cujos banhos tem sido profícuos a certos 
doentes: e entre a campanha do Rio Verde, e 
Baependy junto a um ribeiro, que cahe no rio 
.Verde , ha agua minerai , vitriolica , gazoza. 

Nesta Comarca tem principio os rios Pardo , 
c Jaguary , que regam a parte septentrional da P. 
de S. P. como diss-emos : como também o Parau- 
péba , o Pará , o Lambary , o Bambuhy , e o de 
S. Francisco , que os recolhe: estes sam os prin- 
cipaes da parte septentrional. O Camaíiducaya 
lie ramo do Sapucahy. O jacuhy , o Jacaré , o 
Cajjívary desaguam no R. G. abaixo da confluên- 
cia do das Mortes. O rio do Peixe, e o das Mor- 
tes pequeno entram no das Mortes grande; o der- 
radeiro seis léguas abaixo de S. ]. cl' £1-Rey , o 



^ 



Dâ Minas Geraes, 



outro ainda mais longe. Os doirados , os man- 
dins , e os pracanjúbas sam os melhores peixes 
destes rios. 

A Villa deS./o^/72 d' ElRey , anteriormente 
Rio das Morins , cabeça .la Comarca, e reziden- 
cia ordinária do seu Ouvidor, que serve de Pro- 
vedor dos defuntos , auzentcs , capellas , reziduos , 
€ também de ]uiz da Coroa , he uma das maiores^ 
e a mais alegre e abastada da Provinda; assentada 
num terreno plano , e meia légua distante da mar- 
gem esquerda do rio , que lhe deu o nome primitivo 
athé o anno de setecentos e doze , quando El-Rcy 
D. ]oão o Quinto lhe deu titulo: ornada com uma 
lersja Matriz , cujo Orago he N Senhora do Pi- 
lar , duas Capellas também dedicadas aN. Senhora 
com os títulos das Dores , e das Mercê?;; uma a 
S. Pedro, outra a Santo António, outra a S.Cae- 
tano , outra a S. Francisco administrada pelos 
Pretos: duas Ordens Terceiras uma de N. Senhora 
do Carmo, outra de S. Francisco, cuja Capella 
he a mais magestoza de toda a Província sobre 
uma grande praça, um Hospital , duas íormozas 
pontes de cantaria sobre o pequeno córrego do ti- 
juco , que a parte em dois bairros. Tem Juiz de 
Fora , que também o he dos Órfãos, e Procurador 
da Coroa ; Professor Régio de Latim , Vigário 
íoraneo , Caza de fundição do oiro com os mesmos 
officiaes da de Vilia Rica , menos o abridor dos 
cunhos: os judiciaes sam também os mesmos. Tem 
boa cazaria , eruas calçadas. Todos os viveres do 
paiz sam baratos. Entre as frutas notam-se laran- 
jas tanjerinas brancas , o que não se acha em al- 
guma outra parte. 

A estrada , que vai para o Rio das Mortes , 

sobre o qual tem outra grandioza ponte de madeira , 

he bordada de Quintas , e Cazas de campo. No 

centro deste intervallo esta o alegre Arrayal de 

Tom. l. Bbb ' 



vProvincia '^ 

Matosinhos j ornado com uma Capelía áo Espirito 
Santo, 

Nos seus subúrbios cultivam-se canoas d' assu- 
Câr , muito milho , algum centeio , pouca mandioca , 
e algodão ; e ao largo cria-se gado. Por toda a 
parte se minera. 

Doze Capellas ha no seu extenso termo ge- 
ralmente providas de Capdlães , que sam como 
outros tantos Cuadjutores do Vigário , do qual tem 
faculdade para administrar os Sacramentos da sua 
Jurisdicção. Esta Villa fica vinte e duas léguas ao 
Sudoeste de Villa Rica , e outras tantas ao Susudo- 
este de Sabará ; e sessenta e duas ao Noroeste do 
Rio de Janeiro. 

Duas léguas ao Nornoroeste deS.Joam d'El- 
Rey , e um pouco arredada da margem direita do 
rio das Mortes está a medíocre Villa deS./o^/, 
ornada com a mais magnifica Matriz de toda a 
província dedicada a S. António , uma Capella 
de N. Senhora do RoT^ario , outra de S.Jcão Evan^ 
gelisTa\ abundante de viveres , e bem provida de 
boas aguas. Seus habitantes , e os do seu extenso 
termo , onde ha grande numero de Capellas com 
Capellães para lhes facilitar o cumprimento com 
os Preceitos Ecclesiasticos , recolhem muito milho , 
algum centeio , diversidade de frutas ; e criam 
gado vaccum com grandíssima quantidade de por- 
cos , sua principal riqueza. Alguns mineram. 

Barbacêna , Villa medíocre , e da mais bella 
vista, bem situada na proximidade da Serra Man- 
tiqueira , três milhas distante do rio das Mortes , 
ornada com uma Igreja Matriz , cuja Padroeira 
lie N. Senhora da Piedade ^ uma Capella de S. 
Francisco de Paula, duas de N. Senhora com as 
Invocações do Rosário , e Bca-Morte, Igreja Nova 
foi o seu primeiro nome. Nos seus contornos ha 
f iaheixos òra^iíicos ; e as oliveiras frutificam ao 




De Minas Geraes* 



379 



menos em parte. Os seus habitantes criam gado , 
e ajudam os terrenos mais substanciozos a produ- 
zir-llies o que no paiz se reputa mais útil á vida. 
Ha quem procure oiro , e se occupe ém vários ra- 
mos de Industria com vantajem do Povo. Fica 
dez léguas a Lessueste de S. Joâm d' El-Rei , e 
quinze ao Susudoeste de Villa Rica. 

Obra d' oito léguas ao Susudoeste^ de, Villa 
Rica ; quatorze ao Nordeste de S. ]oam d' El-Rey t 
uma afastada do rio das Congonhas , junto á falda 
da serra do Oirobranco está a Villa de Çueliú^^ 
em sitio ameno , ornada com uma Igreja Matriz , 
de que he Padroeira N. Senhora da Conceição^ 
lima Hermida de Santo António, outra com aln- 
vocação do Carmo. Carijóz foi o seu primeiro nomq. 
•Gado grosso he a riqueza do Povo , que a habita. 

Quatro léguas ao Noroeste de Quellúz está a 
Freguezia de N. Senhora da Conceição das Con- 
gonhas do Campo , situada junto ao rio do mesmo 
nome , da outra banda do qual íi ca a magnifica 
Capelia do SenJwr Bom fez^i/s de Mato7^inhos 
íiobre um monte, em cuja subida ha vários . Pas_^sos 
da Paixão do Salvador em figuras de pedra sabão ; 
com assentos para diminuir a fadiga , e fonte para 
recrear a vista , e* refrigerar a sede dos romeiros. 

Tamanduá Villa mediocre entre duas peque- 
nas ribeiras, que sam ranios do Lambary , abas- 
tada de viveres, ornada com uma Igreja Matriz., 
de que he Orago S. Bento , duas Capellas de N. Se- 
nhora com as Invocações das Mercêy^ , e Rosário , 
outra de S. Francisco de Pauta com uma Arqui- 
confraria , cujos Confrades gozam de privilégios 
singulares. Fica vintecinco léguas ao Poente de 
Villa Rica; quinze ao Noroeste de S. João d' El« 
Rey; vinte ao Sul de Pitanguí , e vinte a Oes- 
noroeste do Sabará. Seus habitantes, e os do seU 
termo sam criadores , lavradores , e mineiros. 

Bbb ii 



Provinda 

Campanha , propriamente Villa da Princesa 
da Beira , medíocre , situada em planicie três lé- 
guas e meia distante do rio Verde, ornada com 
Igreja Matriz de que lie Padroeiro Sznto António 
do Valíe de Piedade , duas Capellas de N. Se- 
nhora com os Titulos do Rêy^ario , e Dores , uma 
de S. Sebastião , outra de S. Francisco de Paula 
mm uma Arquiconfraria sujeita á da Villa de 
Tamanduá. Tem Juiz de Fora , que serve também 
de Órfãos ; Professor Régio de Latim , e Vigário 
Foraneo. Fica vinteduas léguas ao Sudoeste de S. 
João d' El-Rey , e quarenta e três ao Sul de Pi- 
tanguí. Seus habitantes, e de seus contornos sam 
imineiros , lavradores de centeio , trigo , milho , 
tabaco , alguma mandioca , algodão , e canna 
d' assucar , e criam muito gado vaccum , e porcos. 
Em alguns sitios cultiva-se linho: e por toda a 
parte se fabricam tecidos de lan , e algodão. 09^) 

A Villa de S. Maria de Baependy hc ainda 
pçquena ; a Matriz , que a orna , dedicada a N» 
Senhora á^ Concei^'ão\ a riqueza de seus habita- 
dores tabaco , para o qual o território he mui apro- 
priado. Fica quatorze léguas a Leste da Villa da 
Campanha ; e foi creada por um Alvará de deza- 
nove de Julho d' oitocentos e quatorze, devendo 
assistir ao seu governo civil dois Juizes Ordiná- 
rios , um dos Órfãos , três Vereadores , dois Almo- 
•tacés , dois Tabelliães do Publico , Judicial , e No- 
tas ; ficando annexos ao primeiro os Officios de 
Escrivão da Camera , Gizas , e Almotacerias ; e ao 
segundo o Officio de Escrivão dos Órfãos ; nm Ai^- 
cayde , e um Escrivão do seu cargo. 



^ (92) Não pudemos ver a continuação do MS. que nos 
instruiu sobre o rendimento annual das Cameras, e nurKera 
da gente de guerra alistada nas Viila« das outraí tre$ comar- 
cas da Provinçia.^ 



De Minas Geraes, 



381 



A Villa de S. Carlos de ] acuhij , situada so- 
bre o rio que lhe dá o nome , e muito perto da 
sua origem , tem uma Igreja Parroquial de Nossa 
Senhora da Concelç-ão , e foi creada pelo mesmo 
Alvará da de Baependy com os mesmos Oíficiaes 
de Justiça, á qual ficam sujeitos os Parroquianos 
da Freguezia de Cabo Verde. Fica perto da raia 
da provincia de S. Paulo : gado he a riqueza de 
seus habitantes. 

Desta comarca sam ainda as Parroquias de S. 
Anna de Sapocahy , que fica sete léguas arredada 
do rio do mesmo nome: seus habitantes cultivam 
legumes, procuram oiro: N. Senhora da Concel» 
fão de Camanducaya quatro léguas á direita do 
rio Jaguary , cujos moradores exportam coiros : N. 
Senhora do Carmo de Cabo Verde perto do rio 
de que toma o nome; os seus Freguezcs cultivam 
algodão , algum trigo , tiram oiro , exportam sola : 
S. Anna d' Itajubá , onde se recolhe trigo, cen- 
teio , e milho: Pou7^o Alegre cujos habitantes sam 
agricultores: S. Pedro d' Alcântara: Oiro f no , 
onde ha caldas, oito oit dez léguas arredada da 
Villa de Bragança: gado, e trigo sam as rique- 
zas de seus habitantes: N. Senhora àd. Conceifão 
das Lavras do Funil dezoito léguas afastada de S. 
João d' El Rei: os seus habitantes sam agriculto- 
res , e criadores de gadoj N. Senhora da Concci» 
fão de Pou7^o Alto , quàtorze léguas afastada da 
Villa da Campanha , onde se recolhe algodão , e 
trigo: N. Senhora da Conceifão da Jaruóca: S. 
G ensaio , noutro tempo Arrayal grande, e flore- 
cente , perto de cinco léguas arredado da Villa da 
Campanha; seus habitantes sam mineiros, e agri- 
cultores. 

A comarca do Sabará tem ao Norte a Provín- 
cia de Pernambuco; ao Poente a de Goyaz ; ao 
Sul ^ comarca do Rio das Mortes , e ao Nascente 



1 




gtè 



Provinda 



a do Cerrô-Ffio. Dam-Ihe cem léguas de Norte-Sul 
e mais de sessenta Leste Oeste. He regada dè 
muitos rios, todos tributários do de S, Francisco ^ 
que atravessa a sua parte meridional , e separa a 
septentrional da comarca do Cerro-Frio. Abunda 
€m pastagens , que criam muito gado vaccum* 
Tem minas de vários metaes , e pedras preciozas. 
Cultiva-se milho, mandioca , arroz , cannas de 
assucar, tabaco, legumes, algodão, e diversidade 
de frutas. A caça lie abundante em muitos sitios. 

Montes e Serras. A serra da Marcella , a 
dos Christaes , a da Tabatinga , que sam as por- 
ções mais elevadas da cordilheira , que limita a 
comarca pelo occiclente: a áolinipapo na vizi- 
nhança da confluência do rio cfas Velhas: a dos 
Çuatys , a das Araras ambas no centro da parte 
Occidental: a serra Negra , que a separa da co- 
marca do rio das Mortes por largo espaço ; quazi 
toda de penedia , e com mineraes de bom oiro : a 
serra da Lapa , que se segue á do Oiropreto para 
o Septentrião: a da Saudade \ a da Itucambira -^ 
.que corre Norte-Sul com dilatadíssima extensão ^ 
e ern distancia considerável do rio das Velhas , 
servindo de limites á comarca com a do Cerro Frio. 

Rios, e Lagos. O Rio de S. Francisco , que 
lie o maior da Província , e recolhe uma grande 
parte dos que a regam , tem sua origem na vizi- 
nhança da serra da Canastra. Depois de largo 
espaço contra o Nordeste , em que recolhe vários 
ribeiros por um e outro lado , recebe pelo esquer- 
do o rio Bambuhy , que vem da raia , e traz 
comsigo o rio da. Perdigão , que principia na serra 
do Marcella: He este o primeiro abundante que 
o engrossa. 

Obra de oiro léguas abaixo se lhe junta pela 
margem direita o rio Lambary , que rega o ex* 
tenso termo daVilla de Tamanduá: e coiza.d'ou- 



m 



De Minas Geraes, 



3^3 



trás tanras ao Norte recolhe pela esquerda o íio 
Mannellada , que vem da serra dos Quatys. 

Cinco léguas abaixo se lhe eiicorpora o con- 
siderável rio Pará , que vem do Sueste com mais 
de quarenta léguas de curso , e passa pela Villa 
de Pitanguí. Segue-se oParaupéha, que não tem 
menos de sessenta, e a sua origem mui perto da 
Villa de Quellúz: suas adjacências sam povoadas 
de gado grosso. 

Sete léguas abaixo da confluência do Parau- 
péba fica a do Andayá , que vem da raia corren- 
do ao longo d' huma extensa , e pouco alta cor- 
dilheira , cuja porção meridional tem o nome de 
serra da Saudade , e a septentrional o de serra 
dos Çaatysx e traz com sigo o no Funchal. Este 
rio , ao qual dam para mais de trinta léguas de 
extensão, he abundante de pedras preciozas , en- 
tre as quaes ha muitos ciiamantes. 

Pouco abaixo desagua também pela esquerda 
o rio Borrachudo pouco inferior ao precedente; 
e corre também ao longo do lado occidental d'ii- 
ma cordilheira denominada serra das Araras , que 
íica parailela com aquelloutra. 

Cinco léguas adiante sahe pelo mesmo lado 
o rio Abayté , que he considerável , e formado 
por dois do mesmo nome, que se unem muito aci» 
ma da sua embocadura , e cujas origens distam 
mais de trinta léguas uma da outra: um vem do 
Sudoeste , outro do Noroeste e traz o Ribeirão do 
Chumbo, que rega a baze d' um morro, onde ha 
uma rica mina do metal , que lhe dá o nome. O 
terreno médio d' entre as origens dos Abaytés he 
um bosque denominado Matada Corda , que exi- 
ge braços agricultores , com vários intervallos dô 
campinas , onde pastam numerozas manadas de 
gado vaccum , cujos donos vivem longe. 

Obra de de.^iaseis léguas mais adiante se eu- 



1 



3^4 



Província 



contra a gxdináe cachoeira de Pirapóra ; e depois 
de quatro a eonfliiencia do considerável Rio das 
Velhas , originalmente Guaycuhy , que na lín- 
gua dos aborígenes significa o mesmo, e cuja ori- 
gem está na vizinhança de S. Bartholomeu , seis 
milhas ao Poente de V. R. Tem grande numero 
de cachoeiras, tortuozidades , e mais de sessenta 
léguas de curso. O Parafina , o Pardo , o Car- 
matahy , que se lhe unem pela direita , e o Bi- 
cLido pela esquerda , sam os seus maiores tributá- 
rios. C93) 

Pouco abaixo sahem o Jequstahy , e o Pacuhy 
ambos pela direita: suas adjacências sam povoadas 
de gado grosso. 

Mais adiante sahe o grande Paracatú , cujas 
principaes cabeceiras sam o rio Escuro, e o da 
Prata encorporado com o dos Arrependidos que 
limita por algum espaço as duas províncias. Estes 
rios unem-se poucas léguas acima áo corrego-rico , 
que passa junto da Villa de Paracatú. Aqui toma 
clle este nome. O seu maior tributário he o rio 
Preto, que sahe á2. lagoa feia vizinha aoarrayal 
dos Coiros na província de Goyazes , e depois de 
ter recolhido grande numero cie ribeiras , junta- 
se-lhe pela margem esquerda quazi em igual dis- 
tancia das confluencias onde toma , e perde o nome. 

Pouco abaixo do rio Preto entra no que o re- 
colhe , pela margem direita o rio do Sonno , rico 
em pedras preciozas , e encorporado com o rio das 
4linas , que se lhe une pela direita. O Paracatú 
he navegável até um pouco abaixo do mencionado 
corre go-ricQ ; e sua agua cristallina , e tão leve , 



(P3) OParanhúna principia no Serro do Frio ao Sul do 
Tijuco; corre contra o Poente a atravessar a serra da Itu- 
eambira, onde se precipita, form^nao uma vistoza catadupa. 




P. De Minas Geraes: 



S^í 



t[ne nada largo espaço sobre o que o recolhe. 
As terras cl' iim e outro lado sam povoadas d^ 
gado. 

Obra de seis léguas ao Norte desagua pelo 
inesmo lado o considerável Urucaya navegável 
por largo espaço, cristallino , estreito, profundo, 
€ tão rápido , que em todo o tempo atravessa o 
de S. Francisco, e vai roer o terreno da sua mar- 
gem oriental. Tem principio na raia de Goyazes» 
O rio de Santa Ritta que se lhe une pela direita, 
e o Claro pela esquerda , sam os seus principaes 
tributários; e ambos atravessam terrenos agrestes 
povoados de gado vaccum. 

Segue-se o rio Accarij , o Pardo ^ o P andei' 
TO , o Salgado , o Pindafiyba , o Itacaramby , e 
o Japoré : Todos desaguam na margem occiden*- 
tal. O Pandeiro vem de mui longe , atravessando 
grandes mattas de boa madeira com muitos ce^ 
dros , onde se podem estabelecer numerozas colo- 
-nias para cultivar o seu fertiíissimo terreno. Suas 
aguas sam exceilentes. 

Poucas léguas abaixo do Japoré desagua na 
^margem oriental o considerável rio Verde : e pou>- 
cas também mais adiante sahe.o Carínhenha que 
4ie volumozo , e navegável por grande espaço. 
Tem principio nas Chapadas de Santa Maria 
.perto da raia de Goyazes : sua corrente he rápi- 
da ; suas aguas cristalinas , e conservam-se por 
grande espaço sem se confundir com as do de S. 
Francisco "depois de ter entrado nelle. Acabare; 
Imos a descripção deste magnifico Pvio , quando 
tratarmos da província de Pernambuco limitad-^ 
por elle desta paragem athé o Oceano, Tanto 
cUe , como todos os mencionados , que o engros- 
sam , sam abundantes de pescado: os doirados, 
os sorubins , os mandins , ^ e as piranhas sam oi 
melhores. .. ^ . ■ 

Tom, I. Cgc 



\B6 



Provia cia 



Jnnto á margem direita do rio de S. Franci^^ 
:Co , e obra de cinco léguas abaixo da confluência 
do Bambuhy esrá a Lagoa-Feia com forma clr^ 
cular , e perto de trezentos passos de diâmetro", 
d'agua verdenegra, que iie um viveiro de Sucii^ 
,rys , Sucuriús , e Jacarés. Nenhum reptil , nem 
/ave se atreve a beber nelía. Menos de meia lé- 
gua para o Norte ha outra com o nome de /íz^oíí- 
perde , estreita com mais de seis milhas de com- 
primento , e habitada dos mesmos viventes. Am- 
„í)as desaguam para o mencionado rio. (94) 

ViUa-Rcal do Saharà , Cabeça da Comarcâ-, 
e rezidencia ordinária do seu Ouvidor , que tam- 
bém .serve de Provedor dos defuntos , auzentes , 
Capellas , e reziduos , situada junto á margem 
direita do rio das Velhas no lugar onde este re- 
colhe a Ribeira que lhe deu nome , em terreno 
baixo , rodeado de montes , he grande , florecen- 
te, abastada de carne, peixe, e viveres do paiz , 
ornada com uma Igreja Matriz, que tem por Pa- 
droeira N. Senhora da Conce^áo , uma Capella 
de N. Senhora do O , outra do Rosário com uma 
numeroza Irmandade de Pretos , duas Ordens Ter- 
ceiras do Carmo, e S. Francisco. Tem Juiz de 
Fora, que também serve de Órfãos ; Vigário Fo- 
raneo ; Professores de Primeiras Letras e Latim; 
Caza de fundição do oiro , cuja despeza sobe a 



^ Cp4) Sucuriú, e Siicury só na côr se dififerençam : p 
primeiro he anegreado, o outro pardo: ambos tem duas 
grandes unhas junto á extremidade da cauda, com as quaes 
se seguram nas raízes, ou pontes de pedras debaixo d'aí?uas 
guando querem prender algum animal; e os dentes ponru^ 
dos, e inclinados para as fauces , de sorte que a preza náp 
pode escapar lhe , ainda qne o monstro queira lar;>alla. Tem- 
se morto Sucuryus d' oitenta palmos de comprimento. Hè 
provável que estas cobras sejam uma «íesina casta com a$ 
sucunubas íV outras provindas. ■ ■ *i 



De Minas Geraesí 

qiiarentamil Cruzados , e tem os inesmos officiaes 
que a cie V. R. excepto o abridor dos cunhos, é 
t^erceifo fundidor , um bom cliafariz deexcellente 
agua na rua do Caquende , quatro entradas para 
os pontos cardinaes: só a do Norte não tem pon^ 
te: a oriental, e meridional, ambas sobre a ri-^ 
beira Sabará ,. hão de perder os nomes , que as 
designam , quando se fizerem decantaria. Os Offi-' 
ciaes judiciaes sam também os mesmos em nume* 
ro , e empregos que na Capital : (^95) o rendi- 
mento annual da Camará anda de oito a nove 
inil Cruzados. O calor he aqui intenso nos mezes 
do Estio como em nenhuma outra povoação da 
provincia. Teve foral em mil setecentos e doze ; 
e íica dez léguas ao Nornoroeste de Marianna , 
vinte e uma ao Nordeste de Tamanduá , vint'oito 
ao Sudoeste da Vilía do Príncipe, vinte e duas 
ao Nornordeste de S. ]oam d'ElRey. Seus habi- 
tantes , e 03 de cinco Parrochias , que ha no seu 
termo, sam mineiros, e lavradores de diversos mx^ 
veres; e formam dois regimentos decavalleria au- 
xiliar , um com onze , outro com oito Companhias 
de homens Brancos: vinte Com.panhias de Orde^ 
nanças : um Terço d' onze Companhias de Pardos , 
outro de sete de Pretos forros. Cç^) 
. ,, Em distancia de três léguas ha uma lagoa 
€.oni três .milhas de circuito , cuja agua tem sido 
ucii a certos achaques , o que lhe mereceu o nome 
ÚQ lacjoa Santa. ,, (97) 

Ccc ii * 



Qçrf) Haverá vintecínco annos aní!ava o Officio de Es- 
crivão cia Ouvidoria arrendado trienualmente por mais dé 
doze mil cruzados. 

Qç6^ Em mil setecentos oitenta e oito havia já nesta 
Villa oitocentos e cincoenta fogos com sete mil seiscentos 
cincoenta e seis pessoas. 

(97) Este lago lie. sem duvida o que em outro docu-^ 




m 



Província 



Cinco íegnas ao Norte de Sabará , e uma mi- 
lha arredado do rio das Velhas , jiuuo ao corgo 
da ca/ fada está o grande , e ílorecenre Arrayal^ 
de Santa Lu7^ia ornado com cinco Tejuplos; e cu- 
jos hai>itantes vivem abastados com as produções 
d'agricultiira , minerações , e criaçfio de gado. 

Vi/la Nova da Rai/nlia , creada em setecen- 
tos eqiiatorze, mais conhecida pelo seu primitivo 
Jiome Cahyté , que na lingua brazilka significa 
bosque fechado , XiQ medíocre, alegre, bem ar«r^ 
i-uada num terreno plano, e agradável junto a 
lima Ribeira , ornada com uma magnifica Matriz 
dedicada ao Senhor do Bom Successo ^ uma Ca- 
pella deN. Senhora áoRov^orio , outra de S. Fran- 
cisco, Ha nella quinze officios judiciaes : a rendi- 
mento da Camará anda por oitomil cruzados. Seus 
habitantes sam mineiros, criadores de gados , e 
lavradores; respiram ares salutiferos , recolhem 
variedade de fructas Europeas , e formam com os 
de três Freguezias do seu termo dezasete Compa- 
nhias de Ordenanças de Brancos , sete de Pardos , 
€ algumas esquadras de Pretos forros. Fica três 
léguas a Lessueste do Sabará. Nos seus Subúrbios 
lia boas argillas , e ollarias. 

Pitangui , Villa medíocre sobre a margem di. 
teita do rio Pará, três milhas abaixo da confluên- 
cia do de S. João, abastada de peixe,, carne, e 



mento se acha descrito da maneira seguinte : „ Cinco leguai 
sio Norte de Sabárá ha uma lagoa com meia légua de com- 
prido, r.m quarto de largura, trinta e cinco palniOs na maior 
^Itura ^ e vários olhos d' agua no centro. Gria quatro casta» 
de pescado. As aguas , que .^ara crisralinas , e sempre tcpi- 
das , quando estam sem movimento , mostram na superfície 
como uma peliciila ou íeagem cor d'aço, que se desfaz com 
o assopro, e deixa os beiços como prateados aos que nella 
bebem. Dezagua pela extremidade septentrionai para o rb 
m% Velhas, do qual dista kgua e meia, „ 




De Minas Geraes", 



S89 



8e tbcías as produções da agricultura dô paiz ; 
erecta em mil setecentos e quinze, ornada com 
<liias Hermidas , e nma Matriz dedicada a N. Se^ 
iiliora do Pilar \ Tem ]iiiz de Fora, e um Escri* 
vão cias guias do oiro ; a Camará tem três mil cru- 
zados de rendimento. Fica trinta léguas ao Norte 
de S. |oão d*ElRey , e vinte e uma a Oesnor oeste 
xie Sabará. Seus habitantes , e os do seu extenso 
termo criam grande quantidade de gado vaccum ; 
e também cavallos , porcos , e ovelhas: íazenc^ 
grandes plantações de algodoeiros , e cannas d*as* 
sucar : a aguardente que delias se extrahe , passa 
pela melhor de toda a província, 

'' Huma affluente mina de oiro occazionoii 
Humerozos pleitos, e morr€S entre seus primeiros 
povoadores, que foram mineiros Paulistas, entre 
os quaes figurava um Domingos Rodrigues do Pra- 
do , que tinha por devoção mandar assassinar ain- 
da aquelles que não o offendiam. ,, !! He o que 
acontece, quando não se executam as Leys. 

Paracatú do Príncipe , Villa medíocre , e fa- 
moza , bem assentada em terreno levantado, pla- 
no, e vistozo com ruas direitas, e calçadas, uma 
Igreja Matriz dedicada a Santo António da 
Manga , três Hermidas de N. Senhora com as 
'Invocações á' Abbadia \, Am^ç^ro', e Rozario , ou- 
tra de Santa Anna , e duas boas fontes. Tem 
Aula Regia de Latim. As cazas sam térreas , e 
feitas de madeira. Fica coiza de quatrocentas bra- 
ças arredada da Ribeira denominada Corgo-rico , 
e que depois de doze léguas entra no Paracatii 
pela margem esquerda junto ao porto áoBe7^erra\ 
€ quarenta longe do de S. Francisco. Tem deca- 
hido muito do seu primeiro esplendor : o povo he 
pacato , mas indolente : os Europeus por toda a. 
parte /activos sam já poucos : gado , e minerações 
íazem sua rit^ueza : á t;xcepção da carne , e íriít» 



tr 



III i^ 



J 



^00 



Província 



tas os rháis mantimentos sam de carreto. 'As vi- 
deiras frutificam com perfeição duas vezes no an- 
uo ; os annaíTyàzes , e as laranjas sam abundan- 
tes , e excellentes ; os marmelos poucos , e nada 
bons: Nos contornos ha muitas perdizes, vea- 
dos , e outras caças. O oiro lie vistozo , mas de 
baixo toque , e de difficil extracção por falta d' 
aq;uas: também não lie permitido procurallo longe. 
Os diamantes , que tem ap parecido em diversas 
partes , fizeram restringir as minerações a ura 
certo districto de poucas léguas á rocia da Villa , 
em torno do qual ha vários destacamentos para 
impedir4hes a extracção. C98) 
: Os habitantes desta Villa ,e os das Fregue- 
zias do seu vasto termo formam um regimento de 
Cavalleria auxiliar com sete companhias d' homens 
Brancos, três de Pardos, e duas de Pretos forros^ 
- Na margem esquerda do riõ de S. Francisco 
entregas fozes da Urucuya , e Paracatúriqiiazi era 
igual distância este . o considerável, e popuiozo 
Arrayal , e Freguezia de S. Romão , ornado com 
uma Igreja Matriz dedicada a Santo António da 
Manga , duas Capelias uma de N. Senhora, do Rof 
zário , outra de S. Franciísco> ..He cabeça/ íie J).iiga^ 



'í ;;'' 



- (98) o termo desta Villa abrange a maior parre da Ccs 
íijarca ; quero dizer\, todo o terreno, qiie fica ao Poente do 
rio de S. Francisco desde o Carynheiflia athé o Abayté ^^ 
perto de cuia confinencia está a passagem, de V^illa Rica pa- 
ra a de Goyaz , chamada PortoReaL 

Eni mil setecentos quarenta e quatro , quando ao Poen- 
te d") rio de^S. Francisco não havia bntrá colónia mais qué 
a de S. Ro nãi> , forão ((escubertas estas minas e manifesta^ 
das a GoTies Freyie d' Andrade , que mí»ndoii repartir o ter* 
rem segundo o costume praticado: ser.do muitos os que 
principíanm a minerar, a afiiuencia do oiro ,qiie se 'rira v* 
fez concorer numerozidades dá" ^ente que' afagéntoW pqf 
ihnav&z o Ge utio deite extenso districtOr " _. ----i 



De Minas Q^raes. 



^39í 



áO / e de muito commercio , sendo o depozito de 
varias mercadorias do paiz , e de grande quanti- 
dade de Sal , que as barcas , e canoas trazem das 
-Salinas de Pilão Arcado , e suas vizinhanças. Orlo 
;com as suas grandes cheias entra pelas ruas , è 
cauza sezões aos seus habitantes , cuja paixão do- 
xninante , ainda das mulheres , he o jogo. Os me- 
lões , e melancias sam abundantes. ^ 

As outras Freguezias do termo de Paracatii 
sam: a de S. Anna dos Alegres junto á emboca- 
dura do rio Gatlhga , que fica poucó^ acima do rio 
do Somno ; a de N. Senhora da Penha junto ao 
Urucuya um dia de.viagem longe do Rio de S.Pran- 
cisco ; a do Carynhenha , o do Aridayhá , e a de 
N. Senhora do Amparo do Salgado com uma Ca^- 
pella de N. Senhora do Ro7^ario , Arrayal ílorecen* 
te, eqiie promete grande crescimento. Fica légua 
ç m.eia arredada do rio de S. Francisco. Seus ha* 
'.biçantes sam criadores de gado , lavradores decan- 
nas de assucar , e algodão , e os mais abastados 
,do distrlcto. C99) 

,!':: Desta comarca he ainda o Arrayal , e Juíga^' 
/do de S. António do Cnrvello ^ alias do Papagayo^^ 
bera situado numa planura lavada d' ares saluti- 
feros junto a lima Ribeira , que cahe no rio das 
■Velhas pela margem esquerda ; fica mais de vinte 
léguas ao Nornoroeste do Sabará. Seus habitantes 
Lsam agricultores , è criadores de gado. , > 

Por Alvará de dezasete de junho de mil oito 
centos e quinze foi a comarca do Sabará repartida 
^em duas, servindo lhes de limite médio o Rio d,e 
»S: Francisco. Os Hmites septentrional , Occidental., 
cç meridional da nova ,sam os mesUiOS , que athé 
então, limitavam, o termo da Viiia de Paracatá ., 



(99^ O distrlcto de Paracatii faz parte do Bispado de 
Pernambuco.' -^ 



?39^ 



Provincíá 



-cabeça e imica da nova comarca , que toma delía 
ò nome. Pelo mesmo Alvará foi extincto o lugar 
de Juiz de Fora , que nella havia desde a sua crea«» 
ção em mil setecentos noventa e oito , ficando ò 
Ouvidor também Intendente do oiro. Por outro 
Alvará de quatro de Abril d' oitocentos e dezasei^ 
??e separaram da Ouvidoria de Goyaz os julgados 
do Desemboque e Araxá , ficando pertencendo á 
Ouvidoria de Paracatú. 

Comarca do Cerro Frio, 

A comarca do Cerro Frio , que tomou o noi^ 
tne d*tima Montanha entre todas as outras a mais 
celebrada pelas riquezas , que encerra , confina ao 
Norte com a Provincia da Bahia , que também a 
limita ao Nascente com a de Porto Seguro; ao Sul 
com a comarca de \/^ilía Rica ; e ao Poente com a 
do Sabará. Dam^he mais de oitenta léguas de 
Norte Sul , e cincoenta de Leste. Oeste. He paiz 
liiontuozo em grande parte, regado de muitos rios>, 
com extensas charnecas na parte septentrionaí , 
que só servem para criar gado vaccum ; sem que 
por toda a parte deixe de ter pedaços de terreno 
mais ou menos consideráveis , apropriados parada 
cultura do algodão , milho , arroz /mandioca , le^- 
gumes , tabaco , e ainda centeio', e cannas: d' assu- 
car. He a mais riéa empedraria ; e tem minas jd*e 
todos os metaes. : -. • : . i/: k/í 

Montes. Huma cordilheira ' ç continuação da 
'Mantiqueira') que não conserva sempre p nome>> 
nem a altura , nem a direcção^ .quebrando em mifí- 
tas partes , e lançando vários ramos a díveísos 
rumos, a atravessa quazi Norte S-uh iMota^sèí:'^ 
serra ádiS Esmeraldas na parte oriental ; a serra 
-5rí7^Kí^ ^qi^e separa a comarca da do Sabará por 
largo espaço ; e depois iaclina contra o.:Nordesrf 




toe Minas Geraes* 



393 



atlié a raia da Província ; a serra do Grdm-Mocjolx 
a do Peixe-Bralw; a da Gurutuba; âád^Conceir 
cão , e a das Almas, ^ 

Rios. Os principaes sèm o Jequitinhonha , o 
Verde , o Pardo , o Mucury , o Arassuahy , o 
SassLihy , o Corrente , e o de S. António. 

O Jequitinhonha tão celebre pela prodigioza 
quantidade de diamantes , que se tiram do seu 
leito , principia na serra do Cerro-Frio. Depois de 
ter descrevido muitas voltas , e atravessado uni 
extenso terreno, recolhe pela esquerda oltucarti' 
bijrussú , que vem do Poente , e atravessa a serra 
do Gram-Mogol. Depois de largo espaço fazendo 
caminho de Leste se lhe une pelo mesmo lado o 
lio Vaccaria , que he considerável , e vem da men- 
cionada serra do Gram-Mogoi , atravessando cer- 
toes povoados de gado. Poucas léguas abaixo se 
lhe junta pela margem direita o rio Arassuahij , 
que lhe he superior ; e principia também naserra 
do Cerro pouco a Leste, e traz com sigo orlo de 
S.. António , o Itamarondiha , o Setuval com ou- 
nos menores, cujas cabeceiras estam no lado sep- 
tentrional da serra das Esmeraldas. Poucas léguas 
abaixo da confluência do Arassuahy sahe o rio 
Piauhy , que vem do Sudoeste atravessando matas 
povoadas de caça perseguida pelos Selvagens. Este 
rio , e os seus confluentes abundam degrizolitas, 
çafiras , cristaes , pingos d' agua com outras pedras 
preciozas. O ]equitiniionha recolhe ainda pela jís- 
querda o rio Hottinga , pela direita o de S.João: 
sahe da Província procurando o Nordeste , e co- 
meça a fazer a divizão entre as de Porto Seguro, 
e Bahia , athé o Oceano , onde sahe com o nome 
de rio de Belmonte, Em todos estes rios ha doi- 
rados , piampáras , piaus, piabanhas , trahiras, 
sorubins , maridins p^r outro nome roncadores. 

O rio Verde ,. c^ue he caudalozQ , e atravessa- 
Tom. /. Ddd 






"f^.: 



BL^ 



éH 



Província 



éertoes extensos povoados de gado vacctim , riqiie- 
za de muitos fazendeiros ou criadores , que vivem 
dispersos , principia na vizinhança da porção me- 
ridional da serrra doGram Mogôr. Depois de lar- 
go espaço contra o Norte recolhe pela margem di- 
reita o rio Guaratúba , que principia na proxi- 
midade da porção septentrional da mesma serra do 
Mogôr , e traz comlsigo o Pacuhy , que sahe da 
^tx^-à Branca , eune-se-Ihe pelo lado oriental. Coi- 
za de três léguas abaixo da foz do Guaratúba sahe 
o rio Verde pequeno , que vem do morro do cha- 
/7/w , porção da serra das ALmas procurando o 
l^oence , e fazendo a divizão septentrional da Pro- 
víncia. Nesta paragem já o rio Verde grande corre 
ao Occidenie ou com pouca differença , e continua 
o mesmo rumo athé se encorporar com o de S. 
Francisco, cujos pescados lhe sam communs , e ao& 
que o engrossam. Todos correm por terrenos agres- 
tes , que jamais serão bem povoados. 

O rio Pardo forma-se na vizinhança da serra 
das Almas ; corre ao Sueste , recolhe o rio Preto » 
que vem da serra Branca^ inclina para Leste, e 
entra na comarca dos Ilheos , onde sahe ao mar 
€om o nome de Patype, 

O rio Mucary , cuja cabeceira principal sahe 
do do meridionaí da serra das Esmeraldas , depois 
de recolher pela margem esquerda o rio Preto 
grande^ e o Preto pequeno , e mais abaixo o de 
Todos os Santos pela direita , entra na Província 
de Porto Seguro , onde engrossa , e sahe ao Ocea- 
no. O terreno , que este rio rega (âutes de sahir 
da comarca^, e os mencionados tributários, era 
noutro tempo possuído pelos índios Maeunís , 
Panhâmes , Capochós , Mashacarysv hoje erram^ 
por elle os ferozes Aimborés, Cioo^) 



Cíoo) O primeiro Rio-Preto obra de três léguas âdaia 



De Minas Geraes, 



395 



O rio Sassuhy , o Corrente, e o de S. AntQ^ 
iiio tributários do rio Doce; como se disse , regam 
a parte mais meridional da comarca. 

Villa do Principe , cabeça da comarca , e re- 
;z.idencia ordinária do seu Ouvidor , que serve tam^ 
bem de Provedor dos defuntos , auzentes , Capei- 
las , e reziduos , considerável , abundante , e or- 
nada com uma Igreja Matriz , de que lie Padroeira 
N. Senhora da Concei^-ão , uma Capella do Senhor 
Jezus de Mato/Jnhos , outra de Santa Rita , três 
dedicadas a N. Senhora com as Invocações daPíi- 
rifca^-ão, Carmo, e Ro?:arío; porém mal situa- 
da : só uma rua he vistoza. Foi erecta em niil se- 
tecentos e quatorze. Tem ]uiz de Fora , Professor 
Régio de Latim, Caza de fundir o oiro com QS 
meamos Officiaes da do Sabará. Fica na vizinhança 
>da serra da Lappa , meia légua afastada do rio do 

D dd ii_ ■> 

íVá sua fóz recolhe pela esquerda o Ribeirão das Americanas, 
formado de três ribeiras , que sahem da mesma serra. Junto 
da centra! se achon em J?;neiro cV oitocentes e onze uma 
limpissiina agua marinha com mais de quinze libras ; e em 
Outubro do mesmo anno outra de quatro. 

Entre estes dois rios Pretos desagua peio mesmo lacio o 
pequeno Rio Mimanachy. 

Nas matas resfadas pelos primeiros ramo? do Hio wfjcury 
lia cedros com trinta palmos de circunferência ; jiquitibas de 
grossura prodigioza ^ uma casta d' araticumzeno , cujo íruc^o 
he do tamanho d' um ovo de perua, e o mais saborozo (?e 
quantos se tem achado ; um sipó , que ou cozido , ou assado 
he como a'p m. /• „ i 

O Rio de Tor/os os Santos nasce no lado septentnonal 
da serra das Safiras , de cnja sumidade se avistam em grande 
• distancia para o Sul trinta e três montes altos de. iorma pp 
,ramidal , que parecem nao distar muito uns dos outros ; e 
se cre serem alaons dos pi-os mais elevados da serra cios 
.Orí?ãos, e os corutos d' algumas montanhas, que estam ao 
Norte do Parahyba. -, c r i 

Dj lado meridional da mesma serra das bahras sanem 
varií^ç ribeiras, qu^^forr^am o rio de S. Matheus. 



I 



■ 



1 



396 



Provi ncí et 



Peixe, ramo do de Santo António, vint'oito ao 
Nordeste de Sabarâ , e trinta e duas ao Nornor- 
deste de Marianna ; cento e seis ao Norte quarta 
ile Noroeste do Rio de Janeiro. Seus habitantes 
sam mineiros, e lavradores de milho, legumes, 
algodão , cannas d' assucar ; e formam vinte eduas 
companhias de Ordenança de Brancos , treze de 
Pardos , e seis de Pretos forros. O rendimento da 
Vigairaria subia ha poucos annos a doze mil cru- 
zados , e o da Camera a sete. Cioi) 

No seu termo em distancia de doze léguas es* 
tá o considerável Arrayal , e Freguezia de N. Se- 
nhora da Conceição^ em cujo districto fica a serra 
de Gaspar Soares abundante de mineraes de fer- 
ro , para cujo aproveitamento se está estabelecen- 
<io uma Fabrica ReaL 

AVilla áo Bom Successo, vulgarmente mais 
conhecida pelo nome de Fanado , creada no anno 
de setecentos cincoenta e um , he medíocre , e bem 
situada n' um terreno levantado,, e lavado d* ares 
salutiferos entre as Ribeiras , que lhe deram os 
nomes, e unindo-se entram no rio Arassuahy , que 
passa seis milhas arredado pelo Norte , ornada com 
uma igreja Matriz dedicada ao Príncipe dos Após- 
tolos , as Capellas do Senhor de Bom-Fim , de N. 
Senhora do Amparo dos Pardos , de N. Senhora 
do Rozario dos Pretos, de S. Anna , de S. }ozé , 
de S. Gonsalo , e uma Ordem Terceira de S. Fran- 
cisco. Tem Juiz de Fora, e Professor Régio de La- 
tim. Nenhuma caza he de pedra. Seus habitantes 
sam mineiros , creadores de gado vaccum , e lavra- 
dores de viveres, algodão, e cannas de assucar.: 
alguns procuram pedras preciozas : os negociantes 



(loi) Em toda a comarca ha dois Regimentos de cavú* 
kria auxiliar ; um de oito^ outro de nave companWas. 




De Minas Geraes, 



397 



sam os mais abastados , e independentes. Fica ses- 
senta e três léguas ao Nordeste de Marianna, sessen- 
ta ao mesmo rumo deSabarcí , trinta e seis aoNor- 
nordeste de Villa do Príncipe, cento e trinta, e 
cinco ao Norte do Rio de janeiro. 

No seu extenso termo lia varias Hermidas: a 
de N. Senhora da Piedade, a das Mercez , a da 
Penha , a de S. ]oão , a da Prata , a das Barrei- 
ras , cujo numero deve multiplicar-se para Leste , 
e Sul athé o Rio Doce, logo que se abram, e 
frequentem as estradas projectadas para os melho- 
res portos de Porto Seguro. A maior parte delias 
serão Parrochias antes de mtiitos lustros. A ferti- 
lidade do território , e facilidade de transportar 
as produções aos portos devem attrahir numerozos 
colonos a este districto , sem duvida o melhor da 
Provincia depois de subjugados os Aymborés. 

Três léguas ao Norte do Fanado está o Ar- 
rayal, e Freguezia de Santa Cruz^ da Chapada 
junto ao rio Capibary: seus habitantes, que ape- 
nas recolhem alguns viveres , occupam-se em mi- 
nerações. 

Quatro léguas ao Nordeste do precedente , e 
sete do Fanado está o considerável Arrayal , e 
Parrochia á' Agua-çuja junto á confluência da ri- 
beira do seu nome com o Arassuhahy , ornado cora 
imia Igreja Matriz dedicada a N. Senhora da 
Conceição. Seus habitantes cultivam milho , le- 
gumes , algodão , tabaco , e tiram oiro. No sen 
districto ha as Freguezias de S. Domingos , e a 
de N. Senhora da Conceição junto ao rio Sucu- 
riú , cujos Parrochianos cultivam as mesmas pro- 
duções , e ajuntam oiro , e pedraria. 

Perto de trinta léguas ao Norte do Fanado 

está o considerável Arrayal , e Freguezia do rio 

Pardo sobre a confluência do rio que lhe dá o 

"'nome c©m o Preto , sobre os quaes tem pontes. 



398 



Provinda 



As ca7as sam em grande parre de adobe ^ a Ma- 
triz de taipa, e dedicada a N. Senhora da Con- 
ceifão. O povo, que o habita, cria gado vac- 
cum , e cultiva mandioca , milho , arroz , e algo- 
dão com variedade de íructas. 

Sessenta léguas ao Norte de Sabará , trinta 
e nove ao Oesnoroeste do Fanado , quarenta e 
■três ao Nornoroeste da Villa do Príncipe está o 
faniozp Arrayal , Parroquia , e Julgado da Barra 
■do Rio das Velhas , situado numa planice sobre 
a confluência do rio, que lhe dá o nome, e o 
daiiinifica com suas grandes cheias , ornado com 
uma Igreja Matriz dedicada a N. Senhora do Bom 
Succtsso , e uma Capelia do Senhor Jey^iis de 
MatOT^inhos, He de muito commercio , abastado 
de carne, peixe, e fructas ; e o entreposto de 
grande quantidade de Sal , que sobe das Salinas 
do rio de S. Francisco. Seria hoje uma das maio- 
res povoações da Provinda, se as febres, que 
reinam na estação das chuvas, e fazem retirar 
-grande parte do povo, lho não tivessem impedido. 

Meia legiia arredado fica o Arrayal da Por- 
teira ornado com uma Capelia de N. Senhora do 
Bom Successo , e outra do Roy^ario; nelíe rezide 
'P Vigário , e a justiça por ser lugar sadio. Qof) 

Çoiza de seis léguas ao Norte sobre a mar- 

jgejp do rio de S. Francisco está o pequeno, e vis- 

;tozo Arrayal da Estrema com iim-à Hermida de 

N. Senhora íVd Concei^-õo, He abastada de peixe, 

carne , e fructas priacipahíiente de laranjas. 

Dentro desta Comarcíi está o montuozo Dis^ 
tricto Diamantino ^ qiie poderá ter quatorze le* 



(103") A Pnrroqiiia da Barra do rio dis Velhas , a da 
Villa cio Faíiad ) com outras da Comarca pertencem âo 
Arcebispado da ^Bt^bia. 




De Minas Gèraes. 



^n 



glias de diâmetro. As pedras denominadas dia- 
mantes descubertas por Bernardo da Fonseca Lo-? 
bo em mil s- tecemos e vintenove ou trinta lhe 
deram o nome, e correram livres athé o anno de 
setecentos trinta e quatro , em que se prohibiu 
a sua extracção. CioQ. 

Em Janeiro de setecentos quarenta e um ar- 
remataram este Contrato joam Fernandes d'Oii- 
veira , e Francisco Ferreira da Sylva por tempo 
de três annos , e pelo donativo de novecentos 
mil cruzados. Pela Carta Regia de três d' Abril de 
setecentos quarenta e três mandou S. Magestade 
á Provedoria da Fazenda Real de Villa Rica as* 
sistisse ao Contrato dos Diamantes com quantia 
que não excedesse a duzentos mil cruzados por 
anno , e se lhe ficou assistindo com cento e cin- 
coentamil ditos. 

Passados alguns tempos foi arrematado o con- 
trato por huns N. N. Caldeyras , que nos Serviços , 
que fizeram , encontraram as maiores riquezas. A 
opulência animou-os (^diz-se) a perpetrar crimes, 
que os levaram ao Limoeiro , onde finaram seus 
dias , deixando seus bens entregues a um Confisco 
Real. 

Foi novamente arrematado este Contrato a 
Joam Fernandes d' Oliveira , por cuja conta esteve 
athé os fins de setecentos setenta e um , continuan- 
do'Se-llie a mesma assistência por conta da Real 
Fazenda e por empréstimo a quantia de quinhen- 
tos mil cruzados por anno. 

No primeiro de Janeiro de setenta e dois ficou 
correndo a administração desta extracção por conta 
da Coroa. 



l.: 



(104^ Hum Ouvitlor da Província, que tinha estado em 
Gôa , onde adquirira conhecimento desre género de pedras 
viiulas de Golcondá , ípi quem as deu ao maaifesto. h 



■ 



405 



Provinda 



Pela Lei d' onze d' Agosto de setecentos chi- 
coenra e três já era Contrato Real estabelecido. 

Não sam somente o? diamantes que fazem 
este Districto rico, e celebre ; outras castas de 
pedras preciozas concorrem a dar-lhe fama : como 
safiras , esmeraldas , aguas-marinhas , crizolitas , 
fopazios. etc. Todas estas pedras se criam nas ser- 
ras , donde descem com as aguas das trovoadas 
para os rios. Além das pedras ha neste Cantão 
rninas de todos os metaes , cuja extracção he rigo- 
rozamente vedada , a fim de não se extraviarem 
os diamantes. 

Em torno do Districto diamantino ha vários 
Destacamentos para evitar os roubos , que se po- 
deriam fazer no's extravios do oiro , e diamantes, 
e ainda cios Direitos das entradas. Taes sam en- 
tr'outros: T. o de Milho verde: II. o de Pirahú- 
na ; líl. o de Gouvêa ; IV. o do rio Pardo ; V. 
o da Chapada; VI. o do Arrayal ; VII. o d'Hi- 
iihahy ; VllI. o do rio Manco. (105^ 



(105) *' A demarcação diamantiníi de longe mostra iinja 
|3'^espectiva negra , arrepiada , e crespa com mil picos de 
serras desiguaes ; por iim lado montes elevadíssimos íPuma 
só pedra , e perpendicularmente ralhados se elevam ás nu- 
vens ; por outra pgrte correm gerríis continuadas , compostas 
de penedias soltas , e acumuladas ein ruinas umas sobre as 
outras, çnbertas d'um musgo pardo, e mato rasteiro, que 
mil vestem , e compoen^. Mil regalos de puras , e crista- 
linas aguas de continuo atravessam seus caminhos ; uns 
cahem a pique, e em fio de altíssimas montanhas , outros 
se vêm c|uebrando , e dividindo sobre rochas alhé o sobpé 
das serrai , donde çQin voltas, e revoltas vam demandar 
os fios maiores. Estes umas vezes corrtm mansos , e serenoí 
sobre espaçozas praias, outras se estreitam entre apertadas, 
e alcantiladas serras com fragor , e ruido : aqui desaparece 
á vi>ta , e nao se vê mais rio ; alli resuscita , e foge es- 
pumando com fúria. Taes sam os maravilhozos fenómenos,, 
4|'ue a fa^istuoza Natureza expõe em um ponto magestozo, 
e grande ao viajante que observa a demHrcajão diamantina. » 



•<•*»'' Ve Minas dârWs^^'^''"'^ 



^iSt' 



-n>A No èeiitro do districto diamarttuiô , tn,nta^e ouo 
leanas ao Nornordcste deMarianna, trinta ediías 
do^Saba â trinta ao Sudoeste do Fanado , oito ao 
Nornoroes'te da ViUa- do Priacipe^ ; nUma quebra,> 
Tdo Serro dó-PHo; %o Poente ,.e aaolonge^da^ 
origem do rio Jequitinlíonha esta ^S^^^''^'^^^ 
zot e florecente Arrayal de S. A'«°'"" í^^^^^"^", 
«niado em amfiteatro , ornado cp«| "^^^If J%^3 
S. António, que tem as Irmandades do SS- ^ ^o' 
Passos , e da Senhora do Terço : rima Capella cio 
Senhor de Bom- Fitn com Irmandade de Pretos creoi 
los: quatro dedicadas aN. Sei^hora com as Invo_ 
caçoes do Amparo, que t^m Irmandade de Pardo 
Carmo com Ordem Terceira ; Bozano com Irman 

dade de Pretos d' Africa ; ^ ^^"''r.TcJh^ nm 
Fríinciscb magnifica , e com Or^em Terc i a^ nm 
■R-ecoUiimento de donzelias com sua capellinha de 

Tom. I. Eee _^___ 

■'' « Esta Dedrriíe toda cristalizada na superficie da «rra, 

iE^''s..í i™.'»=«;s■rs£l:°í: 
,1ii7Ído iá Quazi todos aos nos , as si as caixas , e leiíu» 

,n?»o. Estes sam os lugares mais ordinários, em que se 
antigos, bs es sam o « ^^^^^^^ ^^ ^^^^^ ^,5j„ 

(^ n^Sl °:;"tar"r:::;s)'Íios pico. das sertas, e e.n a„i,n.as 
planices elevadas, e mu, retiradas <1<'\ "«^ ' ^ ^ue tUes 
foram seus leitos. Nestas paragens se pode bzer_ "^^^ ,Z 
est-ira ainda no luíjar natural das suas cnstahzaçoes , e por 
ísso^emprlá flor^da tetta. „ Memoria d' «m sab.o M.ne a- 
j^^sta do paiz ., e que por Ordem Regia fez nelle as aveu- 
0iia0es respectivas. 



40% Provínma-^ dt Minas Qtr aesl 

N.íSenhora da Luz: três hospitaes ; Gaza de Mi- 
zericordia , cuja Capella he dedicada a S. Izabel • um 
quartel da Tropa: abundante d' agUas cristalinas, 
e ia vadQ doares ^salutiferos. Os edifícios sam de tai- 
pa , e pau a pique peja maior parte; e poucos de 
pedra. ^ 

Ha nelle um Tribunal denominado Junta Bía^ 
mantina, composto de cinco Deputados , a saber: 

Um Dezenibargador Intendente, que he ô 
Frezidente com jurisdicção privativa na demarca- 
ção diamantina, e um ordenado de 8:000 cru- 
zados:, a fora os emolumentos da sua vara. 

Um Corregedor Fiscal com 5:000 cruzados. 

Um primeiro Caixa com - 8:000 cr. 

Um segundo Caixa com - 6:000 cr! 

Um Inspector geral com - 4:000 cr'. 

Ha um Escrivão dos diamantes , e lim Mei- 
rinho. " 

No contenciozo ha um Escrivão, que escreve 
perante o Dezembargador Intendente nos Feitos 
eiveis , e crimes , que se processam naquelle luizos 
um Meirinho com seu Escrivão. 
_ Ha mais de seis mil Negros trabalhadores , e 
duzentos Inspectores Brancos subalternos da Junta." 

Tem havido annos de quatro, e cinco mil oi- 
tavas de diamantes; e entr'elles algumas pedras 
d'uma athé cinco oitavas. 

A ninguém he permittido entrar no Dístrictdj 

sem licença expressa. 



Fim da Primeira Parte. 



ERRATAS. 



Erros 


mais notáveis, ^^ 


^,y^^mendcís, ..^^ 






QV. 


;.;0n:: ;,. : ^^ 


^ag. 


Lin. 




vin'j^ ■ >.j\ 


4 


Z9 


qnatorze 


qnatorze 


ibid. 


31 


siriris magnns» 


sinas magnas* 


ihid. 


3P 


florencia 


fiorecencia 


ibid. 


pen. 


à empreza 


a emprfza 


7 


2.6 


tantas ter 


tantas dizem terr^- 


ibid. 


: lilt. 


pêra e:! 


para v-^ 


9 


33 


traversaes 


atravessadas 


12 


9 


subcessão 


successao 


ibid. 


10 


Almiraute 


Almirante 


ibid. 


»5 


niantimeutos 


mantimentos 


I? 


ult. 


uecessariamente 


necessariamente 


14 


6 


nonte 


nóiite 


Jbid. 


7 


rerra 


terra 


ibid. 


9 


. brasas 


brasas 


ibid. 


10 


amcotas 


amcoras 


ibid. 


18 


cnmeçou 


começou 


ibid. 


28 


sombreyto 


sombreiro 


19 
ibid. 


9 
11 


algunns 
quartejados 


alguuns 

quartejados 

Capitam 


20 


8 


Capiram 


28 


3 


afferron 


aíTerrou 


34 


ult. 


tios 


rios 


36 


9 


Caqral 


Cabral 


37 


4 


mesma 


mesmo 


ibid. 


30 


descubtimento 


descubtimento 


3^ 


19 


Les ralatioiís 


Les relations 


?9 


25 


gárus 


graus 


ibid. 


32 


sempse 


sempre 


ibid. 


pen. 


€rá mais dificnltozo 


era mais difficultozo 


40 


17 


terta 


terra 


45 


37 


Ame tico 


Américo. 




I 


testemunho 


testemmiho 


/J2 


27 


Castalhano 


Castelhano <^ .. 


í?4 


17 


Capinanias 


Capitanias r 'r 


1;? 


I 


Sonhor 


Senhor ^ 


ibid. 


35 


juntas 


junto 


57 


18 


S. Matheus 


Mucury 


ibid. 


29 


molibedno 


Molybdeno 


ss 


18 


quaimaram 


queimaram 


ibid. 


26 


ntuntur 


iituntur 


ibid. 


27 


ClUJl 


eum 
lá 



m 



Pag. 

ibid. 

^3 
64 

àl 
70 
71 

77 
ibid. 

22 

86 
88 

99 

100 
10 1 

105 

108 

109 
.110 
.118 
;i2i 
'122 

12/; 

ibid. 

ibid- 

136 

Sbid. 

'237 

339 

144 

146 

148 



161 

16/; 
169 

172 
Í74 
177 
183 



2 

34 

27 

I 

2 
18 

2p^ 

4 
II 

ulr. 



Erros* 

estoutro 

cerne 

sobem 

algnma» 

oude 

bioho 

rirco 

quadrudedeS 

Munno 

on de lado 

compripo 

as outas 



11 


macieisas 


2 


fr 11c ti feras 


29 


qnando 


^5 


granpeza 


ia 


eamaiada 


3» 


ponpa 


22 


só de dififerença 


8 


snbstancia 


22 


Manbitiiba 


27 


agrias 


8 


forem 


7 


campanha 


16 


a Forte 


32- 


soccoro 


7 


qne 


I 


que de todos 


21 


Colhiiha-graude 


22 


proximade 


11 


Mombiíuba 


29 


qnatromil 


28 


conserva oo 


■'' t'' 


debiirra n.iffr 


'^3'' 


Thriíinío 


'2^ 


N. Senhora 


34 


familiares : tan\bem 


20 


Evangelhos 


26 


Sudoeste 


29 


campatriotas 


26 


Gammandaiite - 


12 


Pròvinvincia 


14 


das ia 



Emenâ. 

estoutra . 

carne 

sabem 

algumas^ 

onde 

bicho 

risco 

quadrúpede* 

Mundo 

ou de lado 

comprida 

as outras 

macieiras . 

fruc ti feias 

quando 

grandeza 

desmaiada 

poupa 

só se differença 

substancia 

Mampituba 

aguas 

foram 

campanha 

o Forte 

soccotro 

que 

qne todos 
. Cochilha-grande 

proximidade . 

Mampituba 

quatromil 
^iíConserva; 
1'i'rderruba 

Triunfo : 

N. Senhora 

familiares também 

CS Evangelho» 

sueste 

compatriotas ,' 
i Tom mandante ; 

Província 

desta 



Pag. 
ibkl 
ibkl. 
190 

iP? 

196 

£12 
SLI4 
ibid. 

ibid. 
ibid. 
217 
S18 

ibid. 
224 

-22/; 
227 
229 
231 



ibid. 
ibid. 



^34 

263 
264 

277 
28J 

299 
310 
312 
516 
318 

324 
330 
34^ 
347 
359 



Lin, 

31 
34 

22 

I 

12 

^Cy 
38 
17 
19 
Ult. 

29 
IO 

2Ó 

4 

22 



ult1 

17 

»4 



on a murchar 

deixat 

pos espaço 

nouente 

tacidos 

transportas 

expnlsos 

neqne 

po mar 

innocente 

pauca 

deseguar 

Jargnra 

enno 

na meio 

sua 

uâo 

ombas 

d' imlé 

Villa 

de Thauhá 



ou a murchar 

deixar 

por espaço 

noventa 

tecidos 

transportadas 

expulsos 

neque 

do mar 

innocentes 

pouca 

desaguar 

largura 



anno ^ r 

ro meio 
sua 
não 
ambas 
d' imbé 
Freguezia 

e Freguezia de Taman- 
duá ornado com uma 
Igreja Matriz de N. Se- 
nhora do Carmo. 
18 e 19 A Freguezia de Capivarussú jà nâo existe. 

he o mais 
Juiz 

informações 
e Payagoás 
comprimento 
cayilhinlia 
calçadas 
encontra-se 
âíaho velhoi 



z6 

2(^ 

8 

22 
30 

iilr. 



34 



he a mais 

Jniz 

informaçõos 

o Payagoás 

comrri mento 

cavilhina 

calcadas 

encontre-se 

diabo velho. 

desítessÕes 



8 e 22 livra 

10 vaccnm 

29 nuitos 

26 de Santa 

13 cujo 

18 aqnelie 

22 outras 

5 ^apa^ayo á ayu rvC 



digressões 
libra 
vaccunoi 
muitos 
da Santa 
cuja 
aqueiie 
outros 
jjcipagayo d^ayuru* 



Pag. 


Lin, 


itid. 


6 


380 


16 


^^2. 


12 


ibid. 


33 


3«7 


33 


390 


'P 


Z9l 


14 


$94 


26 



Erros. Emenã. 

penedo. Segundo dizem; penedo, segundo di^em; 



e porcos 

chrisraes 
do Marcéíla 
trienualmente 
da Urucuyas 
o do Andayhá 
do do 



e porcos 
cristaes 
da Mareei Ia 
triennaJmente 
do Urucuya 
a do Andayhá 
do lado 



Nor< 



fe^-se. Onos , na pag. 1/3; lin. 36 • e verices na pas. 23. 
lin. 33 nao sam erros. Estes vocábulos estam no MS! e se 
nao houve descuido no copista , parece não passavam de 
particulares a alguns djstrictos ; pois não se encontram 
nos JDiccionarios. 



■ 



M 






i: 



:• 'fi 



4^3 



índice 



Das coizas notáveis do primeiro Tomo. 



A 



í^93 
390 
' 75 
305 
192 

385 

57 
113 
397 

57 



Babás 
Abayté 383 , 

Abelha 74 

Abuná 10 , 

Accarahy 162 , 

Acca^y 
Accroás 
Agathá 
Agua-ardente 
Agua-çuja 
Aguas-marinlias 
Agiiapehyio, 205',!288, 

290 
Agiia-qiiente 
Agiias-thermaes 
Ajetahipeta 
Aimborés ou Aymo- 

^^és 56,377» 

Aipim 

Alagado 

Albardão 

Albuquerque 

Alcaçuz 

Aldêa Maria 

Alecrim 



345 
187 

95 
394 



Alegre 

Alegres 

Alface 

Alfazema 

Aigarrobaí 



9S 



190 

139 
295 
362 

337 
IG9 
209 

391 
P5 
95 

1^8 



Algodoeiro 
Aljôfar 
Alma de gato 
Almas 323 , 342 



Almecega 
Almeidas 
Amambahy 
Amambuhy 



3B4 



206 
266 



106 

191 

77 

351^ 

. 394 
iio 

216 

273 

2-75 



Amaro S. 150, 200, 217 



Amaro-Leite 
Ambuzeiro 
Ameixieira 
Americanas 
Ametista 
Amiantho 
Amoreira 
Ananaz 

Andayhá 383 , 

Andirdba 
Angelim 
Angelo S. 
Angico 
Anhanduliy 
Anhangá 
Anil em by 
Anhonhecanhuva 
Anhuma ou Inhuma S6 
Anhupdca 272 

Anil 11^ 

Annicuns 328 , 337 

Fff 



305 
95 

9S 

39J 
36r 

57 
219 

na 

391 
101 

108 
178 
110 

268 
5^,. 

210 
353 



I N D I C F 



Anta 


61, 


334 


Aiitimonio 




361 


Antoiiiaa 




227 


António Alves 




3^37 


António Felis 




191 


António Lopes 




140 


António Pereira 


373 


Amini 




78 


Apiahy Í2Q9 , 


213 > 


M5 


Apostolas 




169 


Appa 


íiSj, 


296 


Appary 




331 


Appiácás 




308 


Appinagés 




338 


Apiicaianna 




SQ4 


Araasspiava 




£03 


Araçá 


*37' 


287 


Araçá-mirim 




104 


Aracary 




190 


Aracys 


3*1 


» 3^^ 


Araciian 




85 


Araés 




311 


Aragnay ou Ara^- 




giiaya 




326 


Aranliahy ou 


Ara- 




nianliy 




27a 


Aranha. 


73 


> ^95 


Araponga 




78 


Araquára 


"so3 


. 211 


Arara , araruaa 88 


. 38^ 


Áraranguá 




X84 


Ãrarapira 




216 


Araritaguaba, 




^45 


Ararys 




367 


Arassary 




93 


Arassuaiiy 




393 


Aratitu 




97 



Ara xá 354 

Arêas 190,241,315, 351 
^rgil^^ 57 , 361 

^rgoeiro 102 

Ar içá iQ^ô f í2g 

Arinos 309 

Aristoloquia iio 

Armadilha 141 

Ar pista 119 

Arraya 299 , 348 

Arrependidos 384 

Arroya da China 168 
Arroyo-^grande 136 , 184 
Arroyo da palma 136^ 
Arroyo das pedras 136 
Arroz 272 » 299 

Arruda 95 

Assumpção 164 , 374 
Assunguy 228 

Atibaya 243 

Atta IH 

Azevedo 31a 

Azulão 79? 



Babiraquá 

Babitonga 

Bacalhau 

Baccahirys 

Baccurys^ 

Baccuhy 

B^epondy 

Bagada de 

Bagagem 

Bahya 

Bailia Ne 

Bahia dos 

Baliu 



gra 



130^ 
190. 

343 . U^ 
302 ,, 305 

30^ 
191. 

37^^ 
168 
346: 
290. 

^9S. 



S. Fê 
343 . 



Piulieiros 2.1$ 
130. 




índice 



40: 



Bnliul 

Bahuniiha 

Bajé 

Bairro 

Bambuhy 

Banana 

Bananal 208 , 



181 



214 



Bandeira 
Baraliu 
Barbacena 
Barbados 291 , 

Barbara S. 151, 273 
Barbatimão 
Barboza 
Barbudo 
Barery 
Barra 

Barra do R. das Ve- 
lhas 
Barrancas 
Barreiro 
Barreiros 
Barriguda 
Barros Vermelhos 



188! 
287 

238 
382 
III 

241 » 

327 
247 

311 

378 

, 302 
373 

363 
191 

94 

212 

334 

398 
139 
288 
326 
103 
138 



Batatas 

Bativí 

Batubí 

Ba tu vi 

Bauré 

Bayas 

Behemoth 

Beija-ílor 

Beijoim 

Belmonte 

Bemtevi 

Bertióga 



114 , 



217 



130 
lyi 

127 
289 
286 

77 

81 

no 

393 

79 
^31 



Betonica 




III 


Bicudo 


79- 


384 


Biguaçii 


187 , 


191 


Bismuto 




361 


Boa-vista 




301 


Bocaina 




241 


Bocayuva 


270, 


282 


Bogas 




275 


Bom 




214 


Bombáça 




366 


Bom Fim 




354 


Bom Successo 




39^ 


Bonito 




326 


Borboleta 




184 


Bòròrdnia , Bororós 


302^ 


Borrachudo 




383 


Boys 311 , 


329^ 


' 337 


Bragança 




^43 


Brahuna 




96 


Branca 




392^ 


Branco 




296 


Brazil-páu 




105 


Brutiz 




268 


Bugres 


1L20 


» 333 


Bujurd 




139 


Bupéba 




187 


Bu ranhe 




95 


Butua 




no 


Cabaçal 




291 


Cabahybas 




308 


Cabeça de rui: 


)im 


79 


Cabixy 




290 


Cabixys 




^93 


Caboré 




79 


Cabo Verdo 




374 


Cabureigba 




110 


Fff ii 








ICE 

Ca n dê a 
Caíidêas 
Caiideliaria 
Caiiel leira 
Ca n gambá 
Caagica 
Caiisjuçii: 
Caninana 
Ca íi ilides 



ro8í 
3o5 
i68 
104 

362. 

65, 13^ 

72 

88 

113 



Ca a na d'assucar 

Cannabé 1^2 

Cannabrava 333 

Caiinaiiéa 187 227, 

Caniielióes 1.-4 

Cantáridas 3^^. 

Cão silvestre 62, 

Capibára ^^ 

Capibary 133, 137,185, 
210, 214., 350, 376, 

Lapocaya 130 

Capoclids 294 

Capueira g^ 

Cará 11^ 

Caraça 36^ 

Caracarás 163 

Caraha 230 

Carahy 135 

Carajás 335 

Carapéba 1.94 

Caravatahi 1.50 

Carcapal 297 

Cardial 80 

Cardiguera 90 

Cardo z o 204 

Carijós 187 , 192 , 379 

Caròba m 



índice 



407 



385 



151 



:9, i4.< 



Carrancas 

Carriça 

Carvalho iSi 

Carvão de pedra 

Caruára 

Carynheiília 

Casca 

Cascavel 

Cassanába 

Castanheiro 

Castilhos i: 

Castro 

Catas Altas 371 

Catinga 31.9 

Cavalcante 

Cavallinhos- 

Caveiras 131 

Ca.uhaii 

Caiu a rio 

Cat^táros 

Caxinglé 

Cayabávas í^Bo 

Cayapó 31^6, 330 

Cayaponia 

Caytetu 

Caziquey 

Cedro 

Cegonha 

Centeio 119 , 219 , 



Cerejeira 
Cerro Largo 

Cevaoa 
Chacriabás 
Cham cos 
Chama coelho 
Chapada 342 , 



375! 
80 I 

365! 
36t 
75 

39^ 

298 

72 

240 

95 
216 

229 

373 
391 

347 
191 
1230 
84 
290 

293 

61 

> 285 

» 331 

33^ 

67 

131 

95 
80 

362 , 

37B, 392 

365 

128 

1.81 , 

354 
280 

80 



Charruas 

Cha vante 

Cliaynêz 294 , 

Chi cha 

Chichtihy 266, 

Chippá 

Chiquitos 

Chólo 

Chopótó 

Chumbo 

Chiihy 

Cigarra 

Cipotá 



119 



57 
126 



304 ' 
57. 



38 



j ' 



Claro 

Cobras 

Cobre 

Cocaes 

Cochilhas 

Cochim 

Cochonilha 

Codorniz 

Coelho 

Coentro 

Coimbra 

Coiros 

Colhereira 

Coliangti 

Colibri 

Coila. 

Colorado 

Conceição 

Condiiru 

Congonha 112 

Coroados 

Coroas 

Comeu tiií IV 

Corpus 



141 

341 

295 
283 
297 
165 
289 
148 

3^7 
367 
140 

73 

212 

326 , 285 

7X 



338, 

303, 

í^74 » 
164 , 



3^6 
361 



•v) ' 



204 
345 



349 



347 

185 
302 



3^í 

373 

12^ 

27Q 

181 

147 

63 

9j 

^95 

384 

80 

87 

8q 

297 

39S 

95 

379 
368 

280 

8* 

1,63, 



4o8 



índice 



Correntes 13 1> 163,156, 

395 



Cortys 
Coruguaty 
Coruja 
Corumbá 

Corumbiára 
Cotia 

Couve 

Crapds 

Craveiro 

Criszolica 

Cristaes 

Crixá 

Cubatão Í2O3 

Cochipds 

Cuica 

Cuim 

Cuítezeita 

Cunha 

Cupaliuba 

Cupim 

Cupineira 

Curibocas 

Curmatahy 

CjUrucucii 

Cururu 

Cnruruhy 

Curytiba 

Cuyabá 293 

Cuyaté 



168 



9S 

95* 
57 



338 

^75 
82 

Í290 

63 

218 

368 

219 

400 

382 

3^6, 335 

216, 237 

£48 

63 

63 
104 

641 

IIO 

74 

75 

148 , 302 

3^4 
III 
III 

331 

231 

299 



Douradilho 
Dourada 240 
Dourados 
Drago s 
Duro 136 

Ema 

Embahii 

Embituba 

Embotateu 

Enhapupé 

Encontro 

Erirys 

Escalvada 

Escopil 

Escuro 

Esmeralda 

Espenilho 

Espigelia 

Esquilo 

Esquina 

Estanho 

Estoraque 

Estrema 

Estrondo 



229 , 
298, 



-^66 



Daro 136 

Daymar 134 

Desemboque 392 

iDiamante 400 , 402 , 57 
Diamantino 294 , 398 



Facão 

Fanado 

Farinhas 

Fartura 

Feiticeiro 

Ferreiro 

Ferro 57, 204 

Figueira 95 , 

Figuras 

Flores 

Formiga 



137 
» ^13 » 33a 

331 
189 

» SH » 34^ 

82, 14^ 
186 
186 

272 
89 

83 
190 

*94' 33a 

274 

384 

57 . 39a 

153 

293 

62. 

168 

57 * 361 

no, 363 

398 
332 

241 

39^ 
191 

326 

83 

333 . 336 

322, 361 

2^31 » 181 

34 í 

140 , 348 

73 > 343 



índice 



409 



Fornos 

Forquim 

Franca 

Freclieiíra 

Funchal 

Funil 

Furado 

Furnas 

Furo 



140 



321 



Galheiro 

Gallé 

Galleirão 

Galléra 

Gallo do bando 

Gambá 

Ganelleira 

Garça 

Garopába 
Gaí^par Soares 

Gatimim 

Gato 

General 

Gengibre 

Geremma 

Getaliy 

Gyboya 

Giparana 

Gomma coppal 

Gonçalo-alveá 

Goya 

Goyá Goyáz 

Goyába 

Gram Mogol 

Grapecique 

Grapuetan 

Gravata 



£89 



104 



lí^i 



IIO 



314 



191 

371 

2ZI.3 
366 
383 

Í2C8 

271 

350 

3^7 

344 

Í95 

83 

331 

83 

69 

343 

84 

185 

39<^ 

» 273 

63 



Gravatahl 

Grunhatá 

Guabirabeira 

Guacuman 

Quacury 

Gualiibe 

Gualt^guay 

Gu ali acho 

Guanans 

Guanhaná 

Guannás 

Guapindayas 

Guaporé 

Guará 

Guarabu 

Guaracão 

Guaranis 

Guaraparês 

Guarapuaba 

Guaraquissava 

Gu ar asseia va 

Guaratinguetá 

Guaratuba 



134 
366 



63 



3^4 ^ 

IIO jGuaraxaim 

107 

75 

712 
306 
321 

168 
3^5 



S94 
i8j 

141 

188 



Guariba 

Guariterés 

Guaroupas 

Guatòs 

Guaxinin 

Guaxys 

Guayanás 

Guaycanans 

Guaycuhy 

Guaycurús 

Guidáva 

Guiiaponga 

Guriuuba 



134 
84 

99 
268 
27a 
2*17 

lÓSr 
372^ 
295 
247 

311 

> H 

i8i 
64 

157 
Í258 

ao8 , Í2I3 
116 

203 , 244 

241 

2-15 ,. 226 

64 

306 

187 

3012 , 284 

H 
280 

í^35 
141 

3S4 

252, 
296 

78 
393 



4Í& 



índice 



Harêz 

Herva-chiimbo 

Herva de colara 

Herva-doce 

Herva-ferro 

Herval 

Hortelan 

Hottinga 

Hiiguruguita 
Hy 

Hyapó 

Hybicuhy 

Hybipita 

Hyguaçu 

Hyjiihy 176 , 

Hynhangabahu 

Bypanêma 

Hypiaugliiihy 303 , 

Hyrára 61 

Hytu 

Hyvitujahy 



Jabnrií 

Jabuticabeira 

Jaca 

Jaçanã n 

Jacarandá 

Jacaré 375 

Jacaréhy 

Jacarê-pipira 

]acii 

Jacutinga 

Jacu Pemba 

Jacuhy 132 , 241 



252 



III 

109 

95 
III 
129 

395 

297 

132 
229 

170 
176 

57 
177 

326 
> ^3 

359 



Jaguaré 
jaguaiy iio , 



1^2 



132 
204 



84 

97 
99 
85 



Jagapé 
Jaguaué 



376, 71 

239 
211 

^5 

85 

% 

124 
163 
-67 



Jaguariquatu 

Jaguaron 

Jalapa 

Jamary 

Jambeiro 

Japoré 

Japu , e Japué 

Jarâcatiá 

Jaraguá 

Jararaca 

Jararacuçu 

Jaraticáca 

Jaraubahiba 

Jatahy 

Jatubá 114, 

Javaliés 

Jaurú 

Jaury-guaçu 

Ibera 

Ibicui 

Tbicui-guaçu 

Ibicui-mirim 

Ibupctuba 

Icapára 

Jejuhi 

Jequetahi 

Jequitinhonha 

Jeroglificos 

Jetahi 

Igarupay 

Igatimi 121 , 126 

Iguaçu 

Iguápe 216 

I guará y 



301 
33^ 



131 



, SO7 
381 , 
. 176 
, 213 

135 

TIO 

306 
98 

385 

^5 

266 
189 

7^ 

73 

64 

291 

212 

> 3í2i 

> 34^ 
290 

303 

163 

. 170 

Í33 
132 
215 
216 

275 ' 
384 

393 

37-^ 

95 

134 

^73 
207 

228 

^74 



índice 



411 



Iguarey 

Jenipapo 

Jiquitibá 

Imbaiihí 

Imbè 

Incenso 

Inficionado 

Inhame 

Inhúma 

Innocentes 

In sua 



<ic6 
98,382 

95» 114 '395 
241 

164 

322 

373 

IÍ4 

S6 

217 

r' - 304 



^9j 



Inxú 

Joage 
João de Barros 
João-Bicudo 
]oão-colo 
Joazeiro 
Jocurialú 
Jordão 
Ippanè 
Irahí 
Irajassé 
Irapuan 
Iriry 
Iroliy 
Itaberava 
Itacarambí 
Itacolumí 
Itaguira 
Itarnarandiba 
Iranliaen 
Itapacoroya 
Itapéva 
Itapicú 
I tapicuru 
Itapitininga 
Itapuan 
Tom. L 



e Inxuhy 75 ,76 

276 



163 



86 
•27T 
86 
96 
213 
209 
G97 

Í33 
130 

133 
188 

130 

358 
385 
130 ' 365 
303 
393 
238 
189 

189 

96 

,244 

J70 



217 



212 
168 

365 
289 

303 
367 
169 

382,384 

393 

206 ,213 
206 ,273 



205 



209 



Ttapúra 

Itaty 

Itaubéra 

Itenèz 

Itiquíra 

Ititiaya 

ítú 

ítucambíra 

Itucanibiruçú 

ívahy 

ívyníieima 

Jundiálií 

Jupiá 

Juquiriqueré 

Juréa 

Juriti 

]urú 

Juruênna 

Jurudcca 

Júva 

Juyna 



Lage 294 , 355 

Lages 230 

Lagoa 185 

Lagoa Cajubá 137 

Lagoa da Cruz 189 

Lagoa Doirada 359 

Lagoa Feia 349>384>38o 
Lagoa Formoza 323 

Lagoa Grande 304 

Lagoa Mirim 1^5 

Lagoa dos Patos 134 

Lagoa das Cabibáras 137 
Lagoa da Mangueira 137 
Lagoa de Mostardas 138 
L. da Serra , ou dos Barros 137 



Ggg 




«■-^ 



Lenheiro 

Leonil 

Lobo 

Lontra 

Lopo 

Lorena 

Losna 

Loiro 

Luiz Alves 



Macaco 

Maçarico 

Macauhaii 

Maohado 

Machacarys 

Macieira 

Maciico 

Macunys 

Macieira 

Magdalena 

Mag néte 

Maldonado 

Maiicia cie mulher 

Malva 

Mamão 

Mambares- 



N D I C R 



3B7 
386 
185 

3B2 

í^93 
211 

3Sí2 

9ír 

^7 

9 

374 
307 

64 

71 
374 

93 
181 

j88 

65 
«7 
84 

306 

394 

95 
89 

394 
.289 

289 

57 
^53 
113 

III 
163 

308 



Mameluco 2^5* , 30ÍÍ. 

Mamoneira m 

Mamoré 289 

Mampitiiba 118^ 1 80 , 

139 > 1^4 

Mandassaia 75 

Mandioca . 114 

Mandubim 115 

Mangabeira 98, 293.., 344 
Mangará , e Manga- 

114 
109 

137 
36? 

324 
3<5o 

367 



99 



rito 
Mangue 
Mangueira 
Manhuassú 
Manuel Alves 
Mantiqueira 
Maquipdo 

Maracajii ifo , 207 , 273 

Maracayá 63 
Maracujá . iia 

Maranham 323 

Marcella 382 

Marianna 371 

Marido-he-dia 87 

Marinheiros 140 

Marmellada 383 

Marmeliadeira 321 

Marra ell eiró 95 

Martyrios 31^ 

Maruhy 187 

Massambií 186 

Massarandiiba 95 
Matança 339 , 34a 
Mato Grosio 247 , 287 , 

Matozinhos 378 

Matte i6^. 



I ND I C E 



.1'^ 



Meia-ponte 
Melancia , e Melão 
Meqiien 
Mercnrio 
Mia ma y a 
Minas Geracs 
Mineral de ferro 20 



85^ 

.95 
290 

361 

273 

319' 39^ 
Minuanos 141 

Miranda ^86 

Mirinay 162 

Missões 159 

Mdccd 6s 

Mocetaliyba 95 

Mocugè III 

Mocuhyba 9 o 

Moghos ou Moxos 289 
Mondego 272 

Monte Vidío 129 , 152 
Montes Claros 351 

Montes Pyrenneos 352 
Moquèm 33<^'34^ 

Morangos 266 

Morcego 87 

Morféa 356 

Morimbondo ■ 75" 

Morro do chapéo 34^*394 
Morro de S. Martha i ^ 
Mortes 3^4 » 374 
Mosqnitinho 
Mosquito 



Mu mb uca 

Muricy 

Miitum 

Nambu ou Nhambú 
Nardo 
Natividade 
Neliembncii 
Nheziquem ■ - 
Nlm ndiaqu á r a 216 
Nogueira 231 

Noííibds 
Noroguagôs 
Nova Beyra 



Mostarda 

Mozambo 

Mozés 

Mucury 

Mugy 

fvlugy das Cruzes 



167 
13S 



j 

375 

75 

344 



114 
211 



37<5 
107 

394 
M3 
^39 



Oberáva 

Olandim 

Oliveira 

Onça 

Opuncia 

Orelha d' anta 

Orelha d' onça 

Oiro 

Oiro Branco 

Oiro Fino 

Oiro Preto 



95 
66 



366 
336 
365 
Oyty ,e Oytycica 

Paca 

Paca-nova 
Paccahás 
Pacú 
Pacuhy 
Pahd 
Palma 

Palmares íj^^ 

Palmeira icp 

Ggg ii 



75 
99 
87 

89 

362 

34^ 
167 

104 
, 227 

.365 

87 

S3B 

33S 

294 
96 

>23i 

i 206 

181 

^71 

iii: 

^94 

.379 

,381 

,368 

96 

67 
306 

305 

301 

384 

88 

344 

137 

>344 



4^4 

Palmito 
Pâmrnas 
Pandeiro 
Paiiêma 
Pau liames- 



I N D IC E 



278 
305 

3% 
i97Ȓ98 

394 
Paiiranaes 254,263,271 

Pântanos 194, 258 

Pão d' assncar 129 

Papa-arroz 88 

Papagayo 88,375,395 
Pará 383,388 

Paracatti 3B4,3S9'39i 
Paragau 289 

Paragiiay 294 

Parahyha 215 

Parahybuna 242, 365,367 
Paraíiytinga 242 

Parannà 155,205 

Parannaguá 190,215,226 
Parannahyba 303 , 328 
Parannan 3M'337'343 
Parannapanema 209 

Parannapetlnga 304 

Parannás 298 

Parannatinga 324 

Parapiuanga 301 

Parary 90 

Paratinga 326 

Paratinim 176 

Paratininga 324 

Parahuna 384 

Paranpéba ^383 

Pardo 133 ,151,214, 
267 , 384, 394 
Parida 374 

Parnaliyba 239 

Paròba ^ 10^ 



Parsa 297 

Pary 291 , 294 , 353 

Paricys 302 

Pasmados 330,331 

Pássaros 272 

Patáque 297 

Patariva 94 

Patosi34,T4i, 147, 192,351 
Patrulha 151 

Patype 394 

Pavão 88 

Paii-d'allio 298 

Pau d' arco 96 

Pati d' óleo 96 

Paii^roxo 96 

Payagoás 252 

Peças 215 

Pecegueiro 95 

Pechurim 313 

Pederneira 244 

Pedra d' affiar , e amo- 
lar 57 
Pedra-sabão 57 
Pedras 153 ,329^354 
Pegiiim 96 
Pcixe-bravo 393 
iPellotas 131,135 
Pepery ou Peqiiery 126, 
131 ,209 
Percicába ou Piraci- 
caba 203 ,210 , 246 , 
^ , 365 , 366 
Perdição 316,331 ,382 
Perdiz 89 
Perongos 154 
jPerú do mato 89 
'Peto ou piça-pâu 89 



índice 



Piaugliuliy 




303 


Piauhy 




393 


Pilar 




335 


Pilco-Mayc 


) 


298 


Pilões 




316 


Pimenra 




IÍ3 


Pinciahyba 


113, 288 


.385 


Pindamonhangába 


Í24C 


Pinha 




III 


Pinheiro i 


[90 , 210 


,218 


Pinherol 




153 


Pintado 




154 


Piolho 




290 


Pipira 




Í2II 


Piqiiihá 




114 


Piqueira 




301 


Piquiry 


121 , 


133 . 




2o6> 303 


' 332 


Pirahy 




09 6 



Pira j II 
Piranga 



297 
189 , 'b66 ,371 , 

37(' 



Pirannêma 




300 


Pirapirapiian 




2C4 


Pirapó 




209 


Pirapóra 


212 


,384 


Piraquè. 




100 


Piraqiiéra 




186 


Piratinin 130, 


135 


,152 




176 


.235 


Pitangueira 




99 


Pitangiii 


213 


,388 


Pitomba 




III 


Plata , Platina 


57 


,298 


Pochetys 




338 


Poconè 




300 


Pojuba 




367 




Pompim 
Ponche 
Ponta 
Pontal 
Pont' alta 
Porcos 
Portalegre 
Porteira 
Porto Feliz 
Porto Real 
Pouzo-Alegre 
Pouzo Alto 
Povo Novo 
Prata 57 

Preguiça 
Prehá 
Província das 

Missões 
Pueblo-Novo 
Piirys 
Piituimijá 
Pirabiréba 
Piracanjúba 

Qiiassia 
Quaty 



4i6 



índice 



Rapoza 142 

Rato 6p 

Ratones 194 , k^^ 

Redacções 157 ^ jr^s 

Remédios 100 

Rendeira 94 

Rezende 367 

Rio Alegre 288 

Rio Branco 274 

Rio Diamantino 294 

Rio Doce 366 

Rio Grande 117 , 134 , 

326 , 375 
Rio Manso 400 

Rio Negro 132,188,208, 

267 , 273 

Rio Pardo 133 , 151 ,267 

Rio do Peixe 214 , 304 , 

3^^,333, 335, 346, 

- 350*351 .37<5»396 
Rio Preto 291 ,309 ,343 , 

^ ^ 367 , 3% , 394 
Rio Rico 31^ 

Rio Verde 205 , 245 , 
272, 289 
Rio Vermelho 194 

Rola 90,164 

Romeira 95 

Roncador 304 , 393 

Rozeira ot 



Rubim 
Ruibarbo 



163 , 



57 

;22 



Sabará 358 ,381 ,386 
Sabiá 90 

Saboy^ty 135 



Saccaíágiia 

Sãcco 

Safira 

Sagiiaçú 

Sahiiim 

Saiiy 90 , 91 , í8o 



Saíado 

Salgado 

Sal-gemma 

Salitre 

Salsa 

Salsa-parrilha 

Sambambaya 

Sangrador 



14S 
269 

5'7 > 395 
190 

192 , 

^15 

297 

385*391 

57 ^319 

57 »36i ,363 

95 

ixo ,306 

304 



Sangue de drago 163,287 

Sanguexnga 267,269,270 

Sanhaço 

Santos 

Sapiicahy 

Sapiicaya 

Saréré 

Sarohè 

Sarúmmas 

Sassafrás 

Sassuhy 

Saudade 

Savía 

Sebastião d' Arruda 

Selada 

Sene 

Sentinéíla 

Sepetiva 

Seriema 

Serra-brancá 

Serra doirada 

Serra-escalvada . 



91 

217 ,236 

^14 > 375 

96, 100 

289 

69 

305 

96,163 

366,395 

3^2,383 

70 

96 

271 

322 

33a 
291- 

Çi 

394 
3í^3 
316 



índice 



392- 



Serra-negra 216 , 351 , 

35^^ '374 >3^'í^ 
Serrador 
Serro- frio 
Serro largo 
Sete-lagoas 
Sete-quedas 
Se tu vai 
Sino 
Sipò 

Sipotiíba 
Soberbo 
Sobrado 
Soco 
Soffrer 
Somboloros 
Somno 324 , 



Sorocaba 

Soterio 

Stalactites 

Suçuarana 

Sucupira 

Sucuriú 



20 



91 
, e seg. 

294 

206 , 207 

393 

134 

395 
298 

214 

344 
92 
91 

148 

34^ '3^4 
.210 , 243 
306 

349 '373 
9 ,66 

96 
5 '303 .332 
34^ '3^<^ 
71,38^ 
268 

303 » 386 
309 



Sucuriíiba 

Sucuriy 

Sucury 

Sumidor 

Sudbdgo 297 

Surucucú 72 

S. Amaro 15:0,200,218 

S. Auastazio 206 

S.Angelo 178 

S. Anna 241 , 291 , 327 , 

irA '3^1 .391 

S. António 209 ,338 , 
355 ' 3 66 , 393 



S. 

s. 
s. 
s. 

s. 
s. 

S. 

s. 

s« 

s. 

s. 

S. 

s. 



António] da Man- 
ga 39'^ 
Barbara if^i , 273 
Bartholomeu 327 
Carlos 170 , 246 , 287, 
381 



Catharina 180 , 193 
Cosme 169 

Cruz 353 . 397 

Domingos 153 ,344 , 
348,452,397 
Fé 170 , 297 

Felis 343 , 344 , 346 , 

347 
Francisco 189 , 198 , 

382, 
Francisco de borja 177 
Francisco Xavier , 1 70, 

291 5 292, 
Gonsaio 135 , 38Í 

Jerónimo 300 

169 , 170 
209 ,215 ,311 , 

388 ,393 
]oão das duas- Bar- 
ras 3^8,339,349 
João d' El^Rey 377 
]oão da Palma 349 
fozé 207, 229,346,374 
jozé de Massame- 
des 336 
Lourenço 303 
Luzia 132, 167 .353 , 
38S 
Manuel 368 
Marcos 328 
Maria 130, 170, 208 



ígnacio 
João 



4iB 



ÍNDICE 



S. Martha 1^5,332 

S. Martinho 176 

S. Miguei 168, 178, 187 , 
198,289 
S, Paulo 200 , 234 

S. Pedro 117 , 130 , 13J. 
S. Pedro d' Alcan- 

tara 343» 3^1 

Ç. Pedro, d' El-Rey 300 
S. Rita 335 ,34^>385 
S. Romão 390 

S. Sebastião 218,238 
S. Simão 259, 290 

S. Thereza 333 

S. Thiago 170 

S. Tliomé 169 

S. Vicente 200 ,217 , 237 



Tababuya 




108 


Tabatinga 141 


, 204 


,382 


Tabixú ' 




297 


Tabocas 


324 


>338 


Tabuniliyna 




308 


Tabuyayá 




222 


Tacoára 


94 


.138 


Tacoâral 268 


.304 


»333 


Tacoarapaya 




268 


Tacoary 


133 . 


"271 


Tajahy 




188 


Tamandatahy 




í^34 


Tamanduá 


70 


'379 


Tâmara 




114 


Tamarés 




305 


Tamarinheiro 




114 


Tamboretes 




190 


Tapacoás 




341 


TapaJQZ 




310 



Tapera g^ 

lapinliuan 10^ 

Tapira ^j 

Tapiranga ç^ 

Tapirapuan 12c x 

Tappes 157^171 

Tappirapes , Tappira- 

ques 311 

Taramandabú '' 139 

Taruman 113 

Tatu yi 

Tavares iç^ 

Taynyu 147 

Teréré 213,225 

Terery 296 

Thahym 126,137 

Thahó 204 

Thaubaté 52,40 

Tiíeit 108 

Thua 1214 

Tibagy 2i!2» 

Tibaya 210 , 243 , 246 
Tibicoary 133,162,297 
Tico tico 94 

Tiété 2io,eseg. 

Tigre 9 ,66,136,333 
Tijuco 350»377.3S4, 

401 
Tingará 92. 

Tinguí 107 

Tinto 214 

Tipoty 296 

Tiquinitó 304 

Tizoiras 326,332 

Todos os Santos 395 
Torno . 344 

Tpropy 170 



I N D 



Torres 


181 ,184 


Trahiras 311 


, 343 . 345 


Tramandahy 


137^^39 


Tremembé 


240 


Tres-Barras 


I9i'3ii 


Tres-Trmâos 


195' í^<^9 


Tres-Portos 


184 


Trindade 


rjo 


Tubarão 


185,230 


Tiicambira 


358 


Tucano 


9^ 


Tucantins 3123 


, e seg. 




340 ' 343 


Tucum ou ticum 109 


Tucunaré 


306 


Tunama 


28Q 


Tunga 


76 


Tupan 


5S 


Turvo 


331 


Tutêz 


299 


Tuyuyu 


.93 


Tyhé 


92 


Vaccahy 


122,133 


Vaccaria 


275*393 


Varadoiro 


228,270 


Varge 


208 


Varges 


308 


Ubahy 21' 


3,289,306 


Ubatúba 


238 


Uberáva 


350 


Ubussú 


307 


Veado 


71 


Velhas 


328 , 384 


Veríssimo 


• 35^^ 


Vertentes 


312 


Uliayhás 


305 



To/72. /. 




Viadeiros 

Via mão 

Víboras 

Videira 

Vigia 

Villa Bella 

Villa Boa 

Villa Maria 

Villa Nova 

Villa Nova deS.Luiz 226 

Villa Nova da Rai 

nlia 
Villa da Princeza 

Villa do Príncipe 

Villa Real 

Villa Rica 168 

Vinhatico 

Viuva 

Una 1B6, 

Unigénito 

Upitanga 

Urubu 

Urubá-Pungá 

Urucú 

Uruçú 

Urucuriinys 

Urucuya 

Uruguay 

Uruhú 

Urussa 

Uvacupary 

Uvapiritica 

Vupabussil 













f^m^ '^""^ 


índice 


Xanacy 
Xavier 
Xerentes 
Xerez 223, 
Xú-nbiiiás 


311 

J38> 195 

33B , 341 

311 


Xiriqnanos 

Yapegú 

Yapó 

Ybicuy 


^76 

170 
124, 2J3 


Xingu 

Xtngiuania 

Xiquitos 


311 Zabellè 
311 Zêzere 
a§o Zorrilho 


63 

í^7S 
164 




if ^^^ 




' ' i 






\ 


WÊM^: 


*Pi^# 


^ 






p 




IBBV^Vw k'^ 


i 



X^asL 







,u. 



i.tfi 



wr. 



A 






rx*